SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
Transtornos de
Aprendizagem
 TDAH
 Dislexia
 Discalculia
Letícia da Costa Stefanini
Psicóloga - CRP 06/124609
Especialista em Neuroaprendizagem
Facebook Especialistas Online
Manual para os pais
Sumário
APRESENTAÇÃO.........................................................1
INTRODUÇÃO............................................................2
TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO E
HIPERATIVIDADE .....................................................3
DISLEXIA.....................................................................5
DISCALCULIA ............................................................8
CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................11
APRESENTAÇÃO
Letícia da Costa Stefanini, é psicóloga clínica, especialista
em Neuroaprendizagem, com experiência clínica em
atendimento infantil e adolescente nas quais apresentam
queixas escolares na categoria de transtornos do
Desenvolvimento pelo DSM 5, na qual estuda-se o
Transtorno Déficit de Atenção/Hiperatividade, e também a
Dislexia e Discalculia.
É idealizadora do blog e página no facebook Especialistas
Online, com a participação da Dra Patrícia Cecconi,
especialista em Terapia Cognitivo Comportamental.
Objetivo deste e-book é trazer aos pais informações
técnicas-científicas sobre os transtornos de aprendizagens
citados anteriormente.
Espero que possa ser útil todo o conteúdo deste
informativo.
Letícia C. Stefanini – Psicóloga CRP 06/124609
Especialista em Neuroaprendizagem
São José do Rio Preto- SP
1
INTRODUÇÃO
É comum nos consultórios os pais queixarem de seus filhos
sobre problemas de aprendizagem e de comportamento no
ambiente escolar e em casa, relatando principalmente
hiperatividade/impulsividade. Muitas das vezes esses pais
desconhecem sobre o transtornos de Desenvolvimento, e
especificamente sobre os transtornos de aprendizagem.
Precisamos primeiro identificar a causa do problema, se a
criança tem dificuldades escolares ou um transtorno de
aprendizagem, que são dois conceitos bem diferentes, na
qual o primeiro, refere-se ás situações externas do individuo,
como por exemplo emocional abalado por algum problema
familiar, a criança reagirá de forma negativa no ambiente
escolar (Brennan, 1979)
Já os Transtornos de aprendizagem, o indivíduo possui
característica principal como um mal funcionamento no
cérebro, em que áreas de determinadas conexões não são
acessadas adequadamente, por isso existem diferentes formas
de aprendizado, na qual uma criança aprende diferente da
outra, no seu tempo, na sua forma de codificação e
decodificação das apresentações simbólicas na aprendizagem.
Todo mundo pode aprender. Não será no seu tempo.
Cada um tem um tempo e forma diferente de aprendizado.
2
3
TRANSTORNO DEFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE
O QUE É? No DSM 5 ele está classificado como Transtorno de
Desenvolvimento.
ALVO: Crianças e adolescentes, podendo prolongar na fase adulta
caso não trate adequadamente na fase infanto-juvenil. .
CARACTERISTICAS GERAIS:
 Frequentemente não presta atenção e comete erros por descuido
em tarefas escolares, no trabalho, acadêmicas e profissionais;
 Tem dificuldade de manter atenção nas tarefas, não tem foco
durante as aulas ou no que está fazendo, interrompe os colegas
da classe;
 Parece estar com a cabeça nas nuvens, ou finge não escutar o que
o outro diz;
 Frequentemente não gosta de tarefas que exijam esforço, foco e
atenção;
 Vive perdendo coisas necessárias, no caso da escola, perde
material escolar;
QUANDO APRESENTA HIPERATIVIDADE/ IMPULSIVIDADE,
A CRIANÇA OU ADOLESCENTE APRESENTA OS SEGUINTES
SINTOMAS:
 Remexe toda hora na cadeira
 Não fica sentado por muito tempo na sala de aula;
 É incapaz de envolver em atividades de relaxamento;
 Fala demais na sala, ou em qualquer lugar;
 Tem dificuldade de esperar sua vez.
4
TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE
O QUE CAUSA TDAH
 Fatores ambientais (por ex: Bebês prematuros)
 Fatores genéticos e
 Fatores temperamentais (inibição comportamental)
TRATAMENTO:
 Medicamento
 Psicoterapia
COMORBIDADES:
 TOD- Transtorno Opositor Desafiante;
 Transtorno de Conduta;,
 Transtorno Disruptivo da Desregulação do Humor, etc.
AVALIAÇÃO
Por meio de testes psicológicos, anamnese com os pais, além de
uma investigação sobre os comportamentos, como por exemplo:
duração, frequência e prejuízos, sendo um prazo mínimo de
duração dos sintomas de 6 meses.
5
DISLEXIA - Transtorno Especifico de Aprendizagem
É um desvio de reconhecimento de palavras. Ou seja, ela tem
dificuldade de leitura e escrita. Ela confunde as letras,
principalmente com som semelhantes, como D e P, B e P.
SINAIS DA DISLEXIA:
 Leitura e escrita incompreensíveis;
 Confusões com letras muito semelhantes (p/q, b/d);
 Confusões entre letras com sons ou articulação dos sons
semelhantes (d / t; g/j; v/f);
 Inversões de silabas ou palavras (como trocar as palavras “alta” e
“lata”)
 Substituição entre palavras com estruturas semelhantes (como
as palavras “contribuiu” e “construiu”)
 Subtração ou adição de sílabas nas palavras (como “caalo” ao
invés de “cavalo” ou “berla” ou invés de “bela”)
 Repetição de sílabas ou palavras (ex: “eu jogo jogo bola”)
 Dificuldade para entender o texto lido (dificuldade na
compreensão de palavra, frase ou texto).
O que é leitura: Ler é um processo simbólico construído pelo
sujeito para compreender o mundo e a palavra no contexto
CAUSAS SÃO MÚLTIPLAS:
GENÉTICA/HEREDITARIEDADE – problema hereditário –
mutações dos cromossomos 6 e 15 e 2
PSICOLINGUISTICA: “evidência de que os indivíduos que
apresentam um atraso na aquisição da linguagem experimentam
dificuldades na leitura com uma frequência seis vezes superior
àqueles com desenvolvimento normal”
NEUROBIOLOGIA - sabe-se que o cérebro desempenha diferente
funções = área esquerda responsável pela linguagem, nesta zona
foram identificados 3 sub-areas distintas:
1. articulação dos fonemas região inferior frontal_
2. analise das palavras (parietal – temporal_
3. leitura automática regial occiptal- temporal)
 Apresentam também dificuldades na expressão oral e
escrita.
DISLEXIA
6
TRATAMENTO:
Criança precisa saber o que ela tem. Como ajudar alguém a ler e
escrever adequadamente, se a criança não sabe o que ela tem ?
Não existe tratamento único, especifico, mas é importante os pais
estimularem e reforçarem sua criança em aprender, não acusar o
erro, porque isso contribui para baixa autoestima.
Na sala de aula, é importante que a criança sente-se bem próximo
da mesa do professor, pra evitar distrações.
Uma terapia multissensorial - são métodos que combinam a
visão, a audição e o tato para ajudar a criança a ler e a soletrar
corretamente as palavras. Assim, a criança começa
por observar o grafema escrito, depois “escreve-o” no ar com o dedo,
escutando e articulando a sua pronúncia.
 Ela pode surgir em qualquer criança. Ela terá dificuldade de leitura e
escrita. Tendo origem neurobiológica, ou seja, é no cérebro que tudo
isso acontece
DISLEXIA
7
DISCALCULIA – Transtorno Especifico de Aprendizagem
O QUE É?
O distúrbio da matemática é também conhecido como Discalculia
pode ser caracterizado pela baixa capacidade em manejar números
e conceitos matemáticos.
A criança com discalculia “[...] pode ser capaz de entender conceitos
matemáticos de um modo bem concreto, uma vez que o
pensamento lógico está intacto, porém tem extrema dificuldade em
trabalhar com números e símbolos matemáticos, fórmulas, e
enunciados” (ALMEIDA, 2011, p. 1).
È “um distúrbio de aprendizagem que interfere
negativamente com as competências de matemática de
alunos que, noutros aspetos, são normais.” Dsm -5,
2014.
CAUSAS:
Os estudos efetuados nesta área são recentes e as conclusões não
podem, ainda, ser generalizadas. No entanto, têm sido feitas
investigações em vários domínios, como a neurologia, a linguística,
a psicologia, a genética e a pedagogia (Silva, 2008b).
8
DISCALCULIA
GRAUS DA DISCALCULIA
1) grau leve, quando a criança discalcúlica reage favoravelmente à
intervenção terapêutica;
2) grau médio, que coexiste com o quadro da maioria dos que
apresentam dificuldades específicas em matemática;
3) grau limite, quando se verifica a existência de uma lesão
neurológica gerada por traumatismos que provocam um défice
intelectual.
Na área linguística – diz que os números só podem ser
interpretados com a assimilação da linguagem. Sendo assim, o
discalculo apresenta deficiência na elaboração do pensamento
devido a dificuldade no processo de interiorização da linguagem
Na área da psicologia – defende que aspeto emocional interfere
no controlo de determinadas funções, caso da memória, da atenção
e da percepção, por exemplo.
Na área genética - apontando para a determinação de um gene
responsável pela transmissão dos transtornos ao nível dos cálculos.
Na área da pedagogia - vêm apontar a discalculia como uma
dificuldade diretamente relacionada com os fenómenos que
sucedem no processo de aprendizagem, como métodos de ensino
desadequados, inadaptação à escola, entre outros.
9
DISCALCULIA
DIFICULDADES EM:
- na compreensão e memorização de conceitos matemáticos, regras
e/ou fórmulas;
- na sequenciação de números (antecessor e sucessor) ou em dizer
qual de dois é o maior;
- na diferenciação de esquerda/direita e de direções (norte, sul,
este, oeste);
- na compreensão de unidades de medida;
- em tarefas que impliquem a passagem de tempo (ver as horas em
relógios analógicos);
- em tarefas que implicam lidar com dinheiro;
INTERVENÇÃO
Matemática está no nosso dia a dia.. desde ver as horas no relógio á
compras no mercado recebendo o troco. Crianças que não lidam
bem com números, apresentam auto estima baixa, principalmente
ambiente escolar, que evita responder por medo de errar, e os
colegas zoarem ele.
Como os pais podem ajudar a sua criança que tem discalculia?
1. jogo de videogame/ computador – níveis de fases concluídas,
2. jogando bola, contar numero de gols, analisar distancia do chute
para o pênaltis
3. brincando de casinha : criança saber as dimensões do quarto das
bonecas.
10
Pra terminar, quero deixar claro que discalculia é sempre (e apenas)
uma descrição do atual período de desenvolvimento, aplicável por
um período máximo de um ano. Como a criança está em constante
desenvolvimento, as dificuldades que existem no ano anterior
podem ser minimizadas no ano seguinte.
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
É importante com que os pais fiquem atentos aos sintomas
mencionados em todos os transtornos. Caso seu filho apresente
algumas das características, procurar ajuda nunca é demais.
Importante também é que os pais procurem um profissional
qualificado para realizar um diagnóstico e iniciar o tratamento
específico. Não existe durabilidade do tratamento, isso é de acordo
com os resultados obtidos, e como é a gravidade do transtorno, se
tem ou não co-morbidades. O trabalho é em conjunto com os pais,
portanto, as intervenções cognitivas são para o paciente e para os
pais.
Letícia da Costa Stefanini
Psicóloga - CRP 06/124609
Especialista em Neuroaprendizagem
stefanini882@gmail.com
DISCALCULIA
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoDificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
assessoriapedagogica
 
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaTranstornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Rosângela Gonçalves
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
craeditgd
 

Mais procurados (20)

Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Estudo discalculia
Estudo discalculiaEstudo discalculia
Estudo discalculia
 
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01Dificuldades de aprendizagem  slides nº 01
Dificuldades de aprendizagem slides nº 01
 
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
 
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógicoDificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
Dificuldade de aprendizagem no contexto pedagógico
 
Disgrafia/disortografia
Disgrafia/disortografiaDisgrafia/disortografia
Disgrafia/disortografia
 
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUALAPRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
APRENDA COMO INTERVIR COM CRIANÇAS COM TOD E DEFICIENCIA INTELECTUAL
 
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEMDIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
 
Curso II - Dislexia
Curso II - DislexiaCurso II - Dislexia
Curso II - Dislexia
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
Tdah - Transtorno de Déficit de atenção e Hiperatividade - Prof. Esp. Viníciu...
 
Transtornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na EscolaTranstornos de Aprendizagem na Escola
Transtornos de Aprendizagem na Escola
 
Discalculia
DiscalculiaDiscalculia
Discalculia
 
Discalculia
Discalculia Discalculia
Discalculia
 
dislexia
dislexiadislexia
dislexia
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
 
discalculia.ppt
discalculia.pptdiscalculia.ppt
discalculia.ppt
 
Transtorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafianteTranstorno opositor desafiante
Transtorno opositor desafiante
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 

Semelhante a TDAH, Dislexia e Discalculia

Apresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagemApresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagem
Sheilinha1
 
Dificuldadesdeaprendizagem
DificuldadesdeaprendizagemDificuldadesdeaprendizagem
Dificuldadesdeaprendizagem
Vanessa Lavado
 
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Liviamandelli
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
FAPA
 
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de AprendizagemPsicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Instituto Consciência GO
 
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemDiferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Claudinéia da Silva de Oliveira
 

Semelhante a TDAH, Dislexia e Discalculia (20)

Apresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagemApresentação distúrbios da linguagem
Apresentação distúrbios da linguagem
 
Disturbios de aprendizagem
Disturbios de aprendizagemDisturbios de aprendizagem
Disturbios de aprendizagem
 
Dificuldadesdeaprendizagem
DificuldadesdeaprendizagemDificuldadesdeaprendizagem
Dificuldadesdeaprendizagem
 
Os dis da cognição
Os dis da cogniçãoOs dis da cognição
Os dis da cognição
 
4-Dislexia.ppt
4-Dislexia.ppt4-Dislexia.ppt
4-Dislexia.ppt
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Os dis da cognição
Os dis da cogniçãoOs dis da cognição
Os dis da cognição
 
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, DownPalestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
Palestra Dislexia, Tdah, Autismo, Down
 
Dificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagemDificuldades de aprendizagem
Dificuldades de aprendizagem
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
DislexiaDiagnósticoIntervenção
DislexiaDiagnósticoIntervençãoDislexiaDiagnósticoIntervenção
DislexiaDiagnósticoIntervenção
 
Psicologia- I
Psicologia- IPsicologia- I
Psicologia- I
 
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de AprendizagemPsicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
Psicomotricidade e Dificuldade de Aprendizagem
 
Dislexia sintomas
Dislexia sintomasDislexia sintomas
Dislexia sintomas
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Dislexia guia
Dislexia   guiaDislexia   guia
Dislexia guia
 
dislexia
dislexiadislexia
dislexia
 
Dislexia
DislexiaDislexia
Dislexia
 
Conteudo (corrigido)
Conteudo (corrigido)Conteudo (corrigido)
Conteudo (corrigido)
 
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagemDiferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
Diferencças entre dificuldades, transtornos e deficies de aprendizagem
 

Mais de Fabricio Batistoni

Mais de Fabricio Batistoni (20)

Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2Lavagem Nasal 2
Lavagem Nasal 2
 
Febre
FebreFebre
Febre
 
Tosse
TosseTosse
Tosse
 
Lavagem Nasal
Lavagem NasalLavagem Nasal
Lavagem Nasal
 
Prevenção de Acidentes
Prevenção de AcidentesPrevenção de Acidentes
Prevenção de Acidentes
 
ASMA na infância
ASMA na infânciaASMA na infância
ASMA na infância
 
Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19Vacinação contra Covid-19
Vacinação contra Covid-19
 
Saltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimentoSaltos de desenvolvimento
Saltos de desenvolvimento
 
Consumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em CriançasConsumo de Mel em Crianças
Consumo de Mel em Crianças
 
Dislalia 2020
Dislalia 2020Dislalia 2020
Dislalia 2020
 
Introdução alimentar
Introdução alimentarIntrodução alimentar
Introdução alimentar
 
Dor de crescimento
Dor de crescimentoDor de crescimento
Dor de crescimento
 
Fica muito doente
Fica muito doenteFica muito doente
Fica muito doente
 
TDAH para Educadores
TDAH para EducadoresTDAH para Educadores
TDAH para Educadores
 
TDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdadesTDAN mitos e verdades
TDAN mitos e verdades
 
Desenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagemDesenvolvimento da linguagem
Desenvolvimento da linguagem
 
Imunoterapia
ImunoterapiaImunoterapia
Imunoterapia
 
Melatonina e sono
Melatonina e sonoMelatonina e sono
Melatonina e sono
 
Novo normal
Novo normalNovo normal
Novo normal
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (8)

Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 

TDAH, Dislexia e Discalculia

  • 1. Transtornos de Aprendizagem  TDAH  Dislexia  Discalculia Letícia da Costa Stefanini Psicóloga - CRP 06/124609 Especialista em Neuroaprendizagem Facebook Especialistas Online Manual para os pais
  • 2. Sumário APRESENTAÇÃO.........................................................1 INTRODUÇÃO............................................................2 TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE .....................................................3 DISLEXIA.....................................................................5 DISCALCULIA ............................................................8 CONSIDERAÇÕES FINAIS.........................................11
  • 3. APRESENTAÇÃO Letícia da Costa Stefanini, é psicóloga clínica, especialista em Neuroaprendizagem, com experiência clínica em atendimento infantil e adolescente nas quais apresentam queixas escolares na categoria de transtornos do Desenvolvimento pelo DSM 5, na qual estuda-se o Transtorno Déficit de Atenção/Hiperatividade, e também a Dislexia e Discalculia. É idealizadora do blog e página no facebook Especialistas Online, com a participação da Dra Patrícia Cecconi, especialista em Terapia Cognitivo Comportamental. Objetivo deste e-book é trazer aos pais informações técnicas-científicas sobre os transtornos de aprendizagens citados anteriormente. Espero que possa ser útil todo o conteúdo deste informativo. Letícia C. Stefanini – Psicóloga CRP 06/124609 Especialista em Neuroaprendizagem São José do Rio Preto- SP 1
  • 4. INTRODUÇÃO É comum nos consultórios os pais queixarem de seus filhos sobre problemas de aprendizagem e de comportamento no ambiente escolar e em casa, relatando principalmente hiperatividade/impulsividade. Muitas das vezes esses pais desconhecem sobre o transtornos de Desenvolvimento, e especificamente sobre os transtornos de aprendizagem. Precisamos primeiro identificar a causa do problema, se a criança tem dificuldades escolares ou um transtorno de aprendizagem, que são dois conceitos bem diferentes, na qual o primeiro, refere-se ás situações externas do individuo, como por exemplo emocional abalado por algum problema familiar, a criança reagirá de forma negativa no ambiente escolar (Brennan, 1979) Já os Transtornos de aprendizagem, o indivíduo possui característica principal como um mal funcionamento no cérebro, em que áreas de determinadas conexões não são acessadas adequadamente, por isso existem diferentes formas de aprendizado, na qual uma criança aprende diferente da outra, no seu tempo, na sua forma de codificação e decodificação das apresentações simbólicas na aprendizagem. Todo mundo pode aprender. Não será no seu tempo. Cada um tem um tempo e forma diferente de aprendizado. 2
  • 5. 3 TRANSTORNO DEFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE O QUE É? No DSM 5 ele está classificado como Transtorno de Desenvolvimento. ALVO: Crianças e adolescentes, podendo prolongar na fase adulta caso não trate adequadamente na fase infanto-juvenil. . CARACTERISTICAS GERAIS:  Frequentemente não presta atenção e comete erros por descuido em tarefas escolares, no trabalho, acadêmicas e profissionais;  Tem dificuldade de manter atenção nas tarefas, não tem foco durante as aulas ou no que está fazendo, interrompe os colegas da classe;  Parece estar com a cabeça nas nuvens, ou finge não escutar o que o outro diz;  Frequentemente não gosta de tarefas que exijam esforço, foco e atenção;  Vive perdendo coisas necessárias, no caso da escola, perde material escolar; QUANDO APRESENTA HIPERATIVIDADE/ IMPULSIVIDADE, A CRIANÇA OU ADOLESCENTE APRESENTA OS SEGUINTES SINTOMAS:  Remexe toda hora na cadeira  Não fica sentado por muito tempo na sala de aula;  É incapaz de envolver em atividades de relaxamento;  Fala demais na sala, ou em qualquer lugar;  Tem dificuldade de esperar sua vez.
  • 6. 4 TRANSTORNO DÉFICIT DE ATENÇÃO/HIPERATIVIDADE O QUE CAUSA TDAH  Fatores ambientais (por ex: Bebês prematuros)  Fatores genéticos e  Fatores temperamentais (inibição comportamental) TRATAMENTO:  Medicamento  Psicoterapia COMORBIDADES:  TOD- Transtorno Opositor Desafiante;  Transtorno de Conduta;,  Transtorno Disruptivo da Desregulação do Humor, etc. AVALIAÇÃO Por meio de testes psicológicos, anamnese com os pais, além de uma investigação sobre os comportamentos, como por exemplo: duração, frequência e prejuízos, sendo um prazo mínimo de duração dos sintomas de 6 meses.
  • 7. 5 DISLEXIA - Transtorno Especifico de Aprendizagem É um desvio de reconhecimento de palavras. Ou seja, ela tem dificuldade de leitura e escrita. Ela confunde as letras, principalmente com som semelhantes, como D e P, B e P. SINAIS DA DISLEXIA:  Leitura e escrita incompreensíveis;  Confusões com letras muito semelhantes (p/q, b/d);  Confusões entre letras com sons ou articulação dos sons semelhantes (d / t; g/j; v/f);  Inversões de silabas ou palavras (como trocar as palavras “alta” e “lata”)  Substituição entre palavras com estruturas semelhantes (como as palavras “contribuiu” e “construiu”)  Subtração ou adição de sílabas nas palavras (como “caalo” ao invés de “cavalo” ou “berla” ou invés de “bela”)  Repetição de sílabas ou palavras (ex: “eu jogo jogo bola”)  Dificuldade para entender o texto lido (dificuldade na compreensão de palavra, frase ou texto). O que é leitura: Ler é um processo simbólico construído pelo sujeito para compreender o mundo e a palavra no contexto
  • 8. CAUSAS SÃO MÚLTIPLAS: GENÉTICA/HEREDITARIEDADE – problema hereditário – mutações dos cromossomos 6 e 15 e 2 PSICOLINGUISTICA: “evidência de que os indivíduos que apresentam um atraso na aquisição da linguagem experimentam dificuldades na leitura com uma frequência seis vezes superior àqueles com desenvolvimento normal” NEUROBIOLOGIA - sabe-se que o cérebro desempenha diferente funções = área esquerda responsável pela linguagem, nesta zona foram identificados 3 sub-areas distintas: 1. articulação dos fonemas região inferior frontal_ 2. analise das palavras (parietal – temporal_ 3. leitura automática regial occiptal- temporal)  Apresentam também dificuldades na expressão oral e escrita. DISLEXIA 6
  • 9. TRATAMENTO: Criança precisa saber o que ela tem. Como ajudar alguém a ler e escrever adequadamente, se a criança não sabe o que ela tem ? Não existe tratamento único, especifico, mas é importante os pais estimularem e reforçarem sua criança em aprender, não acusar o erro, porque isso contribui para baixa autoestima. Na sala de aula, é importante que a criança sente-se bem próximo da mesa do professor, pra evitar distrações. Uma terapia multissensorial - são métodos que combinam a visão, a audição e o tato para ajudar a criança a ler e a soletrar corretamente as palavras. Assim, a criança começa por observar o grafema escrito, depois “escreve-o” no ar com o dedo, escutando e articulando a sua pronúncia.  Ela pode surgir em qualquer criança. Ela terá dificuldade de leitura e escrita. Tendo origem neurobiológica, ou seja, é no cérebro que tudo isso acontece DISLEXIA 7
  • 10. DISCALCULIA – Transtorno Especifico de Aprendizagem O QUE É? O distúrbio da matemática é também conhecido como Discalculia pode ser caracterizado pela baixa capacidade em manejar números e conceitos matemáticos. A criança com discalculia “[...] pode ser capaz de entender conceitos matemáticos de um modo bem concreto, uma vez que o pensamento lógico está intacto, porém tem extrema dificuldade em trabalhar com números e símbolos matemáticos, fórmulas, e enunciados” (ALMEIDA, 2011, p. 1). È “um distúrbio de aprendizagem que interfere negativamente com as competências de matemática de alunos que, noutros aspetos, são normais.” Dsm -5, 2014. CAUSAS: Os estudos efetuados nesta área são recentes e as conclusões não podem, ainda, ser generalizadas. No entanto, têm sido feitas investigações em vários domínios, como a neurologia, a linguística, a psicologia, a genética e a pedagogia (Silva, 2008b). 8
  • 11. DISCALCULIA GRAUS DA DISCALCULIA 1) grau leve, quando a criança discalcúlica reage favoravelmente à intervenção terapêutica; 2) grau médio, que coexiste com o quadro da maioria dos que apresentam dificuldades específicas em matemática; 3) grau limite, quando se verifica a existência de uma lesão neurológica gerada por traumatismos que provocam um défice intelectual. Na área linguística – diz que os números só podem ser interpretados com a assimilação da linguagem. Sendo assim, o discalculo apresenta deficiência na elaboração do pensamento devido a dificuldade no processo de interiorização da linguagem Na área da psicologia – defende que aspeto emocional interfere no controlo de determinadas funções, caso da memória, da atenção e da percepção, por exemplo. Na área genética - apontando para a determinação de um gene responsável pela transmissão dos transtornos ao nível dos cálculos. Na área da pedagogia - vêm apontar a discalculia como uma dificuldade diretamente relacionada com os fenómenos que sucedem no processo de aprendizagem, como métodos de ensino desadequados, inadaptação à escola, entre outros. 9
  • 12. DISCALCULIA DIFICULDADES EM: - na compreensão e memorização de conceitos matemáticos, regras e/ou fórmulas; - na sequenciação de números (antecessor e sucessor) ou em dizer qual de dois é o maior; - na diferenciação de esquerda/direita e de direções (norte, sul, este, oeste); - na compreensão de unidades de medida; - em tarefas que impliquem a passagem de tempo (ver as horas em relógios analógicos); - em tarefas que implicam lidar com dinheiro; INTERVENÇÃO Matemática está no nosso dia a dia.. desde ver as horas no relógio á compras no mercado recebendo o troco. Crianças que não lidam bem com números, apresentam auto estima baixa, principalmente ambiente escolar, que evita responder por medo de errar, e os colegas zoarem ele. Como os pais podem ajudar a sua criança que tem discalculia? 1. jogo de videogame/ computador – níveis de fases concluídas, 2. jogando bola, contar numero de gols, analisar distancia do chute para o pênaltis 3. brincando de casinha : criança saber as dimensões do quarto das bonecas. 10
  • 13. Pra terminar, quero deixar claro que discalculia é sempre (e apenas) uma descrição do atual período de desenvolvimento, aplicável por um período máximo de um ano. Como a criança está em constante desenvolvimento, as dificuldades que existem no ano anterior podem ser minimizadas no ano seguinte. CONSIDERAÇÕES FINAIS: É importante com que os pais fiquem atentos aos sintomas mencionados em todos os transtornos. Caso seu filho apresente algumas das características, procurar ajuda nunca é demais. Importante também é que os pais procurem um profissional qualificado para realizar um diagnóstico e iniciar o tratamento específico. Não existe durabilidade do tratamento, isso é de acordo com os resultados obtidos, e como é a gravidade do transtorno, se tem ou não co-morbidades. O trabalho é em conjunto com os pais, portanto, as intervenções cognitivas são para o paciente e para os pais. Letícia da Costa Stefanini Psicóloga - CRP 06/124609 Especialista em Neuroaprendizagem stefanini882@gmail.com DISCALCULIA 11