O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO

159 visualizações

Publicada em

PENSAMENTO POLÍTICO NA ANTIGUIDADE, PENSAMENTO POLÍTICO MEDIEVAL, POLITICA E PODER, PODER POLÍTICO, FILÓSOFOS E POLÍTICA, POLITICA E ARISTÓTELES, POLÍTICA MAQUIAVÉLICA, POLITICA MODERNA. LIBERALISMO, CONTRATUALISMO, MARXISMO, HOMEM POLÍTICO, HOBBES, ROUSSEAU, MONTESQUIEU, KARL MARX, FORMAS DE GOVERNO, O PODER NA SOCIEDADE, PODER, POLÍTICA E ESTADO, IDEOLOGIAS POLITICAS.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

FILOSOFIA POLÍTICA - 3 ANO

  1. 1. FILOSOFIA POLITICA
  2. 2. A FILOSOFIA POLÍTICA OCIDENTAL SURGIU NA GRÉCIA ANTIGA E É UM ESTUDO TEÓRICO DA PRÁTICA COLETIVA. A PALAVRA POLÍTICA É DE ORIGEM GREGA (PÓLIS) E SIGNIFICA CIDADE. O TERMO POLÍTICA PODE SER APLICADO A TODAS AS QUESTÕES DE CONVIVÊNCIA ENTRE SERES HUMANOS, SEJA NA RUA, NA FAZENDA OU NUMA CASINAH DE SAPE.
  3. 3. VOCÊ LEMBRAR QUE A GRÉCIA ANTIGA É O BERÇO DA DEMOCRACIA (GOVERNO DO POVO) PELA PRIMEIRA VEZ, OS CIDADÃOS PODERIAM PARTICIPAR DIRETAMENTE DA COISA PÚBLICA (RES PÚBLICA). ASSIM SURGE A FILOSOFIA POLÍTICA OU O ESTUDO DAS PRATICAS COLETIVAS
  4. 4. A FILOSOFIA POLÍTICA DISCUTE PERGUNTAS COMO: “O QUE É UM GOVERNO?” "POR QUE OS GOVERNOS SÃO NECESSÁRIOS?" “COMO O GOVERNO PODE ASSEGURAR OS DIREITOS E LIBERDADES?” “QUE TIPOS DE GOVERNO PODEM EXISTIR?”
  5. 5. Os primeiros grandes mestres do pensamento político foram, sem dúvida, Platão e Aristóteles. 📖 Ambos procuraram sistematizar suas ideias escrevendo obras cuja importância são reconhecidas ainda hoje
  6. 6. Platão :o Rei-Filósofo para a justiça Para Platão, cada indivíduo tem em sua alma três princípios fundamentais que a constitui: Alma racional ––– que busca o conhecimento e deve reger a vida humana Alma irascível ––– que é o seu princípio de defesa. Alma Desejante ––– que busca a satisfação dos instintos, impulsos, desejos e paixões. Através da educação, o indivíduo deve alcançar o equilíbrio entre essas três partes, no entanto, a alma racional deve prevalecer. 428-347 a.C. 📖
  7. 7. Depois, fazendo uma analogia entre o indivíduo e a cidade (polis), Platão também dividiu esta em três grupos sociais Produtores – responsáveis pela produção econômica: agricultores, pastores, artesãos, etc. Este grupo corresponderia à Alma Desejante. Guardiões – responsáveis pela defesa da cidade, como os soldados. Este grupo corresponderia a Alma Irascível. Governantes – responsáveis pelo governo da cidade. Este grupo corresponderia à Alma Racional. A justiça na cidade dependeria do equilíbrio entre esses três grupos sociais, ou seja cada qual cumprindo sua função, uma vez que se trata de aspectos necessários à vida da cidade.
  8. 8. POLITICA ÉTICA ética ética ARISTÓTELES: o homem como animal político Na filosofia aristotélica a política é o desdobramento natural da ética. Ambas, na verdade, compõem a unidade do que Aristóteles chamava de filosofia prática. VAMOS ENTENDER... Se a ética está preocupada com a felicidade individual do homem, A política se preocupa com a felicidade coletiva da polis. Logo, o papel da política é investigar e descobrir as formas de governo e de instituições capazes de assegurar a felicidade coletiva.
  9. 9. ARISTÓTELES: o homem como animal político ARISTÓTELES DIZIA QUE TODO HOMEM PODE APRENDER VIRTUDES... E A VIRTUDE NASCE DO EQUILIVRIO ENTRE OS EXESSOS: VÍCIO POR FALTA Covardia Avareza Irascibilidade Modéstia Vulgaridade VIRTUDE Coragem Liberdade Gentileza Magnificência Respeito próprio EXCESSO Temeridade Prodigalidade Indiferença Vaidade Vilania 384-322 a.C.
  10. 10. ARISTÓTELES: o homem como animal político Aristóteles afirmava que ”o homem é um animal político”, isto é, que o homem é por natureza um ser social, pois, para sobreviver, não pode ficar completamente isolado de seus semelhantes. O ESTADO, portanto, é visto por Aristóteles como um fenômeno natural para o homem. Logo, O GOVERNO deve ter como objetivo o bem comum de todos e se não o fizer é um governo falho.
  11. 11. 12 “O homem, por natureza, é um animal político ” Aristóteles, A Politica.
  12. 12. MAQUIAVEL: os fins justificam os meios Concebeu o pensamento político moderno desvinculado dos conceitos éticos do pensamento antigo e dos valores cristãos do período medieval. Para Maquiavel havia uma distância entre a teoria e a prática política. Quando escreve o Príncipe, trata a política como ela realmente se dá, NA PRATICA E SEM TEORIAS. 🔨 1469-1527 d.C
  13. 13. MAQUIAVEL: os fins justificam os meios Muitos afirmam que o papel da política seria o de regular as lutas e tenções entre o povo e os poderosos. As tenções entre classes existirão sempre, logo, segundo Maquiavel, buscar este apaziguamento é uma ilusão. ENTÃO como fazer reinar a ordem E um estado? PARA MAQUIAVEL A ordem deveria ser construída para evitar a barbárie. E O príncipe deve buscar o sucesso sem se preocupar com os meios. O governante pode violar qualquer norma jurídica, moral, política e econômica
  14. 14. HOBBES: A necessidade do Estado soberano Hobbes foi o primeiro dos filósofos chamados contratualistas. Ou seja... Afirmava a necessidade de um contrato ou pacto social para garantir a vida coletiva das pessoas. Mas, Por que um contrato? Porque em seu estado natural, todo homem é livre e igual, logo, a relação entre iguais precisaria ser arbitrada por alguém ou alguma instância, daí a necessidade desse acordo. 👪 👨 1588-1679 d. C
  15. 15. HOBBES: A necessidade do Estado soberano Hobbes descordava de Aristóteles no que diz respeito a sociabilidade natural do homem e de sua natural vocação para vida social. Más Para Hobbes, cada homem sempre encara seu semelhante como um concorrente que precisa ser dominado. Onde não houver domínio de um homem sobre o outro, haverá uma competição intensa até que esse domínio seja alcançado. . Nas palavras de Hobbes: “o homem é o lobo do próprio homem”
  16. 16. HOBBES: A necessidade do Estado soberano Só havia uma forma para dar fim a brutalidade social primitiva: a criação social da sociedade política, administrada pelo Estado. Para isso os homens tiveram que firmar um contrato entre si, pelo qual cada um transferiria o poder de governo sobre si próprio para um terceiro – o Estado – para que este governasse a todos, impondo ordem, segurança e direção à conturbada vida social. O chamado contrato social.
  17. 17. LOCKE: a concepção do Estado liberal Assim como Hobbes, John Locke também refletiu sobre a origem do poder político e sobre sua necessidade para congregar os homens, que, em estado de natureza, viviam isolados. Ao contrário de Hobbes, que via no estado de natureza um estado de violência humana, Locke faz uma reflexão mais moderada. No estado de natureza todos seriam iguais, livres e juízes de suas próprias causas, os homens teriam problemas de relacionamento entre os indivíduos. 1632-1704 d.C 👪👨
  18. 18. LOCKE: a concepção do Estado liberal É neste contexto que nasceria o Estado, com a função de garantir a segurança dos indivíduos e de seus direitos naturais, como a liberdade, a igualdade e a propriedade, conforme expõe Locke em sua obra Segundo tratado sobre o governo. Diferentemente de Hobbes, portanto, Locke concebe a sociedade política como um meio de assegurar os direitos naturais do indivíduos e não como o resultado de uma transferência dos direitos do indivíduo ao governante. Assim nasce a concepção de ESTADO LIBERAL, o Estado deve regular as relações entre os homens e atuar como juiz nos conflitos sociais. Mas deve fazer isso garantindo as liberdades e direitos individuais, tanto no que se refere ao pensamento e expressão quanto à propriedade e atividade econômica.
  19. 19. MONTESQUIEU: a divisão de poderes Montesquieu é o autor de uma das teorias políticas mais interessantes do Estado moderno: a divisão funcional dos três poderes.. 1689-1755 d.C Ao refletir sobre as possibilidades de abuso do poder nas monarquias, Montesquieu propôs que se estabelecesse a divisão do poder político em três instâncias: PODER EXECUTIVO: (que executa as normas e decisões relativas à administração pública) PODER LEGISLATIVO: (que elabora e aprova as leis) PODER JUDICIÁRIO: (que aplica as leis)
  20. 20. ROUSSEAU: a legitimação do Estado pela vontade geral Rousseau, assim como Hobbes e Locke, é outro dos pensadores modernos que formulou uma teoria contratualista sobre a relação Estado-sociedade. Para Rousseau o homem no seu estado selvagem era bom e sentia-se feliz. À medida que se desenvolve agricultura e a metalurgia tudo se modificou. Com o aparecimento da propriedade privada surgem os conflitos e as rivalidades. A propriedade dá origem às desigualdades entre os homens. 1712-1778 d.C 👪 MEU
  21. 21. ROUSSEAU: a legitimação do Estado pela vontade geral ROUSSEAU PROPÕE ENTÃO UM pacto social pelo qual cada cidadão, como membro de um povo, concorda em submeter sua vontade particular à vontade geral. MEU Rousseau dizia que cada homem, como cidadão, somente deve obediência ao poder político se esse puder representar a vontade geral do povo ao qual pertence. O compromisso de cada cidadão é com o seu povo. Somente o povo é a fonte legítima da soberania do Estado. REPEITAR AS LEIS = OBEDECER À VONTADE GERAL = RESPEITAR A SI MESMO = CIDADANIA = BEM COMUM
  22. 22. MARX e ENGELS: o Estado como instrumento de dominação de classe. Marx e Engels compreendem que a comunidade humana primitiva era uma sociedade sem classes e sem Estado. Nela, as funções administrativas eram exercidas pelo conjunto dos membros da comunidade. No momento do desenvolvimento econômico em que surgiram as desigualdades de classe e os conflitos entre explorados e exploradores. Assim, o papel do Estado teria sido o de amortecer o choque desses conflitos, evitando o confronto direto entre as classes. (1818-18863) d.C(1820-1895) d.C PAREm
  23. 23. MARX e ENGELS: o Estado como instrumento de dominação de classe. ATÉ aqui não estamos longe da teoria liberal, contudo, segundo Engels, o Estado nasce no meio do conflito, e desde sempre, foi representado pela classe mais poderosa, com o intuito de reprimir a classe dominada: os escravos na antiguidade, os servos no feudalismo e os assalariados no capitalismo. O Estado atua como instrumento do domínio de classe. garantindo que essa forma se mantenha. Isso significa que o Estado só existe para administrar os problemas causados pela forma anti-social (desigual) da sociedade civil. E ele só poderia deixar de existir quando a sociedade não fosse mais dividida em classes antagônicas.
  24. 24. BLA, BLA. BLA BLA, BLA. BLA
  25. 25. PODER, POLÍTICA E O ESTADO
  26. 26. O PODER CharlesChaplim – Filme, O Grande Ditador É O DOMÍNIO SOBRE ALGO OU SITUAÇÃO, QUE PRIVILEGIA UM DETERMINADO LADO DA RELAÇÃO DEVIDO À CONDIÇÃO DE FORÇA QUE CADA UM APRESENTA.
  27. 27. O PODER NA SOCIEDADE PODER NA SOCIEDADE CONSISTE NUM CONJUNTO DE RELAÇÕES DE FORÇAS QUE INDIVÍDUOS OU GRUPOS SOCIAIS ESTABELECEM ENTRE SI A PARTIR DA POSIÇÃO QUE OCUPAM NA SOCIEDADE. PARA MAX WEBER: “O PODER REFERE-SE A PROBABILIDADE DE IMPOR A PRÓPRIA VONTADE NUMA RELAÇÃO SOCIAL,MESMO CONTRA A RESISTÊNCIA ALHEIA”
  28. 28. O OBJETIVOS DO PODER POLÍTICO NA SOCIEDADE O OBJETIVO DO PODER É MANTER A ORDEM,DEFENDER E ASSEGURAR O BEM-ESTAR DA SOCIEDADE. É REALIZAR ENFIM, O BEM PÚBLICO. VEJAM, O VERDADEIRO SENTIDO DO PODER NA POLITICA NÃO É QUE ALGUNS HOMENS SÃO SUBMETIDOS A OUTROS, MÁS SIM DE QUE TODOS OS HOMENS ESTÃO SUBMETIDOS AS NORMAS, AS LEIS.
  29. 29. PODER E IDEOLOGIA O PODER IDEOLÓGICO ATUA DE FORMA SUTIL E COMPLEXA NA SOCIEDADE. O PODER IDEOLÓGICO SE BASEIA NA INFLUÊNCIA QUE AS IDÉIAS DA PESSOA INVESTIDA DE AUTORIDADE EXERCE SOBRE O COMPORTAMNETO DOS DEMAIS: DESTE TIPO DE CONDICIONAMENTO NASCE A IMPORTÂNCIA SOCIAL DAQUELES QUE SABEM, QUER OS SACERDOTES DAS SOCIEDADES ARCAICAS, QUER OS INTELECTUAIS OU CIENTISTAS DAS SOCIEDADES EVOLUÍDAS
  30. 30. 32
  31. 31. VOLTANDO AS QUESTÕES GERAIS DA POLÍTICA, VAMOS BUSCAR COMPREENDER ALGUAMS DAS PRINCIUPAIS PERGUNTAS QUE ELA GERA. AFINAL... 01. “O QUE É UM GOVERNO?”
  32. 32. EM TERMOS SIMPLES UM GOVERNO É UM GRUPO DE PESSOAS QUE TEM O PODER DE MANDAR EM UM TERRITÓRIO E CRIAR LEIS SOBRE O POVO QUE ALI VIVE, SEJA POR ACLAMAÇÃO, ELEIÇÃO OU IMPOSIÇÃO. ESSE TERRITÓRIO PODE SER UM PAÍS, UM ESTADO OU PROVÍNCIA DENTRO DE UM PAÍS, OU UMA REGIÃO.
  33. 33. BOM, SE O GOVENRO TEM O PODER DE MANDAR EM UM TERRITÓRIO E CRIAR LEIS SOBRE O POVO QUE ALI VIVE ENTÃO... 02. POR QUE OS GOVERNOS SÃO NECESSÁRIOS?"
  34. 34. OS GOVERNOS SÃO NECESSÁRIOS, DA MESMA FORMA QUE AS INSTITUIÇÕES, PARA REGULAR O FUNCIONAMENTO DE UMA SOCIEDADE.
  35. 35. BOM, SE O GOVENRO É NECESSÁRIO PARA MANTER A ORDEM E O FUNCIONAMENTO DE UMA SOCIEDADE. ENTÃO... 03.COMO O GOVERNO PODE ASSEGURAR OS DIREITOS E LIBERDADES?”
  36. 36. EM GOVERNOS DEMOCRÁTICOS ISSO É FEITO ATRAVÉS DA CRIAÇÃO DE UMA COSNTITUIÇÃO (CONJUNTO DE LEIS) QUE É SEGUIDO POR TODOS. JÁ EM GOVERNOS DITATORIAIS E TOTALITÁRIOS AS LIBERDADES E OS DIREITOS SÃO POUCOS OU NULOS.
  37. 37. 40
  38. 38. BOM, VIMOS QUE NOS GOVERNOS DEMOCRÁTICOS OS DIREITOS E A LIBERDADE SÃO GARANTIDOS PELA CONSTITUIÇÃO... ENTÃO VAMOS PESQUISAR... 04. “QUE TIPOS DE GOVERNO PODEM EXISTIR?”
  39. 39. AS DIFERENTES FORMAS DE GOVERNO E PODER... MONARQUIAS DEMOCRACIA ARISTOCRACIA TIRANIA REPÚBLICA PRESIDENCIALISMO PARLAMENTARISMO OLIGARQUIA FASCISMO E NAZISMO
  40. 40. PESQUISE TRAGA A PESUISA EM SALA E APRESENTE UM SEMINARIOFORME GRUPOS E PESQUISE SOBRE AS FORMAS DE PODER E GOVERNOS ACIMA
  41. 41. VEJA OS A ONDA E O SENHOR DAS MOSCAS E VEJA EM DIFERENTES PONTOS DE VISTA COMO A SOCIEDADE SE ORGANIZA DIANTE DE PODERES. LEIA TAMBÉM OS LIVROS: Adimiravel Mundo Novo Autor: Aldus Huxley POLITICA Autor: João Ubaldo Ribeiro MELHORE SEUS CONHECIMENTOS:

×