SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Tétano
INTRODUÇÃO
O tétano é uma doença infecciosa grave causada pelo bacilo
Clostridium tetani, que pode levar à morte.
CAUSAS
• O tétano não é transmissível.
• A infecção se dá pela entrada de esporos por qualquer tipo de
ferimento na pele, contaminado com areia ou terra que foi objeto de
depósito de fezes animais ou humanas contendo a bactéria.
• Queimaduras e tecidos necrosados também são porta de entrada
para a bactéria.
rigidez de pescoço
e costas
risus sardonicus
(riso causado pelo
espasmo dos
músculos em volta
da boca)
dificuldade de
deglutição
O primeiro sinal é o trismus, ou seja, a contração dos músculos
mandibulares, não permitindo a abertura da boca. Este sintoma é
seguido por :
rigidez muscular do abdômen
opistótono (uma forma de
espasmo tetânico em que se
recurvam para trás a cabeça e
os calcanhares, arqueando-se
para diante o resto do corpo)
SINTOMAS
SINTOMAS
• Outros sinais típicos do tétano incluem:
Febre;
Suor excessivo;
Aumento da pressão arterial;
Taquicardia.
• Os espasmos duram de três a quatro semanas e a recuperação
pode levar meses.
• Cerca de 30% dos casos são fatais.
DIAGNÓSTICO
O diagnóstico do tétano é essencialmente clínico, não havendo
exames laboratoriais que confirmem o diagnóstico.
TRATAMENTO
• Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é
fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada
caso.
• Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação
aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.
• O paciente deve ser internado sempre.
• Os princípios básicos do tratamento incluem:
TRATAMENTO
Sedação
Neutralização da toxina tetânica com a
administração do soro antitetânico (SAT)
Limpeza e debridamento da lesão, se ela for
identificada.
PREVENÇÃO
• A melhor forma de prevenção contra o tétano é a vacinação.
• Além da vacinação de rotina, de acordo com os calendários de
vacinação, é fundamental identificar e vacinar os grupos de
risco, como trabalhadores da construção civil, catadores de lixo e
agricultores, entre outros.
PREVENÇÃO
• A população também deve ser esclarecida quanto à necessidade
da limpeza de todos os ferimentos sujos.
• Fraturas expostas, mordidas de animais e queimaduras devem
ser bem limpas e tratadas adequadamente para evitar a
proliferação da bactéria pelo organismo.
Procure sempre o seu médico.
Fontes:
www.cva.ufrj.br/informacao/vacinas/dT-pr.htm
portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/tetano_acidental_gve.pdf
www.drauziovarella.com.br/Sintomas/336/tetano
Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ)
Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Tétano
TétanoTétano
Tétano
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Aula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de ImunizacaoAula Programa Nacional de Imunizacao
Aula Programa Nacional de Imunizacao
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Parasitologia: Amebíase
Parasitologia: AmebíaseParasitologia: Amebíase
Parasitologia: Amebíase
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Leptospirose
LeptospiroseLeptospirose
Leptospirose
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Tetano profilaxia e Tratamento final alexandre barbosa benedito barraviera ...
Tetano profilaxia e Tratamento final   alexandre barbosa benedito barraviera ...Tetano profilaxia e Tratamento final   alexandre barbosa benedito barraviera ...
Tetano profilaxia e Tratamento final alexandre barbosa benedito barraviera ...
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Aula 6 Teniase E Cisticercose
Aula 6   Teniase E CisticercoseAula 6   Teniase E Cisticercose
Aula 6 Teniase E Cisticercose
 

Destaque (20)

TETANO
TETANOTETANO
TETANO
 
Tetano
TetanoTetano
Tetano
 
Tetanos
TetanosTetanos
Tetanos
 
Historia Natural del tetanos
Historia Natural del tetanosHistoria Natural del tetanos
Historia Natural del tetanos
 
Tetanos - Rudy Paucara
Tetanos - Rudy PaucaraTetanos - Rudy Paucara
Tetanos - Rudy Paucara
 
Tetanos
TetanosTetanos
Tetanos
 
Tetano ok
Tetano okTetano ok
Tetano ok
 
Tetano
TetanoTetano
Tetano
 
Tetano - Caso Clinico
Tetano - Caso Clinico Tetano - Caso Clinico
Tetano - Caso Clinico
 
Trabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica iiTrabalho final de saúde publica ii
Trabalho final de saúde publica ii
 
Presentación tetanos
Presentación tetanosPresentación tetanos
Presentación tetanos
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013Tétano com espasmo e apneia 2013
Tétano com espasmo e apneia 2013
 
Cuidados de enfermerìa en las heridas_ACanoM
Cuidados de enfermerìa en las heridas_ACanoMCuidados de enfermerìa en las heridas_ACanoM
Cuidados de enfermerìa en las heridas_ACanoM
 
Tetanos
TetanosTetanos
Tetanos
 
Cólera
CóleraCólera
Cólera
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
CP-009 - Campanha de vacinação contra o Tétano Acidental
CP-009 - Campanha de vacinação contra o Tétano AcidentalCP-009 - Campanha de vacinação contra o Tétano Acidental
CP-009 - Campanha de vacinação contra o Tétano Acidental
 
Cartaz tetano acidental
Cartaz tetano acidentalCartaz tetano acidental
Cartaz tetano acidental
 

Semelhante a Apresentação tétano

Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010prevencaonline
 
Difteria e Tétano - Imunização
Difteria e Tétano - ImunizaçãoDifteria e Tétano - Imunização
Difteria e Tétano - ImunizaçãoJulio Cesar Matias
 
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalhoDoenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalhojoselene beatriz
 
Principais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdf
Principais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdfPrincipais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdf
Principais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdfCheserDomingues
 
04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf
04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf
04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdfraphaelbiscaia
 
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdfMicrobiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdfTawaneBalsanuff
 
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptxSLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptxLuiz BORGES
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicasfloripa-lucas
 
Bombeiro formação
Bombeiro formaçãoBombeiro formação
Bombeiro formaçãoebividsegura
 
18workshop beefpoint renatopacheco
18workshop beefpoint renatopacheco18workshop beefpoint renatopacheco
18workshop beefpoint renatopachecoAgroTalento
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protistaISJ
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Lúhh Sousa
 
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias   A Febre TifóIde E A AntrazGrandes Epidemias   A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antrazcnaturais9
 

Semelhante a Apresentação tétano (20)

Antrazasdasd
AntrazasdasdAntrazasdasd
Antrazasdasd
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
 
Infectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidentalInfectologia tetano neo e acidental
Infectologia tetano neo e acidental
 
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010Trabalho de doenças ocupacionais 0010
Trabalho de doenças ocupacionais 0010
 
Difteria e Tétano - Imunização
Difteria e Tétano - ImunizaçãoDifteria e Tétano - Imunização
Difteria e Tétano - Imunização
 
Antraz 2etim l
Antraz 2etim lAntraz 2etim l
Antraz 2etim l
 
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalhoDoenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho
 
Sífilis e Gonorréia (DST)
Sífilis e Gonorréia (DST)Sífilis e Gonorréia (DST)
Sífilis e Gonorréia (DST)
 
Principais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdf
Principais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdfPrincipais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdf
Principais bactérias anaeróbias de interesse clínico.pdf
 
Tétano Acidental e Neo.pptx
Tétano Acidental e Neo.pptxTétano Acidental e Neo.pptx
Tétano Acidental e Neo.pptx
 
04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf
04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf
04aula-ttano-141009201941-conversion-gate02 (1).pdf
 
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdfMicrobiologia - Parte 3 (2).pdf
Microbiologia - Parte 3 (2).pdf
 
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptxSLIDES 12 e 14  BACTERIOSES  antibioticos.pptx
SLIDES 12 e 14 BACTERIOSES antibioticos.pptx
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
Bombeiro formação
Bombeiro formaçãoBombeiro formação
Bombeiro formação
 
18workshop beefpoint renatopacheco
18workshop beefpoint renatopacheco18workshop beefpoint renatopacheco
18workshop beefpoint renatopacheco
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
Trabalho de Biologia - Doenças Bacterianas
 
dtp
dtp dtp
dtp
 
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias   A Febre TifóIde E A AntrazGrandes Epidemias   A Febre TifóIde E A Antraz
Grandes Epidemias A Febre TifóIde E A Antraz
 

Mais de Laboratório Sérgio Franco

Mais de Laboratório Sérgio Franco (20)

Mudamos!
Mudamos!Mudamos!
Mudamos!
 
Cancer de próstata
Cancer de próstataCancer de próstata
Cancer de próstata
 
Apresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profundaApresentação trombose venosa profunda
Apresentação trombose venosa profunda
 
Apresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmoseApresentação toxoplasmose
Apresentação toxoplasmose
 
Apresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefróticaApresentação síndrome nefrótica
Apresentação síndrome nefrótica
 
Apresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólicaApresentação síndrome metabólica
Apresentação síndrome metabólica
 
Apresentação rubéola
Apresentação rubéolaApresentação rubéola
Apresentação rubéola
 
Apresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgicaApresentação rinite alérgica
Apresentação rinite alérgica
 
Apresentação retocolite
Apresentação retocoliteApresentação retocolite
Apresentação retocolite
 
Apresentação pneumonia
Apresentação pneumoniaApresentação pneumonia
Apresentação pneumonia
 
Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
 
Apresentação miocardite
Apresentação miocarditeApresentação miocardite
Apresentação miocardite
 
Apresentação micose
Apresentação micoseApresentação micose
Apresentação micose
 
Apresentação miastenia
Apresentação miasteniaApresentação miastenia
Apresentação miastenia
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
 
Apresentação lupus
Apresentação lupusApresentação lupus
Apresentação lupus
 
Apresentação leucemia
Apresentação leucemiaApresentação leucemia
Apresentação leucemia
 
Apresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônicaApresentação insuficiência renal crônica
Apresentação insuficiência renal crônica
 
Apresentação infarto
Apresentação infartoApresentação infarto
Apresentação infarto
 
Apresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringeApresentação hpv na laringe
Apresentação hpv na laringe
 

Apresentação tétano

  • 2. INTRODUÇÃO O tétano é uma doença infecciosa grave causada pelo bacilo Clostridium tetani, que pode levar à morte.
  • 3. CAUSAS • O tétano não é transmissível. • A infecção se dá pela entrada de esporos por qualquer tipo de ferimento na pele, contaminado com areia ou terra que foi objeto de depósito de fezes animais ou humanas contendo a bactéria. • Queimaduras e tecidos necrosados também são porta de entrada para a bactéria.
  • 4. rigidez de pescoço e costas risus sardonicus (riso causado pelo espasmo dos músculos em volta da boca) dificuldade de deglutição O primeiro sinal é o trismus, ou seja, a contração dos músculos mandibulares, não permitindo a abertura da boca. Este sintoma é seguido por : rigidez muscular do abdômen opistótono (uma forma de espasmo tetânico em que se recurvam para trás a cabeça e os calcanhares, arqueando-se para diante o resto do corpo) SINTOMAS
  • 5. SINTOMAS • Outros sinais típicos do tétano incluem: Febre; Suor excessivo; Aumento da pressão arterial; Taquicardia. • Os espasmos duram de três a quatro semanas e a recuperação pode levar meses. • Cerca de 30% dos casos são fatais.
  • 6. DIAGNÓSTICO O diagnóstico do tétano é essencialmente clínico, não havendo exames laboratoriais que confirmem o diagnóstico.
  • 7. TRATAMENTO • Procurar um médico aos primeiros sinais da doença é fundamental para a indicação do melhor tratamento para cada caso. • Somente o especialista poderá orientar o paciente em relação aos procedimentos adequados e ao uso de remédios.
  • 8. • O paciente deve ser internado sempre. • Os princípios básicos do tratamento incluem: TRATAMENTO Sedação Neutralização da toxina tetânica com a administração do soro antitetânico (SAT) Limpeza e debridamento da lesão, se ela for identificada.
  • 9. PREVENÇÃO • A melhor forma de prevenção contra o tétano é a vacinação. • Além da vacinação de rotina, de acordo com os calendários de vacinação, é fundamental identificar e vacinar os grupos de risco, como trabalhadores da construção civil, catadores de lixo e agricultores, entre outros.
  • 10. PREVENÇÃO • A população também deve ser esclarecida quanto à necessidade da limpeza de todos os ferimentos sujos. • Fraturas expostas, mordidas de animais e queimaduras devem ser bem limpas e tratadas adequadamente para evitar a proliferação da bactéria pelo organismo.
  • 11. Procure sempre o seu médico. Fontes: www.cva.ufrj.br/informacao/vacinas/dT-pr.htm portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/tetano_acidental_gve.pdf www.drauziovarella.com.br/Sintomas/336/tetano Editora médica: Dra. Anna Gabriela Fuks (615039-RJ) Jornalista responsável: Roberto Maggessi (31.250 RJ)