Dislexia

6.026 visualizações

Publicada em

DE -CENTRO - ORIENTAÇÃO TÉCNICA

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.026
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
237
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
189
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dislexia

  1. 1.  “Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo, pássaros engaiolados são pássaros sob controle; escolas que são asas amam os pássaros em vôo, elas existem para dar aos pássaros coragem para voar; o vôo não pode ser ensinado, só pode ser encorajado!” Rubem Alves
  2. 2.  Dislexia Dispraxia Discalculia
  3. 3.  “Uma desordem que se manifesta pela dificuldade em aprender a ler, sem que tal esteja relacionado com instrução convencional, adequação intelectual e oportunidades socioculturais.”  Federação Mundial de Neurologia
  4. 4. FONOLÓGICA DE DESENVOLVIMENTO OU DE EVOLUÇÃO É a mais comum; Atinge crianças e adultos; Podem apresentar outras manifestações associadas como dispersão, desatenção, hiperatividade e alterações da coordenação motora.
  5. 5. ADQUIRIDA*Na maioria dos casos, atinge adultos e idosos.*Provocada por traumas (lesão), AVC e doenças degenerativas, como Alzheimer, além de tumores
  6. 6. O transtorno pode ocorrer em três graus: Leve: pequena dificuldade para ler e escrever Moderado: troca frequente de palavras lidas e escritas, além de falhas de memória para fatos imediatos(esquece o que acabou de ler) Severo: pode ser praticamente incapaz de aprender a ler e escrever
  7. 7.  Distúrbio ou transtorno caracterizado por uma dificuldade na aprendizagem e automação das competências de leitura, escrita e soletração , em crianças inteligentes, sendo sua origem neurobiológica. As crianças disléxicas apresentam uma eficiência intelectual normal ou superior, podendo evidenciar capacidades acima da média em determinadas áreas que não dependem da leitura e escrita (desenho, desporto, música, etc. )
  8. 8.  A Dislexia é o distúrbio de maior incidência nas salas de aula. Pesquisas apontam a existência entre 5% e 17% de dislexos na população mundial na proporção de três homens para cada mulher. A dislexia pode ser congênita,genética ou hereditária.
  9. 9.  No caso dos disléxicos, o hemisfério lateral direito é mais desenvolvido do que o dos leitores normais, o que significa um desenvolvimento de outros potenciais. Fazem parte da inteligência a sensibilidade às artes, ao atletismo, à mecânica, criatividade na solução de problemas, entre outros
  10. 10.  Segundo Tânia Campos:“Estaincapacidade do sistemanervoso central, quando nãotratada, causa prejuízosemocionais à criança, aoadolescente e ao adulto, comoimpulsividade, agressividade,medo, ansiedade e até mesmoa morte, em casos extremos.”
  11. 11.  Disléxico tem um ritmo diferente, portanto não se deve submetê-lo a pressão de tempo ou competição com os colegas. Por desinformação, a dislexia é uma das causas da evasão escolar e do analfabetismo funcional.
  12. 12. • Falar tardiamente;• Dificuldade para pronunciar alguns fonemas;• Demorar a incorporar palavras novas ao seu vocabulário;• Dificuldade para rimas;• Dificuldade para aprender cores, formas, números e escrita do nome;• Dificuldade para seguir ordens e seguir rotinas;• Dificuldade na habilidade motora fina;• Dificuldade de contar ou recontar uma história na sequência certa;• Dificuldade para lembrar nomes e símbolo. [
  13. 13. • Dificuldade em aprender o alfabeto;• Dificuldade no planejamento motor de letras e números;• Dificuldade para separar e sequenciar sons (ex: p – a – t – o );• Dificuldade com rimas (habilidades auditivas);• Dificuldade em discriminar fonemas homorgânicos (p-b, t- d, f-v, k-g, x-j, s-z);• Dificuldade em seqüência e memória de palavras;• Dificuldade para aprender a ler, escrever e soletrar;• Dificuldade em orientação temporal (ontem – hoje – amanhã, dias da semana, meses do ano);• Dificuldade em orientação espacial (direita – esquerda, embaixo, em cima...);• Dificuldade na execução da letra cursiva;• Dificuldade na preensão do lápis;• Dificuldade de copiar do quadro.
  14. 14. • Nível de leitura abaixo do esperado para sua série;• Dificuldade na sequenciação de letras em palavras;• Dificuldade em soletração de palavras;• Não gostar de ler em voz alta diante da turma;• Dificuldade com enunciados de problemas matemáticos;• Dificuldade na expressão através da escrita;• Dificuldade na elaboração de textos escritos;• Dificuldade na organização da escrita;
  15. 15. • Podem ter dificuldade na compreensão de textos;• Podem ter dificuldade em aprender outros idiomas;• Dificuldade na compreensão de piadas, provérbios e gírias;• Presença de omissões, trocas e aglutinações de grafemas;• Dificuldade de planejar e organizar (tempo) tarefas;• Dificuldade em conseguir terminar as tarefas dentro do tempo;• Dificuldade na compreensão da linguagem não verbal;• Dificuldade em memorizar a tabuada;• Dificuldade com figuras geométricas;• Dificuldade com mapas.
  16. 16. • Leitura vagarosa e com muitos erros;• Permanência da dificuldade em soletrar palavras mais complexas;• Dificuldade em planejar e fazer redações;• Dificuldade para reproduzir histórias;• Dificuldade nas habilidades de memória;• Dificuldade de entender conceitos abstratos;• Dificuldade de prestar atenção em detalhes ou, ao contrário, atenção demasiada a pequenos detalhes;• Vocabulário empobrecido;• Criação de subterfúgios para esconder sua dificuldade.
  17. 17. • Permanência da dificuldade em escrever em letra cursiva• Dificuldade em planejamento e organização• Dificuldade com horários (adiantam- se, chegam tarde ou esquecem)• Falta do hábito de leitura• Normalmente tem talentos espaciais (engenheiros, arquitetos, artistas) Características Gerais Associadas A emissão oral é comparativamente muito melhor que do a escrita Atenção limitada e dificuldade em manter-se na tarefa.
  18. 18. O corpo necessita de rotina para seu funcionamentoadequado. Da mesma forma, a mente precisa de tempo ecalma para organizar o pensamento lógico, que reúneelementos, avalia cenários e toma decisões.O processo acadêmico, portanto, se desenvolve a partir derotina para os estudos, de forma que basta a sua carênciapara comprometer significativamente o processo deaprendizagem do jovem, além de afetar sua integridadeemocional.A espontaneidade nunca deixará de ser um valiosoativo, mas nada se constrói sem disciplina e organização.
  19. 19.  Exame clínico Avaliação global (neuropediátrica, psicológica, fonoaudiológic a, neurológica, oftalmológica e psicopedagógica) Neuropsicológica(testes que avaliam o funcionamento cognitivo, como de raciocínio, memória, linguagem, atenção e capacidade de cálculo)
  20. 20. Os distúrbios de leitura e escrita são os fatores demaior incidência em sala de aula, mas nem todostêm uma causa comum. Embora a dislexia seja omaior índice, outros fatores também podem causaros mesmos sintomas; distúrbiospsicológicos, neurológicos, oftalmológicos, etc.Uma equipe multidisciplinar analisa o indivíduocomo um todo, verificando todas as possibilidades.Não se parte da dislexia, mas se chega àdislexia, excluindo qualquer outra possibilidade.
  21. 21. Qualquer idade, sendo adulto ou jovem teráatendimento adequado a sua faixa etária. Muitasvezes, antes do primeiro ano dealfabetização, poderá ocorrer um „‟quadro derisco‟‟, ou seja, poderá não ser confirmada adislexia, mas também não se descartam outrosfatores. Podemos sugerir um acompanhamentoadequado e fazer uma observação maiscuidadosa, até podermos diagnosticar comprecisão após a alfabetização se há, de fato, apresença de um quadro de dislexia.
  22. 22. Orientaçãoneuropsicológica, psicopedagó gica e fonoaudiológica
  23. 23.  “A ABD cumprindo os objetivos do Estatuto Social na condição de organização não governamental atende gratuitamente pessoas com sinais de dislexia, que comprovem ausência de recursos para custear a avaliação multidisciplinar. Desta forma elaborou norma para aperfeiçoar o atendimento das pessoas desta classe sócio-econômica.”
  24. 24.  Serão atendidos conforme as normas do CTAS – Centro de Triagem e Assistência Social somente:* alunos da Rede Pública de Ensino da capital e grande São Paulo;* com idade entre 6 e 18 anos;* que estejam cursando o Ensino Fundamental e Ensino Médio;* que comprovem situação de ausência de recursos.
  25. 25.  1 – Encaminhamento da escola em papel oficial, assinado e carimbado 2 – comprovante de gastos mensais: contas de água, luz, aluguel, telefones fixo e celular 3 – comprovante de renda: Holerite ou declaração de recebimento mensal 4 – xerox do último registro na carteira de trabalho 5 – xerox dos documentos dos pais 6 – xerox dos documentos da criança 7 – xerox do exame do pezinho 8 – telefones de contato
  26. 26.  “Dislexia não é uma doença, é um funcionamento peculiar do cérebro para o processamento da linguagem. As atuais pesquisas, obtidas através de exames por imagens do cérebro, sugerem que os disléxicos processam as informações de um modo diferente. Pessoas disléxicas são únicas, cada uma com suas características, habilidades e inabilidades”.  Alfredo Leboreiro Fernandez(Neuropediatra)
  27. 27.  Não exclua o disléxico do ambiente da sala de aula; Estimule o aluno a fazer todos os exercícios; Parabenize-o pelo esforço e pelos sucessos; Pergunte se não ficou alguma dúvida na exposição da matéria; Lembre-o de anotar datas de provas, tarefas e pesquisas em uma agenda;
  28. 28.  Dê mais tempo durante as provas, lendo sempre o enunciado em voz alta e certificando-se de que ele entendeu o que foi pedido; Fazer provas/avaliações orais; Peça que ele tome nota de determinadas explicações ou dicas que não constem no texto;
  29. 29.  Estimular a organização e disciplina para o trabalho; Ensinar técnicas de estudo, como leitura seletiva, sínteses e mapas mentais ou conceituais; Desenvolver técnicas mnemônicas que favorecerão armazenagem de fórmulas e conceitos; Ensinar as regras ortográficas sempre aplicadas à prática, pois quando interiorizadas auxiliarão para codificar os vocábulos;
  30. 30.  Não descontar pontos por erros e/ou trocas ortográficas, mas trabalhar estas dificuldades com atividades paralelas; Não pedir ao disléxico que leia em voz alta; Incentivar o uso de computador para redigir e corretor de textos, estes recursos o auxiliarão no treino da soletração, na ortografia e na orientação espacial;
  31. 31.  Possibilitar que o aluno apresente trabalhos de forma criativa se utilizando de outras linguagens não verbais: diagramas, gráficos, gravuras, desenhos, co lagens, vídeos, etc.; Escrita mais adequada na lousa, fazer sínteses, observar a orientação espacial, letra legível, utilizar-se de cores e verificar se a luz que incide sobre a lousa permite boa visibilidade.
  32. 32. Não há nenhuma linha de tratamento que seja considerada„‟a melhor‟‟ ou „‟a única‟‟. O importante é a aceitação eadaptação do próprio disléxico à linha adotada peloprofissional. O que podemos dizer é que como a principalcaracterística dos disléxicos é a dificuldade da relaçãoentre a letra e o som (Fonema -Grafema), na terapiadeverá ser enfatizado o método Fônico. Deve-se tambémtreinar a memória imediata a percepção visual e auditiva. Ésugerido que se adote o métodomultissensorial, cumulativo e sistemático. Ou seja, deve-se utilizar ao máximo todos os sentidos. Um exemplobásico é poder ler e ouvir enquanto se escreve. O disléxicoassimila muito bem tudo que é vivenciado concretamente.
  33. 33.  Jogo de réguas para leitura A Associação Brasileira de Dislexia - ABD lançou o Jogo de Réguas para Leitura, especialmente desenvolvido pela equipe científica da ABD a partir das experiências clínicas. No entanto, para que a leitura seja eficiente o processo visual tem um papel muito importante, pois as palavras são estímulos visuais. Durante a leitura os movimentos dos olhos têm um determinado padrão (processo foveal, perifoveal, controles automotores, sacadas e fixações), que irão diferenciar os leitores com dificuldades daqueles que não as tem. Cada uma das 5 réguas tem uma função diferente para cada tipo de dificuldade, o que facilitará no treinamento do desenvolvimento da leitura. Sua finalidade é auxiliar crianças e adultos na fixação ocular tanto no espaço quanto na sequencia visual, a régua ajuda na manutenção do movimento ocular durante a leitura e auxilia no desenvolvimento das estratégias de leitura. Régua 1 Usada para medir e para a tabuada. Régua 2 Auxilia na leitura de cada palavra em particular. Régua 3 Auxilia na leitura de cada linha. Régua 4 Auxilia no direcionamento quando o leitor volta para a esquerda. Régua 5 Permite a leitura na vertical, na horizontal e colunas.
  34. 34. 1- Professora mostra a letra e pronuncia o som da mesma:--“Vamos conhecer o som da letra. Repitam comigo:A. Agora você.......Agora você...2- Dar exemplos de coisas, conhecidas das crianças, que iniciam com o som “a”. Pedir querepitam as palavras pronunciadas, desenhar no quadro ou mostrar figuras das mesmas.3- Escrever ao lado de cada desenho o nome e destacar a letra “a”.4- Escrever as diferentes formas que esta letra pode ser representada.Maiúscula, minúscula, de máquina e manuscrita.5- Escrever o nome dos alunos e analisar se existe o som trabalhado nele. Destacar.6- Vamos ler um texto sobre esta letra. A professora lê o texto podendo escrevê-lo no quadroou dar uma folha com o texto digitado. (obs: explicar o que significa cada palavra novaapresentada)AEla está no astronautaa nas asa do avião.Na andorinha, na arara,na amizade e no azulão.Pintar as figuras da folha apresentada destacando a letra A.
  35. 35.  1- Recordar o som A trabalhado na aula anterior;(auditivo, visual e falado) Mostrar a forma manuscrita e gráfica. 2- Oferecer uma folha com a letra A e várias figuras (sem os nomes) onde os alunos irão apontar, circular e pintar as que iniciam com o som trabalhado. Sugestão de figuras: Amendoim, alfinete, agulha, alho, abajur, arara, avião, gravata, sapato, f ósforo. 3- Após esta atividade feita a professora escreve o nome destas figuras e o aluno aponta e destaca a letra no início da palavra com uma cor e no meio e no final com outra cor. 4- Apresentar uma folha com figuras e seus respectivos nomes onde falta a letra “a”. Pedir aos alunos que completem as palavras com a letra A (caixa alta).
  36. 36.  1- Representar a letra no quadro em manuscrito; 2- Representar a letra em tamanho aumentado para que cada aluno possa experimentar o movimento correto da letra; 3- Solicitar que os alunos, individualmente, vão até a lousa e escrevam a letra com giz; (trabalho 100% acompanhado pela professora e observado pelos colegas) 4- Distribuir uma folha com a letra “a” em manuscrito .Fazer o movimento da letra na folha dada; (com cola, tinta, colagem, etc) 5- Em folha branca treinar o movimento da letra livremente; 6- Cantar a música da D. Aranha. Distribuir uma folha com letra em manuscrito e pedir que circulem as letras “a” encontradas. Colorir as figuras. 7- Estar sempre com os seus nomes à vista para que estejam em contato com as letras de seus nomes;
  37. 37. 1- Distribuir folha com vários nomes escritos e pedir que pintem somente osque iniciam com o som “a”;2- Sugestão de música e brincadeiras para desenvolver a percepção auditiva:- O sapo não lava o pé; ( cantar trocando as vogais)- Repetir palavras trocando as vogais,- Completar frases com palavras que terminem com som parecido;3- Apresentar a vogal escrita em tarja;4- Desenhar a tarja no quadro e solicitar que cada um venha escrever a letracom o movimento correto;5- Após a criança escrever no quadro dar a ela o seu caderno de tarja com alição já preparada para que ela escreva; (elaborar atividades de escrita e depercepção visual e auditiva)
  38. 38. · Executar o mesmo processo para as demais vogais; · É importante criar uma rotina e um ritmo para o desenvolvimento das atividades; · Não esquecer de associação grafema/fonema; · Solicitar aos alunos o apontamento do está sendo trabalhado em momentos fora das aulas de alfabetização para que o aluno fora do contexto de sala aprimore sua aprendizagem. FONTE: ALFABETIZAÇÃO FÔNICA FERNANDO CAPOVILLA
  39. 39.  Alunos com Dislexia não são alunos para sala de recursos. Essas instruções servem para aluno Dislexo, com laudo.
  40. 40.  É uma palavra grega que significa dificuldade (dys) de fazer ou agir (praxia). Fazer não é simplesmente um ato que ocorre reflexivamente – o fazer requer um pensamento consciente para organizar e dirigir a ação significativa.
  41. 41. A dispraxia é definida nos seguintes termos: é um comprometimento ou imaturidade da organização do movimento; a organização dos pensamentos e percepções é afetada; às vezes, a organização da linguagem é afetada;
  42. 42.  as dificuldades não se devem a dificuldades globais de aprendizagem , a maioria das pessoas com dispraxia apresenta uma inteligência média; não há nenhum sinal neurológico clinicamente evidente, isto distingue a dispraxia da paralisia cerebral e outras condições que alteram a coordenação motora;
  43. 43.  As causas ainda não são totalmente conhecidas. Imagina-se que as células nervosas do córtex cerebral possuem menos interconexões reforçadas (Portwood, 1999, p. 10) . Assim não formam conexões adequadas ficando o processamento da informação mais lento.
  44. 44.  Vários profissionais devem participar da avaliação ( fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonaudiólogo, quando houver implicações de linguagem e psicólogo) que serão responsáveis pela aplicação dos testes.
  45. 45.  A criança tem uma dificuldade maior para subir e descer escadas, aprende a usar o banheiro mais tarde, tem dificuldade em manusear brinquedos e jogos como quebra-cabeças; A criança pode ser propensa a acidentes, colidir com objetos e trombar em coisas; Pegar uma bola para qualquer criança não depende do tamanho da bola, se for uma criança com dispraxia ela parece reaprender a habilidade quando as exigências forem outras;
  46. 46.  Quando mais velhas podem ser desorganizadas, ter dificuldade para se movimentar em uma grande escola, chegar a tempo nas aulas, especialmente se houver escadas para subir e precisar de ajuda para encontrar caminhos em prédios grandes; As características da dispraxia podem ficar evidentes em várias matérias, como por exemplo, artes, ciências, design e tecnologia; Dificuldade para atividades físicas; Dificuldades relacionadas à escrita: segurar o lapis ou posicionar as letras, desenhar objetos tridimensionais, proporções inadequadas do desenho e auto-retrato muito básico, preensão do lápis muito leve ou muito forte
  47. 47.  O aluno com dificuldades de escrever à mão e espaçar as letras talvez tenha mais oportunidades se utilizar um processador de texto. A criança pode adotar uma má postura ao escrever devido às dificuldades, por isso a cadeira e a mesa devem ter uma altura que possibilite um ângulo de 90 graus entre a linha da parte superior do corpo e a linha da coxa entre a coxa e a parte inferior da perna no joelho.
  48. 48.  Devido as dificuldades espaciais ele terá dificuldades para alinhar o papel na mesa, um grande molde em papelão ou outra marcação ajudará a manter o alinhamento correto. Para ajudar a melhorar a pressão do lápis no papel pode se usar uma caneta que acende uma luz quando pressionada. |O aluno que tiver uma pressão leve demais dever ser encorajado a fazer a caneta acender, enquanto a criança que tende a pressionar demais será encorajada a não acender a luz da caneta.
  49. 49.  Exercícios multissensoriais para aumentar seu entendimento sobre a forma das letras e como elas são ligadas. Os alunos com dispraxia espaçam mal as letras e palavras, uma das maneiras de lidar com isso é introduzir, precocemente, a escrita cursiva e incentivar o aluno a deixar o espaço de um dedo entre as palavras e que utilize o lápis para poder corrigir as lições com mais facilidade.
  50. 50.  Para as avaliações pode-se solicitar um tempo extra para a realização das atividades, permitir o uso de um processador de texto ou de um escrevente. As atividades de educação física significarão um grande desafio para o aluno com dispraxia. O aluno pode ser atendido por um fisioterapeuta fora do horário escolar e trabalhar em conjunto com o professor de educação física para que através de exercícios que podem ser aplicados a todos ele também possa trabalhar.
  51. 51.  É uma condição que afeta a capacidade de adquirir habilidades matemáticas. Os aprendizes com discalculia podem ter dificuldade para compreender conceitos numéricos simples, não possuem compreensão intuitiva de números e têm problemas para aprender fatos e procedimentos numéricos. Mesmo que produzam resposta correta ou usem o método correto, eles fazem isso mecanicamente e sem confiança.
  52. 52.  A Discalculia não está associada a dificuldades gerais de aprendizagem.  Dentre as dificuldades características da discalculia encontram-se: Realizar cálculos simples como adição; Dificuldades em saber como responder problemas matemáticos; Substituir números; Inverter números (6 por 9); Reverter números (2 por 5) Alinhar mal os símbolos (ponto decimal); Nomear, ler e escrever incorretamente símbolos matemáticos; Confusão em procedimentos aritméticos;
  53. 53.  Confusão diante da linguagem matemática e sua relação com símbolos ( subtrair, retirar, deduzir, menos e “-”); Dificuldade para escrever os símbolos e dígitos necessários para os cálculos; Dificuldade em aplicar na prática conhecimentos e procedimentos matemáticos.
  54. 54.  A identificação e a avaliação da discalculia também são informadas por outras dificuldades que o aluno também apresente, por exemplo, dislexia ou dispraxia. É necessário desenvolver atividades práticas com noções fundamentais de contagem, numeração e reconhecimento dos números, combinação de objetos (adição); subtração como retirar; descrição de posição, formato e tamanho de formas sólidas e planas
  55. 55.  Essas abordagens podemser racionalizadas em umconjunto de intervenções abrangente e coerente.

×