SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE – ICS
DEPARTAMENTO DE BIOINTERAÇÃO
DISCIPLINA: IMUNOLOGIA I – ICS 045
Trabalho realizado pelo Doutorando de Imunologia da UFBA Bruno Lopes Bastos sob
orientação dos Professores Robert Schaer, Roberto Meyer, Cláudia Brodskin e
Ricardo Portela. Atualizado em Fevereiro de 2010.
Critérios de Validação
• A validade de um teste refere-se a quanto, em termos
quantitativos, um teste é útil para diagnosticar um evento
ou predizê-lo (validade preditiva).
• Para tal, compara-se os resultados do teste com os de um
padrão: o estado clínico do paciente (se a informação está
disponível), um conjunto de exames julgados mais
adequados, ou um ensaio de diagnóstico que sirva de
referência (Padrão ouro).
o DIAGNÓSTICO VERDADEIRO
• Isolamento do agente, associado a apresentação clínica
de sintomas.
• Padrão OURO – pode ser constituído pelo diagnóstico
verdadeiro, ou mesmo por um teste confiável e já
utilizado para o diagnóstico de determinada enfermidade,
geralmente predito como “gold standard” pela
Organização Mundial de Saúde, por exemplo.
o PROPRIEDADES DOS TESTES DE DIAGNÓSTICO
•O teste diagnóstico ideal deveria fornecer, sempre, a resposta
correta, ou seja, um resultado positivo dos indivíduos infectados
e um resultado negativo nos indivíduos sem infecção.
•Rápido de ser executado, seguro, simples, inócuo, confiável e de
baixo custo.
o AVALIAÇÃO DA VALIDADE DE UM TESTE
• Quando pesquisamos o status infeccioso de uma
pessoa/animal, estes podem ou não ter a infecção e o
resultado do teste diagnóstico pode ser positivo ou negativo.
Assim, podemos encontrar as seguintes situações:
Padrão Ouro
Teste em
Validação
Doente São TOTAL
Positivo
(anormal)
Verdadeiro
Positivo
(VP)
Falso Positivo
(FP)
Total de Exames
Positivos
Negativo
(normal)
Falso negativo
(FN)
Verdadeiro
Negativo
(VN)
Total de Exames
Negativos
TOTAL Total de Doentes Total de Sãos Total de Exames
... uma combinação binária entre os resultados prováveis obtidos em
um determinado teste e o diagnóstico verdadeiro da doença
Critérios de Validação
Sensibilidade Especificidade Eficiência
É o desempenho do teste quando
comparado a um teste de referência.
• Característicos do teste e não da população em estudo
• Fornecem resultados consistentes independente da
prevalência da doença
o SENSIBILIDADE
• É a porcentagem de pacientes com determinada
condição/doença para os quais, se o teste é utilizado, se
obtém resultados positivos.
• Quanto maior a sensibilidade, maior o poder do teste
de detectar a condição ou doença
Sensibilidade = VP
VP + FN
________
• Existem casos em que os pacientes estão com a
determinada infecção, o teste é utilizado e apresenta
resultado negativo. Estes casos denominam- se falsos
negativos, e são interpretados como uma falha na
sensibilidade do ensaio.
o ESPECIFICIDADE
• É a porcentagem dos indivíduos que não tem a condição/doença e
ao utilizar-se o teste apresenta resultados negativos.
• Os testes com alta especificidade ( 99%) e que são negativos em
indivíduos sadios ou que apresentam sintomas similares mas não
apresentam a infecção/doença, são muito úteis para confirmação o
diagnóstico.
Especificidade = VN
VN + FP
_______
• Podem ocorrer casos em que o indivíduo NÃO possuI determinada
infecção, mas apresenta resultado positivo em um ensaio de
diagnóstico. Esse resultado é visto como “falso-positivo” e é
relacionado a falhas na especificidade do ensaio.
• Quanto mais alta a especificidade, menor será a taxa de falso
positivos e menor será a proporção das pessoas desnecessariamente
preocupadas ou expostas a tratamentos indevidos.
• Em algumas situações ou condições em que há riscos de omitir ou
retardar tratamentos necessários, a proporção de falso negativos
pode ser inaceitável.
Combinação binária entre os resultados prováveis obtidos em um
determinado teste e o diagnóstico verdadeiro da doença
TESTE
DOENÇA – Diagnóstico verdadeiro
PRESENTE AUSENTE
POSITIVO
Verdadeiros positivos
(VP)
Falsos positivos (FP)
NEGATIVO Falsos negativos (FN)
Verdadeiros negativos
(VN)
TOTAL VP + FN FP + VN
SENSIBILIDADE ESPECIFICIDADE
o EFICIÊNCIA
• É a porcentagem correta de resultados do testes,
verdadeiros positivos e negativos.
• Em economia da saúde, ao comparar produtos,
eficiência inclui a variável custo, indicando o mesmo ou
maior efeito pelo menor custo.
Eficiência = VP + VP
VP + VN + FP + FN
________________
É a probabilidade que um paciente com um teste
positivo tenha efetivamente a condição ou
doença, baseada na PREVALÊNCIA da infecção
ou doença na população estudada.
Probabilidade da doença se o teste
é positivo.
VPP = VP
VP + FP
________
• Mede a probabilidade de obter "verdadeiros negativos": sem a
condição ou doença nos quais se obtém resultados negativos,
baseado na PREVALÊNCIA desta infecção nesta população.
• Enquanto a sensibilidade e a especificidade de um teste são
constantes na população em estudo sempre que testadas, o valor
predito varia com a sensibilidade e com a prevalência.
Probabilidade da doença se o teste
é negativo.
VPN = VN
VN + FN
________
É a capacidade do teste em detectar a real situação da
população em relação à doença que está sendo estudada.
Também avalia o desempenho do teste em uma dada
população.
Precisão Acurácia ou
exatidão
Reprodutibilidade
o PRECISÃO
•É um parâmetro que determina existir concordância dos
resultados obtidos quando um mesmo teste é feito várias vezes.
• Mede o erro acidental do método, que corresponde ao erro
experimental acumulado (erro aleatório).
• É a repepetitividade dos resultados ao repetir o teste várias
vezes em circunstâncias similares. A precisão não implica acurácia!
o ACURÁCIA OU EXATIDÃO
• É um parâmetro que determina a capacidade do teste em
fornecer resultados muito próximos ao verdadeiro valor do que se
está medindo.
• Mede o erro sistemático ou a tendência dos resultados de se
desviarem em uma dada direção e proporção em relação ao valor
real.
• É a habilidade o teste de obter resultados similares ao teste
padrão (Padrão OURO).
o REPRODUTIBILIDADE
• É a obtenção de resultados iguais em testes realizados
com a mesma amostra de material biológico, quando feitos
por pessoas diferentes em locais variados e se garante
quando a precisão e a exatidão são sempre avaliadas.
• Desvio padrão
• Coeficiente de variação
• Coeficientes de correlação (Pearson, Spearman)
• Variância entre medidas
Critérios de Validação
Critérios de Validação
Critérios de Validação
Critérios de Validação
Critérios de Validação
Critérios de Validação
Critérios de Validação
• Limiar de reatividade ou cut-off é a região de corte do teste
sorológico.
• Ou seja, é um valor acima do qual temos menos resultados
falso-positivos, e abaixo do qual temos menos resultados
falso-negativos, ou seja, é um valor de referência para
termos uma mellhor discriminação entre infectados e não
infectados.
Curva de distribuição da freqüência de títulos normalmente
observada na população
Cut -off ou
limiar de reatividade
Falso-Positivos
Falso-Negativos
Imagine que você trabalha num banco de sangue e precisa
selecionar um teste para detectar determinado antígeno...
Onde seria o limiar de reatividade ou cut off?
Ponto de máxima sensibilidade
Pode aumentar o número
de resultados FALSO-
POSITIVOS!!
Este teste não pode apresentar resultados falso-positivos
Então deverá ter máxima.... SENSIBILIDADE !!! Portanto:
Imagine que você trabalha num laboratório de análises clínicas e precisa
selecionar um teste para detectar determinado antígeno...
Onde seria o limiar de reatividade ou cut off?
Ponto de máxima especificidade
Este teste deverá ter máxima....
Pode aumentar o número
de resultados FALSO-
NEGATIVOS!!
ESPECIFICIDADE!!! Portanto:
Critérios de Validação
• Houve comparação independente com um padrão de
referência?
• A amostra de indivíduos estudados incluiu um
espectro apropriado de pacientes, semelhante ao da
prática clínica?
• Os resultados do teste sob avaliação influenciaram a
decisão do teste tido como padrão de referência?
• Os métodos para a realização do teste foram detalhados o
suficiente para permitir reprodução?
• As propriedades do teste foram apresentadas e sua precisão
determinada?
• A reprodutibilidade do teste e sua interpretação poderão
satisfazer à prática clínica?
• Os resultados são aplicáveis e mudam a conduta clínica?
• Os pacientes ganharão com o resultado do teste?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula
AulaAula
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
Ricardo Portela
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
Arley Melo
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
Dr. Rafael Higashi
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
Ingrid Travassos
 
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
Ricardo Portela
 
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
Lilian Keila Alves
 
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Universidade de Brasília
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
pauloalambert
 
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemiasTrabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Enfermagem Florence
 
Aula 4 estudos de coorte
Aula 4   estudos de coorteAula 4   estudos de coorte
Aula 4 estudos de coorte
Ricardo Alexandre
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
Flavio Salomao-Miranda
 
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressedAula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Francis Silva
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
Yuli Maia
 
Sensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e EspecificidadeSensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e Especificidade
Daniela Frizon Alfieri
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
Fábio Baía
 
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde PúblicaO Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
Bruno Castro
 
Semiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicadaSemiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicada
Centro Universitário Ages
 
CQ
CQCQ
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
Francismar Prestes Leal
 

Mais procurados (20)

Aula
AulaAula
Aula
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
 
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnósticoICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
ICSA17 - Critérios de validação imunodiagnóstico
 
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos2ª aula   qualidade, controle e metodos analiticos
2ª aula qualidade, controle e metodos analiticos
 
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios Automação em imunoensaios  Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
Automação em imunoensaios Parâmetros e controle da qualidade de imunoensaios
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemiasTrabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
Trabalho técnico em enfermagem Hemograma em anemias
 
Aula 4 estudos de coorte
Aula 4   estudos de coorteAula 4   estudos de coorte
Aula 4 estudos de coorte
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
 
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressedAula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
Aula 5-indicadores-de-saude-e-estatisticas-vitais-i-v.2.3.compressed
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
 
Sensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e EspecificidadeSensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e Especificidade
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde PúblicaO Laboratório na Prática da Saúde Pública
O Laboratório na Prática da Saúde Pública
 
Semiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicadaSemiologia e patologia aplicada
Semiologia e patologia aplicada
 
CQ
CQCQ
CQ
 
2 Anemias - Visão Geral
2  Anemias - Visão Geral2  Anemias - Visão Geral
2 Anemias - Visão Geral
 

Destaque

Elisa
ElisaElisa
Resposta inata
Resposta inataResposta inata
Resposta inata
LABIMUNO UFBA
 
Ri virus helmintos
Ri virus helmintosRi virus helmintos
Ri virus helmintos
LABIMUNO UFBA
 
Aspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumoresAspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumores
LABIMUNO UFBA
 
Citometria de fluxo
Citometria de fluxoCitometria de fluxo
Citometria de fluxo
LABIMUNO UFBA
 
Resposta imune infecções
Resposta imune infecçõesResposta imune infecções
Resposta imune infecções
LABIMUNO UFBA
 
Métodos
MétodosMétodos
Métodos
Vitor Obara
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Aglutinacao
AglutinacaoAglutinacao
Aglutinacao
LABIMUNO UFBA
 
Órgãos linfóides
Órgãos linfóidesÓrgãos linfóides
Órgãos linfóides
LABIMUNO UFBA
 
Teste elisa
Teste elisa Teste elisa
Teste elisa
dbarrosr
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
LABIMUNO UFBA
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
LABIMUNO UFBA
 
Radioimunoensaio
RadioimunoensaioRadioimunoensaio
Radioimunoensaio
LABIMUNO UFBA
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
Aline Garcia
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
LABIMUNO UFBA
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
LABIMUNO UFBA
 
Validade e fidedignidade
Validade e fidedignidadeValidade e fidedignidade
Validade e fidedignidade
Prof. Noe Assunção
 
Sistema complemento
Sistema complementoSistema complemento
Sistema complemento
LABIMUNO UFBA
 

Destaque (20)

Elisa
ElisaElisa
Elisa
 
Resposta inata
Resposta inataResposta inata
Resposta inata
 
Ri virus helmintos
Ri virus helmintosRi virus helmintos
Ri virus helmintos
 
Aspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumoresAspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumores
 
Citometria de fluxo
Citometria de fluxoCitometria de fluxo
Citometria de fluxo
 
Resposta imune infecções
Resposta imune infecçõesResposta imune infecções
Resposta imune infecções
 
Métodos
MétodosMétodos
Métodos
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Apostila de imunologia
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Aglutinacao
AglutinacaoAglutinacao
Aglutinacao
 
Órgãos linfóides
Órgãos linfóidesÓrgãos linfóides
Órgãos linfóides
 
Teste elisa
Teste elisa Teste elisa
Teste elisa
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Radioimunoensaio
RadioimunoensaioRadioimunoensaio
Radioimunoensaio
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
 
Precipitacao
PrecipitacaoPrecipitacao
Precipitacao
 
Validade e fidedignidade
Validade e fidedignidadeValidade e fidedignidade
Validade e fidedignidade
 
Sistema complemento
Sistema complementoSistema complemento
Sistema complemento
 

Semelhante a Critérios de Validação

Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Vic Fernandes
 
Hep 141
Hep 141Hep 141
Hep 141
gisa_legal
 
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
CONITEC
 
Testesdiagnóstcos22 05
Testesdiagnóstcos22 05Testesdiagnóstcos22 05
Testesdiagnóstcos22 05
Inaiara Bragante
 
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebralCobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Carlos Ladeira
 
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
Vic Fernandes
 

Semelhante a Critérios de Validação (6)

Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
 
Hep 141
Hep 141Hep 141
Hep 141
 
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
Utilidade dos testes diagnosticos para decisões em saúde
 
Testesdiagnóstcos22 05
Testesdiagnóstcos22 05Testesdiagnóstcos22 05
Testesdiagnóstcos22 05
 
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebralCobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
 
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
EQUIPAMENTO MÉDICO PORTÁTIL PARA ACOMPANHAMENTO DO COMPROMETIMENTO MOTOR EM P...
 

Mais de LABIMUNO UFBA

Tolerância
TolerânciaTolerância
Tolerância
LABIMUNO UFBA
 
Imunidades das mucosas
Imunidades das mucosasImunidades das mucosas
Imunidades das mucosas
LABIMUNO UFBA
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IV
LABIMUNO UFBA
 
Resposta imune celular
Resposta imune celularResposta imune celular
Resposta imune celular
LABIMUNO UFBA
 
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenosProcessamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
LABIMUNO UFBA
 
MHC
MHCMHC
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
LABIMUNO UFBA
 
Ativação das células T
Ativação das células TAtivação das células T
Ativação das células T
LABIMUNO UFBA
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
LABIMUNO UFBA
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
LABIMUNO UFBA
 
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e SecundáriosOrgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
LABIMUNO UFBA
 
ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1
ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1
ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1
LABIMUNO UFBA
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
Introducao Imunobiotecnologia
Introducao ImunobiotecnologiaIntroducao Imunobiotecnologia
Introducao Imunobiotecnologia
LABIMUNO UFBA
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
LABIMUNO UFBA
 
Infecções
InfecçõesInfecções
Infecções
LABIMUNO UFBA
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
LABIMUNO UFBA
 
Tolerância
TolerânciaTolerância
Tolerância
LABIMUNO UFBA
 

Mais de LABIMUNO UFBA (19)

Tolerância
TolerânciaTolerância
Tolerância
 
Imunidades das mucosas
Imunidades das mucosasImunidades das mucosas
Imunidades das mucosas
 
Hipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IVHipersensibilidade II ,III e IV
Hipersensibilidade II ,III e IV
 
Resposta imune celular
Resposta imune celularResposta imune celular
Resposta imune celular
 
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenosProcessamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
 
MHC
MHCMHC
MHC
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Ativação das células T
Ativação das células TAtivação das células T
Ativação das células T
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
 
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e SecundáriosOrgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
 
ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1
ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1
ICS – A46 Imunologia Básica - 2010-1
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Introducao Imunobiotecnologia
Introducao ImunobiotecnologiaIntroducao Imunobiotecnologia
Introducao Imunobiotecnologia
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Infecções
InfecçõesInfecções
Infecções
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
 
Tolerância
TolerânciaTolerância
Tolerância
 

Critérios de Validação

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE – ICS DEPARTAMENTO DE BIOINTERAÇÃO DISCIPLINA: IMUNOLOGIA I – ICS 045 Trabalho realizado pelo Doutorando de Imunologia da UFBA Bruno Lopes Bastos sob orientação dos Professores Robert Schaer, Roberto Meyer, Cláudia Brodskin e Ricardo Portela. Atualizado em Fevereiro de 2010.
  • 3. • A validade de um teste refere-se a quanto, em termos quantitativos, um teste é útil para diagnosticar um evento ou predizê-lo (validade preditiva). • Para tal, compara-se os resultados do teste com os de um padrão: o estado clínico do paciente (se a informação está disponível), um conjunto de exames julgados mais adequados, ou um ensaio de diagnóstico que sirva de referência (Padrão ouro).
  • 4. o DIAGNÓSTICO VERDADEIRO • Isolamento do agente, associado a apresentação clínica de sintomas. • Padrão OURO – pode ser constituído pelo diagnóstico verdadeiro, ou mesmo por um teste confiável e já utilizado para o diagnóstico de determinada enfermidade, geralmente predito como “gold standard” pela Organização Mundial de Saúde, por exemplo.
  • 5. o PROPRIEDADES DOS TESTES DE DIAGNÓSTICO •O teste diagnóstico ideal deveria fornecer, sempre, a resposta correta, ou seja, um resultado positivo dos indivíduos infectados e um resultado negativo nos indivíduos sem infecção. •Rápido de ser executado, seguro, simples, inócuo, confiável e de baixo custo.
  • 6. o AVALIAÇÃO DA VALIDADE DE UM TESTE • Quando pesquisamos o status infeccioso de uma pessoa/animal, estes podem ou não ter a infecção e o resultado do teste diagnóstico pode ser positivo ou negativo. Assim, podemos encontrar as seguintes situações:
  • 7. Padrão Ouro Teste em Validação Doente São TOTAL Positivo (anormal) Verdadeiro Positivo (VP) Falso Positivo (FP) Total de Exames Positivos Negativo (normal) Falso negativo (FN) Verdadeiro Negativo (VN) Total de Exames Negativos TOTAL Total de Doentes Total de Sãos Total de Exames ... uma combinação binária entre os resultados prováveis obtidos em um determinado teste e o diagnóstico verdadeiro da doença
  • 9. Sensibilidade Especificidade Eficiência É o desempenho do teste quando comparado a um teste de referência. • Característicos do teste e não da população em estudo • Fornecem resultados consistentes independente da prevalência da doença
  • 10. o SENSIBILIDADE • É a porcentagem de pacientes com determinada condição/doença para os quais, se o teste é utilizado, se obtém resultados positivos. • Quanto maior a sensibilidade, maior o poder do teste de detectar a condição ou doença Sensibilidade = VP VP + FN ________
  • 11. • Existem casos em que os pacientes estão com a determinada infecção, o teste é utilizado e apresenta resultado negativo. Estes casos denominam- se falsos negativos, e são interpretados como uma falha na sensibilidade do ensaio.
  • 12. o ESPECIFICIDADE • É a porcentagem dos indivíduos que não tem a condição/doença e ao utilizar-se o teste apresenta resultados negativos. • Os testes com alta especificidade ( 99%) e que são negativos em indivíduos sadios ou que apresentam sintomas similares mas não apresentam a infecção/doença, são muito úteis para confirmação o diagnóstico. Especificidade = VN VN + FP _______
  • 13. • Podem ocorrer casos em que o indivíduo NÃO possuI determinada infecção, mas apresenta resultado positivo em um ensaio de diagnóstico. Esse resultado é visto como “falso-positivo” e é relacionado a falhas na especificidade do ensaio. • Quanto mais alta a especificidade, menor será a taxa de falso positivos e menor será a proporção das pessoas desnecessariamente preocupadas ou expostas a tratamentos indevidos. • Em algumas situações ou condições em que há riscos de omitir ou retardar tratamentos necessários, a proporção de falso negativos pode ser inaceitável.
  • 14. Combinação binária entre os resultados prováveis obtidos em um determinado teste e o diagnóstico verdadeiro da doença TESTE DOENÇA – Diagnóstico verdadeiro PRESENTE AUSENTE POSITIVO Verdadeiros positivos (VP) Falsos positivos (FP) NEGATIVO Falsos negativos (FN) Verdadeiros negativos (VN) TOTAL VP + FN FP + VN SENSIBILIDADE ESPECIFICIDADE
  • 15. o EFICIÊNCIA • É a porcentagem correta de resultados do testes, verdadeiros positivos e negativos. • Em economia da saúde, ao comparar produtos, eficiência inclui a variável custo, indicando o mesmo ou maior efeito pelo menor custo. Eficiência = VP + VP VP + VN + FP + FN ________________
  • 16. É a probabilidade que um paciente com um teste positivo tenha efetivamente a condição ou doença, baseada na PREVALÊNCIA da infecção ou doença na população estudada. Probabilidade da doença se o teste é positivo. VPP = VP VP + FP ________
  • 17. • Mede a probabilidade de obter "verdadeiros negativos": sem a condição ou doença nos quais se obtém resultados negativos, baseado na PREVALÊNCIA desta infecção nesta população. • Enquanto a sensibilidade e a especificidade de um teste são constantes na população em estudo sempre que testadas, o valor predito varia com a sensibilidade e com a prevalência. Probabilidade da doença se o teste é negativo. VPN = VN VN + FN ________
  • 18. É a capacidade do teste em detectar a real situação da população em relação à doença que está sendo estudada. Também avalia o desempenho do teste em uma dada população. Precisão Acurácia ou exatidão Reprodutibilidade
  • 19. o PRECISÃO •É um parâmetro que determina existir concordância dos resultados obtidos quando um mesmo teste é feito várias vezes. • Mede o erro acidental do método, que corresponde ao erro experimental acumulado (erro aleatório). • É a repepetitividade dos resultados ao repetir o teste várias vezes em circunstâncias similares. A precisão não implica acurácia!
  • 20. o ACURÁCIA OU EXATIDÃO • É um parâmetro que determina a capacidade do teste em fornecer resultados muito próximos ao verdadeiro valor do que se está medindo. • Mede o erro sistemático ou a tendência dos resultados de se desviarem em uma dada direção e proporção em relação ao valor real. • É a habilidade o teste de obter resultados similares ao teste padrão (Padrão OURO).
  • 21. o REPRODUTIBILIDADE • É a obtenção de resultados iguais em testes realizados com a mesma amostra de material biológico, quando feitos por pessoas diferentes em locais variados e se garante quando a precisão e a exatidão são sempre avaliadas. • Desvio padrão • Coeficiente de variação • Coeficientes de correlação (Pearson, Spearman) • Variância entre medidas
  • 29. • Limiar de reatividade ou cut-off é a região de corte do teste sorológico. • Ou seja, é um valor acima do qual temos menos resultados falso-positivos, e abaixo do qual temos menos resultados falso-negativos, ou seja, é um valor de referência para termos uma mellhor discriminação entre infectados e não infectados.
  • 30. Curva de distribuição da freqüência de títulos normalmente observada na população Cut -off ou limiar de reatividade Falso-Positivos Falso-Negativos
  • 31. Imagine que você trabalha num banco de sangue e precisa selecionar um teste para detectar determinado antígeno... Onde seria o limiar de reatividade ou cut off? Ponto de máxima sensibilidade Pode aumentar o número de resultados FALSO- POSITIVOS!! Este teste não pode apresentar resultados falso-positivos Então deverá ter máxima.... SENSIBILIDADE !!! Portanto:
  • 32. Imagine que você trabalha num laboratório de análises clínicas e precisa selecionar um teste para detectar determinado antígeno... Onde seria o limiar de reatividade ou cut off? Ponto de máxima especificidade Este teste deverá ter máxima.... Pode aumentar o número de resultados FALSO- NEGATIVOS!! ESPECIFICIDADE!!! Portanto:
  • 34. • Houve comparação independente com um padrão de referência? • A amostra de indivíduos estudados incluiu um espectro apropriado de pacientes, semelhante ao da prática clínica? • Os resultados do teste sob avaliação influenciaram a decisão do teste tido como padrão de referência?
  • 35. • Os métodos para a realização do teste foram detalhados o suficiente para permitir reprodução? • As propriedades do teste foram apresentadas e sua precisão determinada? • A reprodutibilidade do teste e sua interpretação poderão satisfazer à prática clínica? • Os resultados são aplicáveis e mudam a conduta clínica? • Os pacientes ganharão com o resultado do teste?