SlideShare uma empresa Scribd logo
Farmacocinética e
concentração plasmática da
droga (II)
Profa. Me. Dhenise Nascimento
Farmacocinética e
concentração plasmática
da droga (II)
Depuração (ou clearance): é a taxa de remoção do fármaco do sangue
quando este passa pelo fígado pelos rins. É expressa em termos de
volume de sangue que contém o fármaco por unidade de tempo (por
exemplo, mL/min).
Metabolismo de primeira passagem (ou eliminação pré-
sistêmica): é o fenômeno que resulta no metabolismo do
fármaco pelo fígado ou enzimas no trato gastrointestinal antes de
atingir a circulação sistêmica. Isto pode afetar significativamente
a biodisponibilidade do fármaco.
Meia-vida (ou meia-vida de eliminação, t1/2): é o tempo
necessário para reduzir a concentração plasmática ou a
quantidade do fármaco no organismo pela metade
Distribuição dos fármacos no organismo
• Para atingir seu alvo, os fármacos são distribuídos pelo organismo através do
sistema circulatório (o sistema linfático tem uma contribuição pequena neste
processo). Dessa forma, a concentração dos fármacos em órgãos e tecidos que
tenham um fluxo sanguíneo alto (como cérebro, rins e fígado) aumenta
rapidamente após à absorção. Um importante conceito é o de volume de
distribuição (Vd), definido como o volume de líquido que seria necessário para
conter a dose do fármaco (Q) em uma concentração igual à plasmática (Cp).
Matematicamente, temos
Distribuição dos Fármacos no
Organismos
Organismos
Alvo do Fármaco
Os fármacos são
distribuídos pelo
organismo através do
sistema circulatório
para atingir seu alvo.
Volume de
Distribuição
(Vd)
Define o volume de
líquido necessário
para conter a dose
do fármaco em
uma concentração
igual à plasmática.
Concentração
Plasmática
Importante para entender a
eficácia e a distribuição dos
fármacos no organism. A
concentração plasmática do
fármaco aumenta com a
extensão da absorção; a
máxima (pico) é alcançada
quando a taxa de eliminação do
fármaco iguala-se à taxa de
absorção.
Curva típica de
concentração
plasmática de
um fármaco
administrado por
via intravenosa
Certos fatores podem afetar a distribuição dos fármacos, como a idade do
paciente. Cite alguns exemplos?
• Um paciente idoso tem menor capacidade de captação do fármaco
nos músculos que um paciente jovem.
• Um atleta tem uma captação muscular mais elevada.
• Um paciente obeso tem maior capacidade de captação de fármacos
lipossolúveis.
Metabolismo dos Fármacos
1 Fenômeno do Metabolismo
Resulta no metabolismo do fármaco pelo
fígado ou enzimas no trato gastrointestinal
antes de atingir a circulação sistêmica. Isto
pode afetar significativamente a
biodisponibilidade do fármaco.
2 Reações de Fase I e II
Envolve reações que transformam a estrutura
química original dos fármacos, tornando-a mais
hidrossolúvel para facilitar sua eliminação do
organismo.
Metabolismo dos Fármacos
1 Reações de Fase I
Modificam um grupo
funcional polar, resultando
em reações de oxidação,
hidrólise e redução.
2 Reações de Fase II
Conhecidas como reações
de conjugação, envolvem a
adição de um outro grupo
funcional polar. Exemplos de
grupos adicionados são:
glicuronato, sulfato,
glutationa e acetato
Diversos fatores podem afetar o metabolismo dos fármacos, por exemplo:
• Dose: as reações metabólicas são usualmente de primeira ordem, isto é, se a
concentração do fármaco aumenta, a velocidade da reação aumenta
proporcionalmente.
• Via de administração: se o fármaco for metabolizado extensivamente pelo fígado, a
administração por via oral poderá não ser indicada (metabolismo de primeira
passagem).
• Variações fisiopatológicas individuais: as taxas metabólicas podem ser afetadas pela
idade, pelo sexo, pelo peso corporal, pelos fatores genéticos, pelo estado de saúde e
pelo estilo de vida do paciente (incluindo a dieta).
• Indução ou inibição de enzimas: o uso concomitante de certos fármacos, poluentes
ambientais, substâncias químicas industriais e alguns alimentos pode aumentar ou
diminuir o metabolismo de outros compostos por induzir ou inibir as enzimas
responsáveis por estas reações. Isto pode afetar consideravelmente a concentração
plasmática do fármaco que teve sua biotransformação afetada.
Excreção dos Fármacos
Excreção Renal
Principal via de
excreção, onde os rins
filtram os fármacos.
Excreção Biliar
Alguns fármacos
também são
excretados na bile.
Depuração e Meia-Vida de Eliminação
Depuração
Taxa de remoção do
fármaco do sangue,
afetando a concentração
plasmática.
Meia-Vida
Tempo necessário para
reduzir a concentração
plasmática do fármaco
pela metade.
Muitos tratamentos farmacológicos requerem que o
medicamento seja administrado por um certo período de
tempo e em intervalos regulares.
O objetivo disto é manter a concentração do fármaco em
estado de equilíbrio dinâmico dentro da janela terapêutica, na
qual as taxas de absorção (k interna) sejam iguais às taxas de
metabolismo e excreção (ke ).
Na prática, o que acontece é um acúmulo do fármaco com doses sucessivas e há
uma oscilação da concentração plasmática do fármaco. Note que as primeiras
doses são subterapêuticas, isto é, abaixo da CME. Isto ocorre porque são
necessárias de quatro a cinco meias-vidas (t 1/2) para atingir o estado de
equilíbrio, o que também ocorre quando são feitas modificações no tratamento.
Se as doses de manutenção forem excessivas ou a frequência de administração
do medicamento for muito alta, será possível atingir níveis tóxicos do fármaco, o
que não é o objetivo do tratamento.
Acúmulo do Fármaco e Doses de
Manutenção
Acúmulo do Fármaco Consequência do uso de doses sucessivas.
Doses de Manutenção Utilizadas para repor a quantidade do
fármaco perdida por depuração.
Alterações na Meia-Vida do Fármaco
Volume de Distribuição
Alterações no Vd resultarão em
mudanças na meia-vida do fármaco e,
consequentemente, no tratamento
farmacológico.
Depuração
Diminuição da concentração
plasmática do fármaco e do tempo em
que ele pode atuar sobre seu sítio de
ação.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf

Aula 3 distribucao dos farmacos
Aula 3 distribucao dos farmacosAula 3 distribucao dos farmacos
Aula 3 distribucao dos farmacos
Nito Joao Sunde
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
paulosa14
 
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdfApostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
AndreyAraujo10
 
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
Caio Maximino
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
Caio Maximino
 
Trabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatiaTrabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatia
jujufacebook
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
CasimiroCampos
 
Aula 1 Medicina
Aula 1 MedicinaAula 1 Medicina
Aula 1 Medicina
Caio Maximino
 
Resumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoResumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completo
Tamara Garcia
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
Josué Sampaio
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacocinética aula 02
Farmacocinética   aula 02Farmacocinética   aula 02
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Clara Mota Brum
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
profedusoares
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TalinaCarladaSilva1
 
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdfAULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
CASA
 
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 

Semelhante a Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf (20)

Aula 3 distribucao dos farmacos
Aula 3 distribucao dos farmacosAula 3 distribucao dos farmacos
Aula 3 distribucao dos farmacos
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
 
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdfApostila de Farmacologia Clínica.pdf
Apostila de Farmacologia Clínica.pdf
 
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
 
Farmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADMEFarmacocinética e ADME
Farmacocinética e ADME
 
Trabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatiaTrabalho anestesio hepatopatia
Trabalho anestesio hepatopatia
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
 
Aula 1 Medicina
Aula 1 MedicinaAula 1 Medicina
Aula 1 Medicina
 
Resumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoResumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completo
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Farmacocinética aula 02
Farmacocinética   aula 02Farmacocinética   aula 02
Farmacocinética aula 02
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de FármacosAula  - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
Aula - Farmacologia Básica - Metabolismo e Eliminação de Fármacos
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
2011 determinantes clínicos e laboratoriais da concentração sanguínea do tacr...
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
 
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdfAULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
AULA 5 - FARMACOCINÉTICA.pdf
 
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
2006 aspectos da farmacocinética do tacrolimus nos quatro primeiros dias após...
 

Mais de DheniseMikaelly

O-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptx
O-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptxO-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptx
O-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptx
DheniseMikaelly
 
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmáciaFarmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
DheniseMikaelly
 
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃOCIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
DheniseMikaelly
 
PCR.pptx
PCR.pptxPCR.pptx
PCR.pptx
DheniseMikaelly
 
Liderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptxLiderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptx
DheniseMikaelly
 
Aula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxAula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptx
DheniseMikaelly
 
qualidade de vida no trabalho.pptx
 qualidade de vida no trabalho.pptx qualidade de vida no trabalho.pptx
qualidade de vida no trabalho.pptx
DheniseMikaelly
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
DheniseMikaelly
 
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptxComo conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
DheniseMikaelly
 
contencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptxcontencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptx
DheniseMikaelly
 
Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo
DheniseMikaelly
 
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptxAnatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
DheniseMikaelly
 
TESTE.pptx
TESTE.pptxTESTE.pptx
TESTE.pptx
DheniseMikaelly
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptxSISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptx
DheniseMikaelly
 
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptintroduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
DheniseMikaelly
 
NR32.pptx
NR32.pptxNR32.pptx
NR32.pptx
DheniseMikaelly
 
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxSCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
DheniseMikaelly
 
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxSLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
DheniseMikaelly
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
DheniseMikaelly
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
DheniseMikaelly
 

Mais de DheniseMikaelly (20)

O-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptx
O-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptxO-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptx
O-Processo-de-Enfermagem-Uma-Jornada-de-Cuidado.pptx
 
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmáciaFarmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
Farmacologia de sistemas - enfermagem e farmácia
 
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃOCIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
CIPE- ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM (CLASSIFICAÇÃO
 
PCR.pptx
PCR.pptxPCR.pptx
PCR.pptx
 
Liderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptxLiderança e gestão de conflitos.pptx
Liderança e gestão de conflitos.pptx
 
Aula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptxAula 2 - Vida humana.pptx
Aula 2 - Vida humana.pptx
 
qualidade de vida no trabalho.pptx
 qualidade de vida no trabalho.pptx qualidade de vida no trabalho.pptx
qualidade de vida no trabalho.pptx
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
 
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptxComo conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
Como conquistar a acreditação ONA - Rev 3 Mar-21.pptx
 
contencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptxcontencao-mecanica (1).pptx
contencao-mecanica (1).pptx
 
Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo Treinamento NSP - Completo
Treinamento NSP - Completo
 
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptxAnatomia - Aula 1 a 3.pptx
Anatomia - Aula 1 a 3.pptx
 
TESTE.pptx
TESTE.pptxTESTE.pptx
TESTE.pptx
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptxSISTEMA URINÁRIO.pptx
SISTEMA URINÁRIO.pptx
 
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.pptintroduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
introduc3a7c3a3o-a-semiologia-i.ppt
 
NR32.pptx
NR32.pptxNR32.pptx
NR32.pptx
 
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptxSCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
SCORM DE CONTENÇÃO DO PACIENTE.pptx
 
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptxSLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
SLIDE DO TREINAMENTO- OUTUBRO TABOÃO.pptx
 
fund.pptx
fund.pptxfund.pptx
fund.pptx
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 

Último

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 

Último (6)

Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 

Farmacocinetica-e-concentracao-plasmatica-da-droga-II.pdf

  • 1. Farmacocinética e concentração plasmática da droga (II) Profa. Me. Dhenise Nascimento
  • 2. Farmacocinética e concentração plasmática da droga (II) Depuração (ou clearance): é a taxa de remoção do fármaco do sangue quando este passa pelo fígado pelos rins. É expressa em termos de volume de sangue que contém o fármaco por unidade de tempo (por exemplo, mL/min).
  • 3. Metabolismo de primeira passagem (ou eliminação pré- sistêmica): é o fenômeno que resulta no metabolismo do fármaco pelo fígado ou enzimas no trato gastrointestinal antes de atingir a circulação sistêmica. Isto pode afetar significativamente a biodisponibilidade do fármaco. Meia-vida (ou meia-vida de eliminação, t1/2): é o tempo necessário para reduzir a concentração plasmática ou a quantidade do fármaco no organismo pela metade
  • 4. Distribuição dos fármacos no organismo • Para atingir seu alvo, os fármacos são distribuídos pelo organismo através do sistema circulatório (o sistema linfático tem uma contribuição pequena neste processo). Dessa forma, a concentração dos fármacos em órgãos e tecidos que tenham um fluxo sanguíneo alto (como cérebro, rins e fígado) aumenta rapidamente após à absorção. Um importante conceito é o de volume de distribuição (Vd), definido como o volume de líquido que seria necessário para conter a dose do fármaco (Q) em uma concentração igual à plasmática (Cp). Matematicamente, temos
  • 5. Distribuição dos Fármacos no Organismos Organismos Alvo do Fármaco Os fármacos são distribuídos pelo organismo através do sistema circulatório para atingir seu alvo. Volume de Distribuição (Vd) Define o volume de líquido necessário para conter a dose do fármaco em uma concentração igual à plasmática. Concentração Plasmática Importante para entender a eficácia e a distribuição dos fármacos no organism. A concentração plasmática do fármaco aumenta com a extensão da absorção; a máxima (pico) é alcançada quando a taxa de eliminação do fármaco iguala-se à taxa de absorção.
  • 6. Curva típica de concentração plasmática de um fármaco administrado por via intravenosa
  • 7. Certos fatores podem afetar a distribuição dos fármacos, como a idade do paciente. Cite alguns exemplos? • Um paciente idoso tem menor capacidade de captação do fármaco nos músculos que um paciente jovem. • Um atleta tem uma captação muscular mais elevada. • Um paciente obeso tem maior capacidade de captação de fármacos lipossolúveis.
  • 8. Metabolismo dos Fármacos 1 Fenômeno do Metabolismo Resulta no metabolismo do fármaco pelo fígado ou enzimas no trato gastrointestinal antes de atingir a circulação sistêmica. Isto pode afetar significativamente a biodisponibilidade do fármaco. 2 Reações de Fase I e II Envolve reações que transformam a estrutura química original dos fármacos, tornando-a mais hidrossolúvel para facilitar sua eliminação do organismo.
  • 9. Metabolismo dos Fármacos 1 Reações de Fase I Modificam um grupo funcional polar, resultando em reações de oxidação, hidrólise e redução. 2 Reações de Fase II Conhecidas como reações de conjugação, envolvem a adição de um outro grupo funcional polar. Exemplos de grupos adicionados são: glicuronato, sulfato, glutationa e acetato
  • 10. Diversos fatores podem afetar o metabolismo dos fármacos, por exemplo: • Dose: as reações metabólicas são usualmente de primeira ordem, isto é, se a concentração do fármaco aumenta, a velocidade da reação aumenta proporcionalmente. • Via de administração: se o fármaco for metabolizado extensivamente pelo fígado, a administração por via oral poderá não ser indicada (metabolismo de primeira passagem). • Variações fisiopatológicas individuais: as taxas metabólicas podem ser afetadas pela idade, pelo sexo, pelo peso corporal, pelos fatores genéticos, pelo estado de saúde e pelo estilo de vida do paciente (incluindo a dieta). • Indução ou inibição de enzimas: o uso concomitante de certos fármacos, poluentes ambientais, substâncias químicas industriais e alguns alimentos pode aumentar ou diminuir o metabolismo de outros compostos por induzir ou inibir as enzimas responsáveis por estas reações. Isto pode afetar consideravelmente a concentração plasmática do fármaco que teve sua biotransformação afetada.
  • 11. Excreção dos Fármacos Excreção Renal Principal via de excreção, onde os rins filtram os fármacos. Excreção Biliar Alguns fármacos também são excretados na bile.
  • 12. Depuração e Meia-Vida de Eliminação Depuração Taxa de remoção do fármaco do sangue, afetando a concentração plasmática. Meia-Vida Tempo necessário para reduzir a concentração plasmática do fármaco pela metade.
  • 13. Muitos tratamentos farmacológicos requerem que o medicamento seja administrado por um certo período de tempo e em intervalos regulares. O objetivo disto é manter a concentração do fármaco em estado de equilíbrio dinâmico dentro da janela terapêutica, na qual as taxas de absorção (k interna) sejam iguais às taxas de metabolismo e excreção (ke ).
  • 14. Na prática, o que acontece é um acúmulo do fármaco com doses sucessivas e há uma oscilação da concentração plasmática do fármaco. Note que as primeiras doses são subterapêuticas, isto é, abaixo da CME. Isto ocorre porque são necessárias de quatro a cinco meias-vidas (t 1/2) para atingir o estado de equilíbrio, o que também ocorre quando são feitas modificações no tratamento. Se as doses de manutenção forem excessivas ou a frequência de administração do medicamento for muito alta, será possível atingir níveis tóxicos do fármaco, o que não é o objetivo do tratamento.
  • 15. Acúmulo do Fármaco e Doses de Manutenção Acúmulo do Fármaco Consequência do uso de doses sucessivas. Doses de Manutenção Utilizadas para repor a quantidade do fármaco perdida por depuração.
  • 16. Alterações na Meia-Vida do Fármaco Volume de Distribuição Alterações no Vd resultarão em mudanças na meia-vida do fármaco e, consequentemente, no tratamento farmacológico. Depuração Diminuição da concentração plasmática do fármaco e do tempo em que ele pode atuar sobre seu sítio de ação.