Arte cristã primitiva

1.124 visualizações

Publicada em

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arte cristã primitiva

  1. 1. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Feita pelo povo simples, convertido à nova religião Os corredores da Catacumba Santa Domitilla.
  2. 2. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Cristo e os apóstolos. Catacumba de Santa Domitilla. O Orante. Catacumba de Priscila.
  3. 3. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA NERO: proíbe o cristianismo e por sua vez, persegue os cristãos, que manifestavam a sua fé em locais mais afastados. CATACUMBAS: galerias subterrâneas, onde eram enterrados os mortos e onde os cristãos puderam manifestar a sua fé, desenhando símbolos referentes a vida de Cristo. Catacumbas de São Calisto.
  4. 4. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • A cruz ‑ símbolo do sacrifício de Cristo; • A palma ‑ símbolo do martírio; Inicialmente as pinturas representavam os símbolos cristãos
  5. 5. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • A âncora símbolo da‑ salvação; • O peixe ‑ símbolo preferido dos cristãos, pois as letras da palavra peixe em grego (ichtys) coincidem com a letra inicial de cada uma das palvras da expressão “Iesous Christos, Theou Yios, Soter”, que significa: “Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador”.O Peixe. Catacumba de São Calisto.
  6. 6. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Mais tarde, as pinturas evoluíram e passaram a representar cenas do antigo e novo testamento. O Bom Pastor. Catacumba de Santa Priscila.
  7. 7. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA • Em 313, Constantino permite o Cristianismo. • Em 391, Teodósio o oficializa, tornando-o a religião oficial do Império.
  8. 8. ARTE CRISTÃ PRIMITIVA Toda Arte Cristã Primitiva, primeiramente tosca e simples nas catacumbas e depois mais rica e amadurecida, prenuncia as mudanças que marcarão uma nova época na história da humanidade.
  9. 9. ARTE BIZANTINA TEODÓSIO DIVIDETEODÓSIO DIVIDE O IMPÉRIOO IMPÉRIO ROMANOROMANO Império RomanoImpério Romano do Ocidentedo Ocidente Império RomanoImpério Romano do Orientedo Oriente Capital: RomaCapital: Roma Capital: ConstantinoplaCapital: Constantinopla
  10. 10. ARTE BIZANTINA Roma: sofreu várias invasões bárbaras, em 476 osRoma: sofreu várias invasões bárbaras, em 476 os invasores tomaram o poder (queda do império Romano)invasores tomaram o poder (queda do império Romano) finalizando a Antigüidade iniciando a Idade Média.finalizando a Antigüidade iniciando a Idade Média. Constantinopla: localizada em Bizâncio, antiga colôniaConstantinopla: localizada em Bizâncio, antiga colônia grega sofreu influências da arte desse povo, assim como,grega sofreu influências da arte desse povo, assim como, da arte oriental. Bizantino é uma derivação de Bizâncio.da arte oriental. Bizantino é uma derivação de Bizâncio.
  11. 11. ARTE BIZANTINA • A Arte Bizantina possuía um caráter majestoso que exprimia poder e riqueza • Tinha o objetivo de expressar a autoridade absoluta do Imperador, considerado sagrado, representante de Deus, com poderes temporais e espirituais.
  12. 12. ARTE BIZANTINA CONVENÇÕESCONVENÇÕES Lei daLei da Frontalidade: aFrontalidade: a postura rígidapostura rígida das figurasdas figuras levava aolevava ao observadorobservador respeito erespeito e veneração peloveneração pelo personagempersonagem retratado.retratado.
  13. 13. ARTE BIZANTINA CONVENÇÕESCONVENÇÕES Troca dos elementosTroca dos elementos caracterizadores doscaracterizadores dos personagens.personagens.
  14. 14. ARTE BIZANTINA Pessoas Sagradas, retratadas como Oficiais e Imperadores. Ou a retratação inversa.
  15. 15. ARTE BIZANTINA • O Bizantino destaca-se pela perfeição. Isto pode ser percebido na arquitetura, através da Igreja de Santa Sofia, que contém uma cúpula sobre uma planta quadrada, composta por arcos, absides e colunas com capitéis coríntios.
  16. 16. ARTE BIZANTINA E a igreja de São Vital em Ravena,E a igreja de São Vital em Ravena, que possui planta octogonal.que possui planta octogonal.
  17. 17. ARTE BIZANTINA MOSAICOS Composição plástica, feita sobre uma superfície de gesso ou argamassa, onde eram colocados lado a lado, pequenos pedaços de pedras coloridas ou preciosas.
  18. 18. ARTE BIZANTINA MOSAICOS • Descrição da técnica: o desenho era feito e mais tarde recebia pedras coloridas, que por sua vez eram fixadas com uma solução de cal, areia e óleo.
  19. 19. ARTE BIZANTINA Revestiam uma superfície de metal, ou madeira, com uma camada dourada. Pintavam com dois tipos de pigmentos: Têmpera e Encáustica. Depois de concluída; a pintura era raspada com um objeto de metal, que deixava à mostra algumas partes do fundo dourado, com o objetivo de dar movimento e volume às imagens. ICONES (IMAGENS)ICONES (IMAGENS) De inspiração oriental, representavam figuras sagradas e passagens bíblicas.
  20. 20. ARTE BIZANTINA  TÊMPERA: pigmentos em pó, misturados a uma goma orgânica, geralmente a gema de ovo, para facilitar a fixação das cores à superfície dos objetos pintados, possui uma aparência brilhante e luminosa.  ENCÁUSTICA: pigmentos em pó, diluídos em cera derretida e aquecida na hora da pintura. Possuía aspecto semifosco.
  21. 21. (arte voltada exclusivamente para a igreja, redescobrem a arte romana). ARTE ROMÂNICA Igreja de San Martín
  22. 22. Nome criado para designar as realizações arquitetônicas do final do século XI e XII na Europa, cuja estrutura era semelhante à das construções dos antigos romanos. ARTE ROMÂNICA Saint-Sernin de Toulouse, uma igreja de peregrinação
  23. 23. ARTE ROMÂNICA • Utilização das abóbadas e pilares maciços que as sustentam; • Paredes espessas, com aberturas estreitas, usadas como janelas. AS CARACTERÍSTICAS MAIS SIGNIFICATIVAS DA ARQUITETURA SÃO:
  24. 24. Era bem simples, consistia num semicírculo chamado de arco pleno, ampliado lateralmente por paredes. ARTE ROMÂNICA ABÓBADA DE BERÇO O excesso de peso do teto de alvenaria, causava desabamentos, assim como, a iluminação era mínima, pois as janelas eram muito estreitas.
  25. 25. ABÓBADAS DE ARESTA Criada para resolucionar os problemas de desabamento nas construções românicas, elas eram a intersecção em ângulo reto de duas abóbadas de berço, apoiadas sobre pilares, tornaram mais leve e iluminadas às igrejas da época. ARTE ROMÂNICA
  26. 26. Tímpano do portal da Catedral de São Lázaro, França Feitas nos portais das igrejas (geralmente nos tímpanos, paredes semicirculares), narravam passagens bíblicas e comunicavam valores religiosos. E S C U L T U R A S ARTE ROMÂNICA
  27. 27. A pintura desenvolveu-se nas grandes decorações murais, através da técnica do afresco. Utilizavam a Deformação onde pintavam a figura de Cristo sempre maior, mãos e braços com proporções exageradas como se tivesse acolhendo os fiéis, olhos bem abertos e grandes, rosto comprido e o Colorismo onde utilizavam cores chapadas, sem meios- tons ou luz e sombra, não tinham a intenção de ser realistas. PINTURA ARTE ROMÂNICA
  28. 28. A Catedral de Colônia ARTE GÓTICA
  29. 29. ARQUITETURA
  30. 30. • Conhecida como arte das catedrais. • Teve seu início em Ile-de- France, hoje, Paris. Chartres, uma das primeiras catedrais góticas da França ARTE GÓTICA
  31. 31. • As paredes dos templos, deixam entrar a luz do sol em múltiplas cores. • O arco em ponta e a abóbada cruzada, foram as inovações mais importantes desse período. Catedral de Siena, ItáliaCatedral de Lincoln, Inglaterra
  32. 32. Arcos Ogivais na Abóbada Igreja de Fécamo, França Arcos, onde a ponta no centro, é chamada de ogiva. Transmitem a ideia de construções mais altas.
  33. 33. Catedral Reims, França Abóbada de Nervura Abóbadas que têm como sustentação, finas e longas colunas, contornando toda a construção,que se parecem nervos entrelaçados.
  34. 34. Catedral de Notre Damme, Paris Rosáceas Elemento arquitetônico, no formato circular, composto por pétalas de rosa. Possui a função de iluminar e ventilar o interior das catedrais góticas.
  35. 35. Rosáceas Sainte-Chapelle, Paris
  36. 36. Vitrais Catedral de Estrasburgo, França
  37. 37. Vitrais O vidro era colocado em grades fornalhas para receber a pigmentação; Era feito um desenho prévio, para posteriormente, as partes serem cortadas com uma ponta de diamante; As partes eram encaixadas por uma placa de metal, chamada perfil de chumbo; Por fim, todos os detalhes da imagem, eram feitos com uma tinta opaca preta.
  38. 38. Igreja dos Remédios, São Luís
  39. 39. Igreja da Sé em Fortaleza

×