SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
 1908
                  1967




ENTRE O SERTÃO
 E O GABINETE
Aos 6 anos,
Com a esposa          quando leu o     Aos 44 anos, quando
   Aracy,            primeiro livro,    Revisitou o Sertão.
  em 1949.            em francês,
               Les femmes qui aimment.
“Num romance de Guimarães Rosa, o
personagem narrador diz, volta e meia, que
‘viver é    muito perigoso’. Um escritor
mineiro localizou a mesma frase em Goethe;
era muito do Rosa, essa mistura de Goethe
com sertanejo”.



                 Rubem Braga, Recado de primavera
João era fabulista?
fabuloso?              Carlos Drummond   de Andrade

fábula?
Sertão místico disparando
no exílio da linguagem comum? […]

Ficamos sem saber o que era João
e se João existiu
de se pegar.
Às vezes, quase acredito que
eu mesmo, João, seja um con-
to contado por mim.
"Falo: português, alemão, francês, inglês, espanhol,
italiano, esperanto, um pouco de russo; leio: sueco,
holandês, latim e grego (mas com o dicionário
agarrado); entendo alguns dialetos alemães;
estudei a gramática: do húngaro, do árabe, do
sânscrito, do lituânio, do polonês, do tupi, do
hebraico, do japonês, do tcheco, do finlandês, do
dinamarquês; bisbilhotei um pouco a respeito de
outras. Mas tudo mal. Eu acho que estudar o
espírito e o mecanismo de outras línguas ajuda
muito à compreensão mais profunda do idioma
nacional. Principalmente, porém, estudando-se por
divertimento, gosto e distração".
 O título do livro, Sagarana, remete-nos a
um dos processos de invenção de palavras
mais característicos de Rosa: o hibridismo.
SAGA é radical de origem germânica e
significa "canto heróico", "lenda"; RANA vem
da língua indígena e quer dizer "à maneira
de" ou "espécie de". As estórias desembo-
cam sempre numa alegoria e o desenrolar
dos fatos prende-se a um sentido ou "moral",
à maneira das fábulas.
 Os contos foram escritos
pelo ano de 1937, com o ob-
jetivo de serem submetidos
ao famoso Prêmio Graça
Aranha que era organizado
pela Editora José Olympio.



                    Fac-símile da capa original enviada por
                       G. Rosa ao Concurso da Editora José
                                                  Olympio.
 Guimarães Rosa utilizou,
para participar do concurso
o pseudônimo de Viator.

 O livro ficou em segundo
lugar, embora Graciliano
Ramos, um dos jurados, te-
nha definido sua colocação
em primeiro.

                   Fac-símile da capa original enviada por
                      G. Rosa ao Concurso da Editora José
                                                 Olympio.
 Após o processo de depuração, “Questões
de família” e “Uma história de amor” foram
destruídos e “Bicho mau” deixou de figurar
em SAGARANA por não ter parentesco com
as outras nove estórias.

 Em carta escrita a João Condé, Rosa
explica todo o processo de criação e
depuração do livro.
GÊNERO E SUB-GÊNERO


 Não existem dúvidas acerca   da classificação
quanto ao gênero literário     dos textos de
SAGARANA.

 Mas no que se refere ao sub-gênero, existe
uma polêmica em relação a esse assunto.

 O que para alguns críticos poderiam ser de-
nominados de “contos”, para outros tantos se
chamariam “novela”.
GÊNERO E SUB-GÊNERO


 “As nove peças que formam o volume
SAGARANA continuam a grande tradição da
arte de narrar. O gênero peculiar do autor é,
aliás, a novela e não o conto... menos pela
extensão relativamente grande do que pela
existência, em cada uma delas, de vários
episódios — ou ‘subistórias’, na expressão do
escritor ...

        RÓNAI, Paulo. A arte de contar em Sagarana. IN: Sa-
           garana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
GÊNERO E SUB-GÊNERO

 Já pressentira que o livro, não podendo ser
de poemas, teria de ser de novelas. E - sendo
meu - uma série de Histórias adultas da Caro-
chinha, portanto.

 “Bem, resumindo: ficou resolvido que o livro
se passaria no interior de Minas Gerais. E com-
por-se-ia de 12 novelas. Aqui, caro Condé, fin-
dava a fase de premeditação. Restava agir”.

               GUIMARÃES ROSA, em carta a João Condé
LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS

É o que podemos chamar de neologismos onde
sobressaem composições e derivações novas,
além “de novos tipos de construção frasal”, di-
tos “neologismos sintáticos”, segundo Mattoso
Câmara.

 DERIVAÇÃO PREFIXAL: Um dos prefixos
mais usados é ainda des-: desfeliz, desenxer-
gar, etc. sempre em sentido negativo ou como
mero reforço, dado e desgaste do prefixo exis-
tente, como é o caso de desinfeliz.
LINGUAGEM

 Quanto à linguagem, Augusto de Campos
observa que “embora revele um notável e
incomum domínio artesanal, a linguagem de
Guimarães Rosa também não se confunde
com a dos estilistas da língua. O seu
palavreado diferente não é constituído
propriamente de vocábulos “difíceis” ou
desusados, como no caso de Euclides da
Cunha ou Coelho Neto, mas de recriações e
invenções forjadas a partir das virtualidades
do idioma, que levam o leitor a constantes
descobertas.”
LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS


 DERIVAÇÃO SUFIXAL: É outro processo
formador de vocábulos novos bastante usado
no livro e que funciona como expressivo
recurso estilístico, principalmente em se
tratando de linguagem popular. Entre outros
exemplos,    mencionemos      o   caso   de:
vaqueirama, assimzinho, coisama, pensação,
cigarrar, rapaziar, quilometrosa, maismente,
saudadear, pererecar, etc.
LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS

 DERIVAÇÃO PARASSINTÉTICA: Consiste no
uso de prefixo e sufixo ao mesmo tempo. Não
é muito freqüente em Sagarana, mas mesmo
assim podemos anotar alguns exemplos: avoa-
mento, esmoralizado, desbriado, amaleitado,
etc.
 ABREVIAÇÃO: Na abreviação, registre-se o
caso de estranja (cf. “você não tem vergonha
de trabalhar p’ra esses gringos, p’ra uns es-
tranjas, gente atoa?” Outros: corgo, arve, p’ra,
vam’bora, ixa!, etc.
LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS



 COMPOSIÇÃO AGLUTINADA: passopreto,
milmalditas, suaviloqüência, destamanho,
membora, etc.


 COMPOSIÇÃO JUSTAPOSTA: homem-do-pau-
comprido-com-o-marimbondo-na-ponta, moço-
que-acaba-casando, quero-porque-quero.
LINGUAGEM: ARCAÍSMOS

 O ARCAÍSMO em SAGARANA é um reflexo da
linguagem popular, visto que a língua do inte-
rior, afastada do contato com a civilização, é
estática, conservando muitos vocábulos do
português arcaico. Entre outros, anotemos a-
qui alguns exemplos: riba (cf. por riba do mon-
te), banda (em lugar de lado), vigiar (em vez
de olhar), quentar (em vez de esquentar)

 Agarantir, alembrar, alumiar, amostrar, arre-
conhecer, arrenegar, arresolver, arresponder,
arresistir, etc.
LINGUAGEM: MUSICALIDADE


 RIMAS


 RITMO


 ALITERAÇÃO


 ONOMATOPÉIA
PARTICULARIDADES


 FABULAÇÃO: As narrativas são repletas de
incidentes, casos fantásticos e imaginários,
contém às vezes mais de uma “estória”
dentro da “estória”. De um modo geral,
entretanto, esses casos secundários são
postos em função do principal: têm a
finalidade de comprovar ou preparar terreno
para a história principal.
PARTICULARIDADES

 PERSONAGENS: estão ligados à paisagem
mineira, à vida das fazendas, à saga dos
vaqueiros e dos criadores de gado — mundo
da infância e mocidade de Guimarães Rosa.
    “Seus personagens são admiravelmente
delineados e caracterizados não apenas exter-
namente, mas com uma rara penetração da
psicologia do homem rústico. Suas descrições,
atestam um conhecimento minucioso de gen-
tes, plantas e bichos em contacto com o am-
biente sertanejo”. (Augusto de Campos).
PARTICULARIDADES

 PROVÉRBIOS E QUADRAS: É outra caracterís-
tica do estilo rosiano que evidencia um gosto
bem popular: o gosto por ditados e provérbios,
além das quadrinhas que harmonizam as noites
sertanejas, sob um céu palpitante de luar e de
estrelas que pululam encantadas dos sons
gote-jantes das melodias populares. Mundo de
fanta-sia e poesia que já começa a crepuscular
para dar lugar aos sons trepidantes e
fumegantes das guitarras desconcertantes que
infestam e empestam ao soberbo século XX de
maravilhas fatais! Algumas quadras são
epígrafes.
TÉCNICA NARRATIVA

 SINTAXE PONTILHISTA: De um modo geral,
as descrições de Guimarães (principalmente as
descrições) são entrecortadas por frases curtas
e rápidas, dando especial atenção à frase nomi-
nal. Trata-se de uma sintaxe “telegráfica”:

“Uma porteira. Mais porteira. Os currais. Vultos
de vacas, debandando. A varanda grande. Lu-
zes. Chegamos. Apear”.
TÉCNICA NARRATIVA
 RETICÊNCIAS: As reticências denotam inter-
rupção do pensamento ou hesitação em enun-
ciá-lo. É recurso muito usado em SAGARANA, o
que confere ao texto maior autenticidade e ex-
pressividade oral.

 “- Ah, que honra, mas que minha honra,
senhor Doutor Secretário do Interior... Entrar
nesta ca-fua, que menos merece e mais
recebe... Esteja à vontade! Se execute! Aqui o
senhor é vós... Já jantaram/ ô diacho... Um
instantinho, senhor Doutor, se abanquem...
TÉCNICA NARRATIVA
 HISTÓRIA ENTRECORTADA: Trata-se de um
aspecto do estilo de Guimarães decorrente da
sua espantosa capacidade de fabulação de que
já tratamos em item anterior. Tal técnica pare-
ce conferir maior espontaneidade e autenticida-
de à oralidade que perpassa os seus casos. Um
bom exemplo encontramos em “O Burrinho Pe-
drês”.
“A menos ‘pensada’ das novelas de SAGARA-
NA, a única que foi pensada velozmente, na
ponta do lápis. Também quase não foi mani-
pulada em 1975”.
                     JGR, em carta a João Condé
TÍTULO


 OS TRAÇOS BIOGRÁFICOS


 A VOLTA DO MARIDO



 A VOLTA DO PRÓDIGO
PERSONAGENS

 Lalino (Laio, Eulálio de Souza Salãthiel): o
marido pródigo;

 Maria Rita: esposa de Lalino;

 Ramiro: espanhol que se “casa” com Rita;

 Major Anacleto: chefe político da região;

 Seu Marra: chefe de Lalino na primeira par-
te da narrativa.
PERSONAGENS



 Oscar: filho do Major Anacleto.


 Laudônio: irmão do Maj. Anacleto;


 Pintão, Generoso, Tercino, Seu Waldemar,
Sidú, Correia, Conrado: colegas de Lalino e/ou
moradores da região.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I

 Na parte I da novela, temos a apresentação
do protagonista Lalino Salãthiel. O espaço da
narração é a estrada que está sendo cons-
truída, na qual Laio trabalha.

 A VAIDADE DE LAIO: “Lalino Salãthiel vem
bamboleando, sorridente. Blusa cáqui, com
bolsinhos, lenço vermelho no pescoço, chape-
lão, polainas, e, no peito, um distintivo, não
se sabe bem de quê. Tira o chapelão: cabelos
pretíssimos, com as ondas refulgindo de bri-
lhantina... (p. 101).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I

 IRONIA: “— Está bem, seu Laio, por hoje,
como foi por motivo de doença, eu aponto o
dia todo. Que é a última vez!... E agora, deixa
de conversa fiada e vai pegando a ferramenta!
     — Já, já, seu Marrinha. ‘Quem não
trabuca, não manduca’!” (p. 103).

 PRATICIDADE: “Lalino trouxe apenas um
pão-com-lingüiça.
    — Isso de carregar comida cozinhada de
madrugadinha p’ra depois comer requentada
não é minha regra. (p. 105)
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I

 AS MULHERES: “— Então, seu Laio, esse
negócio mesmo do espanhol.
    — Ara, Generoso! Vem você com
espanhol, espanhol!... Eu já estou farto dessa
espanholaria toda… Inda se fosse alguma
espanhola, isto sim! (p. 106).

 A “CARA-DE-PAU”: — Pois, hoje, eu estou
mesmo com um coragem mesmo doida de
trabalhar, seu Marrinha. (p. 107)
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I

 Para “enrolar” seu Marrinha e não traba-
lhar, Lalino começa a lhe contar peças de
teatro que inventa na hora. Por várias vezes,
entra em contradição, mas sempre consegue
se safar.

 A “malandragem” de Lalino é ressaltada
pelo fato dele ser professor de violão e pelas
mentiras que conta. A maior de todas elas, é
que ele conhecia o Rio de Janeiro. Lalino che-
ga a descrever as prostitutas cariocas.
Iguaizinhas às que viu nas revistas.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I

 LALINO POR SEU WALDEMAR: “— Mulatinho
levado! Entendo um assim, por ser divertido.
Não é de adulador, mais sei que não é
covarde. Agrada a gente porque é alegre e
quer ver todo-o-mundo alegre, perto de si.
Isso que remoça. Isso é reger o viver” (p
110).
 A METALINGUAGEM: “E, aí, com a partida
de seu Waldemar, a cena se encerra
completa, ao modo de um final de primeiro
ato” (p. 110)
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II

 APRESENTAÇÃO DE RITA: “Nessa tarde, Lali-
no Salãthiel não pagou cerveja para os compa-
nheiros, nem foi jantar com seu Waldemar. Foi,
sim, para casa, muito cedo, para a mulher, que
recebeu entre espantada e feliz, aquele saimen-
to de carinhos e requintes. Porque ela o bem-
queria muito. Tanto que, quando ele adorme-
ceu, com seu jeito de dormir profundo, pare-
cendo muito um morto, Maria Rita ainda ficou
longo tempo curvada sobre as formas tranqüi-
las e o rosto de garoto cansado, envolvendo-o
num olhar de restante ternura” (p. 111).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II

 O CASAMENTO: “É, Maria Rita gosta dele,
mas... Gosta como toda mulher gota, aí está.
Gostasse especial, mesmo, não chorava com
saudades da mãe... Não ralhava zangada por
conta d’ele se rapaziar com os companheiros,
não achava ruim seu jeito de viver... Gostas-
se, brigavam? (p. 112).
 SEU RAMIRO: “Seu Ramiro, quis, mas não
pôde esquivar-se. Espigado e bigodudo, ar-
ranja um riso fora-de-horas, e faz, apressado,
um rapapé”. (p. 113).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II

 Seu Ramiro se interessa em ajudar Laio a ir
para o Rio de Janeiro, emprestando-lhe di-
nheiro. Na prática, convencionou-se que Lali-
no tinha vendido sua esposa para o espanhol.

 FALA DE EULÁLIO A MIRANDA: “— Olha, fa-
la com a Ritinha que eu não volto mais, mes-
mo nunca. Vou sair por este mundo, zanzan-
do. Como eu não presto, ela não perde... Diz
para ela que pode fazer o que entender... que
não volto, nunca mais... (p. 115).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II

 LAIO NO TREM: “Procurou assento, recos-
tou-se, e fechou os olhos, saboreando a ter-
pidação e sonhando — sonhos errados por
excesso — como o determinado ponto, em
cidade, onde odaliscas veteranas apregoavam
aos transeuntes, com frinéica desenvoltura o
amor: bom, barato e bonito, como o que
queriam os deuses. (p. 116).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE III

 “Um mês depois, Maria Rita ainda vivia
chorando, em casa.
    Três meses passados, Maria Rita estava
Morando com o espanhol.” (p. 117).

 Meio ano se passa, a rodovia é concluída, os
ex-colegas de Lalino vão embora. Os espa-
nhóis se estabelecem na região e conseguem
fazer grandes negócios com os habitantes do
lugar.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IV

 Na parte IV, narra-se a ida de Laio ao Rio.
De maneira rápida, temos apenas uma idéia
de todas as aventuras vividas por Laio na Ci-
dade Maravilhosa, pois como o título sugere, o
que interessa ao leitor é a VOLTA de Lalino
Salãnthiel.

 Lalino, então, retorna a sua cidade. “Quero
só ver a cara daquela gente, quando eles me
enxergarem!...” (p. 119).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE V

 “Quando Lalino Salãnthiel, atravessado o
arraial, chegou em casa do espanhol, já
estava cansado de inventar espírito, pois só
com boas respostas é que ia podendo
enfrentar as interpelações e as chufas do
pessoal.
     — Eta, gente! Já estavam mesmo com
saudades de mim...
     Ramiro viu-o da janela, e sumiu-se lá
dentro.
     Foi amoitar a Ritinha e pegar arma de
fogo... — Lalino pensou.” (p. 119).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE V

 Ramiro teme que Lalino voltara à cidade
para “desmanchar o negócio”. Mas para o
marido pródigo, não havia existido negócio
algum.
     “— Tive que vir, e aproveitei para lhe
trazer o seu dinheiro, lhe pagar…” (p. 120).

 Para Eulálio, Maria Rita ainda era sua
esposa, mas “cai em si” e vai embora, com o
intuito de rever o antigo chefe, seu
“Marrinha”.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE V

 Lalino sente-se cansado e se deita debaixo
de uma árvore, na beira da estrada. Antes de
dormir, Laio se lembra da famosa “Festa no
Céu”, uma fábula do folclore brasileiro.
 Eulálio dorme e depois de algum tempo,
surge seu Oscar, filho do Major Anacleto.

 Oscar começa a admirar a esperteza de
Lalino e o convida para ser cabo eleitoral.
Mas antes era preciso convencer o Major a
aceitá-lo.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VI
 “Além de chefe político do distrito, Major
Anacleto era homem de princípios austeros,
intolerante e difícil de se deixar engambelar.
Foi categórico:
      — Não me fale mais nisso, seu Oscar. De-
finitivamente! Aquilo é um gradissíssimo ca-
chorro, desbriado, sem moral e sem temor a
Deus… Vendeu a família, o desgraçado! Não
quero saber de bisca dessa marca… E, depois,
esses espanhóis são gente boa, já me compra-
ram o carro grande, os bezerros…” (p. 127).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX
 Oscar volta pra casa irritado, pois realmente
queria se unir a Maria Rita. Com raiva do “ma-
landro”, não revela a ele que Rita ainda o ama.

     “— Pode tirar o cavalo da chuva, seu Laio!
Ela gosta mesmo é do espanhol, fiquei tendo a
certeza... Vai caçando um jeito de campear ou-
tra costela, que essa-uma você perdeu”. (p.
140).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VI
 Para convencer o pai, seu Oscar exalta a
esperteza de Lalino e o lembra que Tio
Ladônio, o irmão do Major, que ali morava,
também havia sido um “baita safado” em sua
mocidade e agora voltara a ser “sisudo.

    “— Um mulato desses pode valer ouros…”
 Depois de muito titubear, Major Anacleto
acaba concordando em receber Lalino.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VII
 “Entretanto, Eulálio de Souza Salãnthiel pa-
recia ter pouca pressa de assumir as suas
funções. Não foi no dia seguinte” (p. 129).
 Quando chega à fazenda, Major Anacleto
afirma que não deixará mais que Lalino
trabalhe com ele. Mas Laio, mostrando
vocação para a má política, mente ao Major
dizendo que “no Papagaio, todo mundo vai
trair o senhor, no dia da eleição” (p. 130). Por
fim, com muito custo, o Major concorda que
Laio seja seu cabo-eleitoral. Nisso, o “pilantra
pede um guarda-costas ao chefe político.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VIII
 Na oitava parte, Laio começa seu ofício de
cabo-eleitoral. Visita o padre e as demais
autoridades do lugarejo, visita o povo e faz
campanha para o Major. O narrador ressalta as
“armações”     de    Lalino  Salãnthiel  para
conseguir votos para seu patrão.
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX
 A parte IX nos mostra o Major já cansado,
doente. Enquanto isso, Seu Oscar visita Maria
Rita, a ex-mulher de Eulálio. O filho de Anacle-
to dá uma “cantada” em Ritinha. De princípio
ela gosta de ser cortejada por mais um ho-
mem, mas confessa a seu Oscar:

“— Eu gosto mesmo é do Laio, só dele! Não
presta, eu sei, mas que é que eu hei de fa-
zer?... Fiquei com o espanhol, por um castigo,
mas o Laio é que é meu marido, e eu hei de
gostar dele, até na horinha d’eu morrer!” (p.
139).
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX
 Laio “faz o diabo. Tudo dentro dos
conformes e da paz. Lalino tinha tino e
tirocínio. Tinha diplomacia, sim senhor, tinha:
“E falando nisso, que magnífico, o senhor
Eulálio! Divertira-os! o Major sabia escolher os
seus homens. Sim, em tudo o Major estava de
parabéns...”
 Final feliz. Maria Rita volta. O Major aceita.
O dia afoita. Falece a (des)ventura. De Lalino.
De Maria Rita: “Então, o Major voltou a
A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX

aparecer na varanda, seguro e satisfeito,
como quem cresce e acontece, colaborando,
sem o saber, com a direção escondida-de-
todas-as-coisas-que-devem-depressa-
acontecer” (p. 150).

 “A Volta do Marido Pródigo” apresenta
    “
também, de forma picaresca, os caprichos do
Destino: Lalino, o marido pródigo, dá voltas e
desvoltas pela vida, e acaba tudo bem. Com a
mulher. Com a política. Consigo mesmo
PARTICULARIDADES

 Lalino Salãnthiel pode ser classificado
como um pícaro, ou seja, um malandro
simpático que vive ao sabor do acaso. Tal
tipo de personagem é comum na novela
espanhola. Ele é o anti-herói, assim como
Macunaíma e o Leonardinho, de “Memórias
de um Sargento de Milícias”.
 De todas as novelas de SAGARANA, “A
volta do marido pródigo” é aquela em que o
humor mais aparece, todo ele centrado na
figura de Eulálio.
PARTICULARIDADES

   Uma diversa gama de aforismos populares
é   apresentada na narrativa.

 O nome do protagonista é importante,
pois Lalino assemelha-se a latino e a ladino,
dois adjetivos que muito bem retratam a
personalidade de Eulálio.

“— Bem que o senhor estava me dizendo,
agorinha mesmo, que ele é levado de
ladino” (fala do Major a Seu Oscar, p. 143).
PARTICULARIDADES

 Através da estória de Lalino Salãnthiel, GR
faz uma crítica velada à politicagem que
existia em MG, principalmente no que dizia
respeito à Igreja:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEMPrimeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEMma.no.el.ne.ves
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoKaren Olivan
 
Funcões da linguagem 10ºano trabalho
Funcões da linguagem 10ºano trabalho Funcões da linguagem 10ºano trabalho
Funcões da linguagem 10ºano trabalho Hus Juky
 
Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismoNaraSomerhalder
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Joselma Mendes
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilAna Karina Silva
 
Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021CrisBiagio
 
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima BarretoO Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima BarretoFabio Lemes
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPjasonrplima
 
Classicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoClassicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoRonaldo Assis
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a LiteraturaGlauco Duarte
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração românticaViviane Gomes
 

Mais procurados (20)

Primeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEMPrimeira geração do modernismo no ENEM
Primeira geração do modernismo no ENEM
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Escolas Finisseculares
Escolas FinissecularesEscolas Finisseculares
Escolas Finisseculares
 
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: TrovadorismoAs origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
As origens da literatura portuguesa - Parte 1: Trovadorismo
 
Modernismo 3
Modernismo 3Modernismo 3
Modernismo 3
 
Funcões da linguagem 10ºano trabalho
Funcões da linguagem 10ºano trabalho Funcões da linguagem 10ºano trabalho
Funcões da linguagem 10ºano trabalho
 
Literatura revisão
Literatura   revisãoLiteratura   revisão
Literatura revisão
 
O romance romântico
O romance românticoO romance romântico
O romance romântico
 
Trovadorismo humanismo e classicismo
Trovadorismo  humanismo e classicismoTrovadorismo  humanismo e classicismo
Trovadorismo humanismo e classicismo
 
Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)Historia da Literatura (orígem)
Historia da Literatura (orígem)
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
 
Literatura no Brasil Colonial
Literatura no Brasil ColonialLiteratura no Brasil Colonial
Literatura no Brasil Colonial
 
Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021Parnasianismo e Simbolismo 2021
Parnasianismo e Simbolismo 2021
 
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima BarretoO Triste Fim De Policarpo Quaresma -  Lima Barreto
O Triste Fim De Policarpo Quaresma - Lima Barreto
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Classicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismoClassicismo ou quinhentismo
Classicismo ou quinhentismo
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
 

Destaque (16)

Análise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosaAnálise de sarapalha, de guimarães rosa
Análise de sarapalha, de guimarães rosa
 
Questões sobre sagarana
Questões sobre sagaranaQuestões sobre sagarana
Questões sobre sagarana
 
Análise de redação nota 1000 do enem 2016
Análise de redação nota 1000 do enem 2016Análise de redação nota 1000 do enem 2016
Análise de redação nota 1000 do enem 2016
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo  no BrasilNaturalismo  no Brasil
Naturalismo no Brasil
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_FeraO_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Romance é Show
Romance é ShowRomance é Show
Romance é Show
 
A Bela E A Fera
A Bela E A FeraA Bela E A Fera
A Bela E A Fera
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 

Semelhante a UFU 2013_A volta do marido pródigo

Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan Teixeira
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan TeixeiraAnálise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan Teixeira
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan Teixeirajasonrplima
 
Sagarana, Guimarães Rosa
Sagarana, Guimarães RosaSagarana, Guimarães Rosa
Sagarana, Guimarães Rosamarleiart
 
guimaraes rosa biografiaviida y obra en portugues
guimaraes rosa biografiaviida y obra en portuguesguimaraes rosa biografiaviida y obra en portugues
guimaraes rosa biografiaviida y obra en portuguesGabrielRodriguez873262
 
Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)
Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)
Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)valdeniDinamizador
 
Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)
Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)
Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)valdeniDinamizador
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsEdir Alonso
 
Ensaio sobre as vírgulas
Ensaio sobre as vírgulasEnsaio sobre as vírgulas
Ensaio sobre as vírgulasP.P.F. Simões
 
Grande Sertão - Veredas (Guimarães rosa
Grande Sertão - Veredas (Guimarães rosaGrande Sertão - Veredas (Guimarães rosa
Grande Sertão - Veredas (Guimarães rosaAdilson P Motta Motta
 
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análisePrimeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análisejasonrplima
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se lerDavid Souza
 
Revista literatas edição 7
Revista literatas   edição 7Revista literatas   edição 7
Revista literatas edição 7canaldoreporter
 
Jornal do comércio 01.10.10
Jornal do comércio   01.10.10Jornal do comércio   01.10.10
Jornal do comércio 01.10.10olhobservando
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 

Semelhante a UFU 2013_A volta do marido pródigo (20)

Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan Teixeira
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan TeixeiraAnálise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan Teixeira
Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa, por Ivan Teixeira
 
Sagarana, Guimarães Rosa
Sagarana, Guimarães RosaSagarana, Guimarães Rosa
Sagarana, Guimarães Rosa
 
Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
guimaraes rosa biografiaviida y obra en portugues
guimaraes rosa biografiaviida y obra en portuguesguimaraes rosa biografiaviida y obra en portugues
guimaraes rosa biografiaviida y obra en portugues
 
Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)
Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)
Grande Sertao(Lydianne Dias Couto)
 
Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)
Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)
Grande Sertão (Lydianne Dias Couto)
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
Ensaio sobre as vírgulas
Ensaio sobre as vírgulasEnsaio sobre as vírgulas
Ensaio sobre as vírgulas
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
 
Grande Sertão - Veredas (Guimarães rosa
Grande Sertão - Veredas (Guimarães rosaGrande Sertão - Veredas (Guimarães rosa
Grande Sertão - Veredas (Guimarães rosa
 
Biografia 4º B
Biografia 4º BBiografia 4º B
Biografia 4º B
 
Socialização 3° a vidas secas
Socialização 3° a vidas secasSocialização 3° a vidas secas
Socialização 3° a vidas secas
 
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análisePrimeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
Primeiras estórias, de Guimarães Rosa - análise
 
10 livros para se ler
10 livros para se ler10 livros para se ler
10 livros para se ler
 
Revista literatas edição 7
Revista literatas   edição 7Revista literatas   edição 7
Revista literatas edição 7
 
Revista literatas edição 7
Revista literatas   edição 7Revista literatas   edição 7
Revista literatas edição 7
 
João miramar
João miramarJoão miramar
João miramar
 
Jornal do comércio 01.10.10
Jornal do comércio   01.10.10Jornal do comércio   01.10.10
Jornal do comércio 01.10.10
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 

Mais de José Ricardo Lima (20)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 

UFU 2013_A volta do marido pródigo

  • 1.
  • 2.  1908  1967 ENTRE O SERTÃO E O GABINETE
  • 3. Aos 6 anos, Com a esposa quando leu o Aos 44 anos, quando Aracy, primeiro livro, Revisitou o Sertão. em 1949. em francês, Les femmes qui aimment.
  • 4. “Num romance de Guimarães Rosa, o personagem narrador diz, volta e meia, que ‘viver é muito perigoso’. Um escritor mineiro localizou a mesma frase em Goethe; era muito do Rosa, essa mistura de Goethe com sertanejo”. Rubem Braga, Recado de primavera
  • 5. João era fabulista? fabuloso? Carlos Drummond de Andrade fábula? Sertão místico disparando no exílio da linguagem comum? […] Ficamos sem saber o que era João e se João existiu de se pegar.
  • 6. Às vezes, quase acredito que eu mesmo, João, seja um con- to contado por mim.
  • 7. "Falo: português, alemão, francês, inglês, espanhol, italiano, esperanto, um pouco de russo; leio: sueco, holandês, latim e grego (mas com o dicionário agarrado); entendo alguns dialetos alemães; estudei a gramática: do húngaro, do árabe, do sânscrito, do lituânio, do polonês, do tupi, do hebraico, do japonês, do tcheco, do finlandês, do dinamarquês; bisbilhotei um pouco a respeito de outras. Mas tudo mal. Eu acho que estudar o espírito e o mecanismo de outras línguas ajuda muito à compreensão mais profunda do idioma nacional. Principalmente, porém, estudando-se por divertimento, gosto e distração".
  • 8.  O título do livro, Sagarana, remete-nos a um dos processos de invenção de palavras mais característicos de Rosa: o hibridismo. SAGA é radical de origem germânica e significa "canto heróico", "lenda"; RANA vem da língua indígena e quer dizer "à maneira de" ou "espécie de". As estórias desembo- cam sempre numa alegoria e o desenrolar dos fatos prende-se a um sentido ou "moral", à maneira das fábulas.
  • 9.
  • 10.  Os contos foram escritos pelo ano de 1937, com o ob- jetivo de serem submetidos ao famoso Prêmio Graça Aranha que era organizado pela Editora José Olympio. Fac-símile da capa original enviada por G. Rosa ao Concurso da Editora José Olympio.
  • 11.  Guimarães Rosa utilizou, para participar do concurso o pseudônimo de Viator.  O livro ficou em segundo lugar, embora Graciliano Ramos, um dos jurados, te- nha definido sua colocação em primeiro. Fac-símile da capa original enviada por G. Rosa ao Concurso da Editora José Olympio.
  • 12.  Após o processo de depuração, “Questões de família” e “Uma história de amor” foram destruídos e “Bicho mau” deixou de figurar em SAGARANA por não ter parentesco com as outras nove estórias.  Em carta escrita a João Condé, Rosa explica todo o processo de criação e depuração do livro.
  • 13. GÊNERO E SUB-GÊNERO  Não existem dúvidas acerca da classificação quanto ao gênero literário dos textos de SAGARANA.  Mas no que se refere ao sub-gênero, existe uma polêmica em relação a esse assunto.  O que para alguns críticos poderiam ser de- nominados de “contos”, para outros tantos se chamariam “novela”.
  • 14. GÊNERO E SUB-GÊNERO  “As nove peças que formam o volume SAGARANA continuam a grande tradição da arte de narrar. O gênero peculiar do autor é, aliás, a novela e não o conto... menos pela extensão relativamente grande do que pela existência, em cada uma delas, de vários episódios — ou ‘subistórias’, na expressão do escritor ... RÓNAI, Paulo. A arte de contar em Sagarana. IN: Sa- garana. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.
  • 15. GÊNERO E SUB-GÊNERO  Já pressentira que o livro, não podendo ser de poemas, teria de ser de novelas. E - sendo meu - uma série de Histórias adultas da Caro- chinha, portanto.  “Bem, resumindo: ficou resolvido que o livro se passaria no interior de Minas Gerais. E com- por-se-ia de 12 novelas. Aqui, caro Condé, fin- dava a fase de premeditação. Restava agir”. GUIMARÃES ROSA, em carta a João Condé
  • 16. LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS É o que podemos chamar de neologismos onde sobressaem composições e derivações novas, além “de novos tipos de construção frasal”, di- tos “neologismos sintáticos”, segundo Mattoso Câmara.  DERIVAÇÃO PREFIXAL: Um dos prefixos mais usados é ainda des-: desfeliz, desenxer- gar, etc. sempre em sentido negativo ou como mero reforço, dado e desgaste do prefixo exis- tente, como é o caso de desinfeliz.
  • 17. LINGUAGEM  Quanto à linguagem, Augusto de Campos observa que “embora revele um notável e incomum domínio artesanal, a linguagem de Guimarães Rosa também não se confunde com a dos estilistas da língua. O seu palavreado diferente não é constituído propriamente de vocábulos “difíceis” ou desusados, como no caso de Euclides da Cunha ou Coelho Neto, mas de recriações e invenções forjadas a partir das virtualidades do idioma, que levam o leitor a constantes descobertas.”
  • 18. LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS  DERIVAÇÃO SUFIXAL: É outro processo formador de vocábulos novos bastante usado no livro e que funciona como expressivo recurso estilístico, principalmente em se tratando de linguagem popular. Entre outros exemplos, mencionemos o caso de: vaqueirama, assimzinho, coisama, pensação, cigarrar, rapaziar, quilometrosa, maismente, saudadear, pererecar, etc.
  • 19. LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS  DERIVAÇÃO PARASSINTÉTICA: Consiste no uso de prefixo e sufixo ao mesmo tempo. Não é muito freqüente em Sagarana, mas mesmo assim podemos anotar alguns exemplos: avoa- mento, esmoralizado, desbriado, amaleitado, etc.  ABREVIAÇÃO: Na abreviação, registre-se o caso de estranja (cf. “você não tem vergonha de trabalhar p’ra esses gringos, p’ra uns es- tranjas, gente atoa?” Outros: corgo, arve, p’ra, vam’bora, ixa!, etc.
  • 20. LINGUAGEM: A CRIAÇÃO DE VOCÁBULOS  COMPOSIÇÃO AGLUTINADA: passopreto, milmalditas, suaviloqüência, destamanho, membora, etc.  COMPOSIÇÃO JUSTAPOSTA: homem-do-pau- comprido-com-o-marimbondo-na-ponta, moço- que-acaba-casando, quero-porque-quero.
  • 21. LINGUAGEM: ARCAÍSMOS  O ARCAÍSMO em SAGARANA é um reflexo da linguagem popular, visto que a língua do inte- rior, afastada do contato com a civilização, é estática, conservando muitos vocábulos do português arcaico. Entre outros, anotemos a- qui alguns exemplos: riba (cf. por riba do mon- te), banda (em lugar de lado), vigiar (em vez de olhar), quentar (em vez de esquentar)  Agarantir, alembrar, alumiar, amostrar, arre- conhecer, arrenegar, arresolver, arresponder, arresistir, etc.
  • 22. LINGUAGEM: MUSICALIDADE  RIMAS  RITMO  ALITERAÇÃO  ONOMATOPÉIA
  • 23. PARTICULARIDADES  FABULAÇÃO: As narrativas são repletas de incidentes, casos fantásticos e imaginários, contém às vezes mais de uma “estória” dentro da “estória”. De um modo geral, entretanto, esses casos secundários são postos em função do principal: têm a finalidade de comprovar ou preparar terreno para a história principal.
  • 24. PARTICULARIDADES  PERSONAGENS: estão ligados à paisagem mineira, à vida das fazendas, à saga dos vaqueiros e dos criadores de gado — mundo da infância e mocidade de Guimarães Rosa. “Seus personagens são admiravelmente delineados e caracterizados não apenas exter- namente, mas com uma rara penetração da psicologia do homem rústico. Suas descrições, atestam um conhecimento minucioso de gen- tes, plantas e bichos em contacto com o am- biente sertanejo”. (Augusto de Campos).
  • 25. PARTICULARIDADES  PROVÉRBIOS E QUADRAS: É outra caracterís- tica do estilo rosiano que evidencia um gosto bem popular: o gosto por ditados e provérbios, além das quadrinhas que harmonizam as noites sertanejas, sob um céu palpitante de luar e de estrelas que pululam encantadas dos sons gote-jantes das melodias populares. Mundo de fanta-sia e poesia que já começa a crepuscular para dar lugar aos sons trepidantes e fumegantes das guitarras desconcertantes que infestam e empestam ao soberbo século XX de maravilhas fatais! Algumas quadras são epígrafes.
  • 26. TÉCNICA NARRATIVA  SINTAXE PONTILHISTA: De um modo geral, as descrições de Guimarães (principalmente as descrições) são entrecortadas por frases curtas e rápidas, dando especial atenção à frase nomi- nal. Trata-se de uma sintaxe “telegráfica”: “Uma porteira. Mais porteira. Os currais. Vultos de vacas, debandando. A varanda grande. Lu- zes. Chegamos. Apear”.
  • 27. TÉCNICA NARRATIVA  RETICÊNCIAS: As reticências denotam inter- rupção do pensamento ou hesitação em enun- ciá-lo. É recurso muito usado em SAGARANA, o que confere ao texto maior autenticidade e ex- pressividade oral. “- Ah, que honra, mas que minha honra, senhor Doutor Secretário do Interior... Entrar nesta ca-fua, que menos merece e mais recebe... Esteja à vontade! Se execute! Aqui o senhor é vós... Já jantaram/ ô diacho... Um instantinho, senhor Doutor, se abanquem...
  • 28. TÉCNICA NARRATIVA  HISTÓRIA ENTRECORTADA: Trata-se de um aspecto do estilo de Guimarães decorrente da sua espantosa capacidade de fabulação de que já tratamos em item anterior. Tal técnica pare- ce conferir maior espontaneidade e autenticida- de à oralidade que perpassa os seus casos. Um bom exemplo encontramos em “O Burrinho Pe- drês”.
  • 29. “A menos ‘pensada’ das novelas de SAGARA- NA, a única que foi pensada velozmente, na ponta do lápis. Também quase não foi mani- pulada em 1975”. JGR, em carta a João Condé
  • 30. TÍTULO  OS TRAÇOS BIOGRÁFICOS  A VOLTA DO MARIDO  A VOLTA DO PRÓDIGO
  • 31. PERSONAGENS  Lalino (Laio, Eulálio de Souza Salãthiel): o marido pródigo;  Maria Rita: esposa de Lalino;  Ramiro: espanhol que se “casa” com Rita;  Major Anacleto: chefe político da região;  Seu Marra: chefe de Lalino na primeira par- te da narrativa.
  • 32. PERSONAGENS  Oscar: filho do Major Anacleto.  Laudônio: irmão do Maj. Anacleto;  Pintão, Generoso, Tercino, Seu Waldemar, Sidú, Correia, Conrado: colegas de Lalino e/ou moradores da região.
  • 33. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I  Na parte I da novela, temos a apresentação do protagonista Lalino Salãthiel. O espaço da narração é a estrada que está sendo cons- truída, na qual Laio trabalha.  A VAIDADE DE LAIO: “Lalino Salãthiel vem bamboleando, sorridente. Blusa cáqui, com bolsinhos, lenço vermelho no pescoço, chape- lão, polainas, e, no peito, um distintivo, não se sabe bem de quê. Tira o chapelão: cabelos pretíssimos, com as ondas refulgindo de bri- lhantina... (p. 101).
  • 34. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I  IRONIA: “— Está bem, seu Laio, por hoje, como foi por motivo de doença, eu aponto o dia todo. Que é a última vez!... E agora, deixa de conversa fiada e vai pegando a ferramenta! — Já, já, seu Marrinha. ‘Quem não trabuca, não manduca’!” (p. 103).  PRATICIDADE: “Lalino trouxe apenas um pão-com-lingüiça. — Isso de carregar comida cozinhada de madrugadinha p’ra depois comer requentada não é minha regra. (p. 105)
  • 35. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I  AS MULHERES: “— Então, seu Laio, esse negócio mesmo do espanhol. — Ara, Generoso! Vem você com espanhol, espanhol!... Eu já estou farto dessa espanholaria toda… Inda se fosse alguma espanhola, isto sim! (p. 106).  A “CARA-DE-PAU”: — Pois, hoje, eu estou mesmo com um coragem mesmo doida de trabalhar, seu Marrinha. (p. 107)
  • 36. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I  Para “enrolar” seu Marrinha e não traba- lhar, Lalino começa a lhe contar peças de teatro que inventa na hora. Por várias vezes, entra em contradição, mas sempre consegue se safar.  A “malandragem” de Lalino é ressaltada pelo fato dele ser professor de violão e pelas mentiras que conta. A maior de todas elas, é que ele conhecia o Rio de Janeiro. Lalino che- ga a descrever as prostitutas cariocas. Iguaizinhas às que viu nas revistas.
  • 37. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE I  LALINO POR SEU WALDEMAR: “— Mulatinho levado! Entendo um assim, por ser divertido. Não é de adulador, mais sei que não é covarde. Agrada a gente porque é alegre e quer ver todo-o-mundo alegre, perto de si. Isso que remoça. Isso é reger o viver” (p 110).  A METALINGUAGEM: “E, aí, com a partida de seu Waldemar, a cena se encerra completa, ao modo de um final de primeiro ato” (p. 110)
  • 38. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II  APRESENTAÇÃO DE RITA: “Nessa tarde, Lali- no Salãthiel não pagou cerveja para os compa- nheiros, nem foi jantar com seu Waldemar. Foi, sim, para casa, muito cedo, para a mulher, que recebeu entre espantada e feliz, aquele saimen- to de carinhos e requintes. Porque ela o bem- queria muito. Tanto que, quando ele adorme- ceu, com seu jeito de dormir profundo, pare- cendo muito um morto, Maria Rita ainda ficou longo tempo curvada sobre as formas tranqüi- las e o rosto de garoto cansado, envolvendo-o num olhar de restante ternura” (p. 111).
  • 39. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II  O CASAMENTO: “É, Maria Rita gosta dele, mas... Gosta como toda mulher gota, aí está. Gostasse especial, mesmo, não chorava com saudades da mãe... Não ralhava zangada por conta d’ele se rapaziar com os companheiros, não achava ruim seu jeito de viver... Gostas- se, brigavam? (p. 112).  SEU RAMIRO: “Seu Ramiro, quis, mas não pôde esquivar-se. Espigado e bigodudo, ar- ranja um riso fora-de-horas, e faz, apressado, um rapapé”. (p. 113).
  • 40. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II  Seu Ramiro se interessa em ajudar Laio a ir para o Rio de Janeiro, emprestando-lhe di- nheiro. Na prática, convencionou-se que Lali- no tinha vendido sua esposa para o espanhol.  FALA DE EULÁLIO A MIRANDA: “— Olha, fa- la com a Ritinha que eu não volto mais, mes- mo nunca. Vou sair por este mundo, zanzan- do. Como eu não presto, ela não perde... Diz para ela que pode fazer o que entender... que não volto, nunca mais... (p. 115).
  • 41. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE II  LAIO NO TREM: “Procurou assento, recos- tou-se, e fechou os olhos, saboreando a ter- pidação e sonhando — sonhos errados por excesso — como o determinado ponto, em cidade, onde odaliscas veteranas apregoavam aos transeuntes, com frinéica desenvoltura o amor: bom, barato e bonito, como o que queriam os deuses. (p. 116).
  • 42. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE III  “Um mês depois, Maria Rita ainda vivia chorando, em casa. Três meses passados, Maria Rita estava Morando com o espanhol.” (p. 117).  Meio ano se passa, a rodovia é concluída, os ex-colegas de Lalino vão embora. Os espa- nhóis se estabelecem na região e conseguem fazer grandes negócios com os habitantes do lugar.
  • 43. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IV  Na parte IV, narra-se a ida de Laio ao Rio. De maneira rápida, temos apenas uma idéia de todas as aventuras vividas por Laio na Ci- dade Maravilhosa, pois como o título sugere, o que interessa ao leitor é a VOLTA de Lalino Salãnthiel.  Lalino, então, retorna a sua cidade. “Quero só ver a cara daquela gente, quando eles me enxergarem!...” (p. 119).
  • 44. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE V  “Quando Lalino Salãnthiel, atravessado o arraial, chegou em casa do espanhol, já estava cansado de inventar espírito, pois só com boas respostas é que ia podendo enfrentar as interpelações e as chufas do pessoal. — Eta, gente! Já estavam mesmo com saudades de mim... Ramiro viu-o da janela, e sumiu-se lá dentro. Foi amoitar a Ritinha e pegar arma de fogo... — Lalino pensou.” (p. 119).
  • 45. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE V  Ramiro teme que Lalino voltara à cidade para “desmanchar o negócio”. Mas para o marido pródigo, não havia existido negócio algum. “— Tive que vir, e aproveitei para lhe trazer o seu dinheiro, lhe pagar…” (p. 120).  Para Eulálio, Maria Rita ainda era sua esposa, mas “cai em si” e vai embora, com o intuito de rever o antigo chefe, seu “Marrinha”.
  • 46. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE V  Lalino sente-se cansado e se deita debaixo de uma árvore, na beira da estrada. Antes de dormir, Laio se lembra da famosa “Festa no Céu”, uma fábula do folclore brasileiro.  Eulálio dorme e depois de algum tempo, surge seu Oscar, filho do Major Anacleto.  Oscar começa a admirar a esperteza de Lalino e o convida para ser cabo eleitoral. Mas antes era preciso convencer o Major a aceitá-lo.
  • 47. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VI  “Além de chefe político do distrito, Major Anacleto era homem de princípios austeros, intolerante e difícil de se deixar engambelar. Foi categórico: — Não me fale mais nisso, seu Oscar. De- finitivamente! Aquilo é um gradissíssimo ca- chorro, desbriado, sem moral e sem temor a Deus… Vendeu a família, o desgraçado! Não quero saber de bisca dessa marca… E, depois, esses espanhóis são gente boa, já me compra- ram o carro grande, os bezerros…” (p. 127).
  • 48. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX  Oscar volta pra casa irritado, pois realmente queria se unir a Maria Rita. Com raiva do “ma- landro”, não revela a ele que Rita ainda o ama. “— Pode tirar o cavalo da chuva, seu Laio! Ela gosta mesmo é do espanhol, fiquei tendo a certeza... Vai caçando um jeito de campear ou- tra costela, que essa-uma você perdeu”. (p. 140).
  • 49. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VI  Para convencer o pai, seu Oscar exalta a esperteza de Lalino e o lembra que Tio Ladônio, o irmão do Major, que ali morava, também havia sido um “baita safado” em sua mocidade e agora voltara a ser “sisudo. “— Um mulato desses pode valer ouros…”  Depois de muito titubear, Major Anacleto acaba concordando em receber Lalino.
  • 50. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VII  “Entretanto, Eulálio de Souza Salãnthiel pa- recia ter pouca pressa de assumir as suas funções. Não foi no dia seguinte” (p. 129).  Quando chega à fazenda, Major Anacleto afirma que não deixará mais que Lalino trabalhe com ele. Mas Laio, mostrando vocação para a má política, mente ao Major dizendo que “no Papagaio, todo mundo vai trair o senhor, no dia da eleição” (p. 130). Por fim, com muito custo, o Major concorda que Laio seja seu cabo-eleitoral. Nisso, o “pilantra pede um guarda-costas ao chefe político.
  • 51. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE VIII  Na oitava parte, Laio começa seu ofício de cabo-eleitoral. Visita o padre e as demais autoridades do lugarejo, visita o povo e faz campanha para o Major. O narrador ressalta as “armações” de Lalino Salãnthiel para conseguir votos para seu patrão.
  • 52. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX  A parte IX nos mostra o Major já cansado, doente. Enquanto isso, Seu Oscar visita Maria Rita, a ex-mulher de Eulálio. O filho de Anacle- to dá uma “cantada” em Ritinha. De princípio ela gosta de ser cortejada por mais um ho- mem, mas confessa a seu Oscar: “— Eu gosto mesmo é do Laio, só dele! Não presta, eu sei, mas que é que eu hei de fa- zer?... Fiquei com o espanhol, por um castigo, mas o Laio é que é meu marido, e eu hei de gostar dele, até na horinha d’eu morrer!” (p. 139).
  • 53. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX  Laio “faz o diabo. Tudo dentro dos conformes e da paz. Lalino tinha tino e tirocínio. Tinha diplomacia, sim senhor, tinha: “E falando nisso, que magnífico, o senhor Eulálio! Divertira-os! o Major sabia escolher os seus homens. Sim, em tudo o Major estava de parabéns...”  Final feliz. Maria Rita volta. O Major aceita. O dia afoita. Falece a (des)ventura. De Lalino. De Maria Rita: “Então, o Major voltou a
  • 54. A DIVISÃO EM “SUBSTÓRIAS”: PARTE IX aparecer na varanda, seguro e satisfeito, como quem cresce e acontece, colaborando, sem o saber, com a direção escondida-de- todas-as-coisas-que-devem-depressa- acontecer” (p. 150).  “A Volta do Marido Pródigo” apresenta “ também, de forma picaresca, os caprichos do Destino: Lalino, o marido pródigo, dá voltas e desvoltas pela vida, e acaba tudo bem. Com a mulher. Com a política. Consigo mesmo
  • 55. PARTICULARIDADES  Lalino Salãnthiel pode ser classificado como um pícaro, ou seja, um malandro simpático que vive ao sabor do acaso. Tal tipo de personagem é comum na novela espanhola. Ele é o anti-herói, assim como Macunaíma e o Leonardinho, de “Memórias de um Sargento de Milícias”.  De todas as novelas de SAGARANA, “A volta do marido pródigo” é aquela em que o humor mais aparece, todo ele centrado na figura de Eulálio.
  • 56. PARTICULARIDADES  Uma diversa gama de aforismos populares é apresentada na narrativa.  O nome do protagonista é importante, pois Lalino assemelha-se a latino e a ladino, dois adjetivos que muito bem retratam a personalidade de Eulálio. “— Bem que o senhor estava me dizendo, agorinha mesmo, que ele é levado de ladino” (fala do Major a Seu Oscar, p. 143).
  • 57. PARTICULARIDADES  Através da estória de Lalino Salãnthiel, GR faz uma crítica velada à politicagem que existia em MG, principalmente no que dizia respeito à Igreja: