SlideShare uma empresa Scribd logo

Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles

Sofistas, Sócrates, Platão e Aristóteles, ideias socráticas, caverna de Platão, Aristóteles, Ética aristotélica, Filosofia Grega, Grandes pensadores gregos,ÉTICA, LÓGICA ARISTOTÉLICA, POLÍTICA GRÉCIA ANTIGA,

1 de 73
Baixar para ler offline
Sócrates, Platão e Aristóteles
Os três Grandes Filósofos Gregos
SÓCRATES ------------------PLATÃO-----------------ARISTÓTELES
Primeiramente ...
O QUE É REALIDADE?
DICA:
MELHORESEUS
CONHECIMENTOS
VEJA O FILME MATRIX E OBSERVE A IDÉIA
DE QUE EXISTEM DOIS MUNDOS E QUE A
APARENCIAS PODEM NOS ENGANAR.
A ESCOLHA DE NEO
“Morpheus: Você deseja saber o que ela é? A Matrix está em todo lugar. A nossa volta. Mesmo
agora, nesta sala. Você pode vê-la quando olha pela janela ou quando liga sua televisão[...] É o
mundo que foi colocadodiantedeseusolhos paraque vocênão visse averdade.
Neo: Que verdade?
Morpheus: Que você é um escravo. Como todo mundo. Você nasceu em um cativeiro, em uma
prisão que não consegue sentir ou tocar. Uma prisão para sua mente. Infelizmente é impossível
dizer o que é Matrix.Você tem que ver por si mesmo[...] Se tomar apílulaAzul, ahistóriaacaba e
você acordanasuacama acreditando no que quiser. Se tomar apílula vermelha, ficaráno paísdas
maravilhas e eu te mostrarei até onde vai a toca do coelho. Lembre-se: tudo que eu ofereço é a
verdade. Nadamais.”
QUAL PILULA VOCE TOMARIA?
POR TRÁS DAS CORTINAS
O dialogo que vimos pertence ao
filme Matrix. Neo toma a pílula
vermelha e conhece a verdade. O
filme se baseia na ideia que por trás
da verdade que conhecemos existe
outra verdade difícil de enxergar.
Seriamos como prisioneiros em um
mudo de aparências. Será?
Afinal, o que é a Realidade?
Podemos conhecer a realidade? Essas
são perguntas típicas da Metafisica,
uma área de estudos da filosofia. Ela
estuda os princípios da existência que
vão além da matéria e do mundo
físico vemos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasLeandro Nazareth Souto
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
AristótelesDeaaSouza
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaAlison Nunes
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaTurma Olímpica
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia GréciaLuci Bonini
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticosrafaforte
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasItalo Colares
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesErizon Júnior
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à SociologiaAlison Nunes
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razãoElizeu Nascimento Silva
 

Mais procurados (20)

Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Mito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de PlatãoMito da Caverna de Platão
Mito da Caverna de Platão
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 

Semelhante a Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles

Platão e Aristótelis
Platão e AristótelisPlatão e Aristótelis
Platão e AristótelisMary Alvarenga
 
E book 5ideias
E book 5ideiasE book 5ideias
E book 5ideiasTeologiaem
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraErnandez Oliveira
 
Uma breve historia da filosofia nigel warburton
Uma breve historia da filosofia   nigel warburtonUma breve historia da filosofia   nigel warburton
Uma breve historia da filosofia nigel warburtonsol65
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...Antonio Inácio Ferraz
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da FilosofiaO Camaleão
 
Primeiros anos filosofia1442011175447
Primeiros anos   filosofia1442011175447Primeiros anos   filosofia1442011175447
Primeiros anos filosofia1442011175447Marcos Silveira
 
Primeiros anos filosofia1442011175447
Primeiros anos   filosofia1442011175447Primeiros anos   filosofia1442011175447
Primeiros anos filosofia1442011175447Marcos Silveira
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao HelenismoLucio Oliveira
 
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...Antonio Inácio Ferraz
 
filosofia-socrates.doc
 filosofia-socrates.doc filosofia-socrates.doc
filosofia-socrates.docPatty Nery
 
Texto períodos da filosofia
Texto   períodos da filosofiaTexto   períodos da filosofia
Texto períodos da filosofiaWilli Roger
 
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI... AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...Turma Olímpica
 

Semelhante a Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles (20)

Platão e Aristótelis
Platão e AristótelisPlatão e Aristótelis
Platão e Aristótelis
 
E book 5ideias
E book 5ideiasE book 5ideias
E book 5ideias
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
 
Uma breve historia da filosofia nigel warburton
Uma breve historia da filosofia   nigel warburtonUma breve historia da filosofia   nigel warburton
Uma breve historia da filosofia nigel warburton
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Filósofos socráticos
Filósofos socráticos Filósofos socráticos
Filósofos socráticos
 
Primeiros anos filosofia1442011175447
Primeiros anos   filosofia1442011175447Primeiros anos   filosofia1442011175447
Primeiros anos filosofia1442011175447
 
Primeiros anos filosofia1442011175447
Primeiros anos   filosofia1442011175447Primeiros anos   filosofia1442011175447
Primeiros anos filosofia1442011175447
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia   dos Pré Socráticos ao HelenismoHistória da Filosofia   dos Pré Socráticos ao Helenismo
História da Filosofia dos Pré Socráticos ao Helenismo
 
,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ
,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ
,Platao ii-ANTONIO INACIO FERRAZ
 
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
FILOSOFIA GREGA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA CO...
 
filosofia-socrates.doc
 filosofia-socrates.doc filosofia-socrates.doc
filosofia-socrates.doc
 
Texto períodos da filosofia
Texto   períodos da filosofiaTexto   períodos da filosofia
Texto períodos da filosofia
 
Sócrates.pptx
Sócrates.pptxSócrates.pptx
Sócrates.pptx
 
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI... AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
AMOR PLATONICO-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A influência de Platão e Aristó...
 
Sócrates: Vida e obra
Sócrates: Vida e obraSócrates: Vida e obra
Sócrates: Vida e obra
 
Aula 02 filosofia clássicos gregos - i
Aula 02   filosofia clássicos gregos - iAula 02   filosofia clássicos gregos - i
Aula 02 filosofia clássicos gregos - i
 

Mais de Diego Bian Filo Moreira

ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICAERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICADiego Bian Filo Moreira
 
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTALREVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTALDiego Bian Filo Moreira
 
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃOAS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃODiego Bian Filo Moreira
 
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANOPRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANODiego Bian Filo Moreira
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosDiego Bian Filo Moreira
 

Mais de Diego Bian Filo Moreira (20)

Revolta federalista
Revolta federalistaRevolta federalista
Revolta federalista
 
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRAGUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
GUERRAS MUNDIAIS - SEGUNDA GUERRA
 
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
BRASIL 04- PRIMEIRA REPÚBLICA
 
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICAERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
ERA DAS REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO FRANCESA E ERA NAPOLEÔNICA
 
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTALREVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
REVOLUÇÃO FRANCESA - ENSINO FUNDAMENTAL
 
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITAINFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
INFOGRÁFICO- HISTÓRIA DA ESCRITA
 
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃOAS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
AS MÚMIAS - TEXTO COM EXERCÍCIOS DE INTERPRETAÇÃO
 
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIAINFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
INFOGRÁFICO - PRÉ-HISTÓRIA
 
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOSINFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
INFOGRÁFICO - ESTADOS MODERNOS
 
Filosofia 05- Filosofia Moderna
Filosofia 05- Filosofia ModernaFilosofia 05- Filosofia Moderna
Filosofia 05- Filosofia Moderna
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIALINFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
INFOGRÁFICO - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Pré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino MédioPré História - Ensino Médio
Pré História - Ensino Médio
 
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANOPRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
PRÉ HISTÓRIA - Os Primeiros Homens - 6 ANO
 
O Tempo e a Historia - Ensino Médio
O Tempo e a Historia - Ensino MédioO Tempo e a Historia - Ensino Médio
O Tempo e a Historia - Ensino Médio
 
O Tempo e a História - 6 ANO
O Tempo e a História - 6 ANOO Tempo e a História - 6 ANO
O Tempo e a História - 6 ANO
 
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANOFILOSOFIA  POLÍTICA - 3 ANO
FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
 
Filosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - HelenismoFilosofia 03 - Helenismo
Filosofia 03 - Helenismo
 
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros FilósofosFilosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
Filosofia 01 - Do mito aos Primeiros Filósofos
 

Último

Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...apoioacademicoead
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 

Último (20)

Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
Ainda nessa perspectiva, mencione ao menos três desafios associados à aplicaç...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoriaAtividade sobre o anacronismo na HIstoria
Atividade sobre o anacronismo na HIstoria
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 

Filosofia 02 - Sócrates, Platão e Aristóteles

  • 1. Sócrates, Platão e Aristóteles Os três Grandes Filósofos Gregos SÓCRATES ------------------PLATÃO-----------------ARISTÓTELES
  • 2. Primeiramente ... O QUE É REALIDADE?
  • 3. DICA: MELHORESEUS CONHECIMENTOS VEJA O FILME MATRIX E OBSERVE A IDÉIA DE QUE EXISTEM DOIS MUNDOS E QUE A APARENCIAS PODEM NOS ENGANAR.
  • 4. A ESCOLHA DE NEO “Morpheus: Você deseja saber o que ela é? A Matrix está em todo lugar. A nossa volta. Mesmo agora, nesta sala. Você pode vê-la quando olha pela janela ou quando liga sua televisão[...] É o mundo que foi colocadodiantedeseusolhos paraque vocênão visse averdade. Neo: Que verdade? Morpheus: Que você é um escravo. Como todo mundo. Você nasceu em um cativeiro, em uma prisão que não consegue sentir ou tocar. Uma prisão para sua mente. Infelizmente é impossível dizer o que é Matrix.Você tem que ver por si mesmo[...] Se tomar apílulaAzul, ahistóriaacaba e você acordanasuacama acreditando no que quiser. Se tomar apílula vermelha, ficaráno paísdas maravilhas e eu te mostrarei até onde vai a toca do coelho. Lembre-se: tudo que eu ofereço é a verdade. Nadamais.”
  • 5. QUAL PILULA VOCE TOMARIA?
  • 6. POR TRÁS DAS CORTINAS O dialogo que vimos pertence ao filme Matrix. Neo toma a pílula vermelha e conhece a verdade. O filme se baseia na ideia que por trás da verdade que conhecemos existe outra verdade difícil de enxergar. Seriamos como prisioneiros em um mudo de aparências. Será? Afinal, o que é a Realidade? Podemos conhecer a realidade? Essas são perguntas típicas da Metafisica, uma área de estudos da filosofia. Ela estuda os princípios da existência que vão além da matéria e do mundo físico vemos.
  • 7. O QUE EXISTE? “HÁ NO CEU E NA TERRA[...] BEM MAIS COISAS DO QUE SONHOU JAMAIS NOSSA FILOSOFIA” Shakespeare, Willian. Hamlet. Vimos que no filme Matrix está presente aideiade duas realidades.: umaque aparece e vemos pelos sentidos e outra oculta, que não podemos ver, más podemos entender pelo raciocínio. Os primeiros filósofos observaram a natureza como ela aparecia, e buscaram a Arkhé (origem, essência) da Physis (Natureza) que podia ser a agua para Tales, o ar para Anaximenes ou o Átomo para Demócrito. Vocês se Lembram?
  • 8. A traição das imagens ou Isso não é um Cachimbo(1929), Pintura de René Magritte. OBSERVE A IMAGEM. E pense na frase “Isso não é um cachimbo”. Em sua opinião o que o artista quis dizercomesta obra?
  • 9. O QUE É SER HUMANO? Como vimos os primeiros filósofos se voltaram para a natureza, o principio da existência, etc. Ao investigar a natureza onde vivemos, eles pensaram que poderiam conhecer melhor o ser humano, já que vivemos nela. Máso ser humano só se tronou foco dafilosofia por voltadosséculos IV e V .C. Graças aos chamados Sofistas, o maisfamosos Protágoras, e ao grande filósofo Sócrates. Os Sofistas por exemplo, não acreditavam em verdades absolutas encontradas na observação e na razão. Defendiam que os Nomos(costumes) são diferentes de povo a povo, portanto as leis e verdades absolutas não existem. Más vale o bem falar, assim se convence o outrode suaverdade. Foi a partir de então que váriosestudiosos buscam apergunta: “ Oque é o ser humano?”
  • 10. EXISTE UMA SÓ VERDADE? A partir deste momento os sofistas começavam a ensinar aos cidadãos técnicas que os ajudariam a defender seus próprios pensamentos, a ter argumentos para fazer com que suas opiniões pudessem ser aceitas e entendidas, e acima de tudo conseguir ocupar seu espaço, mostrando que tinham o poder de ser mais do que pessoas sem voz, que apenas baixavam a cabeça sem nenhum poder de persuasão: Por exemplo: Os deuses sempre existiram (Physis) ou foram criados pelas pessoas(Nomos). Muitos desses filósofos eram chamados de céticos, pois achavam inúteis certas discussões. O próprio Sócrates chegou a se revoltar alegando que eles não respeitavam a verdade e o amor pela sabedoria. PROTÁGORAS: 481 – 441 A.C
  • 13. Sócrates  Filósofo grego nascido em Atenas (470 a.C- 399AC)  Considerado o Primeiro filosofo Humanista;  Pregava o Autoconhecimento;  Seu métodode transmissãode conhecimentos e sabedoria era o diálogo
  • 14. Sócrates Na Grécia Antiga, o filósofo Sócrates ficou famoso por parar as pessoas e fazer perguntas aos que se achavam conhecedores de algum assunto. Mas durante o diálogo, Sócrates colocava a pessoa em situação delicada, o levando a reconhecer sua própria ignorância. Considerando essas informações sobre a vida de Sócrates, assim como a forma pela qual seu pensamento foi transmitido, pode-se afirmar que sua filosofia se resumia no desenvolvimento de técnicas discursivas como a ironia que levava o interlocutor a contradizer-se, e a maiêutica que o auxiliava a construir novas ideias abandonando suas certezas antigas.
  • 15. Diálogos Sócrates ensinava em forma de diálogos, veja: Sócrates falava dia e noite s em parar, inquerindo quem quer que cruzasse o seu caminho. A sede insaciável de diálogo ficou conhecida como método socrático, ou dialética. Passava os dias formulando questões e perguntando insistentemente, sem desenvolver uma teoria sequer. Dos diálogos, tentava estimular pensamentos sobre o que é o bem, o justo, o bom e o belo. A vida e a moral eram as grandes preocupações do pai da filosofia ocidental. Ele definiu o que acreditava s er uma vida virtuosa, onde a paz de espírito era atingida faz endo o certo, o que não era a mesma coisa que s eguir o código moral da época. Fazer a coisa certa era uma questão de consciência – Sócrates acreditava que ninguém deseja fazer o mal. Esse princípio levaria à famosa máxima “Conhece-te a ti mesmo”, inspirada na inscrição do Oráculo de Delfos, centro de consulta aos deuses gregos. Certa vez, perguntou: – Ser enganador é ser imoral. – É claro que sim”, respondeu o amigo. – Mas e se um amigo estivesse muito triste e quisesse se matar e você roubasse a faca dele? Então seria um ato imoral?” – Sim, ouviu como resposta. – Mas seria moral em vez de imoral, já que seria uma coisa boa e não ruim salvar a vida dele tirando sua faca”. A essa altura, enquanto os neurônios do cidadão se debatiam, Sócrates dava-se por satisfeito.
  • 17. – Devem ser pedidos aos participantes relatos breves de experiências pessoais relevantes para a pergunta. – O grupo escolhe um exemplo. – As análises do exemplo devem ser dita – Os participantes devem procurar ser o mais claros e concisos possível. Não se devem concentrar apenas nos seus pensamento mas devem ouvir e procurar compreender totalmente as ideias e argumentos dos outros. – A persist ência é importante. Não se deve avançar enquanto houver algum ponto da discussão pouco claro para alguém. – Os participantes devem fundamentar os seus argumentos e chegar a uma ideia aceit ável pelo grupo. Vamos produzir um Diálogo Socrático? – Devemos começar com uma pergunta geral, clara e bem formulada (sugerida pelo grupo ou pelo moderador).
  • 19. O julgamentode Sócrates Devido a sua atuação critica e incomoda para muitos na época Sócrates acabou sendo condenado à morte sob a acusação de corromper a juventude, desobedecer às leis da cidade e desrespeitar certos valores religioso. Encorajado a fugir por seus alunos e colegas disse: que não fugiria e antes de beber o veneno dado pelo carrasco disse: “É Chegado o tempo de partirmos. Eu para a morte, vós para a vida. Qual dos destinos é o melhor, a não ser Deus, ninguém o sabe.”
  • 22. VAMOS FILOSOFARAGORA... . ...agora reflita: Você se conhece bem? Você se considera uma pessoa que sabe de muitas, poucas ou muito poucas coisas do mundo a sua volta? Pensa em saber mais? Porque você não busca sabedoria? Faça um texto de inicio meio e fim e entregue com nome e serie ao professor.
  • 24. Platão  Filósofo grego nascido em Atenas (427-347a.C.)  Discípulo de Sócrates;  Fundador da Academia de Atenas em 387a.C.;  Teoria do conhecimento: mundo das ideias (alma) e mundo real (corpo)  Criador da Alegoria da Caverna;  Divulgador do Mito de Atlântida, a civilização perdida.
  • 25. Platão Platão (427-347 a.C.) tinha vinte e nove anos quando seu mestre Sócrates bebeu o veneno que o levou a morte. Esse fato o marcou profundamente dado o tempo que conviveu com seu mestre. Principal discípulo de Sócrates, Platão se encarregou de registrar as ideias do mestre na forma de diálogos. Para Platão tudo (absolutamente tudo) era feito por algum elemento básico (ideia do átomo de Demócrito, lembra?), mas ele evoluiu essa ideia dizendo que há moldes (formas) em um mundo chamado de mundo das ideias. Ele descreve essa ideia em um dos textos filosóficos mais lidos da história, o Mito da Caverna.
  • 26. O MITO DA CAVERNA O mito fala sobre prisioneiros (desde o nascimento) que vivem presos em correntes numa caverna e que passam todo tempo olhando para a parede do fundo que é iluminada pela luz gerada por uma fogueira. Nesta parede são projetadas sombras de estátuas representando pessoas, animais, plantas e objetos, mostrando cenas e situações do dia-a-dia. Os prisioneiros ficam dando nomes às imagens (sombras), analisando e julgando as situações. Vamos imaginar que um dos prisioneiros fosse forçado a sair das correntes para poder explorar o interior da caverna e o mundo externo. Entraria em contato com a realidade e perceberia que passou a vida toda analisando e julgando apenas imagens projetadas por estátuas. Ao sair da caverna e entrar em contato com o mundo real ficaria encantado com os seres de verdade, com a natureza, com os animais e etc. Voltaria para a caverna para passar todo conhecimento adquirido fora da caverna para seus colegas ainda presos. Porém, seria ridiculariz ado ao contar tudo o que viu e sentiu, pois seus colegas só conseguem acreditar na realidade que enxergam na parede iluminada da caverna. Os prisioneiros vão o chamar de louco, ameaçando-o de morte caso não pare de falar daquelas ideias consideradas estranhas e “ coisa de louco”. O Que Platão Quis Dizer Com Essa História?...
  • 27. VAMOS VER O MITO DA CAVERNA EM VIDEO... O MITO DA CAVERNA DE PLATÃO CONSEGUIRAM ENTENDER AGORA?... SE NÃO, VAMOS ENTENDER AGORA
  • 28. O MITO DA CAVERNA Simplificando, por exemplo, peguemos os cavalos. Todos os cavalos são iguais? Não! Más eles são se você pensar na forma “cavalo”, ou seja, embora cada cavalo tenha cor, tamanho e algumas outras características diferentes, é impossível que você confunda um cavalo com um gato. Isso acontece porque, segundo Platão, há uma forma que cria os elementos cavalos e detém em si todo conhecimento sobre cavalos. Portanto a ideia que ao conseguir ver essa forma veríamos também o que seria um cavalo perfeito é bem razoável, o que se aproxima de seu objetivo d e algo imutável, belo e perfeito. Um exemplo prático disso são formas de bolos. Embora não vemos a forma quando vemos os bolos numa padaria, aceitamos que a forma possui o molde perfeito pra os bolos, independente se os bolos saem perfeitos ou não. Essa teoria do mundo dos sentidos (onde vivemos e está tudo o que vemos) e mundo das ideias (onde estão as “imagens padrão” ou imagens primordiais das ideias) é chamada pela filosofia de teoria das ideias de Platão.
  • 29. RESUMINDO AINDA MAIS... VEMOS DIFERENTES EXEMPLOS DE CAVALOS NO MUNDO A NOSSA VOLTA RECONHECEMOS AS CARACTERISTICAS COMUNS DOS CAVALOS A NOSSA VOLTA. USANDO NOSSOS SENTIDOS E NOSSA RAZÃO, COMPREENDEMOS O QUE TORNA UM CAVALO UM CAVALO ENTÃO ENCONTRAMOS A VERDADEA PARTIR DAS EVIDÊNCIAS QUE ENCONTRAMOS NO MUNDO A NOSSA VOLTA.
  • 30. O mundo ideal de Platão Revendo o mito percebemos que tudo que os homens da caverna conheciam do mundo eram sombras da vida real projetadas nas paredes, ou seja, cópias imperfeitas das coisas, que conservam suas formas verdadeiras no mundo das ideias, uma espécie de paraíso onde está guardado o padrão de tudo o que existe – principal teoria de Platão. O mundo das ideias existe em oposição ao mundo dos sentidos, esse no qual vivemos, recheado de cópias defeituosas de tudo o que existe no plano superior. Quando um dos escravos foge da caverna e fica deslumbrado com a verdadeira forma das coisas, o chamado mundo das ideias. Platão faz uma metáfora com os filósofos, que saem da ignorância por meio do conhecimento. Ele defendia a tese de que o mundo das ideias só poderia ser acessado pelos filósofos. Logo, era essa a classe mais indicada para governar a Pólis(cidade). Esse pensamento originou a teoria política de Platão, na qual ele cria a cidade ideal. Nela, existiriam apenas três categorias de cidadãos, cada um desempenhando a tarefa para a qual estava melhor preparado. Aqueles que tinham a “alma com apetite” seriam trabalhadores; os corajosos, os guardiões(soldados); e os dotados de sabedoria e razão, os governantes-filósofos.
  • 33. VAMOS FILOSOFAR AGORA... A CAVERNA MODERNA VIMOS QUEPLATÃOTENTA DEMOSNTRAR EM SEU MITOA IDEIA DEPRISÃOQUANDONÃOSETEM CONHECIMENTO. COMPAREESSAIDEIACOMO FILMEMATRIX QUEVIMOS... EAGORA TENTEENCONTRAR EM NOSSO MUNDO AS CAVERNAS QUE NOS PRENDEM... Faça um texto de inicio meio e fim e entregue com nome e serie ao professor.
  • 34. Assim podemos dizer que... Trazendo o mito de Platão para hoje podemos dizer que os seres humanos tem visões distorcidas da realidade. No mito, os prisioneiros somos nós que enxergamos e acreditamos apenas em imagens criadas pela cultura, conceitos e informações que recebemos durante a vida. A caverna simboliza o mundo, pois nos apresenta imagens que não representam a realidade. Só é possível conhecer a realidade, quando nos libertamosdestas influências culturaise sociais, ou seja, quando saímos da cavernae buscamos conhecimento.
  • 35. Mito da caverna Moderno?
  • 36. Platão, influenciou o cristianismo? Após um grande movimento intelectual acontecido na Grécia iniciado por Platão, que foi fortíssimo, a filosofia ocidental nasce, e pouco depois disso o mundo se cristianiza. O filosofo Nietzsche foi um dos primeiros pensadores a perceber tal semelhança, chegando a escrever: “O Cristianismo é o platonismo para o povo”, assim passamos a crer sem questionar, (pois a igreja transformou parte da filosofia platônica em dogmas), que existe o “belo”, “justo”, “verdade”, “perfeição” “outro mundo” a “imortalidade da alma”, “eternidade”, assim essa visão metafísica platônica cristã, juntamente com a modernidade, s e uniram para formar a nossa moral. Pode ser visto também na relação que existe hoje, de negação do corpo, das sensações que levam ao erro e ao pecado, negação do agora, da contradição e do conflito entre corpo e alma. Consequentemente também criou em nós uma imagem idealiz ada(Ideal) de família, sua casa, seu carro, ou seja, toda sua vida acaba sendo constantemente idealizada, deixando de lado as peculiaridades da realidade, para se refugiar no mundo idealizado.
  • 37. A ACADEMIA Depois da morte De Sócrates, Platão fundou a própria escola em Atenas chamada de Academia e segundo historiadores foi a primeira universidade do Ocidente. Foi inspirada nas comunidades criadas por Pitágoras, a Academia ensinava matemática e geografia. O grande avanço era o ingresso de mulheres que, pela primeira vez, podiam estudar. O aluno mais ilustre foi Aristóteles. Platão morreu aos 70 anos. Hoje vemos Sócrates e Platão homenageados como estatuas na entrada da Academia de Atenas fundada em1923, na Grécia.
  • 40. Atlântida de Platão Atlântida teria sido um paraíso, uma lendária ilha cuja primeira menção conhecida remonta a Platão em suas obras "Timeu ou a Natureza" e "Crítias ou a Atlântida". Era composta de exóticas paisagens, com clima agradável e belas florestas, ao lado de extensas e férteis planícies. Os animais eram dóceis, porém fortes. Segundo a lenda, há muito tempo teria existido um grande continente, chamado Atlântida ou Atlantis. Ficava no meio do oceano que recebeu o seu nome - Oceano Atlântico - e m frente às Portas de Hércules (Estreito de Gibraltar).
  • 42. Atlântida de Platão E havia as cidades, grandes e pequenas. Os atlantes eram senhores de uma civiliz ação muito avançada. Palácios e templos cobertos de ouro e outros metais preciosos destacavam-se numa paisagem onde o campo e a cidade conviviam em harmonia. Jardins, fontes, ginásios, estádios, estradas, aquedutos, pontes. Estavam por todo o lado e a disposição de todos. Mas não viviam completamente tranquilos, pois não estavam sozinhos no mundo. Em raz ão disso, apesar de cultivare m a paz e a harmonia nunca deixaram de praticar as artes da guerra, já que vários povos, movidos pela inveja, cobiçando a sua riqueza, tentavam conquistar o continente. As vitórias obtidas contra os invasores foram tão grandiosas que logo despertaram o orgulho e a ambição de passar ao contra ataque. Já não pensavam em apenas defenderem-se, mas em aumentar o território de Atlântida.
  • 43. Atlântida de Platão Assim o poderoso exército Atlante preparou-se para a guerra e aos poucos foi conquistando grande parte do mundo conhecido, dominando vários povos ao seu redor, uma grande parte da Europa Atlântica e parte do Norte de África. Os seus corações até então puros foram endurecendo como as suas armas. Enquanto se perdia a inocência nascia o orgulho, a vaidade, o luxo desnecessário, a corrupção e o desrespeito para com os deuses. Então Poseidon convocou então os outros deuses para julgar os atlantes e decidiu aplicar-lhes um castigo exe mplar. E como consequência vieram terríveis desastres naturais. As terras da Atlântida estremeceram violentamente, o dia fez-se noite, e logo e m seguida surgiu o fogo queimando as florestas e campos de cultivo. O mar inundou a terra de Atlântida com ondas gigantes, engolindo as aldeias e cidades. Em pouco tempo Atlântida desaparecia para sempre.
  • 47. Escola de Atenas, Rafael Sânzio, 1511
  • 49. ARISTÓTELES No Vaticano, vemos a pintura acima, pintada por Rafael de Sanzio, que mostra Platão com o indicador apontado para o alto, e Aristóteles, com o braço reto e a palma da mão voltada para baixo. Eles estão lado a lado, no centro da pintura, e seus gestos simbolizam a principal diferença entre os fundadores da filosofia ocidental. Para Platão, a solução para os problemas estava em outro plano, no mundo das ideias, longe da realidade imperfeita onde vivemos. Aristóteles, que se tornou o principal crítico do mestre, achava o contrário. Só existe um mundo. Este mesmo onde você estápisando agora, imperfeito, mutante, louco, ilógico, mas seu e meu, nosso. Seu maior interesse estava justamente na natureza viva. Ele não foi apenas o último grande filósofo grego; foi também o primeiro grande biólogo. Embora discípulo de Platão, há muitas diferenças entre eles.
  • 50. “Platão achava que a verdade estava no mundo das ideias, do espírito” “Já Aristóteles achava que a verdade estava na Natureza em nossa volta e nos sentidos”
  • 51. Platão x Aristoteles: Aristóteles aprendeu muito com o mestre Platão, mas foi também seu maior crítico. Aristóteles acreditava que a verdade está neste mundo e não em um mundo paralelo, como acreditava Platão. Platão era pura razão, já Aristóteles era mais voltado aos sentidos e pelo gosto à natureza. As contribuições aristotélicas na Biologia, psicologia, ética, filosofia política, além da matemática, da física e da zoologia, são ainda hoje citadas em faculdades mundo afora Como Aristóteles escreveu sobre todas as ciências, vamos tratar aqui sobre algumasdas áreasmais importantes. E como estudamos Platão, vamos falar primeiramente sobre os argumentos de Aristóteles contra a teoria das ideias de Platão. PLATÃO X ARISTÓTELES
  • 52. Platão x Aristoteles: Platão se apartou do mundo dos sentidos e que só percebiamuito superficialmente tudo aquilo que vemos ao nosso redor. Aristóteles chamou afilosofiade voltaparaa Terra. Ele saiu ao encontro da natureza e estudou peixes e rãs, aves e cavalos. Nós bem poderíamos dizer que enquanto Platão usou apenas sua razão, Aristóteles – ao contrário – usou também seus sentidos. Aristóteles dizia que não existia “formas perfeitas no mundo de ideias”. Ele não acreditava na teoria do mundo das ideias apresentada no Mito daCaverna. Para ele, o mundo real, a natureza, não tem nada de ilusório. Aristóteles acreditava que averdade está neste mundo e não em um universo paralelo, como acreditava Platão. PLATÃO X ARISTÓTELES
  • 53. Platão x Aristoteles:PLATÃO X ARISTÓTELES Vamos entender, para Aristóteles nós observamos as coisas e começamosa agrupá- lasautomaticamente parafacilitar nossavida, então somos nós que criamos definimos as formas perfeitas com o passar do tempo. Em suma, não nascemos com as ideias inatas(prontas), passamos a construí-las depois que nascemos ao observar o mundo, já´ que somos a única raça racional (nisso Aristóteles concordava com Platão). O debate entre as ideias Inatas de Platão e o conhecimento adquirido através do sentido e da observação de Aristóteles continuaram a ser discutidas na filosofia e na ciência dando origem as ideias Racionalistas(Raciocinar) e o Empiristas (Praticar)
  • 54. Platão x Aristoteles: Aristóteles achava que Platão tinha virado tudo de cabeça para baixo. Ele concordava com seu mestre em que a ideia de cavalo “flui”, passa, e que nenhum cavalo vive para sempre. Ele também concordava que, em si, a forma do cavalo era eterna e imutável. Mas a “ideia” cavalo não passava para ele de um conceito criado pelos homens e para os homens, depois de eles terem visto um certo número de cavalos. Então o cavalo que você vê não é apenas um simulacro(copia) de um cavalo verdadeiro existente no mundo das ideias, como Platão dizia. PLATÃO X ARISTÓTELES Qual o nome disso? Parece forte! Que tal... Cava... Cavalo! Tem cara de Cavalo Cavalo, cavalinho!
  • 55. RESUMINDO AINDA MAIS... VEMOS DIFERENTES EXEMPLOS DE CAVALOS NO MUNDO A NOSSA VOLTA RECONHECEMOS AS CARACTERISTICAS COMUNS DOS CAVALOS A NOSSAVOLTA. USANDONOSSOS SENTIDOS E NOSSA RAZÃO, COMPREENDEMOS OQUE TORNA UM CAVALOUM CAVALO ENTÃOENCONTRAMOS A VERDADE A PARTIR DAS EVIDÊNCIAS QUE ENCONTRAMOS NO MUNDOA NOSSA VOLTA.
  • 56. VAMOS FILOSOFAR AGORA... Reflita sobre a seguintes questões: Porque Aristóteles discordava da teoria de Platão? A teoria de Aristóteles fala que o mundo é percebido de que forma? Agora Faça um texto de inicio meio e fim que responda a todas as perguntas e que apresente inicio meio e fim.
  • 57. Baseado na observação e no raciocínio indutivo, Aristóteles começa uma classificação da natureza. Primeiro ele cria 2 grupos: os inanimados (minerais) e as criaturas vivas, estas no ar, terrestres e aquaticas. Por ultimo, Aristóteles divide o grupo das coisas vivas em animais (irracionais) e o homem(racional), ao falar do homem, ele afirma que esse é o único com todas as capacidades dos animais somando capacidade de pensar racionalmente. A isso Aristóteles atribui a existência de uma pequena “chama divida”(alma) em cada um, colocando assim o homem no topo supremo detudoqueexiste. Aristóteles
  • 58. Aristóteles Aristóteles acreditava também que tudo que existe tem umacausae umapotência. Ele foi o primeiro filósofo a usar o raciocínio indutivo, ou seja, observar o maior numero de exemplos de um acontecimento e ai sim desenvolver os porquês desse acontecimento.. Observando o mundo ele percebeu que tudo que existe tem uma potência, ou seja, um potencial: a lagarta vira borboleta, o bebê vira adulto e a semente vira arvore, etc. Más essa potencia é restrita a natureza do ser. Até hoje o raciocínio indutivo de Aristóteles é usado na ciência, principalmente na biologia na classificação de uma nova espécie
  • 59. Aristóteles Os primeiros filósofos, os filósofos da natureza, buscavam a causa da existência da vida e do mundo, más concentram-se apenas na causa material: eles buscavam os ingredientes fundamentais do mundo em que vivemos. Tales a agua, Demócrito o átomo, etc. Aristóteles distinguiu a existência de quatro causasdiferentes: Causa material: de queacoisaé feita? No exemplo dacasa, de tijolos. Causa eficiente: o quefezacoisa? A construção. Causa formal: o que lhe dáaforma? A planta dacasa. Causa final: o que lhe deuaforma? A intenção do construtor. Outro exemplo: Quando Diego prepara uma galinhada, as causas materiais dela são os ingredientes que ele utiliza para prepará-la, a causa eficiente é ele mesmo, o cozinheiro, a causa formal é a receita e a satisfação dos clientes do restaurante é a causa final. Aristóteles acreditava que um entendimento científico do universo exigia uma investigação daquilo que forma o universo pelas 4 causas.
  • 61. VAMOS FILOSOFAR UM POUCO... Vejamos se você entendeu a divisãode causas que o filosofo Aristóteles desenvolveu: Escolha 4 objetos, seres oufatos e aplique as 4 causas de Aristótelesneles. Traga em sala para leitura e comparação.
  • 62. “A lógicaé o que devemosestudar e aprender antes de iniciar uma investigação filosófica ou científica, poissomente elapode indicar qualé o tipo de proposição, de raciocínio, de demonstração, de prova e de definição que umadeterminada ciênciadeve usar.” CHAUÍ, Marilena. Introdução à história da filosofia Aristóteles buscou um método universal para chegar a realidade, assim ele desenvolve uma forma dechegar ao Logos(RAZÃO=Lógica). Aristóteles Ele desenvolve o raciocínio Indutivo, observar echegar a uma conclusão racional ou lógica. Assim Aristóteles criou a Lógica. Os filósofos costumam dividir essa lógica em doisprincípios básicos: o silogismo e a não-contradição. Vamos entender, não se desesperem. Por exemplo quando vocêouve: “É lógico que cavalosbaratos são caros!” Você concorda comisso? Claro que não! Um cavalo barato não pode ser caro. É lógico que os cavalos raros custam caro. Então os cavalos baratos não são raros e nem caros! O que faz então, concluir uma coisa sem lógica, á partir de duas afirmações lógicas?
  • 63. Outros exemplos desilogismo: Todosospaulistassão brasileiros. > ideiamaior José é paulista. > Ideiamenor logo José é brasileiro. >Conclusão Todos os homens são mortais. Sócrates é homem. Logo, Sócratesé mortal. Todos osalunosdaescolafalam Português. ORenan estudanessaescola Logo ele falaPortuguês O primeiro é o processo de argumentação exemplificado acima: a partir de duas verdades chega-se aumaterceira, aconclusão. Aristóteles Já a não-contradição, como o próprio nome diz, busca a especificidade de cada coisa: é impossível que elasejae não seja ao mesmo tempo. “A lógica aristotélica baseia-se no pressuposto de que a razão humana é capaz de deduzir conclusões a partir de afirmações ou negações anteriores. Se as premissas forem verdadeiras, as conclusões também serão” Más se elas forem falsas são chamadas de falácias ou sofismas: Um homem sem uma mulher é ninguém. Ninguém é perfeito Logo, um homem semumamulheré perfeito No Brasil a musicamaisouvidaé funk Diego vive no Brasil Logo, Diego ouveFunk
  • 64. A palavra ethos é de etimologia grega e significa comportamento, ação, atividade. Édelaque derivaapalavraética. A éticaé, portanto, o estudo do comportamento, das ações, das escolhas e dos valores humanos. Voltando ao homem, Aristóteles lança uma pergunta simples, porém muito pertinente: Do que o homem precisa para ser Feliz? Então ele afirma que o homem só pode ser feliz se puder desenvolver e utilizar todas suas capacidades e possibilidades com equilíbrio em tudo que faz. Em seu livro “Ética a Nicômaco”, Aristóteles consagrou a tão famosa ética do meio-termo“meio termode ouro”. Aristóteles ÉTICA PARA SER FELIZ Exemplificando, um homem deve ser corajoso (nem covarde demais, nem destemido demais) ou ainda deve ser generoso (nem avarento, nem extravagante).etc,etc.
  • 65. ESSAIDEIAS DE EQUILIBRIO DE ARISTOTELES É PARECIDA COM A FILOSOFIACHINESA DO YIN E YANG (O EQUILIBRIO LEVA A PERFEIÇÃO) Aristóteles
  • 66. O LICEU Em 343 a.C. foi encarregado por Felipe II de educar seu filho Alexandre, então com 13 anos apenas. Em 334 voltou a Atenas e fundou uma escola perto do Templo de Apolo Lykeios - de onde provavelmente deriva o termo Lykeion, dando origem a “Liceu” dado à sua escola, também chamada “peripatética”, por suas lições serem dadas em passeios. Com a morte de Alexandre o Grande seu Aluno Governante da Grécia, Aristóteles exilou-se em Calcis, onde faleceu noano de 322a.C.
  • 69. Finalmente podemos dizer que... Tanto Sócrates como Platão e Aristóteles, são nomes indissociáveis de tudo aquilo que é o saber humano, desde a própria religião, até àsciências maispuras e duras, passando pelas ciências sociais e políticas. Aristóteles é, em primeiro lugar, o criador da Lógica que até hoje nos ensina a bem raciocinar. É também o criador da ciência como a entendemos modernamente. Se em Platão, aFilosofiae a religião ocidental encontram os seus alicerces é em Aristóteles que repousa a Ciência. E foi seguindo, repensando, contrariando e confirmando as ideias desses filósofos e estudiosos que milhares de novos filósofos e cientistas nasceram, e hoje o Brasil e o mundo criam acadadianovos pensadores, cientistas e filósofos. KarnalBarros Filho Cortella
  • 70. DICA: MELHORESEUS CONEHCIMENTOS VEJA A SÉRIE MERLI E CONHEÇA MAIS SOBRE OS GRANDES FILÓSOFOS E AS QUESTÓES DA FILOSOFIA.
  • 71. VAMOS FILOSOFAR UM POUCO... Descreva em um breve texto, quais as heranças deixadas pelos filósofos que podemos ver ainda hoje, na religião, justiça, comportamento e principalmente na escola. Faça um texto coeso, com inicio meio e fim.
  • 72. VAMOS VER UM BREVE RESUMO DAS IDEIAS DE SOCRATES PLATÃO E ARISTÓTELES Tudo o que Você Precisa Saber Sobre Filosofia Autor: Paul Kleinman Filosofia Para Corajosos Autor:Luis Felipe Pondé LEIA TAMBÉM OS LIVROS:
  • 73. Trabalho: Escolha umadas palestrasdos GrandesPensadorese Filósofosda atualidade no Brasil. Vamosescolher um temaparaver em salade aula e trabalhar sobre ele.