INOVAÇÃO EM MODELOS
DE NEGÓCIOS
CRIANDO NOVAS
PROPOSTAS DE VALOR
USANDO O DESIGN THINKING
O QUE VEREMOS HOJE
COMO UTILIZAR A ABORDAGEM DO
DESIGN THINKING (A FORMA DE PENSAR
E ALGUMAS FERRAMENTAS) PARA CRIAR
UM NO...
O QUE VEREMOS HOJE
•	CONCEITO DE DESIGN THINKING
•	CONCEITO DE MODELO DE NEGÓCIO
•	FERRAMENTAS DO DESIGN THINKING
•	COMO O...
MBA Estratégia Empresarial
(Business School São Paulo)
Bacharel Design de Produto
(Universidade Federal do Paraná)
Design ...
CONSULTORIA
EM TECNOLOGIA
INTEGRADORA
MOBILE
CONSULTORIA
DE INOVAÇÃO
QUEM SOMOS
COMO FAZEMOS
CONSULTORIA
DE INOVAÇÃO
GAMIFICAÇÃO DESIGN
THINKING
DESIGN THINKING
DESIGN
DESIGN
DESIGN
NECESSIDADES DO USUÁRIO
•	Público-alvo
•	Dimensões
•	Situações de uso
DESIGN
VALOR PARA O NEGÓCIO
•	Valor agregado
•	Ciclo de vida do produto
•	Embalagem
NECESSIDADES DO USUÁRIO
•	Público-alvo...
DESIGN
VIABILIDADE DE EXECUÇÃO
•	Materiais
•	Processos de fabricação
VALOR PARA O NEGÓCIO
•	Valor agregado
•	Ciclo de vida...
office
VIABILIDADE DE EXECUÇÃO
•	Presencial ou digital
•	Questões legais
•	Tecnologias empregadas
VALOR PARA O NEGÓCIO
•	P...
EMPATIA
para o entendimento do
problema
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
CRIATIVIDADE
para a geração de ideias
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
IDEAÇÃO
para a geração de ideias
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
IDEAÇÃO
para a geração de ideias
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
RACIONALIDADE
par...
IDEAÇÃO
para a geração de ideias
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
PROTOTIPAÇÃO
para...
IDEAÇÃO
para a geração de ideias
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
PROTOTIPAÇÃO
para...
IDEAÇÃO
para a geração de ideias
IMERSÃO
para o entendimento do
problema
COMO PENSAR DE
FORMA SISTÊMICA?
PROTOTIPAÇÃO
para...
MODELO DE
NEGÓCIO
www.businessmodelgeneration.com
MODELO DE NEGÓCIO
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
APLICAÇÃO DE
DESIGN THINKING
A UM MODELO
DE NEGÓCIO
CONCORRÊNCIA E
PÚBLICO-ALVO:
IMERSÃO
POR QUÊ ESTUDAR
CONCORRENTES?
Validação da originalidade da ideia
Observar os aprendizados acumulados
Encontrar oportunida...
Como estudá-los?
Cliente oculto Sombra Curva de valor
POR QUÊ ESTUDAR
CONCORRENTES?
Validação da originalidade da ideia
Ob...
CURVA DE VALOR
BODYSHOP
PÚBLICO-ALVO
“Tive uma boa ideia”
PÚBLICO-ALVO
RESISTÊNCIA
“Tive uma boa ideia”
“Não tenho esse tempo”
PÚBLICO-ALVO
RESISTÊNCIA
“Tive uma boa ideia”
“Não tenho esse tempo”
“Já conhecemos
nosso cliente”
PÚBLICO-ALVO
RESISTÊNCIA
“Tive uma boa ideia”
“Não tenho esse tempo”
“Já conhecemos
nosso cliente”
PÚBLICO-ALVO
1. Validação da Ideia
OBJETIVOS
RES...
PÚBLICO-ALVO
1. Validação da Ideia
2. Necessidade de criação
OBJETIVOS
RESISTÊNCIA
“Tive uma boa ideia”
“Não tenho esse te...
PÚBLICO-ALVO
1. Validação da Ideia
2. Necessidade de criação
3. Estabelecer critérios
OBJETIVOS
RESISTÊNCIA
“Tive uma boa ...
1. Validação da Ideia
2. Necessidade de criação
3. Estabelecer critérios
OBJETIVOS
1. Validação da Ideia
2. Necessidade de criação
3. Estabelecer critérios
OBJETIVOS
FERRAMENTAS
Entrevistas Observação Pers...
PERSONAS
CASE MJV: APLICATIVO MÓVEL
PARA AUDITORES MÉDICOS
EMPREENDEDORISMO
FORMALIZAÇÃO
TECNOLOGIAENTENDIMENTO
DO PROCESS...
EMPREENDEDORISMO
FORMALIZAÇÃO
TECNOLOGIA
CANAIS
PERSONAS
CASE MJV: APLICATIVO MÓVEL
PARA AUDITORES MÉDICOS
ENTENDIMENTO
DO...
PROPOSTA DE VALOR,
PRODUTOS, ATIVIDADES
E CANAIS:
IDEAÇÃO
PROPOSTA DE VALOR
Produtos
Serviços
Atividades
Canais
Relacionamento
PROPOSTA DE VALOR
Produtos
Serviços
Atividades
Canais
Relacionamento
PROPOSTA DE VALOR
COMO ELES CHEGARAM
A ESSES PRODUTOS? ESSAS
ATIVIDADES?
Produtos
Serviços
Atividades
Canais
Relacionamento
PROPOSTA DE VALOR
Produtos
Serviços
Atividades
Canais
Relacionamento
PROPOSTA DE VALOR
Sessões de Cocriação Brainstorming
Ferramentas:
PRODUTOS, SERVIÇOS E
ATIVIDADES DA EMPRESA
MY STARBUCKS IDEA
CASE MJV: INOVAÇÃO NO ATENDIMENTO
ÓTIMA
EXPERIÊNCIA
DE ATENDIMENTO
RECEITAS E DESPESAS:
PROTOTIPAÇÃO
1- ESTIMATIVAS DE RECEITAS
E DESPESAS
2- TESTES DE ACEITAÇÃO
RECEITAS E
DESPESAS
Custos com
Mão de Obra
PREÇO
Custos Indiretos
(Despesas)
Retorno
Esperado
Previsão de
Vendas
Demanda
Valor
Percebido
Custo...
Custos com
Mão de Obra
PREÇO
Custos Indiretos
(Despesas)
Retorno
Esperado
Previsão de
Vendas
Demanda
Valor
Percebido
Custo...
Custos com
Mão de Obra
PREÇO
Custos Indiretos
(Despesas)
Retorno
Esperado
Previsão de
Vendas
Demanda
Valor
Percebido
Custo...
TESTES DE
ACEITAÇÃO
•	O NEGÓCIO VALE A PENA SER
LANÇADO?
•	EXISTEM AJUSTES E ADAPTAÇÕES
NECESSÁRIAS? NOVAS
OPORTUNIDADES?
TESTE DE ACEITAÇÃO: DROPBOX
CASE MJV: APLICATIVO PARA MONTADORES
POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR
O DESIGN THINKING EM UM
MODELO DE NEGÓCIO?
1- CONHECER MELHOR NOSSO PÚBLICO
POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR
O DESIGN THINKING EM UM
MODELO DE NEGÓCIO?
1- CONHECER MELHOR NOSSO PÚBLICO
2- CRIAR DIFERENCIAIS COMPETITIVOS
POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR
O DESIGN THINKING EM UM
...
1- CONHECER MELHOR NOSSO PÚBLICO
2- CRIAR DIFERENCIAIS COMPETITIVOS
3- ESTIMAR E TESTAR NOVAS HIPÓTESES
POR QUE AFINAL, DE...
PÚBLICO ALVO
C0NCORRENTES RECEITAS
CUSTOS
E DESPESAS
PROPOSTA
DE VALOR
ATIVIDADES
CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO
E RELACIONAMENTO
...
OBRIGADO!
FABIO CALZAVARA
FABIO.CALZAVARA@MJV.COM.BR
LINKEDIN.COM/IN/FABIOCALZAVARA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Inovação em Modelos de Negócios

344 visualizações

Publicada em

Apresentação utilizada em webinar sobre como o Design Thinking pode auxiliar na criação de novas propostas de valor e modelos de negócio.

Link para o vídeo: http://www.mjv.com.br/webinar-inovacao-em-modelo-de-negocios/

Publicada em: Design

Inovação em Modelos de Negócios

  1. 1. INOVAÇÃO EM MODELOS DE NEGÓCIOS CRIANDO NOVAS PROPOSTAS DE VALOR USANDO O DESIGN THINKING
  2. 2. O QUE VEREMOS HOJE COMO UTILIZAR A ABORDAGEM DO DESIGN THINKING (A FORMA DE PENSAR E ALGUMAS FERRAMENTAS) PARA CRIAR UM NOVO NEGÓCIO E ELABORAR O MODELO DE NEGÓCIO
  3. 3. O QUE VEREMOS HOJE • CONCEITO DE DESIGN THINKING • CONCEITO DE MODELO DE NEGÓCIO • FERRAMENTAS DO DESIGN THINKING • COMO O DESIGN THINKING PODE AJUDAR NA CRIAÇÃO DE UM NOVO MODELO DE NEGÓCIO.
  4. 4. MBA Estratégia Empresarial (Business School São Paulo) Bacharel Design de Produto (Universidade Federal do Paraná) Design Conceitual (Köln Inernational School of Design) Consultor de inovação (MJV Tecnologia & Inovação) Designer de Produto (Komm Design Strategy, Inove Branding + Design) FABIO CALZAVARA QUEM SOU
  5. 5. CONSULTORIA EM TECNOLOGIA INTEGRADORA MOBILE CONSULTORIA DE INOVAÇÃO QUEM SOMOS
  6. 6. COMO FAZEMOS CONSULTORIA DE INOVAÇÃO GAMIFICAÇÃO DESIGN THINKING
  7. 7. DESIGN THINKING
  8. 8. DESIGN
  9. 9. DESIGN
  10. 10. DESIGN NECESSIDADES DO USUÁRIO • Público-alvo • Dimensões • Situações de uso
  11. 11. DESIGN VALOR PARA O NEGÓCIO • Valor agregado • Ciclo de vida do produto • Embalagem NECESSIDADES DO USUÁRIO • Público-alvo • Dimensões • Situações de uso
  12. 12. DESIGN VIABILIDADE DE EXECUÇÃO • Materiais • Processos de fabricação VALOR PARA O NEGÓCIO • Valor agregado • Ciclo de vida do produto • Embalagem NECESSIDADES DO USUÁRIO • Público-alvo • Dimensões • Situações de uso
  13. 13. office VIABILIDADE DE EXECUÇÃO • Presencial ou digital • Questões legais • Tecnologias empregadas VALOR PARA O NEGÓCIO • Processo Seletivo • Treinamento • Atividades de integração NECESSIDADES DO USUÁRIO • Anúncio da vaga • Canais de divulgação • Recepção no 1o dia DESIGN THINKING
  14. 14. EMPATIA para o entendimento do problema COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA?
  15. 15. COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA? IMERSÃO para o entendimento do problema
  16. 16. IMERSÃO para o entendimento do problema CRIATIVIDADE para a geração de ideias COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA?
  17. 17. IDEAÇÃO para a geração de ideias IMERSÃO para o entendimento do problema COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA?
  18. 18. IDEAÇÃO para a geração de ideias IMERSÃO para o entendimento do problema COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA? RACIONALIDADE para analisar e adaptar as soluções propostas
  19. 19. IDEAÇÃO para a geração de ideias IMERSÃO para o entendimento do problema COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA? PROTOTIPAÇÃO para analisar e adaptar as soluções propostas
  20. 20. IDEAÇÃO para a geração de ideias IMERSÃO para o entendimento do problema COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA? PROTOTIPAÇÃO para analisar e adaptar as soluções propostas
  21. 21. IDEAÇÃO para a geração de ideias IMERSÃO para o entendimento do problema COMO PENSAR DE FORMA SISTÊMICA? PROTOTIPAÇÃO para analisar e adaptar as soluções propostas IMPLEMENTAÇÃO
  22. 22. MODELO DE NEGÓCIO
  23. 23. www.businessmodelgeneration.com
  24. 24. MODELO DE NEGÓCIO PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS
  25. 25. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  26. 26. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  27. 27. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  28. 28. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  29. 29. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  30. 30. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  31. 31. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS MODELO DE NEGÓCIO NESPRESSO
  32. 32. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS DESIGN THINKING E MODELOS DE NEGÓCIO
  33. 33. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS EMPATIA PARA ENTENDER: IMERSÃO DESIGN THINKING E MODELOS DE NEGÓCIO
  34. 34. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS EMPATIA PARA ENTENDER: IMERSÃO CRIATIVIDADE PARA GERAR IDEIAS: IDEAÇÃO DESIGN THINKING E MODELOS DE NEGÓCIO
  35. 35. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO PLANO DE NEGÓCIOS EMPATIA PARA ENTENDER: IMERSÃO RACIONALIDADE ANALISAR E ADAPTAR: PROTOTIPAÇÃO CRIATIVIDADE PARA GERAR IDEIAS: IDEAÇÃO DESIGN THINKING E MODELOS DE NEGÓCIO
  36. 36. APLICAÇÃO DE DESIGN THINKING A UM MODELO DE NEGÓCIO
  37. 37. CONCORRÊNCIA E PÚBLICO-ALVO: IMERSÃO
  38. 38. POR QUÊ ESTUDAR CONCORRENTES? Validação da originalidade da ideia Observar os aprendizados acumulados Encontrar oportunidades de negócio 1 2 3
  39. 39. Como estudá-los? Cliente oculto Sombra Curva de valor POR QUÊ ESTUDAR CONCORRENTES? Validação da originalidade da ideia Observar os aprendizados acumulados Encontrar oportunidades de negócio 1 2 3
  40. 40. CURVA DE VALOR BODYSHOP
  41. 41. PÚBLICO-ALVO
  42. 42. “Tive uma boa ideia” PÚBLICO-ALVO RESISTÊNCIA
  43. 43. “Tive uma boa ideia” “Não tenho esse tempo” PÚBLICO-ALVO RESISTÊNCIA
  44. 44. “Tive uma boa ideia” “Não tenho esse tempo” “Já conhecemos nosso cliente” PÚBLICO-ALVO RESISTÊNCIA
  45. 45. “Tive uma boa ideia” “Não tenho esse tempo” “Já conhecemos nosso cliente” PÚBLICO-ALVO 1. Validação da Ideia OBJETIVOS RESISTÊNCIA
  46. 46. PÚBLICO-ALVO 1. Validação da Ideia 2. Necessidade de criação OBJETIVOS RESISTÊNCIA “Tive uma boa ideia” “Não tenho esse tempo” “Já conhecemos nosso cliente”
  47. 47. PÚBLICO-ALVO 1. Validação da Ideia 2. Necessidade de criação 3. Estabelecer critérios OBJETIVOS RESISTÊNCIA “Tive uma boa ideia” “Não tenho esse tempo” “Já conhecemos nosso cliente”
  48. 48. 1. Validação da Ideia 2. Necessidade de criação 3. Estabelecer critérios OBJETIVOS
  49. 49. 1. Validação da Ideia 2. Necessidade de criação 3. Estabelecer critérios OBJETIVOS FERRAMENTAS Entrevistas Observação Personas
  50. 50. PERSONAS CASE MJV: APLICATIVO MÓVEL PARA AUDITORES MÉDICOS EMPREENDEDORISMO FORMALIZAÇÃO TECNOLOGIAENTENDIMENTO DO PROCESSO ATIVIDADES/ ROTINA CANAIS
  51. 51. EMPREENDEDORISMO FORMALIZAÇÃO TECNOLOGIA CANAIS PERSONAS CASE MJV: APLICATIVO MÓVEL PARA AUDITORES MÉDICOS ENTENDIMENTO DO PROCESSO ATIVIDADES/ ROTINA
  52. 52. PROPOSTA DE VALOR, PRODUTOS, ATIVIDADES E CANAIS: IDEAÇÃO
  53. 53. PROPOSTA DE VALOR
  54. 54. Produtos Serviços Atividades Canais Relacionamento PROPOSTA DE VALOR
  55. 55. Produtos Serviços Atividades Canais Relacionamento PROPOSTA DE VALOR
  56. 56. COMO ELES CHEGARAM A ESSES PRODUTOS? ESSAS ATIVIDADES?
  57. 57. Produtos Serviços Atividades Canais Relacionamento PROPOSTA DE VALOR
  58. 58. Produtos Serviços Atividades Canais Relacionamento PROPOSTA DE VALOR Sessões de Cocriação Brainstorming Ferramentas:
  59. 59. PRODUTOS, SERVIÇOS E ATIVIDADES DA EMPRESA
  60. 60. MY STARBUCKS IDEA
  61. 61. CASE MJV: INOVAÇÃO NO ATENDIMENTO ÓTIMA EXPERIÊNCIA DE ATENDIMENTO
  62. 62. RECEITAS E DESPESAS: PROTOTIPAÇÃO
  63. 63. 1- ESTIMATIVAS DE RECEITAS E DESPESAS 2- TESTES DE ACEITAÇÃO
  64. 64. RECEITAS E DESPESAS
  65. 65. Custos com Mão de Obra PREÇO Custos Indiretos (Despesas) Retorno Esperado Previsão de Vendas Demanda Valor Percebido Custos Diretos ESTRATÉGIA DE PRECIFICAÇÃO Custos de Comercialização Custos com Depreciação
  66. 66. Custos com Mão de Obra PREÇO Custos Indiretos (Despesas) Retorno Esperado Previsão de Vendas Demanda Valor Percebido Custos Diretos ESTRATÉGIA DE PRECIFICAÇÃO Custos de Comercialização Custos com Depreciação
  67. 67. Custos com Mão de Obra PREÇO Custos Indiretos (Despesas) Retorno Esperado Previsão de Vendas Demanda Valor Percebido Custos Diretos ESTRATÉGIA DE PRECIFICAÇÃO Custos de Comercialização Custos com Depreciação
  68. 68. TESTES DE ACEITAÇÃO
  69. 69. • O NEGÓCIO VALE A PENA SER LANÇADO? • EXISTEM AJUSTES E ADAPTAÇÕES NECESSÁRIAS? NOVAS OPORTUNIDADES?
  70. 70. TESTE DE ACEITAÇÃO: DROPBOX
  71. 71. CASE MJV: APLICATIVO PARA MONTADORES
  72. 72. POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR O DESIGN THINKING EM UM MODELO DE NEGÓCIO?
  73. 73. 1- CONHECER MELHOR NOSSO PÚBLICO POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR O DESIGN THINKING EM UM MODELO DE NEGÓCIO?
  74. 74. 1- CONHECER MELHOR NOSSO PÚBLICO 2- CRIAR DIFERENCIAIS COMPETITIVOS POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR O DESIGN THINKING EM UM MODELO DE NEGÓCIO?
  75. 75. 1- CONHECER MELHOR NOSSO PÚBLICO 2- CRIAR DIFERENCIAIS COMPETITIVOS 3- ESTIMAR E TESTAR NOVAS HIPÓTESES POR QUE AFINAL, DEVO UTILIZAR O DESIGN THINKING EM UM MODELO DE NEGÓCIO?
  76. 76. PÚBLICO ALVO C0NCORRENTES RECEITAS CUSTOS E DESPESAS PROPOSTA DE VALOR ATIVIDADES CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO E RELACIONAMENTO MODELO DE NEGÓCIOS DESIGN THINKING E MODELOS DE NEGÓCIO EMPATIA PARA ENTENDER: IMERSÃO RACIONALIDADE ANALISAR E ADAPTAR: PROTOTIPAÇÃO CRIATIVIDADE PARA GERAR IDEIAS: IDEAÇÃO
  77. 77. OBRIGADO! FABIO CALZAVARA FABIO.CALZAVARA@MJV.COM.BR LINKEDIN.COM/IN/FABIOCALZAVARA

×