SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
ENTREVISTA MOTIVACIONAL
Ricardo Alexandre de Souza
MFC MSc
Professor UFSJ
Núcleo:
Pessoas não são boas nem más, são pessoas. A relação médico paciente exige que
nos dispamos de crenças e lidemos com o outro sem julgamentos. Simplesmente
aceitemos o outro.
OBJETIVOS DIDÁTICOS
POR QUE AS PESSOAS MUDAM?
Antes do compromisso,
há hesitação, a oportunidade de recuar,
uma ineficácia permanente.
Em todo ato de iniciativa (e de criação),
há uma verdade elementar
cujo desconhecimento destrói muitas ideias
e planos esplêndidos.
No momento em que nos comprometemos
de fato, a providência também age.
Ocorre toda espécie de coisas para nos ajudar,
coisas que de outro modo nunca ocorreriam.
Toda uma cadeia de eventos emana da decisão,
J.W. Goethe – Ante o Compromisso
POR QUE AS PESSOAS MUDAM?
Mudança natural
Efeitos das intervenções breves
Dose efeito
Efeito da fé e da esperança
Efeito do aconselhamento
• Ready, Willing and Able
• Willing (Desejo): a importância da
mudança
• Able: Confiança na mudança
• Ready: Uma questão de prioridades
O QUE DISPARA A MUDANÇA?
• O que você faria se precisasse que alguém mudasse seu comportamento?
AMBIVALÊNCIA
• Conflito-Conflito
• Aproximação-Aproximação
• Aproximação-Conflito
• Aproximação-Conflito duplo
BALANÇA DECISIONAL
Curso da
mudança
Benefício do
Status Quo
Custo do Status
Quo
Benefícios da
mudança
ARGUMENTAÇÃO POR ENFRENTAMENTO
Ambivalente Correto
MOTIVAÇÃO
Fonte da Charge: http://motivacsoesamc.blogspot.com.br/2011/05/motivacao-e-uma-forca-interna-que.html
Motivação é um processo
interpessoal, que depende
de duas pessoas.
DISCREPÂNCIA
• Um homem define seu dia para parar de fumar depois de um dia em que foi pegar
as crianças na biblioteca da cidade. O homem procura em seus bolsos e encontro
um problema familiar: está sem cigarros. Continuando a dirigir seu carro ele vê de
relance que sua criança está saindo mulher na chuva, mas ele continua em direção à
esquina, certo que dará tempo de correr e comprar cigarros, antes que as crianças
fiquem encharcadas. A visão dele mesmo como pai que poderia ”realmente deixar
as crianças na chuva enquanto vai atrás cigarros ” foi… humilhante e ele parou de
fumar.
DISCURSO AUTO MOTIVACIONAL
Assim o desafio é primeiro intensificar e então resolver a ambivalência por
Desenvolver a discrepância entre o presente e o futuro desejado.
Perguntas como...
• Por que você não muda?
• Como você pode me dizer que não tem um problema?
• Por que você não...
• Por que você apenas não...
...Só irão fazer você se tornar o Correto
DISCURSO AUTO MOTIVACIONAL
As mudanças são facilitadas pela comunicação de uma forma que explicite as razões
pessoais para a vantagem da mudança. Caindo em quatro categorias:
1. Desvantagens do Status quo
2. Vantagens da mudança
3. Otimismo para a mudança
4. Intenção de mudar
DEFINIÇÃO
DEFINIÇÃO
Entrevista motivacional é um método
centrado na pessoa, diretivo para aumento
da motivação intrínseca para a mudança
ao explorar e resolver a ambivalência.
DEFINIÇÃO - PONTOS CHAVE
É centrada na pessoa, ou seja, focada no interesse presente da pessoa e suas
preocupações. Não se escava o passado, não se ensina habilidades de empatia ou
remodela a cognição.
Diretiva porque move a pessoa para uma mudança focando-se na resolução da
ambivalência.
EC é um método de comunicação ao invés de um conjunto de técnicas.
O foco da EC é esclarecer as motivações intrínsecas da pessoa para a mudança.
O método foca na exploração e resolução da ambivalência como uma chave para o
estímulo à mudança.
PARA QUE PODE SER USADA?
PARA QUE PODE SER USADA?
• Manejo da DM2
• Pré-natal
• Tratamento da Dependência
• Enfrentamentos para comportamentos deletérios
• Resultados de exames
• Pacientes cardiopatas, incluindo HAS
FUNDAMENTOS
• Colaboração
• Evocação (provocação)
• Autonomia
FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR
Colaboração:
Aconselhamento envolve uma parceria
que honra o expertise da pessoa e suas
perspectivas. O Terapeuta provê uma
atmosfera que é condutiva ao invés de
coercitiva.
Confrontação:
O terapeuta sobrepuja as perspectivas
do cliente ao impor percepção e
aceitação da realidade que o cliente
não pode ver ou admitir.
FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR
Evocação:
Os recursos e motivações para
mudanças são presumíveis de residir
dentro do paciente. Motivação
intrínseca para mudança é aumentada,
por tocar as percepções, objetivos e
valores da próprias pessoa
Educação:
O paciente presumível mente não
possui o conhecimento chave,
percepção ou habilidades necessárias
para que a mudança ocorra. O
terapeuta procura acessar esse déficits
provendo os esclarecimentos
necessários
FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR
Autonomia:
O terapeuta afirma ao sujeito seus
direitos e capacidade de
autodirecionamento e facilita a escolha
informada.
Autoridade:
O terapeuta diz ao cliente o que ele
deve e não deve fazer.
FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR
Autonomia:
O terapeuta afirma ao sujeito seus
direitos e capacidade de
autodirecionamento e facilita a escolha
informada.
Autoridade:
O terapeuta diz ao cliente o que ele
deve e não deve fazer.
PRINCÍPIOS
PRINCÍPIOS
• Expresse empatia
• Desenvolva a discrepância
• Lide com a resistência
• Suporte a auto eficácia
EXPRESSE EMPATIA
Compreendemos a habilidade terapêutica da escuta reflexiva ou
empatia precisa, como descrito por Carl Rogers, como a
fundação pela qual a habilidade clínica na entrevista
motivacional é construída.
Através da escuta reflexiva habilidosa, o terapeuta procura
entender sentimentos e perspectivas sem julgar, criticar ou
condenar.
Aceitação facilita a mudança.
A ambivalência é normal.
DESENVOLVA A DISCREPÂNCIA
Dissonância cognitiva de Leon Festinger (Entre o presente e o querer ser)
O sujeito deve apresentar os argumentos para a mudança e não o terapeuta.
Mudança é motivada pela percepção da discrepância entre o comportamento presente e
importante objetivos pessoais e valores.
LIDAR COM A RESISTÊNCIA
Evite argumentar pela mudança.
Resistencia não é diretamente oposta.
Novas perspectivas são convidadas e não impostas.
O cliente é o recurso primário nas suas soluções e respostas.
Resistencia é um sinal para responder diferentemente.
LIDAR COM A RESISTÊNCIA
A crença da pessoa na possibilidade da mudança é um importante motivador
O paciente, não o terapeuta, é responsável por escolher e ocasionar a mudança
A crença do terapeuta na habilidade da pessoa se transforma em uma profecia que se auto
realiza.
METODOLOGIA
METODOLOGIA
•Perguntas abertas
•Afirme
•Resuma
•Conduza a conversa de mudança
•Ouça reflexivamente
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
Pré-
Contemplação
Contemplação
PreparaçãoAção
Manutenção
Recaída
Saída
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
Estágio Características Técnicas
Pré-contemplação Ainda não está considerando a mudança;
não reconhece o problema
Valide a falta de prontidão para a mudança
Esclareça que a decisão é dele
Encoraje a re-avaliação do comportamento
atual
Encoraje a auto-exploração, não a ação
Explique e personalize o risco
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
Estágio Características Técnicas
Contemplação Ambivalente quanto a mudança: “Estou em
cima do muro”
Não considerando a mudança no próximo
mês
Valide a falta de prontidão para a mudança
Esclareça que a decisão é dele
Encoraje a avaliação dos prós e contras da
mudança do comportamento
Identifique e promova novas expectativas
positivas do resultado da mudança
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
Estágio Características Técnicas
Preparação O paciente relata alguma experiência de
mudança e está tentando mudar
Planeja agir dentro de um mês
Identifique e ajude na resolução de
problemas: superar obstáculos para a
mudança
Ajude o paciente a identificar seu apoio
social
Verifique que o paciente tem as
capacidades necessárisa para a mudança
de comportamento.
Encoraje os pequenos passos iniciais:
passos de bebe
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
Estágio Características Técnicas
Ação Praticando o novo comportamento
durante 3 a 6 meses
Foque na pistas de reestruturação e no
suporte social
Aumente a auto-eficácia para lidar com
obstáculos
Combata os sentimentos de perda e
reforce os benefícios a longo prazo
ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
Estágio Características Técnicas
Manutenção Engajamento para continuar mantendo o
novo comportamento
Planeje o seguimento a longo prazo
Reforce as recompensas internas
Discuta como lidar com a recaída
Recaída Retomada de velhos comportamentos:
“Caindo em desgraça
Avalie os gatilhos para a recaída
Reassegure a motivação e trabalhe as
barreiras
Planeje estratégias para lidar com os
gatilhos e as recaídas
OUTRAS TÉCNICAS
ACONSELHAMENTO
É a intervenção psicossocial mais amplamente utilizada em dependência química e
contribui para uma evolução positiva do tratamento. Consiste, fundamentalmente, de
apoio, proporcionando estrutura, monitoração, acompanhamento da conduta e
encorajamento da abstinência. Proporciona, também, serviços ou tarefas concretas
tais como encaminhamento para emprego, serviços médicos e auxílio com questões
legais.
ACONSELHAMENTO
Pode ser mínimo (3 minutos), breve (3-10 minutos) ou intensivo (mais de 10 minutos).
Pode ser aplicado por qualquer profissional adequadamente treinado e apresenta
quatro fases:
• 1. Avaliação (identificação do problema).
• 2. Aconselhamento (estratégias motivacionais).
• 3. Assistência.
• 4. Acompanhamento.
INTERVENÇÃO BREVE
A Intervenção Breve é uma técnica mais estruturada que o aconselhamento. Possui um
formato claro e simples, e também pode ser utilizada por qualquer profissional.
Quando tais intervenções são estruturadas em uma até quatro sessões, produzem um impacto
igual ou maior que tratamentos mais extensivos para a dependência de álcool. Terapias
fundamentadas na entrevista motivacional produzem bons resultados no tratamento e podem
ser utilizadas na forma de intervenções breves.
INTERVENÇÃO BREVE
As intervenções breves utilizam técnicas comportamentais para alcançar a abstinência
ou a moderação do consumo. Ela começa pelo estabelecimento de uma meta. Em
seguida, desenvolve-se a auto-monitorização, identificação das situações de risco e
estratégias para evitar o retorno ao padrão de consumo problemático. O espectro de
problemas também determina que se apliquem intervenções mais especializadas para
indivíduos com problemas graves, além de adicionais terapêuticos, como manuais de
auto-ajuda, aumentando a efetividade dos tratamentos.
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL (TCC)
E PREVENÇÃO DE RECAÍDA
A abordagem básica da TCC pode ser resumida em “reconhecer, evitar e criar
habilidades para enfrentar” as situações que favorecem o uso de drogas. As sessões
seguem uma estrutura padronizada e os indivíduos têm papel ativo no tratamento.
TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL (TCC)
E PREVENÇÃO DE RECAÍDA
Após a motivação e a implementação de estratégias para interromper o uso da droga,
surge uma tarefa tão ou mais difícil, que consiste em evitar que o indivíduo volte a
consumi-la. O modelo de “prevenção de recaída” (Marlatt, 1993) incorpora os
aspectos cognitivo-comportamentais e objetiva treinar as habilidades/estratégias de
enfrentamento de situações de risco, além de promover amplas modificações no
estilo de vida do indivíduo.
TERAPIA DE GRUPO
O desenvolvimento da técnica de grupo terapia é uma alternativa para atender um
maior número de pessoas, num menor tempo, e, portanto, com um custo mais baixo.
É considerada uma alternativa viável e também efetiva.
O tratamento em grupo de dependentes de álcool e de outras drogas vem ocupando
um espaço amplo, mas o seu estudo ainda é restrito, pois exige uma metodologia de
avaliação muito rigorosa.
TERAPIA DE FAMÍLIA
A comunicação com os familiares traz amiúde novos dados que podem ter fundamental
importância no esclarecimento diagnóstico e tratamento do paciente. Quando se percebe que
o conflito familiar interfere diretamente no tratamento, costuma-se indicar terapia de família.
A terapia de família objetiva aprimorar a comunicação entre cada um de seus componentes e
abordar a ambivalência de sentimentos. Ela pretende reforçar positivamente o papel do
dependente químico na família, levando a uma melhor adaptação no seu funcionamento
social.
REDUÇÃO DE DANOS
Utilizado com a finalidade de prevenir ou reduzir as consequências negativas
associadas a um determinado comportamento. Considerando o tratamento de
dependência química, ele é útil, por exemplo, na redução da transmissão de HIV e
hepatites através de programas de troca de seringas, para usuários de drogas
injetáveis.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoFernanda Marinho
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)Ana Ferraz
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeCaio Maximino
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasErivaldo Rosendo
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalAroldo Gavioli
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do capsAdriana Emidio
 
Treinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em EquipeTreinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em EquipeVinicius Souza
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1Eduardo Gomes da Silva
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaAroldo Gavioli
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 

Mais procurados (20)

psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Transtorno de ansiedade
Transtorno de ansiedadeTranstorno de ansiedade
Transtorno de ansiedade
 
1ª aula atendente de farmácia
1ª aula atendente de farmácia1ª aula atendente de farmácia
1ª aula atendente de farmácia
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Administração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisãoAdministração de Conflito e tomada de decisão
Administração de Conflito e tomada de decisão
 
5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)5093 palestra saude_mental_(3)
5093 palestra saude_mental_(3)
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
 
janeiro branco.pptx
janeiro branco.pptxjaneiro branco.pptx
janeiro branco.pptx
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Apresentação do caps
Apresentação do capsApresentação do caps
Apresentação do caps
 
Prescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica HospitalarPrescrição Médica Hospitalar
Prescrição Médica Hospitalar
 
Treinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em EquipeTreinamento - Trabalho em Equipe
Treinamento - Trabalho em Equipe
 
Transtornos ansiosos
Transtornos ansiososTranstornos ansiosos
Transtornos ansiosos
 
Conceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia CognitivaConceitualização em Terapia Cognitiva
Conceitualização em Terapia Cognitiva
 
Mitos e verdades - setembro amarelo
Mitos e verdades  -  setembro amareloMitos e verdades  -  setembro amarelo
Mitos e verdades - setembro amarelo
 
História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1História e reforma psiquiátrica parte 1
História e reforma psiquiátrica parte 1
 
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativaTranstornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
Transtornos mentais e comportamentais devido ao uso de substância psicoativa
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 

Destaque

M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editadoM2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editadoInaiara Bragante
 
Entrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturadaEntrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturadalurdesmartins
 
Medicina baseada em evidências cmmfc
Medicina baseada em evidências   cmmfcMedicina baseada em evidências   cmmfc
Medicina baseada em evidências cmmfcRicardo Alexandre
 
Ações para cuidar do orcamento doméstico
Ações para cuidar do orcamento domésticoAções para cuidar do orcamento doméstico
Ações para cuidar do orcamento domésticoConsórcio de Imóveis
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)Eduardo Chaves
 
Dissonacia cognitiva
Dissonacia cognitivaDissonacia cognitiva
Dissonacia cognitivaTiago Malta
 
Da economia doméstica a matemática financeira.
Da economia doméstica a matemática financeira.Da economia doméstica a matemática financeira.
Da economia doméstica a matemática financeira.Ricardo Domingos
 
Se aqui fosse assim
Se aqui fosse assimSe aqui fosse assim
Se aqui fosse assimAdriana Reis
 
Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves
Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves
Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves Paulo Regis
 
Projeto economia doméstica
Projeto economia domésticaProjeto economia doméstica
Projeto economia domésticaCarlos Spolaor
 
Profielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijk
Profielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijkProfielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijk
Profielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijkstichtingafrikaansealbinos
 

Destaque (20)

M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editadoM2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
M2.d2.a7.s entrevista motivacional editado
 
A Entrevista quês e porquês
A Entrevista quês e porquêsA Entrevista quês e porquês
A Entrevista quês e porquês
 
Entrevista
EntrevistaEntrevista
Entrevista
 
Samuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteóricoSamuel_Modelo_transteórico
Samuel_Modelo_transteórico
 
Joana_Entrevista_motivacional
Joana_Entrevista_motivacionalJoana_Entrevista_motivacional
Joana_Entrevista_motivacional
 
Entrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturadaEntrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturada
 
Historia da Epidemiologia
Historia da EpidemiologiaHistoria da Epidemiologia
Historia da Epidemiologia
 
Entrevista
EntrevistaEntrevista
Entrevista
 
Medicina baseada em evidências cmmfc
Medicina baseada em evidências   cmmfcMedicina baseada em evidências   cmmfc
Medicina baseada em evidências cmmfc
 
Palestra positivo
Palestra positivoPalestra positivo
Palestra positivo
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacional
 
Ações para cuidar do orcamento doméstico
Ações para cuidar do orcamento domésticoAções para cuidar do orcamento doméstico
Ações para cuidar do orcamento doméstico
 
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
Eduardo Chaves - A Igreja Virtual - Aula 3 (2016)
 
Dissonacia cognitiva
Dissonacia cognitivaDissonacia cognitiva
Dissonacia cognitiva
 
Da economia doméstica a matemática financeira.
Da economia doméstica a matemática financeira.Da economia doméstica a matemática financeira.
Da economia doméstica a matemática financeira.
 
Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
 
Se aqui fosse assim
Se aqui fosse assimSe aqui fosse assim
Se aqui fosse assim
 
Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves
Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves
Workshop Economia Doméstica - Mauro Esteves
 
Projeto economia doméstica
Projeto economia domésticaProjeto economia doméstica
Projeto economia doméstica
 
Profielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijk
Profielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijkProfielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijk
Profielwerkstuk: albino's, zo wit als een lijk
 

Semelhante a Entrevista motivacional sobre mudança de comportamento

2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf
2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf
2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdfsandreliOliver
 
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...Flora Couto
 
TCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positiva
TCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positivaTCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positiva
TCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positivaFábio Munhoz
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevestania m f contrim
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1Flora Couto
 
Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"
Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"
Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"Manuela Selas
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Marcelo da Rocha Carvalho
 
Education coaching
Education coachingEducation coaching
Education coachingMelissa Dias
 
Rh mudança comportamental
Rh   mudança comportamentalRh   mudança comportamental
Rh mudança comportamentalIrineu Francisco
 
rh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdf
rh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdfrh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdf
rh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdfBarbaraSouza81
 
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasJungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasFlora Couto
 
Feedback - Folheto de apresentacao do programa
Feedback - Folheto de apresentacao do programaFeedback - Folheto de apresentacao do programa
Feedback - Folheto de apresentacao do programaAndré Victória da Silva
 
Pt recruit module 5-mentoring as a tool - online
Pt   recruit module 5-mentoring as a tool - onlinePt   recruit module 5-mentoring as a tool - online
Pt recruit module 5-mentoring as a tool - onlinecaniceconsulting
 
Recruit module 5 mentoria - online
Recruit module 5 mentoria - onlineRecruit module 5 mentoria - online
Recruit module 5 mentoria - onlinecaniceconsulting
 

Semelhante a Entrevista motivacional sobre mudança de comportamento (20)

Jose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_AconselhamentoJose_Clemente_Aconselhamento
Jose_Clemente_Aconselhamento
 
2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf
2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf
2022_Aula 5_Escuta ativa motivacional_ENTREVISTA MOTIVACIONAL.pptx (1).pdf
 
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
1731 - Dias, Ruth Borges:Diretrizes quanto à mudança de comportamento - A ent...
 
Resiliência pdf
Resiliência pdfResiliência pdf
Resiliência pdf
 
Motivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência químicaMotivação no tratamento da dependência química
Motivação no tratamento da dependência química
 
Como sua mentalidade afeta os resultados financeiros do seu consultório
Como sua mentalidade afeta os resultados financeiros do seu consultórioComo sua mentalidade afeta os resultados financeiros do seu consultório
Como sua mentalidade afeta os resultados financeiros do seu consultório
 
TCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positiva
TCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positivaTCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positiva
TCC Monica C Ciongoli. O processo de coaching usando a psicologia positiva
 
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. brevesA entrevista. motivacional. e intervenção. breves
A entrevista. motivacional. e intervenção. breves
 
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_12016 1 ebm_fundamentação teórica_1
2016 1 ebm_fundamentação teórica_1
 
Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"
Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"
Workshop sobre COACHING "O que é e para que serve"
 
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
Como as pessoas mudam? Modelo transteórico(Prochaska e Di Clemente)
 
Education coaching
Education coachingEducation coaching
Education coaching
 
Rh mudança comportamental
Rh   mudança comportamentalRh   mudança comportamental
Rh mudança comportamental
 
rh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdf
rh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdfrh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdf
rh-mudanacomportamental-160707190900 (1).pdf
 
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticasJungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
Jungerman & Laranjeira: Entrevista motivacional - bases teóricas e práticas
 
Feedback - Folheto de apresentacao do programa
Feedback - Folheto de apresentacao do programaFeedback - Folheto de apresentacao do programa
Feedback - Folheto de apresentacao do programa
 
Pt recruit module 5-mentoring as a tool - online
Pt   recruit module 5-mentoring as a tool - onlinePt   recruit module 5-mentoring as a tool - online
Pt recruit module 5-mentoring as a tool - online
 
Recruit module 5 mentoria - online
Recruit module 5 mentoria - onlineRecruit module 5 mentoria - online
Recruit module 5 mentoria - online
 
Inovar para crescer
Inovar para crescerInovar para crescer
Inovar para crescer
 
Feedback e comunicação
Feedback e comunicaçãoFeedback e comunicação
Feedback e comunicação
 

Mais de Ricardo Alexandre

Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMGAbordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMGRicardo Alexandre
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do susRicardo Alexandre
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoRicardo Alexandre
 
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Aula 8   prevenção, chance e causalidadeAula 8   prevenção, chance e causalidade
Aula 8 prevenção, chance e causalidadeRicardo Alexandre
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Ricardo Alexandre
 
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
Aula 4   medidas de frequência de uma doençaAula 4   medidas de frequência de uma doença
Aula 4 medidas de frequência de uma doençaRicardo Alexandre
 
Aula 4 estudo de caso controle
Aula 4   estudo de caso controleAula 4   estudo de caso controle
Aula 4 estudo de caso controleRicardo Alexandre
 
Aula 4 ensaio clínico randomizado
Aula 4   ensaio clínico randomizadoAula 4   ensaio clínico randomizado
Aula 4 ensaio clínico randomizadoRicardo Alexandre
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúdeRicardo Alexandre
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológicoRicardo Alexandre
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologiaRicardo Alexandre
 
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoCurso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoRicardo Alexandre
 
O que é dependência química conceitos fundamentais
O que é dependência química conceitos fundamentaisO que é dependência química conceitos fundamentais
O que é dependência química conceitos fundamentaisRicardo Alexandre
 
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoFerramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoRicardo Alexandre
 
Prevenção, chance e causalidade
Prevenção, chance e causalidadePrevenção, chance e causalidade
Prevenção, chance e causalidadeRicardo Alexandre
 

Mais de Ricardo Alexandre (20)

Verminoses na APS
Verminoses na APSVerminoses na APS
Verminoses na APS
 
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMGAbordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Aula 8   prevenção, chance e causalidadeAula 8   prevenção, chance e causalidade
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
 
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
Aula 4   medidas de frequência de uma doençaAula 4   medidas de frequência de uma doença
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
 
Aula 4 estudos de coorte
Aula 4   estudos de coorteAula 4   estudos de coorte
Aula 4 estudos de coorte
 
Aula 4 estudo de caso controle
Aula 4   estudo de caso controleAula 4   estudo de caso controle
Aula 4 estudo de caso controle
 
Aula 4 ensaio clínico randomizado
Aula 4   ensaio clínico randomizadoAula 4   ensaio clínico randomizado
Aula 4 ensaio clínico randomizado
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
 
Aula 2 estudo transversal
Aula 2   estudo transversalAula 2   estudo transversal
Aula 2 estudo transversal
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoCurso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidado
 
O que é dependência química conceitos fundamentais
O que é dependência química conceitos fundamentaisO que é dependência química conceitos fundamentais
O que é dependência química conceitos fundamentais
 
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoFerramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 
Prevenção, chance e causalidade
Prevenção, chance e causalidadePrevenção, chance e causalidade
Prevenção, chance e causalidade
 

Último

Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (9)

Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 

Entrevista motivacional sobre mudança de comportamento

  • 1. ENTREVISTA MOTIVACIONAL Ricardo Alexandre de Souza MFC MSc Professor UFSJ
  • 2. Núcleo: Pessoas não são boas nem más, são pessoas. A relação médico paciente exige que nos dispamos de crenças e lidemos com o outro sem julgamentos. Simplesmente aceitemos o outro.
  • 4. POR QUE AS PESSOAS MUDAM? Antes do compromisso, há hesitação, a oportunidade de recuar, uma ineficácia permanente. Em todo ato de iniciativa (e de criação), há uma verdade elementar cujo desconhecimento destrói muitas ideias e planos esplêndidos. No momento em que nos comprometemos de fato, a providência também age. Ocorre toda espécie de coisas para nos ajudar, coisas que de outro modo nunca ocorreriam. Toda uma cadeia de eventos emana da decisão, J.W. Goethe – Ante o Compromisso
  • 5. POR QUE AS PESSOAS MUDAM? Mudança natural Efeitos das intervenções breves Dose efeito Efeito da fé e da esperança Efeito do aconselhamento • Ready, Willing and Able • Willing (Desejo): a importância da mudança • Able: Confiança na mudança • Ready: Uma questão de prioridades
  • 6. O QUE DISPARA A MUDANÇA? • O que você faria se precisasse que alguém mudasse seu comportamento?
  • 7. AMBIVALÊNCIA • Conflito-Conflito • Aproximação-Aproximação • Aproximação-Conflito • Aproximação-Conflito duplo
  • 8. BALANÇA DECISIONAL Curso da mudança Benefício do Status Quo Custo do Status Quo Benefícios da mudança
  • 10. MOTIVAÇÃO Fonte da Charge: http://motivacsoesamc.blogspot.com.br/2011/05/motivacao-e-uma-forca-interna-que.html Motivação é um processo interpessoal, que depende de duas pessoas.
  • 11. DISCREPÂNCIA • Um homem define seu dia para parar de fumar depois de um dia em que foi pegar as crianças na biblioteca da cidade. O homem procura em seus bolsos e encontro um problema familiar: está sem cigarros. Continuando a dirigir seu carro ele vê de relance que sua criança está saindo mulher na chuva, mas ele continua em direção à esquina, certo que dará tempo de correr e comprar cigarros, antes que as crianças fiquem encharcadas. A visão dele mesmo como pai que poderia ”realmente deixar as crianças na chuva enquanto vai atrás cigarros ” foi… humilhante e ele parou de fumar.
  • 12. DISCURSO AUTO MOTIVACIONAL Assim o desafio é primeiro intensificar e então resolver a ambivalência por Desenvolver a discrepância entre o presente e o futuro desejado. Perguntas como... • Por que você não muda? • Como você pode me dizer que não tem um problema? • Por que você não... • Por que você apenas não... ...Só irão fazer você se tornar o Correto
  • 13. DISCURSO AUTO MOTIVACIONAL As mudanças são facilitadas pela comunicação de uma forma que explicite as razões pessoais para a vantagem da mudança. Caindo em quatro categorias: 1. Desvantagens do Status quo 2. Vantagens da mudança 3. Otimismo para a mudança 4. Intenção de mudar
  • 15. DEFINIÇÃO Entrevista motivacional é um método centrado na pessoa, diretivo para aumento da motivação intrínseca para a mudança ao explorar e resolver a ambivalência.
  • 16. DEFINIÇÃO - PONTOS CHAVE É centrada na pessoa, ou seja, focada no interesse presente da pessoa e suas preocupações. Não se escava o passado, não se ensina habilidades de empatia ou remodela a cognição. Diretiva porque move a pessoa para uma mudança focando-se na resolução da ambivalência. EC é um método de comunicação ao invés de um conjunto de técnicas. O foco da EC é esclarecer as motivações intrínsecas da pessoa para a mudança. O método foca na exploração e resolução da ambivalência como uma chave para o estímulo à mudança.
  • 17. PARA QUE PODE SER USADA?
  • 18. PARA QUE PODE SER USADA? • Manejo da DM2 • Pré-natal • Tratamento da Dependência • Enfrentamentos para comportamentos deletérios • Resultados de exames • Pacientes cardiopatas, incluindo HAS
  • 19. FUNDAMENTOS • Colaboração • Evocação (provocação) • Autonomia
  • 20. FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR Colaboração: Aconselhamento envolve uma parceria que honra o expertise da pessoa e suas perspectivas. O Terapeuta provê uma atmosfera que é condutiva ao invés de coercitiva. Confrontação: O terapeuta sobrepuja as perspectivas do cliente ao impor percepção e aceitação da realidade que o cliente não pode ver ou admitir.
  • 21. FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR Evocação: Os recursos e motivações para mudanças são presumíveis de residir dentro do paciente. Motivação intrínseca para mudança é aumentada, por tocar as percepções, objetivos e valores da próprias pessoa Educação: O paciente presumível mente não possui o conhecimento chave, percepção ou habilidades necessárias para que a mudança ocorra. O terapeuta procura acessar esse déficits provendo os esclarecimentos necessários
  • 22. FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR Autonomia: O terapeuta afirma ao sujeito seus direitos e capacidade de autodirecionamento e facilita a escolha informada. Autoridade: O terapeuta diz ao cliente o que ele deve e não deve fazer.
  • 23. FUNDAMENTO E SEU OPOSITOR Autonomia: O terapeuta afirma ao sujeito seus direitos e capacidade de autodirecionamento e facilita a escolha informada. Autoridade: O terapeuta diz ao cliente o que ele deve e não deve fazer.
  • 25. PRINCÍPIOS • Expresse empatia • Desenvolva a discrepância • Lide com a resistência • Suporte a auto eficácia
  • 26. EXPRESSE EMPATIA Compreendemos a habilidade terapêutica da escuta reflexiva ou empatia precisa, como descrito por Carl Rogers, como a fundação pela qual a habilidade clínica na entrevista motivacional é construída. Através da escuta reflexiva habilidosa, o terapeuta procura entender sentimentos e perspectivas sem julgar, criticar ou condenar. Aceitação facilita a mudança. A ambivalência é normal.
  • 27. DESENVOLVA A DISCREPÂNCIA Dissonância cognitiva de Leon Festinger (Entre o presente e o querer ser) O sujeito deve apresentar os argumentos para a mudança e não o terapeuta. Mudança é motivada pela percepção da discrepância entre o comportamento presente e importante objetivos pessoais e valores.
  • 28. LIDAR COM A RESISTÊNCIA Evite argumentar pela mudança. Resistencia não é diretamente oposta. Novas perspectivas são convidadas e não impostas. O cliente é o recurso primário nas suas soluções e respostas. Resistencia é um sinal para responder diferentemente.
  • 29. LIDAR COM A RESISTÊNCIA A crença da pessoa na possibilidade da mudança é um importante motivador O paciente, não o terapeuta, é responsável por escolher e ocasionar a mudança A crença do terapeuta na habilidade da pessoa se transforma em uma profecia que se auto realiza.
  • 31. METODOLOGIA •Perguntas abertas •Afirme •Resuma •Conduza a conversa de mudança •Ouça reflexivamente
  • 32. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE
  • 33. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE Pré- Contemplação Contemplação PreparaçãoAção Manutenção Recaída Saída
  • 34. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE Estágio Características Técnicas Pré-contemplação Ainda não está considerando a mudança; não reconhece o problema Valide a falta de prontidão para a mudança Esclareça que a decisão é dele Encoraje a re-avaliação do comportamento atual Encoraje a auto-exploração, não a ação Explique e personalize o risco
  • 35. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE Estágio Características Técnicas Contemplação Ambivalente quanto a mudança: “Estou em cima do muro” Não considerando a mudança no próximo mês Valide a falta de prontidão para a mudança Esclareça que a decisão é dele Encoraje a avaliação dos prós e contras da mudança do comportamento Identifique e promova novas expectativas positivas do resultado da mudança
  • 36. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE Estágio Características Técnicas Preparação O paciente relata alguma experiência de mudança e está tentando mudar Planeja agir dentro de um mês Identifique e ajude na resolução de problemas: superar obstáculos para a mudança Ajude o paciente a identificar seu apoio social Verifique que o paciente tem as capacidades necessárisa para a mudança de comportamento. Encoraje os pequenos passos iniciais: passos de bebe
  • 37. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE Estágio Características Técnicas Ação Praticando o novo comportamento durante 3 a 6 meses Foque na pistas de reestruturação e no suporte social Aumente a auto-eficácia para lidar com obstáculos Combata os sentimentos de perda e reforce os benefícios a longo prazo
  • 38. ESTÁGIOS DE PROCHASKA E DICLEMENTE Estágio Características Técnicas Manutenção Engajamento para continuar mantendo o novo comportamento Planeje o seguimento a longo prazo Reforce as recompensas internas Discuta como lidar com a recaída Recaída Retomada de velhos comportamentos: “Caindo em desgraça Avalie os gatilhos para a recaída Reassegure a motivação e trabalhe as barreiras Planeje estratégias para lidar com os gatilhos e as recaídas
  • 40. ACONSELHAMENTO É a intervenção psicossocial mais amplamente utilizada em dependência química e contribui para uma evolução positiva do tratamento. Consiste, fundamentalmente, de apoio, proporcionando estrutura, monitoração, acompanhamento da conduta e encorajamento da abstinência. Proporciona, também, serviços ou tarefas concretas tais como encaminhamento para emprego, serviços médicos e auxílio com questões legais.
  • 41. ACONSELHAMENTO Pode ser mínimo (3 minutos), breve (3-10 minutos) ou intensivo (mais de 10 minutos). Pode ser aplicado por qualquer profissional adequadamente treinado e apresenta quatro fases: • 1. Avaliação (identificação do problema). • 2. Aconselhamento (estratégias motivacionais). • 3. Assistência. • 4. Acompanhamento.
  • 42. INTERVENÇÃO BREVE A Intervenção Breve é uma técnica mais estruturada que o aconselhamento. Possui um formato claro e simples, e também pode ser utilizada por qualquer profissional. Quando tais intervenções são estruturadas em uma até quatro sessões, produzem um impacto igual ou maior que tratamentos mais extensivos para a dependência de álcool. Terapias fundamentadas na entrevista motivacional produzem bons resultados no tratamento e podem ser utilizadas na forma de intervenções breves.
  • 43. INTERVENÇÃO BREVE As intervenções breves utilizam técnicas comportamentais para alcançar a abstinência ou a moderação do consumo. Ela começa pelo estabelecimento de uma meta. Em seguida, desenvolve-se a auto-monitorização, identificação das situações de risco e estratégias para evitar o retorno ao padrão de consumo problemático. O espectro de problemas também determina que se apliquem intervenções mais especializadas para indivíduos com problemas graves, além de adicionais terapêuticos, como manuais de auto-ajuda, aumentando a efetividade dos tratamentos.
  • 44. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL (TCC) E PREVENÇÃO DE RECAÍDA A abordagem básica da TCC pode ser resumida em “reconhecer, evitar e criar habilidades para enfrentar” as situações que favorecem o uso de drogas. As sessões seguem uma estrutura padronizada e os indivíduos têm papel ativo no tratamento.
  • 45. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL (TCC) E PREVENÇÃO DE RECAÍDA Após a motivação e a implementação de estratégias para interromper o uso da droga, surge uma tarefa tão ou mais difícil, que consiste em evitar que o indivíduo volte a consumi-la. O modelo de “prevenção de recaída” (Marlatt, 1993) incorpora os aspectos cognitivo-comportamentais e objetiva treinar as habilidades/estratégias de enfrentamento de situações de risco, além de promover amplas modificações no estilo de vida do indivíduo.
  • 46. TERAPIA DE GRUPO O desenvolvimento da técnica de grupo terapia é uma alternativa para atender um maior número de pessoas, num menor tempo, e, portanto, com um custo mais baixo. É considerada uma alternativa viável e também efetiva. O tratamento em grupo de dependentes de álcool e de outras drogas vem ocupando um espaço amplo, mas o seu estudo ainda é restrito, pois exige uma metodologia de avaliação muito rigorosa.
  • 47. TERAPIA DE FAMÍLIA A comunicação com os familiares traz amiúde novos dados que podem ter fundamental importância no esclarecimento diagnóstico e tratamento do paciente. Quando se percebe que o conflito familiar interfere diretamente no tratamento, costuma-se indicar terapia de família. A terapia de família objetiva aprimorar a comunicação entre cada um de seus componentes e abordar a ambivalência de sentimentos. Ela pretende reforçar positivamente o papel do dependente químico na família, levando a uma melhor adaptação no seu funcionamento social.
  • 48. REDUÇÃO DE DANOS Utilizado com a finalidade de prevenir ou reduzir as consequências negativas associadas a um determinado comportamento. Considerando o tratamento de dependência química, ele é útil, por exemplo, na redução da transmissão de HIV e hepatites através de programas de troca de seringas, para usuários de drogas injetáveis.

Notas do Editor

  1. “I know it’s bad for me, but I like it.” “Sometimes I stop myself, and other times I want to but I just don’t care.”
  2. Now consider what happens when someone with a righting reflex (R) meets a person who is ambivalent (A). As A speaks to R about the dilemma of ambivalence, R develops an opinion as to what the right course of action would be for A to take. R then proceeds to advise, teach, persuade, counsel, or argue for this particular resolution to A’s ambivalence.
  3. Neither his smoking nor his value of being a good father had changed. It was the meaning of his smoking—the perception that it had become more important than his children—that suddenly became unacceptable to him. When a behavior comes into conflict with a deeply held value, it is usually the behavior that changes.
  4. 1- Disadvantages of the status quo. These statements acknowledge that there is reason for concern or discontent with how things are. This may or may not involve an admission of a “problem.” The language generally reflects a recognition of undesirable aspects of one’s present state or behavior. 2. Advantages of change. A second form of change talk implies recognition of the potential advantages of a change. Whereas the first type of change talk focuses on the not-so-good things about one’s current status, this second type emphasizes the good things to be gained through change. Both kinds, of course, are reasons for change. 3. Optimism for change. A third kind of talk that favors change is that which expresses confidence and hope about one’s ability to change. It may be stated in hypothetical (I could) or declarative form (I can do it). The common underlying theme is that change is possible. 4. Intention to change. As the balance tips, people begin to express an intention, desire, willingness, or commitment to change. The level of intention can vary from rather weak to very strong commitment language. Sometimes the intention is expressed indirectly by envisioning how things might be if change did happen.
  5. Motivational interviewing is intentionally directive— directed toward the resolution of ambivalence in the service of change.
  6. We certainly do not mean that the general goal of motivational interviewing should be to have people accept themselves as they are and stay that way.
  7. We certainly do not mean that the general goal of motivational interviewing should be to have people accept themselves as they are and stay that way.
  8. We certainly do not mean that the general goal of motivational interviewing should be to have people accept themselves as they are and stay that way.
  9. Ouça reflexivamente: Overstating CLIENT: I just don’t like the way she comments on how I raise my children. INTERVIEWER: You’re really angry with your mother. CLIENT: Well, no, not angry really. She’s my mother, after all. Understating CLIENT: I just don’t like the way she comments on how I raise my children. INTERVIEWER: You’re a bit annoyed with your mother. CLIENT: Yes, it just irritates me how she is always correcting and criticizing me. AFIRME: “Thanks for coming on time today.” “I appreciate that you took a big step in coming here today.” “You’re clearly a resourceful person, to cope with such difficulties for so long.” “That’s a good suggestion.” “I must say, if I were in your position, I might have a hard time dealing with that amount of stress.” “It seems like you’re a really spirited and strong-willed person in a way.” “You enjoy being happy with other people, and making them laugh.” “I’ve enjoyed talking with you today, and getting to know you a bit.”