SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Baixar para ler offline
AVALIAÇÃO
SIMONE HELEN DRUMOND ISCHKANIAN
AVALIAÇÃO: TIPOS E FUNÇÕES
Assim como toda a educação, a
avaliação vai ter as
características políticas, sociais
e culturais definidas pela
unidade escolar, conforme
Projeto Político Pedagógico
(quando participativo), ou
conforme as decisões “de
cúpula”, isto é, da direção e das
coordenações pedagógicas.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO: TIPOS E FUNÇÕES
“Jamais podemos perder de vista que a
avaliação é parte integrante do Projeto
Pedagógico, adquirindo funções
diferentes conforme o momento em que
acontece”. (Smone Helen Drumond)

“A avaliação é ponto de partida e de
chegada de todo e qualquer trabalho
pedagógico e as três funções da
avaliação: diagnóstica, formativa e
somativa são interdependentes e
estarão sempre presentes no trabalho da
escola” (Cleire Maria do Amaral Rodrigues)
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA
Tem a função básica de informar
sobre o contexto em que o
trabalho pedagógico vai se realizar,
bem como sobre os atores que
participarão do mesmo. Esse tipo
de avaliação fornece subsídios
para uma ação mais ampla.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA
RECURSOS ESPECÍFICOS : seminários, questionários, análises de
resultados anteriores (quando os alunos estão passando de um
ano para o outro), observação , entrevistas, etc.
A avaliação diagnóstica pode se dar antes ou depois da definição
dos objetivos.
Exemplo:
Se um dos objetivos definidos no Projeto Pedagógico foi fornecer
atendimento individualizado e psicopedagógico ao educando
com dificuldades de aprendizagem, faz-se necessário verificar
quais são esses alunos, utilizando os recursos já citados.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA
Objetiva alcançar as metas do
trabalho pedagógico juntamente com
a avaliação formativa.
Isso possibilitará sempre maior ênfase
no processo de ensino e
aprendizagem nas
unidades de ensino.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO FORMATIVA
Objetiva captar os avanços
e as dificuldades que se
manifestam durante o
processo pedagógico.
Como avaliação preventiva,
deve ser feita em um tempo
hábil para que se sanem as
dificuldades detectadas.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO FORMATIVA
Tem a função de informar, constantemente, aos
agentes do processo de ensino e aprendizagem
(professor e aluno) o que está acontecendo.
Essa informação não pode se dar de uma forma
apenas descritiva, mas deve possibilitar novas
decisões, às vezes até mesmo mudanças de rumo.
Os resultados da avaliação formativa devem
mostrar a necessidade (o onde, o quando, o
como, o porquê) de se reverem planos ou de
retomarem decisões reestabelecidas.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO SOMATIVA
E a mais utilizada em nosso sistema educacional formal,
pois é a que vai demonstrar a nota ou o conceito do
aluno para um determinado período. Esse período pode
ser uma semana, um mês, uma unidade, uma aula, um
bimestre, um trimestre, um semestre ou um ano letivo.
Ela acontece ao final de um trabalho e demonstra um
produto alcançado. É importante ressaltar que há
diversas formas e funções para a avaliação e o educador
deve sempre estar atento para qual deve utilizar.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO SOMATIVA
A avaliação possui funções diferentes e que
devemos usá-las de acordo com as necessidades da
escola, do professor ou do aluno.
As funções da avaliação no campo da prática escolar
é o de compreender as funções específicas,
explícitas ou implícitas, da avaliação da
aprendizagem escolar no contexto da educação,
sempre relacionando essas funções a uma
determinada concepção de educação.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
No cotidiano institucional, os critérios de avaliação
são formados no decorrer da própria avaliação,
permanecendo a observação da qualidade da
avaliação diretamente ligada a fatores
circunstanciais.

As avaliações contínuas são pouco praticadas em
virtude da falta de experiência na observação de
alunos em atividades diversas e diferenciadas, tais
como: exposição oral, atividades em grupo,
atividades de campo ou extraclasse, entre outras.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
A prática que de fato predomina em nossas instituições
escolares é a prova cumulativa no final de cada unidade,
bimestre, trimestral, semestre ou anual.
A avaliação é praticada como verificação de conhecimentos.
Se pretendemos assumir a avaliação como um instrumento
auxiliar da prática pedagógica cotidiana, é necessário
fortalecer o caráter diagnóstico previamente ao classificatório.

Precisamos superar o paradigma da avaliação como
mecanismo de nivelamento e até mesmo de
punição dos alunos.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Devemos trabalhar com o conceito de
avaliação como atividade
formativa, assim ela terá para nós,
professores, utilidade como instrumento de
reflexão sobre os resultados da aprendizagem
ou sobre o desempenho deles frente a uma
atividade executada. Isso permitirá a
nós/professores e a eles/alunos uma tomada
de consciência mais realista do trabalho.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Precisamos ter consciência de que o trabalho
pedagógico se processa lentamente; que seus efeitos
sobre os educandos são construtivos e cumulativos,
supondo alterações nem sempre perceptíveis ao
condutor da aprendizagem quando nos prendemos –
apenas – a resultados imediatos de desempenho
expressos em uma avaliação finalística. Se as alterações
são difíceis de serem percebidas por esses
instrumentos, é necessário criarmos e utilizarmos
outros mecanismos de acompanhamento como fichas,
auto avaliações, exposições orais.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
O trabalho de desenvolvimento de
novos instrumentos deve ser a cada
momento repensado e refeito, pois
cada sala de aula é única, não é
mesmo? Muitas vezes, o que for muito
bom como referência para uma
determinada situação, não o será para
outra, e assim por diante.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
A avaliação diagnóstico-formativa
deve ser entendida como um retorno
reflexivo sobre o processo de
aprendizagem, em uma tomada de
consciência sobre sua função de apoio
e estímulo, pois ela é retrospectiva e
prospectiva (PENA, 2003).
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
Muitos professores preocupam-se bastante
com os conteúdos, mas muitas vezes não têm
clareza do porquê de suas escolhas, ou mesmo
do que esperando aluno sobre determinado
conteúdo. Tanto o professor quanto o aluno
devem saber a razão pela qual se está
ensinando e aprendendo. Assim a avaliação
diagnóstico-formativa adquire status de
relevância no processo educativo
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Avaliação um instrumento indispensável
Inserir a avaliação como parte fundamental ao
planejamento pedagógico, e não como apêndice,
é um desafio constante para quem assume a
função cotidiana da educação na gestão da sala
de aula, bem como nos espaços convencionais
dos processos educativos. A avaliação constitui-se
matéria imprescindível para a implantação e
implementação de projetos pedagógicos, seus
princípios e funções orientam e definem as ações
que promoverão as aprendizagens.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO FORMATIVA E DIAGNÓSTICA

Formativa - permite
o redirecionamento
da ação docente
durante o processo.

Diagnóstica verifica os avanços e
dificuldades do
aluno, auxiliando na
tomada de decisões.

Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Avaliação um instrumento indispensável
O ato de avaliar vai ajudar na tomada de
decisões racionais e abertas proporcionando
informações e provocando a exploração das
próprias posições de valor de quem decide.
Para viabilizar a avaliação diagnóstica e
formativa, deve-se realizar análise constante
da clareza dos objetivos de ensino
preestabelecidos, o que implica em mudança
na concepção de planejamento e avaliação.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO E REGISTRO DE OBJETIVOS
O registro dos objetivos alcançados no
decorrer dos processos avaliativos são
importantes, uma vez que, possibilitam
ao professor acompanhar
adequadamente os progressos dos
educandos. Esses registros, são de grande
relevância, para os alunos que estão
dentro de um contexto
escolar de inclusão.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
AVALIAÇÃO E REGISTRO DE OBJETIVOS
No entanto nem todo o percurso será linear e sem obstáculos, pois a
tomada de decisão por um processo avaliativo dessa natureza
implica enfrentamento de diversas atividades, tais como:

a) a prática de registro,
b) a complexidade que envolve refletir sobre a
dissonância cognitiva,
c) o conflito gerado sobre o sentimento de impotência
perante as dificuldades de determinados alunos,
d) o enfrentamento com alguns pais,
e) o número excessivo de alunos em sala e
f) a rotatividade de professores.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS DE UMA AVALIAÇÃO
Uma avaliação com características formativas leva a uma
reflexão constante da prática pedagógica:

• o absurdo e a inutilidade de certos
conteúdos do ensino;
• a dissonância entre objetivos e práticas;
• a imprecisão do nível de maestria
desejada;
• a ignorância em que vive o sistema
escolar quanto aos efeitos do ensino.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO
São inúmeras as referências bibliográficas que
abordam as funções da avaliação. De modo geral,
elas dizem respeito à melhoria do processo de
ensino aprendizagem à luz de uma determinada
concepção de educação (conhecer o aluno,
identificar as dificuldades, verificar se os objetivos
propostos foram atingidos, promover mudanças na
prática educativa etc.), à promoção da motivação
entre os sujeitos participantes e também às
questões da autoridade existente nas relações que
são estabelecidas no cotidiano da escola.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
MODALIDADES E FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO

Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO
Cada modalidade avaliativa tem uma função
específica que, pensada globalmente, contribui
para o sucesso do trabalho do professor, isto é,
para a aprendizagem dos alunos.
Segundo Afonso (2005), a avaliação pode ser
compreendida como a pedra angular da instituição
escolar, pois, por meio dela, podemos ter uma
visão geral do processo educativo que
ali se desenvolve.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO NA VISÃO DE AFONSO 2005 p. 18
• Condicionar fluxos de entrada e de saída do sistema escolar, bem
como as passagens entre os diferentes subsistemas, classes e cursos;
• Tornar possível o controle parcial sobre os professores – quer por
parte dos administradores da educação, quer por parte dos próprios
pares;

• Definir informações e as mensagens a transmitir aos pais e aos
organismos de tutela;
• Constituir elementos importante na gestão da tema na medida em
que influencia as aprendizagens, o sistema de disciplina e as próprias
motivações dos alunos;

• Fornecer informações importantes sobre a sua própria imagem
profissional e sobre os métodos pedagógicos que utiliza.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO
Para que compreendamos as funções da avaliação é
necessário que façamos uma relação com a teoria
educacional na qual ela está inserida.

Percebe-se que as funções da avaliação estão
intimamente ligadas ao todo pedagógico,
desde os processos técnico-administrativos às
ações de cunho mais pedagógico.
A avaliação não fica restrita à sala de aula.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO

A aprendizagem dos
alunos está relacionada
aos diferentes aspectos
que compõem o
processo pedagógico.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO
A avaliação é um processo contínuo, que não tem
um fim em si mesmo. Ela é um meio que nos
permite verificar se alcançamos, ou não, os
objetivos traçados inicialmente. Também indica
os avanços e as dificuldades encontradas no
decorrer do processo educativo, para que
possamos, se necessário, reformular o trabalho
que está em andamento e vivenciar novas
práticas, novos procedimentos.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO
1968/1970 A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM
O foco da avaliação é a aprendizagem dos alunos. Nesta época não há
registro de literatura preocupada com outros objetos como os materiais
curriculares ou projetos institucionais. O principal objetivo é o controle
do planejamento, de tal modo que a avaliação deve preocupar-se em
julgar o comportamento dos alunos.
A instrução programada, com o uso de instrumentos como a prova
objetiva e os testes, é valorizada nesse enfoque do processo avaliativo.
Avaliação, então, é “sinônimo de medida, valorizada principalmente pelas
suas características de objetividade, fidedignidade e possibilidade de
manipulação matemática dos dados”. Entretanto “recebeu sérias críticas
em função de ser uma noção simplista, inflexível e limitada, levando ao
risco de relegar a um plano secundário aspectos importantes do processo
ensino aprendizagem” (SAUL, 1999, p. 29).
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO
PARTIR DA DÉCADA DE 1970 A AVALIAÇÃO DE CURRÍCULO

A avaliação continua preocupada com o controle
do planejamento e com o comportamento dos
alunos.
Contudo há a agregação de mais um elemento do
processo avaliativo: o currículo.
Nessa corrente, “proliferam os materiais
pedagógicos para o aluno, acompanhados dos
manuais instrucionais para os professores”
(LIMA, 1998, p. 70)
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO
A PARTIR DA DÉCADA DE 1980 ABORDAGEM QUALITATIVA

Os dois primeiros momentos (avaliação da
aprendizagem e avaliação de currículo) caracterizam
propostas de ordem quantitativa. Porém, a partir
dos anos 1980, as publicações
acadêmicas apontam para uma nova abordagem no
campo da avaliação no Brasil. Esse novo olhar
representa uma transformação
na estrutura da avaliação, marcando o início de um
novo paradigma alternativo.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO
As correntes quantitativas buscaram, e de fato
produziram, vasto material instrumental para
proceder à avaliação, de modo a manter-se o mais
próximo possível da objetividade e, ao mesmo tempo,
fornecer dados mais seguros no que tange à
eficiência/eficácia da aprendizagem. Tendo por
objetivo mudanças comportamentais observáveis e
mensuráveis, que por sua vez têm como meta a
tomada de decisão, estes materiais encontraram
receptividade graças à inexistência de instrumental
para processos qualitativos.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO
CORRENTE
POSITIVISTA

CORRENTE
PRAGMÁTICAS

Permanecem como
centro das proposições
da área de Recursos
Humanos das
empresas, cuja meta
quantitativa de
produtividade é o
suporte à proliferação
desta visão da avaliação
de desempenho.

Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO
No campo do qualitativo, é necessário reconhecer-se sua
complexidade, tendo em vista o seu caráter relativo, intencional e
valorativo, através do qual passamos, com certeza, por aspectos
simbólicos e culturais.
As correntes qualitativas, ao contrário, passaram a questionar
precisamente as limitações dos testes padronizados para se ter
compreensão daquilo que o professor ensina e o que o aluno
aprende.

A ideia de mensuração de comportamentos é extremamente
estática, contraditória com a dinâmica
psicológica e social dos indivíduos
(LIMA, 1998, p. 71-72).
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO

Na vertente qualitativa da
avaliação, podemos encontrar
também traços da vertente
quantitativa, principalmente
naquilo que se refere ao uso
de alguns instrumentos.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO

O ATO DE AVALIAR NÃO
DEVE PERDER AS
CARACTERÍSTICAS DE
UM PROCESSO
PERMANENTE E, ACIMA
DE TUDO, DE UM
DIAGNÓSTICO DA
APRENDIZAGEM DOS
ALUNOS.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
DE NADA ADIANTAM TESTES E
FÓRMULAS DE MENSURAÇÃO DE
CONHECIMENTOS (SE É QUE POSSÍVEL
ISSO), SE O OBJETIVO PRIMORDIAL DO
PROCESSO DE ENSINO DO PROFESSOR
NÃO ESTIVER VOLTADO À
APRENDIZAGEM DOS SEUS ALUNOS,
PRINCIPALMENTE PARA OS ALUNOS QUE
ESTÃO INSERIDOS NO CONTEXTO
DA INCLUSÃO.
Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoKajdy Ejdy
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Magda Marques
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemGerdian Teixeira
 
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASAVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASVyeyra Santos
 
Apostila Práticas Pedagógicas I
Apostila Práticas Pedagógicas IApostila Práticas Pedagógicas I
Apostila Práticas Pedagógicas Ina educação
 
Slide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoSlide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoGisele Lopes
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaUlisses Vakirtzis
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISJose Wilson Melo
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democráticaappfoz
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasMarily Oliveira
 
Avaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemAvaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemheliane
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilFátima Regina
 
"Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas""Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas"Cléo Lima
 

Mais procurados (20)

Tipos de avaliacao
Tipos de avaliacaoTipos de avaliacao
Tipos de avaliacao
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIASAVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
AVALIAÇÃO EDUCACIONAL: PESPECTIVIAS
 
Apostila Práticas Pedagógicas I
Apostila Práticas Pedagógicas IApostila Práticas Pedagógicas I
Apostila Práticas Pedagógicas I
 
Slide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoSlide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliação
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
 
Organização e gestão da escola
Organização e gestão da escolaOrganização e gestão da escola
Organização e gestão da escola
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAISPOLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
POLITICAS PUBLICAS EDUCACIONAIS
 
Gestão democrática
Gestão democráticaGestão democrática
Gestão democrática
 
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicasSlides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
Slides Sextas inclusivas- práticas pedagógicas
 
Avaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagemAvaliacao da-parendizagem
Avaliacao da-parendizagem
 
EJA
EJA EJA
EJA
 
Luckesi avaliação
Luckesi avaliaçãoLuckesi avaliação
Luckesi avaliação
 
Avaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantilAvaliação na educação infantil
Avaliação na educação infantil
 
Planejamento educacional
Planejamento educacionalPlanejamento educacional
Planejamento educacional
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
"Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas""Tendências pedagógicas"
"Tendências pedagógicas"
 

Destaque

INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOEdlauva Santos
 
PNAIC - Avaliação
PNAIC - AvaliaçãoPNAIC - Avaliação
PNAIC - AvaliaçãoElieneDias
 
Relação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativaRelação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativaAlessandra Vieira da Silva
 
A rainha que não sabe avaliar!
A rainha que não sabe avaliar!A rainha que não sabe avaliar!
A rainha que não sabe avaliar!SimoneHelenDrumond
 
Slides resumo constance kamii
Slides  resumo constance  kamiiSlides  resumo constance  kamii
Slides resumo constance kamiirepiba
 
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10Ricardo Silva
 
HistóRia Da AvaliaçãO 1a Aula
HistóRia Da AvaliaçãO   1a AulaHistóRia Da AvaliaçãO   1a Aula
HistóRia Da AvaliaçãO 1a AulaUESB
 
01 reflexões sobre avaliação
01 reflexões sobre avaliação01 reflexões sobre avaliação
01 reflexões sobre avaliaçãoJoao Balbi
 
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - AvelinaAula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - AvelinaFernando Souza
 
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - AvelinaAula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - AvelinaFernando Souza
 
ANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAIC
ANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAICANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAIC
ANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAICJoão Alberto
 
As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1MariaVerde1995
 
Prova Brasil ApresentaçãO
Prova Brasil ApresentaçãOProva Brasil ApresentaçãO
Prova Brasil ApresentaçãOescola
 

Destaque (20)

INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃOINSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
INSTRUMENTOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO
 
PNAIC - Avaliação
PNAIC - AvaliaçãoPNAIC - Avaliação
PNAIC - Avaliação
 
Relação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativaRelação entre avaliação formativa e somativa
Relação entre avaliação formativa e somativa
 
Espelho reflexão
Espelho reflexãoEspelho reflexão
Espelho reflexão
 
A rainha que não sabe avaliar!
A rainha que não sabe avaliar!A rainha que não sabe avaliar!
A rainha que não sabe avaliar!
 
Avaliação ppt
Avaliação pptAvaliação ppt
Avaliação ppt
 
Slides resumo constance kamii
Slides  resumo constance  kamiiSlides  resumo constance  kamii
Slides resumo constance kamii
 
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
Aula nota 10 - 49 técnicas para ser um professor nota 10
 
HistóRia Da AvaliaçãO 1a Aula
HistóRia Da AvaliaçãO   1a AulaHistóRia Da AvaliaçãO   1a Aula
HistóRia Da AvaliaçãO 1a Aula
 
01 reflexões sobre avaliação
01 reflexões sobre avaliação01 reflexões sobre avaliação
01 reflexões sobre avaliação
 
951347 o-texto-publicitario
951347 o-texto-publicitario951347 o-texto-publicitario
951347 o-texto-publicitario
 
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - AvelinaAula 1 - oficina de linguagens - Avelina
Aula 1 - oficina de linguagens - Avelina
 
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - AvelinaAula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
Aula 2 - as tramas do texto publicitário - Avelina
 
Caderno 5 - Geometria Parte 1
Caderno 5 - Geometria Parte 1Caderno 5 - Geometria Parte 1
Caderno 5 - Geometria Parte 1
 
ANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAIC
ANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAICANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAIC
ANA - Avaliação Nacional da Alfabetização no âmbito do PNAIC
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Formas De Avaliação
Formas De AvaliaçãoFormas De Avaliação
Formas De Avaliação
 
As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1As características do anúncio publicitário 1
As características do anúncio publicitário 1
 
Prova Brasil ApresentaçãO
Prova Brasil ApresentaçãOProva Brasil ApresentaçãO
Prova Brasil ApresentaçãO
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 

Semelhante a Avaliação tipos e funções 2

Converter.tiposdeavaliacao-convertido.ppt
Converter.tiposdeavaliacao-convertido.pptConverter.tiposdeavaliacao-convertido.ppt
Converter.tiposdeavaliacao-convertido.pptIgor Sampaio Pinho
 
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...SimoneHelenDrumond
 
Planejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educaçãoPlanejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educaçãoSimoneHelenDrumond
 
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaA avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaElizeu Gomes de Faria
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorInstituto Consciência GO
 
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docxAVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docxMirianCes
 
Avaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino SuperiorAvaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino Superioralicemm26
 
Avaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptx
Avaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptxAvaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptx
Avaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptxCARLOSANTONIOCUNHADO
 
Entrevist..
Entrevist..Entrevist..
Entrevist..Luciana
 
Entrevista
EntrevistaEntrevista
EntrevistaLuciana
 
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliaçãoAvaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliaçãowilkerfilipel
 
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciadaA avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciadaGilvandenys Leite Sales
 

Semelhante a Avaliação tipos e funções 2 (20)

Converter.tiposdeavaliacao-convertido.ppt
Converter.tiposdeavaliacao-convertido.pptConverter.tiposdeavaliacao-convertido.ppt
Converter.tiposdeavaliacao-convertido.ppt
 
Artigo clenilson
Artigo clenilsonArtigo clenilson
Artigo clenilson
 
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...1 artigo simone helen drumond  fund. sócio, político e filosófico da educação...
1 artigo simone helen drumond fund. sócio, político e filosófico da educação...
 
Planejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educaçãoPlanejamento e avaliação na educação
Planejamento e avaliação na educação
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
AvaliaçãO
AvaliaçãOAvaliaçãO
AvaliaçãO
 
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - reaA avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
A avaliação no processo de ensino aprendizagem - rea
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
 
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docxAVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
AVALIAÇÃO FORMATIVA artigo.docx
 
Avaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino SuperiorAvaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino Superior
 
Avaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptx
Avaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptxAvaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptx
Avaliação Escolar e dos sistemas de ensino.pptx
 
Entrevist..
Entrevist..Entrevist..
Entrevist..
 
Entrevista
EntrevistaEntrevista
Entrevista
 
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliaçãoAvaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
 
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciadaA avaliação como prática pedagógica diferenciada
A avaliação como prática pedagógica diferenciada
 
Avaliação.docx
Avaliação.docxAvaliação.docx
Avaliação.docx
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
 
A avaliação docente
A avaliação docenteA avaliação docente
A avaliação docente
 
SLID, AVALIACAO.pptx
SLID, AVALIACAO.pptxSLID, AVALIACAO.pptx
SLID, AVALIACAO.pptx
 
Supervisão
SupervisãoSupervisão
Supervisão
 

Mais de SimoneHelenDrumond

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfSimoneHelenDrumond
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfSimoneHelenDrumond
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfSimoneHelenDrumond
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfSimoneHelenDrumond
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfSimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfSimoneHelenDrumond
 

Mais de SimoneHelenDrumond (20)

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
 

Último

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Avaliação tipos e funções 2

  • 2. AVALIAÇÃO: TIPOS E FUNÇÕES Assim como toda a educação, a avaliação vai ter as características políticas, sociais e culturais definidas pela unidade escolar, conforme Projeto Político Pedagógico (quando participativo), ou conforme as decisões “de cúpula”, isto é, da direção e das coordenações pedagógicas. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 3. AVALIAÇÃO: TIPOS E FUNÇÕES “Jamais podemos perder de vista que a avaliação é parte integrante do Projeto Pedagógico, adquirindo funções diferentes conforme o momento em que acontece”. (Smone Helen Drumond) “A avaliação é ponto de partida e de chegada de todo e qualquer trabalho pedagógico e as três funções da avaliação: diagnóstica, formativa e somativa são interdependentes e estarão sempre presentes no trabalho da escola” (Cleire Maria do Amaral Rodrigues)
  • 4. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA Tem a função básica de informar sobre o contexto em que o trabalho pedagógico vai se realizar, bem como sobre os atores que participarão do mesmo. Esse tipo de avaliação fornece subsídios para uma ação mais ampla. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 5. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA RECURSOS ESPECÍFICOS : seminários, questionários, análises de resultados anteriores (quando os alunos estão passando de um ano para o outro), observação , entrevistas, etc. A avaliação diagnóstica pode se dar antes ou depois da definição dos objetivos. Exemplo: Se um dos objetivos definidos no Projeto Pedagógico foi fornecer atendimento individualizado e psicopedagógico ao educando com dificuldades de aprendizagem, faz-se necessário verificar quais são esses alunos, utilizando os recursos já citados. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 6. AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA Objetiva alcançar as metas do trabalho pedagógico juntamente com a avaliação formativa. Isso possibilitará sempre maior ênfase no processo de ensino e aprendizagem nas unidades de ensino. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 7. AVALIAÇÃO FORMATIVA Objetiva captar os avanços e as dificuldades que se manifestam durante o processo pedagógico. Como avaliação preventiva, deve ser feita em um tempo hábil para que se sanem as dificuldades detectadas. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 8. AVALIAÇÃO FORMATIVA Tem a função de informar, constantemente, aos agentes do processo de ensino e aprendizagem (professor e aluno) o que está acontecendo. Essa informação não pode se dar de uma forma apenas descritiva, mas deve possibilitar novas decisões, às vezes até mesmo mudanças de rumo. Os resultados da avaliação formativa devem mostrar a necessidade (o onde, o quando, o como, o porquê) de se reverem planos ou de retomarem decisões reestabelecidas. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 9. AVALIAÇÃO SOMATIVA E a mais utilizada em nosso sistema educacional formal, pois é a que vai demonstrar a nota ou o conceito do aluno para um determinado período. Esse período pode ser uma semana, um mês, uma unidade, uma aula, um bimestre, um trimestre, um semestre ou um ano letivo. Ela acontece ao final de um trabalho e demonstra um produto alcançado. É importante ressaltar que há diversas formas e funções para a avaliação e o educador deve sempre estar atento para qual deve utilizar. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 10. AVALIAÇÃO SOMATIVA A avaliação possui funções diferentes e que devemos usá-las de acordo com as necessidades da escola, do professor ou do aluno. As funções da avaliação no campo da prática escolar é o de compreender as funções específicas, explícitas ou implícitas, da avaliação da aprendizagem escolar no contexto da educação, sempre relacionando essas funções a uma determinada concepção de educação. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 11. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No cotidiano institucional, os critérios de avaliação são formados no decorrer da própria avaliação, permanecendo a observação da qualidade da avaliação diretamente ligada a fatores circunstanciais. As avaliações contínuas são pouco praticadas em virtude da falta de experiência na observação de alunos em atividades diversas e diferenciadas, tais como: exposição oral, atividades em grupo, atividades de campo ou extraclasse, entre outras. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 12. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A prática que de fato predomina em nossas instituições escolares é a prova cumulativa no final de cada unidade, bimestre, trimestral, semestre ou anual. A avaliação é praticada como verificação de conhecimentos. Se pretendemos assumir a avaliação como um instrumento auxiliar da prática pedagógica cotidiana, é necessário fortalecer o caráter diagnóstico previamente ao classificatório. Precisamos superar o paradigma da avaliação como mecanismo de nivelamento e até mesmo de punição dos alunos. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 13. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Devemos trabalhar com o conceito de avaliação como atividade formativa, assim ela terá para nós, professores, utilidade como instrumento de reflexão sobre os resultados da aprendizagem ou sobre o desempenho deles frente a uma atividade executada. Isso permitirá a nós/professores e a eles/alunos uma tomada de consciência mais realista do trabalho. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 14. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Precisamos ter consciência de que o trabalho pedagógico se processa lentamente; que seus efeitos sobre os educandos são construtivos e cumulativos, supondo alterações nem sempre perceptíveis ao condutor da aprendizagem quando nos prendemos – apenas – a resultados imediatos de desempenho expressos em uma avaliação finalística. Se as alterações são difíceis de serem percebidas por esses instrumentos, é necessário criarmos e utilizarmos outros mecanismos de acompanhamento como fichas, auto avaliações, exposições orais. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 15. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO O trabalho de desenvolvimento de novos instrumentos deve ser a cada momento repensado e refeito, pois cada sala de aula é única, não é mesmo? Muitas vezes, o que for muito bom como referência para uma determinada situação, não o será para outra, e assim por diante. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 16. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação diagnóstico-formativa deve ser entendida como um retorno reflexivo sobre o processo de aprendizagem, em uma tomada de consciência sobre sua função de apoio e estímulo, pois ela é retrospectiva e prospectiva (PENA, 2003). Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 17. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Muitos professores preocupam-se bastante com os conteúdos, mas muitas vezes não têm clareza do porquê de suas escolhas, ou mesmo do que esperando aluno sobre determinado conteúdo. Tanto o professor quanto o aluno devem saber a razão pela qual se está ensinando e aprendendo. Assim a avaliação diagnóstico-formativa adquire status de relevância no processo educativo Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 18. Avaliação um instrumento indispensável Inserir a avaliação como parte fundamental ao planejamento pedagógico, e não como apêndice, é um desafio constante para quem assume a função cotidiana da educação na gestão da sala de aula, bem como nos espaços convencionais dos processos educativos. A avaliação constitui-se matéria imprescindível para a implantação e implementação de projetos pedagógicos, seus princípios e funções orientam e definem as ações que promoverão as aprendizagens. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 19. AVALIAÇÃO FORMATIVA E DIAGNÓSTICA Formativa - permite o redirecionamento da ação docente durante o processo. Diagnóstica verifica os avanços e dificuldades do aluno, auxiliando na tomada de decisões. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 20. Avaliação um instrumento indispensável O ato de avaliar vai ajudar na tomada de decisões racionais e abertas proporcionando informações e provocando a exploração das próprias posições de valor de quem decide. Para viabilizar a avaliação diagnóstica e formativa, deve-se realizar análise constante da clareza dos objetivos de ensino preestabelecidos, o que implica em mudança na concepção de planejamento e avaliação. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 21. AVALIAÇÃO E REGISTRO DE OBJETIVOS O registro dos objetivos alcançados no decorrer dos processos avaliativos são importantes, uma vez que, possibilitam ao professor acompanhar adequadamente os progressos dos educandos. Esses registros, são de grande relevância, para os alunos que estão dentro de um contexto escolar de inclusão. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 22. AVALIAÇÃO E REGISTRO DE OBJETIVOS No entanto nem todo o percurso será linear e sem obstáculos, pois a tomada de decisão por um processo avaliativo dessa natureza implica enfrentamento de diversas atividades, tais como: a) a prática de registro, b) a complexidade que envolve refletir sobre a dissonância cognitiva, c) o conflito gerado sobre o sentimento de impotência perante as dificuldades de determinados alunos, d) o enfrentamento com alguns pais, e) o número excessivo de alunos em sala e f) a rotatividade de professores. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 23. CARACTERÍSTICAS DE UMA AVALIAÇÃO Uma avaliação com características formativas leva a uma reflexão constante da prática pedagógica: • o absurdo e a inutilidade de certos conteúdos do ensino; • a dissonância entre objetivos e práticas; • a imprecisão do nível de maestria desejada; • a ignorância em que vive o sistema escolar quanto aos efeitos do ensino. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 24. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO São inúmeras as referências bibliográficas que abordam as funções da avaliação. De modo geral, elas dizem respeito à melhoria do processo de ensino aprendizagem à luz de uma determinada concepção de educação (conhecer o aluno, identificar as dificuldades, verificar se os objetivos propostos foram atingidos, promover mudanças na prática educativa etc.), à promoção da motivação entre os sujeitos participantes e também às questões da autoridade existente nas relações que são estabelecidas no cotidiano da escola. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 25. MODALIDADES E FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 26. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO Cada modalidade avaliativa tem uma função específica que, pensada globalmente, contribui para o sucesso do trabalho do professor, isto é, para a aprendizagem dos alunos. Segundo Afonso (2005), a avaliação pode ser compreendida como a pedra angular da instituição escolar, pois, por meio dela, podemos ter uma visão geral do processo educativo que ali se desenvolve. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 27. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO NA VISÃO DE AFONSO 2005 p. 18 • Condicionar fluxos de entrada e de saída do sistema escolar, bem como as passagens entre os diferentes subsistemas, classes e cursos; • Tornar possível o controle parcial sobre os professores – quer por parte dos administradores da educação, quer por parte dos próprios pares; • Definir informações e as mensagens a transmitir aos pais e aos organismos de tutela; • Constituir elementos importante na gestão da tema na medida em que influencia as aprendizagens, o sistema de disciplina e as próprias motivações dos alunos; • Fornecer informações importantes sobre a sua própria imagem profissional e sobre os métodos pedagógicos que utiliza. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 28. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 29. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO Para que compreendamos as funções da avaliação é necessário que façamos uma relação com a teoria educacional na qual ela está inserida. Percebe-se que as funções da avaliação estão intimamente ligadas ao todo pedagógico, desde os processos técnico-administrativos às ações de cunho mais pedagógico. A avaliação não fica restrita à sala de aula. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 30. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO A aprendizagem dos alunos está relacionada aos diferentes aspectos que compõem o processo pedagógico. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 31. FUNÇÕES DA AVALIAÇÃO A avaliação é um processo contínuo, que não tem um fim em si mesmo. Ela é um meio que nos permite verificar se alcançamos, ou não, os objetivos traçados inicialmente. Também indica os avanços e as dificuldades encontradas no decorrer do processo educativo, para que possamos, se necessário, reformular o trabalho que está em andamento e vivenciar novas práticas, novos procedimentos. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 32. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO 1968/1970 A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM O foco da avaliação é a aprendizagem dos alunos. Nesta época não há registro de literatura preocupada com outros objetos como os materiais curriculares ou projetos institucionais. O principal objetivo é o controle do planejamento, de tal modo que a avaliação deve preocupar-se em julgar o comportamento dos alunos. A instrução programada, com o uso de instrumentos como a prova objetiva e os testes, é valorizada nesse enfoque do processo avaliativo. Avaliação, então, é “sinônimo de medida, valorizada principalmente pelas suas características de objetividade, fidedignidade e possibilidade de manipulação matemática dos dados”. Entretanto “recebeu sérias críticas em função de ser uma noção simplista, inflexível e limitada, levando ao risco de relegar a um plano secundário aspectos importantes do processo ensino aprendizagem” (SAUL, 1999, p. 29). Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 33. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO PARTIR DA DÉCADA DE 1970 A AVALIAÇÃO DE CURRÍCULO A avaliação continua preocupada com o controle do planejamento e com o comportamento dos alunos. Contudo há a agregação de mais um elemento do processo avaliativo: o currículo. Nessa corrente, “proliferam os materiais pedagógicos para o aluno, acompanhados dos manuais instrucionais para os professores” (LIMA, 1998, p. 70) Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 34. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO A PARTIR DA DÉCADA DE 1980 ABORDAGEM QUALITATIVA Os dois primeiros momentos (avaliação da aprendizagem e avaliação de currículo) caracterizam propostas de ordem quantitativa. Porém, a partir dos anos 1980, as publicações acadêmicas apontam para uma nova abordagem no campo da avaliação no Brasil. Esse novo olhar representa uma transformação na estrutura da avaliação, marcando o início de um novo paradigma alternativo. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 35. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO As correntes quantitativas buscaram, e de fato produziram, vasto material instrumental para proceder à avaliação, de modo a manter-se o mais próximo possível da objetividade e, ao mesmo tempo, fornecer dados mais seguros no que tange à eficiência/eficácia da aprendizagem. Tendo por objetivo mudanças comportamentais observáveis e mensuráveis, que por sua vez têm como meta a tomada de decisão, estes materiais encontraram receptividade graças à inexistência de instrumental para processos qualitativos. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 36. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO CORRENTE POSITIVISTA CORRENTE PRAGMÁTICAS Permanecem como centro das proposições da área de Recursos Humanos das empresas, cuja meta quantitativa de produtividade é o suporte à proliferação desta visão da avaliação de desempenho. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 37. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO No campo do qualitativo, é necessário reconhecer-se sua complexidade, tendo em vista o seu caráter relativo, intencional e valorativo, através do qual passamos, com certeza, por aspectos simbólicos e culturais. As correntes qualitativas, ao contrário, passaram a questionar precisamente as limitações dos testes padronizados para se ter compreensão daquilo que o professor ensina e o que o aluno aprende. A ideia de mensuração de comportamentos é extremamente estática, contraditória com a dinâmica psicológica e social dos indivíduos (LIMA, 1998, p. 71-72). Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 38. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO Na vertente qualitativa da avaliação, podemos encontrar também traços da vertente quantitativa, principalmente naquilo que se refere ao uso de alguns instrumentos. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 39. CARACTERÍSTICAS HISTÓRICAS DA AVALIAÇÃO O ATO DE AVALIAR NÃO DEVE PERDER AS CARACTERÍSTICAS DE UM PROCESSO PERMANENTE E, ACIMA DE TUDO, DE UM DIAGNÓSTICO DA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian
  • 40. DE NADA ADIANTAM TESTES E FÓRMULAS DE MENSURAÇÃO DE CONHECIMENTOS (SE É QUE POSSÍVEL ISSO), SE O OBJETIVO PRIMORDIAL DO PROCESSO DE ENSINO DO PROFESSOR NÃO ESTIVER VOLTADO À APRENDIZAGEM DOS SEUS ALUNOS, PRINCIPALMENTE PARA OS ALUNOS QUE ESTÃO INSERIDOS NO CONTEXTO DA INCLUSÃO. Professora: Simone Helen Drumond Ischkanian