11 petct no câncer de pulmão, esôfago e reto

1.082 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.082
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

11 petct no câncer de pulmão, esôfago e reto

  1. 1. 1° Fórum Goiano de Oncologia PET/CT no Câncer de Pulmão, Esôfago e Reto Goiania - 01/09/2012Marcus V. Grigolon
  2. 2. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Captação de FDG-18F varia conforme tipo histológico• Quanto mais indiferenciado ou agressivo, maior será a intensidade de captação
  3. 3. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão Tipos de Adenocarcinomas BAC = bronquíolo-alveolar Well = bem diferenciado Mod. = diferenciação moderada Poorly = poucodiferenciado[Modificado de Higasi K et al., AnnNucl Med 2003; 17: 1-14]
  4. 4. PET-FDG-18F emCâncer de Pulmão SUV x Tipo Histológico Aquino SL et al. Int J Mol Med 2007; 19(3):495-9
  5. 5. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Intensidade de captação também pode predizer velocidade de crescimento• 55 pacientes estadio I• Relação significativa entre SUV e DT (p < 0,05) Tann M et al. Clin Radiol 2008; 63(8):856-63
  6. 6. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Informação prognóstica• Quanto maior intensidade de captação, pior prognóstico• Maior chance de metástases
  7. 7. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão Carcinoma de Não Pequenas Células (NSCLC) Sobrevida vs SUV[Modificado de Higasi K et al., AnnNucl Med 2003; 17: 1-14]
  8. 8. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• 96 pacientes com NSCLC estadios I e II ressecados• SUV maior em estadio II que I (p < 0,04) Hanin FX et al. Eur J Cardiothorac Surg 2008; 33(5):819-23
  9. 9. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Sobrevida média maior em SUVs menores (127 x 69 meses, p < 0,001)• Sobrevida livre de doença também melhor (96,1 x 87,7 meses, p < 0,01) Hanin FX et al. Eur J Cardiothorac Surg 2008; 33(5):819-23
  10. 10. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• 136 pacientes com NSCLC estadio I• SUV > 5,5 pré-operatório é preditor independente para recidiva (p < 0,002) e morte (p < 0,04) Goodgame B et al. J Thorac Oncol 2008; 3(2):130-4.
  11. 11. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• 107 pacientes com NSCLC T1 (EC IA–IV)• Aumento significativo na probabilidade de metástases na apresentação com aumento de cada ponto de SUV (p < 0,001) Li M et al. Lung Cancer 2008 Jul 15. [Epub ahead of print]
  12. 12. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Fenômeno Will Rogers• Mudança de estadio III para IV na era PET levou a aparente melhora na sobrevida destes dois grupos• 12395 pacientes (1994-2004) Chee KG et al. Arch Intern Med 2008; 168(14):1541-1549
  13. 13. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Fenômeno Will Rogers• Declínio de 5,4% no número de pacientes estadio III• Aumento de 8,4% no número de pacientes estadio IV• Aumento no uso do PET de 6,3% para 20,1% Chee KG et al. Arch Intern Med 2008; 168(14):1541-1549
  14. 14. PET-FDG-18F emCâncer de Pulmão Chee KG et al. Arch Intern Med 2008; 168(14):1541-1549
  15. 15. PET-FDG-18F emCâncer de Pulmão Chee KG et al. Arch Intern Med 2008; 168(14):1541-1549
  16. 16. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Estadiamento mediastinal• Se não houver metástases à distância (M0), N define tratamento e prognóstico• Pode ser não invasivo ou invasivo
  17. 17. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• ACCP 2007 (não invasivo)• Estadiamento mediastinal• CT – S = 51% E = 85%• PET – S = 74% E = 85% Silvestri GA et al. Chest 2007; 132(3 Suppl):178S-201S
  18. 18. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Estadiamento mediastinal Rigo P et al. Positron Emission Tomography. Clinical Practice. Springer 2006. p. 89-106
  19. 19. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Avaliação mediastinal• Estudo prospectivo• 153 pacientes clinicamente N2 negativos• 136 N0 por PET/CT e CT – 2,9% N2 por mediastinoscopia – 3,6% N2 por EUS-FNA Cerfolio RJ et al. Chest 2006; 130(6):1791-5
  20. 20. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• 17 N1 por PET/CT e CT – 17,6% N2 por mediastinoscopia – 23,5% N2 por EUS-FNA• Não recomenda mediastinoscopia ou EUS-FNA se N0 por PET/CT e CT• Se N1 por PET/CT e CT e/ou tumores de lobos superiores ou tumores com SUV > 10,0, recomenda Cerfolio RJ et al. Chest 2006; 130(6):1791-5
  21. 21. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Meta-análise com 10 estudos e 1122 pacientes• EC1 (T1-2 N0)• VPN PET/CT: T1 – 94% T2 – 89% T1+T2 – 93%• Tipo histológico e captação FDG no tumor primário > risco para metástases linfonodais ocultas Wang et al. Clin Lung Cancer. 2012 Mar;13(2):81-9. Epub 2011 Nov 3
  22. 22. PET-FDG-18F em Câncer de PulmãoPET/CT pode auxiliar o estadiamento invasivo:• Guiar biópsia em pacientes potencialmente operáveis (II ou IIIa)• Detectar LNs inacessíveis pela mediastinoscopia convencional – 57% são falso-negativas devido a LNs inacessíveis
  23. 23. PET-FDG-18F em Câncer de PulmãoPET/CT pode auxiliar o estadiamento invasivo:• Indicar outro tipo de procedimento diagnóstico • Chamberlain (mediastinotomia anterior) • Videotoracoscopia • Biópsia transbrônquica • Biópsia com USG, CT ou EUS-FNA • Core-needle biopsy
  24. 24. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Guidelines para estadiamento• ACCP (American College of Chest Physicians) – CHEST 2007; 132(supl):178-201• NCCN 2012 (National Comprehensive Cancer Network) – http://www.nccn.com
  25. 25. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• Ambos já colocam o PET-FDG na rotina do estadiamento do câncer de pulmão• EC I-IV• Nível de recomendação alto, com excessão EC IA• PET positivo precisa de confirmação
  26. 26. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• PET/CT – Mais acurado que a CT – Não é perfeito – Corpo inteiro – metástases a distância Silvestri GA et al. Chest 2007; 132(3 Suppl):178S-201S
  27. 27. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• PET/CT – Mediastino: mediastinoscopia é padrão ouro – Mais sensível e menos específico em linfonodos grandes – Menos sensível e mais específico em linfonodos normais Silvestri GA et al. Chest 2007; 132(3 Suppl):178S-201S
  28. 28. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• PET – Taxa de detecção de metástase insuspeita em EC I é de 1 – 8% e em EC II é de 7 – 18% – Achados positivos devem ser confirmados por biópsia ou outros métodos Silvestri GA et al. Chest 2007; 132(3 Suppl):178S-201S
  29. 29. PET-FDG-18F em Câncer de Pulmão• PET – Metástases à distância – Não há necessidade de cintilografia óssea • PET mais sensível, específico e acurado*• Não serve para avaliação cerebral *Cheran SK et al. Lung Cancer. 2004 Jun;44(3):317-25
  30. 30. HAS22/05/2007
  31. 31. HAS22/05/2007
  32. 32. HAS22/05/2007
  33. 33. HAS22/05/2007
  34. 34. AAG25/11/2007
  35. 35. PET/CT- FDG-18F EM CÂNCER RETAL• Indicações: Detecção de metástases hepáticas e extra-hepáticas no estadiamento primário Aumento do CEA sem motivo conhecido (CT e RM negativos) Lesão indeterminada nas imagens convencionais Estadiamento pré-operatório antes de remover recidiva Distinção entre recidiva local e fibrose Delbeke D, Martin WH. Radiol Clin North Am 2001; 39: 883-17
  36. 36. PET/CT- FDG-18F EM CÂNCER RETAL• Nao há indicação na rotina do estadiamento inicial• NCCN 2012• Se o estadiamento inicial mostrar lesão metastática sincrônica potencialmente ressecável, fazer o PET/CT
  37. 37. PET - FDG-18F EM CÂNCER COLORRETAL• 43 pacientes com metástases hepáticas potencialmenteressecáveis• Lesões adicionais detectadas em 10 pacientes com PET-FDG-18F• PET-FDG-18F permitiu seleção melhor dos pacientes paracirurgia – OS e DFS melhores que grupos semelhantes depacientes avaliados somente por métodos convencionais deimagem Strasberg SM et al. Ann Surg 2001; 233:293-9.
  38. 38. PET - FDG-18F EM CÂNCER COLORRETAL• 114 pacientes com câncer colo-retal avançado.• 42 pacientes com doença ressecável com base na CT.• PET alterou a terapia em 17 (40%) dos 42 pacientes,seja por achar doença extra-hepática, envolvimentobilobar, torácico, ósseo, supra-clavicular oulinfoadenopatia retroperitoneal. Desai DC, et al. Ann Surg Oncol 2003; 10:59-64
  39. 39. PET - FDG-18F EM CÂNCER COLORRETAL• 71 pacientes com câncer colorretal com metástaseshepáticas potencialmente ressecáveis• PET alterou a terapia em 17 (24%) dos casos Joyce DL at al. Arch Surg 2006 Dec;141(12):1220-6
  40. 40. Câncer de Esôfago• Esôfago: a maioria dos tumores são carcinomasepidermóides• TEG: adenocarcinomas• Tumores com alta captação de FDG-18F• NCCN 2012: PET/CT indicado na avaliação inicial
  41. 41. Câncer de Esôfago• Estudo prospectivo com 74 pacientes• 43 – Esôfago, 31 – TEG• PET melhora a detecção de EC IV (82% x 64%)• Melhora a especificidade no estadiamento nodal (98% x90%) Flamen et al. J Clin Oncol 2000 Sep 15;18(18):3202-10.
  42. 42. Câncer de Esôfago• Estudo prospectivo com 48 pacientes• PET/CT x EUS-FNA• PET/CT mais acurado para predição de status nodal (93%x 78%) e para respondedores pós-QTX neoadjuvante (89%x 67%) Cerfolio RJ et al. J Thorac Cardiovasc Surg 2005 Jun;129(6):1232-41
  43. 43. Câncer de Esôfago• Captação de FDG é fator preditivo independente para OS• SUV >= 4,5 – 5-year OS 47%• SUV < 4,5 – 5-year OS 76%• p < 0,0001 Kato H et al. Cancer. 2009 Jul 15;115(14):3196-203.
  44. 44. Obrigado!!

×