SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
literaturaeshow@gmail.comliteraturaeshow@gmail.com
literaturaeshow@hotmail.comliteraturaeshow@hotmail.com
http://www.literaturaeshow.blogspot.comhttp://www.literaturaeshow.blogspot.com
O AUTORO AUTOR
 RetorcidoRetorcido
 GaucheGauche
 ExaustoExausto
 Sem esperançasSem esperanças
 DesajeitadoDesajeitado
 Desencantado com o mundoDesencantado com o mundo
 CarenteCarente
 AngustiadoAngustiado
 Sozinho na multidãoSozinho na multidão
 Esse “Eu” sofre uma evolução na medidaEsse “Eu” sofre uma evolução na medida
em que começa a tratar do “Outro”em que começa a tratar do “Outro”
UM EU RETORCIDOUM EU RETORCIDO
 Crítica ao provincianismoCrítica ao provincianismo
 A visão do filho que volta modificada porA visão do filho que volta modificada por
suas vivênciassuas vivências
 A pressa de viver, o desejo pelo progresso, aA pressa de viver, o desejo pelo progresso, a
busca da felicidadebusca da felicidade
 A imagem no retratoA imagem no retrato
 Os costumes: romarias, procissões, aOs costumes: romarias, procissões, a
religiosidade mineirareligiosidade mineira
 O cordão umbilical ainda não está de todoO cordão umbilical ainda não está de todo
rompidorompido
UMA PROVÍNCIA: ESTAUMA PROVÍNCIA: ESTA
 FAMÍLIA: palco dos primeiros conflitosFAMÍLIA: palco dos primeiros conflitos
 CDA se dirige à “família que ele se deu, comoCDA se dirige à “família que ele se deu, como
a negar qualquer imposição sangüínea oua negar qualquer imposição sangüínea ou
anterior, hereditária ou herdada, afirmando simanterior, hereditária ou herdada, afirmando sim
os laços construídos, os laços de afeto, deos laços construídos, os laços de afeto, de
convivência, seja ela física, com os seusconvivência, seja ela física, com os seus
contemporâneos, seja ela de memória, com oscontemporâneos, seja ela de memória, com os
que foram antes dele chegar” (Petras Felício /que foram antes dele chegar” (Petras Felício /
Edison Volpato)Edison Volpato)
A FAMÍLIA QUE ME DEIA FAMÍLIA QUE ME DEI
 Ruína financeira da família (retratoRuína financeira da família (retrato
empoeirado na parede)empoeirado na parede)
 A imagem de Robinson CrusoéA imagem de Robinson Crusoé
 Relampejos de otimismo: “minha história éRelampejos de otimismo: “minha história é
mais bonita que a Robinson Crusoé”mais bonita que a Robinson Crusoé”
 A convivência com o passado é por vezesA convivência com o passado é por vezes
conturbada e por vezes tranqüilaconturbada e por vezes tranqüila
 Momentos de solidão e isolamentoMomentos de solidão e isolamento
A FAMÍLIA QUE ME DEIA FAMÍLIA QUE ME DEI
 Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Jorge deManuel Bandeira, Mário de Andrade, Jorge de
Lima, Frederico Garcia Lorca (poeta eLima, Frederico Garcia Lorca (poeta e
dramaturgo espanhol), Charles Chaplin,dramaturgo espanhol), Charles Chaplin,
Candido Portinari e Américo Facó (poetaCandido Portinari e Américo Facó (poeta
cearense).cearense).
CANTAR DE AMIGOSCANTAR DE AMIGOS
 O que fizeram para melhorar o mundo no qualO que fizeram para melhorar o mundo no qual
viviam?viviam?
 A crítica ao sistema ladeada com a líricaA crítica ao sistema ladeada com a lírica
elogiosa.elogiosa.
 "Despertada uma vez a consciência de estar"Despertada uma vez a consciência de estar
no mundo e de não estar sozinho nele, não háno mundo e de não estar sozinho nele, não há
mais volta e Drummond aceitou e cumpriumais volta e Drummond aceitou e cumpriu
magnificamente o papel de arauto da liberdade,magnificamente o papel de arauto da liberdade,
de cantor da humanidade, fazendo dobrar osde cantor da humanidade, fazendo dobrar os
sinos por aqueles que mereciam seu dobrar"sinos por aqueles que mereciam seu dobrar"
(Petras Felício / Edison Volpato).(Petras Felício / Edison Volpato).
CANTAR DE AMIGOSCANTAR DE AMIGOS
A descoberta do Outro: Auteridade;A descoberta do Outro: Auteridade;
 O pessimismo quanto ao futuro;O pessimismo quanto ao futuro;
 A poesia social.A poesia social.
NA PRAÇA DOS CONVITESNA PRAÇA DOS CONVITES
 Amor amargo / Amar o;Amor amargo / Amar o;
 Amor “eterno enquanto dure”;Amor “eterno enquanto dure”;
 O conhecimento amoroso é árduo, cruel;O conhecimento amoroso é árduo, cruel;
 Existem obstáculos no convívio entre asExistem obstáculos no convívio entre as
pessoas;pessoas;
 Às vezes, o sentimento amoroso éÀs vezes, o sentimento amoroso é
suplantando pelo desejo de ascensão social.suplantando pelo desejo de ascensão social.
AMAR-AMAROAMAR-AMARO
 ““Nesta reunião, encontramos somenteNesta reunião, encontramos somente
produtos da maturidade poética de Drummond,produtos da maturidade poética de Drummond,
textos nos quais a poesia é matéria, deixa detextos nos quais a poesia é matéria, deixa de
ser somente instrumento e passa a ser tambémser somente instrumento e passa a ser também
temática, com a consciência adquirida de que atemática, com a consciência adquirida de que a
palavra é o substrato essencial, a fala primeirapalavra é o substrato essencial, a fala primeira
e última, como o Verbo se fazendo carne”.e última, como o Verbo se fazendo carne”.
POESIA CONTEMPLADAPOESIA CONTEMPLADA
 Na verdade, o poeta não está incorrendo emNa verdade, o poeta não está incorrendo em
nenhuma contradição. O que pratica é anenhuma contradição. O que pratica é a
definição de poesia como algo que é aquilodefinição de poesia como algo que é aquilo
mesmo sobre o que se está versando. Oumesmo sobre o que se está versando. Ou
melhor: poesia não como algo que fala sobremelhor: poesia não como algo que fala sobre
qualquer assunto, mas uma forma que é elaqualquer assunto, mas uma forma que é ela
mesma, aquilo sobre a qual versa. Poesia nãomesma, aquilo sobre a qual versa. Poesia não
como uma força dentro da qual se derrama umcomo uma força dentro da qual se derrama um
conteúdo, poesia que não se limita a ser umconteúdo, poesia que não se limita a ser um
eventual instrumento ou meio para comunicareventual instrumento ou meio para comunicar
alguma coisa.alguma coisa.
POESIA CONTEMPLADAPOESIA CONTEMPLADA
 Os poemas deste grupo apresentam umOs poemas deste grupo apresentam um
caráter jocoso, brincalhão, irônico,caráter jocoso, brincalhão, irônico,
despretensioso e simples, sendo, como odespretensioso e simples, sendo, como o
próprio poeta denomina, exercícios lúdicos,próprio poeta denomina, exercícios lúdicos,
brincadeiras com versos, jogos de palavras sembrincadeiras com versos, jogos de palavras sem
maiores objetivos que não o divertimento, masmaiores objetivos que não o divertimento, mas
que nem por isso deixam de apresentar seuque nem por isso deixam de apresentar seu
conteúdo, sua mensagem e sua essência.conteúdo, sua mensagem e sua essência.
UMA, DUAS ARGOLINHASUMA, DUAS ARGOLINHAS
99
TENTATIVA DE EXPLORAÇÃOTENTATIVA DE EXPLORAÇÃO
E DE INTERPRETAÇÃO DOE DE INTERPRETAÇÃO DO
 As mais variadas possibilidadesAs mais variadas possibilidades
interpretativas;interpretativas;
 A memória que resiste às traças do tempo;A memória que resiste às traças do tempo;
 A filosofia existencialista de MartimA filosofia existencialista de Martim
Heidegger;Heidegger;
 O conflito do poeta com o mundo;O conflito do poeta com o mundo;
 A visão do mundo como um todo;A visão do mundo como um todo;
 Os questionamentos sobre o homem e suaOs questionamentos sobre o homem e sua
existência.existência.
TENTATIVA DE EXPLORAÇÃO E DE INTERPRETAÇÃO DOTENTATIVA DE EXPLORAÇÃO E DE INTERPRETAÇÃO DO
ESTAR-N0-MUNDOESTAR-N0-MUNDO
A estrutura formal da composição de CarlosA estrutura formal da composição de Carlos
Drummond de Andrade é a seguinte:Drummond de Andrade é a seguinte:
1. Versilibrismo: o uso indiscriminado do verso1. Versilibrismo: o uso indiscriminado do verso
livre.livre.
2. Prosaísmo: adoção na poesia de processos2. Prosaísmo: adoção na poesia de processos
adequados à prosa como o discurso direto, aadequados à prosa como o discurso direto, a
ausência de rimas, a conversa com o leitor.ausência de rimas, a conversa com o leitor.
ESTRUTURA FORMALESTRUTURA FORMAL
3. Linguagem dinâmica e irônica: versos3. Linguagem dinâmica e irônica: versos
pequenos e concisos no significado, semelhantepequenos e concisos no significado, semelhante
ao poema pílula de Oswald de Andrade.ao poema pílula de Oswald de Andrade.
4. Cenas do cotidiano: a infância, a metrópole,4. Cenas do cotidiano: a infância, a metrópole,
Itabira e a família.Itabira e a família.
5. Recriação metonímica da realidade sentida:5. Recriação metonímica da realidade sentida:
Drummond apreende filosoficamente o mundo aDrummond apreende filosoficamente o mundo a
partir de assuntos banais.partir de assuntos banais.
ESTRUTURA FORMALESTRUTURA FORMAL
66
AMAR-AMAROAMAR-AMARO
PP ÉÉOO TT AAII CC
A.n.T.O.l.O.g.I.A.
PP ÉÉ
OO TT
AAII
CC
AnTOlOgIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeAdriana Masson
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Colégio Santa Luzia
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeAndresa Araújo
 
A poesia de carlos drummond de andrade
A poesia de carlos drummond de andradeA poesia de carlos drummond de andrade
A poesia de carlos drummond de andradema.no.el.ne.ves
 
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]Marynara Barros
 
Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)
Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)
Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)Marynara Barros
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeLeslley Cristian
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade Dina Baptista
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04ma.no.el.ne.ves
 
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andradecatiasgs
 
Claro enigma
Claro enigmaClaro enigma
Claro enigmarafabebum
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeLany da Silva
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreAna Polo
 
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de AndradeAnálise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de AndradeLeonardo Silva Coelho
 

Mais procurados (19)

Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
A poesia de carlos drummond de andrade
A poesia de carlos drummond de andradeA poesia de carlos drummond de andrade
A poesia de carlos drummond de andrade
 
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
Carlos Drummond de Andrade [4ª fase - Memorialista]
 
Alguma poesia
Alguma poesiaAlguma poesia
Alguma poesia
 
Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)
Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)
Carlos Drummond de Andrade - 4ª fase (Memorialista)
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade   Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04Revisando o romantismo, 04
Revisando o romantismo, 04
 
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
 
Claro enigma
Claro enigmaClaro enigma
Claro enigma
 
Jorge de sena
Jorge de senaJorge de sena
Jorge de sena
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
 
Antologia poética drummond
Antologia poética drummondAntologia poética drummond
Antologia poética drummond
 
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de AndradeAnálise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
 
Claro enigma
Claro enigmaClaro enigma
Claro enigma
 

Destaque (17)

Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 
Conceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaConceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da Literatura
 
História da escrita - Timeline
História da escrita - TimelineHistória da escrita - Timeline
História da escrita - Timeline
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo  no BrasilNaturalismo  no Brasil
Naturalismo no Brasil
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_FeraO_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Romance é Show
Romance é ShowRomance é Show
Romance é Show
 
A Bela E A Fera
A Bela E A FeraA Bela E A Fera
A Bela E A Fera
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 

Semelhante a Drummond: Poesia e Vida

Semelhante a Drummond: Poesia e Vida (20)

Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Modernismo autores e obras
Modernismo autores e obrasModernismo autores e obras
Modernismo autores e obras
 
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
Antologia Poética - Vinícius de Moraes - 3ª A - 2011
 
heteronimos
heteronimosheteronimos
heteronimos
 
resumos
resumosresumos
resumos
 
Pessoa heteronimos
Pessoa heteronimosPessoa heteronimos
Pessoa heteronimos
 
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30Caminhos modernistas - a geração poética de 30
Caminhos modernistas - a geração poética de 30
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 
A poesia no romantismo brasileiro
A poesia no romantismo brasileiroA poesia no romantismo brasileiro
A poesia no romantismo brasileiro
 
AULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.PAULA DIGITAL L.P
AULA DIGITAL L.P
 
Romantismo
Romantismo Romantismo
Romantismo
 
Romantismo 2014
Romantismo 2014Romantismo 2014
Romantismo 2014
 
Modernismo 2a. geração
Modernismo   2a. geraçãoModernismo   2a. geração
Modernismo 2a. geração
 
Movimentos literários
Movimentos literáriosMovimentos literários
Movimentos literários
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
2°Tarefa-Lìngua Portuguesa
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Mais de José Ricardo Lima (19)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 

Drummond: Poesia e Vida

  • 1.
  • 3.
  • 5.
  • 6.  RetorcidoRetorcido  GaucheGauche  ExaustoExausto  Sem esperançasSem esperanças  DesajeitadoDesajeitado  Desencantado com o mundoDesencantado com o mundo  CarenteCarente  AngustiadoAngustiado  Sozinho na multidãoSozinho na multidão  Esse “Eu” sofre uma evolução na medidaEsse “Eu” sofre uma evolução na medida em que começa a tratar do “Outro”em que começa a tratar do “Outro” UM EU RETORCIDOUM EU RETORCIDO
  • 7.
  • 8.  Crítica ao provincianismoCrítica ao provincianismo  A visão do filho que volta modificada porA visão do filho que volta modificada por suas vivênciassuas vivências  A pressa de viver, o desejo pelo progresso, aA pressa de viver, o desejo pelo progresso, a busca da felicidadebusca da felicidade  A imagem no retratoA imagem no retrato  Os costumes: romarias, procissões, aOs costumes: romarias, procissões, a religiosidade mineirareligiosidade mineira  O cordão umbilical ainda não está de todoO cordão umbilical ainda não está de todo rompidorompido UMA PROVÍNCIA: ESTAUMA PROVÍNCIA: ESTA
  • 9.
  • 10.  FAMÍLIA: palco dos primeiros conflitosFAMÍLIA: palco dos primeiros conflitos  CDA se dirige à “família que ele se deu, comoCDA se dirige à “família que ele se deu, como a negar qualquer imposição sangüínea oua negar qualquer imposição sangüínea ou anterior, hereditária ou herdada, afirmando simanterior, hereditária ou herdada, afirmando sim os laços construídos, os laços de afeto, deos laços construídos, os laços de afeto, de convivência, seja ela física, com os seusconvivência, seja ela física, com os seus contemporâneos, seja ela de memória, com oscontemporâneos, seja ela de memória, com os que foram antes dele chegar” (Petras Felício /que foram antes dele chegar” (Petras Felício / Edison Volpato)Edison Volpato) A FAMÍLIA QUE ME DEIA FAMÍLIA QUE ME DEI
  • 11.  Ruína financeira da família (retratoRuína financeira da família (retrato empoeirado na parede)empoeirado na parede)  A imagem de Robinson CrusoéA imagem de Robinson Crusoé  Relampejos de otimismo: “minha história éRelampejos de otimismo: “minha história é mais bonita que a Robinson Crusoé”mais bonita que a Robinson Crusoé”  A convivência com o passado é por vezesA convivência com o passado é por vezes conturbada e por vezes tranqüilaconturbada e por vezes tranqüila  Momentos de solidão e isolamentoMomentos de solidão e isolamento A FAMÍLIA QUE ME DEIA FAMÍLIA QUE ME DEI
  • 12.
  • 13.  Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Jorge deManuel Bandeira, Mário de Andrade, Jorge de Lima, Frederico Garcia Lorca (poeta eLima, Frederico Garcia Lorca (poeta e dramaturgo espanhol), Charles Chaplin,dramaturgo espanhol), Charles Chaplin, Candido Portinari e Américo Facó (poetaCandido Portinari e Américo Facó (poeta cearense).cearense). CANTAR DE AMIGOSCANTAR DE AMIGOS
  • 14.  O que fizeram para melhorar o mundo no qualO que fizeram para melhorar o mundo no qual viviam?viviam?  A crítica ao sistema ladeada com a líricaA crítica ao sistema ladeada com a lírica elogiosa.elogiosa.  "Despertada uma vez a consciência de estar"Despertada uma vez a consciência de estar no mundo e de não estar sozinho nele, não háno mundo e de não estar sozinho nele, não há mais volta e Drummond aceitou e cumpriumais volta e Drummond aceitou e cumpriu magnificamente o papel de arauto da liberdade,magnificamente o papel de arauto da liberdade, de cantor da humanidade, fazendo dobrar osde cantor da humanidade, fazendo dobrar os sinos por aqueles que mereciam seu dobrar"sinos por aqueles que mereciam seu dobrar" (Petras Felício / Edison Volpato).(Petras Felício / Edison Volpato). CANTAR DE AMIGOSCANTAR DE AMIGOS
  • 15.
  • 16. A descoberta do Outro: Auteridade;A descoberta do Outro: Auteridade;  O pessimismo quanto ao futuro;O pessimismo quanto ao futuro;  A poesia social.A poesia social. NA PRAÇA DOS CONVITESNA PRAÇA DOS CONVITES
  • 17.
  • 18.  Amor amargo / Amar o;Amor amargo / Amar o;  Amor “eterno enquanto dure”;Amor “eterno enquanto dure”;  O conhecimento amoroso é árduo, cruel;O conhecimento amoroso é árduo, cruel;  Existem obstáculos no convívio entre asExistem obstáculos no convívio entre as pessoas;pessoas;  Às vezes, o sentimento amoroso éÀs vezes, o sentimento amoroso é suplantando pelo desejo de ascensão social.suplantando pelo desejo de ascensão social. AMAR-AMAROAMAR-AMARO
  • 19.
  • 20.  ““Nesta reunião, encontramos somenteNesta reunião, encontramos somente produtos da maturidade poética de Drummond,produtos da maturidade poética de Drummond, textos nos quais a poesia é matéria, deixa detextos nos quais a poesia é matéria, deixa de ser somente instrumento e passa a ser tambémser somente instrumento e passa a ser também temática, com a consciência adquirida de que atemática, com a consciência adquirida de que a palavra é o substrato essencial, a fala primeirapalavra é o substrato essencial, a fala primeira e última, como o Verbo se fazendo carne”.e última, como o Verbo se fazendo carne”. POESIA CONTEMPLADAPOESIA CONTEMPLADA
  • 21.  Na verdade, o poeta não está incorrendo emNa verdade, o poeta não está incorrendo em nenhuma contradição. O que pratica é anenhuma contradição. O que pratica é a definição de poesia como algo que é aquilodefinição de poesia como algo que é aquilo mesmo sobre o que se está versando. Oumesmo sobre o que se está versando. Ou melhor: poesia não como algo que fala sobremelhor: poesia não como algo que fala sobre qualquer assunto, mas uma forma que é elaqualquer assunto, mas uma forma que é ela mesma, aquilo sobre a qual versa. Poesia nãomesma, aquilo sobre a qual versa. Poesia não como uma força dentro da qual se derrama umcomo uma força dentro da qual se derrama um conteúdo, poesia que não se limita a ser umconteúdo, poesia que não se limita a ser um eventual instrumento ou meio para comunicareventual instrumento ou meio para comunicar alguma coisa.alguma coisa. POESIA CONTEMPLADAPOESIA CONTEMPLADA
  • 22.
  • 23.  Os poemas deste grupo apresentam umOs poemas deste grupo apresentam um caráter jocoso, brincalhão, irônico,caráter jocoso, brincalhão, irônico, despretensioso e simples, sendo, como odespretensioso e simples, sendo, como o próprio poeta denomina, exercícios lúdicos,próprio poeta denomina, exercícios lúdicos, brincadeiras com versos, jogos de palavras sembrincadeiras com versos, jogos de palavras sem maiores objetivos que não o divertimento, masmaiores objetivos que não o divertimento, mas que nem por isso deixam de apresentar seuque nem por isso deixam de apresentar seu conteúdo, sua mensagem e sua essência.conteúdo, sua mensagem e sua essência. UMA, DUAS ARGOLINHASUMA, DUAS ARGOLINHAS
  • 24. 99 TENTATIVA DE EXPLORAÇÃOTENTATIVA DE EXPLORAÇÃO E DE INTERPRETAÇÃO DOE DE INTERPRETAÇÃO DO
  • 25.  As mais variadas possibilidadesAs mais variadas possibilidades interpretativas;interpretativas;  A memória que resiste às traças do tempo;A memória que resiste às traças do tempo;  A filosofia existencialista de MartimA filosofia existencialista de Martim Heidegger;Heidegger;  O conflito do poeta com o mundo;O conflito do poeta com o mundo;  A visão do mundo como um todo;A visão do mundo como um todo;  Os questionamentos sobre o homem e suaOs questionamentos sobre o homem e sua existência.existência. TENTATIVA DE EXPLORAÇÃO E DE INTERPRETAÇÃO DOTENTATIVA DE EXPLORAÇÃO E DE INTERPRETAÇÃO DO ESTAR-N0-MUNDOESTAR-N0-MUNDO
  • 26. A estrutura formal da composição de CarlosA estrutura formal da composição de Carlos Drummond de Andrade é a seguinte:Drummond de Andrade é a seguinte: 1. Versilibrismo: o uso indiscriminado do verso1. Versilibrismo: o uso indiscriminado do verso livre.livre. 2. Prosaísmo: adoção na poesia de processos2. Prosaísmo: adoção na poesia de processos adequados à prosa como o discurso direto, aadequados à prosa como o discurso direto, a ausência de rimas, a conversa com o leitor.ausência de rimas, a conversa com o leitor. ESTRUTURA FORMALESTRUTURA FORMAL
  • 27. 3. Linguagem dinâmica e irônica: versos3. Linguagem dinâmica e irônica: versos pequenos e concisos no significado, semelhantepequenos e concisos no significado, semelhante ao poema pílula de Oswald de Andrade.ao poema pílula de Oswald de Andrade. 4. Cenas do cotidiano: a infância, a metrópole,4. Cenas do cotidiano: a infância, a metrópole, Itabira e a família.Itabira e a família. 5. Recriação metonímica da realidade sentida:5. Recriação metonímica da realidade sentida: Drummond apreende filosoficamente o mundo aDrummond apreende filosoficamente o mundo a partir de assuntos banais.partir de assuntos banais. ESTRUTURA FORMALESTRUTURA FORMAL
  • 28.
  • 30. PP ÉÉOO TT AAII CC A.n.T.O.l.O.g.I.A.