SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Convulsão e Choque
Prof: Enf. Gabriel Jefferson
Caicó, 2014.
Epilepsia
• Epilepsia: distúrbio neurológico crônico caracterizado por crises
convulsivas recorrentes
• Convulsões: episódios limitados de disfunção cerebral em
decorrência da descarga anormal de neurônios cerebrais

• Cerca de 1% da população mundial sofre de epilepsia
• A herança genética parece ter papel importante na epilepsia
Crise epiléptica

Convulsão

“Nem toda convulsão é uma crise epiléptica, mas toda
crise epiléptica é uma convulsão.”
Convulsão: pode vir associado ou não a contrações musculares
descoordenadas e involuntárias
A ocorrência de duas ou mais crises não-provocadas chama-se
epilepsia
Causas
Causas de crises convulsivas agudas
• Causas neurológicas:
Infecções do SNC (meningoencefalite, abscesso)
Encefalopatia hipertensiva
Traumatismo cranioencefálico
AVC (isquêmico ou hemorrágico)
Neoplasias do SNC
• Causas não-neurológicas (fatores precipitantes):
Distúrbios metabólicos (eletrólitos, hiper ou hipoglicemia,
hipóxia, insuficiência renal)
Hipertermia/febre*
Toxinas/drogas (cocaína, aminofilina/teofilina,
antidepressivos)
*Convulsão febril
• Distúrbio convulsivo mais comum na infância
• Cerca de 2 a 5% das crianças até cinco anos de idade sofrem
pelo menos uma convulsão febril;
• Normalmente não deixa sequelas
• Generalizada e ocorre durante a rápida
elevação da febre.

sem evidência de doença neurológica aguda (tumor) ou
infecção intracraniana (meningite)
Fisiopatologia das crises convulsivas
Crise convulsiva ocorre devido a excitação excessiva de
neurônios.
Liberação de
excitatórios

neurotransmissores

predominantemente
O glutamato é o principal
neurotransmissor
excitatório liberado em
uma crise epiléptica –
causa excitotoxicidade e
lesão neuronal
“A crise convulsiva ou crise epiléptica deve-se a um
desequilíbrio entre os mecanismos de inibição e de
excitação sináptica que atuam em uma dada população
neuronal susceptível, levando a um estado de
hiperexcitabilidade e hipersincronia”
Classificação
Crises parciais:
i)
crises parciais simples (local, focal)
ii) crises parciais evoluindo para generalizadas (com perda de
consciência)

Crises generalizadas (com perda de consciência):
i)
Tônico-clônicas (grande mal)
ii) Ausência (pequeno mal)
iii) Tônicas
iv) Clônicas e Mioclônicas
v) Outras: atônicas, espasmos infantis
Fase tônica: rigidez
generalizada da musculatura

Fase clônica: contração
generalizada e brusca
dos membros
Atendimento/socorro à vítima
• Atendimento de pronto-socorro ocorre com maior
frequência:
- crises convulsivas generalizadas
- estado de mal-epiléptico
Atendimento/socorro à vítima
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Medidas protetoras;
Deitar a pessoa;
Remover objetos (tanto da pessoa quanto do chão);
Afrouxar roupas apertadas;
Proteger a cabeça da pessoa com a mão, roupa, travesseiro;
Lateralizar a cabeça para que a saliva escorra (broncoaspiração);
Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel;
Observar se a pessoa consegue respirar;
Afastar os curiosos, dando espaço para a pessoa;
Reduzir estimulação sensorial (diminuir luz, evitar barulho);
Permitir que a pessoa descanse ou até mesmo durma após a crise;
Procurar assistência médica.
Atendimento/socorro à vítima
• Informações importantes:
•
•
•
•

Início da crise;
Duração da crise;
Eventos significativos anteriores à crise;
Se há incontinência urinária ou fecal (eliminação de fezes ou
urina nas roupas);
• Como são as contrações musculares;
• Forma de término da crise;
• Nível de consciência após a crise.
No pronto socorro
• MOV (Monitorização, Oxigênio, Veia)
• Vias Aéreas pérvias
• Dextro

• Drogas
Fármacos
• Fenobarbital (Gardenal®)

• é o mais antigo dos fármacos anticonvulsivantes
atualmente disponível
• Indicações: crises parciais e tônico-clônicas
generalizadas de difícil controle
• fármaco de escolha no tratamento de crises
convulsivas em lactentes
• Produz ação sedativa
Fármacos
• Benzodiazepínicos
Diazepam (Diazepam)
• Atendimento de emergência
• Crise de tônico-clônico generalizada e estado de mal-epiléptico
• Via EV e retal

Clonazepam (Rivotril)
• Crises mioclônicas e espasmos infantis
• Causa sedação intensa
Clobazam (Frisium; Urbanil):
• Vários tipos de crises
• Menos efeito sedativo comparado aos outros BDZ
Fatores limitantes dos BDZ
• sedação intensa
• crianças apresentam hiperatividade paradoxal
• tolerância do efeito anticonvulsivante (aparece em
poucos meses)
Alguma
pergunta?
Choque
• Do frances choc = parada
• Condição grave que ocorre quando o fluxo de sangue é
insuficiente no organismo.
• Caracteriza-se por um estado de baixa perfusão tecidual,
porém com adequado volume sanguíneo intravascular, devido
à dificuldade na contração do músculo cardíaco
Causas
• Falha no mecanismo que bombeia o sangue (coração);
• Problemas nos vasos sanguíneos (alteração na resistência da
parede vascular);
• Baixo nível de fluido no corpo (sangue ou líquidos corporais).
Classificação
• CHOQUE HIPOVOLÊMICO:
líquidos extracelulares;

perda de sangue, plasma ou

• CHOQUE CARDIOGÊNICO: insuficiência miocárdica;
• CHOQUE DISTRIBUTIVO: diminuição do tônus vascular.
Dividido em:
• Choque Neurogênico;
• Choque Anafilático;
• Choque Séptico.
• CHOQUE OBSTRUTIVO:
sanguíneo

obstrução

mecânica

do

fluxo
Sintomas antes do choque
• Inquietude, às vezes ansiedade e temor;
• Náuseas, lipotímias;
• Astenia e sede intensa.
Sintomas gerais
•
•
•
•
•
•
•
•

hipotensão
taquicardia
pulso fino e taquicárdico
pele fria e pegajosa
sudorese abundante
Mucosas descoradas e secas
palidez
cianose

• resfriamento das
extremidades
• hipotermia
• respiração superficial,
rápida e irregular
• sede
• náuseas e vômitos
• alterações
neurossensoriais.
Choque Hipovolêmico
• É o tipo mais comum
• Causas
• perda sanguínea secundária hemorragia (interna ou externa) e
• perda de líquidos e eletrólitos
Choque Hipovolêmico
• Fisiopatologia:
•
•
•
•

sistemas hematológico;
sistema cardiovascular;
sistema renal e
sistema neuroendócrino.
Choque Hipovolêmico
Choque Hipovolêmico
Tratamento
Tratamento
Interv de enfermagem
Choque Hipovolêmico
Volume sangüíneo
diminuído
Retorno venoso
diminuído

Volume sistólico
diminuído
Débito cardíaco
diminuído
Perfusão tecidual
diminuído
CALÇAS MILITARES ANTI-CHOQUE

• Usadas em situação de
extrema emergência,
quando o sangramento
não pode ser controlado
Choque Cardiogênico
• Definição:
• Etiologia:
• * infarto do miocárdio;
• * falência miocárdica
aguda;
• * arritmias;
• * eletrocussão;
• * miocardites;
• * hipóxia;

• * depressão dos
centros nervosos;
• * acidose;
• * distúrbios
eletrolíticos;
• * intoxicações ou
envenenamento.
Choque Cardiogênico

• Fisiopatologia:
Choque Cardiogênico
• Manifestações clínicas:
•
* hipotensão arterial;
•
* queda rápida e acentuada do índice cardíaco;
•
* oligúria;
•
* sinais de estimulação simpatomimética;
•
* taquisfigmia;
•
* hiperpnéia;
•
* alteração no nível de consciência;
•
* dor anginosa e arritmias.
Sinais e sintomas
Choque Cardiogênico
• Tratamento: vai depender do agente etiológico.
•
* deficiência aguda do enchimento e esvaziamento
cardíaco, por obstrução mecânica: cirúrgico;
•

* comprometimento miocárdico: monitorização
hemodinâmica e uso de drogas.
Tratamento
Tratamento
Ttt medicamentoso
Choque Cardiogênico
• Utiliza-se ainda:
• Sedação;
• Oxigênio;
• Reposição de volume;
• Correção das alterações hemodinâmicas, através do
uso de: dopamina, dobutamina, associação de
drogas inotrópicas e vasodilatadoras, agentes
fibrinolíticos,bicarbonato de sódio, heparina,
isoproterenol, adrenalina, amrinona;
• Balão intra-aórtico.
Interv Enfermagem
Choque Distributivo
Choque Distributivo
• Subdivide-se em:
Vasodilatação
Má distribuição do
volume sangüíneo
Retorno venoso
diminuído
Volume sistólico
diminuído
Débito cardíaco
diminuído
Perfusão tecidual
diminuído
Choque Anafilático
• Definição: é uma reação alérgica, de hipersensibilidade
imediata e severa, que afeta o corpo todo
• Causas:
• * alimentos e aditivos alimentares;
• * picadas e mordidas de insetos;
• * agentes usados na imunoterapia;
• * drogas como a penicilina;
• * drogas usadas como anestésicos locais (benzocaína e
lidocaína);
• * vacinas como o soro antitetânico;
• * poeiras e substâncias presentes no ar (casos raros).
Choque Anafilático
Choque Anafilático
• Fisiopatologia:
• Manifestações clínicas:
• sensação de desmaio;
• pulso rápido;
• dificuldade respiratória;
• náuseas e vômito;
• dor de estômago;
Choque Anafilático
• Manifestações clínicas:
• inchaço nos lábios, língua ou garganta (edema de glote);
• urticária;
• pele pálida, fria e úmida;
• tonteira, confusão mental e perda da consciência;
• pode haver parada cardíaca.
Choque Anafilático
• Tratamento: emergencial
• * Adrenalina;
• * Anti-histamínico;
• * Corticóide
Em casos de paradas cardíaca e respiratória : RCP
Caso necessário: intubação endotraqueal
Garantir acesso venoso
Para pesquisar...
• Choque séptico

• Choque obstrutivo

• Choque neurogênico
Porque melhor é a sabedoria do que os
rubis; e tudo o que mais se deseja não se
pode comparar com ela.
Provérbios 8:11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
dapab
 

Mais procurados (20)

Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Hemorragias
HemorragiasHemorragias
Hemorragias
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
 
Ecg básico
Ecg básicoEcg básico
Ecg básico
 
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de EnfermagemVentilação Mecânica:  Princípios Básicos e  Intervenções de Enfermagem
Ventilação Mecânica: Princípios Básicos e Intervenções de Enfermagem
 
Novas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcrNovas diretrizes na pcr
Novas diretrizes na pcr
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Queimaduras
QueimadurasQueimaduras
Queimaduras
 
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
 
HEMORRAGIA
HEMORRAGIAHEMORRAGIA
HEMORRAGIA
 
Emergências clínicas
Emergências clínicasEmergências clínicas
Emergências clínicas
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 

Destaque (6)

Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTEA IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
A IATROGENIA DA PALAVRA NA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 
IATROGENIAS
IATROGENIASIATROGENIAS
IATROGENIAS
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 
Iatrogenia
IatrogeniaIatrogenia
Iatrogenia
 

Semelhante a 08 aula_ Convulsões e Choque

EMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptx
EMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptxEMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptx
EMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptx
tuttitutti1
 
Fisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptx
Fisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptxFisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptx
Fisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptx
TarcisioRonacher
 
0326 choque - Marion
0326 choque - Marion0326 choque - Marion
0326 choque - Marion
laiscarlini
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
Paulo Matias
 

Semelhante a 08 aula_ Convulsões e Choque (20)

EMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptx
EMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptxEMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptx
EMERGÊNCIAS NEUROLOGICAS.pptx
 
Assistência Especializada nas Urgências Clínicas 2023_Prof. Eduardo Felix Mac...
Assistência Especializada nas Urgências Clínicas 2023_Prof. Eduardo Felix Mac...Assistência Especializada nas Urgências Clínicas 2023_Prof. Eduardo Felix Mac...
Assistência Especializada nas Urgências Clínicas 2023_Prof. Eduardo Felix Mac...
 
Estado de choque
Estado de choqueEstado de choque
Estado de choque
 
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptxAula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
 
Fisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptx
Fisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptxFisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptx
Fisiopatologia do Choque = conferência Módulo de Emergência - turma 2015.pptx
 
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARESCHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
CHOQUE E ANGINA - DISTÚRBIOS CARDIOVASCULARES
 
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
Infarto agudo do miocárdio   (IAM)Infarto agudo do miocárdio   (IAM)
Infarto agudo do miocárdio (IAM)
 
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia SubependimalHemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
Hemorragia intraventricular e Hemorragia Subependimal
 
Perturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrioPerturbações do equilibrio
Perturbações do equilibrio
 
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdfCartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
 
Seminário de neurociencias final
Seminário de neurociencias   finalSeminário de neurociencias   final
Seminário de neurociencias final
 
Aula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdfAula 2 AVC TCE.pdf
Aula 2 AVC TCE.pdf
 
0326 choque - Marion
0326 choque - Marion0326 choque - Marion
0326 choque - Marion
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Acidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebralAcidente vascular cerebral
Acidente vascular cerebral
 
Ataque cardíaco
Ataque cardíacoAtaque cardíaco
Ataque cardíaco
 
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites AutoimunesEpilepsia e Encefalites Autoimunes
Epilepsia e Encefalites Autoimunes
 
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva MuñozSemiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
Semiologia Neurológica: Sintomatologia - Profa. Rilva Muñoz
 
Tce pediatria
Tce pediatriaTce pediatria
Tce pediatria
 
Tce pediatria
Tce pediatriaTce pediatria
Tce pediatria
 

Mais de Gabriel Jefferson Oliveira (8)

04 aula cólera
04 aula   cólera04 aula   cólera
04 aula cólera
 
04 aula tétano
04 aula   tétano04 aula   tétano
04 aula tétano
 
07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito07 - posicionamento no leito
07 - posicionamento no leito
 
Doenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatriaDoenças frequentes da infancia - pediatria
Doenças frequentes da infancia - pediatria
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 3ª aula
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 2ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem  2ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem  2ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 2ª aula
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 1ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem  1ª aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem  1ª aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 1ª aula
 
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 5º aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 5º aulaNoçõe de psicologia - téc enfermagem 5º aula
Noçõe de psicologia - téc enfermagem 5º aula
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (8)

Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 

08 aula_ Convulsões e Choque

  • 1. Convulsão e Choque Prof: Enf. Gabriel Jefferson Caicó, 2014.
  • 2. Epilepsia • Epilepsia: distúrbio neurológico crônico caracterizado por crises convulsivas recorrentes • Convulsões: episódios limitados de disfunção cerebral em decorrência da descarga anormal de neurônios cerebrais • Cerca de 1% da população mundial sofre de epilepsia • A herança genética parece ter papel importante na epilepsia
  • 3. Crise epiléptica Convulsão “Nem toda convulsão é uma crise epiléptica, mas toda crise epiléptica é uma convulsão.” Convulsão: pode vir associado ou não a contrações musculares descoordenadas e involuntárias A ocorrência de duas ou mais crises não-provocadas chama-se epilepsia
  • 5. Causas de crises convulsivas agudas • Causas neurológicas: Infecções do SNC (meningoencefalite, abscesso) Encefalopatia hipertensiva Traumatismo cranioencefálico AVC (isquêmico ou hemorrágico) Neoplasias do SNC • Causas não-neurológicas (fatores precipitantes): Distúrbios metabólicos (eletrólitos, hiper ou hipoglicemia, hipóxia, insuficiência renal) Hipertermia/febre* Toxinas/drogas (cocaína, aminofilina/teofilina, antidepressivos)
  • 6. *Convulsão febril • Distúrbio convulsivo mais comum na infância • Cerca de 2 a 5% das crianças até cinco anos de idade sofrem pelo menos uma convulsão febril; • Normalmente não deixa sequelas • Generalizada e ocorre durante a rápida elevação da febre. sem evidência de doença neurológica aguda (tumor) ou infecção intracraniana (meningite)
  • 7. Fisiopatologia das crises convulsivas Crise convulsiva ocorre devido a excitação excessiva de neurônios. Liberação de excitatórios neurotransmissores predominantemente
  • 8. O glutamato é o principal neurotransmissor excitatório liberado em uma crise epiléptica – causa excitotoxicidade e lesão neuronal
  • 9. “A crise convulsiva ou crise epiléptica deve-se a um desequilíbrio entre os mecanismos de inibição e de excitação sináptica que atuam em uma dada população neuronal susceptível, levando a um estado de hiperexcitabilidade e hipersincronia”
  • 10. Classificação Crises parciais: i) crises parciais simples (local, focal) ii) crises parciais evoluindo para generalizadas (com perda de consciência) Crises generalizadas (com perda de consciência): i) Tônico-clônicas (grande mal) ii) Ausência (pequeno mal) iii) Tônicas iv) Clônicas e Mioclônicas v) Outras: atônicas, espasmos infantis
  • 11. Fase tônica: rigidez generalizada da musculatura Fase clônica: contração generalizada e brusca dos membros
  • 12. Atendimento/socorro à vítima • Atendimento de pronto-socorro ocorre com maior frequência: - crises convulsivas generalizadas - estado de mal-epiléptico
  • 13. Atendimento/socorro à vítima • • • • • • • • • • • • Medidas protetoras; Deitar a pessoa; Remover objetos (tanto da pessoa quanto do chão); Afrouxar roupas apertadas; Proteger a cabeça da pessoa com a mão, roupa, travesseiro; Lateralizar a cabeça para que a saliva escorra (broncoaspiração); Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel; Observar se a pessoa consegue respirar; Afastar os curiosos, dando espaço para a pessoa; Reduzir estimulação sensorial (diminuir luz, evitar barulho); Permitir que a pessoa descanse ou até mesmo durma após a crise; Procurar assistência médica.
  • 14.
  • 15. Atendimento/socorro à vítima • Informações importantes: • • • • Início da crise; Duração da crise; Eventos significativos anteriores à crise; Se há incontinência urinária ou fecal (eliminação de fezes ou urina nas roupas); • Como são as contrações musculares; • Forma de término da crise; • Nível de consciência após a crise.
  • 16. No pronto socorro • MOV (Monitorização, Oxigênio, Veia) • Vias Aéreas pérvias • Dextro • Drogas
  • 17. Fármacos • Fenobarbital (Gardenal®) • é o mais antigo dos fármacos anticonvulsivantes atualmente disponível • Indicações: crises parciais e tônico-clônicas generalizadas de difícil controle • fármaco de escolha no tratamento de crises convulsivas em lactentes • Produz ação sedativa
  • 18. Fármacos • Benzodiazepínicos Diazepam (Diazepam) • Atendimento de emergência • Crise de tônico-clônico generalizada e estado de mal-epiléptico • Via EV e retal Clonazepam (Rivotril) • Crises mioclônicas e espasmos infantis • Causa sedação intensa Clobazam (Frisium; Urbanil): • Vários tipos de crises • Menos efeito sedativo comparado aos outros BDZ
  • 19. Fatores limitantes dos BDZ • sedação intensa • crianças apresentam hiperatividade paradoxal • tolerância do efeito anticonvulsivante (aparece em poucos meses)
  • 22. • Do frances choc = parada • Condição grave que ocorre quando o fluxo de sangue é insuficiente no organismo. • Caracteriza-se por um estado de baixa perfusão tecidual, porém com adequado volume sanguíneo intravascular, devido à dificuldade na contração do músculo cardíaco
  • 23. Causas • Falha no mecanismo que bombeia o sangue (coração); • Problemas nos vasos sanguíneos (alteração na resistência da parede vascular); • Baixo nível de fluido no corpo (sangue ou líquidos corporais).
  • 24. Classificação • CHOQUE HIPOVOLÊMICO: líquidos extracelulares; perda de sangue, plasma ou • CHOQUE CARDIOGÊNICO: insuficiência miocárdica; • CHOQUE DISTRIBUTIVO: diminuição do tônus vascular. Dividido em: • Choque Neurogênico; • Choque Anafilático; • Choque Séptico. • CHOQUE OBSTRUTIVO: sanguíneo obstrução mecânica do fluxo
  • 25. Sintomas antes do choque • Inquietude, às vezes ansiedade e temor; • Náuseas, lipotímias; • Astenia e sede intensa.
  • 26. Sintomas gerais • • • • • • • • hipotensão taquicardia pulso fino e taquicárdico pele fria e pegajosa sudorese abundante Mucosas descoradas e secas palidez cianose • resfriamento das extremidades • hipotermia • respiração superficial, rápida e irregular • sede • náuseas e vômitos • alterações neurossensoriais.
  • 27. Choque Hipovolêmico • É o tipo mais comum • Causas • perda sanguínea secundária hemorragia (interna ou externa) e • perda de líquidos e eletrólitos
  • 28. Choque Hipovolêmico • Fisiopatologia: • • • • sistemas hematológico; sistema cardiovascular; sistema renal e sistema neuroendócrino.
  • 34. Choque Hipovolêmico Volume sangüíneo diminuído Retorno venoso diminuído Volume sistólico diminuído Débito cardíaco diminuído Perfusão tecidual diminuído
  • 35. CALÇAS MILITARES ANTI-CHOQUE • Usadas em situação de extrema emergência, quando o sangramento não pode ser controlado
  • 36. Choque Cardiogênico • Definição: • Etiologia: • * infarto do miocárdio; • * falência miocárdica aguda; • * arritmias; • * eletrocussão; • * miocardites; • * hipóxia; • * depressão dos centros nervosos; • * acidose; • * distúrbios eletrolíticos; • * intoxicações ou envenenamento.
  • 38. Choque Cardiogênico • Manifestações clínicas: • * hipotensão arterial; • * queda rápida e acentuada do índice cardíaco; • * oligúria; • * sinais de estimulação simpatomimética; • * taquisfigmia; • * hiperpnéia; • * alteração no nível de consciência; • * dor anginosa e arritmias.
  • 40. Choque Cardiogênico • Tratamento: vai depender do agente etiológico. • * deficiência aguda do enchimento e esvaziamento cardíaco, por obstrução mecânica: cirúrgico; • * comprometimento miocárdico: monitorização hemodinâmica e uso de drogas.
  • 44.
  • 45. Choque Cardiogênico • Utiliza-se ainda: • Sedação; • Oxigênio; • Reposição de volume; • Correção das alterações hemodinâmicas, através do uso de: dopamina, dobutamina, associação de drogas inotrópicas e vasodilatadoras, agentes fibrinolíticos,bicarbonato de sódio, heparina, isoproterenol, adrenalina, amrinona; • Balão intra-aórtico.
  • 49. Vasodilatação Má distribuição do volume sangüíneo Retorno venoso diminuído Volume sistólico diminuído Débito cardíaco diminuído Perfusão tecidual diminuído
  • 50. Choque Anafilático • Definição: é uma reação alérgica, de hipersensibilidade imediata e severa, que afeta o corpo todo • Causas: • * alimentos e aditivos alimentares; • * picadas e mordidas de insetos; • * agentes usados na imunoterapia; • * drogas como a penicilina; • * drogas usadas como anestésicos locais (benzocaína e lidocaína); • * vacinas como o soro antitetânico; • * poeiras e substâncias presentes no ar (casos raros).
  • 52. Choque Anafilático • Fisiopatologia: • Manifestações clínicas: • sensação de desmaio; • pulso rápido; • dificuldade respiratória; • náuseas e vômito; • dor de estômago;
  • 53. Choque Anafilático • Manifestações clínicas: • inchaço nos lábios, língua ou garganta (edema de glote); • urticária; • pele pálida, fria e úmida; • tonteira, confusão mental e perda da consciência; • pode haver parada cardíaca.
  • 54. Choque Anafilático • Tratamento: emergencial • * Adrenalina; • * Anti-histamínico; • * Corticóide Em casos de paradas cardíaca e respiratória : RCP Caso necessário: intubação endotraqueal Garantir acesso venoso
  • 55. Para pesquisar... • Choque séptico • Choque obstrutivo • Choque neurogênico
  • 56. Porque melhor é a sabedoria do que os rubis; e tudo o que mais se deseja não se pode comparar com ela. Provérbios 8:11