SlideShare uma empresa Scribd logo
THOMAS HOBBES (MALMESBURY, 5 DE
ABRIL DE 1588 – HARDWICK HALL, 1 DE
DEZEMBRO DE 1674) FOI UM
MATEMÁTICO, TEÓRICO POLÍTICO, E
FILÓSOFO INGLÊS, AUTOR DE LEVIATÃ
(1651) E DO CIDADÃO (1651).
O LEVIATÃ DE THOMAS
HOBBES
A principal obra de Hobbes
se chama LEVIATÃ. Este
livro será um marco na
Idade Moderna. As teses
defendidas por Hobbes
contrariavam as principais
ideias da filosofia política de
Aristóteles e de filósofos
cristãos da Idade Média, tal
como São Tomás de Aquino.
A ORIGEM DO TERMO “LEVIATÔ
Hobbes deu ao seu
livro o nome de um
monstro presente na
mitologia fenícia e que
também tem sua
existência retratada na
bíblia.
O “Leviatã” é
retratado de
diversas formas na
mitologia. Sendo
apresentando hora
como uma serpente
marinha ou até
como um polvo
gigante.
Na Bíblia vemos a seguinte descrição do Leviatã:
Poderás tirar com anzol o leviatã, ou apertar-lhe a língua
com uma corda? Os seus espirros fazem resplandecer a
luz, e os seus olhos são como as pestanas da alva. Da sua
boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela. Os tecidos
da sua carne estão pegados entre si; ela é firme sobre ele,
não se pode mover. Quando ele se levanta, os valentes
são atemorizados, e por causa da consternação ficam fora
de si. Se alguém o atacar com a espada, essa não poderá
penetrar; nem tampouco a lança, nem o dardo, nem o
arpão. Ele considera o ferro como palha, e o bronze
como pau podre.
Hobbes deu o nome “Leviatã” ao seu livro porque
queria comparar a força do mostro mitológico com a
força do Estado.Essa comparação é feita até por meio
de uma citação do livro de Jó:
"... Non est potestas Super Terram quae Comparetur
ei Iob 41 24" ("Não há nenhum poder na terra para
ser comparado a ele. Job 41 24.")
ESTADO DE NATUREZA
No livro “Leviatã” Hobbes busca mostrar a “origem
do Estado” a “origem da sociedade civil”.
Estado de natureza (ou situação natural): é a
condição que o homem se encontra antes do
surgimento do Estado.
No estado de natureza a única lei existente é:
“O direito de natureza, a que os autores geralmente
chamam justiça natural, é a liberdade que cada
homem possui de usar seu próprio poder, da
maneira que quiser, para a preservação de sua
própria natureza”.
HOMO HOMINI LUPUS
BELLUM OMNIUM CONTRA OMNES
Há inexistência do Estado acaba
conduzindo a uma “guerra de todos contra
todos”. O medo e a desconfiança acabam
predominando, como isso os homens se
agridem mutuamente para preservar sua
vida.
O SURGIMENTO DO ESTADO
O medo da morte violenta leva os indivíduos a
fundarem o Estado.
Por meio de um contrato social os indivíduos
renunciam ao direito natural e transferem seu poder
a um soberano. Este soberano será detentor de um
poder Absoluto e o Estado terá o monopólio da
violência.
O leviatã de thomas hobbes
“Os pactos sem a espada não
passam de palavras,sem força
para dar qualquer segurança a
ninguém.”
FRONTISPÍCIO DA OBRA
CRÍTICA A ARISTÓTELES
Hobbes crítica Aristóteles por este julgar que o
Estado é uma instituição natural, sendo o homem
uma animal político.
Para Hobbes o Estado é uma construção artificial
que os indivíduos criam para preservar suas vidas . O
homem é um animal essencialmente egoísta, o
Estado tenta regulamentar esse egoísmo tornando a
convivência entre os indivíduos possível
ABSOLUTISMO
Hobbes é considerado um dos principais teóricos do
absolutismo, uma organização política que defende
que todo o poder deve ser concentrado nas mãos do
governante (geralmente um monarca).
A teoria e Hobbes é secular. Ele não recorre ao
conceito de “direito divino” para legitimar o poder
absoluto do governante.
JUSPOSITIVISMO (POSITIVISMO JURÍDICO)
 Hobbes um defensor do juspositivismo:
“Um crime [..] consiste em cometer (por feito ou por palavra) um ato
que a lei proíbe, ou em omitir um ato que ela ordena”.
“Onde acaba a lei civil acaba também o crime, pois na ausência de
qualquer lei que não seja a lei de natureza deixa de haver lugar para
acusação, sendo cada homem seu próprio juiz”.
“[..] Para que as palavras "justo" e "injusto" possam ter sentido, é
necessário alguma espécie de poder coercitivo, capaz de obrigar
igualmente os homens ao cumprimento dos pactos, mediante o
medo de algum castigo que seja superior ao benefício que esperam
tirar do rompimento do pacto (…). Não pode haver tal poder antes
de erigir-se um Estado”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
Rodrigo Cisco
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
António Daniel
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
Nábila Quennet
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
Bruno Barbosa
 
06. contrato social john locke
06. contrato social   john locke06. contrato social   john locke
06. contrato social john locke
Hernando Professor
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
sociofilo2012
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
Isabella Silva
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Diego Bian Filo Moreira
 
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
Sandra Wirthmann
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Rogerio Terra
 
Maquiavel e o pensamento político moderno
Maquiavel e o pensamento político modernoMaquiavel e o pensamento político moderno
Maquiavel e o pensamento político moderno
Rogerio Terra
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
Paulo Alexandre
 
05. contrato social thomas hobbes
05. contrato social   thomas hobbes05. contrato social   thomas hobbes
05. contrato social thomas hobbes
Hernando Professor
 
Idealismo alemão
Idealismo alemãoIdealismo alemão
Idealismo alemão
Alexandre Misturini
 
Contratualismo e Hobbes
Contratualismo e HobbesContratualismo e Hobbes
Contratualismo e Hobbes
Tércio De Santana
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
Erica Frau
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
Edirlene Fraga
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Rafael Oliveira
 

Mais procurados (20)

O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
O contratualismo hobbes, locke e rouseau aula 08
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
TEORIA CONTRATUALISTA SEGUNDO Rosseau,Hobbes, Locke.
 
Sociologia no Brasil
Sociologia no BrasilSociologia no Brasil
Sociologia no Brasil
 
06. contrato social john locke
06. contrato social   john locke06. contrato social   john locke
06. contrato social john locke
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
Os contratualistas
Os contratualistasOs contratualistas
Os contratualistas
 
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e  AristótelesFilosofia 02 - Sócrates, Platão e  Aristóteles
Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles
 
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
2 Ano_Contratualismo2 ano contratualismo
 
Os contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e LockeOs contratualistas: Hobbes e Locke
Os contratualistas: Hobbes e Locke
 
Maquiavel e o pensamento político moderno
Maquiavel e o pensamento político modernoMaquiavel e o pensamento político moderno
Maquiavel e o pensamento político moderno
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
05. contrato social thomas hobbes
05. contrato social   thomas hobbes05. contrato social   thomas hobbes
05. contrato social thomas hobbes
 
Idealismo alemão
Idealismo alemãoIdealismo alemão
Idealismo alemão
 
Contratualismo e Hobbes
Contratualismo e HobbesContratualismo e Hobbes
Contratualismo e Hobbes
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
Filosofia política
Filosofia políticaFilosofia política
Filosofia política
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 

Destaque

Aspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatãAspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatã
Rony Stayllon
 
LEVIATÃ - THOMAS HOBBES
LEVIATÃ - THOMAS HOBBESLEVIATÃ - THOMAS HOBBES
LEVIATÃ - THOMAS HOBBES
Cristiane Vitório
 
O Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas HobbesO Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas Hobbes
Dércio Macondzo
 
Thomas Hobbes
Thomas HobbesThomas Hobbes
Thomas Hobbes
Jhonatan Max
 
Hobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estadoHobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estado
Janayna Andrade
 
Hobbes leviatã
Hobbes leviatãHobbes leviatã
Hobbes leviatã
Sebastiana Inácio Lima
 
Thomas Hobbes
Thomas HobbesThomas Hobbes
Thomas Hobbes
nilda Baggay
 
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & HobbesCiência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
Natureza Humana   Hobbes E RousseauNatureza Humana   Hobbes E Rousseau
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
bianca.carneiro
 
Pensamiento político de Hobbes
Pensamiento político de HobbesPensamiento político de Hobbes
Pensamiento político de Hobbes
aleksja
 
Thomas Hobbes
Thomas HobbesThomas Hobbes
Thomas Hobbes
guest83c49a
 
Do estado Leviatã
Do estado LeviatãDo estado Leviatã
Do estado Leviatã
Anne Guerra
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
Ana César
 
Teoria Geral do Estado - Aula 2
Teoria Geral do Estado - Aula 2Teoria Geral do Estado - Aula 2
Teoria Geral do Estado - Aula 2
Carlagi Gi
 
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E RousseauA Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
thiagopfaury
 
Leviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicas
Leviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicasLeviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicas
Leviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicas
CAMILA DAZA. Estudiante Universidad la Gran Colombia
 
Racionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mpRacionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mp
alemisturini
 
Leviatã
LeviatãLeviatã
Leviatã
welingtonjh
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
marlonomallmann
 
Juspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismoJuspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismo
Hospital Dr. Hevio Auto
 

Destaque (20)

Aspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatãAspectos importantes na obra leviatã
Aspectos importantes na obra leviatã
 
LEVIATÃ - THOMAS HOBBES
LEVIATÃ - THOMAS HOBBESLEVIATÃ - THOMAS HOBBES
LEVIATÃ - THOMAS HOBBES
 
O Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas HobbesO Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas Hobbes
 
Thomas Hobbes
Thomas HobbesThomas Hobbes
Thomas Hobbes
 
Hobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estadoHobbes e o poder absoluto do estado
Hobbes e o poder absoluto do estado
 
Hobbes leviatã
Hobbes leviatãHobbes leviatã
Hobbes leviatã
 
Thomas Hobbes
Thomas HobbesThomas Hobbes
Thomas Hobbes
 
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & HobbesCiência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
 
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
Natureza Humana   Hobbes E RousseauNatureza Humana   Hobbes E Rousseau
Natureza Humana Hobbes E Rousseau
 
Pensamiento político de Hobbes
Pensamiento político de HobbesPensamiento político de Hobbes
Pensamiento político de Hobbes
 
Thomas Hobbes
Thomas HobbesThomas Hobbes
Thomas Hobbes
 
Do estado Leviatã
Do estado LeviatãDo estado Leviatã
Do estado Leviatã
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
Teoria Geral do Estado - Aula 2
Teoria Geral do Estado - Aula 2Teoria Geral do Estado - Aula 2
Teoria Geral do Estado - Aula 2
 
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E RousseauA Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
A Natureza Humana Para Hobbes E Rousseau
 
Leviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicas
Leviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicasLeviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicas
Leviatan - Thomas Hobbes. Historia de las ideas politicas
 
Racionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mpRacionalismo lascrael 21 mp
Racionalismo lascrael 21 mp
 
Leviatã
LeviatãLeviatã
Leviatã
 
Thomas hobbes
Thomas hobbesThomas hobbes
Thomas hobbes
 
Juspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismoJuspositivismo versus jusnaturalismo
Juspositivismo versus jusnaturalismo
 

Semelhante a O leviatã de thomas hobbes

Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
Cap 11   A Justificação do Estado ModernoCap 11   A Justificação do Estado Moderno
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
José Ferreira Júnior
 
10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke
FRANCISCO FRANCIZETE PAULINO
 
Hobbes
HobbesHobbes
Hobbes
Jorge Miklos
 
HOBBES.pptx
HOBBES.pptxHOBBES.pptx
Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
Nathália Camargo
 
O absolutismo antigo regime 1453-1789
O absolutismo   antigo regime 1453-1789O absolutismo   antigo regime 1453-1789
O absolutismo antigo regime 1453-1789
Augustojq
 
O marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberal
O marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberalO marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberal
O marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberal
César Pereira
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
Ilana Fernandes
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Athilla Henrique
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
John locke (Trabalho de Rafaela Santos)
John locke (Trabalho de Rafaela Santos)John locke (Trabalho de Rafaela Santos)
John locke (Trabalho de Rafaela Santos)
RafaelaSSantos
 
John locke (Rafaela Santos)
John locke (Rafaela Santos)John locke (Rafaela Santos)
John locke (Rafaela Santos)
RafaelaSSantos
 
Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)
Rômulo Dos Santos Pinheiro
 
Teorias Surgimento do Estado
Teorias Surgimento do EstadoTeorias Surgimento do Estado
Teorias Surgimento do Estado
Paula Meyer Piagentini
 
Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitos
Lucas Lima Silva
 
H8 antigo regime
H8 antigo regimeH8 antigo regime
H8 antigo regime
NandoPPS
 
Concepções de Estado 02
Concepções  de Estado 02Concepções  de Estado 02
Concepções de Estado 02
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
Concepções do Estado....
Concepções do Estado.... Concepções do Estado....
Concepções do Estado....
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã HobbesianoA Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
erp_ufabc
 

Semelhante a O leviatã de thomas hobbes (20)

Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
Cap 11   A Justificação do Estado ModernoCap 11   A Justificação do Estado Moderno
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
 
10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke
 
Hobbes
HobbesHobbes
Hobbes
 
HOBBES.pptx
HOBBES.pptxHOBBES.pptx
HOBBES.pptx
 
Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
 
O absolutismo antigo regime 1453-1789
O absolutismo   antigo regime 1453-1789O absolutismo   antigo regime 1453-1789
O absolutismo antigo regime 1453-1789
 
O marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberal
O marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberalO marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberal
O marxismo e o impasse entre igualdade e liberdade no pensamento liberal
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
 
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicosCi%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
Ci%cancia%20 pol%cdtica%20conceitos%20b%c1sicos
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
 
John locke (Trabalho de Rafaela Santos)
John locke (Trabalho de Rafaela Santos)John locke (Trabalho de Rafaela Santos)
John locke (Trabalho de Rafaela Santos)
 
John locke (Rafaela Santos)
John locke (Rafaela Santos)John locke (Rafaela Santos)
John locke (Rafaela Santos)
 
Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)Apresentação de jhon locke (2)
Apresentação de jhon locke (2)
 
Teorias Surgimento do Estado
Teorias Surgimento do EstadoTeorias Surgimento do Estado
Teorias Surgimento do Estado
 
Ciencia politica conceitos
Ciencia politica conceitosCiencia politica conceitos
Ciencia politica conceitos
 
H8 antigo regime
H8 antigo regimeH8 antigo regime
H8 antigo regime
 
Concepções de Estado 02
Concepções  de Estado 02Concepções  de Estado 02
Concepções de Estado 02
 
Concepções do Estado....
Concepções do Estado.... Concepções do Estado....
Concepções do Estado....
 
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã HobbesianoA Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Bioética
BioéticaBioética
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 

Mais de MARISE VON FRUHAUF HUBLARD (20)

Estatuto do idoso
Estatuto do idosoEstatuto do idoso
Estatuto do idoso
 
Portal do professor eleições de um municipio
Portal do professor   eleições de um municipioPortal do professor   eleições de um municipio
Portal do professor eleições de um municipio
 
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
consumo e consumismo qual o papel do consumidor consciente
 
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável  epicuro e_a_felicidadeFelicidade sustentável  epicuro e_a_felicidade
Felicidade sustentável epicuro e_a_felicidade
 
Animação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundialAnimação sobre a segunda guerra mundial
Animação sobre a segunda guerra mundial
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Arte e estética
Arte e estéticaArte e estética
Arte e estética
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia de platão
A filosofia de platãoA filosofia de platão
A filosofia de platão
 
A filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensinoA filosofia e seu ensino
A filosofia e seu ensino
 
A filosofia na educação básica
A filosofia na educação básicaA filosofia na educação básica
A filosofia na educação básica
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
A arte da guerra
A arte da guerraA arte da guerra
A arte da guerra
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aulaA tradicao-socratica-na-sala-de-aula
A tradicao-socratica-na-sala-de-aula
 
Sociologia em Movimento
Sociologia em MovimentoSociologia em Movimento
Sociologia em Movimento
 
Consumo vs consumismo
Consumo vs consumismoConsumo vs consumismo
Consumo vs consumismo
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
 
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarinaCaderno pedagógico de sociologia sta catarina
Caderno pedagógico de sociologia sta catarina
 
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
Regras da_abnt_para_formatacao_de_trabalhos_academicos
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 

O leviatã de thomas hobbes

  • 1. THOMAS HOBBES (MALMESBURY, 5 DE ABRIL DE 1588 – HARDWICK HALL, 1 DE DEZEMBRO DE 1674) FOI UM MATEMÁTICO, TEÓRICO POLÍTICO, E FILÓSOFO INGLÊS, AUTOR DE LEVIATÃ (1651) E DO CIDADÃO (1651). O LEVIATÃ DE THOMAS HOBBES
  • 2. A principal obra de Hobbes se chama LEVIATÃ. Este livro será um marco na Idade Moderna. As teses defendidas por Hobbes contrariavam as principais ideias da filosofia política de Aristóteles e de filósofos cristãos da Idade Média, tal como São Tomás de Aquino.
  • 3. A ORIGEM DO TERMO “LEVIATÔ Hobbes deu ao seu livro o nome de um monstro presente na mitologia fenícia e que também tem sua existência retratada na bíblia.
  • 4. O “Leviatã” é retratado de diversas formas na mitologia. Sendo apresentando hora como uma serpente marinha ou até como um polvo gigante.
  • 5. Na Bíblia vemos a seguinte descrição do Leviatã: Poderás tirar com anzol o leviatã, ou apertar-lhe a língua com uma corda? Os seus espirros fazem resplandecer a luz, e os seus olhos são como as pestanas da alva. Da sua boca saem tochas; faíscas de fogo saltam dela. Os tecidos da sua carne estão pegados entre si; ela é firme sobre ele, não se pode mover. Quando ele se levanta, os valentes são atemorizados, e por causa da consternação ficam fora de si. Se alguém o atacar com a espada, essa não poderá penetrar; nem tampouco a lança, nem o dardo, nem o arpão. Ele considera o ferro como palha, e o bronze como pau podre.
  • 6. Hobbes deu o nome “Leviatã” ao seu livro porque queria comparar a força do mostro mitológico com a força do Estado.Essa comparação é feita até por meio de uma citação do livro de Jó: "... Non est potestas Super Terram quae Comparetur ei Iob 41 24" ("Não há nenhum poder na terra para ser comparado a ele. Job 41 24.")
  • 7. ESTADO DE NATUREZA No livro “Leviatã” Hobbes busca mostrar a “origem do Estado” a “origem da sociedade civil”. Estado de natureza (ou situação natural): é a condição que o homem se encontra antes do surgimento do Estado.
  • 8. No estado de natureza a única lei existente é: “O direito de natureza, a que os autores geralmente chamam justiça natural, é a liberdade que cada homem possui de usar seu próprio poder, da maneira que quiser, para a preservação de sua própria natureza”.
  • 10. BELLUM OMNIUM CONTRA OMNES Há inexistência do Estado acaba conduzindo a uma “guerra de todos contra todos”. O medo e a desconfiança acabam predominando, como isso os homens se agridem mutuamente para preservar sua vida.
  • 11. O SURGIMENTO DO ESTADO O medo da morte violenta leva os indivíduos a fundarem o Estado. Por meio de um contrato social os indivíduos renunciam ao direito natural e transferem seu poder a um soberano. Este soberano será detentor de um poder Absoluto e o Estado terá o monopólio da violência.
  • 13. “Os pactos sem a espada não passam de palavras,sem força para dar qualquer segurança a ninguém.”
  • 15. CRÍTICA A ARISTÓTELES Hobbes crítica Aristóteles por este julgar que o Estado é uma instituição natural, sendo o homem uma animal político. Para Hobbes o Estado é uma construção artificial que os indivíduos criam para preservar suas vidas . O homem é um animal essencialmente egoísta, o Estado tenta regulamentar esse egoísmo tornando a convivência entre os indivíduos possível
  • 16. ABSOLUTISMO Hobbes é considerado um dos principais teóricos do absolutismo, uma organização política que defende que todo o poder deve ser concentrado nas mãos do governante (geralmente um monarca). A teoria e Hobbes é secular. Ele não recorre ao conceito de “direito divino” para legitimar o poder absoluto do governante.
  • 17. JUSPOSITIVISMO (POSITIVISMO JURÍDICO)  Hobbes um defensor do juspositivismo: “Um crime [..] consiste em cometer (por feito ou por palavra) um ato que a lei proíbe, ou em omitir um ato que ela ordena”. “Onde acaba a lei civil acaba também o crime, pois na ausência de qualquer lei que não seja a lei de natureza deixa de haver lugar para acusação, sendo cada homem seu próprio juiz”. “[..] Para que as palavras "justo" e "injusto" possam ter sentido, é necessário alguma espécie de poder coercitivo, capaz de obrigar igualmente os homens ao cumprimento dos pactos, mediante o medo de algum castigo que seja superior ao benefício que esperam tirar do rompimento do pacto (…). Não pode haver tal poder antes de erigir-se um Estado”.