SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 75
Relações Intertextuais
PROFESSOR JOSÉ RICARDO LIMA
WWW.LITERATURAESHOW.COM.BR
Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Limawww.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br
Definição
INTERTEXTUALIDADE
É a relação existente entre dois textos
em que um recria ou cita o outro, mesmo
que de modo passageiro.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Relações
Intertextuais
Nas relações
intertextuais,
sempre temos um
texto original,
chamado também
de
TEXTO
MATRIZ.
CANÇÃO DO EXÍLIO
“Kennst du das Land, wo die Zitronen blühn,
Im dunkeln Laud die Gold-Orangem glühn,
Kennst du es wohl?
— Dahin, dahin!
Möch ich… ziehn.
Johann Wolfgang von Goethe
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Relações
Intertextuais
Nas relações
intertextuais,
sempre temos um
texto original,
chamado também
de
TEXTO
MATRIZ.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores.
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Relações
Intertextuais
Nas relações
intertextuais,
sempre temos um
texto original,
chamado também
de
TEXTO
MATRIZ.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Minha terra tem primores
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá.
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o sabiá.
Não permita Deus que eu morra
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras
Onde canta o sabiá.
Principais Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
ALUSÃO
Principais
Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
ALUSÃO
Referência explícita ou implícita a uma obra de arte,
um fato histórico ou um autor, para servir de termo
de comparação;
Apela à capacidade de associação de ideias do leitor;
Depende fortemente do contexto em que está
inserida.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
ALUSÃO
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Maurício de Sousa
CITAÇÃO
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Principais
Tipos de Intertextualidade
CITAÇÃO
Reprodução de uma enunciação pertencente a outro
processo enunciativo;
Reprodução exata do discurso citado;
A citação normalmente vem indicada por pontuação
específica e referência ao autor do enunciado
original.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
CITAÇÃO
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Do que a terra mais garrida
Teus risonhos lindos campos têm mais flores;
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".
Joaquim Osório Duque Estrada
EPÍGRAFE
Principais
Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
EPÍGRAFE
Pequeno texto ou fragmento em forma de inscrição
posta no início de um livro, capítulo, poema etc.;
Serve de tema, mote ou motivação;
Pode resumir o pensamento ou conjunto ideológico
que será apresentado;
Ora vale como um lema, ora como elemento
causal/consequente do enunciado em questão.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
EPÍGRAFE
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
“Kennst du das Land, wo die Zitronen blühn,
Im dunkeln Laud die Gold-Orangem glühn,
Kennst du es wohl?
— Dahin, dahin!
Möch ich… ziehn.
Conheceis o país onde florescem as laranjeiras?
Ardem na escura fronde os frutos de ouro...
Conhecê-lo?
– Para lá, para lá
quisera eu ir!
Johann Wolfgang von Goethe
PARÁFRASE
Principais
Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PARÁFRASE
Tradução interpretativa de um texto, sem prestar
muita atenção à forma original do texto traduzido;
Reprodução explicativa de um texto, no qual se
mantêm basicamente as ideias originais, podendo
acrescentar-se a elas algumas ideias e impressões de
quem parafraseia o texto;
EM SUMA: reescrever o texto mantendo as ideias e
modificando as palavras.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PARÁFRASE
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
lá?
ah!
Sabiá...
papá...
maná...
Sofá...
sinhá...
cá?
bah!
José Paulo Paes
PARÓDIA
Principais
Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PARÓDIA
Recriação de um texto com nítido objetivo de
satirizar, contestar ou ridicularizar um discurso
específico;
Ruptura com as ideologias impostas;
Leva o leitor a uma reflexão crítica das verdades
incontestadas anteriormente;
Desconstrução de enunciados.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PARÓDIA
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Minha Dinda tem cascatas
Onde canta o curió
Não permita Deus que eu tenha
De voltar pra Maceió.
Minha Dinda tem coqueiros
Da Ilha de Marajó
As aves, aqui, gorjeiam
Não fazem cocoricó.
Jô Soares
PARÓDIA
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
O meu céu tem mais estrelas
Minha várzea tem mais cores.
Este bosque reduzido
Deve ter custado horrores.
E depois de tanta planta,
Orquídea, fruta e cipó,
Não permita Deus que eu tenha
De voltar pra Maceió.
Jô Soares
PARÓDIA
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Jô Soares
Intertextualidade nas Artes
Plásticas
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Jô Soares
Nascimento de VênusNascimento de Vênus, Sandro Botticelli, 1485, Florença (Itália), Sandro Botticelli, 1485, Florença (Itália)
Mulher com aMulher com a
sombrinhasombrinha, Claude, Claude
Monet, 1875,Monet, 1875,
Washington)Washington)
O tocador de pífaroO tocador de pífaro, Édouard, Édouard
Manet, 1867.Manet, 1867.
Caipira pincando fumoCaipira pincando fumo, Almeida, Almeida
Júnior, 1893, Pinacoteca de SãoJúnior, 1893, Pinacoteca de São
Paulo.Paulo.
Asesta(segundoMillet)Asesta(segundoMillet),VincentVanGogh,1890,Paris),VincentVanGogh,1890,Paris)
Corvos sobre Campo de Trigo, Vincent Van Gogh, 1890, Amsterdam)Corvos sobre Campo de Trigo, Vincent Van Gogh, 1890, Amsterdam)
Releituras da Gioconda
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Gioconda ou Mona Lisa, LeonardoGioconda ou Mona Lisa, Leonardo
da Vinci, 1503-1507, Paris)da Vinci, 1503-1507, Paris)
Paródia do colombianoParódia do colombiano
Fernando Botero, pintorFernando Botero, pintor
contemporâneocontemporâneo
Marcel DuchampMarcel Duchamp
Intertextualidade nas Charges
MAIS
“CANÇÃO DO EXÍLIO”
Principais
Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
CANÇÃO DO EXÍLIO (Casemiro de Abreu)
Se eu tenho de morrer na flor dos anos,
Meu Deus! não seja já;
Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,
Cantar o sabiá!
Meu Deus, eu sinto e tu bem vês que eu morro
Respirando este ar;
Faz que eu viva, Senhor! dá-me de novo
Os gozos do meu lar!
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
O país estrangeiro mais belezas
Do que a pátria, não tem;
E este mundo não vale um só dos beijos
Tão doces duma mãe!
Dá-me os sítios gentis onde eu brincava
Lá na quadra infantil;
Dá que eu veja uma vez o céu da pátria,
O céu do meu Brasil!
Se eu tenho de morrer na flor dos anos,
Meu Deus! não seja já!
Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,
Cantar o sabiá!
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA (Oswald de
Andrade)
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá
Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA (Oswald de
Andrade)
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
EUROPA, FRANÇA E BAHIA (Carlos Drummond de
Andrade)
[...]
Meus olhos brasileiros se fecham saudosos.
Minha boca procura a "Canção do Exílio".
Como era mesmo a "Canção do Exílio"?
Eu tão esquecido de minha terra...
Ai terra que tem palmeiras
onde canta o sabiá!
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO (Carlos Drummond de
Andrade)
Um sabiá
na palmeira, longe.
Estas aves cantam
um outro canto.
O céu cintila
sobre flores úmidas.
Vozes na mata,
e o maior amor.
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO (Carlos Drummond de
Andrade)
Ainda um grito de vida e
voltar
para onde tudo é belo
e fantástico:
a palmeira, o sabiá,
o longe.
Só, na noite,
seria feliz:
um sabiá,
na palmeira, longe.
Onde tudo é belo
e fantástico,
só, na noite,
seria feliz.
(Um sabiá,
na palmeira, longe.)
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
CANÇÃO DO EXPEDICIONÁRIO (Guilherme de
Almeida)
[...]
Deixei lá atrás meu terreiro
meu limão meu limoeiro,
meu pé de jacarandá,
minha casa pequenina
lá no alto da colina
onde canta o sabiá.
ATENÇÃO
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
UMA CANÇÃO (Mario Quintana)
Minha terra não tem palmeiras...
E em vez de um mero sabiá,
Cantam aves invisíveis
Nas palmeiras que não há.
Minha terra tem relógios,
Cada qual com sua hora
Nos mais diversos instantes...
Mas onde o instante de agora?
Mas onde a palavra "onde"?
Terra ingrata, ingrato filho,
Sob os céus da minha terra
Eu canto a Canção do Exílio!
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Jogos Florais (Cacaso)
I
Minha terra tem palmeiras
onde canta o tico-tico
Enquanto isso o sabiá
vive comendo o meu fubá
Ficou moderno o Brasil
ficou moderno o milagre
a água já não vira vinha
vira direto vinagre
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
II
Minha terra tem palmares
memória cala-te já
Peço licença poética
Belém capital Pará
Bem, meus prezados senhores
dado o avanço da hora
errata e efeitos do vinho
o poeta sai de fininho.
(será mesmo com esses dois esses
que se escreve paçarinho?)
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
SABIÁ (Chico Buarque e Tom
Jobim)
Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
Para o meu lugar
Foi lá e é ainda lá
Que eu hei de ouvir cantar
Uma sabiá
Cantar uma sabiá
Vou voltar
Sei que ainda vou voltar
Vou deitar à sombra
De uma palmeira
Que já não há
Colher a flor
Que já não dá
E algum amor
Talvez possa espantar
As noites que eu não queria
E anunciar o dia
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
(Caulos, Vida de Passarinho, 1978. In:
Carlos Vogt, Canções do Exílio,
seção Armazém Literário, 05/12/2000 –
extraído do site
www.observatoriodaimprensa.com.br)
MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO”
OUTROS INTERTEXTOS DA “CANÇÃO DO EXÍLIO”
Terra das Palmeiras — Taiguara
Pátria Minha — Vinícius de Moraes
Lisboa: Aventuras — José Paulo Paes
Canção do exílio mais recente — Affonso Romano de
Sant’Anna
Nova canção do exílio — Ferreira Gullar
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Outros Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PASTICHE
Outros
Tipos de Intertextualidade
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PASTICHE
Criação artística produzida pela reunião e colagem
de outros enunciados.
Diluição textual que se aproxima da sátira e da
paródia, podendo até ser considerada como um tipo
de homenagem;
Imitação reiterativa, com recorrência a
determinados recursos a ponto de esvaziá-los de
significação.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
RELAÇÕES INTERTEXTUAIS
"O cônego ou
a metafísica
do estilo“
MACHADO DE ASSIS
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
PASTICHE
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
— Vem do Líbano, esposa minha, vem do Líbano, vem... As
mandrágoras deram o seu cheiro. Temos as nossas portas toda a casta
de pombos...”
— “Eu vos conjuro, filhas de Jerusalém, que se encontrardes
com meu amado, lhe façais saber que estou enferma de amor...“Era
assim, com essas melodias do velho drama de Judá, que procuravam
um ao outro na cabeça do cônego Matias um substantivo e um
adjetivo... Não me interrompas, leitor precipitado. (...)
Procuram-se e acham-se. Enfim, Silvio achou Silvia. Viram-se
caíram nos braços um do outro, ofegantes de canseira, mas remidos
com a consciência. “Quem é esta que sobe do deserto, firmada sobre seu
amado?” pergunta Silvio, como no Cântico; e ela, com a mesma lábia
erudita, responde-lhe que “é o selo do seu coração”, e que “o amor é tão
valente como a própria morte.” MACHADO DE ASSIS
TRADUÇÃO
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Outros
Tipos de Intertextualidade
TRADUÇÃO
Passagem de um idioma a outro;
Modelo intertextual que busca a neutralidade;
Tradução implica recriação do texto, especialmente
nas obras literárias.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Todo Meu Amor
Feche os olhos e eu irei te beijar
Amanhã sentirei saudades de você
Lembre-se que eu sempre serei verdadeiro
E enquanto eu estiver fora
Escreverei para casa todo dia
E mandarei todo meu amor pra você
Vou fingir que estou beijando
Os lábios que sinto saudade
E esperar que meus sonhos se tornem
[realidade
E enquanto eu estiver fora
Escreverei para casa todo dia
E mandarei todo meu amor pra você
.
All My Loving
Close your eyes and I'll kiss you
Tomorrow I'll miss you
Remember I'll always be true
And then while I'm away
I'll write home everyday
And I'll send all my loving to you
I'll pretend that I'm kissing
The lips I am missing
And hope that my dreams will come true
And then while I'm away
I'll write home everyday
And I'll send all my loving to you
Relações Intertextuais
Relações Intertextuais
VERSÃO
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Outros
Tipos de Intertextualidade
VERSÃO
variante de um enunciado original, do qual se
aproveita algum recurso formal, mas no qual,
geralmente, não há compromisso com o conteúdo do
discurso.
Em suma: adaptar a tradução acrescentando
elementos de literariedade.
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
Todo Meu Amor
Feche os olhos e eu irei te beijar
Amanhã sentirei saudades de você
Lembre-se que eu sempre serei verdadeiro
E enquanto eu estiver fora
Escreverei para casa todo dia
E mandarei todo meu amor pra você
Vou fingir que estou beijando
Os lábios que sinto saudade
E esperar que meus sonhos se tornem
[realidade
E enquanto eu estiver fora
Escreverei para casa todo dia
E mandarei todo meu amor pra você
.
Feche os olhos
Feche os olhos e sinta
um beijinho agora
De alguém que não vive sem você
Que não pensa e nem gosta
De outra menina
E tem medo de lhe perder
Todo a...mor desse mundo
Parece querida
Que está dentro do meu coração
Por favor queridinha
Divida comigo
Um pouco da minha paixão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
Seminário fanfic
Seminário   fanficSeminário   fanfic
Seminário fanfic
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Texto de divulgação científica
Texto de divulgação científicaTexto de divulgação científica
Texto de divulgação científica
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Gênero Discursivo Crônicas - 9º Ano
Gênero Discursivo Crônicas - 9º AnoGênero Discursivo Crônicas - 9º Ano
Gênero Discursivo Crônicas - 9º Ano
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
A intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aulaA intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aula
 
Relato
RelatoRelato
Relato
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Figuras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumoFiguras de linguagem resumo
Figuras de linguagem resumo
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Funções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercíciosFunções da linguagem com exercícios
Funções da linguagem com exercícios
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 

Destaque (19)

Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_FeraO_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
 
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da CunhaPré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
Pré-Modernismo (Introdução) e Euclides da Cunha
 
Conceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaConceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da Literatura
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Ricardo intertextualidade profletras
Ricardo intertextualidade profletrasRicardo intertextualidade profletras
Ricardo intertextualidade profletras
 
Lista de exercicos nº 1 3 ano
Lista de exercicos nº 1   3 anoLista de exercicos nº 1   3 ano
Lista de exercicos nº 1 3 ano
 
Intertexto.
Intertexto.Intertexto.
Intertexto.
 
Ap port 9 ano mod ii
Ap port 9 ano mod iiAp port 9 ano mod ii
Ap port 9 ano mod ii
 
Canção do exílio intertextualidade
Canção do exílio   intertextualidadeCanção do exílio   intertextualidade
Canção do exílio intertextualidade
 
Projeto de incentivo a leitura
Projeto de incentivo a leituraProjeto de incentivo a leitura
Projeto de incentivo a leitura
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
 

Semelhante a Relações intertextuais 2.0

Semelhante a Relações intertextuais 2.0 (6)

Literatura Em Pcop Maria Jose
Literatura Em Pcop Maria JoseLiteratura Em Pcop Maria Jose
Literatura Em Pcop Maria Jose
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
Dialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e IntertextualidadeDialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e Intertextualidade
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 

Mais de José Ricardo Lima (20)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 

Último

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.FLAVIA LEZAN
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalDouglasVasconcelosMa
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacionalBENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
BENEFÍCIOS DA NEUROPSICOPEDAGOGIA educacional
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

Relações intertextuais 2.0

  • 1. Relações Intertextuais PROFESSOR JOSÉ RICARDO LIMA WWW.LITERATURAESHOW.COM.BR Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Limawww.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br
  • 2. Definição INTERTEXTUALIDADE É a relação existente entre dois textos em que um recria ou cita o outro, mesmo que de modo passageiro. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 3. Relações Intertextuais Nas relações intertextuais, sempre temos um texto original, chamado também de TEXTO MATRIZ. CANÇÃO DO EXÍLIO “Kennst du das Land, wo die Zitronen blühn, Im dunkeln Laud die Gold-Orangem glühn, Kennst du es wohl? — Dahin, dahin! Möch ich… ziehn. Johann Wolfgang von Goethe Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 4. Relações Intertextuais Nas relações intertextuais, sempre temos um texto original, chamado também de TEXTO MATRIZ. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores. Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 5. Relações Intertextuais Nas relações intertextuais, sempre temos um texto original, chamado também de TEXTO MATRIZ. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Minha terra tem primores Que tais não encontro eu cá; Em cismar — sozinho, à noite — Mais prazer encontro eu lá. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o sabiá. Não permita Deus que eu morra Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras Onde canta o sabiá.
  • 6. Principais Tipos de Intertextualidade www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 8. ALUSÃO Referência explícita ou implícita a uma obra de arte, um fato histórico ou um autor, para servir de termo de comparação; Apela à capacidade de associação de ideias do leitor; Depende fortemente do contexto em que está inserida. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 9. ALUSÃO www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Maurício de Sousa
  • 10. CITAÇÃO www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Principais Tipos de Intertextualidade
  • 11. CITAÇÃO Reprodução de uma enunciação pertencente a outro processo enunciativo; Reprodução exata do discurso citado; A citação normalmente vem indicada por pontuação específica e referência ao autor do enunciado original. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 12. CITAÇÃO www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Do que a terra mais garrida Teus risonhos lindos campos têm mais flores; "Nossos bosques têm mais vida", "Nossa vida" no teu seio "mais amores". Joaquim Osório Duque Estrada
  • 14. EPÍGRAFE Pequeno texto ou fragmento em forma de inscrição posta no início de um livro, capítulo, poema etc.; Serve de tema, mote ou motivação; Pode resumir o pensamento ou conjunto ideológico que será apresentado; Ora vale como um lema, ora como elemento causal/consequente do enunciado em questão. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 15. EPÍGRAFE www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima “Kennst du das Land, wo die Zitronen blühn, Im dunkeln Laud die Gold-Orangem glühn, Kennst du es wohl? — Dahin, dahin! Möch ich… ziehn. Conheceis o país onde florescem as laranjeiras? Ardem na escura fronde os frutos de ouro... Conhecê-lo? – Para lá, para lá quisera eu ir! Johann Wolfgang von Goethe
  • 17. PARÁFRASE Tradução interpretativa de um texto, sem prestar muita atenção à forma original do texto traduzido; Reprodução explicativa de um texto, no qual se mantêm basicamente as ideias originais, podendo acrescentar-se a elas algumas ideias e impressões de quem parafraseia o texto; EM SUMA: reescrever o texto mantendo as ideias e modificando as palavras. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 18. PARÁFRASE www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima lá? ah! Sabiá... papá... maná... Sofá... sinhá... cá? bah! José Paulo Paes
  • 20. PARÓDIA Recriação de um texto com nítido objetivo de satirizar, contestar ou ridicularizar um discurso específico; Ruptura com as ideologias impostas; Leva o leitor a uma reflexão crítica das verdades incontestadas anteriormente; Desconstrução de enunciados. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 21. PARÓDIA www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Minha Dinda tem cascatas Onde canta o curió Não permita Deus que eu tenha De voltar pra Maceió. Minha Dinda tem coqueiros Da Ilha de Marajó As aves, aqui, gorjeiam Não fazem cocoricó. Jô Soares
  • 22. PARÓDIA www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima O meu céu tem mais estrelas Minha várzea tem mais cores. Este bosque reduzido Deve ter custado horrores. E depois de tanta planta, Orquídea, fruta e cipó, Não permita Deus que eu tenha De voltar pra Maceió. Jô Soares
  • 23. PARÓDIA www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Jô Soares
  • 25. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Jô Soares
  • 26. Nascimento de VênusNascimento de Vênus, Sandro Botticelli, 1485, Florença (Itália), Sandro Botticelli, 1485, Florença (Itália)
  • 27.
  • 28. Mulher com aMulher com a sombrinhasombrinha, Claude, Claude Monet, 1875,Monet, 1875, Washington)Washington)
  • 29.
  • 30. O tocador de pífaroO tocador de pífaro, Édouard, Édouard Manet, 1867.Manet, 1867.
  • 31.
  • 32. Caipira pincando fumoCaipira pincando fumo, Almeida, Almeida Júnior, 1893, Pinacoteca de SãoJúnior, 1893, Pinacoteca de São Paulo.Paulo.
  • 33.
  • 35.
  • 36. Corvos sobre Campo de Trigo, Vincent Van Gogh, 1890, Amsterdam)Corvos sobre Campo de Trigo, Vincent Van Gogh, 1890, Amsterdam)
  • 37.
  • 38. Releituras da Gioconda www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 39. Gioconda ou Mona Lisa, LeonardoGioconda ou Mona Lisa, Leonardo da Vinci, 1503-1507, Paris)da Vinci, 1503-1507, Paris)
  • 40.
  • 41. Paródia do colombianoParódia do colombiano Fernando Botero, pintorFernando Botero, pintor contemporâneocontemporâneo
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 48. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” Principais Tipos de Intertextualidade www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 49. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima CANÇÃO DO EXÍLIO (Casemiro de Abreu) Se eu tenho de morrer na flor dos anos, Meu Deus! não seja já; Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde, Cantar o sabiá! Meu Deus, eu sinto e tu bem vês que eu morro Respirando este ar; Faz que eu viva, Senhor! dá-me de novo Os gozos do meu lar!
  • 50. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima O país estrangeiro mais belezas Do que a pátria, não tem; E este mundo não vale um só dos beijos Tão doces duma mãe! Dá-me os sítios gentis onde eu brincava Lá na quadra infantil; Dá que eu veja uma vez o céu da pátria, O céu do meu Brasil! Se eu tenho de morrer na flor dos anos, Meu Deus! não seja já! Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde, Cantar o sabiá!
  • 51. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA (Oswald de Andrade) Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra
  • 52. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima CANTO DE REGRESSO À PÁTRIA (Oswald de Andrade) Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a Rua 15 E o progresso de São Paulo
  • 53. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima EUROPA, FRANÇA E BAHIA (Carlos Drummond de Andrade) [...] Meus olhos brasileiros se fecham saudosos. Minha boca procura a "Canção do Exílio". Como era mesmo a "Canção do Exílio"? Eu tão esquecido de minha terra... Ai terra que tem palmeiras onde canta o sabiá!
  • 54. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO (Carlos Drummond de Andrade) Um sabiá na palmeira, longe. Estas aves cantam um outro canto. O céu cintila sobre flores úmidas. Vozes na mata, e o maior amor.
  • 55. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima NOVA CANÇÃO DO EXÍLIO (Carlos Drummond de Andrade) Ainda um grito de vida e voltar para onde tudo é belo e fantástico: a palmeira, o sabiá, o longe. Só, na noite, seria feliz: um sabiá, na palmeira, longe. Onde tudo é belo e fantástico, só, na noite, seria feliz. (Um sabiá, na palmeira, longe.)
  • 56. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima CANÇÃO DO EXPEDICIONÁRIO (Guilherme de Almeida) [...] Deixei lá atrás meu terreiro meu limão meu limoeiro, meu pé de jacarandá, minha casa pequenina lá no alto da colina onde canta o sabiá. ATENÇÃO
  • 57. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima UMA CANÇÃO (Mario Quintana) Minha terra não tem palmeiras... E em vez de um mero sabiá, Cantam aves invisíveis Nas palmeiras que não há. Minha terra tem relógios, Cada qual com sua hora Nos mais diversos instantes... Mas onde o instante de agora? Mas onde a palavra "onde"? Terra ingrata, ingrato filho, Sob os céus da minha terra Eu canto a Canção do Exílio!
  • 58. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Jogos Florais (Cacaso) I Minha terra tem palmeiras onde canta o tico-tico Enquanto isso o sabiá vive comendo o meu fubá Ficou moderno o Brasil ficou moderno o milagre a água já não vira vinha vira direto vinagre
  • 59. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima II Minha terra tem palmares memória cala-te já Peço licença poética Belém capital Pará Bem, meus prezados senhores dado o avanço da hora errata e efeitos do vinho o poeta sai de fininho. (será mesmo com esses dois esses que se escreve paçarinho?)
  • 60. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima SABIÁ (Chico Buarque e Tom Jobim) Vou voltar Sei que ainda vou voltar Para o meu lugar Foi lá e é ainda lá Que eu hei de ouvir cantar Uma sabiá Cantar uma sabiá Vou voltar Sei que ainda vou voltar Vou deitar à sombra De uma palmeira Que já não há Colher a flor Que já não dá E algum amor Talvez possa espantar As noites que eu não queria E anunciar o dia
  • 61. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima (Caulos, Vida de Passarinho, 1978. In: Carlos Vogt, Canções do Exílio, seção Armazém Literário, 05/12/2000 – extraído do site www.observatoriodaimprensa.com.br)
  • 62. MAIS “CANÇÃO DO EXÍLIO” OUTROS INTERTEXTOS DA “CANÇÃO DO EXÍLIO” Terra das Palmeiras — Taiguara Pátria Minha — Vinícius de Moraes Lisboa: Aventuras — José Paulo Paes Canção do exílio mais recente — Affonso Romano de Sant’Anna Nova canção do exílio — Ferreira Gullar www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 63. Outros Tipos de Intertextualidade www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 65. PASTICHE Criação artística produzida pela reunião e colagem de outros enunciados. Diluição textual que se aproxima da sátira e da paródia, podendo até ser considerada como um tipo de homenagem; Imitação reiterativa, com recorrência a determinados recursos a ponto de esvaziá-los de significação. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 66. RELAÇÕES INTERTEXTUAIS "O cônego ou a metafísica do estilo“ MACHADO DE ASSIS www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 67. PASTICHE www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima — Vem do Líbano, esposa minha, vem do Líbano, vem... As mandrágoras deram o seu cheiro. Temos as nossas portas toda a casta de pombos...” — “Eu vos conjuro, filhas de Jerusalém, que se encontrardes com meu amado, lhe façais saber que estou enferma de amor...“Era assim, com essas melodias do velho drama de Judá, que procuravam um ao outro na cabeça do cônego Matias um substantivo e um adjetivo... Não me interrompas, leitor precipitado. (...) Procuram-se e acham-se. Enfim, Silvio achou Silvia. Viram-se caíram nos braços um do outro, ofegantes de canseira, mas remidos com a consciência. “Quem é esta que sobe do deserto, firmada sobre seu amado?” pergunta Silvio, como no Cântico; e ela, com a mesma lábia erudita, responde-lhe que “é o selo do seu coração”, e que “o amor é tão valente como a própria morte.” MACHADO DE ASSIS
  • 68. TRADUÇÃO www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Outros Tipos de Intertextualidade
  • 69. TRADUÇÃO Passagem de um idioma a outro; Modelo intertextual que busca a neutralidade; Tradução implica recriação do texto, especialmente nas obras literárias. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 70. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Todo Meu Amor Feche os olhos e eu irei te beijar Amanhã sentirei saudades de você Lembre-se que eu sempre serei verdadeiro E enquanto eu estiver fora Escreverei para casa todo dia E mandarei todo meu amor pra você Vou fingir que estou beijando Os lábios que sinto saudade E esperar que meus sonhos se tornem [realidade E enquanto eu estiver fora Escreverei para casa todo dia E mandarei todo meu amor pra você . All My Loving Close your eyes and I'll kiss you Tomorrow I'll miss you Remember I'll always be true And then while I'm away I'll write home everyday And I'll send all my loving to you I'll pretend that I'm kissing The lips I am missing And hope that my dreams will come true And then while I'm away I'll write home everyday And I'll send all my loving to you
  • 73. VERSÃO www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Outros Tipos de Intertextualidade
  • 74. VERSÃO variante de um enunciado original, do qual se aproveita algum recurso formal, mas no qual, geralmente, não há compromisso com o conteúdo do discurso. Em suma: adaptar a tradução acrescentando elementos de literariedade. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima
  • 75. www.literaturaeshow.com.brwww.literaturaeshow.com.br Professor José Ricardo LimaProfessor José Ricardo Lima Todo Meu Amor Feche os olhos e eu irei te beijar Amanhã sentirei saudades de você Lembre-se que eu sempre serei verdadeiro E enquanto eu estiver fora Escreverei para casa todo dia E mandarei todo meu amor pra você Vou fingir que estou beijando Os lábios que sinto saudade E esperar que meus sonhos se tornem [realidade E enquanto eu estiver fora Escreverei para casa todo dia E mandarei todo meu amor pra você . Feche os olhos Feche os olhos e sinta um beijinho agora De alguém que não vive sem você Que não pensa e nem gosta De outra menina E tem medo de lhe perder Todo a...mor desse mundo Parece querida Que está dentro do meu coração Por favor queridinha Divida comigo Um pouco da minha paixão