SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
ENGENHARIA 
DE 
MANUTENCAO
CONCEITO 
A Engenharia de Manutenção , conhecida em 
algumas empresas como Métodos de Manutenção, 
tem um papel muito importante dentro da 
organização, como fator de desenvolvimento técnico 
da Manutenção . Cabe a ela gerir as ferramentas 
para atualização técnica dos sistemas e processos, 
equipamentos e pessoal de manutenção.
MISSAO 
A missão da Engenharia de Manutenção é 
promover o progresso técnico da Manutenção, 
através da gestão de ferramentas que 
proporcionem a sua melhoria de performance.
SUB PROCESSOS 
• Arquivo Técnico 
- Organização de catálogos técnicos,manuais 
operacionais , catálogos de pecas 
A atualização sistemática dos catálogos é uma 
fonte de consulta importante para a especificação 
adequada do material, de desenvolvimento de 
fornecedores e materiais. 
- Dossiê dos equipamentos 
O arquivo de dados/dossiê do equipamento é uma ferramenta 
utilizada para o auxílio na intervenção de equipamentos, contendo 
dados importantes, tais como: especificação técnica, dados de 
operação, curvas de performance, spare parts lists (peças de 
manutenção reserva), instruções de operação e manutenção.
SUB PROCESSOS 
• Desenvolvimento de Fornecedores 
O desenvolvimento de fornecedores de materiais, equipamentos e 
serviços utilizados na Manutenção, através de ensaios, pesquisas, 
orientações, especificações, troca de informações com outras 
unidades, auditorias de qualidade 
• Condições Iniciais de Maquinas e 
Equipamentos 
A correta especificação técnica de maquinas e equipamentos levando 
em consideração aspectos de manutenção e lubrificação e 
fundamental para uma boa performance da manutenção
SUB PROCESSOS 
• Melhoria de Maquinas e Equipamentos 
Ensaios, estudos e modificações nos equipamentos, visando a melhoria da 
performance de manutenção, traz não só benefícios à equipe de 
manutenção, diminuindo as quebras e as intervenções nos equipamentos, 
mas também à Área de Produção , aumentando a disponibilidade do 
equipamento, aumentando o nível de produção, a diminuição de custos, a 
diminuição de perdas e refugos de matéria prima e a melhoria de 
qualidade do produto.A correta identificação dos problemas nos 
equipamentos, através de histórico e levantamento de dados de quebras, 
refugos e custo é fundamental para justificar a modificação no 
equipamento.
SUB PROCESSOS 
• Matriz de Pecas Sobressalentes 
A matriz de estoque de pecas reserva de maquinas e equipamentos deve 
ser gerenciada de acordo com períodos do ano , modificações 
introduzidas, tipo de manutenção , condições operacionais etc .Este 
gerenciamento deve proporcionar um equilíbrio entre os custos e a 
disponibilidade dos ativos
SUB PROCESSOS 
• Analise de Falhas 
O processo de análise de falha é vital no dia-a-dia da manutenção, pois através 
dela é possível conhecer as causas raízes das falhas e defeitos, trabalhar para a 
condição de quebra zero e fornecer maior disponibilidade e confiabilidade dos 
ativos. Quando a manutenção, através de seu pessoal ou em grupos 
multidisciplinares, utiliza as ferramentas de análise de falhas, está praticando a 
Engenharia de Manutenção. Estas técnicas, basicamente, identificam a causa do 
problema e sugerem uma ação de bloqueio para solucionar os problemas que 
influenciam negativamente na confiabilidade de ativos e instalações.
SUB PROCESSOS 
A equipe de manutenção, na rotina diária de serviços, tende a realizar o 
conceito “trocapeça”,onde os componentes são trocados sem uma análise 
da causa raiz do problema. A metodologia de análise de falhas permite a 
mudança deste paradigma. A equipe ao se envolver em atividades de 
Levantamento estudo de casos de falhas, irá absorver estes novos conceitos e aplicar 
intuitivamente a cada falha observada. Ao realizar a análise de 
falhas com um grupo multidisciplinar, incluindo manutenção e operação, 
há uma mudança no conceito “a máquina quebrou”, e os próprios 
operadores irão solicitar os serviços de manutenção indicando os 
componentes que estão em estado de falha, e o estudo de causa será focado 
nestes componentes.
SUB PROCESSOS 
Para manter as condições e as funções de um ativo, um dos principais 
fatores é o colaborador. A equipe de operação deve utilizar os ativos 
dentro dos padrões estabelecidos, e a equipe de manutenção deve seguir os 
planos de manutenção dos ativos, atuando de maneira acurada.
SUB PROCESSOS 
• Comissionamento 
Na prática, o processo de comissionamento consiste na aplicação integrada 
de um conjunto de técnicas e procedimentos de engenharia para verificar, 
inspecionar e testar cada componente físico da maquina, desde os 
individuais, como peças e instrumentos até os mais complexos, como 
módulos, subsistemas e sistemas. 
As atividades de comissionamento, no seu sentido mais amplo, são 
aplicáveis a todas as fases da manutencao, desde o projeto básico e 
detalhado, ao suprimento , desmontagem , inspecao , montagem, pintura 
e testes até a entrega da maquina ao cliente final, passando, muitas vezes, 
por uma fase de operação assistida
SUB PROCESSOS 
• Diligenciamento 
A atividade de diligenciamento compreende todas as ações necessárias 
para permitir que o produto a ser fornecido, montado ou colocado em 
funcionamento seja entregue no prazo, de acordo com as especificações 
técnicas aplicáveis e dentro dos padrões de qualidade esperados pelo 
Cliente. São realizadas visitas periódicas para verificar detalhadamente a 
situação da fabricação ou montagem, com base nos documentos 
contratuais, cronogramas, eventos de pagamentos e outros documentos 
julgados necessários. Na visita inicial é avaliada a infra-estrutura do 
fabricante ou montador para executar as operações contratadas, os ensaios 
e outras ações de controle da qualidade especificadas no contrato
SUB PROCESSOS 
• Padrões de Manutenção 
-Padrões de Inspeção 
-Padrões Reforma 
-Padrões Troca 
- Manut Autonoma
SUB PROCESSOS 
Os padrões técnicos da manutenção são um conjunto de documentos 
que tratam das diversas tarefas operacionais de manutenção, executadas 
diretamente no chão de fabrica. Este conjunto de documentos e também 
conhecido como Manual de Manutenção e deve conter todas as 
informações técnicas necessárias para que as equipes de manutenção 
executem suas tarefas com confiabilidade e de maneira uniforme
SUB PROCESSOS
SUB PROCESSOS
CONCLUSAO 
A Engenharia de Manutenção exerce um papel fundamental para o 
progresso técnico da Manutenção. A procura/pesquisa e a 
implantação de novas técnicas, a identificação e a solução dos 
problemas são as principais atribuições da área de Engenharia de 
Manutenção. O homem de manutenção sofre diversas pressões das 
áreas de Fabricação para a solução dos problemas imediatos: "A 
minha máquina quebrou e estou perdendo produção! Necessito que a 
Manutenção conserte rapidamente o meu equipamento". É uma 
frase já comum aos nossos ouvidos. Normalmente, devido ao corre 
corre diário, deixamos de pensar a médio /longo prazo. Porém, 
temos a certeza de que se fossem resolvidos os problemas crônicos de 
médio /longo prazo, não estaríamos tão atropelados pelo curto prazo.
CONCLUSAO 
A função da Manutenção não é só manter a capacidade operacional 
dos equipamentos, mas, principalmente, saber detectar problemas e 
propor soluções para melhoria de performance do equipamento 
produtivo e da equipe de manutenção. 
Em certos casos, é muito mais econômico modernizar/corrigir 
defeitos/introduzir melhorias nos equipamentos ao invés de mantê 
los em seu projeto original. Devemos ter a consciência de que não 
somos simples consertadores de máquinas, mas sim elementos 
impulsores de produtividade e melhorias dentro do contexto da frota.
CONCLUSAO 
Para que se pratique Engenharia de Manutenção é necessário que 
a estrutura organizacional da Manutenção contemple essa função. 
Isso significa ter pessoal com qualificação adequada alocado para 
esses tipos de atividades. Quando o pessoal alocado para as 
atividades de Engenharia de Manutenção é totalmente absorvido 
pelas necessidades ou emergências do dia-a-dia não se consegue 
desenvolver os trabalhos e produzir os resultados. As empresas que 
obtém sucesso nessa prática têm esse grupamento perfeitamente 
identificado, com atribuições bem definidas, trabalhando em 
MELHORIA. Empresas cuja manutenção não tem a ROTINA 
ESTABILIZADA dificilmente conseguem praticar a 
Engenharia de Manutenção.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiizaudaMonteiro
 
Perguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãoPerguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãooantu
 
Gestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãopptGestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãopptLee Bodini
 
Manutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apresManutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apresEliseu Zeu
 
OrganizaçãO Da ManutençãO 2008
OrganizaçãO Da ManutençãO 2008OrganizaçãO Da ManutençãO 2008
OrganizaçãO Da ManutençãO 2008guest122c68e
 
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeManutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeAnderson Silvestre
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanMiguel Oliveira
 
17. régua e mesa de seno
17. régua e mesa de seno17. régua e mesa de seno
17. régua e mesa de senoEdvaldo Viana
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesWillian Mello
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosAnderson Pontes
 
Manutenção produtiva total (tpm) final
Manutenção produtiva total (tpm)   finalManutenção produtiva total (tpm)   final
Manutenção produtiva total (tpm) finalSylvielly Sousa
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introduçãoAlex Leal
 

Mais procurados (20)

Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
 
Perguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutençãoPerguntas e respostas de manutenção
Perguntas e respostas de manutenção
 
Evolução da manutenção
Evolução da manutençãoEvolução da manutenção
Evolução da manutenção
 
A introducao a_manutencao
A introducao a_manutencaoA introducao a_manutencao
A introducao a_manutencao
 
Gestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãopptGestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãoppt
 
Manutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apresManutenção preditiva apres
Manutenção preditiva apres
 
05 eletrodo revestido
05   eletrodo revestido05   eletrodo revestido
05 eletrodo revestido
 
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na ConfiabilidadeRCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
 
OrganizaçãO Da ManutençãO 2008
OrganizaçãO Da ManutençãO 2008OrganizaçãO Da ManutençãO 2008
OrganizaçãO Da ManutençãO 2008
 
Vaso pressão
Vaso pressãoVaso pressão
Vaso pressão
 
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeManutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na Confiabilidade
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
 
Metrologia ppt
Metrologia pptMetrologia ppt
Metrologia ppt
 
17. régua e mesa de seno
17. régua e mesa de seno17. régua e mesa de seno
17. régua e mesa de seno
 
Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantes
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Manutenção produtiva total (tpm) final
Manutenção produtiva total (tpm)   finalManutenção produtiva total (tpm)   final
Manutenção produtiva total (tpm) final
 
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1   ensaios mecânicos e end - introduçãoAula 1   ensaios mecânicos e end - introdução
Aula 1 ensaios mecânicos e end - introdução
 

Destaque

Planejamento estratégico da manutenção
Planejamento estratégico da manutençãoPlanejamento estratégico da manutenção
Planejamento estratégico da manutençãoEdinhoguerra
 
Planejamento da manutenção
Planejamento da manutençãoPlanejamento da manutenção
Planejamento da manutençãoCVRD
 
Planejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoPlanejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoEmerson Luiz Santos
 
Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.Maycon Roberto
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoJose Donizetti Moraes
 
Engenharia de manutenção
Engenharia de manutençãoEngenharia de manutenção
Engenharia de manutençãoDenilson Cintia
 
ApresentaçãO Oportunitta GestãO De Ativos Mar2012
ApresentaçãO Oportunitta   GestãO De Ativos   Mar2012ApresentaçãO Oportunitta   GestãO De Ativos   Mar2012
ApresentaçãO Oportunitta GestãO De Ativos Mar2012Oportunitta Consultoria
 
Trabalho manutencao sigma_final
Trabalho manutencao sigma_finalTrabalho manutencao sigma_final
Trabalho manutencao sigma_finaltiagosartorvere
 
Treinamentos engenharia manutencao
Treinamentos engenharia manutencaoTreinamentos engenharia manutencao
Treinamentos engenharia manutencaoDiego Silva
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoAnderson Pontes
 
Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial
Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial
Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial Marcos Abreu
 
Aula 3 (alta disponibilidade)
Aula 3 (alta disponibilidade)Aula 3 (alta disponibilidade)
Aula 3 (alta disponibilidade)Evandro Júnior
 
Alta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e Drbd
Alta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e DrbdAlta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e Drbd
Alta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e DrbdFrederico Madeira
 
Logística e Mercado de trabalho
Logística e Mercado de trabalhoLogística e Mercado de trabalho
Logística e Mercado de trabalhoFelippi Perez
 
Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Gerson Ramos
 

Destaque (20)

Planejamento estratégico da manutenção
Planejamento estratégico da manutençãoPlanejamento estratégico da manutenção
Planejamento estratégico da manutenção
 
Planejamento de controle e manutenção
Planejamento de controle e manutençãoPlanejamento de controle e manutenção
Planejamento de controle e manutenção
 
Planejamento da manutenção
Planejamento da manutençãoPlanejamento da manutenção
Planejamento da manutenção
 
Planejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoPlanejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na Manutenção
 
Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
 
Pcm senai
Pcm senaiPcm senai
Pcm senai
 
Engenharia de manutenção
Engenharia de manutençãoEngenharia de manutenção
Engenharia de manutenção
 
ApresentaçãO Oportunitta GestãO De Ativos Mar2012
ApresentaçãO Oportunitta   GestãO De Ativos   Mar2012ApresentaçãO Oportunitta   GestãO De Ativos   Mar2012
ApresentaçãO Oportunitta GestãO De Ativos Mar2012
 
Trabalho manutencao sigma_final
Trabalho manutencao sigma_finalTrabalho manutencao sigma_final
Trabalho manutencao sigma_final
 
Aula 1. gestão estratégica tpm
Aula 1. gestão estratégica   tpmAula 1. gestão estratégica   tpm
Aula 1. gestão estratégica tpm
 
Treinamentos engenharia manutencao
Treinamentos engenharia manutencaoTreinamentos engenharia manutencao
Treinamentos engenharia manutencao
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial
Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial
Abreu Trabalhos Carreira - Lubrificação Classe Mundial
 
Aula 3 (alta disponibilidade)
Aula 3 (alta disponibilidade)Aula 3 (alta disponibilidade)
Aula 3 (alta disponibilidade)
 
Alta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e Drbd
Alta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e DrbdAlta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e Drbd
Alta Disponibilidade em Linux com Heartbeat e Drbd
 
Logística e Mercado de trabalho
Logística e Mercado de trabalhoLogística e Mercado de trabalho
Logística e Mercado de trabalho
 
Apresenta[1]..
Apresenta[1]..Apresenta[1]..
Apresenta[1]..
 
Desenrolando o Egito
Desenrolando o EgitoDesenrolando o Egito
Desenrolando o Egito
 
Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1Distribuição e logistica1
Distribuição e logistica1
 

Semelhante a Engenharia Manutenção

Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01Jeferson S. Souza
 
Técnicas de manutenção
Técnicas de manutençãoTécnicas de manutenção
Técnicas de manutençãoBianca Greghi
 
Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01Americo Lopes Santos
 
Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01Americo Lopes Santos
 
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutençãoConteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutençãoÍtalo Silva Cano
 
APOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA
APOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICAAPOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA
APOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICABenedicto Reinaldo
 
05 capítulo 3 tipos de manutençao
05   capítulo 3 tipos de manutençao05   capítulo 3 tipos de manutençao
05 capítulo 3 tipos de manutençaoMoacy2014
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosRenan Guerra
 
Apresentação tcc melhoria de processos na engenharia de manutenção
Apresentação tcc   melhoria de processos na engenharia de manutençãoApresentação tcc   melhoria de processos na engenharia de manutenção
Apresentação tcc melhoria de processos na engenharia de manutençãodelicia2
 
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosExcelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosRodrigo Domingues
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutençãoJosé Oscar Sousa
 
Artigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADA
Artigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADAArtigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADA
Artigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADALucas Barreto
 
Atps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoAtps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoRodrigo Cotrim
 

Semelhante a Engenharia Manutenção (20)

Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
 
Técnicas de manutenção
Técnicas de manutençãoTécnicas de manutenção
Técnicas de manutenção
 
Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01
 
Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01Slides2 141202110423-conversion-gate01
Slides2 141202110423-conversion-gate01
 
Slides (2)
 Slides (2) Slides (2)
Slides (2)
 
Manutenção Mecânica
Manutenção MecânicaManutenção Mecânica
Manutenção Mecânica
 
Apresentação Implantação PCM
Apresentação Implantação PCMApresentação Implantação PCM
Apresentação Implantação PCM
 
Apostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senaiApostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senai
 
Manuteno eltrica conceituao terica
Manuteno eltrica   conceituao tericaManuteno eltrica   conceituao terica
Manuteno eltrica conceituao terica
 
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutençãoConteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
 
APOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA
APOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICAAPOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA
APOSTILA DE MANUTENÇÃO ELÉTRICA
 
05 capítulo 3 tipos de manutençao
05   capítulo 3 tipos de manutençao05   capítulo 3 tipos de manutençao
05 capítulo 3 tipos de manutençao
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
 
Projeto implantação Manutenção Centrada em Confiabilidade (RCM)
Projeto implantação Manutenção Centrada em Confiabilidade (RCM)Projeto implantação Manutenção Centrada em Confiabilidade (RCM)
Projeto implantação Manutenção Centrada em Confiabilidade (RCM)
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Apresentação tcc melhoria de processos na engenharia de manutenção
Apresentação tcc   melhoria de processos na engenharia de manutençãoApresentação tcc   melhoria de processos na engenharia de manutenção
Apresentação tcc melhoria de processos na engenharia de manutenção
 
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosExcelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Artigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADA
Artigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADAArtigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADA
Artigo Lucas Barreto - GERENCIAMENTO DA MANUTENÇÃO: FOCO NA MANUTENÇÃO PLANEJADA
 
Atps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoAtps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutenção
 

Mais de Marcos Abreu

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANOMarcos Abreu
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Marcos Abreu
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewMarcos Abreu
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptMarcos Abreu
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew Marcos Abreu
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Marcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosMarcos Abreu
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOMarcos Abreu
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Marcos Abreu
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO Marcos Abreu
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasMarcos Abreu
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoMarcos Abreu
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosMarcos Abreu
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosMarcos Abreu
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Marcos Abreu
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaMarcos Abreu
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoMarcos Abreu
 

Mais de Marcos Abreu (20)

Relatório TUV NANO
Relatório TUV NANORelatório TUV NANO
Relatório TUV NANO
 
Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2Apresentacao nano.docx 2
Apresentacao nano.docx 2
 
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor RenewPerguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
Perguntas e Respostas - nine® Protection Motor Renew
 
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor RenewProva Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
Prova Cientifica e Cases - nine® Protection Motor Renew
 
O que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .pptO que é - nine® protection motor renew .ppt
O que é - nine® protection motor renew .ppt
 
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
Ensaios Técnicos 1 - nine® Protection Motor Renew
 
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew COMPROVANDO A  EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
COMPROVANDO A EFICACIA - nine® Protection Motor Renew
 
Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas Método e Analise de Solução de Problemas
Método e Analise de Solução de Problemas
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em ResultadosGestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAOGESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
GESTAO de Excelencia na LUBRIFICACAO
 
Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados Gestão pela Excelência em Resultados
Gestão pela Excelência em Resultados
 
A águia
A águia A águia
A águia
 
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO                GESTÃO de Excelência na  LUBRIFICAÇÃO
GESTÃO de Excelência na LUBRIFICAÇÃO
 
Procedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de AnomaliasProcedimento Tratamento de Anomalias
Procedimento Tratamento de Anomalias
 
Procedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e QualificaçãoProcedimento de Treinamento e Qualificação
Procedimento de Treinamento e Qualificação
 
Procedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de DocumentosProcedimento de Controle de Documentos
Procedimento de Controle de Documentos
 
Procedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de DocumentosProcedimento de Elaboracao de Documentos
Procedimento de Elaboracao de Documentos
 
Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte Consumo Diesel Transporte
Consumo Diesel Transporte
 
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da CanaPlanta de Biodigestao da Palha da Cana
Planta de Biodigestao da Palha da Cana
 
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de FermentoTreinamento Operador de Separadora de Fermento
Treinamento Operador de Separadora de Fermento
 

Último

Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 

Último (9)

Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 

Engenharia Manutenção

  • 2. CONCEITO A Engenharia de Manutenção , conhecida em algumas empresas como Métodos de Manutenção, tem um papel muito importante dentro da organização, como fator de desenvolvimento técnico da Manutenção . Cabe a ela gerir as ferramentas para atualização técnica dos sistemas e processos, equipamentos e pessoal de manutenção.
  • 3. MISSAO A missão da Engenharia de Manutenção é promover o progresso técnico da Manutenção, através da gestão de ferramentas que proporcionem a sua melhoria de performance.
  • 4. SUB PROCESSOS • Arquivo Técnico - Organização de catálogos técnicos,manuais operacionais , catálogos de pecas A atualização sistemática dos catálogos é uma fonte de consulta importante para a especificação adequada do material, de desenvolvimento de fornecedores e materiais. - Dossiê dos equipamentos O arquivo de dados/dossiê do equipamento é uma ferramenta utilizada para o auxílio na intervenção de equipamentos, contendo dados importantes, tais como: especificação técnica, dados de operação, curvas de performance, spare parts lists (peças de manutenção reserva), instruções de operação e manutenção.
  • 5. SUB PROCESSOS • Desenvolvimento de Fornecedores O desenvolvimento de fornecedores de materiais, equipamentos e serviços utilizados na Manutenção, através de ensaios, pesquisas, orientações, especificações, troca de informações com outras unidades, auditorias de qualidade • Condições Iniciais de Maquinas e Equipamentos A correta especificação técnica de maquinas e equipamentos levando em consideração aspectos de manutenção e lubrificação e fundamental para uma boa performance da manutenção
  • 6. SUB PROCESSOS • Melhoria de Maquinas e Equipamentos Ensaios, estudos e modificações nos equipamentos, visando a melhoria da performance de manutenção, traz não só benefícios à equipe de manutenção, diminuindo as quebras e as intervenções nos equipamentos, mas também à Área de Produção , aumentando a disponibilidade do equipamento, aumentando o nível de produção, a diminuição de custos, a diminuição de perdas e refugos de matéria prima e a melhoria de qualidade do produto.A correta identificação dos problemas nos equipamentos, através de histórico e levantamento de dados de quebras, refugos e custo é fundamental para justificar a modificação no equipamento.
  • 7. SUB PROCESSOS • Matriz de Pecas Sobressalentes A matriz de estoque de pecas reserva de maquinas e equipamentos deve ser gerenciada de acordo com períodos do ano , modificações introduzidas, tipo de manutenção , condições operacionais etc .Este gerenciamento deve proporcionar um equilíbrio entre os custos e a disponibilidade dos ativos
  • 8. SUB PROCESSOS • Analise de Falhas O processo de análise de falha é vital no dia-a-dia da manutenção, pois através dela é possível conhecer as causas raízes das falhas e defeitos, trabalhar para a condição de quebra zero e fornecer maior disponibilidade e confiabilidade dos ativos. Quando a manutenção, através de seu pessoal ou em grupos multidisciplinares, utiliza as ferramentas de análise de falhas, está praticando a Engenharia de Manutenção. Estas técnicas, basicamente, identificam a causa do problema e sugerem uma ação de bloqueio para solucionar os problemas que influenciam negativamente na confiabilidade de ativos e instalações.
  • 9. SUB PROCESSOS A equipe de manutenção, na rotina diária de serviços, tende a realizar o conceito “trocapeça”,onde os componentes são trocados sem uma análise da causa raiz do problema. A metodologia de análise de falhas permite a mudança deste paradigma. A equipe ao se envolver em atividades de Levantamento estudo de casos de falhas, irá absorver estes novos conceitos e aplicar intuitivamente a cada falha observada. Ao realizar a análise de falhas com um grupo multidisciplinar, incluindo manutenção e operação, há uma mudança no conceito “a máquina quebrou”, e os próprios operadores irão solicitar os serviços de manutenção indicando os componentes que estão em estado de falha, e o estudo de causa será focado nestes componentes.
  • 10. SUB PROCESSOS Para manter as condições e as funções de um ativo, um dos principais fatores é o colaborador. A equipe de operação deve utilizar os ativos dentro dos padrões estabelecidos, e a equipe de manutenção deve seguir os planos de manutenção dos ativos, atuando de maneira acurada.
  • 11. SUB PROCESSOS • Comissionamento Na prática, o processo de comissionamento consiste na aplicação integrada de um conjunto de técnicas e procedimentos de engenharia para verificar, inspecionar e testar cada componente físico da maquina, desde os individuais, como peças e instrumentos até os mais complexos, como módulos, subsistemas e sistemas. As atividades de comissionamento, no seu sentido mais amplo, são aplicáveis a todas as fases da manutencao, desde o projeto básico e detalhado, ao suprimento , desmontagem , inspecao , montagem, pintura e testes até a entrega da maquina ao cliente final, passando, muitas vezes, por uma fase de operação assistida
  • 12. SUB PROCESSOS • Diligenciamento A atividade de diligenciamento compreende todas as ações necessárias para permitir que o produto a ser fornecido, montado ou colocado em funcionamento seja entregue no prazo, de acordo com as especificações técnicas aplicáveis e dentro dos padrões de qualidade esperados pelo Cliente. São realizadas visitas periódicas para verificar detalhadamente a situação da fabricação ou montagem, com base nos documentos contratuais, cronogramas, eventos de pagamentos e outros documentos julgados necessários. Na visita inicial é avaliada a infra-estrutura do fabricante ou montador para executar as operações contratadas, os ensaios e outras ações de controle da qualidade especificadas no contrato
  • 13. SUB PROCESSOS • Padrões de Manutenção -Padrões de Inspeção -Padrões Reforma -Padrões Troca - Manut Autonoma
  • 14. SUB PROCESSOS Os padrões técnicos da manutenção são um conjunto de documentos que tratam das diversas tarefas operacionais de manutenção, executadas diretamente no chão de fabrica. Este conjunto de documentos e também conhecido como Manual de Manutenção e deve conter todas as informações técnicas necessárias para que as equipes de manutenção executem suas tarefas com confiabilidade e de maneira uniforme
  • 17. CONCLUSAO A Engenharia de Manutenção exerce um papel fundamental para o progresso técnico da Manutenção. A procura/pesquisa e a implantação de novas técnicas, a identificação e a solução dos problemas são as principais atribuições da área de Engenharia de Manutenção. O homem de manutenção sofre diversas pressões das áreas de Fabricação para a solução dos problemas imediatos: "A minha máquina quebrou e estou perdendo produção! Necessito que a Manutenção conserte rapidamente o meu equipamento". É uma frase já comum aos nossos ouvidos. Normalmente, devido ao corre corre diário, deixamos de pensar a médio /longo prazo. Porém, temos a certeza de que se fossem resolvidos os problemas crônicos de médio /longo prazo, não estaríamos tão atropelados pelo curto prazo.
  • 18. CONCLUSAO A função da Manutenção não é só manter a capacidade operacional dos equipamentos, mas, principalmente, saber detectar problemas e propor soluções para melhoria de performance do equipamento produtivo e da equipe de manutenção. Em certos casos, é muito mais econômico modernizar/corrigir defeitos/introduzir melhorias nos equipamentos ao invés de mantê los em seu projeto original. Devemos ter a consciência de que não somos simples consertadores de máquinas, mas sim elementos impulsores de produtividade e melhorias dentro do contexto da frota.
  • 19. CONCLUSAO Para que se pratique Engenharia de Manutenção é necessário que a estrutura organizacional da Manutenção contemple essa função. Isso significa ter pessoal com qualificação adequada alocado para esses tipos de atividades. Quando o pessoal alocado para as atividades de Engenharia de Manutenção é totalmente absorvido pelas necessidades ou emergências do dia-a-dia não se consegue desenvolver os trabalhos e produzir os resultados. As empresas que obtém sucesso nessa prática têm esse grupamento perfeitamente identificado, com atribuições bem definidas, trabalhando em MELHORIA. Empresas cuja manutenção não tem a ROTINA ESTABILIZADA dificilmente conseguem praticar a Engenharia de Manutenção.
  • 20. FIM