Quimioluminescencia

54.091 visualizações

Publicada em

Aula sobre Quimioluminescencia da disciplina Imunologia I

Publicada em: Saúde e medicina
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
54.091
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
300
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
699
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Quimioluminescencia

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE – ICSDEPARTAMENTO DE BIOINTERAÇÃODISCIPLINA: IMUNOLOGIA I – ICS 045<br />IMUNOQUIMIOLUMINESCÊNCIA<br />Trabalho realizado pela Doutoranda de Imunologia da UFBA Mírian Flores Rebouças sob orientação dos Professores Robert Schaer, Roberto Meyer, Claudia Brodskin e Ricardo Portela. Atualizado em Fevereiro de 2010.<br />
  2. 2. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br />
  3. 3. CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br /><ul><li> Método imunológico baseado na emissão de energia luminosa a partir de uma reação química.
  4. 4. Quantifica antígeno ou anticorpo presente em fluidos corporais.
  5. 5. Muito usado para dosagens de hormônios, marcadores tumorais e outras proteínas séricas.
  6. 6. Um dos métodos de escolha para substituir o radioimunoensaio.</li></li></ul><li>CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br /><ul><li>DIFERENÇAS PARA O RADIOIMUNOENSAIO:
  7. 7. Radioimunoensaio: Primeira técnica a ser desenvolvida para dosagem hormonal e de outras substâncias presentes em pequenas concentrações em fluídos biológicos, sendo um método muito sensível para análise quantitativa antígeno-anticorpo.
  8. 8. Limitações do radioimunoensaio:
  9. 9. envolve material radioativo.
  10. 10. a validade desse reagente reativo é curta.
  11. 11. demora na execução do teste.</li></li></ul><li>CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br /><ul><li>VANTAGENS DA QUIMIOLUMINESCÊNCIA:
  12. 12. Opção de ensaio com elevada sensibilidade e especificidade adequada.
  13. 13. Exame basicamente automatizado e rápido.
  14. 14. Várias amostras podem ser analisados e distintas moléculas podem ser quantificadas de uma só vez.</li></li></ul><li>CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br /><ul><li>COMPOSTOS QUIMIOLUMINESCENTES USADOS:
  15. 15. Derivados de luminol
  16. 16. Necessita de um catalisador.
  17. 17. Apresenta uma série de interferências de fundo ao emitir sua luz.
  18. 18. Reação lentae gradual.
  19. 19. Dependente de pH</li></li></ul><li>CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br /><ul><li>COMPOSTOS QUIMIOLUMINESCENTES USADOS:
  20. 20. Ésteres de acridina
  21. 21. Não requer um catalisador.
  22. 22. Baixas interferências de fundo.
  23. 23. Muito estável, grande vida média.
  24. 24. Alto rendimento – linear.
  25. 25. Tempo de reação rápido – medição mais fácil
  26. 26. A conjugação não limita o rendimento.
  27. 27. Alta sensibilidade.</li></li></ul><li>CARACTERÍSTICAS BÁSICAS<br />A técnica se baseia na ligação de antígeno – anticorpo. Um dos dois reagentes é conjugado a uma substância que, quando ativada, emite luz visível. Então, a emissão de luz é proporcional ao reagente pesquisado.<br />
  28. 28. PASSOS DA TÉCNICA<br />
  29. 29. PASSOS DA TÉCNICA<br />Uma microesfera de poliestireno é revestida com anticorpo monoclonal contra antígeno analisado<br />Adição do soro do paciente, que é incubado com agitação intermitente.<br />Lavagem para retirada do antígeno não fixado<br />Y<br />Adição de anticorpo monoclonal específico para o antígeno pesquisado conjugado a enzima.<br />Y<br />Y<br />Y<br />Incubação do conjugado e mais uma lavagem para tirar o anticorpo não fixado<br />Y<br />Y<br />Adição do substrato da enzima, em seguida, incubação.<br />A adição de substrato quimioluminescente sofre hidrólise na presença da enzima, produzindo substâncias instáveis que geram emissão de fótons (luz).<br />Y<br />Conjugado<br />Anticorpo monoclonal<br />Antígeno do soro do paciente<br />Substrato <br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />Y<br />
  30. 30. PASSOS DA TÉCNICA<br />Estes fótons são medidos través de um fotomultiplicador (PMT) que tem a função de transformar a luz emitida pelos fótons em impulsos elétricos.<br />Estes impulsos são lidos em “contagens” de luz por segundo (cps). Essa unidade é proporcional a quantidade de antígenos presentes na amostra.<br />
  31. 31. REFERÊNCIAS<br />Edwards, R. Imunnodiagnostics, a pratical approach. Oxford University Press. 281 pg, 1999.<br />Howard, G.C.; Kaser, M.R. Making and using antibodies, a pratical handbook.CRC Press. 396 pg, 2006.<br />http://alvaro.com.br/home/palestras/8<br />http://quimicanova.sbq.org.br/qn/qnol/1993/vol16n3/v16_n3_%20(6).pdf<br />http://www2.ucg.br/cbb/professores/49/Biomedicina/6_periodo/Quimioluminescencia.pdf<br />Zhao, L.; Sun, L.; Xiaogang Chu. Chemiluminescence immunoassay. Trends in Analytical Chemistry, Vol. 28, No. 4, 2009.<br />

×