Tetano - Caso Clinico

2.154 visualizações

Publicada em

Caso Clinico

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.154
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Tetano - Caso Clinico

  1. 1. FMT-HVD Fundação de Medicina Tropical – Doutor Heitor Vieira Dourado 1
  2. 2. Acadêmicos  Ednirte Pinheiro Costa  Juliana Alves Coutinho  Luciana da Costa Nascimento  FIN10S1 2
  3. 3. Dados do Paciente  Nome: AOS  Idade: 32 anos  Sexo: Masculino 3 Anamnese  HDA: Pct deu entrada na FMT em 04/08/14 com histórico de cefaleia há 2 dias (02/08), associada a hipertonia na nuca, quadro álgico na coluna e 2 episódios de crise convulsiva. Relato de trismo na admissão, de forma que foi iniciado tratamento para tétano imediatamente. Em 05/08 foi relatado novo episodio convulsivo. Em 06/08 acompanhante relatou que paciente foi agredido há 12 dias (24/07), resultando em um ferimento cortante na região de MID. Hipótese de meningite descartada após exame de líquor normal. Nesta mesma data, paciente apresentou rebaixamento de nível de consciência, desconforto respiratório com SatO2, taquicardia, febre, raio-x do tórax com padrão intersticial difuso. Sendo assim, o paciente foi encaminhado para a unidade de tratamento intensivo.
  4. 4. Diagnostico Clinico  Tétano  Doença infecciosa grave, não contagiosa causada por toxina produzida por uma bactéria denominada de Clostridium tatani. 4
  5. 5. Fisiopatologia Esporos “Porta de entrada” Germinação Transporta para o SNC Faz ligação com as terminações nervosas Tetanospamina Bactéria Ativa Multiplica Terminações pré-sinápticas dos neurônios inibidores Bloqueia a glicina e o GABA Atividade sináptica excitatória Espasmos e hipertonia 5
  6. 6. Sinais e Sintomas  Hipertonia  Espasmos  Opistótonos  Disautonomia  Trismo 6
  7. 7. Exames de Imagem 7 Exame de imagem do dia 06/08
  8. 8. Exames de Imagem 8 Exame de imagem do dia 14/08
  9. 9. Exames de Imagem 9 Exame de imagem do dia 15/08
  10. 10. Exames Laboratoriais  Não existe exames laboratoriais que possam comprovar o diagnostico e os exames bacteriológicos muitas vezes apresenta um resultado negativo.  Tornando assim o diagnostico do tétano basicamente clinico-epidemiológico.  O laboratório auxilia no controle das complicações e tratamento do paciente. 10
  11. 11. Diagnostico Cinesiologico Funcional  Discinesia muscular respiratória associada ao conjunto de distúrbios da mecânica respiratória com hipertonia espástica generalizada 11
  12. 12. Objetivos Condutas Prevenir úlceras de decúbito Mudanças e decúbito Prevenir deformidades Alongamentos passivos e mobilizações passivas Prevenir complicações respiratórias MHB, manobras de expansão pulmonar, ajustes da VM 12
  13. 13. Avaliação do Paciente  Dia13/08/2014 - Pct no leito em DD, grave, hipercorado, hipertérmico, sob efeito de sedativos (dormonid 20,0 ml/h + fentanil 5,0 ml/h) escala de Ransay 6, hemodinamicamente estável, SNE, sonda vesical, AVC, carótida D. Durante a inspeção foi evidenciado a presença de edema em extremidades. SSVV (FC 114 bpm, PA 108x52 mmHg, T 38,5 Cº, SatO2 96%, FR 18 irpm) Sob VM (modo PCV; TOT; FiO2 70%; Ti 1,18; I:E 1:1,8; FRM 18 rpm; sensibilidade 2l/min; PC 20 cmH2O; PEEP 12 cmH2O; Vt 525 ml; FRT 18 rpm) AP: MV+ em ápice e 1/3 médio HTXE com roncos difusos. 13
  14. 14. Gasometria 14/08/2014 pH 7,331 Acidose pCO2 65,6 mmHg Acidose respiratória pO2 86,7 mmHg Normal HCO3- 30,6 mmol/L Alcalose 14 Gasometria 13/08/2014 pH 7,50 Alcalose pCO2 45 mmHg Normal pO2 69,5 mmHg Hipoxemia HCO3- 35,5 mmol/L Alcalose metabólica
  15. 15. Evolução Fisioterapêutica  Dia 14/08/2014 - Pct grave, hipercorado, sob efeito de sedativo (dormonid 20,0ml/h + fentanil 5,0 ml/h), escala de Ransay 6, hemodinamicamente estável, apresenta edema em extremidades. SSVV(FC 114 bpm; PA 87/49 mmHg; T 37,4 C°, SatO2 81%) Sob VM (modo PCV; TOT; FiO2 70%; Ti 1,18; I:E 1:1,8; FRM 18 rpm; sensibilidade 2l/min; PC 20 cmH2O; PEEP 12 cmH2O; Vt 525 ml; FRT 18 rpm). AP: MV+ em ápice e 1/3 médio HTXE com roncos difusos  Foi realizado mudanças na VM (modo PCV, TOT, FiO₂ 90%, Ti 0,85, I:E 1.2, FM 24rpm, Ft 24 rpm, sensibilidade 2l/min, PEEP 12 cmH₂O, PC 23 cmH₂O, Vt 145ml), MHB (vibrocompressão + AFE), aspiração em TOT e VVAASS com retirada de 8 ml de secreção mucoide.  Dia 15/08/2014 – Não foi atendido (passou por procedimento cirúrgico para colocada do TOT). 15
  16. 16. Prognostico  No dia 17/08 – Óbito 16
  17. 17. Referencia Bibliográfica  BALDESSAR, Maria Zélia et al.O trismo como primeira manifestação do tétano. Arq Catarin Med, v. 35, n. 2, p. 92-4, 2006.  MORAES, Edgar N.; PEDROSO, Ênio RP. Tétano no Brasil: doença do idoso. Rev Soc Bras Med Trop, v. 33, n. 3, p. 271-5, 2000.  PAGLIUCA, Lorita Marlena Freitag; FEITOZA, Aline R.; FEIJÃO, Alexsandra R. Tétano na população geriátrica: problemática da saúde coletiva. Rev Latinoam Enferm, v. 9, n. 6, p. 69-75, 2001. 17

×