SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
PALEOLÍTICO época mágica ,[object Object],[object Object],[object Object]
Paleolítico inferior 1 milhão de anos Domínio do Fogo Atividade típica:  idade do caçador Técnica típica:  pedra lascada Abrigo em grutas
Paleolítico médio   350 mil   anos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Paleolítico superior 75 mil anos ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Ao conseguir representar em  fo rma de desenho os  anseios e as realizações de seu  grupo, o executor  do desenho torna-se  artista- mago , no mesmo  patamar de igualdade do feiticeiro e curandeiro.  Paleolítico superior Este é o primeiro momento na história em que o artista aparece; dele depende o sucesso da caça. Ao executar esta função mágica o próprio artista se torna sagrado e posteriormente um ser mítico.
PALEOLÍTICO / MESOLÍTICO Escultura do fim do paleolítico  Vênus
MESOLÍTICO / NEOLÍTICO O domino de técnicas de cozimento do barro possibilita o aparecimento da  Cerâmica e esta é a grande revolução que permite que o homem se fixar à terra.
NEOLÍTICO 10 mil anos Técnica típicas: pedra polida Atividades, Arte e Ritos: tecelagem, pecuária e agricultura
NEOLÍTICO
O sagrado é função masculina. e o profano é função feminina Sagrado e Profano Neolítico:
NEOLÍTICO
Neolítico: Arte Egípcia O Egito foi a mais importante e uma das mais antigas comunidades  essencialmente sedentárias do  Neolítico.
Arte Egípcia Antigo Império  2778 à 2040 a.C ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Egípcia Médio Império   2040 à 1580 a.C XI e XII dinastia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Egípcia Novo Império  1580 à 1085 a.C XVIII e XX dinastia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Egípcia As características gerais da arquitetura egípcia são:  * solidez e durabilidade;  * sentimento de eternidade; e  * aspecto misterioso e impenetrável.
PINTURA A decoração colorida era um poderoso elemento de  complementação das atitudes religiosas. Suas características gerais são:  * ausência de três dimensões; * ignorância da profundidade;  * colorido a tinta lisa, sem claro-escuro e sem indicação do relevo; e  * Lei da Frontalidade que determinava que o tronco da pessoa fosse representado sempre de frente, enquanto sua cabeça, suas pernas e seus pés eram vistos de perfil. Quanto a hierarquia na pintura: eram representadas maiores as pessoas com maior importância no reino, ou seja, nesta ordem de grandeza: o rei, a mulher do rei, o sacerdote, os soldados e o povo. As figuras femininas eram pintadas em ocre, enquanto que as masculinas pintadas de vermelho. Arte Egipcia
Arte Egípcia Os egípcios escreviam usando desenhos, não utilizavam letras como nós. Desenvolveram três formas de escrita: Hieróglifos - considerados a escrita sagrada;  Hierática - uma escrita mais simples, utilizada pela nobreza e pelos sacerdotes; e  Demótica - a escrita popular.
Arte Grega Dividido em três períodos: ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Período Arcaico séc X ao V a.c Arte Grega ,[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Grega Período Clássico séc V ao IV a.c ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],SENTIDO MORAL: FORMA PERFEITA PALAVRA PERFEITA
Arte Grega Período Helenístico séc III até a era cristã ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],Arte Grega
-  Ordem Dórica  - era simples e maciça. O fuste da coluna era monolítico e grosso. O capitel era uma almofada de pedra. Nascida do sentir do povo grego, nela se expressa o pensamento. Sendo a mais antiga das ordens arquitetônicas gregas, a ordem dórica, por sua simplicidade e severidade, empresta uma idéia de solidez e imponência   -  Ordem Jônica  - representava a graça e o feminino. A coluna apresentava fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o estilóbata, mas sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do homem e a ordem jônica traduz a forma da mulher.   -  Ordem Coríntia  - o capitel era formado com folhas de acanto e quatro espirais simétricas, muito usado no lugar do capitel jônico, de um modo a variar e enriquecer aquela ordem. Sugere luxo e ostentação.   Arte Grega
Os principais monumentos da arquitetura grega:     a)  Templos , dos quais o mais importante é o Partenon de Atenas. Na Acrópole, também, se encontram as Cariátides homenageavam as mulheres de Cária.     b)  Teatros , que eram construídos em lugares abertos (encosta) e que compunham de três partes: a skene ou cena, para os atores; a konistra ou orquestra, para o coro; o koilon ou arquibancada, para os espectadores. Um exemplo típico é o Teatro de Epidauro, construído, no séc. IV a.C., ao ar livre, composto por 55 degraus divididos em duas ordens e calculados de acordo com uma inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de 14.000 espectadores e tornou-se famoso por sua acústica perfeita.     c)  Ginásios , edifícios destinados à cultura física.     d)  Praça  - Ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos, entre eles; filosofia.  Arte Grega
Arte Oriental ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Africana 250 a.c  à 900 d.c. Os europeus se interessaram pela simplicidade das formas, porém só interpretaram a arte africana. ,[object Object],[object Object],[object Object]
Arte Pré- Colombiana ,[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3A ARTE NO EGITO - AULA 3
A ARTE NO EGITO - AULA 3
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.Aula 13 historia da arte.
Aula 13 historia da arte.
 
Arte egípcia
Arte egípciaArte egípcia
Arte egípcia
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Arte da grécia antiga
Arte da grécia antigaArte da grécia antiga
Arte da grécia antiga
 
Egito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º anoEgito história da arte 7º ano
Egito história da arte 7º ano
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
 
Op Art
Op ArtOp Art
Op Art
 
ARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRAARTE BRASILEIRA
ARTE BRASILEIRA
 
A arte da fotografia
A arte da fotografiaA arte da fotografia
A arte da fotografia
 
Pop Art
Pop ArtPop Art
Pop Art
 
História da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipciaHistória da Arte - Arte egipcia
História da Arte - Arte egipcia
 
Arte contemporânea
Arte contemporâneaArte contemporânea
Arte contemporânea
 
Releitura de obras de arte
Releitura de obras de arteReleitura de obras de arte
Releitura de obras de arte
 

Destaque

Arte do Paleolitico
Arte do PaleoliticoArte do Paleolitico
Arte do PaleoliticoCPH
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolíticoRainha Maga
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoCarlos Vieira
 
A vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolíticoA vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolíticoamgmrodrigues
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaGiorgia Marrone
 
A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.Michael Alexandre
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOScarlosbidu
 
6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais
6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais
6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos MetaisHandel Ching
 
A vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolíticoA vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolíticoamgmrodrigues
 
Arte ocidental resumo 1º ano
Arte ocidental   resumo 1º anoArte ocidental   resumo 1º ano
Arte ocidental resumo 1º anoescola
 
A vida humana no paleolítico
A vida humana no paleolíticoA vida humana no paleolítico
A vida humana no paleolíticoDouglas Barraqui
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeMarcio Duarte
 
O Paleolítico
O PaleolíticoO Paleolítico
O PaleolíticoHistN
 

Destaque (20)

Arte do Paleolitico
Arte do PaleoliticoArte do Paleolitico
Arte do Paleolitico
 
Arte no paleolítico
Arte no paleolíticoArte no paleolítico
Arte no paleolítico
 
Paleolítico e Neolítico
Paleolítico e NeolíticoPaleolítico e Neolítico
Paleolítico e Neolítico
 
A vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolíticoA vida do homem no neolítico
A vida do homem no neolítico
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
Arte oriental
Arte orientalArte oriental
Arte oriental
 
A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
 
A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.A arte no período Neolítico.
A arte no período Neolítico.
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
 
6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais
6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais
6º anos - Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais
 
A vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolíticoA vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolítico
 
arte rupestre
arte rupestrearte rupestre
arte rupestre
 
Arte ocidental resumo 1º ano
Arte ocidental   resumo 1º anoArte ocidental   resumo 1º ano
Arte ocidental resumo 1º ano
 
A vida humana no paleolítico
A vida humana no paleolíticoA vida humana no paleolítico
A vida humana no paleolítico
 
Arte Rupestre
Arte RupestreArte Rupestre
Arte Rupestre
 
Arte Rupestre
Arte Rupestre Arte Rupestre
Arte Rupestre
 
Arte Pré Histórica
Arte Pré HistóricaArte Pré Histórica
Arte Pré Histórica
 
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e AntiguidadeHistória da Arte - Pré-história e Antiguidade
História da Arte - Pré-história e Antiguidade
 
O Paleolítico
O PaleolíticoO Paleolítico
O Paleolítico
 
Arte chinesa
Arte chinesaArte chinesa
Arte chinesa
 

Semelhante a Paleolítico, arte primitiva e civilizações antigas (20)

48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte48787715 apostila-de-arte
48787715 apostila-de-arte
 
A arte na Grécia
A arte na GréciaA arte na Grécia
A arte na Grécia
 
Arte Grega.ppt
Arte Grega.pptArte Grega.ppt
Arte Grega.ppt
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-6o. ano  texto -Arte na Grécia- 2-
6o. ano texto -Arte na Grécia- 2-
 
Arte grega 1
Arte grega 1Arte grega 1
Arte grega 1
 
Arte Grega
Arte GregaArte Grega
Arte Grega
 
3 arte grega 2020
3 arte grega 20203 arte grega 2020
3 arte grega 2020
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Arte grega 2019
Arte grega 2019Arte grega 2019
Arte grega 2019
 
História da arte grega e romana
História da arte grega e romanaHistória da arte grega e romana
História da arte grega e romana
 
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - ClaretianoArte grega 1 em 2015 - Claretiano
Arte grega 1 em 2015 - Claretiano
 
Arte grega
Arte grega  Arte grega
Arte grega
 
A arte na grécia
A arte na gréciaA arte na grécia
A arte na grécia
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
Arte grega 2017
Arte grega 2017Arte grega 2017
Arte grega 2017
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
A Arte na Grécia
A Arte na GréciaA Arte na Grécia
A Arte na Grécia
 

Mais de Anita Rink

Motivação e auto motivação
Motivação e auto motivaçãoMotivação e auto motivação
Motivação e auto motivaçãoAnita Rink
 
CRIATIVIDADE em Sternberg
CRIATIVIDADE em SternbergCRIATIVIDADE em Sternberg
CRIATIVIDADE em SternbergAnita Rink
 
Auto realização e Retorno Financeiro
Auto realização e Retorno FinanceiroAuto realização e Retorno Financeiro
Auto realização e Retorno FinanceiroAnita Rink
 
Método Etnográfico
Método EtnográficoMétodo Etnográfico
Método EtnográficoAnita Rink
 
A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...
A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...
A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...Anita Rink
 
Aquarela e Alquimia no Atendimento Clínico
Aquarela e Alquimia no Atendimento ClínicoAquarela e Alquimia no Atendimento Clínico
Aquarela e Alquimia no Atendimento ClínicoAnita Rink
 
Psicoterapia Clínica: Arte Alquimia
Psicoterapia Clínica: Arte AlquimiaPsicoterapia Clínica: Arte Alquimia
Psicoterapia Clínica: Arte AlquimiaAnita Rink
 
Vivências Grupais do Folclore Brasileiro
Vivências Grupais do Folclore BrasileiroVivências Grupais do Folclore Brasileiro
Vivências Grupais do Folclore BrasileiroAnita Rink
 
As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...
As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...
As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...Anita Rink
 
Agente Duplo 2005
Agente Duplo 2005Agente Duplo 2005
Agente Duplo 2005Anita Rink
 
Arte na Idade Media
Arte na Idade MediaArte na Idade Media
Arte na Idade MediaAnita Rink
 
Uso de Caixa de Areia no Atendimento Clínico
Uso de Caixa de Areia  no Atendimento ClínicoUso de Caixa de Areia  no Atendimento Clínico
Uso de Caixa de Areia no Atendimento ClínicoAnita Rink
 
O SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICA
O SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICAO SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICA
O SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICAAnita Rink
 

Mais de Anita Rink (17)

Motivação e auto motivação
Motivação e auto motivaçãoMotivação e auto motivação
Motivação e auto motivação
 
CRIATIVIDADE em Sternberg
CRIATIVIDADE em SternbergCRIATIVIDADE em Sternberg
CRIATIVIDADE em Sternberg
 
Auto realização e Retorno Financeiro
Auto realização e Retorno FinanceiroAuto realização e Retorno Financeiro
Auto realização e Retorno Financeiro
 
Método Etnográfico
Método EtnográficoMétodo Etnográfico
Método Etnográfico
 
A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...
A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...
A presença da imagem: a literatura em quadrinhos e a construção do jovem lei...
 
Aquarela e Alquimia no Atendimento Clínico
Aquarela e Alquimia no Atendimento ClínicoAquarela e Alquimia no Atendimento Clínico
Aquarela e Alquimia no Atendimento Clínico
 
Psicoterapia Clínica: Arte Alquimia
Psicoterapia Clínica: Arte AlquimiaPsicoterapia Clínica: Arte Alquimia
Psicoterapia Clínica: Arte Alquimia
 
Vivências Grupais do Folclore Brasileiro
Vivências Grupais do Folclore BrasileiroVivências Grupais do Folclore Brasileiro
Vivências Grupais do Folclore Brasileiro
 
Beowolf
BeowolfBeowolf
Beowolf
 
As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...
As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...
As Imagens dos Quadrinhos Holy Avenger: Afetividade, criatividade e sociabili...
 
Agente Duplo 2005
Agente Duplo 2005Agente Duplo 2005
Agente Duplo 2005
 
Arte Barroca
Arte BarrocaArte Barroca
Arte Barroca
 
Arte Romana
Arte RomanaArte Romana
Arte Romana
 
Arte Barbara
Arte BarbaraArte Barbara
Arte Barbara
 
Arte na Idade Media
Arte na Idade MediaArte na Idade Media
Arte na Idade Media
 
Uso de Caixa de Areia no Atendimento Clínico
Uso de Caixa de Areia  no Atendimento ClínicoUso de Caixa de Areia  no Atendimento Clínico
Uso de Caixa de Areia no Atendimento Clínico
 
O SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICA
O SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICAO SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICA
O SUJEITO NO ESPAÇO URBANO: IMAGINAÇÃO E REALIDADE PSÍQUICA
 

Último

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 

Último (20)

637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 

Paleolítico, arte primitiva e civilizações antigas

  • 1.
  • 2. Paleolítico inferior 1 milhão de anos Domínio do Fogo Atividade típica: idade do caçador Técnica típica: pedra lascada Abrigo em grutas
  • 3.
  • 4.
  • 5. Ao conseguir representar em fo rma de desenho os anseios e as realizações de seu grupo, o executor do desenho torna-se artista- mago , no mesmo patamar de igualdade do feiticeiro e curandeiro. Paleolítico superior Este é o primeiro momento na história em que o artista aparece; dele depende o sucesso da caça. Ao executar esta função mágica o próprio artista se torna sagrado e posteriormente um ser mítico.
  • 6. PALEOLÍTICO / MESOLÍTICO Escultura do fim do paleolítico Vênus
  • 7. MESOLÍTICO / NEOLÍTICO O domino de técnicas de cozimento do barro possibilita o aparecimento da Cerâmica e esta é a grande revolução que permite que o homem se fixar à terra.
  • 8. NEOLÍTICO 10 mil anos Técnica típicas: pedra polida Atividades, Arte e Ritos: tecelagem, pecuária e agricultura
  • 10. O sagrado é função masculina. e o profano é função feminina Sagrado e Profano Neolítico:
  • 12. Neolítico: Arte Egípcia O Egito foi a mais importante e uma das mais antigas comunidades essencialmente sedentárias do Neolítico.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Arte Egípcia As características gerais da arquitetura egípcia são:  * solidez e durabilidade;  * sentimento de eternidade; e  * aspecto misterioso e impenetrável.
  • 17. PINTURA A decoração colorida era um poderoso elemento de complementação das atitudes religiosas. Suas características gerais são:  * ausência de três dimensões; * ignorância da profundidade;  * colorido a tinta lisa, sem claro-escuro e sem indicação do relevo; e  * Lei da Frontalidade que determinava que o tronco da pessoa fosse representado sempre de frente, enquanto sua cabeça, suas pernas e seus pés eram vistos de perfil. Quanto a hierarquia na pintura: eram representadas maiores as pessoas com maior importância no reino, ou seja, nesta ordem de grandeza: o rei, a mulher do rei, o sacerdote, os soldados e o povo. As figuras femininas eram pintadas em ocre, enquanto que as masculinas pintadas de vermelho. Arte Egipcia
  • 18. Arte Egípcia Os egípcios escreviam usando desenhos, não utilizavam letras como nós. Desenvolveram três formas de escrita: Hieróglifos - considerados a escrita sagrada;  Hierática - uma escrita mais simples, utilizada pela nobreza e pelos sacerdotes; e  Demótica - a escrita popular.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. - Ordem Dórica - era simples e maciça. O fuste da coluna era monolítico e grosso. O capitel era uma almofada de pedra. Nascida do sentir do povo grego, nela se expressa o pensamento. Sendo a mais antiga das ordens arquitetônicas gregas, a ordem dórica, por sua simplicidade e severidade, empresta uma idéia de solidez e imponência - Ordem Jônica - representava a graça e o feminino. A coluna apresentava fuste mais delgado e não se firmava diretamente sobre o estilóbata, mas sobre uma base decorada. O capitel era formado por duas espirais unidas por duas curvas. A ordem dórica traduz a forma do homem e a ordem jônica traduz a forma da mulher. - Ordem Coríntia - o capitel era formado com folhas de acanto e quatro espirais simétricas, muito usado no lugar do capitel jônico, de um modo a variar e enriquecer aquela ordem. Sugere luxo e ostentação. Arte Grega
  • 25. Os principais monumentos da arquitetura grega:   a) Templos , dos quais o mais importante é o Partenon de Atenas. Na Acrópole, também, se encontram as Cariátides homenageavam as mulheres de Cária.   b) Teatros , que eram construídos em lugares abertos (encosta) e que compunham de três partes: a skene ou cena, para os atores; a konistra ou orquestra, para o coro; o koilon ou arquibancada, para os espectadores. Um exemplo típico é o Teatro de Epidauro, construído, no séc. IV a.C., ao ar livre, composto por 55 degraus divididos em duas ordens e calculados de acordo com uma inclinação perfeita. Chegava a acomodar cerca de 14.000 espectadores e tornou-se famoso por sua acústica perfeita.   c) Ginásios , edifícios destinados à cultura física.   d) Praça - Ágora onde os gregos se reuniam para discutir os mais variados assuntos, entre eles; filosofia. Arte Grega
  • 26.
  • 27.
  • 28.