Thommas Hobbes

3.453 visualizações

Publicada em

CONTEXTO E OBRA DE THOMAS HOBBES.

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.453
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Thommas Hobbes

  1. 1. THOMAS HOBBESEstado e Violência Pré-cívica
  2. 2. (1588 – 1679)WestPort, Malmesbury– InglaterraFilósofo , matemático, teórico políticoe preceptor de famílias nobres.
  3. 3. Hobbes: Contexto, a razão de sua obraPrincipal autor do Jusnaturalismo Racional efilósofo do Absolutismo.Forneceu os argumentos consideráveis para aunidade do Estado, reforço do poder emanutenção da sociedade civil.Levado a filosofar politicamente em razão daeminente dissolução do Estado Inglês,decorrente de crises sociais.
  4. 4. PRINCIPAIS OBRAS DO PENSAMENTO HOBBESIANO16511640 1642
  5. 5. O ESTADO DE NATUREZA COMOESTADO DE GUERRA:Hobbes identifica no “estado de natureza”, o ESTADODE GUERRA DE TODOS CONTRA TODOS. Assim, nascea teoria de que o homem deve renunciar ao seuestado natural e se submeter a um acordo comum,civil, sob a proteção do Estado (poder soberano).
  6. 6. O ESTADOO Leviatã é o monstrolegendário que ilustra a figuraartificial do Estado, criada pelohomem para substituir oestado de natureza.Para Hobbes o poder era abase da política, e deveriaestar nas mãos do monarca.
  7. 7. OS SÚDITOS E O SOBERANOPaz = Obediência Pacíficados civisSoberano submetido apenasàs leis naturais.Abuso de poderMoeda de troca: VIDA
  8. 8. A LEI E O SOBERANOPacto de União é irrevogável;Soberano é a lei magna, sua palavra éincontestável;Leis se dividem em Leis Morais e LeisPositivas;Lex (direito) e Jus (justiça) se diferem.Objetivo final:MANUTENÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL
  9. 9. CURIOSIDADES
  10. 10. CONCLUSÃO“ Thomas Hobbes é o grandeteórico, o mais lúcido e omais consequente, o maisradical, sutil e temerário, daunidade do poder estatal”.(Norberto Bobbio)

×