SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
A arte na Grécia Antiga:
escultura e arquitetura
A arte grega atingiu o seu apogeu nos séculos V e IV a.C. (período
clássico), época em que as obras atingiram tal perfeição que se tornaram um
modelo para muitos artistas de outras épocas.
Características:
Harmonia (dos elementos decorativos)- concilia os ideais estéticos e
éticos;
Equilíbrio (das proporções) – abandona o monumentalismo egípcio;
Sentido humanista (valorização do Homem)- o Homem é a medida
de todas as coisas;
Ligada à vida religiosa, a arte foi colocada ao serviço da vida pública
enquanto expressão da comunidade e do cidadão;
Arquitetura
Tipo de templos segundo a distribuição das colunas
Completamente
rodeado de
colunas
Quando uma ou
mais filas de
colunas está
embebida nas
paredes do Naos
Só tem colunas na
fachada
Tem colunas na
fachada principal e
posterior
A religião e o culto representam um fator de união em todo o mundo
grego, o que se expressa na arquitetura, particularmente na
construção dos templos – o monumento por excelência.
Tipo de templos segundo o número de filas de colunas
Tipo de templos segundo o número de colunas na fachada
Templo: modelo de perfeição e ordem
 abriga a estátua da divindade;
 materializa a relação entre o homem e os deuses;
 simboliza a pólis, a união do povo heleno;
 testemunha a ideia de ordem, perfeição e equilíbrio;
 mantém a mesma estrutura em toda a Hélade;
 agrega os princípios construtivos, técnicos e estéticos que
serviram de modelos aos restantes edifícios da época;
 planta simples, normalmente retangular;
A Acrópole de Atenas
Sistema trilítico
Duas pedras verticais (colunas) e uma horizontal (entablamento) que
tem como função nivelar e unir as colunas, aio mesmo tempo que
descarrega sobre elas o seu peso e o do telhado. As colunas orientam
esse peso para o envasamento no qual estão assentes.
Elementos estruturais do templo
- Envasamento
- Coluna
- Entablamento
- Frontão
Estes elementos estão estruturados a partir
de um conjunto de regras fixas – cânone –
que define as medidas de cada um dos seus
elementos, a proporção e as relações entre
as partes.
A vontade de construir obras perfeitas
levou à criação de ordens arquitetónicas:
A ordem Jónica
. coluna com fuste
canelado, mais delgado
assente numa base;
. capitel de volutas;
. friso com decoração
contínua;
Templo de Atena
Niké (420 a.C.)
Templo
anfiprostilo
(colunas na
fachada frontal e
posterior) e
tetrástilo (4
colunas frontais)
Erecteion
A ordem Coríntia
. variante da ordem
jónica;
. capitel decorado com
folhas de acanto;
Templo de Zeus, em Atenas
(Grécia)
. simples e maciça;
. fuste de arestas vivas;
. capitel sóbrio e sem enfeites;
. coluna apoiada diretamente
sobre a plataforma do templo;
. friso onde alternam tríglifos e
métopas;
. frontão com esculturas;
A ordem dórica
Esta ordem era a mais utilizada, pois as métopas no friso, permitiam aplicar
a técnica do relevo (normalmente usadas para contar uma história).
Planta e alçado do
templo dórico
A fachada do Templo da Concórdia coberta por
um painel que simula o seu aspeto original
(Agrigento, Sicília)
O TEMPLO DÓRICO
*
* Peristilo
Templo Períptero
hexástilo, isto é,
com colunas a toda
a volta e 6 colunas
frontais
Frontão
Tríglifo
Métopa Friso
Fuste
Capitel
Arquitrave
Cornija
TEMPLO DA CONCÓRDIA (550-530 a. C.)
Com seis colunas frontais e treze nos lados maiores, o templo, tal
como o Pártenon, apresenta correção ótica das linhas retas
(entasis).
Parténon (447 - 438 a.C.)
Nos tímpanos dos frontões conjuga-se o trabalho do arquiteto e
do escultor – as figuras mais importantes ocupam o centro e
estão representadas de pé adaptando-se as restantes à
distribuição do espaço.
Os temas são, inicialmente, mitológicos, mas a partir do séc. VI
a.C. quase todos os frontões abordam as batalhas, procissões,
cenas de caça, corridas…
Reconstituição das cores originais do Templo do Pártenon
(http://www.class.uh.edu/classes/arth1380/artconceptpages/ParthenonMetopes/index.htm)
A brancura do templo contrastava com as cores vivas tais como o
vermelho, o azul e o dourado, dos capitéis, tríglifos, métopas e
tímpanos dos frontões.
A decoração esculpida
(relevos escultóricos)
encontrava-se nos frisos,
nas métopas e nos
tímpanos dos frontões.
Lápitas contra os
Centauros(méto-
pas do lado
meridional do
friso exterior do
Templo do
Pártenon, c. 440
a.C.)
(http://commons.wikimedia.org/wiki/
Category:Metopes_of_the_Parthen
on_(south))
Dioniso (tímpano do frontão oriental do Templo do Pártenon, c.
438-432 a.C.)
(http://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Pediments_of_the_Parthenon)
Escultura
A escultura grega é conhecida através das cópias romanas em
mármore, que não têm a policromia que os gregos aplicavam aos
seus trabalhos.
Características gerais:
a) Destinada a honrar e glorificar deuses, heróis e atletas;
b)Tinha uma dimensão humana e procurava atingir a harmonia e
perfeição;
c) Era idealista, uma vez que pretendia retratar um ideal de beleza
(o homem atleta, guerreiro - retocando, se necessário, as
imperfeições);
d) Dominada pelos temas mitológicos e pela figura humana;
e) Evidencia conhecimento da anatomia humana (representada
de forma harmoniosa, ainda que idealizada);
- O de
Policleto
que define
como
proporção
ideal que a
cabeça
corresponda
a 1/7 do
corpo
(estátuas
elegantes,
mas
robustas);
Doríforo (lanceiro), de Policleto
(cópia romana em mármore, o original grego data de 440 a.C.)
f) Obedecia a dois cânones (regras/normas):
- O de Lisipo cuja proporção ideal é que a cabeça corresponda a
1/8 do corpo (estátuas mais esguias);
Ex. Apoxiómeno
Apoxiómeno de Lisipo,
cópia romana em mármore.
- As figuras apresentavam um aspeto pouco
natural, com formas rígidas denotando a
influência da escultura egípcia.
Kouros (pl. Kouroi) 600 a. C.
- Rigidez e ausência de movimento;
- Convencionalismo nas formas e posições;
Período arcaico (sécs. VII-VI a.C.)
Características:
- Podem representar um Deus na plenitude
da sua juventude, soldados, ou atletas/heróis;
- Podem representar uma Deusa;
- Eram pintadas com cores vivas;
- O corpo era coberto por vestidos longos;
Kore (reconstituição pintada),
Glyptothek, Munique
Kore (pl.Korai), Museu da Acrópole, Atenas
Materiais utilizados:
Madeira (?) Mármore; Bronze;
- Período de transição para a época
clássica;
- Introdução da noção de movimento;
- Desaparecimento da frontalidade;
- Introdução dos cânones na escultura;
Auriga de Delfos (475 a.C.)
Museo Arqueológico de Delfos, Grécia
Período severo (sécs. VI-V a.C)
Características:
Detalhes:
Fragmentos de bronze dispostos sobre a
reconstrução hipotética da escultura original
Posidon (ou Zeus ?) (460 a.C)
estátua majestosa com o braço
direito estendido para lançar o
tridente (?) e o esquerdo ao
nível do ombro.
Museu Nacional de Arqueologia de Atenas
- Cânones de Policleto e Lisipo;
- Harmonia, perfeição, rigor do
pormenor, beleza, serenidade e ideia
de movimento;
- Introdução do nu feminino;
- Realismo e idealismo;
“Afrodite de Melos”, ou “Vénus de Milo” na designação
romana. (autor desconhecido, embora haja quem a atribua
a Alexandros de Antióquia) – Museu do Louvre
Características:
Período clássico (sécs. V-IV a.C)
Ideia de movimento;
Discóbolo, Míron, cópia romana em mármore - Museu
Nacional Romano, Roma
Músculos definidos;
Rosto inexpressivo
(parece alheio ao
esforço/ tensão que o
corpo revela);
Torso em arco;
Período helenístico (sécs. III-I a.C.)
Características:
- Grupos escultóricos;
- Realismo expressivo e dramático, de efeito teatral;
- Preocupação em mostrar a realidade física, mas também as
sentimentos (paz, amor, liberdade, vitória, etc).
- Expressão do Pathos que implica:
Paixão Excesso Sofrimento Emoção
Durante a guerra, o soldado
grego prepara-se para o suicídio
depois de matar a mulher, para
não ter de entregá-la ao inimigo.
“O Soldado Gálata e sua Mulher”
(cópia romana, o original grego perdeu-se e
datava do século III a.C.) – Museu Nacional
Romano, Roma
Esta escultura evidencia alguns
contrastes: vida e morte,
homem e mulher, o nu e as
vestes, força e debilidade.
O soldado olha para trás,
observando o inimigo, já com a
espada sobre o pescoço.
Segura, ao mesmo tempo, um
dos braços do corpo da mulher
que, sem vida, escorrega para o
chão.
Laooconte e os filhos são
devorados pelas serpentes (tema
mitológico);
Conjunto Laooconte e seus filhos - Cópia romana possivelmente de Hagesandro, Atenodoro e Polidoro de Rodes – Séc. I d.C.
Museus do Vaticano, Roma
Realismo expressivo;
Dramatismo (reforçado pela
composição
desequilibrada);
Fealdade (abandono da
serenidade e do “realismo
idealista”;
Ideia de movimento e tensão;
Grupo escultórico;
Três figuras
humanas
atacadas por
duas serpentes,
que se enrolam
nos seus corpos.
Rosto de
pessoa com
uma idade
avançada que
contrasta com o
corpo
musculado,
característico
dos mais
jovens;
A tensão muscular no corpo de Laoconte evidencia o estado
de dor e sofrimento.
A escultura grega assume um conjunto alargado de
inovações estéticas e formais impulsionadas pela cultura
grega, nomeadamente pela religião antropomórfica e
humanista, pelos valores filosóficos e estéticos e pelo
desenvolvimento da vida pública e cívica.
Do conjunto de inovações destacam-se: o naturalismo das
formas (embora a figura humana surja muitas vezes
idealizada); as regras de representação dos corpos (rigor
anatómico e os cânones), a quebra da lei da frontalidade e o
nu.
As imagens utilizadas neste trabalho foram obtidas através de pesquisa na Internet
(Google).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salaminaAna Barreiros
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraTLopes
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1cattonia
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura gregaFlávia Marques
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidadehome
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regularCarla Freitas
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura gregaforte10pm1
 
Teste de avaliação
Teste de avaliaçãoTeste de avaliação
Teste de avaliaçãoJoão Couto
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfjosepinho
 
Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega Carlos Vieira
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regularCarla Freitas
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1cattonia
 
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da ÁgoraGuião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da ÁgoraHca Faro
 

Mais procurados (20)

A batalha de salamina
A batalha de salaminaA batalha de salamina
A batalha de salamina
 
Módulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágoraMódulo 1 – a cultura da ágora
Módulo 1 – a cultura da ágora
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
As fases da escultura grega
As fases da escultura gregaAs fases da escultura grega
As fases da escultura grega
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
Módulo 1 arquitetura grega regular
Módulo 1   arquitetura grega regularMódulo 1   arquitetura grega regular
Módulo 1 arquitetura grega regular
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Teste de avaliação
Teste de avaliaçãoTeste de avaliação
Teste de avaliação
 
MÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdfMÓDULO 1 - HCA.pdf
MÓDULO 1 - HCA.pdf
 
Arquitetura grega
Arquitetura gregaArquitetura grega
Arquitetura grega
 
Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega Cultura da Ágora - Pintura grega
Cultura da Ágora - Pintura grega
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
A pólis de atenas
A pólis de atenasA pólis de atenas
A pólis de atenas
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
Modelo romano parte 1
Modelo romano   parte 1Modelo romano   parte 1
Modelo romano parte 1
 
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da ÁgoraGuião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
Guião de Trabalho 1 - A Cultura da Ágora
 

Semelhante a A arte grega: escultura, arquitetura e seus principais estilos

Semelhante a A arte grega: escultura, arquitetura e seus principais estilos (20)

Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
GréCia Arte Resumos
GréCia Arte ResumosGréCia Arte Resumos
GréCia Arte Resumos
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
2c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 20122c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
2c15 Arte Grega e Museu da Acrópole 2012
 
Gréciapdf
GréciapdfGréciapdf
Gréciapdf
 
6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia6o. Ano - A arte na grécia
6o. Ano - A arte na grécia
 
Trabalho Arte grega
Trabalho Arte gregaTrabalho Arte grega
Trabalho Arte grega
 
A6 H Arte I
A6 H Arte IA6 H Arte I
A6 H Arte I
 
A6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte gregaA6_HARTEIII_arte grega
A6_HARTEIII_arte grega
 
ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4ARTE GREGA - AULA 4
ARTE GREGA - AULA 4
 
Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2Modelo grego parte 2
Modelo grego parte 2
 
Artegrega
ArtegregaArtegrega
Artegrega
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do OrienteSusana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasSusana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaSusana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaSusana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaSusana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaSusana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraSusana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialSusana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesSusana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosSusana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoSusana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasSusana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIISusana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeSusana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 

A arte grega: escultura, arquitetura e seus principais estilos

  • 1. A arte na Grécia Antiga: escultura e arquitetura
  • 2. A arte grega atingiu o seu apogeu nos séculos V e IV a.C. (período clássico), época em que as obras atingiram tal perfeição que se tornaram um modelo para muitos artistas de outras épocas. Características: Harmonia (dos elementos decorativos)- concilia os ideais estéticos e éticos; Equilíbrio (das proporções) – abandona o monumentalismo egípcio; Sentido humanista (valorização do Homem)- o Homem é a medida de todas as coisas; Ligada à vida religiosa, a arte foi colocada ao serviço da vida pública enquanto expressão da comunidade e do cidadão;
  • 4. Tipo de templos segundo a distribuição das colunas Completamente rodeado de colunas Quando uma ou mais filas de colunas está embebida nas paredes do Naos Só tem colunas na fachada Tem colunas na fachada principal e posterior A religião e o culto representam um fator de união em todo o mundo grego, o que se expressa na arquitetura, particularmente na construção dos templos – o monumento por excelência.
  • 5. Tipo de templos segundo o número de filas de colunas Tipo de templos segundo o número de colunas na fachada
  • 6. Templo: modelo de perfeição e ordem  abriga a estátua da divindade;  materializa a relação entre o homem e os deuses;  simboliza a pólis, a união do povo heleno;  testemunha a ideia de ordem, perfeição e equilíbrio;  mantém a mesma estrutura em toda a Hélade;  agrega os princípios construtivos, técnicos e estéticos que serviram de modelos aos restantes edifícios da época;  planta simples, normalmente retangular;
  • 7. A Acrópole de Atenas
  • 8.
  • 9. Sistema trilítico Duas pedras verticais (colunas) e uma horizontal (entablamento) que tem como função nivelar e unir as colunas, aio mesmo tempo que descarrega sobre elas o seu peso e o do telhado. As colunas orientam esse peso para o envasamento no qual estão assentes.
  • 10. Elementos estruturais do templo - Envasamento - Coluna - Entablamento - Frontão Estes elementos estão estruturados a partir de um conjunto de regras fixas – cânone – que define as medidas de cada um dos seus elementos, a proporção e as relações entre as partes. A vontade de construir obras perfeitas levou à criação de ordens arquitetónicas:
  • 11. A ordem Jónica . coluna com fuste canelado, mais delgado assente numa base; . capitel de volutas; . friso com decoração contínua;
  • 12. Templo de Atena Niké (420 a.C.) Templo anfiprostilo (colunas na fachada frontal e posterior) e tetrástilo (4 colunas frontais)
  • 14. A ordem Coríntia . variante da ordem jónica; . capitel decorado com folhas de acanto; Templo de Zeus, em Atenas (Grécia)
  • 15.
  • 16. . simples e maciça; . fuste de arestas vivas; . capitel sóbrio e sem enfeites; . coluna apoiada diretamente sobre a plataforma do templo; . friso onde alternam tríglifos e métopas; . frontão com esculturas; A ordem dórica
  • 17. Esta ordem era a mais utilizada, pois as métopas no friso, permitiam aplicar a técnica do relevo (normalmente usadas para contar uma história).
  • 18. Planta e alçado do templo dórico A fachada do Templo da Concórdia coberta por um painel que simula o seu aspeto original (Agrigento, Sicília) O TEMPLO DÓRICO * * Peristilo
  • 19. Templo Períptero hexástilo, isto é, com colunas a toda a volta e 6 colunas frontais Frontão Tríglifo Métopa Friso Fuste Capitel Arquitrave Cornija TEMPLO DA CONCÓRDIA (550-530 a. C.) Com seis colunas frontais e treze nos lados maiores, o templo, tal como o Pártenon, apresenta correção ótica das linhas retas (entasis).
  • 20. Parténon (447 - 438 a.C.)
  • 21. Nos tímpanos dos frontões conjuga-se o trabalho do arquiteto e do escultor – as figuras mais importantes ocupam o centro e estão representadas de pé adaptando-se as restantes à distribuição do espaço. Os temas são, inicialmente, mitológicos, mas a partir do séc. VI a.C. quase todos os frontões abordam as batalhas, procissões, cenas de caça, corridas…
  • 22. Reconstituição das cores originais do Templo do Pártenon (http://www.class.uh.edu/classes/arth1380/artconceptpages/ParthenonMetopes/index.htm) A brancura do templo contrastava com as cores vivas tais como o vermelho, o azul e o dourado, dos capitéis, tríglifos, métopas e tímpanos dos frontões.
  • 23. A decoração esculpida (relevos escultóricos) encontrava-se nos frisos, nas métopas e nos tímpanos dos frontões.
  • 24. Lápitas contra os Centauros(méto- pas do lado meridional do friso exterior do Templo do Pártenon, c. 440 a.C.) (http://commons.wikimedia.org/wiki/ Category:Metopes_of_the_Parthen on_(south))
  • 25.
  • 26. Dioniso (tímpano do frontão oriental do Templo do Pártenon, c. 438-432 a.C.) (http://commons.wikimedia.org/wiki/Category:Pediments_of_the_Parthenon)
  • 28. A escultura grega é conhecida através das cópias romanas em mármore, que não têm a policromia que os gregos aplicavam aos seus trabalhos.
  • 29. Características gerais: a) Destinada a honrar e glorificar deuses, heróis e atletas; b)Tinha uma dimensão humana e procurava atingir a harmonia e perfeição; c) Era idealista, uma vez que pretendia retratar um ideal de beleza (o homem atleta, guerreiro - retocando, se necessário, as imperfeições); d) Dominada pelos temas mitológicos e pela figura humana; e) Evidencia conhecimento da anatomia humana (representada de forma harmoniosa, ainda que idealizada);
  • 30. - O de Policleto que define como proporção ideal que a cabeça corresponda a 1/7 do corpo (estátuas elegantes, mas robustas); Doríforo (lanceiro), de Policleto (cópia romana em mármore, o original grego data de 440 a.C.) f) Obedecia a dois cânones (regras/normas):
  • 31. - O de Lisipo cuja proporção ideal é que a cabeça corresponda a 1/8 do corpo (estátuas mais esguias); Ex. Apoxiómeno Apoxiómeno de Lisipo, cópia romana em mármore.
  • 32. - As figuras apresentavam um aspeto pouco natural, com formas rígidas denotando a influência da escultura egípcia. Kouros (pl. Kouroi) 600 a. C. - Rigidez e ausência de movimento; - Convencionalismo nas formas e posições; Período arcaico (sécs. VII-VI a.C.) Características: - Podem representar um Deus na plenitude da sua juventude, soldados, ou atletas/heróis;
  • 33. - Podem representar uma Deusa; - Eram pintadas com cores vivas; - O corpo era coberto por vestidos longos; Kore (reconstituição pintada), Glyptothek, Munique Kore (pl.Korai), Museu da Acrópole, Atenas
  • 35. - Período de transição para a época clássica; - Introdução da noção de movimento; - Desaparecimento da frontalidade; - Introdução dos cânones na escultura; Auriga de Delfos (475 a.C.) Museo Arqueológico de Delfos, Grécia Período severo (sécs. VI-V a.C) Características:
  • 36. Detalhes: Fragmentos de bronze dispostos sobre a reconstrução hipotética da escultura original
  • 37. Posidon (ou Zeus ?) (460 a.C) estátua majestosa com o braço direito estendido para lançar o tridente (?) e o esquerdo ao nível do ombro. Museu Nacional de Arqueologia de Atenas
  • 38. - Cânones de Policleto e Lisipo; - Harmonia, perfeição, rigor do pormenor, beleza, serenidade e ideia de movimento; - Introdução do nu feminino; - Realismo e idealismo; “Afrodite de Melos”, ou “Vénus de Milo” na designação romana. (autor desconhecido, embora haja quem a atribua a Alexandros de Antióquia) – Museu do Louvre Características: Período clássico (sécs. V-IV a.C)
  • 39. Ideia de movimento; Discóbolo, Míron, cópia romana em mármore - Museu Nacional Romano, Roma Músculos definidos; Rosto inexpressivo (parece alheio ao esforço/ tensão que o corpo revela); Torso em arco;
  • 40.
  • 41. Período helenístico (sécs. III-I a.C.) Características: - Grupos escultóricos; - Realismo expressivo e dramático, de efeito teatral; - Preocupação em mostrar a realidade física, mas também as sentimentos (paz, amor, liberdade, vitória, etc). - Expressão do Pathos que implica: Paixão Excesso Sofrimento Emoção
  • 42. Durante a guerra, o soldado grego prepara-se para o suicídio depois de matar a mulher, para não ter de entregá-la ao inimigo. “O Soldado Gálata e sua Mulher” (cópia romana, o original grego perdeu-se e datava do século III a.C.) – Museu Nacional Romano, Roma Esta escultura evidencia alguns contrastes: vida e morte, homem e mulher, o nu e as vestes, força e debilidade. O soldado olha para trás, observando o inimigo, já com a espada sobre o pescoço. Segura, ao mesmo tempo, um dos braços do corpo da mulher que, sem vida, escorrega para o chão.
  • 43. Laooconte e os filhos são devorados pelas serpentes (tema mitológico); Conjunto Laooconte e seus filhos - Cópia romana possivelmente de Hagesandro, Atenodoro e Polidoro de Rodes – Séc. I d.C. Museus do Vaticano, Roma Realismo expressivo; Dramatismo (reforçado pela composição desequilibrada); Fealdade (abandono da serenidade e do “realismo idealista”; Ideia de movimento e tensão; Grupo escultórico;
  • 44. Três figuras humanas atacadas por duas serpentes, que se enrolam nos seus corpos. Rosto de pessoa com uma idade avançada que contrasta com o corpo musculado, característico dos mais jovens;
  • 45. A tensão muscular no corpo de Laoconte evidencia o estado de dor e sofrimento.
  • 46. A escultura grega assume um conjunto alargado de inovações estéticas e formais impulsionadas pela cultura grega, nomeadamente pela religião antropomórfica e humanista, pelos valores filosóficos e estéticos e pelo desenvolvimento da vida pública e cívica. Do conjunto de inovações destacam-se: o naturalismo das formas (embora a figura humana surja muitas vezes idealizada); as regras de representação dos corpos (rigor anatómico e os cânones), a quebra da lei da frontalidade e o nu.
  • 47. As imagens utilizadas neste trabalho foram obtidas através de pesquisa na Internet (Google).