SlideShare uma empresa Scribd logo
Vidas secas
O AUTORO AUTOR
GRACILIANOGRACILIANO
RAMOSRAMOS
Quebrângulo – AL,Quebrângulo – AL,
18921892
Rio de Janeiro,Rio de Janeiro,
19531953
O AUTORO AUTOR
Fez os primeiros estudos no interior de Ala-Fez os primeiros estudos no interior de Ala-
goas e tentou jornalismo no Rio. Regressou agoas e tentou jornalismo no Rio. Regressou a
Palmeira dos Índios (AL), cidade da qual foiPalmeira dos Índios (AL), cidade da qual foi
prefeito em 1928, renunciando ao cargo doisprefeito em 1928, renunciando ao cargo dois
anos depois, para dirigir a Imprensa Oficial doanos depois, para dirigir a Imprensa Oficial do
Estado. Em 1933, foi nomeado Diretor da Ins-Estado. Em 1933, foi nomeado Diretor da Ins-
trução Pública. Por suspeita de ligação com otrução Pública. Por suspeita de ligação com o
comunismo, foi demitido e preso em 1936.comunismo, foi demitido e preso em 1936.
Remetido ao Rio de Janeiro, permaneceu en-Remetido ao Rio de Janeiro, permaneceu en-
carcerado na Ilha Grande, onde escreveucarcerado na Ilha Grande, onde escreveu Me-Me-
mórias do Cárceremórias do Cárcere. Em 1945, aderiu ao PCB.. Em 1945, aderiu ao PCB.
Faleceu no Rio, em 1953.Faleceu no Rio, em 1953.
OBRASOBRAS
Romances:Romances:
 Caetés (1933)Caetés (1933)
 São Bernardo (1938)São Bernardo (1938)
 Angústia (1936)Angústia (1936)
 Vidas Secas (1938)Vidas Secas (1938)
Conto:Conto:
Insônia (1947)Insônia (1947)
OBRASOBRAS
Memórias:Memórias:
 Infância (1945)Infância (1945)
 Memórias do Cárcere (1953)Memórias do Cárcere (1953)
 Viagem (1954)Viagem (1954)
 Linhas Tortas (crônicas, 1962)Linhas Tortas (crônicas, 1962)
 Viventes das Alagoas (1962)Viventes das Alagoas (1962)
Literatura Infantil:Literatura Infantil:
 Histórias de Alexandre (1944)Histórias de Alexandre (1944)
 Dois dedos (1945)Dois dedos (1945)
 Histórias incompletas (1946)Histórias incompletas (1946)
LINHA DO TEMPOLINHA DO TEMPO
O ROMANCE DE 30O ROMANCE DE 30
Os retirantesOs retirantes, Portinari, Portinari
ORIGEM DO LIVROORIGEM DO LIVRO
"... no começo de 1937 utilizei num conto a"... no começo de 1937 utilizei num conto a
lembrança de um cachorro sacrificado na Mani-lembrança de um cachorro sacrificado na Mani-
çoba, interior de Pernambuco, há muitos anos.çoba, interior de Pernambuco, há muitos anos.
Transformei o velho Pedro Ferro, meu avô, noTransformei o velho Pedro Ferro, meu avô, no
vaqueiro Fabiano; minha avó tomou a figura devaqueiro Fabiano; minha avó tomou a figura de
Sinha Vitória, meus tios pequenos, machos eSinha Vitória, meus tios pequenos, machos e
fêmeas, reduziram-se a dois meninos..."fêmeas, reduziram-se a dois meninos..."
Trecho da carta que Graciliano escreveu, em 1944, a João Condé,
para uma coluna que o mesmo mantinha na revista O Cruzeiro.
A obraA obra Vidas SecasVidas Secas é ambientada no sertãoé ambientada no sertão
nordestino e conta, em 13 capítulos independen-nordestino e conta, em 13 capítulos independen-
tes, a saga de uma família de retirantes: Fabiano,tes, a saga de uma família de retirantes: Fabiano,
Sinha Vitória, o menino mais velho, o meninoSinha Vitória, o menino mais velho, o menino
mais novo e a cadela Baleia, animal de esti-mais novo e a cadela Baleia, animal de esti-
mação que representava quase um membro damação que representava quase um membro da
família. Cada capítulo enfatiza uma persona-gemfamília. Cada capítulo enfatiza uma persona-gem
e as várias situações de desgraça e sofrimentoe as várias situações de desgraça e sofrimento
as quais são submetidos.as quais são submetidos.
SÍNTESE DO ENREDOSÍNTESE DO ENREDO
Em 1963 o cineastaEm 1963 o cineasta
Nélson Pereira dosNélson Pereira dos
Santos assinou a adap-Santos assinou a adap-
tação do romance paratação do romance para
o cinema, com os ato-o cinema, com os ato-
res Átila Iório e Mariares Átila Iório e Maria
Ribeiro como FabianoRibeiro como Fabiano
e Sinha Vitória.e Sinha Vitória.
PERSONAGENSPERSONAGENS
a) FABIANO: caracteriza-a) FABIANO: caracteriza-
se pelo sentimento dese pelo sentimento de
esperança, porém, váriasesperança, porém, várias
vezes é acometido pelavezes é acometido pela
raiva, pela ira. Respon-raiva, pela ira. Respon-
sável, vê-se constante-sável, vê-se constante-
mente impotente diantemente impotente diante
do mundo, da vida. Umado mundo, da vida. Uma
de suas maiores aspi-de suas maiores aspi-
rações era se expressarrações era se expressar
como seu Tomás dacomo seu Tomás da
bolandeira;bolandeira; Átila IórioÁtila Iório
PERSONAGENSPERSONAGENS
b) Sinha Vitória: embo-rab) Sinha Vitória: embo-ra
seja segura, marcada pelaseja segura, marcada pela
passividade, também tempassividade, também tem
seus rompantes. Es-pertaseus rompantes. Es-perta
e inteligente, é bem maise inteligente, é bem mais
desenvolta e perspi-cazdesenvolta e perspi-caz
que o marido, queque o marido, que
freqüentemente é passa-freqüentemente é passa-
do para trás. Seu maiordo para trás. Seu maior
desejo era possuir umadesejo era possuir uma
cama igual à de seucama igual à de seu
Tomás da bolandeira;Tomás da bolandeira; Maria RibeiroMaria Ribeiro
Vidas secas
Vidas secas
PERSONAGENSPERSONAGENS
c) O MENINO MAISc) O MENINO MAIS
NOVO: apesar deNOVO: apesar de
corajoso, vê-se fra-corajoso, vê-se fra-
cassado quandocassado quando
tenta imitar astenta imitar as
ações de seu pai,ações de seu pai,
que, para ele, era oque, para ele, era o
modelo a sermodelo a ser
seguido;seguido;
Gilvan LimaGilvan Lima
Vidas secas
PERSONAGENSPERSONAGENS
d) O MENINO MAISd) O MENINO MAIS
VELHO: é curioso, ficaVELHO: é curioso, fica
insatisfeito diante dasinsatisfeito diante das
explicações lacunaresexplicações lacunares
dadas pelos pais quan-dadas pelos pais quan-
do a eles dirigia pergun-do a eles dirigia pergun-
tas. Carente, desejavatas. Carente, desejava
um amigo. Seu consoloum amigo. Seu consolo
era a cachorrinha Balei-era a cachorrinha Balei-
a;a;
Genivaldo LimaGenivaldo Lima
Vidas secas
PERSONAGENSPERSONAGENS
e) O SOLDADO AMARE-e) O SOLDADO AMARE-
LO: Embora seja perso-LO: Embora seja perso-
nagem secundária, ga-nagem secundária, ga-
nha relevância por apa-nha relevância por apa-
recer, na narrativa,recer, na narrativa,
como símbolo de prepo-como símbolo de prepo-
tência e opressão.tência e opressão.
Orlando MacedoOrlando Macedo
Vidas secas
PERSONAGENSPERSONAGENS
f) BALEIA: A cadela daf) BALEIA: A cadela da
família de Fabiano. Vaifamília de Fabiano. Vai
sempre a frente dosempre a frente do
grupo, procurando co-grupo, procurando co-
mida. Em muitos mo-mida. Em muitos mo-
mentos, mostra-se maismentos, mostra-se mais
humana que os próprioshumana que os próprios
donos.donos.
BaleiaBaleia
Vidas secas
A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA
1 – CAPÍTULOS AUTÔNOMOS: a narrativa é1 – CAPÍTULOS AUTÔNOMOS: a narrativa é
constituída por capítulos autônomos, que podemconstituída por capítulos autônomos, que podem
ser apresentados isoladamente, por isso mesmo,ser apresentados isoladamente, por isso mesmo,
a obra é considerada por alguns críticos comoa obra é considerada por alguns críticos como
umum romance desmontávelromance desmontável; painel de quadros do; painel de quadros do
sertão: “romance marcado pela extrema presen-sertão: “romance marcado pela extrema presen-
ça da terra, tão seca como os habitantes, que seça da terra, tão seca como os habitantes, que se
encontram despojados de bens, de vocabulário,encontram despojados de bens, de vocabulário,
da seiva essencial para a sobrevivência, tendo,da seiva essencial para a sobrevivência, tendo,
dessa forma, vidas secas”;dessa forma, vidas secas”;
A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA
2 – NARRADOR ONIS-2 – NARRADOR ONIS-
CIENTE: narrador emCIENTE: narrador em
terceira pessoa, queterceira pessoa, que
mergulha profundamen-mergulha profundamen-
te na alma das persona-te na alma das persona-
gens, trazendo à tonagens, trazendo à tona
um texto marcado elaum texto marcado ela
análise existencial, psi-análise existencial, psi-
cológica das criaturascológica das criaturas
que habitam o áridoque habitam o árido
sertão nordestino;sertão nordestino;
IlustraçõesdeAldemirMartinsIlustraçõesdeAldemirMartins
A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA
3 – DISCURSO INDIRETO LIVRE: fusão da fala3 – DISCURSO INDIRETO LIVRE: fusão da fala
e/ou pensamento da personagem à voz doe/ou pensamento da personagem à voz do
narrador: a) “Pobre de seu Tomás. Um homemnarrador: a) “Pobre de seu Tomás. Um homem
tão direito sumir-se como cambembe, andar portão direito sumir-se como cambembe, andar por
este mundo de trouxa nas costas. Seu Tomás eraeste mundo de trouxa nas costas. Seu Tomás era
pessoa de consideração e votava. Quem diria?”;pessoa de consideração e votava. Quem diria?”;
b) “O rosto de Fabiano contraía-se, medonho,b) “O rosto de Fabiano contraía-se, medonho,
mais feio de que um focinho. Hem? Estavamais feio de que um focinho. Hem? Estava
certo? Bulir com as pessoas que não fazem malcerto? Bulir com as pessoas que não fazem mal
a ninguém. Por quê? Sufocava-se, as rugas daa ninguém. Por quê? Sufocava-se, as rugas da
testa aprofundavam-se, os pequenos olhos azuistesta aprofundavam-se, os pequenos olhos azuis
abriam-se demais, numa interrogação dolorosa”;abriam-se demais, numa interrogação dolorosa”;
A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA
4 – ESPAÇO:4 – ESPAÇO:
Nordeste. Não háNordeste. Não há
uma definição exatauma definição exata
do lugar ou lugaresdo lugar ou lugares
por onde perambu-por onde perambu-
lam os persona-lam os persona-
gens;gens;
IlustraçõesdeAldemirMartinsIlustraçõesdeAldemirMartins
A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA
5 – TEMPO: assim co-5 – TEMPO: assim co-
mo o espaço, é indefi-mo o espaço, é indefi-
nido. Não se pode pre-nido. Não se pode pre-
cisar em que décadacisar em que década
se passa a história.se passa a história.
Certo é, porém, queCerto é, porém, que
seja anterior à décadaseja anterior à década
de 1930, já que o livrode 1930, já que o livro
foi publicado em 1937;foi publicado em 1937;
A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA
6 – ESTRUTURA CÍCLICA: Tanto no primeiro6 – ESTRUTURA CÍCLICA: Tanto no primeiro
capítulo da obra, “Mudança”, quanto no último,capítulo da obra, “Mudança”, quanto no último,
“Fuga”, as personagens estão fugindo da seca, o“Fuga”, as personagens estão fugindo da seca, o
que nos permite dizer que a obra apresenta umaque nos permite dizer que a obra apresenta uma
estrutura cíclica, na medida em que o romanceestrutura cíclica, na medida em que o romance
decorre entre duas situações idênticas, de taldecorre entre duas situações idênticas, de tal
modo que o fim, encontrando o princípio, fecha amodo que o fim, encontrando o princípio, fecha a
ação em círculo.ação em círculo.
A LINGUAGEMA LINGUAGEM
1 – Na obra, percebe-se a predominância da falta1 – Na obra, percebe-se a predominância da falta
de diálogos entre as personagens (a solidão éde diálogos entre as personagens (a solidão é
reproduzida a todo tempo), o que nos apontareproduzida a todo tempo), o que nos aponta
para uma impossibilidade de comunicaçãopara uma impossibilidade de comunicação
humana; essa impossibilidade se espelha atéhumana; essa impossibilidade se espelha até
nos animais (a justificativa para a morte donos animais (a justificativa para a morte do
papagaio é o fato de ele não saber falar: ele sópapagaio é o fato de ele não saber falar: ele só
sabia latir – como Baleia – e aboiar – comosabia latir – como Baleia – e aboiar – como
Fabiano);Fabiano);
Vidas secas
A LINGUAGEMA LINGUAGEM
2 – Se o grupo familiar é coeso, solidário,2 – Se o grupo familiar é coeso, solidário,
detecta-se uma impotência existencial dosdetecta-se uma impotência existencial dos
figurantes, que corresponde a uma impotênciafigurantes, que corresponde a uma impotência
verbal dentro da realidade;verbal dentro da realidade;
3 – A comunicação se dá por intermédio de3 – A comunicação se dá por intermédio de
gestos, ruídos guturais, animalescos, incapacita-gestos, ruídos guturais, animalescos, incapacita-
dos de organizar o mundo num sistema dedos de organizar o mundo num sistema de
representações e idéias, as personagens serepresentações e idéias, as personagens se
postam como coisas (zoomorfização);postam como coisas (zoomorfização);
A LINGUAGEMA LINGUAGEM
4 – O silêncio vem não só da falência da4 – O silêncio vem não só da falência da
comunicação, mas também porque ascomunicação, mas também porque as
personagens não têm o que dizer. Interessante opersonagens não têm o que dizer. Interessante o
fato de que, quando Fabiano queria falar comofato de que, quando Fabiano queria falar como
alguém desenvolto, ele se comprometia aindaalguém desenvolto, ele se comprometia ainda
mais, o que se nota não só na relação com omais, o que se nota não só na relação com o
patrão, no primeiro contato com o Soldadopatrão, no primeiro contato com o Soldado
Amarelo e, também, quando é levado para aAmarelo e, também, quando é levado para a
cadeia – acusado, ele não se defende porque nãocadeia – acusado, ele não se defende porque não
conseguia articular discurso;conseguia articular discurso;
Vidas secas
A LINGUAGEMA LINGUAGEM
5 – Já vimos anteriormente que, na obra,5 – Já vimos anteriormente que, na obra,
prevalece o uso do discurso indireto livre. Nasprevalece o uso do discurso indireto livre. Nas
poucas vezes em que aparece, o discurso direto,poucas vezes em que aparece, o discurso direto,
acentua as barreiras da comunicabilidade, poisacentua as barreiras da comunicabilidade, pois
as falas são curtas: “– Ecô! Ecô!”, “Hum! Hum!”,as falas são curtas: “– Ecô! Ecô!”, “Hum! Hum!”,
predominando quase sempre o monólogo empredominando quase sempre o monólogo em
voz alta;voz alta;
6 – FALÊNCIA DA LINGUAGEM: corporifica a6 – FALÊNCIA DA LINGUAGEM: corporifica a
barreira irremediável que se coloca entre asbarreira irremediável que se coloca entre as
pessoaspessoas ⇒⇒ é como se as personagens vivessemé como se as personagens vivessem
exiladas em si mesmas;exiladas em si mesmas;
UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO
1 – A existência das personagens revela-se1 – A existência das personagens revela-se
como um fenômeno puramente natural. O sercomo um fenômeno puramente natural. O ser
humano assemelha-se ao bicho. Essa, aliás, éhumano assemelha-se ao bicho. Essa, aliás, é
uma das características das obras de Gracilianouma das características das obras de Graciliano
Ramos – a zoomorfização: as personagensRamos – a zoomorfização: as personagens
aparecem sob a ótica do não humano, do animalaparecem sob a ótica do não humano, do animal
e os animais (Baleia) aparecem humanizadose os animais (Baleia) aparecem humanizados
(antropomorfismo), como exemplo, temos o(antropomorfismo), como exemplo, temos o
belíssimo capítulo “Baleia”;belíssimo capítulo “Baleia”;
"A tremura subia, deixava a barriga e"A tremura subia, deixava a barriga e
chegava ao peito de Baleia. Do peito para tráschegava ao peito de Baleia. Do peito para trás
era tudo insensibilidade e esquecimento. Mas oera tudo insensibilidade e esquecimento. Mas o
resto do corpo se arrepiava, espinhos deresto do corpo se arrepiava, espinhos de
mandacaru penetravam na carne meio comidamandacaru penetravam na carne meio comida
pela doença.pela doença.
Baleia encostava a cabecinha fatigada naBaleia encostava a cabecinha fatigada na
pedra. A pedra estava fria, certamente Sinhapedra. A pedra estava fria, certamente Sinha
Vitória tinha deixado o fogo apagar-se muitoVitória tinha deixado o fogo apagar-se muito
cedo.cedo.
Baleia queria dormir. Acordaria feliz, numBaleia queria dormir. Acordaria feliz, num
mundo de preás. E lamberia as mãos demundo de preás. E lamberia as mãos de
Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças seFabiano, um Fabiano enorme. As crianças se
espojariam com ela, rolariam com ela num pátioespojariam com ela, rolariam com ela num pátio
enorme, num chiqueiro enorme. O mundoenorme, num chiqueiro enorme. O mundo
ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes".ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes".
Vidas secas
UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO
2 – Não só através das símiles, quando da2 – Não só através das símiles, quando da
apresentação das personagens (“Ele, a mulher eapresentação das personagens (“Ele, a mulher e
os filhos tinham-se habituado à camarinhaos filhos tinham-se habituado à camarinha
escura, pareciam ratos”), mas até mesmoescura, pareciam ratos”), mas até mesmo
fisicamente os protagonistas são vistos comofisicamente os protagonistas são vistos como
bichos (excelentes exemplos são os comentáriosbichos (excelentes exemplos são os comentários
do próprio Fabiano sobre os pés de sua esposado próprio Fabiano sobre os pés de sua esposa
– andava como um papagaio – ou mesmo no– andava como um papagaio – ou mesmo no
belo capítulo “Fabiano” a constatação dabelo capítulo “Fabiano” a constatação da
simbiose perfeita entre Fabiano e seu cavalo);simbiose perfeita entre Fabiano e seu cavalo);
UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO
3 – Baleia é elevada ao nível mental das demais3 – Baleia é elevada ao nível mental das demais
personagens, membro da família como qualquerpersonagens, membro da família como qualquer
outro (confunde-se com os meninos; recebeoutro (confunde-se com os meninos; recebe
beijos e abraços, etc);beijos e abraços, etc);
UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO
4 – A consciência de Fabiano da sua condição de4 – A consciência de Fabiano da sua condição de
bicho constitui o núcleo de toda a sua visão debicho constitui o núcleo de toda a sua visão de
mundo, pois a personagem se sente em posiçãomundo, pois a personagem se sente em posição
de inferioridade em confronto com as outrasde inferioridade em confronto com as outras
pessoas (sua condição de “bicho” é hereditária,pessoas (sua condição de “bicho” é hereditária,
fatalidade; os dias melhores só poderiam acon-fatalidade; os dias melhores só poderiam acon-
tecer por influência de forças transcendentes);tecer por influência de forças transcendentes);
UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO
5 – Vê-se, portanto, na obra de Graciliano Ra-5 – Vê-se, portanto, na obra de Graciliano Ra-
mos, a desumanização das personagens, quemos, a desumanização das personagens, que
saem do nível animal, atingindo o vegetal, poissaem do nível animal, atingindo o vegetal, pois
são comparadas a baraúnas e mandacarus, atésão comparadas a baraúnas e mandacarus, até
serem niveladas a coisas, num processo deserem niveladas a coisas, num processo de
reificação;reificação;
CONCLUSÃOCONCLUSÃO
1 – PENSAMENTO DESENCANTADO: ao mimeti-1 – PENSAMENTO DESENCANTADO: ao mimeti-
zar as agruras do sertanejo enfrentando a seca,zar as agruras do sertanejo enfrentando a seca,
percebe-se um desencanto, uma visãopercebe-se um desencanto, uma visão
negativista, um ciclo impossível de ser rompido;negativista, um ciclo impossível de ser rompido;
2 – HOMEM / PAISAGEM: Em2 – HOMEM / PAISAGEM: Em Vidas secasVidas secas, temos, temos
uma profunda simbiose entre o homem e auma profunda simbiose entre o homem e a
paisagem. Desse modo, disseca não só a almapaisagem. Desse modo, disseca não só a alma
do sertanejo, mas também o meio físico – asdo sertanejo, mas também o meio físico – as
estruturas seculares tanto físicas quanto sociaisestruturas seculares tanto físicas quanto sociais
– mostrando como um aparece irmanado ao– mostrando como um aparece irmanado ao
outro;outro;
CONCLUSÃOCONCLUSÃO
3 – SAÍDAS: Assim como em obras anteriores,3 – SAÍDAS: Assim como em obras anteriores,
Graciliano nos apresenta personagens queGraciliano nos apresenta personagens que
rodam num mundo diminuto, sem saída nemrodam num mundo diminuto, sem saída nem
variedade, por isso é que constrói a obra devariedade, por isso é que constrói a obra de
forma fragmentada, assim, os fatos se arranjamforma fragmentada, assim, os fatos se arranjam
sem se integrarem uns com os outros, sugerindosem se integrarem uns com os outros, sugerindo
um mundo que não se compreende e se captaum mundo que não se compreende e se capta
apenas por manifestações isoladas.apenas por manifestações isoladas.
RESUMINDORESUMINDO
 Único romance de Graciliano Ramos em ter-Único romance de Graciliano Ramos em ter-
ceira pessoa.ceira pessoa.
 Drama social e geográfico.Drama social e geográfico.
 Quadros da vida do sertão nordestino.Quadros da vida do sertão nordestino.
 Vida nordestina tratada de modo objetivo.Vida nordestina tratada de modo objetivo.
 Linguagem sintéticaLinguagem sintética
 Sem sentimentalismo;Sem sentimentalismo;
 Vocabulário exato;Vocabulário exato;
 Precisão e concisão.Precisão e concisão.
 13 capítulos/contos autônomos.13 capítulos/contos autônomos.
 Romance desmontável.Romance desmontável.
 Trajetória circular, romance cíclico.Trajetória circular, romance cíclico.
RESUMINDORESUMINDO
 Miséria física e intelectual.Miséria física e intelectual.
 Discurso indireto livre.Discurso indireto livre.
 Nivelamento entre animais e pessoas.Nivelamento entre animais e pessoas.
 Seu Tomás simboliza o desejo de ascensãoSeu Tomás simboliza o desejo de ascensão
social e econômica da família.social e econômica da família.
A CENA FINALA CENA FINAL
Vidas secas
Vidas secas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Macunaíma...
Macunaíma...Macunaíma...
Macunaíma...
Ana Paula Custodio
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
Ana Batista
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Edenilson Morais
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia
Paulo Gabriel
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
7 de Setembro
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Marden Rodrigues
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)
colegio elite
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Iágo Canuto
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
alinesantana1422
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
Cláudio César
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
Josi Motta
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Graciliano Ramos
Graciliano RamosGraciliano Ramos
Graciliano Ramos
Junior Rodrigues
 
Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_
Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_
Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_
ProfaJosi
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
Cláudia Heloísa
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
Colégio Santa Luzia
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 

Mais procurados (20)

Macunaíma...
Macunaíma...Macunaíma...
Macunaíma...
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
 
Macunaíma
MacunaímaMacunaíma
Macunaíma
 
Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)Angústia 01 (1)
Angústia 01 (1)
 
Fábulas 1
Fábulas 1Fábulas 1
Fábulas 1
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
segunda geração romântica
segunda geração românticasegunda geração romântica
segunda geração romântica
 
A hora da estrela
A hora da estrelaA hora da estrela
A hora da estrela
 
Auto da compadecida
Auto da compadecidaAuto da compadecida
Auto da compadecida
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Graciliano Ramos
Graciliano RamosGraciliano Ramos
Graciliano Ramos
 
Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_
Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_
Literatura relato de_um_certo_oriente_analise_
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro2ª fase do modernismo brasileiro
2ª fase do modernismo brasileiro
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 

Destaque

Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Gabriela Pupo
 
Análise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secasAnálise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secas
CamileBMoura
 
Apresentação vidas secas
Apresentação vidas secasApresentação vidas secas
Apresentação vidas secas
elaine8697
 
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Cirlei Santos
 
Vidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto HistórioVidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto Histório
Gabriella Bueno
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
DalaDelane
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
Tim Bagatelas
 
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias FreireProjeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Cirlei Santos
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
Cesarguto
 
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
Elis Lima Escapacherri
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
José Ricardo Lima
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo  no BrasilNaturalismo  no Brasil
Naturalismo no Brasil
José Ricardo Lima
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
Cirlei Santos
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
José Ricardo Lima
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
José Ricardo Lima
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
José Ricardo Lima
 
Drummond
DrummondDrummond
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
José Ricardo Lima
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
José Ricardo Lima
 
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_FeraO_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
José Ricardo Lima
 

Destaque (20)

Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Análise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secasAnálise da obra vidas secas
Análise da obra vidas secas
 
Apresentação vidas secas
Apresentação vidas secasApresentação vidas secas
Apresentação vidas secas
 
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
Projeto de Leitura - " Vidas Secas"
 
Vidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto HistórioVidas Secas - Contexto Histório
Vidas Secas - Contexto Histório
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias FreireProjeto  Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
Projeto Consciência Negra 2013 - Parte 1 - E.E. Prof Messias Freire
 
Obra Vidas Secas
Obra Vidas SecasObra Vidas Secas
Obra Vidas Secas
 
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
[2º fase nodernismo] s.a. vidas secas
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo  no BrasilNaturalismo  no Brasil
Naturalismo no Brasil
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_FeraO_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
 

Semelhante a Vidas secas

Diretoria de ensino de carapicuíba
Diretoria de ensino de carapicuíbaDiretoria de ensino de carapicuíba
Diretoria de ensino de carapicuíba
Silvia Regina Lazarus
 
histriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptx
histriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptxhistriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptx
histriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptx
JssicaCassiano2
 
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
jpsales
 
ANÁLISE VIDAS SECAS.ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS.pptANÁLISE VIDAS SECAS.ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS.ppt
PabloGabrielKdabra
 
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).pptANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
PabloGabrielKdabra
 
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).pptANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
PabloGabrielKdabra
 
Profeta Gentileza
Profeta GentilezaProfeta Gentileza
Profeta Gentileza
Sylvio Bazote
 
Expo
ExpoExpo
Expo
filosonet
 
Modernismo autores e obras
Modernismo autores e obrasModernismo autores e obras
Modernismo autores e obras
Marina Alessandra
 
13 Amor - clarice lispector - pwsf
13   Amor - clarice lispector - pwsf13   Amor - clarice lispector - pwsf
13 Amor - clarice lispector - pwsf
Welington Fernandes
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
José Ricardo Lima
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
A narrativa de caio fernando abreu
A narrativa de caio fernando abreuA narrativa de caio fernando abreu
A narrativa de caio fernando abreu
ma.no.el.ne.ves
 
Sagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães RosaSagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães Rosa
vestibular
 
Obra para estudar
Obra para estudarObra para estudar
Obra para estudar
Roberta Savana
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
Ana Batista
 
Arquivo para aula sobre livro Vidas Secas
Arquivo para aula sobre livro Vidas SecasArquivo para aula sobre livro Vidas Secas
Arquivo para aula sobre livro Vidas Secas
Mais Educativo
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Movimento antropófago
Movimento antropófagoMovimento antropófago
Movimento antropófago
ma.no.el.ne.ves
 
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
CristhianeGuimaraes
 

Semelhante a Vidas secas (20)

Diretoria de ensino de carapicuíba
Diretoria de ensino de carapicuíbaDiretoria de ensino de carapicuíba
Diretoria de ensino de carapicuíba
 
histriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptx
histriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptxhistriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptx
histriasemquadrinhos-120106220617-phpapp01.pptx
 
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
 
ANÁLISE VIDAS SECAS.ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS.pptANÁLISE VIDAS SECAS.ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS.ppt
 
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).pptANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
 
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).pptANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
ANÁLISE VIDAS SECAS (2).ppt
 
Profeta Gentileza
Profeta GentilezaProfeta Gentileza
Profeta Gentileza
 
Expo
ExpoExpo
Expo
 
Modernismo autores e obras
Modernismo autores e obrasModernismo autores e obras
Modernismo autores e obras
 
13 Amor - clarice lispector - pwsf
13   Amor - clarice lispector - pwsf13   Amor - clarice lispector - pwsf
13 Amor - clarice lispector - pwsf
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
A hora da_estrela
 
A narrativa de caio fernando abreu
A narrativa de caio fernando abreuA narrativa de caio fernando abreu
A narrativa de caio fernando abreu
 
Sagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães RosaSagarana - Guimarães Rosa
Sagarana - Guimarães Rosa
 
Obra para estudar
Obra para estudarObra para estudar
Obra para estudar
 
Segundo momento modernista prosa
Segundo momento modernista  prosaSegundo momento modernista  prosa
Segundo momento modernista prosa
 
Arquivo para aula sobre livro Vidas Secas
Arquivo para aula sobre livro Vidas SecasArquivo para aula sobre livro Vidas Secas
Arquivo para aula sobre livro Vidas Secas
 
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
Memórias de um Sargento de Milícias - 3ª A - 2013
 
Movimento antropófago
Movimento antropófagoMovimento antropófago
Movimento antropófago
 
Monteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima BarretoMonteiro Lobato e Lima Barreto
Monteiro Lobato e Lima Barreto
 

Mais de José Ricardo Lima

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
José Ricardo Lima
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
José Ricardo Lima
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
José Ricardo Lima
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
José Ricardo Lima
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
José Ricardo Lima
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
José Ricardo Lima
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
José Ricardo Lima
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
José Ricardo Lima
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
José Ricardo Lima
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
José Ricardo Lima
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
José Ricardo Lima
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
José Ricardo Lima
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
José Ricardo Lima
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
José Ricardo Lima
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
José Ricardo Lima
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
José Ricardo Lima
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
José Ricardo Lima
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
José Ricardo Lima
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
José Ricardo Lima
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
José Ricardo Lima
 

Mais de José Ricardo Lima (20)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
 

Vidas secas

  • 2. O AUTORO AUTOR GRACILIANOGRACILIANO RAMOSRAMOS Quebrângulo – AL,Quebrângulo – AL, 18921892 Rio de Janeiro,Rio de Janeiro, 19531953
  • 3. O AUTORO AUTOR Fez os primeiros estudos no interior de Ala-Fez os primeiros estudos no interior de Ala- goas e tentou jornalismo no Rio. Regressou agoas e tentou jornalismo no Rio. Regressou a Palmeira dos Índios (AL), cidade da qual foiPalmeira dos Índios (AL), cidade da qual foi prefeito em 1928, renunciando ao cargo doisprefeito em 1928, renunciando ao cargo dois anos depois, para dirigir a Imprensa Oficial doanos depois, para dirigir a Imprensa Oficial do Estado. Em 1933, foi nomeado Diretor da Ins-Estado. Em 1933, foi nomeado Diretor da Ins- trução Pública. Por suspeita de ligação com otrução Pública. Por suspeita de ligação com o comunismo, foi demitido e preso em 1936.comunismo, foi demitido e preso em 1936. Remetido ao Rio de Janeiro, permaneceu en-Remetido ao Rio de Janeiro, permaneceu en- carcerado na Ilha Grande, onde escreveucarcerado na Ilha Grande, onde escreveu Me-Me- mórias do Cárceremórias do Cárcere. Em 1945, aderiu ao PCB.. Em 1945, aderiu ao PCB. Faleceu no Rio, em 1953.Faleceu no Rio, em 1953.
  • 4. OBRASOBRAS Romances:Romances:  Caetés (1933)Caetés (1933)  São Bernardo (1938)São Bernardo (1938)  Angústia (1936)Angústia (1936)  Vidas Secas (1938)Vidas Secas (1938) Conto:Conto: Insônia (1947)Insônia (1947)
  • 5. OBRASOBRAS Memórias:Memórias:  Infância (1945)Infância (1945)  Memórias do Cárcere (1953)Memórias do Cárcere (1953)  Viagem (1954)Viagem (1954)  Linhas Tortas (crônicas, 1962)Linhas Tortas (crônicas, 1962)  Viventes das Alagoas (1962)Viventes das Alagoas (1962) Literatura Infantil:Literatura Infantil:  Histórias de Alexandre (1944)Histórias de Alexandre (1944)  Dois dedos (1945)Dois dedos (1945)  Histórias incompletas (1946)Histórias incompletas (1946)
  • 7. O ROMANCE DE 30O ROMANCE DE 30 Os retirantesOs retirantes, Portinari, Portinari
  • 8. ORIGEM DO LIVROORIGEM DO LIVRO "... no começo de 1937 utilizei num conto a"... no começo de 1937 utilizei num conto a lembrança de um cachorro sacrificado na Mani-lembrança de um cachorro sacrificado na Mani- çoba, interior de Pernambuco, há muitos anos.çoba, interior de Pernambuco, há muitos anos. Transformei o velho Pedro Ferro, meu avô, noTransformei o velho Pedro Ferro, meu avô, no vaqueiro Fabiano; minha avó tomou a figura devaqueiro Fabiano; minha avó tomou a figura de Sinha Vitória, meus tios pequenos, machos eSinha Vitória, meus tios pequenos, machos e fêmeas, reduziram-se a dois meninos..."fêmeas, reduziram-se a dois meninos..." Trecho da carta que Graciliano escreveu, em 1944, a João Condé, para uma coluna que o mesmo mantinha na revista O Cruzeiro.
  • 9. A obraA obra Vidas SecasVidas Secas é ambientada no sertãoé ambientada no sertão nordestino e conta, em 13 capítulos independen-nordestino e conta, em 13 capítulos independen- tes, a saga de uma família de retirantes: Fabiano,tes, a saga de uma família de retirantes: Fabiano, Sinha Vitória, o menino mais velho, o meninoSinha Vitória, o menino mais velho, o menino mais novo e a cadela Baleia, animal de esti-mais novo e a cadela Baleia, animal de esti- mação que representava quase um membro damação que representava quase um membro da família. Cada capítulo enfatiza uma persona-gemfamília. Cada capítulo enfatiza uma persona-gem e as várias situações de desgraça e sofrimentoe as várias situações de desgraça e sofrimento as quais são submetidos.as quais são submetidos. SÍNTESE DO ENREDOSÍNTESE DO ENREDO
  • 10. Em 1963 o cineastaEm 1963 o cineasta Nélson Pereira dosNélson Pereira dos Santos assinou a adap-Santos assinou a adap- tação do romance paratação do romance para o cinema, com os ato-o cinema, com os ato- res Átila Iório e Mariares Átila Iório e Maria Ribeiro como FabianoRibeiro como Fabiano e Sinha Vitória.e Sinha Vitória.
  • 11. PERSONAGENSPERSONAGENS a) FABIANO: caracteriza-a) FABIANO: caracteriza- se pelo sentimento dese pelo sentimento de esperança, porém, váriasesperança, porém, várias vezes é acometido pelavezes é acometido pela raiva, pela ira. Respon-raiva, pela ira. Respon- sável, vê-se constante-sável, vê-se constante- mente impotente diantemente impotente diante do mundo, da vida. Umado mundo, da vida. Uma de suas maiores aspi-de suas maiores aspi- rações era se expressarrações era se expressar como seu Tomás dacomo seu Tomás da bolandeira;bolandeira; Átila IórioÁtila Iório
  • 12. PERSONAGENSPERSONAGENS b) Sinha Vitória: embo-rab) Sinha Vitória: embo-ra seja segura, marcada pelaseja segura, marcada pela passividade, também tempassividade, também tem seus rompantes. Es-pertaseus rompantes. Es-perta e inteligente, é bem maise inteligente, é bem mais desenvolta e perspi-cazdesenvolta e perspi-caz que o marido, queque o marido, que freqüentemente é passa-freqüentemente é passa- do para trás. Seu maiordo para trás. Seu maior desejo era possuir umadesejo era possuir uma cama igual à de seucama igual à de seu Tomás da bolandeira;Tomás da bolandeira; Maria RibeiroMaria Ribeiro
  • 15. PERSONAGENSPERSONAGENS c) O MENINO MAISc) O MENINO MAIS NOVO: apesar deNOVO: apesar de corajoso, vê-se fra-corajoso, vê-se fra- cassado quandocassado quando tenta imitar astenta imitar as ações de seu pai,ações de seu pai, que, para ele, era oque, para ele, era o modelo a sermodelo a ser seguido;seguido; Gilvan LimaGilvan Lima
  • 17. PERSONAGENSPERSONAGENS d) O MENINO MAISd) O MENINO MAIS VELHO: é curioso, ficaVELHO: é curioso, fica insatisfeito diante dasinsatisfeito diante das explicações lacunaresexplicações lacunares dadas pelos pais quan-dadas pelos pais quan- do a eles dirigia pergun-do a eles dirigia pergun- tas. Carente, desejavatas. Carente, desejava um amigo. Seu consoloum amigo. Seu consolo era a cachorrinha Balei-era a cachorrinha Balei- a;a; Genivaldo LimaGenivaldo Lima
  • 19. PERSONAGENSPERSONAGENS e) O SOLDADO AMARE-e) O SOLDADO AMARE- LO: Embora seja perso-LO: Embora seja perso- nagem secundária, ga-nagem secundária, ga- nha relevância por apa-nha relevância por apa- recer, na narrativa,recer, na narrativa, como símbolo de prepo-como símbolo de prepo- tência e opressão.tência e opressão. Orlando MacedoOrlando Macedo
  • 21. PERSONAGENSPERSONAGENS f) BALEIA: A cadela daf) BALEIA: A cadela da família de Fabiano. Vaifamília de Fabiano. Vai sempre a frente dosempre a frente do grupo, procurando co-grupo, procurando co- mida. Em muitos mo-mida. Em muitos mo- mentos, mostra-se maismentos, mostra-se mais humana que os próprioshumana que os próprios donos.donos. BaleiaBaleia
  • 23. A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA 1 – CAPÍTULOS AUTÔNOMOS: a narrativa é1 – CAPÍTULOS AUTÔNOMOS: a narrativa é constituída por capítulos autônomos, que podemconstituída por capítulos autônomos, que podem ser apresentados isoladamente, por isso mesmo,ser apresentados isoladamente, por isso mesmo, a obra é considerada por alguns críticos comoa obra é considerada por alguns críticos como umum romance desmontávelromance desmontável; painel de quadros do; painel de quadros do sertão: “romance marcado pela extrema presen-sertão: “romance marcado pela extrema presen- ça da terra, tão seca como os habitantes, que seça da terra, tão seca como os habitantes, que se encontram despojados de bens, de vocabulário,encontram despojados de bens, de vocabulário, da seiva essencial para a sobrevivência, tendo,da seiva essencial para a sobrevivência, tendo, dessa forma, vidas secas”;dessa forma, vidas secas”;
  • 24. A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA 2 – NARRADOR ONIS-2 – NARRADOR ONIS- CIENTE: narrador emCIENTE: narrador em terceira pessoa, queterceira pessoa, que mergulha profundamen-mergulha profundamen- te na alma das persona-te na alma das persona- gens, trazendo à tonagens, trazendo à tona um texto marcado elaum texto marcado ela análise existencial, psi-análise existencial, psi- cológica das criaturascológica das criaturas que habitam o áridoque habitam o árido sertão nordestino;sertão nordestino; IlustraçõesdeAldemirMartinsIlustraçõesdeAldemirMartins
  • 25. A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA 3 – DISCURSO INDIRETO LIVRE: fusão da fala3 – DISCURSO INDIRETO LIVRE: fusão da fala e/ou pensamento da personagem à voz doe/ou pensamento da personagem à voz do narrador: a) “Pobre de seu Tomás. Um homemnarrador: a) “Pobre de seu Tomás. Um homem tão direito sumir-se como cambembe, andar portão direito sumir-se como cambembe, andar por este mundo de trouxa nas costas. Seu Tomás eraeste mundo de trouxa nas costas. Seu Tomás era pessoa de consideração e votava. Quem diria?”;pessoa de consideração e votava. Quem diria?”; b) “O rosto de Fabiano contraía-se, medonho,b) “O rosto de Fabiano contraía-se, medonho, mais feio de que um focinho. Hem? Estavamais feio de que um focinho. Hem? Estava certo? Bulir com as pessoas que não fazem malcerto? Bulir com as pessoas que não fazem mal a ninguém. Por quê? Sufocava-se, as rugas daa ninguém. Por quê? Sufocava-se, as rugas da testa aprofundavam-se, os pequenos olhos azuistesta aprofundavam-se, os pequenos olhos azuis abriam-se demais, numa interrogação dolorosa”;abriam-se demais, numa interrogação dolorosa”;
  • 26. A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA 4 – ESPAÇO:4 – ESPAÇO: Nordeste. Não háNordeste. Não há uma definição exatauma definição exata do lugar ou lugaresdo lugar ou lugares por onde perambu-por onde perambu- lam os persona-lam os persona- gens;gens; IlustraçõesdeAldemirMartinsIlustraçõesdeAldemirMartins
  • 27. A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA 5 – TEMPO: assim co-5 – TEMPO: assim co- mo o espaço, é indefi-mo o espaço, é indefi- nido. Não se pode pre-nido. Não se pode pre- cisar em que décadacisar em que década se passa a história.se passa a história. Certo é, porém, queCerto é, porém, que seja anterior à décadaseja anterior à década de 1930, já que o livrode 1930, já que o livro foi publicado em 1937;foi publicado em 1937;
  • 28. A ESTRUTURA DA NARRATIVAA ESTRUTURA DA NARRATIVA 6 – ESTRUTURA CÍCLICA: Tanto no primeiro6 – ESTRUTURA CÍCLICA: Tanto no primeiro capítulo da obra, “Mudança”, quanto no último,capítulo da obra, “Mudança”, quanto no último, “Fuga”, as personagens estão fugindo da seca, o“Fuga”, as personagens estão fugindo da seca, o que nos permite dizer que a obra apresenta umaque nos permite dizer que a obra apresenta uma estrutura cíclica, na medida em que o romanceestrutura cíclica, na medida em que o romance decorre entre duas situações idênticas, de taldecorre entre duas situações idênticas, de tal modo que o fim, encontrando o princípio, fecha amodo que o fim, encontrando o princípio, fecha a ação em círculo.ação em círculo.
  • 29. A LINGUAGEMA LINGUAGEM 1 – Na obra, percebe-se a predominância da falta1 – Na obra, percebe-se a predominância da falta de diálogos entre as personagens (a solidão éde diálogos entre as personagens (a solidão é reproduzida a todo tempo), o que nos apontareproduzida a todo tempo), o que nos aponta para uma impossibilidade de comunicaçãopara uma impossibilidade de comunicação humana; essa impossibilidade se espelha atéhumana; essa impossibilidade se espelha até nos animais (a justificativa para a morte donos animais (a justificativa para a morte do papagaio é o fato de ele não saber falar: ele sópapagaio é o fato de ele não saber falar: ele só sabia latir – como Baleia – e aboiar – comosabia latir – como Baleia – e aboiar – como Fabiano);Fabiano);
  • 31. A LINGUAGEMA LINGUAGEM 2 – Se o grupo familiar é coeso, solidário,2 – Se o grupo familiar é coeso, solidário, detecta-se uma impotência existencial dosdetecta-se uma impotência existencial dos figurantes, que corresponde a uma impotênciafigurantes, que corresponde a uma impotência verbal dentro da realidade;verbal dentro da realidade; 3 – A comunicação se dá por intermédio de3 – A comunicação se dá por intermédio de gestos, ruídos guturais, animalescos, incapacita-gestos, ruídos guturais, animalescos, incapacita- dos de organizar o mundo num sistema dedos de organizar o mundo num sistema de representações e idéias, as personagens serepresentações e idéias, as personagens se postam como coisas (zoomorfização);postam como coisas (zoomorfização);
  • 32. A LINGUAGEMA LINGUAGEM 4 – O silêncio vem não só da falência da4 – O silêncio vem não só da falência da comunicação, mas também porque ascomunicação, mas também porque as personagens não têm o que dizer. Interessante opersonagens não têm o que dizer. Interessante o fato de que, quando Fabiano queria falar comofato de que, quando Fabiano queria falar como alguém desenvolto, ele se comprometia aindaalguém desenvolto, ele se comprometia ainda mais, o que se nota não só na relação com omais, o que se nota não só na relação com o patrão, no primeiro contato com o Soldadopatrão, no primeiro contato com o Soldado Amarelo e, também, quando é levado para aAmarelo e, também, quando é levado para a cadeia – acusado, ele não se defende porque nãocadeia – acusado, ele não se defende porque não conseguia articular discurso;conseguia articular discurso;
  • 34. A LINGUAGEMA LINGUAGEM 5 – Já vimos anteriormente que, na obra,5 – Já vimos anteriormente que, na obra, prevalece o uso do discurso indireto livre. Nasprevalece o uso do discurso indireto livre. Nas poucas vezes em que aparece, o discurso direto,poucas vezes em que aparece, o discurso direto, acentua as barreiras da comunicabilidade, poisacentua as barreiras da comunicabilidade, pois as falas são curtas: “– Ecô! Ecô!”, “Hum! Hum!”,as falas são curtas: “– Ecô! Ecô!”, “Hum! Hum!”, predominando quase sempre o monólogo empredominando quase sempre o monólogo em voz alta;voz alta; 6 – FALÊNCIA DA LINGUAGEM: corporifica a6 – FALÊNCIA DA LINGUAGEM: corporifica a barreira irremediável que se coloca entre asbarreira irremediável que se coloca entre as pessoaspessoas ⇒⇒ é como se as personagens vivessemé como se as personagens vivessem exiladas em si mesmas;exiladas em si mesmas;
  • 35. UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO 1 – A existência das personagens revela-se1 – A existência das personagens revela-se como um fenômeno puramente natural. O sercomo um fenômeno puramente natural. O ser humano assemelha-se ao bicho. Essa, aliás, éhumano assemelha-se ao bicho. Essa, aliás, é uma das características das obras de Gracilianouma das características das obras de Graciliano Ramos – a zoomorfização: as personagensRamos – a zoomorfização: as personagens aparecem sob a ótica do não humano, do animalaparecem sob a ótica do não humano, do animal e os animais (Baleia) aparecem humanizadose os animais (Baleia) aparecem humanizados (antropomorfismo), como exemplo, temos o(antropomorfismo), como exemplo, temos o belíssimo capítulo “Baleia”;belíssimo capítulo “Baleia”;
  • 36. "A tremura subia, deixava a barriga e"A tremura subia, deixava a barriga e chegava ao peito de Baleia. Do peito para tráschegava ao peito de Baleia. Do peito para trás era tudo insensibilidade e esquecimento. Mas oera tudo insensibilidade e esquecimento. Mas o resto do corpo se arrepiava, espinhos deresto do corpo se arrepiava, espinhos de mandacaru penetravam na carne meio comidamandacaru penetravam na carne meio comida pela doença.pela doença. Baleia encostava a cabecinha fatigada naBaleia encostava a cabecinha fatigada na pedra. A pedra estava fria, certamente Sinhapedra. A pedra estava fria, certamente Sinha Vitória tinha deixado o fogo apagar-se muitoVitória tinha deixado o fogo apagar-se muito cedo.cedo.
  • 37. Baleia queria dormir. Acordaria feliz, numBaleia queria dormir. Acordaria feliz, num mundo de preás. E lamberia as mãos demundo de preás. E lamberia as mãos de Fabiano, um Fabiano enorme. As crianças seFabiano, um Fabiano enorme. As crianças se espojariam com ela, rolariam com ela num pátioespojariam com ela, rolariam com ela num pátio enorme, num chiqueiro enorme. O mundoenorme, num chiqueiro enorme. O mundo ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes".ficaria todo cheio de preás, gordos, enormes".
  • 39. UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO 2 – Não só através das símiles, quando da2 – Não só através das símiles, quando da apresentação das personagens (“Ele, a mulher eapresentação das personagens (“Ele, a mulher e os filhos tinham-se habituado à camarinhaos filhos tinham-se habituado à camarinha escura, pareciam ratos”), mas até mesmoescura, pareciam ratos”), mas até mesmo fisicamente os protagonistas são vistos comofisicamente os protagonistas são vistos como bichos (excelentes exemplos são os comentáriosbichos (excelentes exemplos são os comentários do próprio Fabiano sobre os pés de sua esposado próprio Fabiano sobre os pés de sua esposa – andava como um papagaio – ou mesmo no– andava como um papagaio – ou mesmo no belo capítulo “Fabiano” a constatação dabelo capítulo “Fabiano” a constatação da simbiose perfeita entre Fabiano e seu cavalo);simbiose perfeita entre Fabiano e seu cavalo);
  • 40. UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO 3 – Baleia é elevada ao nível mental das demais3 – Baleia é elevada ao nível mental das demais personagens, membro da família como qualquerpersonagens, membro da família como qualquer outro (confunde-se com os meninos; recebeoutro (confunde-se com os meninos; recebe beijos e abraços, etc);beijos e abraços, etc);
  • 41. UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO 4 – A consciência de Fabiano da sua condição de4 – A consciência de Fabiano da sua condição de bicho constitui o núcleo de toda a sua visão debicho constitui o núcleo de toda a sua visão de mundo, pois a personagem se sente em posiçãomundo, pois a personagem se sente em posição de inferioridade em confronto com as outrasde inferioridade em confronto com as outras pessoas (sua condição de “bicho” é hereditária,pessoas (sua condição de “bicho” é hereditária, fatalidade; os dias melhores só poderiam acon-fatalidade; os dias melhores só poderiam acon- tecer por influência de forças transcendentes);tecer por influência de forças transcendentes);
  • 42. UM UNIVERSO DESUMANOUM UNIVERSO DESUMANO 5 – Vê-se, portanto, na obra de Graciliano Ra-5 – Vê-se, portanto, na obra de Graciliano Ra- mos, a desumanização das personagens, quemos, a desumanização das personagens, que saem do nível animal, atingindo o vegetal, poissaem do nível animal, atingindo o vegetal, pois são comparadas a baraúnas e mandacarus, atésão comparadas a baraúnas e mandacarus, até serem niveladas a coisas, num processo deserem niveladas a coisas, num processo de reificação;reificação;
  • 43. CONCLUSÃOCONCLUSÃO 1 – PENSAMENTO DESENCANTADO: ao mimeti-1 – PENSAMENTO DESENCANTADO: ao mimeti- zar as agruras do sertanejo enfrentando a seca,zar as agruras do sertanejo enfrentando a seca, percebe-se um desencanto, uma visãopercebe-se um desencanto, uma visão negativista, um ciclo impossível de ser rompido;negativista, um ciclo impossível de ser rompido; 2 – HOMEM / PAISAGEM: Em2 – HOMEM / PAISAGEM: Em Vidas secasVidas secas, temos, temos uma profunda simbiose entre o homem e auma profunda simbiose entre o homem e a paisagem. Desse modo, disseca não só a almapaisagem. Desse modo, disseca não só a alma do sertanejo, mas também o meio físico – asdo sertanejo, mas também o meio físico – as estruturas seculares tanto físicas quanto sociaisestruturas seculares tanto físicas quanto sociais – mostrando como um aparece irmanado ao– mostrando como um aparece irmanado ao outro;outro;
  • 44. CONCLUSÃOCONCLUSÃO 3 – SAÍDAS: Assim como em obras anteriores,3 – SAÍDAS: Assim como em obras anteriores, Graciliano nos apresenta personagens queGraciliano nos apresenta personagens que rodam num mundo diminuto, sem saída nemrodam num mundo diminuto, sem saída nem variedade, por isso é que constrói a obra devariedade, por isso é que constrói a obra de forma fragmentada, assim, os fatos se arranjamforma fragmentada, assim, os fatos se arranjam sem se integrarem uns com os outros, sugerindosem se integrarem uns com os outros, sugerindo um mundo que não se compreende e se captaum mundo que não se compreende e se capta apenas por manifestações isoladas.apenas por manifestações isoladas.
  • 45. RESUMINDORESUMINDO  Único romance de Graciliano Ramos em ter-Único romance de Graciliano Ramos em ter- ceira pessoa.ceira pessoa.  Drama social e geográfico.Drama social e geográfico.  Quadros da vida do sertão nordestino.Quadros da vida do sertão nordestino.  Vida nordestina tratada de modo objetivo.Vida nordestina tratada de modo objetivo.  Linguagem sintéticaLinguagem sintética  Sem sentimentalismo;Sem sentimentalismo;  Vocabulário exato;Vocabulário exato;  Precisão e concisão.Precisão e concisão.  13 capítulos/contos autônomos.13 capítulos/contos autônomos.  Romance desmontável.Romance desmontável.  Trajetória circular, romance cíclico.Trajetória circular, romance cíclico.
  • 46. RESUMINDORESUMINDO  Miséria física e intelectual.Miséria física e intelectual.  Discurso indireto livre.Discurso indireto livre.  Nivelamento entre animais e pessoas.Nivelamento entre animais e pessoas.  Seu Tomás simboliza o desejo de ascensãoSeu Tomás simboliza o desejo de ascensão social e econômica da família.social e econômica da família.
  • 47. A CENA FINALA CENA FINAL