Complicações
Hiperglicêmicas Agudas

        Denise Momesso
         Endocrinologia
     Médica CTI Pró Cardíaco
Complicações Hiperglicêmicas
          Agudas


   Cetoacidose Diabética (CAD)


    Estado Hiperglicêmico
      Hiperosmo...
Fisiopatogenia CAD
                      Insulina                    Cortisol, glucagon,
                                 ...
Fisiopatogenia SHH- coma hiperosmolar
                     Insulina                  Cortisol, glucagon,
                 ...
Quadro Clínico e Diagnóstico

                                    CAD                      SHH
Glicose (mgdl)          > 2...
CAD                            SHH
Mecanismo principal       Acidose, cetose                 Hiperglicemia, ↑ Osm s

Tempo...
Fatores Precipitantes
Primeira manifestação DM (20%)
Omissão insulina (21- 49%)
Infecção (30-39%)
Doenças agudas
 • IAM
 •...
Avaliação Laboratorial
Glicemia                                Osmolaridade sérica:
Função renal: Cr, U                   ...
Quadro Clínico e Laboratorial
        Considerações
Temperatura corporal:
 • Tendência a hipotermia (sinal mau prognóstico...
Critérios de Gravidade na CAD

                           Leve      Moderada             Grave

pH sangue           7,25- ...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave


        Hospitalar (CTI)         Monitorização




Hidratação Venosa      Insulinot...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave

              Hidratação Venosa

 SF 0,9% 1000- 1500mlh nas 1as 2 horas (15-20mlkgh)...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave
                     Insulinoterapia
               Insulina regular bolus 0,1-0,15 U...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave

                       Insulinoterapia

  Solução Insulina IV:                Necess...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave
              Correção distúrbios eletrolíticos

                          Potássio

...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave
              Correção distúrbios ácido-base

                      Bicarbonato

    ...
Tratamento SHH e CAD moderada- Grave

           Correção distúrbios eletrolíticos

        Magnésio                      ...
Monitorização Tratamento
Glicemia capilar: a cada 1 hora

Glicemia plasmática: a cada 2-4 h

K: 1ª 4 horas- 11h; em seguid...
pH >7,23- 7,3
        Tratamento CAD Leve                       HCO3 > 15- 18
                                            ...
OBRIGADA!!!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cetoacidose E Coma Hiperosmolar

18.180 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
3 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.180
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
80
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
405
Comentários
3
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cetoacidose E Coma Hiperosmolar

  1. 1. Complicações Hiperglicêmicas Agudas Denise Momesso Endocrinologia Médica CTI Pró Cardíaco
  2. 2. Complicações Hiperglicêmicas Agudas Cetoacidose Diabética (CAD) Estado Hiperglicêmico Hiperosmolar (SHH)
  3. 3. Fisiopatogenia CAD Insulina Cortisol, glucagon, Catecolaminas, GH Tecido adiposo Fígado Músculo gliconenólise glicerol gliconeogênese AGL ↑ Proteólise ↑ Lipólise cetogênese AGL glicosuria Hiperglicemia Liberação corpos cetônicos Diurese osmótica Cetonemia Acidose Osm sérica ↑ Desidratação
  4. 4. Fisiopatogenia SHH- coma hiperosmolar Insulina Cortisol, glucagon, Catecolaminas, GH Tecido adiposo Fígado Músculo gliconenólise glicerol gliconeogênese AGL ↑ Proteólise ↑ Lipólise cetogênese AGL glicosuria Hiperglicemia Diurese osmótica Alterações neurológicas Osm sérica ↑ Desidratação
  5. 5. Quadro Clínico e Diagnóstico CAD SHH Glicose (mgdl) > 250 > 600 pH sangue < 7,3 > 7,3 Bicarbonato (mEqL) <15 > 15 Cetonúria Positiva (3+ 4+) Negativa ou leve Cetonemina Positiva Negativa ou leve Osmolaridade (mOsmL) Aumentada, valor variável > 320 Anion Gap > 10- 12 < 10
  6. 6. CAD SHH Mecanismo principal Acidose, cetose Hiperglicemia, ↑ Osm s Tempo de evolução < 24 h 2 dias- semanas Sintomas clássicos Presente ou não Presentes (polis, perda de peso) Náuseas e vômitos Comum Pouco comum Dor abdominal Comum Pouco comum Respiração de Kussmaul Presente Ausente Hálito cetônico Presente Ausente Alterações neurológicas Leves: Severas: Alerta- obnubilado, raro coma Obnubilado- coma Alterações visuais Sintomas focais, convulsões Desidratação Leve- moderada Severa Alt. Cardiovasculares Taquicardia, hipot postural Hipotensão, choque IRA (pré-renal) Rara Comum
  7. 7. Fatores Precipitantes Primeira manifestação DM (20%) Omissão insulina (21- 49%) Infecção (30-39%) Doenças agudas • IAM • AVC • Pancreatite aguda • Trombose mesentérica • TEP • Trauma • Queimadura Drogas: álcool, cocaína, ecstasy Medicações: corticóides, diuréticos, β-bloqueadores, bloqueador canal cálcio, etc
  8. 8. Avaliação Laboratorial Glicemia Osmolaridade sérica: Função renal: Cr, U Osm= 2 (Na + K) + G18 + U16 Eletrólitos: K, Na, Cl, Mg, fosfato Gasometria (a, v): pH, HCO3 Anion Gap Cetonúria AG= Na – (Cl + HCO3) ↑ G= Pseudohiponatremia Pesquisa fator desencadeante Correção Na pela glicemia: • hemograma G ↑ 100 mgdl= Na↑ 1,6 meql • EAS • culturas (?) Acidose= hipercalemia • ECG • RX tórax Correção K pela acidose: • outros pH ↑ 0,1= K ↓ 0,5-0,6 meql
  9. 9. Quadro Clínico e Laboratorial Considerações Temperatura corporal: • Tendência a hipotermia (sinal mau prognóstico) • Febre é sempre sugestivo de infecção Atenção ao laboratório!!! • Leucocitose com desvio (sem infecção) • ↑ Amilase (sem pancreatite) • ↑ Creatinina (reação cruzada com acetoacetato) • ↑ Triglicerídeos • ↑ Transaminases Falso abdome agudo abdome agudo não cirúrgico Rabdomiólise
  10. 10. Critérios de Gravidade na CAD Leve Moderada Grave pH sangue 7,25- 7,3 7,0- 7,24 < 7,0 Bicarbonato (mEqL) 15- 18 10 a 14,9 < 10 Anion gap > 10 > 12 > 12 Nível sensorial alerta Alerta, sonolento Estupor, coma
  11. 11. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Hospitalar (CTI) Monitorização Hidratação Venosa Insulinoterapia Correção Distúrbio Eletrolítico Identificação e tratamento do fator desencadeante
  12. 12. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Hidratação Venosa SF 0,9% 1000- 1500mlh nas 1as 2 horas (15-20mlkgh) Manutenção: 4- 14 mlkgh Se Osm > 320 ou Na > 155 = trocar por SF 0,45% G < 250mgdl CAD e G < 300mgdl SHH Adicionar SG5% 1:1 ou 150-250mlh, até correção acidose e normalização AG
  13. 13. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Insulinoterapia Insulina regular bolus 0,1-0,15 Ukg IV Manutenção 0,1 Ukg IV BI Queda glicemia esperada por hora: 50-100mgdl Queda ↓50-70 mgdl: ↑2x veloc G: 250mgdl CAD e G: 300mgdl SHH infusão ou bolus 10U bolus 11h ↓ insulina 0,05-0,1Ukgh Manter G 150- 250mgdl CAD e G 250-300mgdl SHH CAD: Correção acidose (G< 250, pH> 7,3, HCO3 >18-20) SHH: Correção Osmolaridade (Osmp < 315 mOsmkg) • Suspender bomba insulina • Iniciar insulina SC esquema 4-6h; 1ª dose SC 2h antes suspensão BI Boa aceitação dieta oral: iniciar insulina NPH, Manter esquema rápida ultra-rápida antes refeições
  14. 14. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Insulinoterapia Solução Insulina IV: Necessidade ↑ dose insulina: Insulina regular 100UI ml Infecção SF0,9% 99ml + 1 ml insulina R Adolescentes Concentração solução: 1 UIml Uso corticoides Desprezar 30ml iniciais (permanecem ligados ao equipo) Bomba infusora não disponível: Necessidade ↓ dose insulina: Insulina regular IM ou IV bolus Insuficiência renal repetidos Gestante 1º trimestre
  15. 15. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Correção distúrbios eletrolíticos Potássio K < 3,3 mEql K= 3,3 a 5,5 mEql K > 5,5 mEql Não administrar Administrar K 20-30 Não repor! insulina! mEq por hora diluido Checar 2-4h Administrar K 40mEq (soluções HV) por hora até K> Manter K 4 a 5 mEql 3,3meql KCL 10%: Lembrar de corrigir K pela 1 ampôla 10 ml = 1 g K= 13 mEq acidose!!!!!
  16. 16. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Correção distúrbios ácido-base Bicarbonato pH< 6,9 pH= 6,9 a 7,0 pH > 7,0 Administrar 100 meq Administrar 50 meq Não repor! diluído SF0,9% diluído SF0,9% Checar 2-4h 400ml IV BI 2 horas 200ml IV BI 1 hora
  17. 17. Tratamento SHH e CAD moderada- Grave Correção distúrbios eletrolíticos Magnésio Fosfato • Magnésio < 1,8 mgdl • Fosfato < 1,0 mgdl • tetania • Hipoxemia, anemia, disfunção cardiorespiratória, ↑Osm, ↓ nivel • Sulfato de Mg consciência apesar melhora da acidose 5g diluido 500ml SF0,9% 5 h MgSO4 50% • Fosfato de potássio 20- 30 mEq ampolas 10ml= 496mg Mg K2PO4 10% ampolas 10ml 10 ml= 36 mEql de P e 36 mEql K
  18. 18. Monitorização Tratamento Glicemia capilar: a cada 1 hora Glicemia plasmática: a cada 2-4 h K: 1ª 4 horas- 11h; em seguida 2-4 h Na, Cl, gaso venosa: 2 2 h até K e HCO3 normalizarem; depois 4-6h. Mg, fosfato: controverso; 4-6 h Cetonúria: a cada 4 h • mede acetoacetato e cetoglutarato. Não mede β-hidroxibutirato • Atenção: a cetonúria pode aumentar com o tratamento (↑ conversão β-hidroxibutirato em acetoacetato)
  19. 19. pH >7,23- 7,3 Tratamento CAD Leve HCO3 > 15- 18 AG> 10 Alerta Ambulatorialmente Hidratação oral Insulinoterapia 1) Insulina regular SC 2) Insulina ultra-rápida SC: lispro, aspart • bolus 0,1-0,3 Ukg • Após 1h: 0,1 Ukg • Manutenção 0,1 Ukg 22h • Medir glicemia capilar 11h Manter até correção da desidratação e da hiperglicemia
  20. 20. OBRIGADA!!!

×