Prof Gabriel Jefferson
EscolaTécnica Raimunda Nonata
Técnico de enfermagem
Tétano, do grego τέτανος e τείνειν, significa
"contrair e esticar"
Doença infecciosa aguda não contagiosa
causada pela ação de exotoxinas
(tetanospasmina) produzidas pelo Clostridium
tetani...
C. tetani é um bacilo gram-positivo
esporulado, anaeróbico, semelhante a um
alfinete de cabeça.
Período de Incubação
 3 a...
A infecção ocorre pela infecção por esporos do
C. tetani, usando ferimentos ou mucosa como
porta de entrada.
Tecidos desvi...
O C. tetani é normalmente encontrado na
natureza, sob a forma de esporo:
 pele,
 terra,
 galhos,
 arbustos,
 águas pu...
Existem duas formas
 Tétano Acidental (o que está sendo estudado)
 Tétano neonatal
▪ OTétano Neonatal (TNN) é uma doença...
A suscetibilidade é universal, independendo
de sexo ou idade.
O maior fator de risco é a não imunização
Através de uma porta de entrada o esporo penetra no organismo e retorna
a sua forma original de bacilo.
Este se prolifera ...
Disfagia
Hipertonia
 músculo masséter (trismo)
Contratura muscular da região dorsal
 (opistótono)
Rigidez muscular progr...
O diagnóstico do tétano é eminentemente
clínico-epidemiológico
Sedação do paciente
 benzodiazepínicos e miorrelaxantes
Neutralização da toxina tetânica
 Anti tetânica
Erradicação do C...
Definição de casos
 Suspeito
▪ Todo paciente acima de 28 dias de vida que apresenta um ou
mais dos sinais/sintomas caract...
O tétano pode ser evitado:
 Vacinando crianças e animais
 Usando soro antitetânico antes das intervenções
cirúrgicas ou ...
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em
Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de
vigilân...
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em
Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de
vigilân...
04 aula   tétano
04 aula   tétano
04 aula   tétano
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

04 aula tétano

1.432 visualizações

Publicada em

Aula para técnico em enfermagem

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.432
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • desde que obedecidos os princípios da moderna quimioterapia.
  • 04 aula tétano

    1. 1. Prof Gabriel Jefferson EscolaTécnica Raimunda Nonata Técnico de enfermagem
    2. 2. Tétano, do grego τέτανος e τείνειν, significa "contrair e esticar"
    3. 3. Doença infecciosa aguda não contagiosa causada pela ação de exotoxinas (tetanospasmina) produzidas pelo Clostridium tetani. Manifesta-se com febre baixa ou ausente, hipertonia muscular mantida, hiperreflexia e espasmos ou contraturas paroxísticas.
    4. 4. C. tetani é um bacilo gram-positivo esporulado, anaeróbico, semelhante a um alfinete de cabeça. Período de Incubação  3 a 21 dias (média)  Quanto menor o período maior a gravidade e pior o prognóstico.
    5. 5. A infecção ocorre pela infecção por esporos do C. tetani, usando ferimentos ou mucosa como porta de entrada. Tecidos desvitalizados, corpos estranhos, isquemia e infecção favorecem a infecção por diminuir o potencial de oxiredução Lembram que ela é uma bactéria anaeróbia? * Não há transmissão direta de um indivíduo para outro.
    6. 6. O C. tetani é normalmente encontrado na natureza, sob a forma de esporo:  pele,  terra,  galhos,  arbustos,  águas putrefatas,  poeira das ruas,  trato intestinal  fezes dos animais ▪ (especialmente do cavalo e do homem)
    7. 7. Existem duas formas  Tétano Acidental (o que está sendo estudado)  Tétano neonatal ▪ OTétano Neonatal (TNN) é uma doença que pode acometer recém-nascidos de dois a 28 dias de vida, independente do sexo, filhos de mães não imunizadas. Conhecida também como: Mal de 7° dia, ouT. umbilical.
    8. 8. A suscetibilidade é universal, independendo de sexo ou idade. O maior fator de risco é a não imunização
    9. 9. Através de uma porta de entrada o esporo penetra no organismo e retorna a sua forma original de bacilo. Este se prolifera e passa a produzir exotoxinas que invadem o sangue (tetanospasmina) Essas toxinas atacam as células nervosas que regulam os movimentos musculares. O processo de contração tetânica se espalha rapidamente em todos os músculos, provocando espasmos e contrações violentíssimas e involuntárias.
    10. 10. Disfagia Hipertonia  músculo masséter (trismo) Contratura muscular da região dorsal  (opistótono) Rigidez muscular progressiva Contraturas generalizadas.
    11. 11. O diagnóstico do tétano é eminentemente clínico-epidemiológico
    12. 12. Sedação do paciente  benzodiazepínicos e miorrelaxantes Neutralização da toxina tetânica  Anti tetânica Erradicação do C. tetani no foco da infecção  penicilina G cristalina ou metronidazol Debridamento do foco infeccioso Medidas gerais de suporte
    13. 13. Definição de casos  Suspeito ▪ Todo paciente acima de 28 dias de vida que apresenta um ou mais dos sinais/sintomas característicos  Confirmado ▪ Todo caso suspeito cujos sinais/sintomas não se justifiquem por outras etiologias. A lucidez do paciente reforça o diagnóstico  Descartado ▪ Todo caso suspeito, que após investigação epidemiológica, não preencher os critérios de confirmação.
    14. 14. O tétano pode ser evitado:  Vacinando crianças e animais  Usando soro antitetânico antes das intervenções cirúrgicas ou depois de ferimentos que possam facilitar a infecção;  Evitando o contato das feridas profundas com terra ou qualquer sujeira;  Cuidando da assepsia do instrumento cirúrgico e da antissepsia das feridas;  Desinfetar, tão cedo quanto possível, feridas recentes dos equinos;  Eliminando os objetos pontiagudos que possam causar ferimentos acidentais.
    15. 15. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica. 7. ed. Brasília : Ministério da Saúde, 2010.
    16. 16. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de vigilância epidemiológica. 7. ed. Brasília : Ministério da Saúde, 2010.

    ×