SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Universidade Federal do Pará
Hospital Universitário João de Barros Barreto
Laboratório de Análises Clínicas
Estágio Supervisionado I
João Marcos de Oliveira
Belém
2016
Microbiologia: meios de cultura e
provas de identificação
Meios de cultura: inespecíficos
Ágar Sangue
→ Isolamento não específico de microrganismos
→ Verificação de hemólise causada pelos
microrganismos, especialmente de Streptococcus sp. e
Staphylococcus sp.
Ágar Chocolate
→ Isolamento não específico de microrganismos
exigentes
→ sangue hemolisado: libera nutrientes fundamentais
para o crescimento desses microrganismos
Ex: Haemophilus sp., Neisseria sp. entre outros.
João Marcos
Ágar sangue: observação de hemólise
α-hemólise β-hemólise γ-hemólise
α-hemólise: lise parcial das hemácias.
β-hemólise: lise total das hemácias.
γ-hemólise: hemácias permanecem íntegras.
Fonte das imagens: www.bacteriainphotos.com
João Marcos
Ágar chocolate
Haemophilus influenzae em ágar chocolate.
Fonte: Medical-Labs
Neisseria meningitidis em ágar chocolate.
Fonte: Flickr: Nathan Reading
João Marcos
Meios de cultura: inespecíficos
Candida albicans Aspergillus fumigatusSporothrix schenckii
Ágar Sabouraud
→ Meio com nutrientes que favorece o crescimento de diversos
fungos leveduriformes e filamentosos. Como o meio não é
seletivo, pode ocorrer contaminações por bactérias.
→ Para evitar que isso ocorra, alguns laboratórios optam por
usar esse meio com um antibiótico na composição (Ex:
gentamicina ou cloranfenicol).
João Marcos
Meios de cultura: inespecíficos
Ágar CLED
→ Isolamento não específico e quantificação de
microrganismos (bactérias e leveduras) presentes em
amostras de urina
→ Permite identificar a fermentação da lactose pelas colônias.
Escherichia coli Pseudomonas aeruginosaKlebsiella pneumoniae
João Marcos
Ágar MacConkey
→ Isolamento específico de bacilos Gram-negativos (enterobactérias e não fermentadores),
além da observação de colônias fermentadoras de lactose.
→ inibe o crescimento de micro-organismos Gram-positivos, especialmente Enterococcus e
Staphyococcus.
Meios de cultura: específicos
Meio original Escherichia coli Pseudomonas aeruginosa
João Marcos
Meios de cultura: específicos
Ágar Salmonella-Shigella
→ Isolamento específico de bacilos, além da observação de colônias fermentadoras de lactose.
Usado com a finalidade de isolar espécies de Salmonella e Shigella.
→ Devido a alguns de seus componentes - sais de bile, verde brilhante e citrato de sódio -, tem
poder de inibição maior contra o crescimento de Enterococcus e Staphyococcus. Tiossulfato de
sódio e o citrato férrico permitem evidenciar a coloração negra das colônias de Salmonella spp
Meio original Salmonella spp. Shigella spp.
João Marcos
Meios de cultura: específicos
Ágar Manitol
→ Isolamento específico de bactérias do gênero Staphylococcus.
→ Meio com alta concentração de sal, além de ter em sua composição indicador de pH.
Meio original Staphylococcus aureus Staphylococcus epidermidis
Fonte das imagens: Site Biomedicina Brasil
João Marcos
Meios de cultura: específicos
Colônias de Pseudomonas aeruginosa em Ágar Cetrimide
Fonte: BioMérieux
Meio original
Fonte: EO Labs
Isolamento
Ágar Cetrimide
→ Isolamento específico de Pseudomonas aeruginosa.
→ A cetrimida (brometo de cetiltrimetilamônio) é um composto quaternário de amônio que inibe
um grande número de bactérias incluindo espécies de Pseudomonas exceto a aeruginosa.
→ A maioria das espécies de P. aeruginosa podem ser identificadas pelo odor característico
parecido com uva da aminoacetofenona.
João Marcos
Meios de cultura: específicos
Ágar Löwenstein Jensen
→ Isolamento de Mycobacterium spp.; o crescimento dessas colônias é lento.
→ Alta concentração de lipídios: utilização de ovos na produção do meio como fonte
dessas moléculas.
Cultivo
Ágar Löwenstein Jensen
Fonte: Biomedicina Brasil
Mycobacterium tuberculosis em Löwenstein Jensen. Colônias
com aspecto de fungos.
João Marcos
Meios de cultura: inespecíficos
Ágar Mueller-Hinton
→ Isolamento não específico de microrganismos
→ Meio padrão para a realização de antibiograma pelo
método de Kirby-Bauer (disco-difusão)
→ A sensibilidade é determinada a partir da medição dos
halos de cada antimicrobiano. Cada antibiótico tem seus
valores próprios de sensibilidade.
João Marcos
Antibiograma
Valores de alguns antibióticos para antibiograma.
Fonte: Laborclin
João Marcos
Coloração de Gram
→ A parede celular das bactérias Gram-
positivas é formada principalmente por
ácidos teicoicos e a das bactérias
Gram-negativas, principalmente por
lipídeos.
→ Por possuírem grande quantidade
de ácidos teicoicos, as Gram-positivas
formam um complexo corado azul
intenso, que não é removido facilmente
com álcool-acetona.
→ As Gram-negativas não retêm a
coloração após o tratamento com
álcool-acetona e são reveladas com
solução de fucsina (coloração de
contraste), ficando coradas de rosa.
João Marcos
Fucsina
Procedimento para a realização da coloração de Gram em
laboratório.
Teste da catalase
→ A catalase é uma enzima que decompõe o
peróxido de hidrogénio (H2O2) em água e gás
oxigênio (O2).
→ Após a aplicação da solução de H2O2 à 3%
, a produção de bolhas (devido à produção
de O2) evidencia o resultado positivo para
catalase.
→ Juntamente com a morfologia observada
na coloração de Gram, ela ajuda a dar um
direcionamento para as próximas provas de
identificação.
João Marcos
Teste da catalase: a produção de bolhas ocorre em
bactérias que possuem a enzima catalase.
Teste da coagulase
→ Verifica a capacidade de microrganismos reagirem
com o plasma e formarem um coágulo, já que a
coagulase é uma proteína com atividade similar à
protombrina, capaz de converter o fibrinogênio em
fibrina.
→ Para o teste, utiliza plasma de coelho, que na
presença de coagulase, irá formar coágulos no tubo.
→ Separa as espécies de Staphylococcus de
importância clínica (S. aureus), que é coagulase
positiva, das demais espécies do gênero (por serem
coagulase negativa)
João Marcos
Teste da coagulase: a produção de
coágulos no tubo ocorre na presença de
Staphylococcus aureus. Na foto, o
primeiro tubo mostra a presença do
coágulo formado, enquanto no segundo
não há formação do coágulo (o plasma
continua no estado líquido)
Coloração de Ziehl – Neelsen (BAAR)
→ Utilizada para o diagnóstico laboratorial de
Micobactérias patogênicas (Mycobacterium tuberculosis
e Mycobacterium leprae), por baciloscopia direta.
→ É uma coloração mais agressiva que o Gram. Essas
bactérias são conhecidas como Bacilos Álcool-Ácido
Resistentes (BAAR), e por isso são resistentes à
coloração de Gram. Elas também possuem paredes
celulares com alto teor de lipídios (cerca de 60%), o que
diminui sua permeabilidade.
Fucsina fenicada sobre a lâmina por 5 minutos e
durante esse tempo, a lâmina deve ser aquecida 3 vezes,
prestando muita atenção, pois o corante deve apenas
emitir um leve vapor, não ferver. Álcool-ácido forte,
descora todas as outras bactérias, com exceção das que
são resistentes a ele (BAAR). Azul de metileno é o
corante usado para a coloração de fundo. Toda a lâmina
ficará colorida de azul, exceto BAAR, que estará rosa.
João Marcos
Coloração de Ziehl-Neelsen: BAAR
corados de rosa. Na imagem,
Mycobacterium tuberculosis.
Meios de cultura: TSI (série bioquímica)
Ágar TSI (Triple Sugar Iron Agar)
→ É utilizado para a diferenciação e identificação de bacilos Gram-negativos, com base
na fermentação de carboidratos, produção de H2S e gás.
Contém, em sua composição:
→ Três tipos de açucares: glicose, lactose e sacarose.
→ Vermelho de fenol: indicador de pH, para detecção da fermentação desses açucares.
→ Tiossulfato de ferro: detecção da produção de H2S (cor negra na base do tubo).
→ A fermentação é indicada pela mudança da cor do indicador de pH de vermelho para
amarelo (pH ácido), e a produção de H2S enegrece a base do meio.
João Marcos
Série bioquímica: TSI
Possíveis resultados do TSI após 24h de incubação.
Fonte: http://web.clark.edu/tkibota/240/Unknowns/TSI.htm
João Marcos
ÁPICE BASE H2S GÁS Interpretação mais provável
Vermelho Vermelha - - Sem crescimento: bactéria
exigente.
Vermelho Vermelha - - Crescimento na superfície: não
fermentador ou Gram +
Amarelo Vermelha - - Crescimento na superfície:
Gram + ou esquecimento de
picar a base
Amarelo Amarela - + Enterobactérias ou Aeromonas
Lac neg
Amarelo Amarela + + Salmonella, Proteus,
Morganella, Providencia e
Citrobacter
Possíveis resultados do TSI após 24h de incubação.
Fonte: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
Reações ápice/base
→ Vermelho/amarelo: fermentação da glicose (lactose e sacarose negativos).
→ Amarelo/amarelo = fermentação da glicose + lactose e/ou sacarose (2 ou 3 açúcares).
→ Presença de gás (CO2) = bolhas ou meio fragmentado.
→ H2S positivo = cor negra na base.
João Marcos
Série bioquímica: Ureia
→ Determina a habilidade do
microrganismo de degradar a ureia em
duas moléculas de amônia pela ação da
enzima urease.
→ Em caso de reação positiva, irá
ocorrer alcalinização intensa do meio,
tornando-o rosa pink.
Teste da ureia: a coloração rosa pink indica reação positiva.
Fonte: Wiki AIA 13-17
João Marcos
Série bioquímica: meio SIM
Ágar SIM (Sulfato/Indol/Motilidade Agar)
→ Determina a habilidade do micro-organismo de metabolizar o triptofano em indol.
Triptofano é um aminoácido que pode ser degradado por certas bactérias resultando na
produção de indol, que é evidenciado após a adição do reagente de Kovacs.
→ Com a picada em linha reta, é possível avaliar se a bactéria inoculada é imóvel ou não.
Teste do indol após a adição do reativo de Kovacs
Fonte: http://www.microbiologyinfo.com
Teste da motilidade. O tubo à
esquerda é positivo.
João Marcos
Série bioquímica: Fenilalanina
→ Algumas bactérias têm a capacidade de
realizarem a desaminação oxidativa da fenilalanina
através da enzima fenilalanina desaminase.
→ Como produto, formará o ácido fenilpirúvico, que,
por ser ácido, irá acidificar o meio.
→ Para a leitura da prova, é necessário a utilização de
cloreto férrico a 10%, que irá revelar o resultado do
teste.
Teste da fenilalanina após a adição do
cloreto férrico. A reação é praticamente
imediata e irá apresentar a cor verde quando
for positiva.
João Marcos
Série bioquímica: Citrato Simmons
→ Verifica a capacidade da bactéria de utilizar o
citrato de sódio como única fonte de carbono,
juntamente com sais de amônia como fonte de
nitrogênio.
→ No caso de reação positiva, haverá alteração do
pH, que se torna alcalino e provoca a viragem do
indicador de pH (azul de bromotimol) para azul.
Alteração de pH do meio faz com que haja a
mudança de cor
Fonte: mi-cro-sco-pi-ca.blogspot.com
João Marcos
Série bioquímica: Caldo malonato
→ Determina a habilidade do microrganismo de
utilizar malonato de sódio como única fonte de
carbono, resultando em alcalinização do meio.
→ A cor original do meio é verde. Em reações
positivas, há a viragem do indicador de pH e o
caldo se torna azul.
→ Em reações negativas, o meio não sofre
alterações e permanece verde.
Caldo malonato: alteração de pH do meio faz
com que haja a mudança de cor em reação
positiva
João Marcos
Série bioquímica: Lisina descarboxilase
Ágar Lisina
Crescimento bacteriano → Há a fermentação de
glicose com produção de ácido → acidifica o
meio → o indicador de pH vira, fazendo o meio
mudar de púrpura para amarelo.
Se a bactéria possuir a enzima lisina
descarboxilase: há a liberação de CO2 e
descarboxilação da lisina com produção de
cadaverina (composto alcalino) → neutraliza os
ácidos produzidos na fermentação da glicose →
alcaliniza o meio → viragem do indicador de pH
novamente: o meio muda de amarelo e volta a
ser púrpura (reação positiva). Teste da Lisina descarboxilase: o tubo amarelo
(à direita) apresenta reação negativa.
João Marcos
Prova de identificação: DNAse
Ágar DNAse
→ Cepas de alguns microrganismos produzem DNase e
endonuclease termoestável. Essas enzimas hidrolisam o DNA
contido no meio de cultura.
→ Azul de toluidina é adicionando à base do meio.
João Marcos
Serratia marcescens Staphylococcus aureus Staphylococcus epidermidis Escherichia coli
Cor original do meio
Resultado...
Positivo: coloração rosa em volta da colônia. Negativo: O meio permanece inalterado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasTiago da Silva
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada José Vitor Alves
 
Polissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngicaPolissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngicaViviane Porto
 
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micosesPrincípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micosesUniversidade de Brasília
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFRicardo Portela
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasJaqueline Almeida
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaSafia Naser
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gabMarcia Rodrigues
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaJaqueline Almeida
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosUERGS
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Jaqueline Almeida
 

Mais procurados (20)

Aula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia BactériasAula Microbiologia Bactérias
Aula Microbiologia Bactérias
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada
 
Polissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngicaPolissacarídeos da parede celular fúngica
Polissacarídeos da parede celular fúngica
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Imunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos ClínicosImunologia - Casos Clínicos
Imunologia - Casos Clínicos
 
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micosesPrincípios do diagnóstico laboratorial das micoses
Princípios do diagnóstico laboratorial das micoses
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Micologia médica
Micologia médica Micologia médica
Micologia médica
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Método de Faust
Método de FaustMétodo de Faust
Método de Faust
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 

Destaque

Aula bacteriologia
Aula   bacteriologiaAula   bacteriologia
Aula bacteriologiaRogger Wins
 
Aulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaAulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaOdonto ufrj
 
E. coli, Klebsiella & proteus
E. coli, Klebsiella & proteusE. coli, Klebsiella & proteus
E. coli, Klebsiella & proteusbnsree
 

Destaque (6)

Urinocultura
UrinoculturaUrinocultura
Urinocultura
 
Aula bacteriologia
Aula   bacteriologiaAula   bacteriologia
Aula bacteriologia
 
Aulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologiaAulas práticas microbiologia
Aulas práticas microbiologia
 
Tsi test
Tsi testTsi test
Tsi test
 
Klebsiella
KlebsiellaKlebsiella
Klebsiella
 
E. coli, Klebsiella & proteus
E. coli, Klebsiella & proteusE. coli, Klebsiella & proteus
E. coli, Klebsiella & proteus
 

Semelhante a Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação

Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOlidypvh
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaIvson Cassiano
 
Bgn não fermentadores
Bgn não fermentadoresBgn não fermentadores
Bgn não fermentadoresLiana Leuck
 
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de GluconobacterIdentificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de GluconobacterEme Cê
 
Resumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinicaResumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinicaTamara Garcia
 
Generos Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira ProvaGeneros Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira Provalidypvh
 
Bioindicadores microbiologia ambiental.pdf
Bioindicadores microbiologia ambiental.pdfBioindicadores microbiologia ambiental.pdf
Bioindicadores microbiologia ambiental.pdfcrystyandias
 
Microbiologia Básica - Bactérias
Microbiologia Básica -  BactériasMicrobiologia Básica -  Bactérias
Microbiologia Básica - BactériasMichelle Alves
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasMessias Miranda
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosJosBarros59
 
Indicadores_de_qualidade_de_agua.ppt
Indicadores_de_qualidade_de_agua.pptIndicadores_de_qualidade_de_agua.ppt
Indicadores_de_qualidade_de_agua.pptIsabelMaria77
 

Semelhante a Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação (20)

Meios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãOMeios De Cultura E ColoraçãO
Meios De Cultura E ColoraçãO
 
Aula samonella
Aula samonellaAula samonella
Aula samonella
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
Bgn não fermentadores
Bgn não fermentadoresBgn não fermentadores
Bgn não fermentadores
 
Hicrome - HiMedia
Hicrome - HiMediaHicrome - HiMedia
Hicrome - HiMedia
 
3º Grupo-Mipa.pptx
3º Grupo-Mipa.pptx3º Grupo-Mipa.pptx
3º Grupo-Mipa.pptx
 
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de GluconobacterIdentificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
Identificação de produtos de oxidação de cepas de Gluconobacter
 
Resumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinicaResumo microbiologia-clinica
Resumo microbiologia-clinica
 
Cocos Gram positivos
Cocos Gram positivosCocos Gram positivos
Cocos Gram positivos
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Generos Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira ProvaGeneros Bacterianos Primeira Prova
Generos Bacterianos Primeira Prova
 
Bioindicadores microbiologia ambiental.pdf
Bioindicadores microbiologia ambiental.pdfBioindicadores microbiologia ambiental.pdf
Bioindicadores microbiologia ambiental.pdf
 
Microbiologia Básica - Bactérias
Microbiologia Básica -  BactériasMicrobiologia Básica -  Bactérias
Microbiologia Básica - Bactérias
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meios
 
Estafilococos
EstafilococosEstafilococos
Estafilococos
 
Indicadores_de_qualidade_de_agua.ppt
Indicadores_de_qualidade_de_agua.pptIndicadores_de_qualidade_de_agua.ppt
Indicadores_de_qualidade_de_agua.ppt
 

Mais de João Marcos

Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)João Marcos
 
Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...
Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...
Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...João Marcos
 
A interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoários
A interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoáriosA interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoários
A interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoáriosJoão Marcos
 
Leucemia Mielóide Crônica
Leucemia Mielóide CrônicaLeucemia Mielóide Crônica
Leucemia Mielóide CrônicaJoão Marcos
 

Mais de João Marcos (6)

Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
Hemograma em idosos (pacientes geriátricos)
 
Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...
Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...
Métodos de detecção de resistência bacteriana aos antimicrobianos em bacilos ...
 
A interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoários
A interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoáriosA interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoários
A interação de patógenos com a célula hospedeira: bactérias e protozoários
 
Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
 
Hemoglobinopatias
HemoglobinopatiasHemoglobinopatias
Hemoglobinopatias
 
Leucemia Mielóide Crônica
Leucemia Mielóide CrônicaLeucemia Mielóide Crônica
Leucemia Mielóide Crônica
 

Último

Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfanalucia839701
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdfLEANDROSPANHOL1
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptfernandoalvescosta3
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdfkathleenrichardanton
 

Último (14)

Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdfAromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções-Aromaterapia e emoções.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
63mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm7769.pdf
 
avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.pptos-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
os-principios-das-leis-da-genetica-ou-mendelianas.ppt
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdfMICROBIOLOGIA  aula  curso tecnico em enfermagem.pdf
MICROBIOLOGIA aula curso tecnico em enfermagem.pdf
 

Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação

  • 1. Universidade Federal do Pará Hospital Universitário João de Barros Barreto Laboratório de Análises Clínicas Estágio Supervisionado I João Marcos de Oliveira Belém 2016 Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
  • 2. Meios de cultura: inespecíficos Ágar Sangue → Isolamento não específico de microrganismos → Verificação de hemólise causada pelos microrganismos, especialmente de Streptococcus sp. e Staphylococcus sp. Ágar Chocolate → Isolamento não específico de microrganismos exigentes → sangue hemolisado: libera nutrientes fundamentais para o crescimento desses microrganismos Ex: Haemophilus sp., Neisseria sp. entre outros. João Marcos
  • 3. Ágar sangue: observação de hemólise α-hemólise β-hemólise γ-hemólise α-hemólise: lise parcial das hemácias. β-hemólise: lise total das hemácias. γ-hemólise: hemácias permanecem íntegras. Fonte das imagens: www.bacteriainphotos.com João Marcos
  • 4. Ágar chocolate Haemophilus influenzae em ágar chocolate. Fonte: Medical-Labs Neisseria meningitidis em ágar chocolate. Fonte: Flickr: Nathan Reading João Marcos
  • 5. Meios de cultura: inespecíficos Candida albicans Aspergillus fumigatusSporothrix schenckii Ágar Sabouraud → Meio com nutrientes que favorece o crescimento de diversos fungos leveduriformes e filamentosos. Como o meio não é seletivo, pode ocorrer contaminações por bactérias. → Para evitar que isso ocorra, alguns laboratórios optam por usar esse meio com um antibiótico na composição (Ex: gentamicina ou cloranfenicol). João Marcos
  • 6. Meios de cultura: inespecíficos Ágar CLED → Isolamento não específico e quantificação de microrganismos (bactérias e leveduras) presentes em amostras de urina → Permite identificar a fermentação da lactose pelas colônias. Escherichia coli Pseudomonas aeruginosaKlebsiella pneumoniae João Marcos
  • 7. Ágar MacConkey → Isolamento específico de bacilos Gram-negativos (enterobactérias e não fermentadores), além da observação de colônias fermentadoras de lactose. → inibe o crescimento de micro-organismos Gram-positivos, especialmente Enterococcus e Staphyococcus. Meios de cultura: específicos Meio original Escherichia coli Pseudomonas aeruginosa João Marcos
  • 8.
  • 9. Meios de cultura: específicos Ágar Salmonella-Shigella → Isolamento específico de bacilos, além da observação de colônias fermentadoras de lactose. Usado com a finalidade de isolar espécies de Salmonella e Shigella. → Devido a alguns de seus componentes - sais de bile, verde brilhante e citrato de sódio -, tem poder de inibição maior contra o crescimento de Enterococcus e Staphyococcus. Tiossulfato de sódio e o citrato férrico permitem evidenciar a coloração negra das colônias de Salmonella spp Meio original Salmonella spp. Shigella spp. João Marcos
  • 10. Meios de cultura: específicos Ágar Manitol → Isolamento específico de bactérias do gênero Staphylococcus. → Meio com alta concentração de sal, além de ter em sua composição indicador de pH. Meio original Staphylococcus aureus Staphylococcus epidermidis Fonte das imagens: Site Biomedicina Brasil João Marcos
  • 11. Meios de cultura: específicos Colônias de Pseudomonas aeruginosa em Ágar Cetrimide Fonte: BioMérieux Meio original Fonte: EO Labs Isolamento Ágar Cetrimide → Isolamento específico de Pseudomonas aeruginosa. → A cetrimida (brometo de cetiltrimetilamônio) é um composto quaternário de amônio que inibe um grande número de bactérias incluindo espécies de Pseudomonas exceto a aeruginosa. → A maioria das espécies de P. aeruginosa podem ser identificadas pelo odor característico parecido com uva da aminoacetofenona. João Marcos
  • 12. Meios de cultura: específicos Ágar Löwenstein Jensen → Isolamento de Mycobacterium spp.; o crescimento dessas colônias é lento. → Alta concentração de lipídios: utilização de ovos na produção do meio como fonte dessas moléculas. Cultivo Ágar Löwenstein Jensen Fonte: Biomedicina Brasil Mycobacterium tuberculosis em Löwenstein Jensen. Colônias com aspecto de fungos. João Marcos
  • 13. Meios de cultura: inespecíficos Ágar Mueller-Hinton → Isolamento não específico de microrganismos → Meio padrão para a realização de antibiograma pelo método de Kirby-Bauer (disco-difusão) → A sensibilidade é determinada a partir da medição dos halos de cada antimicrobiano. Cada antibiótico tem seus valores próprios de sensibilidade. João Marcos
  • 14. Antibiograma Valores de alguns antibióticos para antibiograma. Fonte: Laborclin João Marcos
  • 15. Coloração de Gram → A parede celular das bactérias Gram- positivas é formada principalmente por ácidos teicoicos e a das bactérias Gram-negativas, principalmente por lipídeos. → Por possuírem grande quantidade de ácidos teicoicos, as Gram-positivas formam um complexo corado azul intenso, que não é removido facilmente com álcool-acetona. → As Gram-negativas não retêm a coloração após o tratamento com álcool-acetona e são reveladas com solução de fucsina (coloração de contraste), ficando coradas de rosa. João Marcos Fucsina Procedimento para a realização da coloração de Gram em laboratório.
  • 16. Teste da catalase → A catalase é uma enzima que decompõe o peróxido de hidrogénio (H2O2) em água e gás oxigênio (O2). → Após a aplicação da solução de H2O2 à 3% , a produção de bolhas (devido à produção de O2) evidencia o resultado positivo para catalase. → Juntamente com a morfologia observada na coloração de Gram, ela ajuda a dar um direcionamento para as próximas provas de identificação. João Marcos Teste da catalase: a produção de bolhas ocorre em bactérias que possuem a enzima catalase.
  • 17. Teste da coagulase → Verifica a capacidade de microrganismos reagirem com o plasma e formarem um coágulo, já que a coagulase é uma proteína com atividade similar à protombrina, capaz de converter o fibrinogênio em fibrina. → Para o teste, utiliza plasma de coelho, que na presença de coagulase, irá formar coágulos no tubo. → Separa as espécies de Staphylococcus de importância clínica (S. aureus), que é coagulase positiva, das demais espécies do gênero (por serem coagulase negativa) João Marcos Teste da coagulase: a produção de coágulos no tubo ocorre na presença de Staphylococcus aureus. Na foto, o primeiro tubo mostra a presença do coágulo formado, enquanto no segundo não há formação do coágulo (o plasma continua no estado líquido)
  • 18. Coloração de Ziehl – Neelsen (BAAR) → Utilizada para o diagnóstico laboratorial de Micobactérias patogênicas (Mycobacterium tuberculosis e Mycobacterium leprae), por baciloscopia direta. → É uma coloração mais agressiva que o Gram. Essas bactérias são conhecidas como Bacilos Álcool-Ácido Resistentes (BAAR), e por isso são resistentes à coloração de Gram. Elas também possuem paredes celulares com alto teor de lipídios (cerca de 60%), o que diminui sua permeabilidade. Fucsina fenicada sobre a lâmina por 5 minutos e durante esse tempo, a lâmina deve ser aquecida 3 vezes, prestando muita atenção, pois o corante deve apenas emitir um leve vapor, não ferver. Álcool-ácido forte, descora todas as outras bactérias, com exceção das que são resistentes a ele (BAAR). Azul de metileno é o corante usado para a coloração de fundo. Toda a lâmina ficará colorida de azul, exceto BAAR, que estará rosa. João Marcos Coloração de Ziehl-Neelsen: BAAR corados de rosa. Na imagem, Mycobacterium tuberculosis.
  • 19. Meios de cultura: TSI (série bioquímica) Ágar TSI (Triple Sugar Iron Agar) → É utilizado para a diferenciação e identificação de bacilos Gram-negativos, com base na fermentação de carboidratos, produção de H2S e gás. Contém, em sua composição: → Três tipos de açucares: glicose, lactose e sacarose. → Vermelho de fenol: indicador de pH, para detecção da fermentação desses açucares. → Tiossulfato de ferro: detecção da produção de H2S (cor negra na base do tubo). → A fermentação é indicada pela mudança da cor do indicador de pH de vermelho para amarelo (pH ácido), e a produção de H2S enegrece a base do meio. João Marcos
  • 20. Série bioquímica: TSI Possíveis resultados do TSI após 24h de incubação. Fonte: http://web.clark.edu/tkibota/240/Unknowns/TSI.htm João Marcos
  • 21. ÁPICE BASE H2S GÁS Interpretação mais provável Vermelho Vermelha - - Sem crescimento: bactéria exigente. Vermelho Vermelha - - Crescimento na superfície: não fermentador ou Gram + Amarelo Vermelha - - Crescimento na superfície: Gram + ou esquecimento de picar a base Amarelo Amarela - + Enterobactérias ou Aeromonas Lac neg Amarelo Amarela + + Salmonella, Proteus, Morganella, Providencia e Citrobacter Possíveis resultados do TSI após 24h de incubação. Fonte: Agência Nacional de Vigilância Sanitária Reações ápice/base → Vermelho/amarelo: fermentação da glicose (lactose e sacarose negativos). → Amarelo/amarelo = fermentação da glicose + lactose e/ou sacarose (2 ou 3 açúcares). → Presença de gás (CO2) = bolhas ou meio fragmentado. → H2S positivo = cor negra na base. João Marcos
  • 22. Série bioquímica: Ureia → Determina a habilidade do microrganismo de degradar a ureia em duas moléculas de amônia pela ação da enzima urease. → Em caso de reação positiva, irá ocorrer alcalinização intensa do meio, tornando-o rosa pink. Teste da ureia: a coloração rosa pink indica reação positiva. Fonte: Wiki AIA 13-17 João Marcos
  • 23. Série bioquímica: meio SIM Ágar SIM (Sulfato/Indol/Motilidade Agar) → Determina a habilidade do micro-organismo de metabolizar o triptofano em indol. Triptofano é um aminoácido que pode ser degradado por certas bactérias resultando na produção de indol, que é evidenciado após a adição do reagente de Kovacs. → Com a picada em linha reta, é possível avaliar se a bactéria inoculada é imóvel ou não. Teste do indol após a adição do reativo de Kovacs Fonte: http://www.microbiologyinfo.com Teste da motilidade. O tubo à esquerda é positivo. João Marcos
  • 24. Série bioquímica: Fenilalanina → Algumas bactérias têm a capacidade de realizarem a desaminação oxidativa da fenilalanina através da enzima fenilalanina desaminase. → Como produto, formará o ácido fenilpirúvico, que, por ser ácido, irá acidificar o meio. → Para a leitura da prova, é necessário a utilização de cloreto férrico a 10%, que irá revelar o resultado do teste. Teste da fenilalanina após a adição do cloreto férrico. A reação é praticamente imediata e irá apresentar a cor verde quando for positiva. João Marcos
  • 25. Série bioquímica: Citrato Simmons → Verifica a capacidade da bactéria de utilizar o citrato de sódio como única fonte de carbono, juntamente com sais de amônia como fonte de nitrogênio. → No caso de reação positiva, haverá alteração do pH, que se torna alcalino e provoca a viragem do indicador de pH (azul de bromotimol) para azul. Alteração de pH do meio faz com que haja a mudança de cor Fonte: mi-cro-sco-pi-ca.blogspot.com João Marcos
  • 26. Série bioquímica: Caldo malonato → Determina a habilidade do microrganismo de utilizar malonato de sódio como única fonte de carbono, resultando em alcalinização do meio. → A cor original do meio é verde. Em reações positivas, há a viragem do indicador de pH e o caldo se torna azul. → Em reações negativas, o meio não sofre alterações e permanece verde. Caldo malonato: alteração de pH do meio faz com que haja a mudança de cor em reação positiva João Marcos
  • 27. Série bioquímica: Lisina descarboxilase Ágar Lisina Crescimento bacteriano → Há a fermentação de glicose com produção de ácido → acidifica o meio → o indicador de pH vira, fazendo o meio mudar de púrpura para amarelo. Se a bactéria possuir a enzima lisina descarboxilase: há a liberação de CO2 e descarboxilação da lisina com produção de cadaverina (composto alcalino) → neutraliza os ácidos produzidos na fermentação da glicose → alcaliniza o meio → viragem do indicador de pH novamente: o meio muda de amarelo e volta a ser púrpura (reação positiva). Teste da Lisina descarboxilase: o tubo amarelo (à direita) apresenta reação negativa. João Marcos
  • 28. Prova de identificação: DNAse Ágar DNAse → Cepas de alguns microrganismos produzem DNase e endonuclease termoestável. Essas enzimas hidrolisam o DNA contido no meio de cultura. → Azul de toluidina é adicionando à base do meio. João Marcos Serratia marcescens Staphylococcus aureus Staphylococcus epidermidis Escherichia coli Cor original do meio Resultado... Positivo: coloração rosa em volta da colônia. Negativo: O meio permanece inalterado.