SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Verminoses na
APS
Esta Foto de Autor Desconhecido está licenciado em CC BY-SA
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento
Na fase precoce, deve ser utilizado a Amoxacilina, em adultos na
dose de 500mg, VO, de 8/8 horas, durante 5 a 7 dias. Em
crian.as, administrar 50mg/kg/dia, VO, a cada 6/8 horas, durante
5 a 7 dias; ou ainda pode ser utilizado Doxiciclina: 100mg, VO,
de 12 em 12 horas, durante 5 a 7 dias.
@ricardo.alexandre.med
Tratamento
Na fase tardia deve ser utilizada em adultos Penicilina G
Cristalina: 1.5 milhoes UI, IV, de 6/6 horas ou Ampicilina: 1g, IV,
6/6 horas ou Ceftriaxona: 1 a 2g, IV, 24/24h; ou Cefotaxima 1g,
IV, de 6/6 horas. Para crianças utiliza-se Penicilina cristalina: 50
a 100.000U/kg/dia, IV, em 4 ou 6 doses; ou Ampicilina: 50 a
100mg/kg/dia, IV, dividido em 4 doses; ou Ceftriaxona: 80 a
100mg/kg/dia, em 1 ou 2 doses; ou Cefotaxima: 50 a
100mg/kg/dia, em 2 a 4 doses.
@ricardo.alexandre.med
Helmintos
Esta Foto de Autor Desconhecido está licenciado em CC BY-SA
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento
• Albendazol (ovocida, larvicida e vermicida), 400mg/dia, em
dose .nica para adultos; em crian.as, 10mg/kg, dose única;
• Mebendazol, 100mg, 2 vezes ao dia, durante 3 dias
consecutivos. Não recomendado seu uso em gestantes. Essa
dose independe do peso corporal e da idade. Levamizol,
150mg, VO, em dose .nica para adultos; crianças abaixo de 8
anos, 40mg; acima de 8 anos, 80mg, também em dose única.
• Tratamento da obstrução intestinal: Piperazina, 100mg/kg/dia +
óleo mineral, 40 a 60ml/dia +antiespasmódicos + hidratação.
• Nesse caso, estão indicados sonda nasogástrica e jejum +
Mebendazol, 200mg ao dia, dividido em 2 tomadas, por 3 dias.
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento
• Uma dose única de 500 mg de mebendazol foi usada em programas
de tratamento em massa. Também eficazes para pacientes
individuais são o albendazol 400 mg por via oral uma vez ao dia por 3
dias, ou ivermectina 200 mcg/kg por via oral uma vez ao dia por 3
dias.
@ricardo.alexandre.med
Ancilostomose
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento
Mebendazol, 100mg, 2 vezes ao dia, durante 3 dias
consecutivos. Não . recomendado seu uso em gestantes. Essa
dose independendo peso corporal e da idade. Pode ser usado
Albendazol, 2 comprimidos, VO, em dose única (1
comprimido=200mg), ou 10ml de suspensão (5ml=200mg). O
Pamoato de Pirantel pode ser usado na dose de 20-30mg/kg/dia,
durante 3 dias. O controle de cura. Realizado no 7, 14 e 21 dias
após o tratamento, mediante exame parasitológico de fezes.
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Helmintíases por contato em
água contaminada
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento
Praziquantel, na apresentação de comprimidos de 600mg .
administrado por via oral, em dose única de 50mg/kg de peso
para adultos e 60mg/kg de peso para crianças. Como segunda
escolha, Oxamniquina, apresentada em cápsulas com 250mg e
solução de 50mg/ml, para uso pediátrico. Para adultos,
recomenda-se 15mg/kg e crianças, 20mg/kg, via oral, em dose
única, uma hora após uma refeição.
@ricardo.alexandre.med
Helmintíases transmitidas
por vetores ou hospedeiros
intermediários
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento - Filariose
A droga de escolha é a Dietilcarbamazina (DEC), com vários
esquemas preconizados: 6mg/kg/dia, VO, com periodicidade
semestral ou anual; 6mg/kg/dia, VO, por 12 dias; 6mg/kg/dia,
VO, por 2 a 4 semanas.
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
@ricardo.alexandre.med
Tratamento - Oncocercose
• Específico - Microfilaricida é a base de Ivermectina, na dosagem de
150μg/kg (microgramas), em dose única, com periodicidade
semestral ou anual, durante 10 anos. A Ivermectina não deve ser
ministrada em mulheres na primeira semana de amamentação,
pessoas gravemente enfermas e crianças com menos de 15kg de
peso ou menos de 90cm de altura. Deve ser administrada em dose
única, VO, obedecendo a seguinte escala de peso corporal:
• 15 a 25kg: ½ comprimido;
• 26 a 44kg: 1 comprimido;
• 45 a 64kg: 1 1/2 comprimidos;
• 65 a 84kg - 2 comprimidos;
• ≥85kg: 150μg/kg.
• Em campanhas de distribuição em massa, inseridas em programas
de eliminação, o intervalo entre as doses é de 6 meses.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prep hiv 2019 infectologia - alexandre naime barbosa
Prep hiv 2019   infectologia - alexandre naime barbosaPrep hiv 2019   infectologia - alexandre naime barbosa
Prep hiv 2019 infectologia - alexandre naime barbosaAlexandre Naime Barbosa
 
Calendario vacinacao crianca (1)
Calendario  vacinacao crianca (1)Calendario  vacinacao crianca (1)
Calendario vacinacao crianca (1)Alinebrauna Brauna
 
Introdução da vacina dTpa para gestantes no SUS
Introdução da vacina  dTpa para gestantes no SUSIntrodução da vacina  dTpa para gestantes no SUS
Introdução da vacina dTpa para gestantes no SUSPalácio do Planalto
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase3a2011
 
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos Leandro Carvalho
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Ciberculturacelyassis
 
Aula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássicoAula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássicoNeli Chastinet
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarelaIsabela Espíndola
 
Pensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristótelesPensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristótelessoares204
 
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"Bianca Lazarini Forreque Poli
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaLuciano Pires
 

Mais procurados (20)

Aula 22 verminoses
Aula 22   verminosesAula 22   verminoses
Aula 22 verminoses
 
Prep hiv 2019 infectologia - alexandre naime barbosa
Prep hiv 2019   infectologia - alexandre naime barbosaPrep hiv 2019   infectologia - alexandre naime barbosa
Prep hiv 2019 infectologia - alexandre naime barbosa
 
Resumo Malária
Resumo MaláriaResumo Malária
Resumo Malária
 
Calendario vacinacao crianca (1)
Calendario  vacinacao crianca (1)Calendario  vacinacao crianca (1)
Calendario vacinacao crianca (1)
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
 
Sarampo e catapora
Sarampo e cataporaSarampo e catapora
Sarampo e catapora
 
Introdução da vacina dTpa para gestantes no SUS
Introdução da vacina  dTpa para gestantes no SUSIntrodução da vacina  dTpa para gestantes no SUS
Introdução da vacina dTpa para gestantes no SUS
 
Ascaridíase
AscaridíaseAscaridíase
Ascaridíase
 
FEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDEFEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDE
 
O que é Ascaridíase
O que é AscaridíaseO que é Ascaridíase
O que é Ascaridíase
 
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Aula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássicoAula 3 macro- modelo clássico
Aula 3 macro- modelo clássico
 
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
CARTILHA de VACINAS - Ministério da Saúde
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
 
Pensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristótelesPensamento educacional de platão e aristóteles
Pensamento educacional de platão e aristóteles
 
Guia prativo de vacinas
Guia prativo de vacinasGuia prativo de vacinas
Guia prativo de vacinas
 
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 

Mais de Ricardo Alexandre

Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMGAbordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMGRicardo Alexandre
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do susRicardo Alexandre
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoRicardo Alexandre
 
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Aula 8   prevenção, chance e causalidadeAula 8   prevenção, chance e causalidade
Aula 8 prevenção, chance e causalidadeRicardo Alexandre
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidênciasRicardo Alexandre
 
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Ricardo Alexandre
 
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
Aula 4   medidas de frequência de uma doençaAula 4   medidas de frequência de uma doença
Aula 4 medidas de frequência de uma doençaRicardo Alexandre
 
Aula 4 estudo de caso controle
Aula 4   estudo de caso controleAula 4   estudo de caso controle
Aula 4 estudo de caso controleRicardo Alexandre
 
Aula 4 ensaio clínico randomizado
Aula 4   ensaio clínico randomizadoAula 4   ensaio clínico randomizado
Aula 4 ensaio clínico randomizadoRicardo Alexandre
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúdeRicardo Alexandre
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológicoRicardo Alexandre
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologiaRicardo Alexandre
 
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoCurso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoRicardo Alexandre
 

Mais de Ricardo Alexandre (20)

Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMGAbordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
Abordagem familiar para o estudante de medicina - UFMG
 
Entrevista motivacional v2
Entrevista motivacional v2Entrevista motivacional v2
Entrevista motivacional v2
 
Entrevista motivacional
Entrevista motivacionalEntrevista motivacional
Entrevista motivacional
 
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus2015 saúde da criança   ufmg - princípios do sus
2015 saúde da criança ufmg - princípios do sus
 
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoAula 9   ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Aula 9 ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
Aula 8   prevenção, chance e causalidadeAula 8   prevenção, chance e causalidade
Aula 8 prevenção, chance e causalidade
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Aula 7 pesquisa de evidências
Aula 7   pesquisa de evidênciasAula 7   pesquisa de evidências
Aula 7 pesquisa de evidências
 
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...Aula 5   o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
Aula 5 o que é frequência, anormalidade, risco prognóstico, diagnóstico...
 
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
Aula 4   medidas de frequência de uma doençaAula 4   medidas de frequência de uma doença
Aula 4 medidas de frequência de uma doença
 
Aula 4 estudos de coorte
Aula 4   estudos de coorteAula 4   estudos de coorte
Aula 4 estudos de coorte
 
Aula 4 estudo de caso controle
Aula 4   estudo de caso controleAula 4   estudo de caso controle
Aula 4 estudo de caso controle
 
Aula 4 ensaio clínico randomizado
Aula 4   ensaio clínico randomizadoAula 4   ensaio clínico randomizado
Aula 4 ensaio clínico randomizado
 
Aula 3 indicadores de saúde
Aula 3   indicadores de saúdeAula 3   indicadores de saúde
Aula 3 indicadores de saúde
 
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológicoAula 2   planejando e desenhando um estudo epidemiológico
Aula 2 planejando e desenhando um estudo epidemiológico
 
Aula 2 estudo transversal
Aula 2   estudo transversalAula 2   estudo transversal
Aula 2 estudo transversal
 
Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
 
Aula 1 historia da epidemiologia
Aula 1   historia da epidemiologiaAula 1   historia da epidemiologia
Aula 1 historia da epidemiologia
 
Historia da Epidemiologia
Historia da EpidemiologiaHistoria da Epidemiologia
Historia da Epidemiologia
 
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoCurso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidado
 

Último

Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (10)

Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 

Verminoses na APS

Notas do Editor

  1. Importante: A Doxiciclina n.o deve ser utilizada em crian.as menores de 9 anos, mulheres
  2. Importante: A Doxiciclina n.o deve ser utilizada em crian.as menores de 9 anos, mulheres