SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
AULA DE FARMACOLOGIA:
Absorção
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Departamento de Farmacologia
Instituto de Ciências Biológicas
Contato: pintomcx@ufg.br
Roteiro da aula – Farmacodinâmica
Parte 2 – Farmacocinética - Absorção
•Interações farmacotécnicas;
•Interações farmacodinâmicas:
1- Sinergismo;
2- Antagonismo;
•Processos farmacocinéticos;
•Interações farmacocinéticas:
1- Absorção;
2- Distribuição;
3- Metabolismo;
4- Excreção.
Parte 1- Introdução à farmacologia
•Farmacologia
•Divisão da Farmacologia
•Conceitos Básicos
•Desenvolvimento da Farmacologia
•Descoberta de novos fármacos
•Fármacos ideais
•Janela terapêutica
Introdução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
A farmacologia (do grego: fármacon = droga; logia = estudo) é a ciência que estuda
como os medicamentos interagem com os organismos vivos.
Farmacodinâmica
Farmacocinética
Farmacocinética estuda todo o percurso que a medicação faz no corpo humano
(Absorção, distribuição, metabolismo e eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
Farmacodinâmica estuda os efeitos bioquímicos e fisiológicos dos fármacos e seus
mecanismos de ação. Estuda o que o fármaco faz no organismo.
Divisão da Farmacologia
Conceitos em Farmacologia
Droga - substância ou matéria-prima que tenha a finalidade medicamentosa ou
sanitária; É frequentemente associada a substâncias que causam dependência,
narcóticas ou que alteram a consciência.
Princípio ativo é a substância que deverá exercer efeito farmacológico. Um
medicamento, alimento ou planta pode ter diversas substâncias em sua
composição, porém somente uma ou algumas destas conseguirão ter ação no
organismo.
Fármaco é uma substância química de estrutura conhecida, que não seja um
nutriente ou um ingrediente essencial da dieta, o qual, quando administrado a
um organismo vivo, produz um efeito biológico.
Medicamento é uma preparação química que, em geral, mas não
necessariamente, contém um ou mais fármacos, além de excipientes,
conservantes, solventes. É administrado com a intenção de produzir
determinado efeito terapêutico.
Forma farmacêutica é o estado final que as substâncias activas apresentam
depois de serem submetidas às operações farmacêuticas necessárias, a fim de
facilitar a sua administração e obter o maior efeito terapêutico desejado.
Morfina
Conceitos em Farmacologia
Remédio é qualquer recurso utilizado para obter cura ou alívio do sofrimento.
Placebo é qualquer substância que seja ministrada a um paciente ou a um enfermo que trate de
seu problema de saúde sem que essa substância seja realmente indicada para o seu problema e
mesmo assim produz efeitos positivos.
Biodisponibilidade é definido como a velocidade e extensão da absorção do fármaco a partir de
uma determinada forma farmacêutica, tornando-se disponível no local de ação.
Bioequivalência é um termo utilizado para avaliar a equivalência biológica esperada in vivo de
duas preparações diferentes de um medicamento.
Posologia é a forma de utilizar os medicamentos, ou seja, o número de vezes e a quantidade de
medicamento a ser utilizada a cada dia.
Conceitos em Farmacologia
Especificidade é a capacidade de um fármaco reconhecer apenas um alvo
Afinidade é tendência de um fármaco se ligar ao seu alvo.
Eficácia é a capacidade do fármaco, uma vez ligado, gerar uma ação biológica
Agonista: molécula que se liga ao receptor e o estabiliza em determinada conformação ativa.
Agonistas inversos: Apresentam seletividade pelo estado de repouso do receptor.
Antagonista: molécula que inibe a ação do agonista, mas não exerce nenhum efeito na ausência
do agonista.
Resposta
Sem resposta
Droga
Droga
(agonista)
(antagonista)
Ocupação
(afinidade)
Ativação
(eficácia)
Desenvolvimento da Farmacologia
Descoberta de novos fármacos
Descoberta
Ensaios de atividade
e toxicidade in vitro
Farmacovigilância
Segurança e atividade em
Humanos
Ensaios de atividade
e toxicidade in vivo
Desenvolvimento Pré-Clínico
Desenvolvimento Clínico
Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4
Taxa de sucesso: 70% Taxa de sucesso: 33% Taxa de sucesso: 25-30% Taxa de sucesso: 70-90%
20-80
participantes
Duração de meses
Estuda a segurança do
fármaco/tratamento
100-300
participantes
Duração de até 2 anos
Estudos de eficácia
1000-3000
participantes
Duração de até 1 a 4 anos
Estudos de segurança,
eficácia e dosagem
Milhares de
participantes
Duração de até 2 anos
Estudos de segurança de
longo prazo, custo-
benefício
Fármaco ideal
Análise de custo X benefícioAnálise de custo X benefício
Uso racional de medicamentos
Paciente
Fármaco
Deve-se sempre analisar o histórico clínico do paciente (Exp.: fumante, diabético,
idoso e etc) e as ações farmacológicas e efeitos colaterais dos fármacos.
FATORES DO PACIENTE
 Genéticos
 Doenças
 Idade
 Meio (pH)
 Tabaco
 Etanol
 Idade
Uso racional de medicamentos
FATORES DO FÁRMACO
 Formas farmacêuticas
 Vias de administração
 Dose
 Esquema posológico
 Duração
Uso racional de medicamentos
Farmacocinética - Absorção
Processos farmacocinéticos
Farmacocinética (do grego: fármacon = droga; kínésis = movimento) estuda todo o
percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e
eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
Absorção
É a etapa que compreende a administração do fármaco até sua chegada à circulação
sanguínea local. Para isso o fármaco tem que atravessar barreiras biológicas.
Permeação de drogas pelas barreiras
•Mecanismos de passagem
•Grau de Ionização
•Coeficiente de Partição Óleo-Água
•Via de Administração
Membrana plasmática
• Membrana plasmática é composta por uma bicamada lipídica (hidrofílica-fora; hidrofóbica-
dentro);
• A membrana é fluida (moléculas individuais se movem lateralmente);
• Apresenta proteínas, que são alvos de fármacos;
• É relativamente impermeável às moléculas polares.
Barreira hematoencefálica
A Barreira hematoencefálica (BHE)
é uma estrutura de permeabilidade
altamente seletiva que protege o SNC
de substâncias potencialmente
neurotóxicas presentes no sangue e
sendo essencial para função
metabólica normal do cérebro.
É composta de células endoteliais
estreitamente unidas, astrócitos,
pericitos e diversas proteínas.
Cerca de 98% dos medicamentos em
potencial não ultrapassam essa
barreira, sendo esse um dos principais
desafios na terapêutica de sistema
nervoso central.
O tamanho do fármaco também influencia sua entrada na placenta:
peso molecular entre 250 e 500, atravessam facilmente.
peso molecular entre 500 e 1000, atravessam lentamente.
peso molecular acima de 1000, muita dificuldade para atravessar.
Placenta
Alguns transportadores placentários podem transportar moléculas grandes para dentro da
placenta. Outros transportadores podem aumentar a eliminação de fármacos da circulação
placentária.
Mecanismos de passagem
Difusão passiva - obedecendo um gradiente de difusão.
Difusão por poros - obedecendo um gradiente de difusão. (Exp. Aquaporinas)
Difusão Facilitada - obedecendo um gradiente de difusão. Carreador aumenta a velocidade de
transporte;
Transporte ativo – Contra o gradiente de difusão. (Exp. Trasportador glicoproteína-P)
Mecanismos para o transporte através da membrana
Grau de Ionização
Pa
Compartimentos corporais e o pH
• A acidificação da urina acelera
a eliminação de bases fracas e
retarda a de ácidos fracos.
• A alcalinização da urina tem o
efeito oposto: reduz a eliminação
de bases fracas e
aumenta a de ácidos fracos.
Propriedades de fármacos que afetam a permeabilidade
As moléculas apolares dissolvem-se livremente na camada lipídica da membrana,
difundindo-se prontamente através das membranas celulares.
As moléculas permeantes devem estar presentes
em número suficiente na membrana e ser móveis
dentro dela para que ocorra uma passagem rápida.
Vias de administração
SUBLINGUAL
Absorção de fármacos por
debaixo da língua
ORAL
Absorção de fármacos no
estômago e intestino
RETAL
Absorção de fármacos pelo
intestino grosso
TRANSDÉRMICA
Absorção de fármacos pela
pela
INALATÓRIA
Absorção de fármacos pelos
pulmões
SUBCUTÂNEA
A medicação é introduzida na
região subcutânea (hipoderme)
INTRAVENOSA
A medicação é introduzida
diretamente na corrente
sanguínea.
INTRAMUSCULAR
A medicação é introduzida
diretamente na musculo.
INTRATECAL
Administrado no espaço sub-
aracnóide através de punção
lombar (Anestésicos e
antibióticos)
Vias de administração
Vias de administração
Diferenças na absorção de fármacos
Alteração na absorção de fármacos
Fatores que alteram a absorção
Fatores que alteram a velocidade de absorção
Fármacos que interagem na própria formulação farmacêutica inativando algum
principio ativo:
Interação farmacocinética: Absorção
REAÇÕES DE OXI-REDUÇÃO:
 Vitamina C + sulfato ferroso (+)
REAÇÕES DE PRECIPITAÇÃO:
 Tetraciclina + cations (Ca+2
)
 Tetraciclina + Sais de alumínio ou magnésio
ADSORÇÃO:
 Carvão ativado + alcaloides
NEUTRALIZAÇÃO (TAMPÕES):
 Ácidos fracos + Bases fracas
TURVAÇÃO E PRECIPITAÇÃO:
 Anfotericina B + Soro Fisiológico
ALTERAÇÃO DE PH:
 Anti-ácidos + aine, barbitúricos (redução);
 Anti-ácidos + anfetaminas, efedrina e
quinidina (aumento).
Formação de substâncias insolúveis:
 Tetraciclina + alumínio, cálcio, magnésio, bismuto, ferro e zinco;
 Warfarina, digoxina + colestiramina.
Alteração da motilidade gastrointestinal:
 Atropina + opioides (diminuem);
 Metoclopramida + eritromicina (aumentam).
Interação farmacocinética: Absorção
Dúvidas?
Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto
Contato: pintomcx@ufg.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Renato Santos
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
introdução à farmacologia
 introdução à farmacologia introdução à farmacologia
introdução à farmacologia
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos3ª aula   conceitos básicos sobre medicamentos
3ª aula conceitos básicos sobre medicamentos
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
Introdução a farmacologia (tec. enfermagem)
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1Farmacologia aula-1
Farmacologia aula-1
 
Grupos de medicamentos
Grupos de medicamentosGrupos de medicamentos
Grupos de medicamentos
 
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
Aula 04   farmacologia - prof. clara motaAula 04   farmacologia - prof. clara mota
Aula 04 farmacologia - prof. clara mota
 
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinéticaFarmacologia 2 introdução a farmacocinética
Farmacologia 2 introdução a farmacocinética
 
FarmacocinéTica
FarmacocinéTicaFarmacocinéTica
FarmacocinéTica
 
Básico de farmacologia
Básico de farmacologiaBásico de farmacologia
Básico de farmacologia
 
Formas farmacêuticas
Formas farmacêuticasFormas farmacêuticas
Formas farmacêuticas
 
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e MetabolismoAula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
Aula - Farmacologia básica - Distribuição e Metabolismo
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 

Semelhante a Aula - Farmacologia básica - Adsorção

ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ
 

Semelhante a Aula - Farmacologia básica - Adsorção (20)

Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21Farmacocinetica aula 18.09.21
Farmacocinetica aula 18.09.21
 
Fundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagemFundamentos da enfermagem
Fundamentos da enfermagem
 
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geralaula 01 de introdução as leucemias. Geral
aula 01 de introdução as leucemias. Geral
 
Farmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdfFarmacologia - Aula 2.pdf
Farmacologia - Aula 2.pdf
 
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdfAULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
AULA DE FARMACOCINÉTICA (1).pdf
 
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANOFARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
FARMACOLOGIA E SISTEMAS FISIOLOGICOS HUMANO
 
Aula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoidesAula1 farmacologia de eicosanoides
Aula1 farmacologia de eicosanoides
 
Farmacologia geral
Farmacologia geralFarmacologia geral
Farmacologia geral
 
Resumo geral dos slides de Farmacologia-1.docx
Resumo geral dos slides de Farmacologia-1.docxResumo geral dos slides de Farmacologia-1.docx
Resumo geral dos slides de Farmacologia-1.docx
 
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
ANTONIO INACIO FERRAZ-ESTUDANTE DE FARMÁCIA EM CAMPINAS SP.
 
Farmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdfFarmacologia - Aula I.pdf
Farmacologia - Aula I.pdf
 
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptxAula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
Aula 1, Introdução a Farmacologia..pptx
 
aula 1 farmaco.pdf
aula 1 farmaco.pdfaula 1 farmaco.pdf
aula 1 farmaco.pdf
 
prodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologiaprodPrincípios básicos em farmacologia
prodPrincípios básicos em farmacologia
 
Aula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdfAula_2_Introducao.pdf
Aula_2_Introducao.pdf
 
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
Farmacologia: tópicos iniciais. Absorção Distribuição Metabolismo e Excreção,...
 
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptxTALINA FARMACOLOGIA.pptx
TALINA FARMACOLOGIA.pptx
 
Curso Livro Eletrônico
Curso Livro EletrônicoCurso Livro Eletrônico
Curso Livro Eletrônico
 
Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1Apostila de farmacologia 1
Apostila de farmacologia 1
 
2364091 farmacologia
2364091 farmacologia2364091 farmacologia
2364091 farmacologia
 

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto

Mais de Mauro Cunha Xavier Pinto (20)

Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - AntiparasitáriosAula - Quimioterápicos - Antiparasitários
Aula - Quimioterápicos - Antiparasitários
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - AntineoplásicosAula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
Aula - Quimioterápicos - Antineoplásicos
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - VasodilatadoresAula - Cardiovascular - Vasodilatadores
Aula - Cardiovascular - Vasodilatadores
 
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíacaAula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
Aula - Cardiovascular - Tratamento da insuficiência cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíacaAula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
Aula - Cardiovascular - Farmacologia da contratibilidade cardíaca
 
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular  - AnticoagulantesAula - Cardiovascular  - Anticoagulantes
Aula - Cardiovascular - Anticoagulantes
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças NeurovascularesAula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
Aula - SNC - Tratamento de Doenças Neurovasculares
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de AlzheimerAula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Alzheimer
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (8)

Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 

Aula - Farmacologia básica - Adsorção

  • 1. AULA DE FARMACOLOGIA: Absorção Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Departamento de Farmacologia Instituto de Ciências Biológicas Contato: pintomcx@ufg.br
  • 2. Roteiro da aula – Farmacodinâmica Parte 2 – Farmacocinética - Absorção •Interações farmacotécnicas; •Interações farmacodinâmicas: 1- Sinergismo; 2- Antagonismo; •Processos farmacocinéticos; •Interações farmacocinéticas: 1- Absorção; 2- Distribuição; 3- Metabolismo; 4- Excreção. Parte 1- Introdução à farmacologia •Farmacologia •Divisão da Farmacologia •Conceitos Básicos •Desenvolvimento da Farmacologia •Descoberta de novos fármacos •Fármacos ideais •Janela terapêutica
  • 4. Introdução à Farmacologia A farmacologia (do grego: fármacon = droga; logia = estudo) é a ciência que estuda como os medicamentos interagem com os organismos vivos. Farmacodinâmica Farmacocinética Farmacocinética estuda todo o percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e eliminação). O que o corpo faz com o fármaco. Farmacodinâmica estuda os efeitos bioquímicos e fisiológicos dos fármacos e seus mecanismos de ação. Estuda o que o fármaco faz no organismo.
  • 6. Conceitos em Farmacologia Droga - substância ou matéria-prima que tenha a finalidade medicamentosa ou sanitária; É frequentemente associada a substâncias que causam dependência, narcóticas ou que alteram a consciência. Princípio ativo é a substância que deverá exercer efeito farmacológico. Um medicamento, alimento ou planta pode ter diversas substâncias em sua composição, porém somente uma ou algumas destas conseguirão ter ação no organismo. Fármaco é uma substância química de estrutura conhecida, que não seja um nutriente ou um ingrediente essencial da dieta, o qual, quando administrado a um organismo vivo, produz um efeito biológico. Medicamento é uma preparação química que, em geral, mas não necessariamente, contém um ou mais fármacos, além de excipientes, conservantes, solventes. É administrado com a intenção de produzir determinado efeito terapêutico. Forma farmacêutica é o estado final que as substâncias activas apresentam depois de serem submetidas às operações farmacêuticas necessárias, a fim de facilitar a sua administração e obter o maior efeito terapêutico desejado. Morfina
  • 7. Conceitos em Farmacologia Remédio é qualquer recurso utilizado para obter cura ou alívio do sofrimento. Placebo é qualquer substância que seja ministrada a um paciente ou a um enfermo que trate de seu problema de saúde sem que essa substância seja realmente indicada para o seu problema e mesmo assim produz efeitos positivos. Biodisponibilidade é definido como a velocidade e extensão da absorção do fármaco a partir de uma determinada forma farmacêutica, tornando-se disponível no local de ação. Bioequivalência é um termo utilizado para avaliar a equivalência biológica esperada in vivo de duas preparações diferentes de um medicamento. Posologia é a forma de utilizar os medicamentos, ou seja, o número de vezes e a quantidade de medicamento a ser utilizada a cada dia.
  • 8. Conceitos em Farmacologia Especificidade é a capacidade de um fármaco reconhecer apenas um alvo Afinidade é tendência de um fármaco se ligar ao seu alvo. Eficácia é a capacidade do fármaco, uma vez ligado, gerar uma ação biológica Agonista: molécula que se liga ao receptor e o estabiliza em determinada conformação ativa. Agonistas inversos: Apresentam seletividade pelo estado de repouso do receptor. Antagonista: molécula que inibe a ação do agonista, mas não exerce nenhum efeito na ausência do agonista. Resposta Sem resposta Droga Droga (agonista) (antagonista) Ocupação (afinidade) Ativação (eficácia)
  • 10. Descoberta de novos fármacos Descoberta Ensaios de atividade e toxicidade in vitro Farmacovigilância Segurança e atividade em Humanos Ensaios de atividade e toxicidade in vivo
  • 12. Desenvolvimento Clínico Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4 Taxa de sucesso: 70% Taxa de sucesso: 33% Taxa de sucesso: 25-30% Taxa de sucesso: 70-90% 20-80 participantes Duração de meses Estuda a segurança do fármaco/tratamento 100-300 participantes Duração de até 2 anos Estudos de eficácia 1000-3000 participantes Duração de até 1 a 4 anos Estudos de segurança, eficácia e dosagem Milhares de participantes Duração de até 2 anos Estudos de segurança de longo prazo, custo- benefício
  • 14. Análise de custo X benefícioAnálise de custo X benefício Uso racional de medicamentos Paciente Fármaco Deve-se sempre analisar o histórico clínico do paciente (Exp.: fumante, diabético, idoso e etc) e as ações farmacológicas e efeitos colaterais dos fármacos.
  • 15. FATORES DO PACIENTE  Genéticos  Doenças  Idade  Meio (pH)  Tabaco  Etanol  Idade Uso racional de medicamentos
  • 16. FATORES DO FÁRMACO  Formas farmacêuticas  Vias de administração  Dose  Esquema posológico  Duração Uso racional de medicamentos
  • 18. Processos farmacocinéticos Farmacocinética (do grego: fármacon = droga; kínésis = movimento) estuda todo o percurso que a medicação faz no corpo humano (Absorção, distribuição, metabolismo e eliminação). O que o corpo faz com o fármaco.
  • 19. Absorção É a etapa que compreende a administração do fármaco até sua chegada à circulação sanguínea local. Para isso o fármaco tem que atravessar barreiras biológicas. Permeação de drogas pelas barreiras •Mecanismos de passagem •Grau de Ionização •Coeficiente de Partição Óleo-Água •Via de Administração
  • 20. Membrana plasmática • Membrana plasmática é composta por uma bicamada lipídica (hidrofílica-fora; hidrofóbica- dentro); • A membrana é fluida (moléculas individuais se movem lateralmente); • Apresenta proteínas, que são alvos de fármacos; • É relativamente impermeável às moléculas polares.
  • 21. Barreira hematoencefálica A Barreira hematoencefálica (BHE) é uma estrutura de permeabilidade altamente seletiva que protege o SNC de substâncias potencialmente neurotóxicas presentes no sangue e sendo essencial para função metabólica normal do cérebro. É composta de células endoteliais estreitamente unidas, astrócitos, pericitos e diversas proteínas. Cerca de 98% dos medicamentos em potencial não ultrapassam essa barreira, sendo esse um dos principais desafios na terapêutica de sistema nervoso central.
  • 22. O tamanho do fármaco também influencia sua entrada na placenta: peso molecular entre 250 e 500, atravessam facilmente. peso molecular entre 500 e 1000, atravessam lentamente. peso molecular acima de 1000, muita dificuldade para atravessar. Placenta Alguns transportadores placentários podem transportar moléculas grandes para dentro da placenta. Outros transportadores podem aumentar a eliminação de fármacos da circulação placentária.
  • 23. Mecanismos de passagem Difusão passiva - obedecendo um gradiente de difusão. Difusão por poros - obedecendo um gradiente de difusão. (Exp. Aquaporinas) Difusão Facilitada - obedecendo um gradiente de difusão. Carreador aumenta a velocidade de transporte; Transporte ativo – Contra o gradiente de difusão. (Exp. Trasportador glicoproteína-P) Mecanismos para o transporte através da membrana
  • 25. Compartimentos corporais e o pH • A acidificação da urina acelera a eliminação de bases fracas e retarda a de ácidos fracos. • A alcalinização da urina tem o efeito oposto: reduz a eliminação de bases fracas e aumenta a de ácidos fracos.
  • 26. Propriedades de fármacos que afetam a permeabilidade As moléculas apolares dissolvem-se livremente na camada lipídica da membrana, difundindo-se prontamente através das membranas celulares. As moléculas permeantes devem estar presentes em número suficiente na membrana e ser móveis dentro dela para que ocorra uma passagem rápida.
  • 27. Vias de administração SUBLINGUAL Absorção de fármacos por debaixo da língua ORAL Absorção de fármacos no estômago e intestino RETAL Absorção de fármacos pelo intestino grosso TRANSDÉRMICA Absorção de fármacos pela pela INALATÓRIA Absorção de fármacos pelos pulmões SUBCUTÂNEA A medicação é introduzida na região subcutânea (hipoderme) INTRAVENOSA A medicação é introduzida diretamente na corrente sanguínea. INTRAMUSCULAR A medicação é introduzida diretamente na musculo. INTRATECAL Administrado no espaço sub- aracnóide através de punção lombar (Anestésicos e antibióticos)
  • 32. Fatores que alteram a absorção
  • 33. Fatores que alteram a velocidade de absorção
  • 34. Fármacos que interagem na própria formulação farmacêutica inativando algum principio ativo: Interação farmacocinética: Absorção REAÇÕES DE OXI-REDUÇÃO:  Vitamina C + sulfato ferroso (+) REAÇÕES DE PRECIPITAÇÃO:  Tetraciclina + cations (Ca+2 )  Tetraciclina + Sais de alumínio ou magnésio ADSORÇÃO:  Carvão ativado + alcaloides NEUTRALIZAÇÃO (TAMPÕES):  Ácidos fracos + Bases fracas TURVAÇÃO E PRECIPITAÇÃO:  Anfotericina B + Soro Fisiológico ALTERAÇÃO DE PH:  Anti-ácidos + aine, barbitúricos (redução);  Anti-ácidos + anfetaminas, efedrina e quinidina (aumento).
  • 35. Formação de substâncias insolúveis:  Tetraciclina + alumínio, cálcio, magnésio, bismuto, ferro e zinco;  Warfarina, digoxina + colestiramina. Alteração da motilidade gastrointestinal:  Atropina + opioides (diminuem);  Metoclopramida + eritromicina (aumentam). Interação farmacocinética: Absorção
  • 36. Dúvidas? Prof. Dr. Mauro Cunha Xavier Pinto Contato: pintomcx@ufg.br

Notas do Editor

  1. Uma aplicação clínica está na terapia anticoagulante: A heparina (molécula grande) é recomendada em detrimento da varfarina (molécula pequena), que é teratogênica
  2. Fármacos anticolinérgicos (atropina, escopolamina) retardam o esvaziamento gástrico e a motilidade intestinal e reduzem as secreções digestivas – prejudicam a absorção de fármacos Fármacos que aceleram o esvaziamento gástrico – favorecem a absorção de muitos fármacos (ex.: metoclopramida, bromoprida, domperidona)