AVALIAÇÃO ÉTICA COMOPROCESSO DE INCLUSÃO       SOCIALProfa. Ms. Waldileia do S. Cardoso             Pereira    Profa. Esp....
ASPECTOS HISTÓRICOS   Segundo Luckesi a denominaçãoavaliação foi cunhada pela primeira vez       em 1930 por Ralph Tyler
Para Tyler o professor deve avaliar osalunos segundo os objetivos traçadosEm Luckesi as provas tem por finalidade verifica...
Ebel (1991) a medição deve ser objetiva,para verificação geral os exames devemser vistos por várias pessoas e asavaliações...
Em Grounland (1999)afirma-se que osobjetivos desejados com a avaliação sãoprioritários para estabelecer técnicasavaliativas
Para Ragan (1991) é necessário conhecerbem o currículo, o processo avaliativo deveestar bem estruturado com os objetivospr...
Em Popham e Fleming (1999) o processoavaliativo reflete valores e não secristaliza ele é realista, não é individual, ésimp...
Para Luckesi (2003) a avaliação escolarplanejada por um professor democrático,é um ato de amor no sentido que deveser sist...
Em relação á pré-escolas o pensamentode Hoffman (2001) afirma que naavaliação pré-escolar não se deve terpré-julgamentos b...
Entendemos que a avaliação é ummovimento que faz parte constantementeda existência humana, o próprio existir jáimpõe a nec...
ENSINO E AVALIAÇÃO:CAMINHOS CRUZADOS
Ensino x Avaliação Pedagogia Tradicional liberalEnsino → ênfase nos conteúdos  Avaliação → Vigiar e punir
Pedagogia Sociocultural   (Libertadora, Libertária,       Histórica-crítica)Ensino → ênfase no contexto  Avaliação → Possi...
DIFERENTES SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS À AVALIAÇÃOAvaliar é ser justo/objetivoAvaliar é acompanhar/amar
DIMENSÕES DO PROCESSO          AVALIATIVO  CONTÍNUO - acompanhamento doprocesso (curricular, aprendizagem etc)  MULTIDIMEN...
DIAGNÓSTICO - decisões sobre as ações        a serem empreendidas INCLUSIVO - possibilitar a superação       dos aspectos ...
AVALIAÇÃ0   JULGAMENTO                ACOLHIMENTO  RAZÃO     SENSIBILIDADE
RAZÃO   Avaliação com referência a norma ou    a critérios   Avaliação tendo como norte objetivos,    competências ou co...
   Técnicas a serem utilizadas:    observação, testagemInstrumentos: entrevista, questionário,prova com questões disserta...
SENSIBILIDADEA avaliação precisa ser uma ferramenta deinclusão social do alunoPrecisa ser um processo continuo alémde sist...
Referências LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem.15 ed. SãoPaulo:Cortez. 2003.HOFFMAN, Jussara Maria Lench....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Avaliação ética como processo de inclusão social

1.648 visualizações

Publicada em

Aula sobre avaliação educacional

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.648
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Avaliação ética como processo de inclusão social

  1. 1. AVALIAÇÃO ÉTICA COMOPROCESSO DE INCLUSÃO SOCIALProfa. Ms. Waldileia do S. Cardoso Pereira Profa. Esp. Jonice Teixeira
  2. 2. ASPECTOS HISTÓRICOS Segundo Luckesi a denominaçãoavaliação foi cunhada pela primeira vez em 1930 por Ralph Tyler
  3. 3. Para Tyler o professor deve avaliar osalunos segundo os objetivos traçadosEm Luckesi as provas tem por finalidade verificar pontualmente os niveis dos alunos e classifica-los
  4. 4. Ebel (1991) a medição deve ser objetiva,para verificação geral os exames devemser vistos por várias pessoas e asavaliações dependem do estado em quese encontram os avaliadores
  5. 5. Em Grounland (1999)afirma-se que osobjetivos desejados com a avaliação sãoprioritários para estabelecer técnicasavaliativas
  6. 6. Para Ragan (1991) é necessário conhecerbem o currículo, o processo avaliativo deveestar bem estruturado com os objetivospropostos, essa avaliação deve ser continuano dia a dia escolar e não deve se isolarapenas no ensino dos conteúdos
  7. 7. Em Popham e Fleming (1999) o processoavaliativo reflete valores e não secristaliza ele é realista, não é individual, ésimples, não é uma atividade isolada,pode ocorrer em grupos
  8. 8. Para Luckesi (2003) a avaliação escolarplanejada por um professor democrático,é um ato de amor no sentido que deveser sistemático e processual continuo
  9. 9. Em relação á pré-escolas o pensamentode Hoffman (2001) afirma que naavaliação pré-escolar não se deve terpré-julgamentos baseados apenas emresultados superficiais
  10. 10. Entendemos que a avaliação é ummovimento que faz parte constantementeda existência humana, o próprio existir jáimpõe a necessidade de se avaliar osdiferentes caminhos oferecidos paraserem seguidos naturalmente
  11. 11. ENSINO E AVALIAÇÃO:CAMINHOS CRUZADOS
  12. 12. Ensino x Avaliação Pedagogia Tradicional liberalEnsino → ênfase nos conteúdos Avaliação → Vigiar e punir
  13. 13. Pedagogia Sociocultural (Libertadora, Libertária, Histórica-crítica)Ensino → ênfase no contexto Avaliação → Possibilita a formação do cidadão crítico/transformador
  14. 14. DIFERENTES SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS À AVALIAÇÃOAvaliar é ser justo/objetivoAvaliar é acompanhar/amar
  15. 15. DIMENSÕES DO PROCESSO AVALIATIVO CONTÍNUO - acompanhamento doprocesso (curricular, aprendizagem etc) MULTIDIMENSIONAL – conteúdosfactuais, conceituais, procedimentais e atitudinais
  16. 16. DIAGNÓSTICO - decisões sobre as ações a serem empreendidas INCLUSIVO - possibilitar a superação dos aspectos deficitários
  17. 17. AVALIAÇÃ0 JULGAMENTO ACOLHIMENTO RAZÃO SENSIBILIDADE
  18. 18. RAZÃO Avaliação com referência a norma ou a critérios Avaliação tendo como norte objetivos, competências ou conteúdos
  19. 19.  Técnicas a serem utilizadas: observação, testagemInstrumentos: entrevista, questionário,prova com questões dissertativas e/ouobjetivas
  20. 20. SENSIBILIDADEA avaliação precisa ser uma ferramenta deinclusão social do alunoPrecisa ser um processo continuo alémde sistemático
  21. 21. Referências LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem.15 ed. SãoPaulo:Cortez. 2003.HOFFMAN, Jussara Maria Lench. A avaliação: mito e desafio umaperspectiva construtivista. 30 ed. Porto Alegre 2001.INFORMATIVO NO1/2004 SEDUC resolução n 01/2004 099/2003 –CEE/AM.FREIRE, Paulo.Educação na cidade. 5 ed. São Paulo: Cortez 2001.FREIRE, Paulo.Pedagogia da autonomia. 21º ed. São Paulo, Paz e terra2001 (1996).BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros CurricularesNacionais: apresentação dos temas transversais, ética/Secretaria deEducação Fundamental. Brasília: EMC/SEF 1997.DEMO, Pedro. Ser professor é cuidar que o aluno aprenda. Porto AlegreMediação 2004

×