SlideShare uma empresa Scribd logo
Rodrigo Biondi
 Anestesiologia (SBA)
Terapia Intensiva (AMIB)



                           Outubro
                            2008
Importância
•   Doença coronariana: 1. causa
•   FV: ritmo mais comum
•   Atendimento precoce = sobrevivência
•   Recuperação de 20% dos pacientes
•   Eventos pré-anunciados



                                          Outubro
                                           2008
Outubro
 2008
www.americanheart.org




                        Outubro
                         2008
www.erc.edu




              Outubro
               2008
Desfibrilação
s/ RCP
DEA retardado                                            DESFIBRILAÇÃO    0-2%
                                                                          sobrevida


RCP precoce RCP
DEA retardado                                            DESFIBRILAÇÃO    2-8%
                                                                          sobrevida


RCP precoce     RCP                   DESFIBRILAÇÃO
DEA precoce                                                              20%
                                                                         sobrevida


RCP precoce
                      DESFIBRILAÇÃO               SAVC
DEA precoce     RCP
SACV precoce
                                                                         30%
                                                                         sobrevida




                                                                   Outubro
                                                                    2008
Outubro
 2008
Outubro
 2008
Outubro
 2008
Caso Clínico
PACIENTE ♂, NA 6a DÉCADA, É TRAZIDO À SALA EMERGÊNCIA PELOS
FAMILIARES. APRESENTA-SE ACROCIANÓTICO E QUEIXA-SE DE DOR
TORÁCICA DE FORTE INTENSIDADE (EF= 3) COM AGRAVAMENTO NAS
NAS ÚLTIMAS 2HS.

        Veia no Antebraço, Monitor, O2




                                                      Outubro
                                                       2008
Caso Clínico
EVOLUI, COM PARADA DE MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS SEGUIDA DE
CRISE TÔNICO-CLÔNICA GENERALIZADA.
 PRÓXIMA AÇÃO :..........................................................................................
CHECAR RESPONSIVIDADE.



PRÓXIMA AÇÃO :..........................................................................................

                                                                              INICIAR ABCD
PEDIR AJUDA
                                                                                 Primário




                                                                                                 Outubro
                                                                                                  2008
Caso Clínico
PACIENTE SENDO SUBMETIDO À MANOBRAS DE RCP QUANDO ENTÃO
CHEGAM COM CARRINHO DE PARADA. ATÉ AGORA O PACIENTE ESTÁ
MORTO. MORTINHO.




PRÓXIMA AÇÃO :..........................................................................................




                                                                                                 Outubro
                                                                                                  2008
Caso Clínico




PRÓXIMA AÇÃO :..........................................................................................


                                                                                   INICIAR 5 CICLOS
                                                                                   DE RCP(+/- 2 min)

DEPOIS :........................................................................................................
CHECAR PULSO CAROTÍDEO.

                                                                                                        Outubro
                                                                                                         2008
Corrente da Sobrevivência




    PEDIR              DESFIBRILAÇÃO
    AJUDA                PRECOCE

             SUPORTE                    SUPORTE
              BÁSICO                   AVANÇADO


                                              Outubro
                                               2008
Ações Iniciais
 PEDIR AJUDA PRIMEIRO
 (CALL FIRST)

 PEDIR AJUDA RÁPIDO
 (CALL FAST)

       TRAUMA

       AFOGAMENTO

       INTOXICAÇÕES

       CRIANÇAS




                        Outubro
                         2008
Outubro
 2008
Suporte Básico de Vida


     (AIRWAY)          PERMEABILIDADE DE VIAS AÉREAS




     (BREATHING)       VENTILAÇÃO E RESPIRAÇÃO




     (CIRCULATION)     CIRCULAÇÃO E/OU MASSAGEM




     (DEFIBRILATION)   DESFIBRILAÇÃO

                                                   Outubro
                                                    2008
Vias Aéreas
COMO AVALIAR ?




  VER, OUVIR, SENTIR

  10 seg

  SE NÃO RESPIRA ?




                       Outubro
                        2008
Vias Aéreas
QUEDA DE LÍNGUA É A

PRINCIPAL CAUSA DE

OBSTRUÇÃO DE VAS EM

VÍTIMAS INCONSCIENTES




                        Outubro
                         2008
Vias Aéreas
DESOBSTRUÇÃO DAS
VIAS AÉREAS


  INCLINAÇÃO DA CABEÇA


  ELEVAÇÃO DO QUEIXO




                         Outubro
                          2008
Respiração
RESPIRAÇÃO DE RESGATE




  FECHAR NARINA E APLICAR
  A BOCA NA BOCA DA VÍTIMA.
  EFETUAR2 RESPIRAÇÕES
  COMPLETAS, ∆T 1.0 seg.

  OBSERVAR EXPANSIBILIDADE
  TORÁCICA.


  REPETIR   1 RESPIRAÇÃO A CADA 5-6 seg.
                                           Outubro
                                            2008
Respiração




             Outubro
              2008
Circulação
A AUSÊNCIA DO PULSO
CAROTÍDEO É O SINAL
PRINCIPAL DE PCR NO
ADULTO.
  TOCAR A CARTILAGEM
  TIREÓIDE(pomo de Adão)

           E

   ESCORREGAR O DEDO
   ATÉ O SULCO DO ECOM.


HÁ VALOR NISSO ?



                           Outubro
                            2008
Circulação
NÃO TENHO CERTEZA
QUANTO À PRESENÇA
DO PULSO.
                                 RESPIRAÇÃO
O QUE FAZER ?                    ESPONTÂNEA

  AVALIAR SINAIS INDIRETOS       TOSSE
  DA PRESENÇA DA CIRCULAÇÃO.
                                 MOVIMENTOS
                                 VOLUNTÁRIOS


    NA AUSÊNCIA/DÚVIDA DO PULSO OU DESTES SINAIS
 INICIAR MASSAGEM CARDÍACA EXTERNA

                                                   Outubro
                                                    2008
Circulação
 COMPRESSÕES
 TORÁCICAS (MCE)

 AONDE ? COMO ?




                   Outubro
                    2008
Circulação
COMPRESSÕES
TORÁCICAS (MCE)

PALPAR O REBORDO
COSTAL ATÉ ALTURA
DO ÂNGULO COSTAL




                    Outubro
                     2008
Circulação
COMPRESSÕES
TORÁCICAS (MCE)

2 DEDOS ACIMA DO
ÂNGULO
COSTAL
OU, EM
HOMENS,
NA ALTURA
DA LINHA
INTERMAMILAR




                   Outubro
                    2008
Circulação


             30:2   30:2




                     Outubro
                      2008
Se......
 EXISTIR RISCO DE
 CONTAMINAÇÃO

SE O TEMPO DE CHEGADA DO
DESFIBRILADOR FOR > 4-5 MIN

VOCE NÃO PUDER/QUISER
OU SOUBER FAZER VENTILAÇÃO



 NÃO DEIXE DE REALIZAR AS
 COMPRESSÕES EXTERNAS, SEM
 INTERRUPÇÃO, MANTENDO PÉRVEA
 A VIA AÉREA SUPERIOR POR 5 CICLOS



                                     Outubro
                                      2008
Desfibrilação




                Outubro
                 2008
Desfibrilação
s/ RCP
DEA retardado                                            DESFIBRILAÇÃO    0-2%
                                                                          sobrevida


RCP precoce RCP
DEA retardado                                            DESFIBRILAÇÃO    2-8%
                                                                          sobrevida


RCP precoce     RCP                   DESFIBRILAÇÃO
DEA precoce                                                              20%
                                                                         sobrevida


RCP precoce
                      DESFIBRILAÇÃO               SAVC
DEA precoce     RCP
SACV precoce
                                                                         30%
                                                                         sobrevida




                                                                   Outubro
                                                                    2008
Desfibrilação




                Outubro
                 2008
Desfibrilação
ONDA BIFÁSICA ?

      COMPENSAÇÃO DE
      IMPEDÂNCIA
      BAIXA ENERGIA
      BAIXA CAPACITÂNCIA
      MENOR ÍNDICE DE
      COMPLICAÇÕES
      MAIOR ÍNDICE DE
      SUCESSO




                           Outubro
                            2008
Desfibrilação



                COMO?
          • 1 CHOQUE
 • CARGA MÁXIMA DO APARELHO
   CARGA:
 • INTERVALO A CADA 2 MINUTOS
   INTERVALO:



                                Outubro
                                 2008
Desfibrilação
SEGURANÇA EM
PRIMEIRO LUGAR

      VOU CHOCAR NO TRÊS
      UM, EU TÔ FORA.....
      (e olha para você)

      DOIS, VOCÊ FORA....
      (olha para quem ventila)

      TRÊS, TODOS FORA.
      (olha à sua volta)




                                 Outubro
                                  2008
D   - Desfibrilação




                            PCR



                      RITMOS CARDÍACOS




           CHOCÁVEIS                NÃO CHOCÁVEIS




                                                    Outubro
                                                     2008
D
                              PCR
    - Desfibrilação

                        RITMOS CARDÍACOS




                           CHOCÁVEIS




                           FIBRILAÇÃO
                          VENTRICULAR
                      TAQUIVENTRICULAR SEM
                             PULSO


                                             Outubro
                                              2008
Outubro
 2008
Outubro
 2008
D   - Desfibrilação




                      Outubro
                       2008
D   - Desfibrilação




                      Outubro
                       2008
D   - Desfibrilação




                      Outubro
                       2008
Sequência de Atendimento
                                  Inconsciente
Determinar nível de consciência                       Pedir Ajuda




       Abrir Via Aérea



                              Sem resposta
      Ver, ouvir, sentir                         Ventilações de Resgate




                                  Sem Pulso
        Checar Pulso                               Compressões



                                                                  Outubro
                                                                   2008
Outubro
 2008
Suporte Avançado de Vida


     (AIRWAY)          MANUSEIO AVANÇADO DE VAS
                       TOT, COMBITUBE®, LMA®


     (BREATHING)       CHECAGEM, FIXAÇÃO, OXIGENAÇÃO
                       DOS DISPOSITIVOS DE VAS



     (CIRCULATION)     MASSAGEM E USO DE DROGAS




     (DEFIBRILATION)   DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL

                                                  Outubro
                                                   2008
Vias Aéreas
SEMPRE PRÉ-OXIGENAR




                      Outubro
                       2008
Respiração
CHECAGEM DA POSIÇÃO

     VISUALIZAÇÃO DA PASSAGEM

      AUSCULTA EM 5 PONTOS (CONFIRMAÇÃO PRIMÁRIA)

      DISPOSITIVO DE ASPIRAÇÃO (CONFIRMAÇÃO PRIMÁRIA)

     CAPNOMETRIA/CAPNOGRAFIA (CONFIRMAÇÃO PRIMÁRIA)

     FIXAÇÃO DO TOT

     OXIGENAÇÃO




                                                    Outubro
                                                     2008
Respiração
CHECAGEM DA POSIÇÃO
     FIXAÇÃO DO TUBO




                       Outubro
                        2008
Respiração




             Crit Care Med 2004 Vol. 32, No. 9 (Suppl.)




                                            Outubro
                                             2008
Circulação
SEQÜÊNCIA DE DROGAS


      VIAS DE ADMINISTRAÇÃO     EV
                                IO
                                ET


      FORMAS DE ADMINISTRAÇÃO



      TIPOS DE DROGAS           VASOPRESSOR
                                ANTIARRÍTMICO



                                                Outubro
                                                 2008
Circulação
SEQÜÊNCIA DE DROGAS

              ADRENALINA
             VASOPRESSINA
                             LIDOCAÍNA
                            AMIODARONA
              ADRENALINA
                            AMIODARONA
                             LIDOCAÍNA
              ADRENALINA
                             LIDOCAÍNA
                              BRETÍLIO
              ADRENALINA
                             LIDOCAÍNA
                              BRETÍLIO
              ADRENALINA
                            PROCAINAMIDA
                              BRETÍLIO
              ADRENALINA
                            PROCAINAMIDA
              ADRENALINA



                                           Outubro
                                            2008
Diagnóstico
HISTÓRIA CLÍNICA

EXAME FÍSICO

ELETROCARDIOGRAMA

EXAMES COMPLEMENTARES



            ONDE É QUE EU TÔ ?




                                 Outubro
                                  2008
Outubro
 2008
Sequência de Atendimento dos Ritmos:




                   Checar Ritmo          Adrenalina   Checar Ritmo           Antiarritmico   Checar Ritmo


2 minutos ou 100/min               2 minutos ou 100/min                  2 minutos ou 100/min


Compressão                         Compressão                           Compressão

      Adrenalina    Checar Ritmo         Antiarritmico Checar Ritmo             Adrenalina    Checar Ritmo



2 minutos ou 100/min                 2 minutos ou 100/min                 2 minutos ou 100/min


Compressão                          Compressão                          Compressão



        Compressão enquanto                                           Desfibrilação 200J Bifásico ou
        carrega o desfibrilador                                       360 J Monofásico
Diagnóstico




              Outubro
               2008
Diagnóstico

         SEM TJ        COM TJ
    HIPÓXIA        TENSÃO TÓRAX
    HIPOVOLEMIA    TENSÃO PERICÁRDIO
    H+ (ACIDOSE)   TROMBO CORONÁRIA
    HIPOTERMIA     TROMBO PULMONAR
    HIPO/HIPERK+   TABLETES

                                       Outubro
                                        2008
Pós-PCR
Retorno do Ritmo




                   Outubro
                    2008
DÚVIDAS?




           Outubro
            2008
O
B
R
I
G
A
D
O
    Outubro
     2008

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Cricotireoidostomia
CricotireoidostomiaCricotireoidostomia
Cricotireoidostomia
Diego Albuquerque
 
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada CardiorespiratóriaCuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Daniel Valente
 
Cap 08 vias-aereas
Cap 08 vias-aereasCap 08 vias-aereas
Cap 08 vias-aereas
Prof Silvio Rosa
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
emanuel
 
Atribuicoes Da Equipe De Enfermagem
Atribuicoes Da Equipe De EnfermagemAtribuicoes Da Equipe De Enfermagem
Atribuicoes Da Equipe De Enfermagem
universidade estadual de roraima
 
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Marina Sousa
 
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
resenfe2013
 
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Unichristus Centro Universitário
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Antonio Souto
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
Rodrigo Biondi
 
caso clínico
caso clínicocaso clínico
caso clínico
Ludimila Vasconcelos
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
resenfe2013
 
RCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto Parada
RCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto ParadaRCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto Parada
RCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto Parada
Universidad Austral de Chile - Sede Puerto Montt
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Waslan Oliveira
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
Luis Caetano
 
BASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVA
BASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVABASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVA
BASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVA
Anvita Bhargava
 

Destaque (16)

Cricotireoidostomia
CricotireoidostomiaCricotireoidostomia
Cricotireoidostomia
 
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada CardiorespiratóriaCuidados Pós Parada Cardiorespiratória
Cuidados Pós Parada Cardiorespiratória
 
Cap 08 vias-aereas
Cap 08 vias-aereasCap 08 vias-aereas
Cap 08 vias-aereas
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Atribuicoes Da Equipe De Enfermagem
Atribuicoes Da Equipe De EnfermagemAtribuicoes Da Equipe De Enfermagem
Atribuicoes Da Equipe De Enfermagem
 
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
Supoerte Básico de Vida - Basic Life Suporte (BLS)
 
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
Estudo de caso: Assistência de Enfermagem ao paciente com síndrome de wolff-P...
 
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagemInfeccao hospitalar   prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
Infeccao hospitalar prevencao e controle pelo profissional de enfermagem
 
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
Reanimação cardiopulmonar avançada 2015
 
Aula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTIAula CCIH/CTI
Aula CCIH/CTI
 
caso clínico
caso clínicocaso clínico
caso clínico
 
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de casoAssistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
Assistência de enfermagem ao paciente com IAM com SST: estudo de caso
 
RCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto Parada
RCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto ParadaRCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto Parada
RCP - Reanimación cardiopulmonar Básica. Prof. Paula Soto Parada
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Suporte Básico de Vida
Suporte Básico de VidaSuporte Básico de Vida
Suporte Básico de Vida
 
BASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVA
BASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVABASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVA
BASIC LIFE SUPPORT - DR. ANVITA BHARGAVA
 

Semelhante a Pcr Academicos 2009

Aula do DEA Silvio
Aula do DEA SilvioAula do DEA Silvio
Aula do DEA Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
Felipe Mago
 
E Nf. 03
E Nf. 03E Nf. 03
E Nf. 03
julianafel
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
LarcioFerreiraSilva
 
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
RafaelaAraujo53
 
RCP
RCPRCP
rcp.pdf
rcp.pdfrcp.pdf
rcp.pdf
ThyagoSouza17
 

Semelhante a Pcr Academicos 2009 (7)

Aula do DEA Silvio
Aula do DEA SilvioAula do DEA Silvio
Aula do DEA Silvio
 
Sbv rcp e de
Sbv   rcp  e deSbv   rcp  e de
Sbv rcp e de
 
E Nf. 03
E Nf. 03E Nf. 03
E Nf. 03
 
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.pptaula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
aula suporte basico 16 - ADULTO.ppt
 
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCPSUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
SUPORTE BASICO DE VIDA - RCP
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
rcp.pdf
rcp.pdfrcp.pdf
rcp.pdf
 

Mais de Rodrigo Biondi

Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na UtiReposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Rodrigo Biondi
 
SedaçãO Em Cti
SedaçãO Em CtiSedaçãO Em Cti
SedaçãO Em Cti
Rodrigo Biondi
 
Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009
Rodrigo Biondi
 
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãOSepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Rodrigo Biondi
 
SíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental AbdominalSíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental Abdominal
Rodrigo Biondi
 
MonitorizaçãO Neuro
MonitorizaçãO NeuroMonitorizaçãO Neuro
MonitorizaçãO Neuro
Rodrigo Biondi
 
Manejo Da Via Aérea
Manejo Da Via AéreaManejo Da Via Aérea
Manejo Da Via Aérea
Rodrigo Biondi
 
Insuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática AgudaInsuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática Aguda
Rodrigo Biondi
 
Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2
Rodrigo Biondi
 
Embolia Pulmonar
Embolia PulmonarEmbolia Pulmonar
Embolia Pulmonar
Rodrigo Biondi
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs Neuromusculares
Rodrigo Biondi
 
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiControle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Rodrigo Biondi
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Rodrigo Biondi
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
Rodrigo Biondi
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoSuporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Rodrigo Biondi
 

Mais de Rodrigo Biondi (16)

Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na UtiReposicao Volemica  E Drogas Vasoativas Na Uti
Reposicao Volemica E Drogas Vasoativas Na Uti
 
SedaçãO Em Cti
SedaçãO Em CtiSedaçãO Em Cti
SedaçãO Em Cti
 
Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009Sepse Academicos 2009
Sepse Academicos 2009
 
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãOSepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
Sepse E DisfunçãO Aguda De óRgãO
 
SíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental AbdominalSíNdrome Compartimental Abdominal
SíNdrome Compartimental Abdominal
 
MonitorizaçãO Neuro
MonitorizaçãO NeuroMonitorizaçãO Neuro
MonitorizaçãO Neuro
 
Manejo Da Via Aérea
Manejo Da Via AéreaManejo Da Via Aérea
Manejo Da Via Aérea
 
Insuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática AgudaInsuficiência Hepática Aguda
Insuficiência Hepática Aguda
 
Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2Hemorragia Digestiva 2
Hemorragia Digestiva 2
 
Embolia Pulmonar
Embolia PulmonarEmbolia Pulmonar
Embolia Pulmonar
 
DoençAs Neuromusculares
DoençAs NeuromuscularesDoençAs Neuromusculares
DoençAs Neuromusculares
 
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na TiControle GlicêMico Estrito Na Ti
Controle GlicêMico Estrito Na Ti
 
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma HiperosmolarCetoacidose E Coma Hiperosmolar
Cetoacidose E Coma Hiperosmolar
 
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos DialíticosIRenal Aguda e Métodos Dialíticos
IRenal Aguda e Métodos Dialíticos
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTicoSuporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
Suporte Enteral E Parenteral No Doente CríTico
 

Pcr Academicos 2009

  • 1. Rodrigo Biondi Anestesiologia (SBA) Terapia Intensiva (AMIB) Outubro 2008
  • 2. Importância • Doença coronariana: 1. causa • FV: ritmo mais comum • Atendimento precoce = sobrevivência • Recuperação de 20% dos pacientes • Eventos pré-anunciados Outubro 2008
  • 4. www.americanheart.org Outubro 2008
  • 5. www.erc.edu Outubro 2008
  • 6. Desfibrilação s/ RCP DEA retardado DESFIBRILAÇÃO 0-2% sobrevida RCP precoce RCP DEA retardado DESFIBRILAÇÃO 2-8% sobrevida RCP precoce RCP DESFIBRILAÇÃO DEA precoce 20% sobrevida RCP precoce DESFIBRILAÇÃO SAVC DEA precoce RCP SACV precoce 30% sobrevida Outubro 2008
  • 10. Caso Clínico PACIENTE ♂, NA 6a DÉCADA, É TRAZIDO À SALA EMERGÊNCIA PELOS FAMILIARES. APRESENTA-SE ACROCIANÓTICO E QUEIXA-SE DE DOR TORÁCICA DE FORTE INTENSIDADE (EF= 3) COM AGRAVAMENTO NAS NAS ÚLTIMAS 2HS. Veia no Antebraço, Monitor, O2 Outubro 2008
  • 11. Caso Clínico EVOLUI, COM PARADA DE MOVIMENTOS RESPIRATÓRIOS SEGUIDA DE CRISE TÔNICO-CLÔNICA GENERALIZADA. PRÓXIMA AÇÃO :.......................................................................................... CHECAR RESPONSIVIDADE. PRÓXIMA AÇÃO :.......................................................................................... INICIAR ABCD PEDIR AJUDA Primário Outubro 2008
  • 12. Caso Clínico PACIENTE SENDO SUBMETIDO À MANOBRAS DE RCP QUANDO ENTÃO CHEGAM COM CARRINHO DE PARADA. ATÉ AGORA O PACIENTE ESTÁ MORTO. MORTINHO. PRÓXIMA AÇÃO :.......................................................................................... Outubro 2008
  • 13. Caso Clínico PRÓXIMA AÇÃO :.......................................................................................... INICIAR 5 CICLOS DE RCP(+/- 2 min) DEPOIS :........................................................................................................ CHECAR PULSO CAROTÍDEO. Outubro 2008
  • 14. Corrente da Sobrevivência PEDIR DESFIBRILAÇÃO AJUDA PRECOCE SUPORTE SUPORTE BÁSICO AVANÇADO Outubro 2008
  • 15. Ações Iniciais PEDIR AJUDA PRIMEIRO (CALL FIRST) PEDIR AJUDA RÁPIDO (CALL FAST) TRAUMA AFOGAMENTO INTOXICAÇÕES CRIANÇAS Outubro 2008
  • 17. Suporte Básico de Vida (AIRWAY) PERMEABILIDADE DE VIAS AÉREAS (BREATHING) VENTILAÇÃO E RESPIRAÇÃO (CIRCULATION) CIRCULAÇÃO E/OU MASSAGEM (DEFIBRILATION) DESFIBRILAÇÃO Outubro 2008
  • 18. Vias Aéreas COMO AVALIAR ? VER, OUVIR, SENTIR 10 seg SE NÃO RESPIRA ? Outubro 2008
  • 19. Vias Aéreas QUEDA DE LÍNGUA É A PRINCIPAL CAUSA DE OBSTRUÇÃO DE VAS EM VÍTIMAS INCONSCIENTES Outubro 2008
  • 20. Vias Aéreas DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS INCLINAÇÃO DA CABEÇA ELEVAÇÃO DO QUEIXO Outubro 2008
  • 21. Respiração RESPIRAÇÃO DE RESGATE FECHAR NARINA E APLICAR A BOCA NA BOCA DA VÍTIMA. EFETUAR2 RESPIRAÇÕES COMPLETAS, ∆T 1.0 seg. OBSERVAR EXPANSIBILIDADE TORÁCICA. REPETIR 1 RESPIRAÇÃO A CADA 5-6 seg. Outubro 2008
  • 22. Respiração Outubro 2008
  • 23. Circulação A AUSÊNCIA DO PULSO CAROTÍDEO É O SINAL PRINCIPAL DE PCR NO ADULTO. TOCAR A CARTILAGEM TIREÓIDE(pomo de Adão) E ESCORREGAR O DEDO ATÉ O SULCO DO ECOM. HÁ VALOR NISSO ? Outubro 2008
  • 24. Circulação NÃO TENHO CERTEZA QUANTO À PRESENÇA DO PULSO. RESPIRAÇÃO O QUE FAZER ? ESPONTÂNEA AVALIAR SINAIS INDIRETOS TOSSE DA PRESENÇA DA CIRCULAÇÃO. MOVIMENTOS VOLUNTÁRIOS NA AUSÊNCIA/DÚVIDA DO PULSO OU DESTES SINAIS INICIAR MASSAGEM CARDÍACA EXTERNA Outubro 2008
  • 25. Circulação COMPRESSÕES TORÁCICAS (MCE) AONDE ? COMO ? Outubro 2008
  • 26. Circulação COMPRESSÕES TORÁCICAS (MCE) PALPAR O REBORDO COSTAL ATÉ ALTURA DO ÂNGULO COSTAL Outubro 2008
  • 27. Circulação COMPRESSÕES TORÁCICAS (MCE) 2 DEDOS ACIMA DO ÂNGULO COSTAL OU, EM HOMENS, NA ALTURA DA LINHA INTERMAMILAR Outubro 2008
  • 28. Circulação 30:2 30:2 Outubro 2008
  • 29. Se...... EXISTIR RISCO DE CONTAMINAÇÃO SE O TEMPO DE CHEGADA DO DESFIBRILADOR FOR > 4-5 MIN VOCE NÃO PUDER/QUISER OU SOUBER FAZER VENTILAÇÃO NÃO DEIXE DE REALIZAR AS COMPRESSÕES EXTERNAS, SEM INTERRUPÇÃO, MANTENDO PÉRVEA A VIA AÉREA SUPERIOR POR 5 CICLOS Outubro 2008
  • 30. Desfibrilação Outubro 2008
  • 31. Desfibrilação s/ RCP DEA retardado DESFIBRILAÇÃO 0-2% sobrevida RCP precoce RCP DEA retardado DESFIBRILAÇÃO 2-8% sobrevida RCP precoce RCP DESFIBRILAÇÃO DEA precoce 20% sobrevida RCP precoce DESFIBRILAÇÃO SAVC DEA precoce RCP SACV precoce 30% sobrevida Outubro 2008
  • 32. Desfibrilação Outubro 2008
  • 33. Desfibrilação ONDA BIFÁSICA ? COMPENSAÇÃO DE IMPEDÂNCIA BAIXA ENERGIA BAIXA CAPACITÂNCIA MENOR ÍNDICE DE COMPLICAÇÕES MAIOR ÍNDICE DE SUCESSO Outubro 2008
  • 34. Desfibrilação COMO? • 1 CHOQUE • CARGA MÁXIMA DO APARELHO CARGA: • INTERVALO A CADA 2 MINUTOS INTERVALO: Outubro 2008
  • 35. Desfibrilação SEGURANÇA EM PRIMEIRO LUGAR VOU CHOCAR NO TRÊS UM, EU TÔ FORA..... (e olha para você) DOIS, VOCÊ FORA.... (olha para quem ventila) TRÊS, TODOS FORA. (olha à sua volta) Outubro 2008
  • 36. D - Desfibrilação PCR RITMOS CARDÍACOS CHOCÁVEIS NÃO CHOCÁVEIS Outubro 2008
  • 37. D PCR - Desfibrilação RITMOS CARDÍACOS CHOCÁVEIS FIBRILAÇÃO VENTRICULAR TAQUIVENTRICULAR SEM PULSO Outubro 2008
  • 40. D - Desfibrilação Outubro 2008
  • 41. D - Desfibrilação Outubro 2008
  • 42. D - Desfibrilação Outubro 2008
  • 43. Sequência de Atendimento Inconsciente Determinar nível de consciência Pedir Ajuda Abrir Via Aérea Sem resposta Ver, ouvir, sentir Ventilações de Resgate Sem Pulso Checar Pulso Compressões Outubro 2008
  • 45. Suporte Avançado de Vida (AIRWAY) MANUSEIO AVANÇADO DE VAS TOT, COMBITUBE®, LMA® (BREATHING) CHECAGEM, FIXAÇÃO, OXIGENAÇÃO DOS DISPOSITIVOS DE VAS (CIRCULATION) MASSAGEM E USO DE DROGAS (DEFIBRILATION) DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Outubro 2008
  • 47. Respiração CHECAGEM DA POSIÇÃO VISUALIZAÇÃO DA PASSAGEM AUSCULTA EM 5 PONTOS (CONFIRMAÇÃO PRIMÁRIA) DISPOSITIVO DE ASPIRAÇÃO (CONFIRMAÇÃO PRIMÁRIA) CAPNOMETRIA/CAPNOGRAFIA (CONFIRMAÇÃO PRIMÁRIA) FIXAÇÃO DO TOT OXIGENAÇÃO Outubro 2008
  • 48. Respiração CHECAGEM DA POSIÇÃO FIXAÇÃO DO TUBO Outubro 2008
  • 49. Respiração Crit Care Med 2004 Vol. 32, No. 9 (Suppl.) Outubro 2008
  • 50. Circulação SEQÜÊNCIA DE DROGAS VIAS DE ADMINISTRAÇÃO EV IO ET FORMAS DE ADMINISTRAÇÃO TIPOS DE DROGAS VASOPRESSOR ANTIARRÍTMICO Outubro 2008
  • 51. Circulação SEQÜÊNCIA DE DROGAS ADRENALINA VASOPRESSINA LIDOCAÍNA AMIODARONA ADRENALINA AMIODARONA LIDOCAÍNA ADRENALINA LIDOCAÍNA BRETÍLIO ADRENALINA LIDOCAÍNA BRETÍLIO ADRENALINA PROCAINAMIDA BRETÍLIO ADRENALINA PROCAINAMIDA ADRENALINA Outubro 2008
  • 52. Diagnóstico HISTÓRIA CLÍNICA EXAME FÍSICO ELETROCARDIOGRAMA EXAMES COMPLEMENTARES ONDE É QUE EU TÔ ? Outubro 2008
  • 54. Sequência de Atendimento dos Ritmos: Checar Ritmo Adrenalina Checar Ritmo Antiarritmico Checar Ritmo 2 minutos ou 100/min 2 minutos ou 100/min 2 minutos ou 100/min Compressão Compressão Compressão Adrenalina Checar Ritmo Antiarritmico Checar Ritmo Adrenalina Checar Ritmo 2 minutos ou 100/min 2 minutos ou 100/min 2 minutos ou 100/min Compressão Compressão Compressão Compressão enquanto Desfibrilação 200J Bifásico ou carrega o desfibrilador 360 J Monofásico
  • 55. Diagnóstico Outubro 2008
  • 56. Diagnóstico SEM TJ COM TJ HIPÓXIA TENSÃO TÓRAX HIPOVOLEMIA TENSÃO PERICÁRDIO H+ (ACIDOSE) TROMBO CORONÁRIA HIPOTERMIA TROMBO PULMONAR HIPO/HIPERK+ TABLETES Outubro 2008
  • 58. DÚVIDAS? Outubro 2008
  • 59. O B R I G A D O Outubro 2008