História da arte

9.759 visualizações

Publicada em

Artes egípcia, grega, romana, bizantina e gótica.

Publicada em: Educação
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.759
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
412
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da arte

  1. 1. História da Arte Prof. Ana Cristina.
  2. 2. Arte Egípcia• 3.000 a.C.(30 a.C. conquista romana) até século IV d.C. - A antiga civilização egípcia era bastante complexa em sua organização social e muito rica em seu desenvolvimento cultural. Como havia a forte crença em uma vida depois da vida, a arte voltava-se sobremaneira para esse aspecto da religiosidade. E tinha-se na figura do Faraó uma centralização e uma representação de todo o povo. Preservar o corpo do Faraó e dota-lo dos meios próprios para a segunda vida, era garantir a todo o povo as mesmas possibilidades. O faraó era mais do que um simples governante. O faraó englobava o próprio povo, seu destino e sua eternização.
  3. 3. Arte Egípcia• Na representação da figura humana, o rosto era sempre apresentado de perfil, mesmo os olhos sendo mostrados de frente. Isso nos dá um certo ar de irrealidade. O tronco era apresentado de frente mas as pernas sempre estavam de perfil. Esse é um aspecto bem curioso e chama-se lei da frontalidade. É fácil observar essa característica na maior parte dos auto-relevos e representações pictóricas do antigo Egito.
  4. 4. Arte Egípcia
  5. 5. Arte Egípcia• Havia um outro aspecto, conhecido como peso da alma. As pessoas mais importantes eram representadas em tamanho maior. Assim, o Faraó era sempre maior do que sua esposa. Em seguida a esses, pela ordem de tamanho, vinham os sacerdotes, os escribas, os soldados e finalmente o resto do povo. Por isso transmite-se a idéia de que os faraós eram figuras gigantescas, o que nem sempre era verdade.
  6. 6. Arte Egípcia
  7. 7. Arte Egípcia• Um outro padrão também nos aparece como curioso. As figuras masculinas usavam o tom vermelho e as figuras femininas o tom ocre.
  8. 8. Arte Egípcia• Entretanto, o que mais se destaca na arte egípcia é de fato a arquitetura, através da construção de templos de tamanhos monumentais. A primeira imagem que nos vem em mente é a imagem de uma pirâmide. As pirâmides eram túmulos para os faraós e tinham uma área de ocupação muito pequena, em relação ao tamanho do monumento.
  9. 9. Arte EgípciaProjetação Transversal da Pirâmide de Queops
  10. 10. Arte Egípcia• É difícil imaginar como eram construídas as pirâmides. Devemos sempre ter em mente que foram levantadas dezenas de séculos antes de Cristo. Esse corte representativo é da pirâmide de Queops, uma das maiores. Essas construções foram erguidas unicamente com a função de túmulo e de preservação do faraó. A arquitetura egípcia era monumental em todos os aspectos.
  11. 11. Arte Egípcia
  12. 12. Arte Egípcia• Em algumas dessas pirâmides foram encontrados tesouros, também de proporções monumentais. No túmulo de Tutancâmon, por exemplo, foi encontrado um grande tesouro. Tutancâmon foi um faraó que morreu aos 18 anos de idade.
  13. 13. Arte Egípcia• No Vale dos Reis, onde está o seu túmulo, o sarcófago que continha a múmia do jovem faraó era feito de ouro maciço com aplicações em azul, coral e turquesa. O seu trono, datado do século XIV a.C. era feito de madeira esculpida, recoberto inteiramente em ouro e ornamentado com incrustações multicoloridas em vidro, cerâmica esmaltada, prata e pedras preciosas. Esse trono está hoje no Museu Egípcio do Cairo e constitui-se em uma das peças mais esplêndida do tesouro de Tutancâmon, assim como a sua máscara, uma peça de rara beleza.
  14. 14. Arte Egípcia• Há uma outra coisa muito curiosa a respeito dos monumentos do antigo Egito. Sabe-se que a Esfinge de Gizé não tem o seu nariz completo. Como será que ela perdeu o seu nariz? Esse nariz, datado de 2500 anos antes de Cristo, foi destruído por uma bala de canhão.
  15. 15. Arte Egípcia• Haviam tropas Turco-Egípcias que controlavam o país desde o século XIV. Quando Napoleão invadiu o Egito em 1798 essas tropas prepararam-se para a defesa da região e enquanto as batalhas não tinham início, treinavam e calibravam os seus canhões atirando na Esfinge e nas Pirâmides. É de se ficar sem compreender como desconsideravam o valor daqueles monumentos. A Esfinge tem 70m de comprimento e 22m de altura.
  16. 16. Pintura Egípcia• Grande parte das pinturas eram feitas nas paredes das pirâmides. Estas obras retratavam a vida dos faraós, as ações dos deuses, a vida após a morte entre outros temas da vida religiosa. Estes desenhos eram feitos de maneira que as figuras eram mostradas de perfil. Os egípcios não trabalhavam com a técnica da perspectiva (imagens tridimensionais). Os desenhos eram acompanhados de textos, feitos em escrita hieroglífica (as palavras e expressões eram representadas por desenhos). As tintas eram obtidas na natureza (pó de minérios, substâncias orgânicas, etc).
  17. 17. Escultura Egípcia• Nas tumbas de diversos faraós foram encontradas diversas esculturas do ouro. Os artistas egípcios conheciam muito bem as técnicas de trabalho artístico em ouro. Faziam estatuetas representando deuses e deusas da religião politeísta egípcia. O ouro também era utilizado para fazer máscaras mortuárias que serviam de proteção para o rosto da múmia.
  18. 18. Arquitetura Egípcia• Os egípcios desenvolveram vários conhecimentos matemáticos. Com isso, conseguiram erguer obras que sobrevivem até os dias de hoje. Templos, palácios e pirâmides foram construídos em homenagem aos deuses e aos faraós. Eram grandiosos e imponentes, pois deviam mostrar todo poder do faraó. Eram construídos com blocos de pedra, utilizando- se mão-de-obra escrava para o trabalho
  19. 19. Arte Grega• Surgiu após a Idade das Trevas, abrangendo o intervalo de aproximadamente 900 a.C. até 146 a.C., data em que a Grécia caiu sob o domínio romano. Entretanto, esses limites cronológicos não são um consenso entre os historiadores.
  20. 20. Arte Grega• Os gregos antigos se destacaram muito no mundo das artes. As esculturas, pinturas e obras de arquitetura impressionam, até os dias de hoje, pela beleza e perfeição.
  21. 21. Arte Grega• Os artistas gregos buscavam representar, através das artes, cenas do cotidiano grego, acontecimentos históricos e, principalmente, temas religiosos e mitológicos. As grandes obras de arquitetura como os templos, por exemplo, eram erguidos em homenagem aos deuses gregos.
  22. 22. Arte Grega• A Arte Grega têm em seus deuses figuras inteligentes e justas, dedicadas ao bem-estar da população. O diálogo com a vida presente é recorrente nas manifestações dos artistas, que se utilizam da natureza na busca pela manifestação artística que visa a perfeição e a harmonia perfeita. Entre alguns pontos-chave que caracterizam a manifestação artística grega estão: o interesse pelo homem; a beleza; o racionalismo; e a
  23. 23. Arquitetura Grega• Um dos templos gregos mais conhecidos é a Acrópole de Atenas, que foi construído no ponto mais alto da cidade, entre os anos de 447 a 438 a.C. Além das funções religiosas, o templo era utilizado também como ponto de observação militar. As colunas deste templo seguiram o estilo arquitetônico dórico.
  24. 24. Arquitetura Grega• A arquitetura grega antiga pode ser dividida em três estilos: 1 – Coríntio - pouco utilizado pelos arquitetos gregos, caracterizava-se pelo excesso de detalhes. Os capitéis das colunas eram, geralmente, decorados com folhas.
  25. 25. Arquitetura Grega
  26. 26. Arquitetura Grega
  27. 27. Arquitetura Grega• A arquitetura grega antiga pode ser dividida em três estilos: 2 – Dórico - estilo com poucos detalhes, transmitindo uma sensação de firmeza.
  28. 28. Arquitetura Grega
  29. 29. Arquitetura Grega
  30. 30. Arquitetura Grega• A arquitetura grega antiga pode ser dividida em três estilos: 3 – Jônico - este estilo transmitia leveza, em função dos desenhos apresentados, principalmente nas colunas das construções. Outra característica deste estilo era o uso de base circular.
  31. 31. Arquitetura Grega
  32. 32. Arquitetura Grega
  33. 33. Arquitetura Grega
  34. 34. Arquitetura Grega• Exemplos de construções da Grécia Antiga: - Estátua de Zeus em Olímpia - Parneton de Atenas - Colosso de Rodes - Tempo de Ártemis em Éfeso - Farol de Alexandria
  35. 35. Pintura Grega• A pintura grega também foi muito importante nas artes da Grécia Antiga. Os pintores gregos representavam cenas cotidianas, batalhas, religião, mitologias e outros aspectos da cultura grega. Os vasos, geralmente de cor preta, eram muito utilizados neste tipo de representação artística (dança). Estes artistas também pintavam em paredes, principalmente de templos e palácios.
  36. 36. Escultura Grega• As esculturas gregas transmitem uma forte noção de realismo, pois os escultores gregos buscavam aproximar suas obras ao máximo do real, utilizando recursos e detalhes. Nervos, músculos, veias, expressões e sentimentos são observados nas esculturas. A temática mais usada foi a religiosa, principalmente, representações de deuses e deusas. Cenas do cotidiano, mitos e atividades esportivas (principalmente relacionadas às Olimpíadas) também foram
  37. 37. Teatro Grego• foi nesta época que temos a criação da comédia e da tragédia, que aparece como textos em que os costumes, instituições e dilemas da existência eram discutidos através da elaboração de narrativas e personagens muito elaborados. Édipo Rei de Sófocles é uma das mais famosas.• A infraestrutura de anfiteatros atuais veio da Grécia.
  38. 38. Grega - Influência na arte romana• Quando dominaram a Grécia, os romanos ficaram tão admirados com a arte grega que buscaram "imitar" o estílo artístico grego. Basta observarmos os detalhes das esculturas e obras arquitetônicas romanas para percebermos as semelhanças.
  39. 39. Arte Romana• Com forte influência dos etruscos, a arte romana antiga seguiu os modelos e elementos artísticos e culturais da Grécia Antiga e chegou a "copiar" estátuas clássicas. Imperadores, deuses e figuras mitológicas foram retratados nas esculturas romanas.
  40. 40. Arquitetura Romana• Durante a época do auge do Império Romano, houve a construção de diversos monumentos públicos em homenagem aos imperadores romanos. Na arquitetura, destacam-se a construção de portais, aquedutos, prédios, monumentos e templos.
  41. 41. Pintura Romana• A pintura mural (afrescos) recorreu ao efeito da trimensionalidade. Os afrescos da cidade de Pompéia (soterrada pelo vulcão Vesúvio em I a.C.) são representativos deste período. Cenas do cotidiano, figuras mitológicas e religiosas e conquistas militares foram temas das pinturas romanas.
  42. 42. Pintura Romana• Os gêneros artísticos mais comuns na pintura romana eram: paisagens, retratos, arquiteturas, pinturas populares e pinturas triunfais.
  43. 43. Pintura Romana• Os pintores romanos usavam como materiais de trabalho tintas produzidas a partir de materiais da natureza como, por exemplo, metais em pó, vidros pulverizados, substâncias extraídas de moluscos, pó de madeira e seivas de árvores.
  44. 44. Pintura Romana• Os pintores romanos usavam como materiais de trabalho tintas produzidas a partir de materiais da natureza como, por exemplo, metais em pó, vidros pulverizados, substâncias extraídas de moluscos, pó de madeira e seivas de árvores.
  45. 45. Arte Bizantina• Próprias do Império Bizantino (entre os séculos V e XV). A cidade de Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, foi o mais importante centro artístico deste período.• O apogeu da cultura bizantina ocorreu durante o reinado de Justiniano (526-565 d.C.), considerada como a Idade de Ouro do império.
  46. 46. Arte Bizantina• A aceitação do cristianismo a partir do reinado de Constantino e sua oficilização por Teodósio procuraram fazer com que a religião tivesse um importante papel como difusor didático da fé ao mesmo tempo que serviria para demonstrar a grandeza do Imperador que mantinha seu caráter sagrado e governava em nome de Deus.
  47. 47. Arte Bizantina• A tentativa de preservar o caráter universal do Império fez com que o cristianismo no oriente destacasse aspectos de outras religiões, isso explica o desenvolvimento de rituais, cânticos e basílicas.
  48. 48. Arte Bizantina• Principais características da arte bizantina:• - Recebeu influências da cultura greco-romana e oriental (principalmente da Síria e Ásia Menor), realizando uma mistura destes diferentes aspectos culturais;• - Estilo artístico teve presença marcante do uso de cores;• - Presença marcante de temas religiosos (forte influência do cristianismo).
  49. 49. Arquitetura Bizantina• O grande destaque da arquitetura foi a construção de Igrejas, facilmente compreendido dado o caráter teocrático do Império Bizantino. A necessidade de construir Igrejas espaçosas e monumentais, determinou a utilização de cúpulas sustentadas por colunas, onde haviam os capitéis, trabalhados e decorados com revestimento de ouro, destacando-se a influência grega.
  50. 50. Arquitetura Bizantina• A Igreja de Santa Sofia é o mais grandioso exemplo dessa arquitetura, onde trabalharam mais de dez mil homens durante quase seis anos. Por fora o templo era muito simples, porém internamente apresentava grande suntuosidade, utilizando-se de mosaicos com formas geométricas, de cenas do Evangelho.
  51. 51. Arquitetura Bizantina
  52. 52. Arquitetura Bizantina
  53. 53. Arquitetura Bizantina
  54. 54. Arquitetura Bizantina• Na cidade italiana de Ravena, conquistada pelos bizantinos, desenvolveu-se um estilo sincrético, fundindo elementos latinos e orientais, onde se destacam as Igrejas de Santo Apolinário e São Vital, destacando-se esta última onde existe uma cúpula central sustentadas por colunas e os mosaicos como elementos decorativos.
  55. 55. Pintura e Escultura Bizantina• A pintura bizantina não teve grande desenvolvimento, pois assim como a escultura sofreram forte obstáculo devido ao movimento iconoclasta . Encontramos três elementos distintos: os ícones, pinturas em painéis portáteis, com a imagem da Virgem Maria, de cristo ou de santos; as miniaturas, pinturas usadas nas ilustrações dos livros, portanto vinculadas com a temática da obra; e os afrescos, técnica de pintura mural onde a tinta era aplicada no revestimento das paredes, ainda úmidos, garantindo sua fixação.
  56. 56. Pintura e Escultura Bizantina• Destaca-se na escultura o trabalho com o marfim, principalmente os dípticos, obra em baixo relevo, formada por dois pequenos painéis que se fecham, ou trípticos, obras semelhantes às anteriores, porém com uma parte central e duas partes laterais que se fecham.
  57. 57. Mosaicos Bizantinos• O Mosaico foi uma forma de expressão artística importante no Império Bizantino, principalmente durante seu apogeu, no reinado de justiniano, consistindo na formação de uma figura com pequenos pedaços de pedras colocadas sobre o cimento fresco de uma parede. A arte do mosaico serviu para retratar o Imperador ou a imperatriz, destacando-se ainda a figura dos profetas.
  58. 58. Mosaicos Bizantinos Justiniano
  59. 59. Mosaicos Bizantinos
  60. 60. Arte Gótica• Em meados do século XII, o comércio começou a se alicerçar. Isso fez com que o âmbito social se deslocasse do campo para as cidades, surgindo assim a burguesia urbana. No século XVI, surgiu um novo estilo arquitetônico denominado de gótico pelos estudiosos, pois consideravam sua aparência tão bárbara que poderia ter sido criado pelos godos.
  61. 61. Arte Gótica• A origem da expressão gótica não tem relação direta com os godos, uma antiga nação germânica que invadiu o Império Romano no século V. Posteriormente, a denominação gótica perdeu seu caráter depreciativo e ficou definitivamente ligado à arquitetura dos arcos ogivais. Por volta de 1140, surgiu a primeira construção gótica Abadia Saint-Denis, na França. A principal diferença observada entre uma igreja gótica e uma românica é a fachada.
  62. 62. Arte Gótica Abadia de Saint-Denis
  63. 63. Arte Gótica Abadia de Saint-Denis
  64. 64. Arquitetura Gótica• Verticalismo dos edifícios substitui o horizontalismo do Românico;• Paredes mais leves e finas;• Contrafortes em menor número;• Janelas predominantes;• Torres ornadas por rosáceas;• Utilização do arco de volta quebrada;• Consolidação dos arcos feita por abóbadas de arcos cruzados ou de ogivas;• Nas torres (principalmente nas torres sineiras) os telhados são em forma de pirâmide.
  65. 65. Arte Gótica
  66. 66. Escultura Gótica• De qualquer modo a escultura estará ainda estritamente ligada à catedral mas, em oposição ao "amontoado" do românico, demonstra agora consciência do seu próprio espaço e ocupa-o de modo ordenado e claro.
  67. 67. Arte Gótica
  68. 68. Arte Gótica
  69. 69. Arte Gótica

×