SAGARANA - Guimarães Rosa
Escrita em 1937, a obra "Sagarana" foi submetida a um concurso literário (Prêmio Graça
Aranha, d...
"Macho" é mulo, mu, muar - o burrinho Sete-de-Ouros, protagonista da história. "Carregado de algodão" simboliza
o peso da ...
Lalino é um sujeito simpático, espertalhão e falante, avesso ao trabalho, sabe como poucos contar uma estória. A
chave par...
Primo Argemiro - Como Tio Ribeiro, vai sobrevivendo à malária. Os dois moram isolados, numa região em que a
febre já expul...
Com relação ao ambiente rural em que as personagens estão inseridas, procura-se também caracterizá-lo, e
delimitá-lo, na t...
decide ir à São Paulo ganhar a vida. Cassiano vem a falecer, mas faz Timpim prometer que vai matar Turíbio Todo. Pois
ocor...
Certo domingo, o narrador (Izé), a caminho de suas visitas ao mato das Três Águas, passa rente à cafua de João
Mangolô e, ...
noiva de M. Fulô; o Targino, conhecido como o valentão do vilarejo, e por fim, o Antônio das Pedras – Águas, que
exercia o...
possuidores de capacidades intelectuais quase iguais às dos homens. Assim como em todos os contos de Sagarana, os
animais ...
A trajetória heróica de Augusto Matraga que desce do espaço dos poderosos para o dos oprimidos e
marginalizados, recorda-n...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa

1.241 visualizações

Publicada em

Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.241
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise dos contos de Sagarana, de João Guimarães Rosa

  1. 1. SAGARANA - Guimarães Rosa Escrita em 1937, a obra "Sagarana" foi submetida a um concurso literário (Prêmio Graça Aranha, da Editora José Olympio) em que ficou em segundo lugar. O autor usou o pseudônimo de Viator, que, em latim, significa "viandante". A obra trazia quinhentas páginas. Com o tempo, foi reduzida para cerca de trezentas e publicada em 1946. O título é um hibridismo (união de dois radicais de línguas distintas): "saga", de origem germânica, significa "canto heróico"; e "rana", de origem indígena, quer dizer "à maneira de" ou "espécie de". A obra de Guimarães Rosa apresenta um regionalismo de novo significado: a fusão entre o real e o mágico, de forma a radicalizar os processos mentais e verbais inerentes ao contexto fornecedor de matéria-prima, traz à tona o caráter universal. O folclórico, o pitoresco e o documental cedem lugar a uma maneira nova de repensar as dimensões da cultura, flagrada em suas articulações no mundo da linguagem. Entre as experiências vividas pelo autor estão as viagens pelo sertão brasileiro, principalmente o mineiro, acompanhadas pelos famosos caderninhos de anotações. Neles, Guimarães Rosa registrava palavras e expressões do povo brasileiro que, mais tarde, transformaria em metáforas poéticas. Voltada para as forças virtuais da linguagem, a escritura de Guimarães Rosa procede abolindo intencionalmente as barreiras entre narrativa e lírica, revitalizando recursos da expressão poética: células rítmicas, aliterações, onomatopeias, rimas internas, elipses, cortes e deslocamentos sintáticos, vocabulário insólito, com arcaísmos e neologismos, associações raras, metáforas, anáforas, metonímias, fusão de estilos. Imerso na musicalidade da fala sertaneja, o autor procurou fixá-la na melopeia de um fraseio no qual soam cadências populares e medievais. O trabalho com o mito poético é outra característica da obra rosiana. Segundo o crítico e ensaísta Alfredo Bosi, a "saída" proposta por Guimarães Rosa para esconjurar o pitoresco e o exótico do regionalismo deu-se com a entrega amorosa à paisagem e ao mito, reencontrados na materialidade da linguagem. Guimarães Rosa tinha plena consciência das dificuldades que seus textos apresentam para o leitor: "Como escritor, não posso seguir a receita de Hollywood, segundo a qual é preciso sempre orientar-se pelo limite mais baixo do entendimento. Portanto, torno a repetir: não do ponto de vista filológico e sim do metafísico, no sertão fala-se a língua de Goethe, Dostoievski e Flaubert, porque o sertão é o terreno da eternidade, da solidão (...). No sertão, o homem é o eu que ainda não encontrou um tu; por ali os anjos e o diabo ainda manuseiam a língua". Portanto, não se deixe abater, aceite o desafio e lembre-se de que toda essa inventividade e esse repensar a cultura e a linguagem exigem a colaboração ativa do leitor; no caso, a sua colaboração. O Burrinho Pedrês (Sagarana) - Guimarães Rosa Sete-de-Ouros, um burrinho já idoso, é escolhido para servir de montaria num transporte de gado. Um dos vaqueiros, Silvino, está com ódio de Badu, que anda namorando a moça de quem Silvino gosta. Corre o boato, entre os vaqueiros, de que Silvino pretende vingar-se do rival. De fato, Silvino atiça um touro e o faz investir contra Badu, que, porém, consegue dominá-lo. Os vaqueiros continuam murmurando que Silvino vai matar Badu. No caminho de volta, este, bêbado, é o último a sair do bar e tem de montar no burro. Anoitece e Silvino revela a seu irmão o plano de morte. Contudo, na travessia do Córrego da Fome, que pela cheia transformara-se em rio perigoso, vaqueiros e cavalos se afogam. Salvam-se apenas Badu e Francolim, um montado e outro pendurado no rabo do burrinho. Sete-de-Ouros, burro velho e desacreditado, personifica a cautela, a prudência e a muito mineira noção de que não vale a pena lutar contra a correnteza, se o que se pretende é a travessia. Sete-de-Ouros - no jogo de truco, de "manilha velha" é a manilha mais baixa, após a espadilha, o sete-de-copas e o zape. COLÉGIO E CURSO GÊN SIS LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA ANÁLISE DO LIVRO SAGARANA, DE JOÃO GUIMARÃES ROSA 3ª SÉRIE E. M Professor Jason Lima NOME: Data: ___/___/____
  2. 2. "Macho" é mulo, mu, muar - o burrinho Sete-de-Ouros, protagonista da história. "Carregado de algodão" simboliza o peso da vida, o trabalho do burrinho, e metaforiza a carga dos homens, o peso do mundo, como fardos de algodão. "Preguntei: p'ra donde ia?" - a forma arcaica do verbo perguntar sugere a indagação permanente dos homens, sábios e filósofos: para quê?, por quê?, de onde?, para onde?. "P'ra rodar o mutirão" alude ao esforço coletivo, ao dever de solidariedade que o burrinho cumprirá na sua hora e na sua vez. Nos contos, novelas e romance de Guimarães Rosa, há sempre um momento crucial, uma "hora e vez", uma "travessia", ápice da existência, resumo de seu sentido: "...a estória de um burrinho, como a história de um homem grande, é bem dada no resumo de um só dia de sua vida". Em "Sagarana" renasce o anônimo "contador de estórias", o homem coletivo que se enraíza nos rapsodos gregos e nas canções de gesta medievais. Desde o início do conto (Era um burrinho pedrês...) esboça-se claramente a atitude ingênua e espontânea da "palavra lúdica", que não aprisiona o falar nos limites rígidos do individualismo, mas se identifica com a palavra anônima e coletiva. Seja pela fórmula linguística caracterizadora da narrativa elementar, da fábula, da lenda (Era um burrinho...), tempo e modo verbais que, de imediato, tiram à narrativa o caráter de coisa datada, para projetarem na esfera intemporal do universo de ficção; seja pela mescla de precisão e imprecisão documental no registro do espaço (vindo de Passa-Tempo, Conceição do Serro, ou não sei onde no sertão); seja pela dimensão antropomórfica (forma humana) que é dada à personagem central, o "burrinho-gente", e que situa a narrativa na fronteira entre o real e o mágico; seja pela funcionalidade das cantigas inseridas no fluxo narrativo, tudo isso e muito mais nos revela, no universo da palavra rosiana, a presença do "homo ludens" (homem lúdico), descompromissado com as estruturas convencionais do pensamento lógico. A volta do marido pródigo (Sagarana) - Guimarães Rosa Conto narrado em 3ª pessoa, sendo pois o narrador onisciente, não participa da história. Neste conto, farto em citações de lugares e personagens da região de Itaguara, assim como em Conversa de bois, os animais se transformam em heróis, questionando o saber dos homens com o seu suposto não saber. Em A volta do marido pródigo, o autor descreve um ladino que vende a mulher para dedicar-se a aventuras na cidade grande, mas depois se arrepende, volta para sua região e, malandramente, reconquista sua posição e sua mulher. O conto é uma paródia da "parábola do filho pródigo”, e apresenta traços de humor, presentes, principalmente, na maneira pela qual a personagem protagonista é caracterizada como malandro folclórico. Essa questão também é amparada na concepção de mundo às avessas presente na narrativa. O que se percebe é que, no conto, não existe julgamento moral a respeito de nenhuma das atitudes de Lalino, que poderiam, segundo o senso comum, ser consideradas “más”. Também, as personagens do texto ditas respeitáveis são descritas como “não tão respeitáveis assim”. No entanto, em qualquer caso, a leveza e a ironia com que tais situações de desregramento moral são apresentadas amenizam a seriedade que o tratamento desses assuntos poderia assumir. Na releitura de Guimarães Rosa há uma visão bem diferente daquela encontrada no ensinamento moral que a parábola pretendeu passar. No conto, o que importa é retratar a personagem do malandro, do típico brasileiro que, para tudo, dá um “jeitinho”. Personagens Lalino Salãthiel - todos o chamam de Laio. Mulato vivo, malandro, contador de histórias. Garante que conhece a capital, Rio de Janeiro, mas nunca foi lá. Certa vez, foi realmente conhecê-la. Maria Rita - mulher de Lalino; trata-o com especial carinho. Marra - encarregado dos serviços; depois que a obra acabou, mudou-se do arraial. Ramiro - espanhol que ficou com Ritinha, a mulher de Lalino. Waldemar - Chefe da Companhia. Major Anacleto - chefe político do distrito, homem de princípios austeros, intolerante e difícil de se deixar engambelar. Tio Laudônio - irmão do Major Anacleto. Esteve no seminário, vivia isolado na beira do rio. Poucas vezes vinha ao povoado. Chorou na barriga da mãe, enxerga no escuro, sabe de que lado vem a chuva e escuta o capim crescer. Era conselheiro do Major. Benigno - inimigo político do Major Anacleto. Estêvão - capanga respeitado do Major Anacleto. Jamais ria. Tinha pontaria invejável: atirava no umbigo para que a bala varasse cinco vezes o intestino e seccionasse a medula, lá atrás.
  3. 3. Lalino é um sujeito simpático, espertalhão e falante, avesso ao trabalho, sabe como poucos contar uma estória. A chave para entendê-lo melhor está em suas contínuas alusões a peças de teatro, quase sem ter visto nenhuma. Ele parece constantemente representar, em tudo o que faz ou fala. Assim, sai-se bem em tudo o que faz. Assemelha-se a Leonardo, de Memórias de um sargento de milícias, e a Macunaíma: os três heróis sem nenhum caráter. Essas são as aventuras de um herói picaresco, Eulálio Salãthiel (Lalino), que abandona a mulher após seis meses de casado e vai conquistar o mundo. Antes de viajar, consegue extorquir algum dinheiro de um espanhol interessado nela e que dela iria tomar conta. Sua esposa, Maria Rita, abandonada por ele, passa a morar com o espanhol Ramiro. Ao vender Ritinha, o protagonista abre mão do que lhe é mais caro, mas que ele ainda não é, naquele momento, capaz de perceber. Desiludido com o Rio de Janeiro retorna à sua terra e urde um plano para recuperar a mulher - Maria Rita - e o prestígio junto ao povo do lugar. Com paciência e astúcia, vence todos os obstáculos, recupera a mulher, expulsa os espanhóis do lugarejo e reconquista o prestígio junto ao coronel para cuja vitória nas eleições contribui. Após ter passado por tudo o que passou, o Lalino do final não é mais a mesma pessoa, que se engana no que decide fazer e apressa-se a reparar o erro, nem tampouco se utiliza de todos os seus atributos de astúcia e malandragem para recuperar o que havia perdido, mas sim, aprende a dar importância às coisas que realmente devem ter importância atribuída. Ele agora tem plena consciência de que deve cuidar de seu tesouro mais precioso, pois, do contrário, corre o risco de entregá-lo, mais uma vez, de mãos beijadas, a quem o estiver cobiçando. Através de ironia claramente perceptível, o autor mostra lendas populares da região dos Campos Gerais de Minas, assim como ditados que louvam a esperteza e a paciência. Sarapalha (Sagarana) - Guimarães Rosa Conto narrado em 3ª pessoa, sendo, pois, onisciente, não participa da história. O autor não faz nenhum mistério sobre o lugar da conversa dos dois primos que padeciam de alta febre por terem sido atacados pela malária: “é ali, na beira do Pará”. O lugar é o povoado de Pará de Vilelas, na estrada que liga a Rodovia Fernão Dias a Cláudio, (MG 260) único povoado do município de Itaguara, que margeia o citado rio. O lirismo dos temas do amor e da solidão transparece em Sarapalha. O contraponto de tempos verbais, passado e presente - o passado relacionado à impotência e à saudade da esposa de um dos protagonista, o presente ao momento da doença vivido pelos dois primos - contribui para reforçar a atmosfera de dor e isolamento, de claustrofobia, em que se encontram os personagens deste conto. A ação de Sarapalha se desenvolve sobre um monte de ruínas causadas pela maleita: Ela veio de longe (...) matando muita gente. E o resultado da calamidade foi a morte e tristeza dos moradores: os primeiros para o cemitério, os outros por aí afora, por este mundão de Deus. Numa fazenda em ruínas, “perto do vau da Sarapalha”, Primo Ribeiro, ora em diálogo, ora em monólogo, vai reconstituindo, alquebrado e decrépito pela maleita, a sua história ao Primo Argemiro, uma das poucas pessoas que lhe restaram. Trágica e triste história a do Primo Ribeiro: Luisa, a sua mulher, fugira com outro, deixando-o só com sua maleita: - P‟ra que é que há-de haver mulher no mundo, meu Deus?... - pondera Primo Argemiro. Mas ao saber que o Primo Argemiro pretendia-lhe a mulher também, Primo Ribeiro enxota-o da sua presença, e Argemiro dos Anjos sai por aí, perambulando por entre maleitas e belezas, buscando um lugar para cair e morrer: - Mas, meu Deus, como isto é bonito! Que lugar bonito p‟ra gente deitar no chão e se acabar. Sarapalha é de linha trágica, o que contrasta com o conto A volta do marido pródigo. Mostra não só um mundo em ruínas, ainda fumegando os efeitos da Malária, como a infidelidade feminina com o conceito de honra do sertanejo. São dois mundos em ruínas: a população vitimada pela maleita e o primo Ribeiro sucumbido pela mulher infiel: “a maleita era uma mulher de muita lindeza”. Em Sarapalha o narrador assume a perspectiva de um dos personagens, como se estivesse também doente, cúmplice da angústia do lugar e da situação. A linguagem do conto "treme" com os personagens. É uma abordagem profunda da psicologia dos vencidos pela desolação. O cenário é a Fazenda do Primo Ribeiro, meio abandonada porque a febre o impossibilitava de trabalhar. Personagens Primo Ribeiro - Na região, vem conseguindo sobreviver à malária. Tem febre e frio todos os dias, o baço sempre inchado, mas vai vivendo. No início da doença, foi abandonado pela esposa, Luísa; ela fugiu com outro homem, um boiadeiro.
  4. 4. Primo Argemiro - Como Tio Ribeiro, vai sobrevivendo à malária. Os dois moram isolados, numa região em que a febre já expulsou toda a gente. Apesar de ter terras em outra região, prefere ficar ao lado de Primo Ribeiro, tal a amizade que os une. Prima Luísa - Mulher de Ribeiro. Morena, olhos pretos, cabelos pretos... muito bonita. De riso alegrinho, mas de olhar duro. Fugiu com um boiadeiro. Ceição - Preta velha. Jiló - Cachorro. O duelo (Sagarana) - Guimarães Rosa Tipo de linguagem: A linguagem especial de Guimarães Rosa aparece sob diferentes matizes em sua obra. Não é uma linguagem difícil ou rebuscada, mas sim recriações, invenções e resgates que levam o leitor a constantes redescobertas. Guimarães rosa era um “artesão” da língua, trabalhava as palavras como ninguém, a fim de transmitir profundamente a mensagem que desejava. Do aspecto gramatical propriamente dito – a criação de vocábulos, o emprego de arcadismos e figuras de linguagem – podemos extrair vários exemplos em “Duelo”:  Criação de vocábulos – Recurso empregado para realçar ainda mais o linguajar sertanejo. Exemplos: “Turíbio Todo, meiamente ansioso, quis começar com explicações(...)”; “(...) sua mão, por descuido, atoinha, atoinha alisava o cabo da lapiana (...)”; “(...)no Mosquito era tudo gente miúda, amarelenta ou amaleitada, (...)”; “O caguinxo também ficara quieto, mesmando, vendo, (...)”.  Abreviação – Pode-se registrar o uso de estranjas em lugar de estrangeiro: “(..) o senhor é mesmo o seu Turíbio Todo (...) que está chegando lá das estranjas?...”; assinala-se, também, o largo uso da síncope, típica da linguagem popular: pr’a em lugar de para: “ – Não vê que a minha mãe sempre falava pr’a eu não levantar a mão pr’a irmão meu mais velho...”; „tá em lugar de está: “ – Bom, ‘tá bom... Ah Deus que me livre.”.  Composição – junção de dois ou mais vocábulos, seja com perda da individualidade fônica (aglutinação) seja sem a referida perda (justaposição); é também empregado largamente na linguagem sertaneja. O exemplo a seguir ilustra a ocorrência dos dois casos em uma mesma palavra: “(..) É p’r’a-mór-de-que nem que a minha mãe teve vinte e um filhos, (...)”; p’r’a em lugar de para, mór em vez de modo (aglutinação); o emprego do hífen indica a justaposição.  Arcaísmo – O arcaísmo em Sagarana é um reflexo da linguagem popular, visto que a língua do interior, afastada do contato com a civilização, é menos sujeita a mudanças, conservando muitos vocábulos do português arcaico. Exemplos: “(...) – mulheres (...) vindas da cacimba; meninos ventrudos, brincando de tanger pedradas nos bichos (...) e capiaus (...) arrastando alpercatas (...) faz que ajoelha mas não ajoelha, ou ainda na andadura anserina, (...);  Figuras de linguagem – Fazem parte do estilo marcante de Guimarães Rosa: estão em todo o texto e são inúmeras. Para ilustrar, alguns exemplos: “(...) nasceu morto de nascença.” (pleonasmo); “E deu com um rio (...) vivo, correndo por entre os matos, (personificação) como um bicho. “ (comparação); “...Turíbio Todo havia pulado fora da roda, (pleonasmo) e não mais brincou ” (metáfora).  Musicalidade – É o caráter poético que Guimarães Rosa emprega em sua prosa. “(...) pega à unha, joão-da- cunha” (rima); “(...) no mosquito era tudo gente miúda, amarelenta ou amaleitada, esmolambada, escabreada, (...)” (aliteração e assonância); “(...) E o Timpim abriu o bué.” (onomatopéia). Tipo de personagem: As personagens de Duelo estão intimamente ligadas à paisagem do interior mineiro, à vida nas fazendas – como em todos os contos de Sagarana. Como afirma Augusto de Campos, “Seus personagens são admiravelmente delineados e caracterizados não apenas externamente, mas com uma rara penetração da psicologia do homem rústico. Suas descrições atestam um conhecimento minucioso de gentes, plantas e bichos em contato com o ambiente sertanejo”. Durante a narrativa de Duelo, Guimarães procura caracterizar bem suas personagens, dando mostras de que é um profundo conhecedor da alma humana. É curioso também o modo como nomeia as personagens, apelidando ou distorcendo nomes próprios: Turíbio Todo, Vinte-e-Um, Silivana, Chico Barqueiro, dentre outros nomes, compõem um recurso literário para, através do exagero, destacar as características específicas, a personalidade própria de cada um (assim como, talvez, o próprio hábito de apelidar, presente até hoje nas sociedades interioranas).
  5. 5. Com relação ao ambiente rural em que as personagens estão inseridas, procura-se também caracterizá-lo, e delimitá-lo, na trama, ao oeste de Minas Gerais. A fauna, a flora, os lugarejos por onde passam Turíbio Todo e Cassiano Gomes, a topografia, tudo é retratado da maneira mais verossímil possível, para que o leitor realmente perceba o espaço físico no qual se desenvolve o conto. Narrativa: O narrador em Duelo é onisciente, ou seja, sabe o que passa pela cabeça das personagens. Porém, com alguns diferenciais, como o toque de humor que G. Rosa dá à narrativa, o estabelecimento de diálogos com o leitor, a mesclagem entre o que se narra e a fala de algumas das personagens, opiniões pessoais do narrador em determinadas situações, dentre outros recursos. O humor está presente em toda obra, em tom, muitas das vezes, satírico. O maior exemplo é a personagem Silivana, esposa adúltera de Turíbio Todo; primeiramente, o narrador a descreve como tendo “grandes olhos bonitos, de cabra tonta”; no decorrer do conto, o narrador volta a repetir essa mesma sentença, causando uma impressão humorística na estória: “(...) Turíbio Todo (...) estava com saudades da mulher, Dona Silivana – aquela mesma que tinha belos olhos grandes, de cabra tonta (...)”; “Mas (Turíbio) tinha de fazer ainda um dia a cavalo e estava com pressa, porque Silivana tinha os olhos bonitos, sempre grandes olhos, de cabra tonta.”. Há outras intervenções engraçadas do narrador ao longo do conto, como por exemplo: “Era um cavalinho ou égua (...) com um camarada meio- quilo de gente em cima.”; “ – Você conhece o Turíbio todo, o seleiro, aquele meio papudo?... Pois é um... (aqui, supostas condições de bastardia e desairosas referências à genitora)”. Em alguns trechos, o narrador dialoga com o leitor, característica esta que faz da obra mais interessante ainda: “Um lugar, em suma, onde a gente não tinha vontade de parar, só de medo de ter de ficar para sempre vivendo ali”. Em outros trechos, há uma confusão entre fala da personagem e do narrador: “– Não Vê! Quem fica no claro é enxergado mais primeiro, e leva o tiro que quem está no escuro é quem dá!”; “(...) mas, ali – e não sabendo bem nadar, – então, não, não, vezes nenhumas!”. O aspecto subjetivo do narrador aparece em forma de opiniões pessoais sobre determinadas situações: “Melhorou (Cassiano Gomes). E rangia os dentes ao pensar em Turíbio Todo. Mas, graças a Deus, tinha dinheiro.”; “Assim, pois: de qualquer maneira, nesta história, pelo menos no começo – e o começo é tudo – Turíbio Todo estava com a razão.”; “Depois, voltou em casa (Cassiano Gomes), fechou muito bem as janelas e portas – felizmente era solteiro – e saiu, (...)”. · Organização temporal: A trama se desenrola de maneira linear durante todo o conto. Há ausência de flash-backs das personagens, visto que elas não se remetem ao passado para tentar buscar explicações de conflitos no momento atual. Com relação à duração da trama, não é possível afirmar quanto tempo ela dura exatamente; porém, o narrador diz em determinada parte do conto o seguinte: “E continuou o longo duelo, e com isso já durava cinco ou seis meses e meio a correria, monótona e sem desfecho.” Ou seja, um tempo impreciso demais para virmos a afirmar que o conto teve esta ou aquela duração (deve ser levado em consideração, também, que a estória ainda continua depois daquela colocação do narrador). Com relação à época em que se passa o conto, pode-se inferir que é bem condizente com a época em que foi escrito por Guimarães Rosa: a década de 30, mais precisamente em 1937. Foi uma tentativa do autor em retratar uma sociedade que começava a ser esquecida, devido à acelerada urbanização a que vinham se submetendo os grandes centros na época. Significado do conto: Antes de falar sobre o conto Duelo, deve-se primeiro analisar uma característica marcante nas obras de Guimarães Rosa, que é o encontro do regional com o universal, do particular em contraste com o geral. Isso é fundamental para se possam ser feitas inferências acerca de qualquer de suas obras. Devido a sua grande visão cosmopolita – por ser diplomata –, e sua grande cultura geral – inclusive falava vários idiomas fluentemente – e por haver nascido no interior de Minas Gerais (e conhecido muitas regiões do Brasil), pôde construir uma obra – Sagarana e as posteriores – bastante fiel à realidade, envolvente e, além disso, poética. Guimarães Rosa nunca foi um autor estritamente regionalista. Seu vocabulário é universal. A leitura de Sagarana mostra a coexistência das expressões sertanejas, de termos eruditos, de expressões técnicas e científicas. E, principalmente, de palavras e modalidades de locução que ele mesmo inventava. Por esse motivo, sua obra, como um todo, é tão especial. Analisando o conto Duelo, podemos começar pelo título: que duelo foi esse, já que não houve o confronto físico entre Turíbio Todo e Cassiano Gomes? Será que se pode interpretar a palavra duelo literalmente dentro da história? Não, não se pode. Pode-se observar, então o duelo entre o forte o fraco, por exemplo: quando Turíbio chegou em casa e viu a mulher em adultério com Cassiano, Turíbio pensou antes de enfrentá-lo: Cassiano Gomes havia servido ao Exército, sabia manejar muito bem as armas e, por isso, poderia dar um fim à vida do marido traído ali mesmo. Percebendo que Cassiano era mais forte, Turíbio decidiu matá-lo em outra ocasião, covardemente com um tiro pelas costas: porém, não obteve êxito, matando o irmão de Cassiano. Turíbio foge e assim começa a perseguição... Durante toda a caçada, Cassiano e Turíbio não se cruzam uma só vez. Cassiano para em um vilarejo chamado Mosquito devido a problemas de seu debilitado coração e conhece Timpim, um garoto franzino, frágil mesmo, a quem Cassiano decide apadrinhar – ele e seus três filhos. Nesse ínterim, Turíbio
  6. 6. decide ir à São Paulo ganhar a vida. Cassiano vem a falecer, mas faz Timpim prometer que vai matar Turíbio Todo. Pois ocorre que, quando Turíbio volta de São Paulo, encontra com um “camarada meio quilo de gente” no caminho e começam a cavalgar junto. E esse camarada magrelo era Timpim, que matou Turíbio Todo com um tiro de garrucha no rosto... mais uma vez, essa oposição aparece, já que o “fraco” (Timpim) acaba matando o “forte” (Turíbio). Analisando do regional para o universal, vale a pena tentar entrever o que esta obra traz de crítica, não à sociedade na qual se desenvolvem as histórias nela relatadas, e que foi ultrapassada pela modernidade, mas sim à própria modernidade, ao que ultrapassou e relegou a um tempo pretérito um determinado tipo de sociedade rural da primeira metade do século XX em nosso país, além de haver feito perder-se de vista o tempo mítico evocado por essas histórias. No aspecto espacial, o mundo revelado por Guimarães Rosa em sua obra é singular em sua pluralidade. Por isso, é finito, tem limites e fronteiras. Seu limite equivale a um não-mundo. A demarcação de fronteiras no conto Duelo é bastante explícita: Turíbio Todo é obrigado a parar em sua fuga, pois chegara até a “boca do sertão”, até onde seria possível avançar. Recuando diante do sertão inóspito, segue a rota contrária, e chega a São Paulo, à sociedade industrial - “o São Paulo”, como é dito nesse conto, referindo-se a tudo o que está além (ou aquém, sob nossa perspectiva) de Guaxupé. Hoje, desapareceram essas fronteiras entre mundos diferentes: cidade e campo são trechos do mesmo contínuo, da mesma extensão uniforme e cada vez mais monótona. Principalmente, desapareceram fronteiras culturais, pois todos assistem à mesma programação de TV ou de rádio, partilhando a mesma falsa unidade, comungando da mesma linguagem unidimensional. Diante do que foi analisado, percebe-se que o conto Duelo, apesar de haver sido escrito há quase 70 anos, ainda consegue retratar muito da realidade em que está inserido nosso país, imenso em seu tamanho e tão cheio de contradições. Minha Gente (Sagarana) - Guimarães Rosa O conto serve de pretexto para a documentação dos costumes e dos infortúnios da vida da roça. Estrutura-se como uma espécie de paródia, meio sentimental e meio irônica, das estórias de amor com final feliz. O narrador-personagem, um moço, está de visita na fazenda do tio, empenhado em ganhar as eleições locais. O moço se apaixona por Maria Irma, sua prima, e lhe faz uma declaração, à qual ela não corresponde. Um dia, ela recebe a visita de Ramiro, noivo de outra moça, segundo ela diz, e o moço fica com ciúmes. Para atrair o amor de Maria Irma, ele finge namorar uma moça da fazenda vizinha. Porém, o plano falha - tendo como efeito secundário, não calculado, a vitória do tio nas eleições - e o moço deixa a fazenda. Na visita seguinte, Maria Irma apresenta-lhe Armanda. É amor à primeira vista; ele se casa com a moça, e Maria Irma, por sua vez, se casa com Ramiro Gouveia, "dos Gouveias de Brejaúba, no Todo-Fim-É-Bom". Como numa novela, há várias intrigas, episódios e personagens secundários. Numa dessas intrigas, Bento Porfírio comete adultério com a de-Lourdes, casada com Alexandre, o Xandrão Cabaça, que acaba matando o rival. Há, de permeio, o episódio da eleição e da vitória de Emílio do Nascimento, tio do narrador-personagem, pelo partido João-de-Barro, e que serve de pretexto para a retratação das astúcias e intrigas da política interiorana de Minas. Outras personagens se entrecruzam: Santana, o inspetor de ensino e jogador de xadrez; José Malvino, guia e mateiro, conhecedor da natureza e dos costumes do sertão; o Moleque Nicanor, menino da fazenda e que, com oito anos, já sabe pegar, em campo aberto, qualquer montaria, sem cabresto nem milho, só com a esperteza de sua cor e tamanho. Surgem outras personagens como: Bilica, Agripino e tio Ludovico. A ação se passa no Saco-do-Sumidouro, entre fazendas e pesqueiros: o Pau-Preto, o Touno- Tombo, até as Três Barras. Nesse conto, o narrador-personagem, que não se identifica nominalmente, impregna sua narrativa de forte dose de lirismo. Observe também os processos de (re)invenção de palavras: por aglutinação (milmalditas) e por justaposição (até-as-pedras-se-encontram). Repare, também nas siglas C3BR (cavalo três bispos de rei), P4D (peão quatro de dama), (P)4BD (peão quatro bispo de dama) e P3CD (peão três cavalos da dama). Elas designam, de modo cifrado, os movimentos das peças ou sua posição no tabuleiro de xadrez. São Marcos (Sagarana) - Guimarães Rosa José (Izé), o narrador, médico novo, récem-chegado no Calango-Frito, embora supersticioso, não acredita em feitiçaria e vive caçoando de um curandeiro e feiticeiro local - o João Mangolô, cuja cafua vive repleta de clientes de suas rezas, seus despachos, mandingas e simpatias. Muitos outros no Calango-Frito estavam envolvidos com todo o tipo de bruxarias; Nhá Tolentina, já muito rica e considerada por seus despachos; Dona Cesária, que atuava em calungas de cera; e até o menino Deolindinho obteve feitiço contra os coques do professor.
  7. 7. Certo domingo, o narrador (Izé), a caminho de suas visitas ao mato das Três Águas, passa rente à cafua de João Mangolô e, como sempre, zomba do curandeiro e o insulta sem motivo. Em outra ocasião, a caminho-do-mato, onde se entretinha na contemplação da natureza, de seus mínimos movimentos, dos bichos, árvores e flores, encontrou-se com Aurísio Manquitola e se entreteve com os casos dos terríveis efeitos e poderes da oração mágica de São Marcos, que o narrador também conhecia. A longa prosa com Aurísio envolveu também outros circunstantes: o Gestal da Gaita, o Compadre Silvério, o Tião Tranjão, o Cypriano, o Felipe Turco, entre outros, cada qual narrando os seus casos de feitiçaria. José embrenha-se de novo no mato, absorto na contemplação da natureza, recordando o desafio poético travado com "Quem-Será", que se fazia em meio à natureza, pois os autores, sem se defrontarem, inscreviam os seus versos nos colmos (gomos) de belíssimos bambus. Embora curioso, deixou para a volta a surpresa dos últimos versos de seu anônimo adversário, para envolver-se cada vez mais com a poesia da natureza, dos lagos, das flores, das árvores, dos pássaros, das aranhas, das formigas e das taturanas. De repente, sem explicação, fica cego. Fica desesperado. Mas como conhecia a fundo os ruídos, cheiros e as mínimas vibrações do mato, dos ventos e dos animais, consegue se orientar. Irritado com a demora da luz, profere, com raiva, a reza de São Marcos. Tomado de fúria, avança numa só e precisa direção: a casa de João Mangolô. Vai guiado pelos ruídos e cheiros que, pouco a pouco, começam a se tornar familiares. Assim, chega, de súbito, na cafua do João Mangolô, e começa a esganá-lo, furioso. Nisso, volta a enxergar. O negro velho havia amarrado, por brincadeira vingativa, uma tira nos olhos de um retrato do narrador, irreverente e zombador, que não acreditava em feitiçaria, ainda que fosse supersticioso. Há, no conto, três fábulas: a do feiticeiro e das feitiçarias, a do passeio e da natureza e a dos poemas. O principal ponto de convergência se manifesta na função criativa da palavra. Nas três fábulas, a palavra é valorizada não pela função referencial, de indicar seres existentes fora dela, mas enquanto forma de criação de novas realidades e de conhecimento, que se efetua principalmente graças ao plano da expressão. Tanto no poema quanto na feitiçaria é quase irrisório conhecer o significado das palavras e enunciados. Este permanece como algo mais intuído que compreendido. A reza de São Marcos não interessa enquanto significado, sentido - "é melhor esquecer as palavras" - mas como rito, magia, iniciação transcendentalista. Em todas as fábulas processa-se, assim, uma volta às origens: através da reintegração total dos sentidos, da aproximação com a natureza, da crença na força da palavra. Conta-se, portanto, a história da revelação de um destino que se revela por um conhecimento estético superior do universo, manifesto na imersão sensual/sensorial mágica da natureza. A cegueira de Izé é o pretexto para que o autor faça aflorar outros sentidos, outras potencialidades do ser, que são, a seu modo, a "hora e vez" do narrador, a sua "travessia" no mundo do mistério e do encantamento. Corpo Fechado (Sagarana) - Guimarães Rosa “Corpo Fechado”, conto que compõe “Sagarana”, de João Guimarães Rosa, autor nativo do Brasil, publicado em 1946, aborda uma extraordinária história ficcional que evidencia a diversidade da cultura e das crenças brasileiras. O conto retrata a peculiaridade com a qual o autor costuma narrar suas “sagas”, evidenciando o aspecto da linguagem rural e é iniciado por uma epígrafe de um trecho de cantiga de roda bastante conhecido, nos fazendo refletir primordialmente acerca dos aspectos culturais que serão mostrados posteriormente no decorrer da narrativa de Rosa. Em análise, diríamos que se trata de uma técnica de apresentação, no intuito de chamar a atenção do leitor para o ponto crucial do conto: o valor da multiplicidade da cultura brasileira. Mostrando assim o gosto popular pelas quadrinhas, as quais fazem parte da vida sertaneja. O autor utiliza uma linguagem simples, de fácil entendimento dando a ideia do direcionamento ao público alvo e, principalmente estabelecendo critérios que evidenciam sobre quem se fala na história. Nela podemos encontrar neologismos de composição e abreviação, como em “nalgum lugar” (p.273), e palavras formadas por derivações, além de construções constituídas por metáforas. Tal narrativa é realizada pelo narrador em primeira pessoa, tratando-se do próprio personagem que participa da história como médico, cuja simpatia pelo personagem principal M. Fulô era evidente, podendo-se perceber, através da maneira pela qual o autor conduziu os fatos que compõem a trama. Aspectos como estes tornam a leitura mais acessível à população com menor grau de instrução, por ter uma linguagem menos rebuscada. A natureza com que Guimarães Rosa descreve as características físicas dos personagens principais propicia ao leitor uma visão nítida das cenas da história, possibilitando assim, uma maior compreensão da realidade de vida que pretende mostrar. Dentro da trama, temos o médico; o Manuel Fulô e a sua jumenta Beija-Fulô; a Das Dor, que era a
  8. 8. noiva de M. Fulô; o Targino, conhecido como o valentão do vilarejo, e por fim, o Antônio das Pedras – Águas, que exercia o papel de curandeiro e feiticeiro. Ainda na narrativa, fala-se sobre várias pessoas: o Desidério, Dêjo, Miligido (caracterizado como homem bom e justo), Adejalma, Pércio, Targino, Roque, Gervásio, Laurindo, Camilo Matias, João Brandão, Quintiliano, Quininha e o Manuel Baptista, entre outros. Isso ocorre devido aos recursos utilizados no conto, ou seja, trata-se de um diálogo onde há uma espécie de interrogatório entre o narrador personagem e o personagem principal. Segundo Proença Filho (1986, p.32), “É preciso considerar ainda que só há literatura onde existe um povo e, consequentemente, o desenvolvimento de uma cultura.” De fato, essa afirmativa procede em relação, principalmente, a Corpo Fechado, uma vez que o conto baseia-se fundamentalmente nos aspectos culturais de um povo. Sua identidade é marcada por suas ações, crenças e costumes, não esquecendo também da época retratada. Em o Corpo Fechado há elementos que revelam sua associação ao moderno, ao novo, desde a linguagem até a sua estrutura, porém, tais fatores não despertaram estranheza aos letrados da época, uma vez que, já estavam acostumados com esse tipo de produção introduzida na sociedade através dos modernistas. O conto nos mostra a realidade do misticismo brasileiro, ao enfatizar a concretização de um ato pela fé. Este fato é bastante frequente em nossa sociedade, mesmo nos dias atuais. Os atos cristãos e as propagações da fé, como promessas e oferendas ocupam relativamente o espaço religioso dos brasileiros. Isso devido à ação de que buscamos uma força superior para a solução dos nossos problemas. Conforme DaMatta (2001. p. 112) “[...] a religião é um modo de ordenar o mundo, facultando nossa compreensão para coisas muito complexas, como a ideia de tempo, a ideia de eterno e a ideia de perda e desaparecimento, esses mistérios perenes da existência humana.” No conto de Guimarães Rosa, notamos aspectos de uma cultura correlacionada com a identidade cultural de um povo humilde, com traços interioranos do homem do campo, do rural, que vive seus preceitos sem o intuito de prejudicar o próximo, mas quando sente-se ameaçado esquece- se dos apegos físicos e busca sua auto realização não medindo as consequências, como foi o caso de M. Fulô, que recorreu ao feiticeiro ofertando a sua estimada jumenta em troca de serviços protetores para derrotar o inimigo que o ameaçava. “Uma cultura constitui um corpo complexo de normas, símbolos, mitos e imagens que penetram o indivíduo em sua intimidade, estruturam os instintos, orientam as emoções.” (PROENÇA FILHO, 1986, p. 33). Conforme o próprio Domício analisa, as ações de uma sociedade em geral, refletem sua religião e suas crenças, trazendo à mostra seus mitos e heróis, numa história cômica e ao mesmo tempo pitoresca. A trama se dá em espaços de um arraial de Laginha, no interior de Minas gerais, trazendo a impressão de ruralidade e caracteriza-se pelo tempo histórico ou cronológico, uma vez que os fatos são lineares, transcorrendo numa sequência de “antes” e “depois”. Guimarães Rosa, a partir de „Sagarana‟, nos mostra muito bem, um enredo cujo conteúdo expressa valores culturais, crendices e religiosidade do povo por meio da retratação dos feitiços e bruxarias, retratando também, detalhes específicos da vivência dos povos ciganos. Conversa de bois (Sagarana) - Guimarães Rosa Conversa de Bois é um conto, no qual toda uma problemática da relação Homem - Natureza - Animal está presente. As reflexões sobre o poder e a fraqueza centralizam-se em Conversa de Bois, conto narrado em terceira pessoa, narrado por Manuel Timborna, que é entrevistado pelo autor, que pede para recriar a história: - Só se eu tiver licença de recontar diferente, enfeitado e acrescentado ponto e pouco... - Feito! Eu acho que assim até fica mais merecido, que não seja”. E então Manuel Timborna começa a contar sobre um tempo em que os animais conversavam entre si e imagina se isto até hoje acontece, se transformam em heróis, questionando o saber dos homens com o seu suposto não saber. Os bois criticam o modo de vida dos homens. "Conversa de bois" procura interpretar a psiquê bovina. É uma história trágica e pode ser aproximada de "O burrinho pedrês" pela relevância que dá ao animal. Outra temática no conto é o da oposição entre o Bem e o Mal, aonde os maus têm sempre fim trágico. A história se passa através de flashbacks, aonde o boi Brilhante conta a história de Rodapião e Tiãozinho relembra momentos em que o pai ainda estava vivo. O cenário do conto é uma estrada do interior de Minas Gerais. Neste conto, os bois e os homens cruzam-se como num contraste que se prolonga até o fim. Guimarães Rosa apresenta alternadamente os diálogos dos homens e os “diálogos” dos bois, revelando-se aqui uma espécie de “filosofia bovina”, uma síntese do que “pensam” sobre a vida e sobre os homens. Neste conto, os bois são verdadeiros personagens,
  9. 9. possuidores de capacidades intelectuais quase iguais às dos homens. Assim como em todos os contos de Sagarana, os animais são humanizados. O homem, no conto, tem seus problemas, suas revoltas contra ele próprio, em oposição ao boi, que carrega o jugo de e na sua vida e que, à noitinha, resmunga, discutindo sua vida, filosofando sobre o círculo nascimento-crescimento- morte. Em Conversa de bois, o boi não é apenas ícone da natureza, ele torna-se personagem ativo. E passa nesse momento, a formar com o menino Tiãozinho um só personagem, metade humano metade animal. A parte homem do ser antropomórfico e hibrido, o menino “humano”, não possui o dom da palavra. A palavra surge na consciência dos bois. Ao menino, cabe apenas o desejo de vingança e a vergonha imposta pela atitude pecaminosa da mãe. A hora e vez de Augusto Matraga (Sagarana) - Guimarães Rosa A Hora e Vez de Augusto Matraga faz parte de Sagarana que é uma coletânea de novelas e novelas, nove no total. Todos os textos apresentam a tendência de Guimarães Rosa à pesquisa permanente da linguagem regional, mantendo-se ligados ao instrumentalismo. Todos os novelas se passam , como pode ser comprovado pelo cenário, no interior de Minas, existindo farta nomeação de lugares e regiões. Essa verossimilhança serve de primeiro elemento catalisador das narrativas. Mas há outras formas de agruparmos as narrativas. Estilo Sagarana, na qual se encontra a novela A hora e vez de Augusto Matraga, não apenas está inserida nas perspectivas instrumentalistas (linguagem como instrumento constante de pesquisas), bem como é uma das obras iniciadoras da terceira fase. A hora e vez de Augusto Matraga aponta para a tendência criada por Guimarães Rosa do regionalismo universalizante, uma vez que sua leitura do mundo regional faz-se a partir da projeção para um prisma universal. Tempo e espaço O tempo da narrativa está mais voltado ao psicológico, ou seja, indeterminado. O espaço é Minas Gerais, mais especificamente o Norte de Minas, destacando-se nomes de vilarejos (Rala-Coco, Murici, Pindaíbas, Tombador) e lugares do sertão (rios, serras, etc.). Foco narrativo A novela é narrada em terceira pessoa. O narrador é onisciente, penetrando nos pensamentos de Augusto Matraga como se fosse sua consciência. O novela mostra a linguagem regional aliando ao mais puro poético para criar efeitos inusitados e da mas sublime perfeição. O casamento entre o regional e o erudito parece surpreender o leitor, maravilhado e chocado diante do sortilégio verbal que, ora prende, ora espanta, criando dificuldades de entendimentos para muitos. Problemática e principais temas A novela A Hora e Vez de Augusto Matraga ocupa um lugar de destaque dentro da antologia de Sagarana, uma vez que representa o fechamento em círculo da temática iniciada em O Burrinho Pedrês de que um único momento pode valer por toda uma existência. Sabemos que a força mística de Guimarães Rosa é também manifestada na presente obra, já que, simbolicamente, o protagonista da ação é alçado à condição de um Cristo. Nhô Augusto deixa o sítio montado num burrinho. Este é considerado até mesmo na obra como um elemento sagrado (“... porque mãe Quitéria lhe recordou ser o jumento um animalzínho assim meio sagrado, muito misturado às passagens da vida de Jesus”), já que na Bíblia Cristo entrou em Jerusalém montado num desses animais. A caminhada do protagonista simboliza o homem em busca de seu destino. E qual seria o destino a ser cumprido? Claro que a salvação de Matraga só poderia surgir a partir da justiça divina com a negação de seu próprio ser físico em favor da justiça entre os homens. Ao salvar inocentes da sanha vingativa de Joãozinho Bem-Bem, Nhô Augusto encontra também a sua redenção final, obtida com seu trabalho, sua reza e a fé de que teria sua hora e vez. Matraga dá a vida, como Cristo, pelos seus semelhantes (“Foi Deus quem mandou esse homem no jumento, por mór de salvar as famílias da gente!...” A força temática desse conto de que um momento pode valer por toda uma vida, encontra em Nhô Augusto o momento de êxtase dentro da obra de Guimarães Rosa. A persistência e fé do protagonista, verdadeiro herói mítico moderno, faz com que a purificação de sua alma seja completa e sua santificação plena.
  10. 10. A trajetória heróica de Augusto Matraga que desce do espaço dos poderosos para o dos oprimidos e marginalizados, recorda-nos o fato de que realmente parece não haver mais espaço para as grandes epopéias clássicas, para os heróis míticos do passado, pois o homem moderno traz em si não apenas o herói, mas também o covarde, não só o bem, mas também o mal, está, como o protagonista comprova, mais próximo do homem barroco com suas dualidades e ambigüidades do que do clássico. As verdadeiras epopéias modernas, como podemos considerar A hora e vez de Augusto Matraga, são protagonizadas por homens comuns que se entregam à derrota ou lutam arduamente através de seus corpos e de suas almas à espera de que surja a sua hora e vez. Personagens Augusto Esteves Matraga - é o protagonista da obra. Muda de nome de acordo com as passagens significativas de sua vida, o que nos permite enxergar nele uma projeção dos heróis míticos. Matraga transforma-se num homem bom e abnegado, trabalhador e rezador, depois de ter sido mau, mulherengo e violento. Seu comportamento desregrado levou-o a perder a fortuna, a mulher e a filha, tendo quase perdido a vida. Depois de uma surra aplicada pelos capangas do Major Consilva, Matraga sentiu-se renascer como outro homem. Foi obrigado a esconder-se dos inimigos num sítio com um casal de pretos velhos que o salvou. Terminou sua trajetória matando o famoso chefe de jagunços Joãozinho Bem-Bem para salvar uma família inocente, e morrendo. Joãozinho Bem-Bem - Famoso chefe de jagunços. Homem temido e destemido no sertão. Faz justiça com as próprias mãos ou armas, defendendo seus aliados e eliminando seus inimigos. Pressente em Nhô Augusto uma força oculta que os aproxima. Quim Recadeiro - Era empregado de Nhô Augusto, tendo a função, como o próprio nome indica, de levar recados. Entretanto, quando o patrão é morto, vai em busca de justiça e acaba sendo assassinado pelos capangas do Major Consilva. Dona Dionóra: Era mulher de Nhô Augusto. Acabou não aguentando mais as judiações do marido e seu descaso e fugiu com Ovídio. Mitinha: é filha de Nhô Augusto. Percebe, ainda menina, que o pai não gosta dela e da mãe. Acaba se tomando prostituta. Major Consilva - Era inimigo de Nhô Augusto, tendo também sido inimigo do avô do protagonista. Homem mau e rico, tem todo o poder depois da suposta morte de Nhô Augusto. Tião da Thereza - Conterrâneo de Nhô Augusto. encontra-o no povoado do Tombador e coloca-o a par dos acontecimentos posteriores à sua suposta morte. Outros personagens: Angélica. Sariema, mãe Quitéria, preto velho, Juruminho, Teófilo Sussuarana, etc. Enredo A hora e vez de Augusto Matraga recria uma verdadeira saga do homem na travessia por este mundo. Matraga é, de um modo mais amplo, o homem no sentido universal. Sua trajetória recria a passagem evolutiva em busca do aprendizado do viver e da ascensão espiritual em plenitude. Seu objetivo será ter sua hora e vez de entrar no céu, "mesmo que seja a porrete". É uma história de redenção e espiritualidade, uma história de conversão. Ao longo do seu enredo o protagonista, Augusto Matraga, passa do mal ao bem, da perdição à salvação.

×