SlideShare uma empresa Scribd logo
Estado Absolutista
Definição de Estado Absolutista
• “O absolutismo corresponde a uma doutrina ou regime
político caracterizado pela concentração de todos os
poderes estatais numa só pessoa. O absolutismo surge na
Europa no séc. XVI para estabelecer o poder real absoluto
em reação ao feudalismo que caracterizou diversas
monarquias europeias ao longo dos séc. XVI, XVII e XVIII,
nomeadamente em Portugal, França, Inglaterra e Prússia.”
• “ Segundo o absolutismo, o poder soberano do Estado é
ABSOLUTO (isto é, não depende de qualquer outra
autoridade), INDIVISÍVEL (ou seja, é inteiramente delegado
na pessoa do monarca) e PERPÉTUO. Sendo legitimado
pelo DIREITO DIVINO, o absolutismo não tinha quaisquer
limites exceto perante os costumes e as leis fundamentais
do reino.” (http://www.knoow.net)
Porque Hobbes defende o Estado
Absolutista?
• Expansão do comércio => Classe burguesa =>
Consumismo => Ética revolucionária de fundo
mercantil( calvinismo e outros pensadores)=>
Mudanças nas configurações sociais( ex. propriedade
privada)
• Segundo Hobbes a divisão do poder soberano entre o
monarca e o parlamento não garante estabilidade
política e social; fomentaria a eclosão de uma guerra
civil.
• O conflito político na Inglaterra: rei busca consolidar o
poder absoluto; burguesia busca conquistar o poder
político (garantir seus interesses econômicos, livre das
decisões arbitrárias do monarca.)
• A solução antevista por Hobbes é o PODER
ABSOLUTO.
• A partir de 1640, Hobbes passou a estar a serviço
do rei, Carlos I, na luta contra os interesses
burgueses presentes no Parlamento
• ESTADO NACIONAL estava se tornando, com a
DIVISÃO DE PODERES, um instrumento da burguesia
e dos grandes proprietários de terra para, através
do parlamento, defender seus interesses privados.
• O poder soberano absoluto => sanaria desigualdade
social. ( expulsão da sociedade). Necessário para
impedir os abusos e a violência cometida pelos mais
fortes .
• O pensamento político de Hobbes inovou em
relação às demais teoria de pensadores de seu
tempo, uma vez que o absolutismo defendido por
ele não deriva de um direito divino, ele nasceria
de um pacto
• O Estado absoluto, o Leviatã, deverá ser o
monstro bíblico cruel que protegerá os peixinhos
miúdos contra a ameaça dos tubarões graúdos
que desejam devorá-los.
• Não muito tempo atrás, a sociedade brasileira
viveu uma forma de Estado ilimitado, no caso,
uma Ditadura Militar. Onde havia um Estado,
acima da constituição de qualquer lei, que fez de
tudo para se manter no poder.
DO REINO DE DEUS POR NATUREZA
Para Um Estado De Base Religiosa
• Com a crise originada pela Reforma Protestante a
autoridade da Igreja é questionada.
• Renascimento; emerge o humanismo quebrando os
tradicionais valores difundidos pela Igreja Católica.
• Para Hobbes => Estado era uma criação totalmente
humana, sem relação com a vontade de Deus.
• Crítica ao poder eclesiástico, atacando
principalmente a Igreja Católica; Mas também
qualquer Igreja que aspira um poder próprio,
distinto do Estado.
• Crítica à doutrina política e jurídica da Igreja, à
política eclesiástica.
• Cada nação é uma Igreja, o reino de Deus é um
reino civil.
• Apesar da crítica não desconsidera a importância
e a influência da Igreja Católica dentro do Estado.
• Segundo o autor, existe grande dificuldade do
súdito em saber a quem se deve obedecer, pois
não raramente o monarca ou falsos mestres
utilizam-se da fala de Deus para instruir e
comandar.
• Por este motivo ele faz uma releitura das
escrituras.
• Para o perfeito conhecimento do dever civil,
falta somente conhecer as leis de Deus.
• Para governar por palavra.
• Pois Deus fala apenas a pessoas especiais.
• Quando surge a aliança com Abrão e Moisés
• O soberano civil é supremo pastor.
PARA UM ESTADO CRISTÃO
• O PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E AO MESMO TEMPO
CIVIL.
• Para Hobbes, Estado e Igreja são conceitualmente idênticos e
tem que ser representados pelas mesma e única indivisível
vontade.
• Hobbes tira a liberdade do jugo divino, dos papas, da Igreja e a
situa no Estado. Liberdade reduzida ao Estado.
• Enfretamento da instituição eclesiástica : que “ninguém pode
fazer leis senão o Estado, pois nossa sujeição é unicamente para
com o Estado”. (Leviatã, Cap. XXVI)
• Refuta a obediência à Igreja em lugar da obediência ao Estado.
• Estado laico de Hobbes, falível, um deus mortal, abaixo do Deus
imortal, porém, é ele quem que resolve os problemas da paz
civil, da cidade do homem.
Do Reino das Trevas
• A teoria de Hobbes sobre a origem e a
manutenção do poder tendem a justificar o
absolutismo dos reis, não através do divino
poder a eles (monarcas) conferido, mas sim, para
a manutenção da justiça e da paz social, pois
sempre que um Estado não dá segurança aos
cidadãos, estes encontram-se desligados de
qualquer obrigação para com a autoridade.
• otras
Estado absolutista
Definição de Estado Absolutista
• “O absolutismo corresponde a uma doutrina ou regime
político caracterizado pela concentração de todos os
poderes estatais numa só pessoa. O absolutismo surge na
Europa no séc. XVI para estabelecer o poder real absoluto
em reação ao feudalismo que caracterizou diversas
monarquias europeias ao longo dos séc. XVI, XVII e XVIII,
nomeadamente em Portugal, França, Inglaterra e Prússia.”
• “ Segundo o absolutismo, o poder soberano do Estado é
ABSOLUTO (isto é, não depende de qualquer outra
autoridade), INDIVISÍVEL (ou seja, é inteiramente delegado
na pessoa do monarca) e PERPÉTUO. Sendo legitimado
pelo DIREITO DIVINO, o absolutismo não tinha quaisquer
limites exceto perante os costumes e as leis fundamentais
do reino.” (http://www.knoow.net)
Porque Hobbes defende o Estado
Absolutista?
• Expansão do comércio => Classe burguesa => Consumismo
=> Ética revolucionária de fundo mercantil( calvinismo e
outros pensadores)=> Mudanças nas configurações sociais(
ex. propriedade privada)
• Segundo Hobbes a divisão do poder soberano entre o
monarca e o parlamento não garante estabilidade política e
social; fomentaria a eclosão de uma guerra civil.
• O conflito político na Inglaterra: rei busca consolidar o
poder absoluto; burguesia busca conquistar o poder
político (garantir seus interesses econômicos, livre das
decisões arbitrárias do monarca.)
• A solução antevista por Hobbes é o PODER
ABSOLUTO.
• A partir de 1640, Hobbes passou a estar a
serviço do rei, Carlos I, na luta contra os
interesses burgueses presentes no Parlamento.
• Estado nacional estava se tornando, com a
divisão de poderes, um instrumento da
burguesia e dos grandes proprietários de terra
para, através do parlamento, defender seus
interesses privados.
•
• Segundo Hobbes o poder soberano absoluto => sanaria desigualdade
social;(expulsaria da sociedade aqueles que se esforçassem por guardar
coisas que para eles fossem supérfluas enquanto outros sofressem da sua
carência e privação. )
• O soberano se engarregaria de distribuir as terras do país em nome da
equidade e do bem comum.
• O poder absoluto => necessário para impedir os abusos e a violência
cometida pelos mais fortes contra os mais fracos porque isso poderia
desagregar a sociedade e destruir a paz civil.
• O Estado absoluto, o Leviatã, deverá ser o monstro bíblico cruel que
protegerá os peixinhos miúdos contra a ameaça dos tubarões graúdos que
desejam devorá-los.
• (Com um poder maior o homem sairia de seu estado de natureza e viveria
em sociedade)
• (Não muito tempo atrás, a sociedade brasileira viveu uma forma de Estado
ilimitado, no caso, uma Ditadura Militar. Onde havia um Estado, acima da
constituição de qualquer lei, que fez de tudo para se manter no poder.)
O pensamento político de Hobbes inovou em relação às demais teoria de
pensadores de seu tempo, uma vez que o absolutismo defendido por ele
não deriva de um direito divino, ele nasceria de um pacto
DO REINO DE DEUS POR NATUREZA
Para Um Estado De Base Religiosa
• Para o perfeito conhecimento do dever civil, falta
somente conhecer as leis de Deus.
• Para governar por palavra.
• Pois Deus fala apenas a pessoas especiais.
• Quando surge a aliança com Abrão e Moisés
• O soberano civil é supremo pastor.
(Estado Cristão)
• o poder de um estado eclesiástico e ao mesmo tempo civil
.O momento histórico vivido por Hobbes foi de uma grande
interferência da Igreja no Estado, mas foi autêntico no seu
pensamento dizendo que o Estado era uma criação totalmente
humana, não tinha qualquer relação com a vontade de Deus.
• ( o soberano emanado com a realeza natural de Deus. Na primeira
parte do livro, Hobbes extrai a “natureza do homem”, definindo as
suas essencialidades e tudo mais, e depois prossegue o seu discurso
apoiando-se na “palavra natural de Deus”. Para provar,
argumentativamente, a existência de uma sociedade que extrapola
a “sociedade civil”, ele analisa expressões como “vida eterna”,
“inferno”, “mundo futuro”, etc. )
• Hobbes adentra o universo religioso para
justificar seus questionamentos em relação à
veracidade do poder divino conferido aos
monarcas.
• Busca a identificação da esfera mista com a
forma de governo existente na época, Aceita a
importância das escrituras sagradas mas
alerta sobre da seleção que cada monarca faz
das mesmas dentro da sociedade que deseja
influenciar.
• (No trecho em que ele aborda sobre o significado do
reino de Deus, santo, sagrado e sacramentos nas
escrituras o mesmo faz referencia sobre um pacto
estabelecido entre Deus e Abraão, talvez com o intuito
de proporcionar ao leitor um vislumbre do contrato
redigido entre a sociedade e o Estado e neste mesmo
trecho deixa clara a sua predileção pela monarquia, que
acreditava ser a melhor forma de governo.)
• (Não deixa também de mencionar a tendência do
homem em crer em pretensos milagres, entretanto,
reflete sobre a liberdade que cada qual tem de
acreditar ou não, fazendo ressalva da conseqüência da
crendice dentro da razão pública que não deve ser
afetada pela crença.)
• Segundo Hobbes o significado da vida eterna,
inferno, salvação, mundo vindouro e redenção nas
Escrituras podem ser aproveitados e relacionados
com determinados atos do governante, ora como
gratificação, ora como castigo. Entretanto, para nos
redimir de nossos pecados, Deus teria enviado
Cristo para que com sua virtude torne injusto
castigar os pobres mortais.
• Em outro título Hobbes fala sobre os diversos
significados da palavra igreja. Após relatar a
etimologia lingüística faz referência de que não
existe uma igreja verdadeira, universal, a qual
todos deveriam seguir e fala claramente sobre a
soberania dos Estados na qual os mesmos devem
respeitar-se entre si.
• (Novamente Abraão é citado na obra devido ao
pretenso contrato entre o mesmo e Deus. Neste
contrato existiam três cláusulas contratuais, ou seja, o
contrato era personalíssimo, a vontade de celebração
e a renovação.
Essas são as características mais importantes do
contrato civil e que podem ser observada neste
contrato espiritual a ser seguido pelos súditos de
Deus.
• O poder eclesiástico se divide em antes e depois da
conversão dos reis ao cristianismo, mostrando
claramente a intenção de domínio existente por parte
dos reis e da igreja.)
• ( O autor procurou utilizar das Escrituras
somente os textos que a ele parecia obscura
na clara tentativa de desmistificar a origem
divina do poder.)
• A crítica de Hobbes não é só à Igreja Católia mas
contra todas as igrejas que aspiram a um poder
próprio,um poder distinto do poder do Estado.
• Segundo ele, um Estado formado por cristãos e a
Igreja cristã são a mesma coisa, uma só a pessoa,
cuja é a do soberano.
• ( No meio dos conflitos entre absolutismo e
liberalismo, no século XXVII, Hobbes elaborou
a teoria de um estado soberano ao qual expõe
em sua obra Leviatã”
• Contexto histórico : Um dos grandes objetivos
de Hobbes é demonstrar que a Igreja deve ser
submissa ao Poder Civil
• É isso que o leva a afirmar que “o direito que por natureza os homens têm de
defender-se a si mesmos não pode ser abandonado através de pacto algum”.
Isso se refere, naturalmente, aos alegados pactos com Deus, os quais Hobbes
afirma serem impossíveis: “Homem algum pode firmar convenções com Deus,
ou obrigar-se para com ele por meio de um voto, exceto na medida em que,
conforme dizem as Sagradas Escrituras, Deus pôs em seu lugar certos homens,
que, portanto, têm autoridade para aceitar tais votos em seu nome. (Leviatã,
Cap. II).
• ENFRETAMENTO DO ESTADO : Ao examinar as leis de natureza, Hobbes
também demonstra um enfrentamento da instituição eclesiástica, e isso
se mostra com evidência na afirma cão de que “ninguém pode fazer leis
senão o Estado, pois nossa sujeição é unicamente para com o Estado”.
(Leviatã, Cap. XXVI)
• Nesse caso, Hobbes não só refuta a obediência à Igreja em lugar da
obediência ao Estado, como também às palavras reveladas e ao próprio
Deus, pois para Hobbes o tempo da profecia ficou para trás e é
impossível confirmar o que Deus de fato disse e quando o fez. É o Estado
laico de Hobbes, falível, um deus mortal, abaixo do Deus imortal, porém,
é ele quem que resolve os problemas da paz civil, da cidade do homem.
• Hobbes exporá sobre o que se entende por lei de
Deus, pois sem esse conhecimento o homem de
seu tempo não poderia saber se o que o poder civil
lhe ordenava era contrário à lei de Deus, ficando
assim esse homem num grande dilema
Do Reino das Trevas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeira republica
Primeira republicaPrimeira republica
Primeira republica
Bruno E Geyse Ornelas
 
O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)
Edenilson Morais
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
Janaína Tavares
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
Vivihistoria
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa
valdeck1
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
Claudenilson da Silva
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
Isaquel Silva
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Prof. Noe Assunção
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
Isabel Aguiar
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
Paulo Alexandre
 
Iluminismo e liberalismo
Iluminismo e liberalismoIluminismo e liberalismo
Iluminismo e liberalismo
Elton Zanoni
 
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, SocialismoLiberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
histicasa
 
Introdução à Política
Introdução à PolíticaIntrodução à Política
Introdução à Política
Jorge Barbosa
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
Eduard Henry
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
dmflores21
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
Creusa Lima
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
dmflores21
 

Mais procurados (20)

Primeira republica
Primeira republicaPrimeira republica
Primeira republica
 
O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)O governo Jânio Quadros (1961)
O governo Jânio Quadros (1961)
 
Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)Período Democrático (1945-1964)
Período Democrático (1945-1964)
 
Brasil imperial
Brasil imperialBrasil imperial
Brasil imperial
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa4.colonização da américa portuguesa
4.colonização da américa portuguesa
 
Renascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e CientíficoRenascimento Cultural e Científico
Renascimento Cultural e Científico
 
Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)Segundo reinado (1840 1889)
Segundo reinado (1840 1889)
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
A EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIXA EUROPA NO SÉCULO XIX
A EUROPA NO SÉCULO XIX
 
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
Monarquias nacionais, Absolutismo e Mercantilismo - 7º Ano (2018)
 
Introdução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricosIntrodução aos estudos históricos
Introdução aos estudos históricos
 
Iluminismo e liberalismo
Iluminismo e liberalismoIluminismo e liberalismo
Iluminismo e liberalismo
 
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, SocialismoLiberalismo, Nacionalismo, Socialismo
Liberalismo, Nacionalismo, Socialismo
 
Introdução à Política
Introdução à PolíticaIntrodução à Política
Introdução à Política
 
Modernos estados nacionais
Modernos estados nacionaisModernos estados nacionais
Modernos estados nacionais
 
Brasil república
Brasil repúblicaBrasil república
Brasil república
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Regimes totalitarios
Regimes totalitariosRegimes totalitarios
Regimes totalitarios
 
República da espada
República da espadaRepública da espada
República da espada
 

Destaque

Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo
Kamila Brito
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
Jacqueline Matilde
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Carlos Vieira
 
As formas de estado, absolutismo
As formas de estado, absolutismoAs formas de estado, absolutismo
As formas de estado, absolutismo
Alexandre Ramos
 
Aula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo MonárquicoAula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo Monárquico
seixasmarianas
 
Latim forense
Latim forenseLatim forense
Experienciaspedagogicas
ExperienciaspedagogicasExperienciaspedagogicas
Experienciaspedagogicas
Edgar Jayo
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Claudia
 
Cidade, Território e Espaços Barrocos No Estado Moderno
Cidade, Território e Espaços Barrocos No Estado ModernoCidade, Território e Espaços Barrocos No Estado Moderno
Cidade, Território e Espaços Barrocos No Estado Moderno
Edu Geraldes
 
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo II
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo IIIntrodução ao Direito Constitucional - Módulo II
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo II
Rosane Domingues
 
IECJ - Cap. 8 - A população brasileira
IECJ - Cap. 8 - A população brasileiraIECJ - Cap. 8 - A população brasileira
IECJ - Cap. 8 - A população brasileira
profrodrigoribeiro
 
Linhagens do estado absolutista perry anderson
Linhagens do estado absolutista   perry andersonLinhagens do estado absolutista   perry anderson
Linhagens do estado absolutista perry anderson
Victor Dias
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
Zenia Ferreira
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
IFMT - Campus Juína
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
IFMT - Campus Juína
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
IFMT - Campus Juína
 
Peru
PeruPeru
Artes
ArtesArtes

Destaque (20)

Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo Sociologia - Absolutismo
Sociologia - Absolutismo
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Estado absolutista
Estado absolutistaEstado absolutista
Estado absolutista
 
As formas de estado, absolutismo
As formas de estado, absolutismoAs formas de estado, absolutismo
As formas de estado, absolutismo
 
Aula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo MonárquicoAula Absolutismo Monárquico
Aula Absolutismo Monárquico
 
Latim forense
Latim forenseLatim forense
Latim forense
 
Experienciaspedagogicas
ExperienciaspedagogicasExperienciaspedagogicas
Experienciaspedagogicas
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Cidade, Território e Espaços Barrocos No Estado Moderno
Cidade, Território e Espaços Barrocos No Estado ModernoCidade, Território e Espaços Barrocos No Estado Moderno
Cidade, Território e Espaços Barrocos No Estado Moderno
 
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo II
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo IIIntrodução ao Direito Constitucional - Módulo II
Introdução ao Direito Constitucional - Módulo II
 
IECJ - Cap. 8 - A população brasileira
IECJ - Cap. 8 - A população brasileiraIECJ - Cap. 8 - A população brasileira
IECJ - Cap. 8 - A população brasileira
 
Linhagens do estado absolutista perry anderson
Linhagens do estado absolutista   perry andersonLinhagens do estado absolutista   perry anderson
Linhagens do estado absolutista perry anderson
 
Modernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentaçãoModernismo 1ª fase apresentação
Modernismo 1ª fase apresentação
 
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
Livro de sociologia 2015   sec. xxiLivro de sociologia 2015   sec. xxi
Livro de sociologia 2015 sec. xxi
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Peru
PeruPeru
Peru
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 

Semelhante a Estado absolutista

Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
Nathália Camargo
 
Hobbes
HobbesHobbes
Hobbes
Jorge Miklos
 
10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke
FRANCISCO FRANCIZETE PAULINO
 
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
Cap 11   A Justificação do Estado ModernoCap 11   A Justificação do Estado Moderno
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
José Ferreira Júnior
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
Péricles Penuel
 
trab filosofia
trab filosofiatrab filosofia
trab filosofia
kpinha
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
Nelia Salles Nantes
 
Absolutismo imagens
Absolutismo imagensAbsolutismo imagens
Absolutismo imagens
andrecarlosocosta
 
Concepções do Estado....
Concepções do Estado.... Concepções do Estado....
Concepções do Estado....
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
Concepções de Estado 02
Concepções  de Estado 02Concepções  de Estado 02
Concepções de Estado 02
Charles Rogers Souza Da Silva (Messer)
 
O Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas HobbesO Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas Hobbes
Dércio Macondzo
 
A questão do estado luciano gruppi (italia)
A questão do estado   luciano gruppi (italia)A questão do estado   luciano gruppi (italia)
A questão do estado luciano gruppi (italia)
Maressah Cunha
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livreContrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Adilsonivp
 
Ciência política - John Lock
Ciência política - John LockCiência política - John Lock
Ciência política - John Lock
unisocionautas
 
Absolutismo 7
Absolutismo 7Absolutismo 7
Absolutismo 7
Jorge Basílio
 
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã HobbesianoA Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
erp_ufabc
 
Nicolau Maquiavel
Nicolau MaquiavelNicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel
Jorge Henrique R de Araujo
 

Semelhante a Estado absolutista (20)

Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
 
Hobbes
HobbesHobbes
Hobbes
 
10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke10815 15253-1-sp hobbes-locke
10815 15253-1-sp hobbes-locke
 
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
Cap 11   A Justificação do Estado ModernoCap 11   A Justificação do Estado Moderno
Cap 11 A Justificação do Estado Moderno
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Absolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmpAbsolutismo e mercantilismo tmp
Absolutismo e mercantilismo tmp
 
trab filosofia
trab filosofiatrab filosofia
trab filosofia
 
Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...Teoria do Estado... Introdução...
Teoria do Estado... Introdução...
 
Absolutismo
AbsolutismoAbsolutismo
Absolutismo
 
Absolutismo imagens
Absolutismo imagensAbsolutismo imagens
Absolutismo imagens
 
Concepções do Estado....
Concepções do Estado.... Concepções do Estado....
Concepções do Estado....
 
Concepções de Estado 02
Concepções  de Estado 02Concepções  de Estado 02
Concepções de Estado 02
 
O Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas HobbesO Leviathan de Thomas Hobbes
O Leviathan de Thomas Hobbes
 
A questão do estado luciano gruppi (italia)
A questão do estado   luciano gruppi (italia)A questão do estado   luciano gruppi (italia)
A questão do estado luciano gruppi (italia)
 
Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019Absolutismo Monárquico 2019
Absolutismo Monárquico 2019
 
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livreContrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
Contrato social – wikipédia, a enciclopédia livre
 
Ciência política - John Lock
Ciência política - John LockCiência política - John Lock
Ciência política - John Lock
 
Absolutismo 7
Absolutismo 7Absolutismo 7
Absolutismo 7
 
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã HobbesianoA Ideologia do Leviatã Hobbesiano
A Ideologia do Leviatã Hobbesiano
 
Nicolau Maquiavel
Nicolau MaquiavelNicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel
 

Mais de Ilana Fernandes

Gestão emocional do concurseiro
Gestão emocional do concurseiroGestão emocional do concurseiro
Gestão emocional do concurseiro
Ilana Fernandes
 
Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade
Ilana Fernandes
 
Constituição do processo humano social
Constituição do processo humano socialConstituição do processo humano social
Constituição do processo humano social
Ilana Fernandes
 
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no BrasilServiço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Ilana Fernandes
 
Constituição federal 1891
Constituição federal 1891Constituição federal 1891
Constituição federal 1891
Ilana Fernandes
 
A luta econômica dos trabalhadores
A luta econômica dos trabalhadoresA luta econômica dos trabalhadores
A luta econômica dos trabalhadores
Ilana Fernandes
 
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaMovimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Ilana Fernandes
 
V de Vingança
V de VingançaV de Vingança
V de Vingança
Ilana Fernandes
 

Mais de Ilana Fernandes (8)

Gestão emocional do concurseiro
Gestão emocional do concurseiroGestão emocional do concurseiro
Gestão emocional do concurseiro
 
Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade Gênero e Sexualidade
Gênero e Sexualidade
 
Constituição do processo humano social
Constituição do processo humano socialConstituição do processo humano social
Constituição do processo humano social
 
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no BrasilServiço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
Serviço Social : Surgimento e Institucionalização no Brasil
 
Constituição federal 1891
Constituição federal 1891Constituição federal 1891
Constituição federal 1891
 
A luta econômica dos trabalhadores
A luta econômica dos trabalhadoresA luta econômica dos trabalhadores
A luta econômica dos trabalhadores
 
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América LatinaMovimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
Movimento de Reconceituação do S.S. na América Latina
 
V de Vingança
V de VingançaV de Vingança
V de Vingança
 

Último

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Estado absolutista

  • 2. Definição de Estado Absolutista • “O absolutismo corresponde a uma doutrina ou regime político caracterizado pela concentração de todos os poderes estatais numa só pessoa. O absolutismo surge na Europa no séc. XVI para estabelecer o poder real absoluto em reação ao feudalismo que caracterizou diversas monarquias europeias ao longo dos séc. XVI, XVII e XVIII, nomeadamente em Portugal, França, Inglaterra e Prússia.” • “ Segundo o absolutismo, o poder soberano do Estado é ABSOLUTO (isto é, não depende de qualquer outra autoridade), INDIVISÍVEL (ou seja, é inteiramente delegado na pessoa do monarca) e PERPÉTUO. Sendo legitimado pelo DIREITO DIVINO, o absolutismo não tinha quaisquer limites exceto perante os costumes e as leis fundamentais do reino.” (http://www.knoow.net)
  • 3. Porque Hobbes defende o Estado Absolutista? • Expansão do comércio => Classe burguesa => Consumismo => Ética revolucionária de fundo mercantil( calvinismo e outros pensadores)=> Mudanças nas configurações sociais( ex. propriedade privada) • Segundo Hobbes a divisão do poder soberano entre o monarca e o parlamento não garante estabilidade política e social; fomentaria a eclosão de uma guerra civil. • O conflito político na Inglaterra: rei busca consolidar o poder absoluto; burguesia busca conquistar o poder político (garantir seus interesses econômicos, livre das decisões arbitrárias do monarca.)
  • 4. • A solução antevista por Hobbes é o PODER ABSOLUTO. • A partir de 1640, Hobbes passou a estar a serviço do rei, Carlos I, na luta contra os interesses burgueses presentes no Parlamento • ESTADO NACIONAL estava se tornando, com a DIVISÃO DE PODERES, um instrumento da burguesia e dos grandes proprietários de terra para, através do parlamento, defender seus interesses privados. • O poder soberano absoluto => sanaria desigualdade social. ( expulsão da sociedade). Necessário para impedir os abusos e a violência cometida pelos mais fortes .
  • 5. • O pensamento político de Hobbes inovou em relação às demais teoria de pensadores de seu tempo, uma vez que o absolutismo defendido por ele não deriva de um direito divino, ele nasceria de um pacto • O Estado absoluto, o Leviatã, deverá ser o monstro bíblico cruel que protegerá os peixinhos miúdos contra a ameaça dos tubarões graúdos que desejam devorá-los. • Não muito tempo atrás, a sociedade brasileira viveu uma forma de Estado ilimitado, no caso, uma Ditadura Militar. Onde havia um Estado, acima da constituição de qualquer lei, que fez de tudo para se manter no poder.
  • 6. DO REINO DE DEUS POR NATUREZA Para Um Estado De Base Religiosa
  • 7. • Com a crise originada pela Reforma Protestante a autoridade da Igreja é questionada. • Renascimento; emerge o humanismo quebrando os tradicionais valores difundidos pela Igreja Católica. • Para Hobbes => Estado era uma criação totalmente humana, sem relação com a vontade de Deus. • Crítica ao poder eclesiástico, atacando principalmente a Igreja Católica; Mas também qualquer Igreja que aspira um poder próprio, distinto do Estado.
  • 8. • Crítica à doutrina política e jurídica da Igreja, à política eclesiástica. • Cada nação é uma Igreja, o reino de Deus é um reino civil. • Apesar da crítica não desconsidera a importância e a influência da Igreja Católica dentro do Estado. • Segundo o autor, existe grande dificuldade do súdito em saber a quem se deve obedecer, pois não raramente o monarca ou falsos mestres utilizam-se da fala de Deus para instruir e comandar. • Por este motivo ele faz uma releitura das escrituras.
  • 9. • Para o perfeito conhecimento do dever civil, falta somente conhecer as leis de Deus. • Para governar por palavra. • Pois Deus fala apenas a pessoas especiais. • Quando surge a aliança com Abrão e Moisés • O soberano civil é supremo pastor.
  • 10. PARA UM ESTADO CRISTÃO • O PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E AO MESMO TEMPO CIVIL. • Para Hobbes, Estado e Igreja são conceitualmente idênticos e tem que ser representados pelas mesma e única indivisível vontade. • Hobbes tira a liberdade do jugo divino, dos papas, da Igreja e a situa no Estado. Liberdade reduzida ao Estado. • Enfretamento da instituição eclesiástica : que “ninguém pode fazer leis senão o Estado, pois nossa sujeição é unicamente para com o Estado”. (Leviatã, Cap. XXVI) • Refuta a obediência à Igreja em lugar da obediência ao Estado. • Estado laico de Hobbes, falível, um deus mortal, abaixo do Deus imortal, porém, é ele quem que resolve os problemas da paz civil, da cidade do homem.
  • 11. Do Reino das Trevas • A teoria de Hobbes sobre a origem e a manutenção do poder tendem a justificar o absolutismo dos reis, não através do divino poder a eles (monarcas) conferido, mas sim, para a manutenção da justiça e da paz social, pois sempre que um Estado não dá segurança aos cidadãos, estes encontram-se desligados de qualquer obrigação para com a autoridade.
  • 14. Definição de Estado Absolutista • “O absolutismo corresponde a uma doutrina ou regime político caracterizado pela concentração de todos os poderes estatais numa só pessoa. O absolutismo surge na Europa no séc. XVI para estabelecer o poder real absoluto em reação ao feudalismo que caracterizou diversas monarquias europeias ao longo dos séc. XVI, XVII e XVIII, nomeadamente em Portugal, França, Inglaterra e Prússia.” • “ Segundo o absolutismo, o poder soberano do Estado é ABSOLUTO (isto é, não depende de qualquer outra autoridade), INDIVISÍVEL (ou seja, é inteiramente delegado na pessoa do monarca) e PERPÉTUO. Sendo legitimado pelo DIREITO DIVINO, o absolutismo não tinha quaisquer limites exceto perante os costumes e as leis fundamentais do reino.” (http://www.knoow.net)
  • 15. Porque Hobbes defende o Estado Absolutista? • Expansão do comércio => Classe burguesa => Consumismo => Ética revolucionária de fundo mercantil( calvinismo e outros pensadores)=> Mudanças nas configurações sociais( ex. propriedade privada) • Segundo Hobbes a divisão do poder soberano entre o monarca e o parlamento não garante estabilidade política e social; fomentaria a eclosão de uma guerra civil. • O conflito político na Inglaterra: rei busca consolidar o poder absoluto; burguesia busca conquistar o poder político (garantir seus interesses econômicos, livre das decisões arbitrárias do monarca.)
  • 16. • A solução antevista por Hobbes é o PODER ABSOLUTO. • A partir de 1640, Hobbes passou a estar a serviço do rei, Carlos I, na luta contra os interesses burgueses presentes no Parlamento. • Estado nacional estava se tornando, com a divisão de poderes, um instrumento da burguesia e dos grandes proprietários de terra para, através do parlamento, defender seus interesses privados. •
  • 17. • Segundo Hobbes o poder soberano absoluto => sanaria desigualdade social;(expulsaria da sociedade aqueles que se esforçassem por guardar coisas que para eles fossem supérfluas enquanto outros sofressem da sua carência e privação. ) • O soberano se engarregaria de distribuir as terras do país em nome da equidade e do bem comum. • O poder absoluto => necessário para impedir os abusos e a violência cometida pelos mais fortes contra os mais fracos porque isso poderia desagregar a sociedade e destruir a paz civil. • O Estado absoluto, o Leviatã, deverá ser o monstro bíblico cruel que protegerá os peixinhos miúdos contra a ameaça dos tubarões graúdos que desejam devorá-los. • (Com um poder maior o homem sairia de seu estado de natureza e viveria em sociedade) • (Não muito tempo atrás, a sociedade brasileira viveu uma forma de Estado ilimitado, no caso, uma Ditadura Militar. Onde havia um Estado, acima da constituição de qualquer lei, que fez de tudo para se manter no poder.) O pensamento político de Hobbes inovou em relação às demais teoria de pensadores de seu tempo, uma vez que o absolutismo defendido por ele não deriva de um direito divino, ele nasceria de um pacto
  • 18. DO REINO DE DEUS POR NATUREZA Para Um Estado De Base Religiosa • Para o perfeito conhecimento do dever civil, falta somente conhecer as leis de Deus. • Para governar por palavra. • Pois Deus fala apenas a pessoas especiais. • Quando surge a aliança com Abrão e Moisés • O soberano civil é supremo pastor.
  • 19. (Estado Cristão) • o poder de um estado eclesiástico e ao mesmo tempo civil .O momento histórico vivido por Hobbes foi de uma grande interferência da Igreja no Estado, mas foi autêntico no seu pensamento dizendo que o Estado era uma criação totalmente humana, não tinha qualquer relação com a vontade de Deus. • ( o soberano emanado com a realeza natural de Deus. Na primeira parte do livro, Hobbes extrai a “natureza do homem”, definindo as suas essencialidades e tudo mais, e depois prossegue o seu discurso apoiando-se na “palavra natural de Deus”. Para provar, argumentativamente, a existência de uma sociedade que extrapola a “sociedade civil”, ele analisa expressões como “vida eterna”, “inferno”, “mundo futuro”, etc. )
  • 20. • Hobbes adentra o universo religioso para justificar seus questionamentos em relação à veracidade do poder divino conferido aos monarcas. • Busca a identificação da esfera mista com a forma de governo existente na época, Aceita a importância das escrituras sagradas mas alerta sobre da seleção que cada monarca faz das mesmas dentro da sociedade que deseja influenciar.
  • 21. • (No trecho em que ele aborda sobre o significado do reino de Deus, santo, sagrado e sacramentos nas escrituras o mesmo faz referencia sobre um pacto estabelecido entre Deus e Abraão, talvez com o intuito de proporcionar ao leitor um vislumbre do contrato redigido entre a sociedade e o Estado e neste mesmo trecho deixa clara a sua predileção pela monarquia, que acreditava ser a melhor forma de governo.) • (Não deixa também de mencionar a tendência do homem em crer em pretensos milagres, entretanto, reflete sobre a liberdade que cada qual tem de acreditar ou não, fazendo ressalva da conseqüência da crendice dentro da razão pública que não deve ser afetada pela crença.)
  • 22. • Segundo Hobbes o significado da vida eterna, inferno, salvação, mundo vindouro e redenção nas Escrituras podem ser aproveitados e relacionados com determinados atos do governante, ora como gratificação, ora como castigo. Entretanto, para nos redimir de nossos pecados, Deus teria enviado Cristo para que com sua virtude torne injusto castigar os pobres mortais. • Em outro título Hobbes fala sobre os diversos significados da palavra igreja. Após relatar a etimologia lingüística faz referência de que não existe uma igreja verdadeira, universal, a qual todos deveriam seguir e fala claramente sobre a soberania dos Estados na qual os mesmos devem respeitar-se entre si.
  • 23. • (Novamente Abraão é citado na obra devido ao pretenso contrato entre o mesmo e Deus. Neste contrato existiam três cláusulas contratuais, ou seja, o contrato era personalíssimo, a vontade de celebração e a renovação. Essas são as características mais importantes do contrato civil e que podem ser observada neste contrato espiritual a ser seguido pelos súditos de Deus. • O poder eclesiástico se divide em antes e depois da conversão dos reis ao cristianismo, mostrando claramente a intenção de domínio existente por parte dos reis e da igreja.)
  • 24. • ( O autor procurou utilizar das Escrituras somente os textos que a ele parecia obscura na clara tentativa de desmistificar a origem divina do poder.)
  • 25. • A crítica de Hobbes não é só à Igreja Católia mas contra todas as igrejas que aspiram a um poder próprio,um poder distinto do poder do Estado. • Segundo ele, um Estado formado por cristãos e a Igreja cristã são a mesma coisa, uma só a pessoa, cuja é a do soberano.
  • 26. • ( No meio dos conflitos entre absolutismo e liberalismo, no século XXVII, Hobbes elaborou a teoria de um estado soberano ao qual expõe em sua obra Leviatã” • Contexto histórico : Um dos grandes objetivos de Hobbes é demonstrar que a Igreja deve ser submissa ao Poder Civil
  • 27. • É isso que o leva a afirmar que “o direito que por natureza os homens têm de defender-se a si mesmos não pode ser abandonado através de pacto algum”. Isso se refere, naturalmente, aos alegados pactos com Deus, os quais Hobbes afirma serem impossíveis: “Homem algum pode firmar convenções com Deus, ou obrigar-se para com ele por meio de um voto, exceto na medida em que, conforme dizem as Sagradas Escrituras, Deus pôs em seu lugar certos homens, que, portanto, têm autoridade para aceitar tais votos em seu nome. (Leviatã, Cap. II). • ENFRETAMENTO DO ESTADO : Ao examinar as leis de natureza, Hobbes também demonstra um enfrentamento da instituição eclesiástica, e isso se mostra com evidência na afirma cão de que “ninguém pode fazer leis senão o Estado, pois nossa sujeição é unicamente para com o Estado”. (Leviatã, Cap. XXVI) • Nesse caso, Hobbes não só refuta a obediência à Igreja em lugar da obediência ao Estado, como também às palavras reveladas e ao próprio Deus, pois para Hobbes o tempo da profecia ficou para trás e é impossível confirmar o que Deus de fato disse e quando o fez. É o Estado laico de Hobbes, falível, um deus mortal, abaixo do Deus imortal, porém, é ele quem que resolve os problemas da paz civil, da cidade do homem.
  • 28. • Hobbes exporá sobre o que se entende por lei de Deus, pois sem esse conhecimento o homem de seu tempo não poderia saber se o que o poder civil lhe ordenava era contrário à lei de Deus, ficando assim esse homem num grande dilema
  • 29. Do Reino das Trevas