SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAUDE
DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM
DOCENTE: KARLETE VIEIRA
EQUIPE: ADRIANO, ANA KARINE, DANIELE FIDELIS, DHÉBORA
CHRISTINNE, KAREN SANTOS, TAILLANY CAROLINE, VANESSA KARLA
Imunodiagnóstico
Diagnóstico de uma doença ao longo da história;
• Elementos essenciais dos testes diagnósticos:
 Sensibilidade;
 Especificidade.
Testes diagnósticos com base
imunólogica
• Alta especificidade do sistema imune;
• Robert Koch:
-Vacina contra a tuberculose;
-Suspensão de Mycobaterium tuberculosis;
-Teste de tuberculina.
Fonte: http://www.daviddarling.info/encyclopedia/K/Koch_Robert.html Fonte: http://oddish3.rssing.com/chan-3342108/all_p12.html
Anticorpos monoclonais
Anticorpos monoclonais
• Hibridoma é a combinação de uma célula B “normal” com
uma célula B cancerosa.
• Quando uma hibridoma cresce em cultura, suas células
geneticamente idênticas continuam a produzir o tipo de
anticorpo característico da célula B ancestral;
• Os clones das células secretoras de anticorpo podem ser
mantidos indefinidamente em cultivo celular, podendo produzir
grandes quantidades de moléculas idênticas de anticorpo;
Anticorpos monoclonais
ou Mabs são anticorpos
cujo todas suas moléculas
são produzidas por um
clone hibridoma único.
São altamente
específicos, uniformes e
podem ser prontamente
produzidos em grandes
quantidades;
• Usados como ferramentas diagnósticas e terapêuticas e para superar
efeitos indesejáveis do sistema imune. Exemplos:
• Testes de gravidez usam Mabs para indicar a presença de um
hormônio excretado somente na urina de uma mulher;
• Muromonab-CD3 usado para diminuir a rejeição de transplante de
rim;
• Infliximab (Remicade) ou Entanercept (Embrel) direcionados para
bloquear a ação causadora da inflamação na artrite reumatoide e
distúrbio inflamatório intestinal da doença de Crohn;
• Ibritumonab (Zevalin) e o Rituximab (Rituxan) usado para o câncer
de Hodgkin;
• Trastuzumab (Herceptin) usado para o câncer de mama;
• O uso terapêutico de Mabs era limitado pois seus
anticorpos eram produzidos apenas por células de
camundongos (murina). O sistema imune dos
pacientes reagia contra as proteínas estranhas do
camundongo.
• Novas gerações de Mabs:
• Anticorpos monoclonais quiméricos usam
camundongos geneticamente modificados
para produzir uma molécula híbrida
humano/camundongo. A região variável do
anticorpo é murina. A região constante é
humana. São aproximadamente 66%
humanos. Exemplo: Rituximab;
• Anticorpos humanizados são desenvolvidos
para que a porção murina esteja limitada aos
sítios de ligação ao antígeno. A região
variável e a região constante são de fonte
humana. São aproximadamente 90%
humanos. Exemplos: Alemtuzumab e o
Trastuzumab;
• O objetivo final é desenvolver anticorpos
humanos completos. Uma abordagem é
modificar geneticamente camundongos para
que contenham genes humanos.
Reações de precipitação
• As reações de precipitação envolvem a reação de antígenos
solúveis com anticorpos IgG ou IgM para formar grandes
agregados moleculares, as treliças;
• Ocorrem em dois estágios distintos:
• Os antígenos e os anticorpos
rapidamente formam pequenos
complexos antígeno-anticorpo.
Ocorre dentro de alguns segundos;
• Os complexos antígeno-anticorpo
formam treliças que se precipitam na
solução. Pode levar minutos ou horas;
Reações de aglutinação
Reações de aglutinação
Aglutinação: é o agrupamento de
partículas usualmente por moléculas
de AC que se ligam a AG na
superfície de partículas adjacentes.
Os testes de Aglutinação podem
ser de dois tipos:
• Teste de Aglutinação Direta: Detectam
anticorpos contra quantidades relativamente
grandes de antígenos celulares como hemácias,
bactérias e fungos.
Teste de Aglutinação
indireta(Passiva)
• Os Anticorpos contra antígenos solúveis
podem ser detectados por testes de
aglutinação. Os antígenos são adsorvidos em
partículas como bentonita ou mais
frequentemente esferas de látex minúsculas.
Hemaglutinação
• Quando reações de aglutinação envolvem a
agregação de hemácias.
Reações de
Neutralização
Reações de Neutralização
• A neutralização é uma reação antígeno-
anticorpo;
• Um antissoro contendo anticorpo que
neutraliza uma toxina é chamado
antitoxina;
• As reações também podem ocorrer
quando vírus são ligados por anticorpos
específicos;
• Teste in vitro são utilizados para
identificar um vírus e determinar o
anticorpo viral.
Teste de Inibição da hemaglutinação
viral.
Reações de fixação do complemento
• Usada para detectar quantidades pequenas de
anticorpos;
• Baseia-se na interação entre antígeno anticorpo
seguida pela fixação do componente do
sistema complemento;
• Se houver anticorpos no soro ocorrerá a
formação de imunocomplexos.
é adicionada em cada poço uma
fonte de Complemento
• O passo seguinte é a adição em
conjunto de hemácias anticorpos
contra estas células (sistema
indicador ou hemolítico).
• Se houver Complemento livre no
meio, as hemácias serão lisadas
• mas se o Complemento
estiver ligado aos imunocomplexos
não ocorrerá hemólise e a reação
será considerada como positiva
Técnicas de anticorpos
florescentes
• É uma técnica que permite :
Identificar microrganismos
Detectar anticorpos específicos
Corantes
fluorescentes
FA Direto- Utilizado para identificar um antígeno.
FA Indireto- Utilizado para detectar a presença de um
anticorpo especifico no soro.
O anticorpo especifico para
contra o micróbio presente, ele
reage com um antígeno para
formar um complexo
ENSAIO IMUNOSSORVENTE
LIGADO À ENZIMA
(ELISA)
O ensaio imunossorvente ligado á enzima
(ELISA, de enzyme-linked immnosorbet assay) é
mais amplamente utilizado em um conjunto de
testes conhecidos como imunoensaio enzimatico
(EIA, de enzyme immunossay).
ELISA direto
O ELISA direto é utilizado para detectar
antígenos contra um anticorpo especifico ligado
a placa de teste.
ELISA indireto
O ELISA indireto é utilizado para detectar
anticorpo contra um antígeno ligado a placa
teste.
HIV
(Vírus da imunodeficiência humana)
É o mais realizado para
diagnosticar a doença.
Nele, profissionais de
laboratório buscam por
anticorpos contra o HIV
no sangue do paciente.
WESTERN BLOTTING OU
IMMUNOBLOTING
INTRODUÇÃO:
• Western Blotting é uma técnica usada para
detectar proteínas de uma determinada amostra
e serve como teste confirmatório dos
resultados obtidos em testes
imunoenzimaticos.
MÉTODOS DE EXECUÇÃO
DE WESTERN BLOTTING
Componentes da
mistura
Eletroforese em
gel
Filtro/membrana
Anticorpo
ligado a enzima
Análise
O FUTURO DA TERAPÊUTICA E DO
DIAGNÓSTICO IMUNOLÓGICOS
• A introdução dos anticorpos monoclonais
revolucionou o diagnóstico imunológico ao
tornar disponível grandes quantidades de
anticorpos específicos.
REFERÊNCIAS
• TORTORA, Gerard J.. Microbiologia. 6. ed. Porto
Alegre: Artmed, 2003. 827 p. il. ISBN 857307678X
• http://biomedicinapadrao.wordpress.com/2010/
05/05/elisa/
• http://www.saudepratodos.com/conteudo.php?t
=132

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
 
Anticorpos Função
Anticorpos FunçãoAnticorpos Função
Anticorpos Função
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Sistema Complemento
Sistema ComplementoSistema Complemento
Sistema Complemento
 
Métodos
MétodosMétodos
Métodos
 
Radioimunoensaio
RadioimunoensaioRadioimunoensaio
Radioimunoensaio
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
 
Antigeno e Anticorpo
Antigeno e AnticorpoAntigeno e Anticorpo
Antigeno e Anticorpo
 
Antigenos e Anticorpos
Antigenos e AnticorposAntigenos e Anticorpos
Antigenos e Anticorpos
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
 
FixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complementoFixaÇo de-complemento
FixaÇo de-complemento
 
Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Ap7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de AglutinaçãoAp7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de Aglutinação
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
 

Destaque

Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoLABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - Reações de Imunoprecipitação
ICSA17 - Reações de ImunoprecipitaçãoICSA17 - Reações de Imunoprecipitação
ICSA17 - Reações de ImunoprecipitaçãoRicardo Portela
 
Aula02 tecnicas diagnostico virologia parte 1
Aula02   tecnicas diagnostico virologia parte 1Aula02   tecnicas diagnostico virologia parte 1
Aula02 tecnicas diagnostico virologia parte 1Hugo Sousa
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialitsufpr
 
I M U N O F L U O R E S C E N C I A
I M U N O F L U O R E S C E N C I AI M U N O F L U O R E S C E N C I A
I M U N O F L U O R E S C E N C I ALABIMUNO UFBA
 
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Universidade de Brasília
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnósticorwportela
 
Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"
Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"
Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"JOFARUFPR
 

Destaque (19)

Ap6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de PrecipitaçãoAp6 - Reação de Precipitação
Ap6 - Reação de Precipitação
 
PPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas molecularesPPT sobre técnicas moleculares
PPT sobre técnicas moleculares
 
Ap10 - Elisa
Ap10 -  ElisaAp10 -  Elisa
Ap10 - Elisa
 
Imunohistoquimica
ImunohistoquimicaImunohistoquimica
Imunohistoquimica
 
ICSA17 - Reações de Imunoprecipitação
ICSA17 - Reações de ImunoprecipitaçãoICSA17 - Reações de Imunoprecipitação
ICSA17 - Reações de Imunoprecipitação
 
Aula02 tecnicas diagnostico virologia parte 1
Aula02   tecnicas diagnostico virologia parte 1Aula02   tecnicas diagnostico virologia parte 1
Aula02 tecnicas diagnostico virologia parte 1
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
 
I M U N O F L U O R E S C E N C I A
I M U N O F L U O R E S C E N C I AI M U N O F L U O R E S C E N C I A
I M U N O F L U O R E S C E N C I A
 
Anticorpos monoclonais e policlonais pdf
Anticorpos monoclonais e policlonais pdfAnticorpos monoclonais e policlonais pdf
Anticorpos monoclonais e policlonais pdf
 
Método ELISA
Método ELISAMétodo ELISA
Método ELISA
 
ELISA
ELISAELISA
ELISA
 
01
0101
01
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
 
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
 
Imunodiagnóstico
ImunodiagnósticoImunodiagnóstico
Imunodiagnóstico
 
Método Elisa
Método ElisaMétodo Elisa
Método Elisa
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"
Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"
Minicurso 2 - "Metodologias Inovadoras para ensaios diagnósticos"
 
8.4 soldagem
8.4   soldagem8.4   soldagem
8.4 soldagem
 

Semelhante a Imunodiagnostico

Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptxAula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptxProfGuilhermeLopes
 
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doençasBiotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doençasMariana Leal
 
Seminário_CETAM.pptx
Seminário_CETAM.pptxSeminário_CETAM.pptx
Seminário_CETAM.pptxkawannycastro
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011mfernandamb
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisRicardo Portela
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfvitorepalmeida1
 
c4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptx
c4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptxc4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptx
c4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptxFadaPoderosa
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryRicardo Portela
 
ICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discoveryICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discoveryRicardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoRicardo Portela
 
4ª DiagnóStico Laboratorial
4ª  DiagnóStico Laboratorial4ª  DiagnóStico Laboratorial
4ª DiagnóStico LaboratorialRenato Moura
 
Curso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsander
Curso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsanderCurso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsander
Curso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsanderDouglas Lício
 
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULARSistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULARamaroalmeida74
 
Sistema Imunológico Humano: características
Sistema Imunológico Humano: característicasSistema Imunológico Humano: características
Sistema Imunológico Humano: característicasProfessorThrsisGabry
 
ICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celular
ICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celularICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celular
ICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celularRicardo Portela
 

Semelhante a Imunodiagnostico (20)

Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptxAula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
 
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doençasBiotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
Biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças
 
Seminário_CETAM.pptx
Seminário_CETAM.pptxSeminário_CETAM.pptx
Seminário_CETAM.pptx
 
Anticorpo Monoclonal
Anticorpo MonoclonalAnticorpo Monoclonal
Anticorpo Monoclonal
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
 
Tipagem sanguinea
Tipagem sanguineaTipagem sanguinea
Tipagem sanguinea
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
 
c4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptx
c4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptxc4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptx
c4dca384-6d78-40c6-93c9-3bf3707c6a7e.pptx
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
 
ICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discoveryICSA32 - Antigen discovery
ICSA32 - Antigen discovery
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
 
4ª DiagnóStico Laboratorial
4ª  DiagnóStico Laboratorial4ª  DiagnóStico Laboratorial
4ª DiagnóStico Laboratorial
 
Virologia Clínica Parte 4 Diagnóstico Laboratorial [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 4 Diagnóstico Laboratorial [Profa.Zilka]Virologia Clínica Parte 4 Diagnóstico Laboratorial [Profa.Zilka]
Virologia Clínica Parte 4 Diagnóstico Laboratorial [Profa.Zilka]
 
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
 
HIV/AIDS - Temas Atuais em Saúde
HIV/AIDS - Temas Atuais em SaúdeHIV/AIDS - Temas Atuais em Saúde
HIV/AIDS - Temas Atuais em Saúde
 
Curso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsander
Curso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsanderCurso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsander
Curso antibióticos e resistência bacteriana prof alexsander
 
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULARSistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
 
Sistema Imunológico Humano: características
Sistema Imunológico Humano: característicasSistema Imunológico Humano: características
Sistema Imunológico Humano: características
 
ICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celular
ICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celularICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celular
ICSA29 - Métodos de avaliação da resposta imune celular
 

Mais de Taillany Caroline

Mais de Taillany Caroline (11)

Acesso Venoso Central
Acesso Venoso CentralAcesso Venoso Central
Acesso Venoso Central
 
Genoma humano e reprodução assistida
Genoma humano e reprodução assistidaGenoma humano e reprodução assistida
Genoma humano e reprodução assistida
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
 
Atresia do Esôfago
Atresia do Esôfago Atresia do Esôfago
Atresia do Esôfago
 
Manual de educação em saúde 1º cap.
Manual de educação em saúde 1º cap.Manual de educação em saúde 1º cap.
Manual de educação em saúde 1º cap.
 
Fármacos anti helmínticos e anti-protozoários
Fármacos anti helmínticos e anti-protozoáriosFármacos anti helmínticos e anti-protozoários
Fármacos anti helmínticos e anti-protozoários
 
Embriologia taillany
Embriologia  taillanyEmbriologia  taillany
Embriologia taillany
 
Educação em saúde
Educação em saúdeEducação em saúde
Educação em saúde
 
Digestão das proteínas e lipidios
Digestão das proteínas e lipidiosDigestão das proteínas e lipidios
Digestão das proteínas e lipidios
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
Endomembranas
EndomembranasEndomembranas
Endomembranas
 

Imunodiagnostico

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAUDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DOCENTE: KARLETE VIEIRA EQUIPE: ADRIANO, ANA KARINE, DANIELE FIDELIS, DHÉBORA CHRISTINNE, KAREN SANTOS, TAILLANY CAROLINE, VANESSA KARLA
  • 2. Imunodiagnóstico Diagnóstico de uma doença ao longo da história; • Elementos essenciais dos testes diagnósticos:  Sensibilidade;  Especificidade.
  • 3. Testes diagnósticos com base imunólogica • Alta especificidade do sistema imune; • Robert Koch: -Vacina contra a tuberculose; -Suspensão de Mycobaterium tuberculosis; -Teste de tuberculina. Fonte: http://www.daviddarling.info/encyclopedia/K/Koch_Robert.html Fonte: http://oddish3.rssing.com/chan-3342108/all_p12.html
  • 5. Anticorpos monoclonais • Hibridoma é a combinação de uma célula B “normal” com uma célula B cancerosa. • Quando uma hibridoma cresce em cultura, suas células geneticamente idênticas continuam a produzir o tipo de anticorpo característico da célula B ancestral; • Os clones das células secretoras de anticorpo podem ser mantidos indefinidamente em cultivo celular, podendo produzir grandes quantidades de moléculas idênticas de anticorpo;
  • 6. Anticorpos monoclonais ou Mabs são anticorpos cujo todas suas moléculas são produzidas por um clone hibridoma único. São altamente específicos, uniformes e podem ser prontamente produzidos em grandes quantidades;
  • 7. • Usados como ferramentas diagnósticas e terapêuticas e para superar efeitos indesejáveis do sistema imune. Exemplos: • Testes de gravidez usam Mabs para indicar a presença de um hormônio excretado somente na urina de uma mulher; • Muromonab-CD3 usado para diminuir a rejeição de transplante de rim; • Infliximab (Remicade) ou Entanercept (Embrel) direcionados para bloquear a ação causadora da inflamação na artrite reumatoide e distúrbio inflamatório intestinal da doença de Crohn; • Ibritumonab (Zevalin) e o Rituximab (Rituxan) usado para o câncer de Hodgkin; • Trastuzumab (Herceptin) usado para o câncer de mama;
  • 8. • O uso terapêutico de Mabs era limitado pois seus anticorpos eram produzidos apenas por células de camundongos (murina). O sistema imune dos pacientes reagia contra as proteínas estranhas do camundongo. • Novas gerações de Mabs: • Anticorpos monoclonais quiméricos usam camundongos geneticamente modificados para produzir uma molécula híbrida humano/camundongo. A região variável do anticorpo é murina. A região constante é humana. São aproximadamente 66% humanos. Exemplo: Rituximab;
  • 9. • Anticorpos humanizados são desenvolvidos para que a porção murina esteja limitada aos sítios de ligação ao antígeno. A região variável e a região constante são de fonte humana. São aproximadamente 90% humanos. Exemplos: Alemtuzumab e o Trastuzumab; • O objetivo final é desenvolver anticorpos humanos completos. Uma abordagem é modificar geneticamente camundongos para que contenham genes humanos.
  • 10. Reações de precipitação • As reações de precipitação envolvem a reação de antígenos solúveis com anticorpos IgG ou IgM para formar grandes agregados moleculares, as treliças; • Ocorrem em dois estágios distintos: • Os antígenos e os anticorpos rapidamente formam pequenos complexos antígeno-anticorpo. Ocorre dentro de alguns segundos; • Os complexos antígeno-anticorpo formam treliças que se precipitam na solução. Pode levar minutos ou horas;
  • 12. Reações de aglutinação Aglutinação: é o agrupamento de partículas usualmente por moléculas de AC que se ligam a AG na superfície de partículas adjacentes.
  • 13.
  • 14. Os testes de Aglutinação podem ser de dois tipos: • Teste de Aglutinação Direta: Detectam anticorpos contra quantidades relativamente grandes de antígenos celulares como hemácias, bactérias e fungos.
  • 15.
  • 16. Teste de Aglutinação indireta(Passiva) • Os Anticorpos contra antígenos solúveis podem ser detectados por testes de aglutinação. Os antígenos são adsorvidos em partículas como bentonita ou mais frequentemente esferas de látex minúsculas.
  • 17.
  • 18. Hemaglutinação • Quando reações de aglutinação envolvem a agregação de hemácias.
  • 19.
  • 21. Reações de Neutralização • A neutralização é uma reação antígeno- anticorpo; • Um antissoro contendo anticorpo que neutraliza uma toxina é chamado antitoxina; • As reações também podem ocorrer quando vírus são ligados por anticorpos específicos; • Teste in vitro são utilizados para identificar um vírus e determinar o anticorpo viral.
  • 22. Teste de Inibição da hemaglutinação viral.
  • 23. Reações de fixação do complemento • Usada para detectar quantidades pequenas de anticorpos; • Baseia-se na interação entre antígeno anticorpo seguida pela fixação do componente do sistema complemento; • Se houver anticorpos no soro ocorrerá a formação de imunocomplexos.
  • 24. é adicionada em cada poço uma fonte de Complemento • O passo seguinte é a adição em conjunto de hemácias anticorpos contra estas células (sistema indicador ou hemolítico). • Se houver Complemento livre no meio, as hemácias serão lisadas • mas se o Complemento estiver ligado aos imunocomplexos não ocorrerá hemólise e a reação será considerada como positiva
  • 26. • É uma técnica que permite : Identificar microrganismos Detectar anticorpos específicos Corantes fluorescentes
  • 27. FA Direto- Utilizado para identificar um antígeno. FA Indireto- Utilizado para detectar a presença de um anticorpo especifico no soro.
  • 28.
  • 29. O anticorpo especifico para contra o micróbio presente, ele reage com um antígeno para formar um complexo
  • 31. O ensaio imunossorvente ligado á enzima (ELISA, de enzyme-linked immnosorbet assay) é mais amplamente utilizado em um conjunto de testes conhecidos como imunoensaio enzimatico (EIA, de enzyme immunossay).
  • 32. ELISA direto O ELISA direto é utilizado para detectar antígenos contra um anticorpo especifico ligado a placa de teste.
  • 33. ELISA indireto O ELISA indireto é utilizado para detectar anticorpo contra um antígeno ligado a placa teste.
  • 34. HIV (Vírus da imunodeficiência humana) É o mais realizado para diagnosticar a doença. Nele, profissionais de laboratório buscam por anticorpos contra o HIV no sangue do paciente.
  • 36. INTRODUÇÃO: • Western Blotting é uma técnica usada para detectar proteínas de uma determinada amostra e serve como teste confirmatório dos resultados obtidos em testes imunoenzimaticos.
  • 37. MÉTODOS DE EXECUÇÃO DE WESTERN BLOTTING
  • 39. O FUTURO DA TERAPÊUTICA E DO DIAGNÓSTICO IMUNOLÓGICOS • A introdução dos anticorpos monoclonais revolucionou o diagnóstico imunológico ao tornar disponível grandes quantidades de anticorpos específicos.
  • 40. REFERÊNCIAS • TORTORA, Gerard J.. Microbiologia. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003. 827 p. il. ISBN 857307678X • http://biomedicinapadrao.wordpress.com/2010/ 05/05/elisa/ • http://www.saudepratodos.com/conteudo.php?t =132