SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Empirismo
John Locke
Quem Foi John Locke?
• John Locke nasceu em
Wrington, em 1632.
Estudou na Universidade
de Oxford filosofia,
ciências naturais e
medicina.
• Faleceu em 28 de outubro
de 1704, com 72 anos.
 Para o Empirista todo
conhecimento vem da
experiência, portanto,
dos sentidos.
 Locke busca
compreender qual a
gênese, a função e os
limites do
entendimento humano.
• “A mente é uma tábula rasa”, já diria
Aristóteles, que é retomado aqui para
evidenciar que nada não existe na mente que
não estivesse antes nos sentidos.
De acordo com
Locke...
• A mente é como uma
cera passiva, desprovida
de conteúdos, em que
os dados da
sensibilidade vão
imprimindo ali as ideias
que podemos conhecer.
As Idéias
Racionalismo
• As ideias são inatas, isto é,
existem no espírito
humano, são anteriores ao
nascimento e coordenam,
assim, o modo como o
homem conhece.
Empirismo
• Mas para o filósofo
empirista, o saber humano
é determinado pelas
impressões vindas da
sensação, não de um
fundamento inteligível
inato.
Corpo e Mente
Racionalismo
• Para Descartes eram
distintos
Empirismo
• Para Locke são uma coisa
só.
Noção de Sujeito como fundamento
Racionalismo
• Sujeito Universal (razão)
Empirismo
• Sujeito Particular no qual
todas as representações
(ideias) estão encerradas no
modo como cada indivíduo
percebe a realidade.
A única coisa Inata para Locke é:
• A capacidade de
depreender (abstrair)
ideias dos fatos
singulares (como em
Aristóteles) e não que
as próprias ideias sejam
inatas (como em
Descartes).
 As ideias derivam das
sensações.
 A experiência nada mais é do
que a observação tanto dos
objetos externos como das
operações internas da mente.
 O Pensamento não é formal,
mas sim uma síntese entre
forma e conteúdo derivados da
experiência e limitados a ela.
A experiência pode ser de dois tipos:
• 1. Externa> da qual
derivam as ideias
simples de sensação
(extensão, figura e
movimento, etc.)
• 2. Interna> da qual
derivam as ideias
simples de reflexão
(dor, prazer, etc.).
O que é Qualidade
para Locke?
• É o poder que as coisas
têm de produzir as
ideias em nós.
Se difere em 2 tipos:
Qualidades primárias
• São as qualidades reais dos
corpos das quais as ideias
correspondentes são cópias
exatas.
Qualidades secundárias
• São as possíveis
combinações de ideias,
sendo em parte subjetiva,
de modo que as ideias delas
não correspondam
exatamente aos objetos
(cor, sabor, odor, etc.)
O que a mente pode fazer segundo
Locke?
• Tanto o poder de operar combinações entre as
ideias simples formando ideias complexas,
como o de separar as ideias umas das outras
formando ideias gerais.
Idéias Simples
• São aquelas que representam “uma aparência, ou
concepção, uniforme na mente, e não [são]
analisáveis em idéias diferentes. A mente não as
pode criar ou destruir”.
• A partir das idéias simples, o entendimento pode
livremente fazer novas idéias, as idéias complexas.
As Idéias Complexas
• São formadas por Combinação, Comparação e Abstração.
Ideias
Complexas
Combinação
ComparaçãoAbstração
São três os tipos de Ideias Complexas:
Surgem do
confronto
que o
intelecto
institui entre
as ideias.
Ideias de
relações
Nascidas do
costume de
se supor um
substrato em
que
subsistem
algumas
ideias
simples.
Ideias de
substância
São afecções
da
substância.
Ideias de modo
As idéias de modos
• “São as idéias complexas tais que,
não importa como sejam
compostas, não contêm em si a
suposição de subsistirem por si
próprias, mas são consideradas
como dependências, ou afecções
de substâncias.
> Tais são as idéias significadas pelas
palavras triângulo, gratidão, assassina
to, etc.”
As idéias
de substâncias
• “São as combinações de idéias
simples formadas para representar
coisas particulares distintas que
subsistem por si mesmas, nas quais a
idéia imaginada [supposed] ou
confusa de substância [...] é sempre a
primeira e a principal”.
> As idéias de mesa, água, homem, Deus,
alma, são exemplos de idéias de
substâncias.
As idéias de relações
• “Consistem na consideração
e comparação de uma idéia
com outra”.
> Assim, temos as idéias de
causa e efeito, igualdade,
proporcionalidade, das
relações de espaço e de
tempo, etc.
O Conhecimento para Locke é...
• O conhecimento, então, consiste na percepção
da conexão ou acordo (ou do desacordo e do
contraste) entre nossas ideias.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Slides trabalho empirismo 25tp 22
Slides trabalho empirismo 25tp 22Slides trabalho empirismo 25tp 22
Slides trabalho empirismo 25tp 22
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
 
Filosofia analitica
Filosofia analiticaFilosofia analitica
Filosofia analitica
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Kant
KantKant
Kant
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
ESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURTESCOLA DE FRANKFURT
ESCOLA DE FRANKFURT
 

Destaque (20)

John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Apresentação slides i john locke teoria politica ii(1)
Apresentação slides i john locke teoria politica ii(1)Apresentação slides i john locke teoria politica ii(1)
Apresentação slides i john locke teoria politica ii(1)
 
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho EscolarEmpirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
 
06. contrato social john locke
06. contrato social   john locke06. contrato social   john locke
06. contrato social john locke
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Empirismo (2)
Empirismo (2)Empirismo (2)
Empirismo (2)
 
O que é filosofia?
O que é filosofia?O que é filosofia?
O que é filosofia?
 
Contrato social locke
Contrato social   lockeContrato social   locke
Contrato social locke
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Slide locke
Slide lockeSlide locke
Slide locke
 
Thommas Hobbes
Thommas HobbesThommas Hobbes
Thommas Hobbes
 
Hobbes completo TGE
Hobbes completo TGEHobbes completo TGE
Hobbes completo TGE
 
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & HobbesCiência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
Ciência política [1o gq] Maquiavel & Hobbes
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 

Semelhante a O Empirismo de John Locke e a Origem das Ideias a Partir da Experiência

Semelhante a O Empirismo de John Locke e a Origem das Ideias a Partir da Experiência (20)

John Locke
John LockeJohn Locke
John Locke
 
Cap 14 - O Empirismo Inglês
Cap 14 - O Empirismo InglêsCap 14 - O Empirismo Inglês
Cap 14 - O Empirismo Inglês
 
A filosofia de john locke
A filosofia de john lockeA filosofia de john locke
A filosofia de john locke
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Slides - Aula 03 - Empirismo.pdf
Slides - Aula 03 - Empirismo.pdfSlides - Aula 03 - Empirismo.pdf
Slides - Aula 03 - Empirismo.pdf
 
Importancia da cultura
Importancia da culturaImportancia da cultura
Importancia da cultura
 
A preocupação com o conhecimento.pptx
A preocupação com o conhecimento.pptxA preocupação com o conhecimento.pptx
A preocupação com o conhecimento.pptx
 
Filosofos
FilosofosFilosofos
Filosofos
 
57_aula_1ª_série_Filosofia_Empirismo_II (1).pptx
57_aula_1ª_série_Filosofia_Empirismo_II (1).pptx57_aula_1ª_série_Filosofia_Empirismo_II (1).pptx
57_aula_1ª_série_Filosofia_Empirismo_II (1).pptx
 
O empirismo
O empirismoO empirismo
O empirismo
 
TEORIAS DO CONHECIMENTO.pdf
TEORIAS DO CONHECIMENTO.pdfTEORIAS DO CONHECIMENTO.pdf
TEORIAS DO CONHECIMENTO.pdf
 
Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Racionalismo brenda e júlia 22 mp
Racionalismo brenda e júlia 22 mpRacionalismo brenda e júlia 22 mp
Racionalismo brenda e júlia 22 mp
 
Francis-Bacon.pptx
Francis-Bacon.pptxFrancis-Bacon.pptx
Francis-Bacon.pptx
 
Filosofia da Mente
Filosofia da MenteFilosofia da Mente
Filosofia da Mente
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
05.0.0. corpo mental_1
05.0.0. corpo mental_105.0.0. corpo mental_1
05.0.0. corpo mental_1
 

Mais de Elisama Lopes

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoElisama Lopes
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoElisama Lopes
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemElisama Lopes
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficosElisama Lopes
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeElisama Lopes
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaElisama Lopes
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade CientíficaElisama Lopes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroElisama Lopes
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOElisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Elisama Lopes
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Elisama Lopes
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Elisama Lopes
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutóriaElisama Lopes
 

Mais de Elisama Lopes (20)

Treinamento de atendimento
Treinamento de atendimentoTreinamento de atendimento
Treinamento de atendimento
 
Treinamento comunicação
Treinamento comunicaçãoTreinamento comunicação
Treinamento comunicação
 
Algumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagemAlgumas técnicas de abordagem
Algumas técnicas de abordagem
 
Etapas da venda graficos
Etapas da venda graficosEtapas da venda graficos
Etapas da venda graficos
 
Indivíduo Sociedade
Indivíduo SociedadeIndivíduo Sociedade
Indivíduo Sociedade
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Racionalidade Científica
Racionalidade CientíficaRacionalidade Científica
Racionalidade Científica
 
Santo Agostinho
Santo AgostinhoSanto Agostinho
Santo Agostinho
 
Utilitarismo
UtilitarismoUtilitarismo
Utilitarismo
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
 
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTOCurso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
Curso para copeira e faxineira - TREINAMENTO
 
Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2Oficina plugminas 2013 parte 2
Oficina plugminas 2013 parte 2
 
Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1Oficina plugminas 2013 parte 1
Oficina plugminas 2013 parte 1
 
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
Aula - Passagem do Mito para a Filosofia.
 
Filosofia - Aula introdutória
Filosofia -  Aula introdutóriaFilosofia -  Aula introdutória
Filosofia - Aula introdutória
 
Filosofia - Mito
Filosofia - MitoFilosofia - Mito
Filosofia - Mito
 
Russel cap 12
Russel cap 12Russel cap 12
Russel cap 12
 
Eutidemo
EutidemoEutidemo
Eutidemo
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 

O Empirismo de John Locke e a Origem das Ideias a Partir da Experiência

  • 2. Quem Foi John Locke? • John Locke nasceu em Wrington, em 1632. Estudou na Universidade de Oxford filosofia, ciências naturais e medicina. • Faleceu em 28 de outubro de 1704, com 72 anos.
  • 3.  Para o Empirista todo conhecimento vem da experiência, portanto, dos sentidos.  Locke busca compreender qual a gênese, a função e os limites do entendimento humano.
  • 4. • “A mente é uma tábula rasa”, já diria Aristóteles, que é retomado aqui para evidenciar que nada não existe na mente que não estivesse antes nos sentidos.
  • 5. De acordo com Locke... • A mente é como uma cera passiva, desprovida de conteúdos, em que os dados da sensibilidade vão imprimindo ali as ideias que podemos conhecer.
  • 6. As Idéias Racionalismo • As ideias são inatas, isto é, existem no espírito humano, são anteriores ao nascimento e coordenam, assim, o modo como o homem conhece. Empirismo • Mas para o filósofo empirista, o saber humano é determinado pelas impressões vindas da sensação, não de um fundamento inteligível inato.
  • 7. Corpo e Mente Racionalismo • Para Descartes eram distintos Empirismo • Para Locke são uma coisa só.
  • 8. Noção de Sujeito como fundamento Racionalismo • Sujeito Universal (razão) Empirismo • Sujeito Particular no qual todas as representações (ideias) estão encerradas no modo como cada indivíduo percebe a realidade.
  • 9. A única coisa Inata para Locke é: • A capacidade de depreender (abstrair) ideias dos fatos singulares (como em Aristóteles) e não que as próprias ideias sejam inatas (como em Descartes).
  • 10.  As ideias derivam das sensações.  A experiência nada mais é do que a observação tanto dos objetos externos como das operações internas da mente.  O Pensamento não é formal, mas sim uma síntese entre forma e conteúdo derivados da experiência e limitados a ela.
  • 11. A experiência pode ser de dois tipos: • 1. Externa> da qual derivam as ideias simples de sensação (extensão, figura e movimento, etc.) • 2. Interna> da qual derivam as ideias simples de reflexão (dor, prazer, etc.).
  • 12. O que é Qualidade para Locke? • É o poder que as coisas têm de produzir as ideias em nós.
  • 13. Se difere em 2 tipos: Qualidades primárias • São as qualidades reais dos corpos das quais as ideias correspondentes são cópias exatas. Qualidades secundárias • São as possíveis combinações de ideias, sendo em parte subjetiva, de modo que as ideias delas não correspondam exatamente aos objetos (cor, sabor, odor, etc.)
  • 14. O que a mente pode fazer segundo Locke? • Tanto o poder de operar combinações entre as ideias simples formando ideias complexas, como o de separar as ideias umas das outras formando ideias gerais.
  • 15. Idéias Simples • São aquelas que representam “uma aparência, ou concepção, uniforme na mente, e não [são] analisáveis em idéias diferentes. A mente não as pode criar ou destruir”. • A partir das idéias simples, o entendimento pode livremente fazer novas idéias, as idéias complexas.
  • 16. As Idéias Complexas • São formadas por Combinação, Comparação e Abstração. Ideias Complexas Combinação ComparaçãoAbstração
  • 17. São três os tipos de Ideias Complexas: Surgem do confronto que o intelecto institui entre as ideias. Ideias de relações Nascidas do costume de se supor um substrato em que subsistem algumas ideias simples. Ideias de substância São afecções da substância. Ideias de modo
  • 18. As idéias de modos • “São as idéias complexas tais que, não importa como sejam compostas, não contêm em si a suposição de subsistirem por si próprias, mas são consideradas como dependências, ou afecções de substâncias. > Tais são as idéias significadas pelas palavras triângulo, gratidão, assassina to, etc.”
  • 19. As idéias de substâncias • “São as combinações de idéias simples formadas para representar coisas particulares distintas que subsistem por si mesmas, nas quais a idéia imaginada [supposed] ou confusa de substância [...] é sempre a primeira e a principal”. > As idéias de mesa, água, homem, Deus, alma, são exemplos de idéias de substâncias.
  • 20. As idéias de relações • “Consistem na consideração e comparação de uma idéia com outra”. > Assim, temos as idéias de causa e efeito, igualdade, proporcionalidade, das relações de espaço e de tempo, etc.
  • 21. O Conhecimento para Locke é... • O conhecimento, então, consiste na percepção da conexão ou acordo (ou do desacordo e do contraste) entre nossas ideias.