SlideShare uma empresa Scribd logo
PARNASIANISMO
PROFESSOR José Ricardo Lima
www.literaturaeshow.com.br
PARNASIANISMO
 ““O Realismo se tingirá deO Realismo se tingirá de
naturalismonaturalismo, no romance e, no romance e
no conto, sempre que fizerno conto, sempre que fizer
personagens e enredospersonagens e enredos
submeterem-se ao destinosubmeterem-se ao destino
cego das ‘leis naturais’ que acego das ‘leis naturais’ que a
ciência da época julgava terciência da época julgava ter
codificado;codificado; ou se diráou se dirá
parnasianoparnasiano, na, na poesiapoesia, à, à
medida que se esgotar nomedida que se esgotar no
lavor do verso tecnicamentelavor do verso tecnicamente
perfeitoperfeito.” (Alfredo Bosi).” (Alfredo Bosi)
PARNASIANISMO
 OO ParnasianismoParnasianismo foi contemporâneo dofoi contemporâneo do
Realismo e do Naturalismo, estando, portanto,Realismo e do Naturalismo, estando, portanto,
marcado pelos ideais cientificistas emarcado pelos ideais cientificistas e
revolucionários do período.revolucionários do período.
 Juntamente com as escolas referidas acima, oJuntamente com as escolas referidas acima, o
Parnasianismo constitui o grupo dos movimentosParnasianismo constitui o grupo dos movimentos
literários que reagiram diretamente contra osliterários que reagiram diretamente contra os
princípios do Romantismo:princípios do Romantismo:
 REALISMO: ataca aREALISMO: ataca a subjetividadesubjetividade romântica.romântica.
 NATURALISMO: ataca aNATURALISMO: ataca a idealizaçãoidealização romântica.romântica.
 PARNASIANISMO: ataca oPARNASIANISMO: ataca o sentimentalismosentimentalismo..
PARNASIANISMO
 O termo "parnasianismo" deriva de uma antologia,
Le Parnasse contemporain (O Parnaso
contemporâneo), publicada em fascículos, de
março a junho de 1860, com os versos de alguns
poetas franceses.
 O Parnaso é um monte da Grécia central onde na
Antigüidade acreditava-se que habitariam o deus
Apolo e as musas.
PARNASIANISMO
Acima, a representação de
Apolo, deus das artes, do sol, e
da profecia. Ao lado, o Monte
Parnaso, na Grécia.
PARNASIANISMO
 Esses poetas eram Théophile Gautier, Laconte de
Lisle, entre outros. Eles defendiam a necessidade
de se tratar os temas poéticos de modo mais
objetivo, pondo fim às “lamúrias” do Romantismo.
 Segundo esses poetas, a arte não existe para a
humanidade, para a sociedade ou para a moral,
mas para si mesma. Em outras palavras: a
finalidade da arte era, para ele, a própria arte.
Essa será a principal característica da estética
parnasiana.
PARNASIANISMO
Théophile Gautier e Laconte de Lisle
PARNASIANISMO O Parnasianismo pode
ser associado à Belle
Époque - época dourada
das elites europeias, que
se divertem com os lucros
do espólio imperialista. O
cancan, os cabarés e ca-
fés parisienses, os jano-
tas que bebem licor e as
prostitutas de alta classe
formam a imagem frené-
tica de um mundo enri-
quecido e alegre.
PARNASIANISMO
PARNASIANISMO
Uma certeza inabalável
preside esse mundo: a de
que ele é eterno e supe-
rior. Assim, o Parnasianis-
mo será a tradução poé-
tica de um período de
euforia e de relativa tran-
qüilidade social, no qual a
forma se sobreporá às
idéias.
O MODELO PARNASIANO
 Opção por uma poesia descritiva: uso de imagensOpção por uma poesia descritiva: uso de imagens
que representam de modo mais imparcialque representam de modo mais imparcial
fenômenos naturais, fatos históricos;fenômenos naturais, fatos históricos;
 Preocupação com a técnica de composição: o metro,Preocupação com a técnica de composição: o metro,
o ritmo, a rima, a estrofação. Tudo precisava sero ritmo, a rima, a estrofação. Tudo precisava ser
harmonizado de modo que se obtivesse aharmonizado de modo que se obtivesse a
PERFEIÇÃO FORMAL.PERFEIÇÃO FORMAL.
 Tentativa de se manter uma postura impassívelTentativa de se manter uma postura impassível
diante do objeto do poema, para evitar o excesso dediante do objeto do poema, para evitar o excesso de
sentimentalismo romântico.sentimentalismo romântico.
O MODELO PARNASIANO
 Resgate de temas da Antiguidade clássica;Resgate de temas da Antiguidade clássica;
 Defesa da “arte pela arte”: a poesia deveria serDefesa da “arte pela arte”: a poesia deveria ser
composta como um fim em si mesma;composta como um fim em si mesma;
 Busca da palavra exata que, muitas vezes, beiravaBusca da palavra exata que, muitas vezes, beirava
o preciosismo.o preciosismo.
PARNASIANISMO
“Invejo o ourives quando escrevo:
Imito o amor.
Com que ele, em ouro, o alto relevo.
Faz de uma flor”.
Olavo Bilac
PARNASIANISMO
VASO GREGO (Alberto Oliveira)
Esta de áureos relevos, trabalhada
De divas mãos, brilhante copa, um dia,
Já de aos deuses servir como cansada,
Vinda do Olimpo, a um novo deus servia.
Era o poeta de Teos que a suspendia
Então, e, ora repleta ora esvazada,
A taça amiga aos dedos seus tinia,
Toda de roxas pétalas colmada.
Depois... Mas o lavor da taça admira,
Toca-a, e do ouvido aproximando-a, às bordas
Finas hás de lhe ouvir, canora e doce,
Ignota voz, qual se da antiga lira
Fosse a encantada música das cordas,
Qual se essa voz de Anacreonte fosse.
PARNASIANISMO
TRINDADETRINDADE
PARNASIANAPARNASIANA
Alberto Oliveira,Alberto Oliveira,
Raimundo Corrêa eRaimundo Corrêa e
Olavo BilacOlavo Bilac
PARNASIANISMO
Vicente de Carvalho Francisca Júlia
PARNASIANISMO
PRINCIPAIS AUTORES PARNASIANOSPRINCIPAIS AUTORES PARNASIANOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O contexto do Realismo
O contexto do Realismo O contexto do Realismo
O contexto do Realismo
Cláudia Heloísa
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Luciene Gomes
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
Andre Guerra
 
Terceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no BrasilTerceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no Brasil
eeadolpho
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
Gabriel Luck
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
profconrad
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
Equipemundi2014
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula

Mais procurados (20)

O contexto do Realismo
O contexto do Realismo O contexto do Realismo
O contexto do Realismo
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Terceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no BrasilTerceira fase do Modernismo no Brasil
Terceira fase do Modernismo no Brasil
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo2ª Geração do Romantismo
2ª Geração do Romantismo
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)Ppt realismo (1)
Ppt realismo (1)
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Romantismo - aula
Romantismo - aulaRomantismo - aula
Romantismo - aula
 

Semelhante a Parnasianismo 2.0

Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
Vitor Morais
 
Parnasianismo em ppt
Parnasianismo em pptParnasianismo em ppt
Parnasianismo em ppt
jace13034
 
Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo i
ISJ
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Josi Motta
 
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.pptPARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
emanuelleribeiro15
 
Parnasianismo 2014 power point atual(1)
Parnasianismo 2014   power point atual(1)Parnasianismo 2014   power point atual(1)
Parnasianismo 2014 power point atual(1)
Gustavo Cuin
 
Parnasianismo 2014 power point atual
Parnasianismo 2014   power point atualParnasianismo 2014   power point atual
Parnasianismo 2014 power point atual
Gustavo Cuin
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
Ione Dias de Oliveira
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
Gerlane Galvao
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Ione Dias de Oliveira
 
Parnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptxParnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptx
GessinguerRodecz1
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Louyse Tenório
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
LUCELIOFERREIRADASIL
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
Érika Lúcia
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
Elaine Blogger
 
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.pptPARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
RildeniceSantos
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Gabriel Gonçalves
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
FabrcioFerreira32
 

Semelhante a Parnasianismo 2.0 (20)

Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
Parnasianismo em ppt
Parnasianismo em pptParnasianismo em ppt
Parnasianismo em ppt
 
Parnasianismo i
Parnasianismo   iParnasianismo   i
Parnasianismo i
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.pptPARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
PARNASIANISMO EMANUELLE.ppt
 
Parnasianismo 2014 power point atual(1)
Parnasianismo 2014   power point atual(1)Parnasianismo 2014   power point atual(1)
Parnasianismo 2014 power point atual(1)
 
Parnasianismo 2014 power point atual
Parnasianismo 2014   power point atualParnasianismo 2014   power point atual
Parnasianismo 2014 power point atual
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
 
Unid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlaneUnid 3 2gerlane
Unid 3 2gerlane
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptxParnasianismo.pptx
Parnasianismo.pptx
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Aula sobre Parnasianismo
Aula sobre ParnasianismoAula sobre Parnasianismo
Aula sobre Parnasianismo
 
Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo Parnasianismo e simbolismo
Parnasianismo e simbolismo
 
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.pptPARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
PARNASIANISMO-AUTORES1.ppt
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
PARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.pptPARNASIANISMO.ppt
PARNASIANISMO.ppt
 

Mais de José Ricardo Lima

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
José Ricardo Lima
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
José Ricardo Lima
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
José Ricardo Lima
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
José Ricardo Lima
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
José Ricardo Lima
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
José Ricardo Lima
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
José Ricardo Lima
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
José Ricardo Lima
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
José Ricardo Lima
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
José Ricardo Lima
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
José Ricardo Lima
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
José Ricardo Lima
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
José Ricardo Lima
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
José Ricardo Lima
 
Drummond
DrummondDrummond
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
José Ricardo Lima
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
José Ricardo Lima
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
José Ricardo Lima
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
José Ricardo Lima
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
José Ricardo Lima
 

Mais de José Ricardo Lima (20)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 

Último

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 

Último (6)

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 

Parnasianismo 2.0

  • 1. PARNASIANISMO PROFESSOR José Ricardo Lima www.literaturaeshow.com.br
  • 2. PARNASIANISMO  ““O Realismo se tingirá deO Realismo se tingirá de naturalismonaturalismo, no romance e, no romance e no conto, sempre que fizerno conto, sempre que fizer personagens e enredospersonagens e enredos submeterem-se ao destinosubmeterem-se ao destino cego das ‘leis naturais’ que acego das ‘leis naturais’ que a ciência da época julgava terciência da época julgava ter codificado;codificado; ou se diráou se dirá parnasianoparnasiano, na, na poesiapoesia, à, à medida que se esgotar nomedida que se esgotar no lavor do verso tecnicamentelavor do verso tecnicamente perfeitoperfeito.” (Alfredo Bosi).” (Alfredo Bosi)
  • 3. PARNASIANISMO  OO ParnasianismoParnasianismo foi contemporâneo dofoi contemporâneo do Realismo e do Naturalismo, estando, portanto,Realismo e do Naturalismo, estando, portanto, marcado pelos ideais cientificistas emarcado pelos ideais cientificistas e revolucionários do período.revolucionários do período.  Juntamente com as escolas referidas acima, oJuntamente com as escolas referidas acima, o Parnasianismo constitui o grupo dos movimentosParnasianismo constitui o grupo dos movimentos literários que reagiram diretamente contra osliterários que reagiram diretamente contra os princípios do Romantismo:princípios do Romantismo:  REALISMO: ataca aREALISMO: ataca a subjetividadesubjetividade romântica.romântica.  NATURALISMO: ataca aNATURALISMO: ataca a idealizaçãoidealização romântica.romântica.  PARNASIANISMO: ataca oPARNASIANISMO: ataca o sentimentalismosentimentalismo..
  • 4. PARNASIANISMO  O termo "parnasianismo" deriva de uma antologia, Le Parnasse contemporain (O Parnaso contemporâneo), publicada em fascículos, de março a junho de 1860, com os versos de alguns poetas franceses.  O Parnaso é um monte da Grécia central onde na Antigüidade acreditava-se que habitariam o deus Apolo e as musas.
  • 5. PARNASIANISMO Acima, a representação de Apolo, deus das artes, do sol, e da profecia. Ao lado, o Monte Parnaso, na Grécia.
  • 6. PARNASIANISMO  Esses poetas eram Théophile Gautier, Laconte de Lisle, entre outros. Eles defendiam a necessidade de se tratar os temas poéticos de modo mais objetivo, pondo fim às “lamúrias” do Romantismo.  Segundo esses poetas, a arte não existe para a humanidade, para a sociedade ou para a moral, mas para si mesma. Em outras palavras: a finalidade da arte era, para ele, a própria arte. Essa será a principal característica da estética parnasiana.
  • 8. PARNASIANISMO O Parnasianismo pode ser associado à Belle Époque - época dourada das elites europeias, que se divertem com os lucros do espólio imperialista. O cancan, os cabarés e ca- fés parisienses, os jano- tas que bebem licor e as prostitutas de alta classe formam a imagem frené- tica de um mundo enri- quecido e alegre.
  • 10. PARNASIANISMO Uma certeza inabalável preside esse mundo: a de que ele é eterno e supe- rior. Assim, o Parnasianis- mo será a tradução poé- tica de um período de euforia e de relativa tran- qüilidade social, no qual a forma se sobreporá às idéias.
  • 11. O MODELO PARNASIANO  Opção por uma poesia descritiva: uso de imagensOpção por uma poesia descritiva: uso de imagens que representam de modo mais imparcialque representam de modo mais imparcial fenômenos naturais, fatos históricos;fenômenos naturais, fatos históricos;  Preocupação com a técnica de composição: o metro,Preocupação com a técnica de composição: o metro, o ritmo, a rima, a estrofação. Tudo precisava sero ritmo, a rima, a estrofação. Tudo precisava ser harmonizado de modo que se obtivesse aharmonizado de modo que se obtivesse a PERFEIÇÃO FORMAL.PERFEIÇÃO FORMAL.  Tentativa de se manter uma postura impassívelTentativa de se manter uma postura impassível diante do objeto do poema, para evitar o excesso dediante do objeto do poema, para evitar o excesso de sentimentalismo romântico.sentimentalismo romântico.
  • 12. O MODELO PARNASIANO  Resgate de temas da Antiguidade clássica;Resgate de temas da Antiguidade clássica;  Defesa da “arte pela arte”: a poesia deveria serDefesa da “arte pela arte”: a poesia deveria ser composta como um fim em si mesma;composta como um fim em si mesma;  Busca da palavra exata que, muitas vezes, beiravaBusca da palavra exata que, muitas vezes, beirava o preciosismo.o preciosismo.
  • 13. PARNASIANISMO “Invejo o ourives quando escrevo: Imito o amor. Com que ele, em ouro, o alto relevo. Faz de uma flor”. Olavo Bilac
  • 15. VASO GREGO (Alberto Oliveira) Esta de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o poeta de Teos que a suspendia Então, e, ora repleta ora esvazada, A taça amiga aos dedos seus tinia, Toda de roxas pétalas colmada. Depois... Mas o lavor da taça admira, Toca-a, e do ouvido aproximando-a, às bordas Finas hás de lhe ouvir, canora e doce, Ignota voz, qual se da antiga lira Fosse a encantada música das cordas, Qual se essa voz de Anacreonte fosse.