UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS             Autor(a): Juliane Pereira Sales        Orientador(a): Profª Msc. Martha Hola...
OBJETIVO GERAL DO PROJETO:                      “proporcionar ao grupo de professoras subsídiosteóricos para o aprimoramen...
FUNDAMENTOS TEÓRICOS•Teoricamente, a pesquisa-ação fundamentou-se em autores e seus estudos acerca da avaliaçãoescolar em ...
PROCESSOS DE PESQUISA-AÇÃO REALIZADOSA pesquisa-ação se desenvolveu em quatro etapas: Diagnóstico da problemática com apl...
DISCUSSÃO DOS RESULTADOSDIAGNÓSTICO: a avaliação da aprendizagem como seleção e classificação deresultados;INTERVENÇÃO: ...
POR QUE UMA PALESTRA? Contribuir com o saber docente dos professores: saberdocente (cf. TARDIFF, 2002)“A definição de sab...
PALESTRA: AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM:UM PROCESSO REFLEXIVOA avaliação da aprendizagem comodimensão do currículo:A avaliaç...
Aspectos da avaliação compreendidos pelo grupo de professoras: a avaliação é uma questão de aprendizagem, mas primeiramen...
O QUE REGISTRARAM AS PROFESSORA AOFINAL DA PESQUISA-AÇÃO: ...A partir da palestra assistida e da discussão realizada com a...
REFERÊNCIASBALLESTER, Margarita. Avaliação como apoio à aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2003.CHUERI. Mary Stela Ferrei...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO

9.191 visualizações

Publicada em

Apresentação de relatório de pesquisa-ação desenvolvida em escola´pública do Tocantins.
Autora: Juliane Pereira Sales

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS Autor(a): Juliane Pereira Sales Orientador(a): Profª Msc. Martha Holanda
  2. 2. OBJETIVO GERAL DO PROJETO: “proporcionar ao grupo de professoras subsídiosteóricos para o aprimoramento do processo de avaliação da aprendizagem nas séries finais do EnsinoFundamental”.PROBLEMA DE PESQUISA: dificuldade dos professores das séries finais do EnsinoFundamental da Escola Estadual Antônio Alves Moreira em implementar no seu planejamento deensino a avaliação da aprendizagem dos alunos. PARTICIPANTES DA PESQUISA-AÇÃO: o grupo de cinco professoras das séries finais do Ensino Fundamental (8º e 9º anos); m grupo de nove alunos; as pesquisadoras, coordenadora pedagógica da escola Jacira Miranda e a professora Juliane Pereira Sales, co-autora da pesquisa-ação. IMPORTÂNCIA DA PESQUISA-AÇÃO: O projeto de pesquisa-ação justificou-se no contexto da própria problemática identificada: trouxe oportunidade de reflexão e aprendizagem para todos envolvidos acerca da avaliação da aprendizagem, seu processo de impementação enquanto uma ação de reflexão sobre o ensino-aprednizagem da escola como um todo. Foi importante para nós no contexto da coordenação pedagógica, no sentido de podermos experimentar o papel formador que o coordenador precisa exercer junto ao grupo de professores que lidera.
  3. 3. FUNDAMENTOS TEÓRICOS•Teoricamente, a pesquisa-ação fundamentou-se em autores e seus estudos acerca da avaliaçãoescolar em que a avaliação da aprendizagem está definida como processo reflexivo de orientaçãoda aprendizagem: Hoffmann (2004, 2003, 1993); Fernandes e Freitas (2008, 2007); Luckesi (2006,2005, 2003); Sobreira (2008); Sousa S. (1999, 1986); Sousa C. (1994); Tardiff (2002); Cheurri(2008); Demo (2002); Nunes (2001); Villas-Boas (1998) .Hoffmann (2004, 2003, 1993) para quem a “avaliação é uma reflexão transformada em ação,não podendo ser estática nem ter caráter sensitivo ou classificatório”;Luckesi (2006, 2005, 2003) para quem a prática avaliativa da escola deve urgentemente sedistanciar de uma “pedagogia do exame; Sobreira (2008) que faz também um abordagem sobrea “pedagogia do exame”;Sousa S. (1999, 1986 e outros artigos) para quem a avaliação é um processo deaprimoramento do ensino; e Sousa C. (1994).
  4. 4. PROCESSOS DE PESQUISA-AÇÃO REALIZADOSA pesquisa-ação se desenvolveu em quatro etapas: Diagnóstico da problemática com aplicação de questionáriosfechados ao grupo d eprofessoras e também alunos; Análise documental dos questionários para gerar dados diagnósticospara planejamento da ação de intervenção; Realização da ação interventiva por meio de uma palestra formativacujo tema foi “Avaliação da aprendizagem escolar: um processoreflexivo; Análise dos resultados da ação interventiva
  5. 5. DISCUSSÃO DOS RESULTADOSDIAGNÓSTICO: a avaliação da aprendizagem como seleção e classificação deresultados;INTERVENÇÃO: realizamos a palestra formativa cujo tema foi “Avaliação daaprendizagem: um processo reflexivo”.Conforme o objetivo geral do projeto de pesquisa-ação, discutimos com osprofessores os principais conceitos que fundamentam o processo de avaliaçãocomo orientação da aprendizagem e estímulo do aluno ao avanço noconhecimento, cumprindo uma função eminentemente formativa (cf. SOUSA S.,1999), isto é, avaliação como processo reflexivo sobre os processos e estratégiasde ensino e aprendizagem.
  6. 6. POR QUE UMA PALESTRA? Contribuir com o saber docente dos professores: saberdocente (cf. TARDIFF, 2002)“A definição de saber docente aqui abordada corresponde ànecessidade de trazer ao entendimento do leitor deste texto que apesquisa-ação aqui apresentada procurou servir ao grupo deprofessoras como oportunidade de estudo teórico e de reflexãosobre a prática que têm vivenciado na escola quanto a avaliaçãodos alunos.(...)” (RELATÓRIO PI, p.8)
  7. 7. PALESTRA: AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM:UM PROCESSO REFLEXIVOA avaliação da aprendizagem comodimensão do currículo:A avaliação da aprendizagem é um atoreflexivo que pressupõe mudança depostura do professor
  8. 8. Aspectos da avaliação compreendidos pelo grupo de professoras: a avaliação é uma questão de aprendizagem, mas primeiramente deensino: avaliar o aluno é também avaliar o professor e suas estratégiasde ensino; é aproximar-se do launo, conhecê-lo e possibilitar suascondições de aprendizagem; Como dimensão do currículo, a avaliação pressupõe pensar asconcepções que se tem de avaliação, principalmente entre aquelasadotadas pela escola e pelos professores, no que é adequado e éticopara o processo que se deseja em relação aos alunos, sujeitossubmetidos. avaliar é permitir que ocorram transformações não apenasnas formas de aprender, mas também de redefinir concepções,objetivos e métodos para se ensinar
  9. 9. O QUE REGISTRARAM AS PROFESSORA AOFINAL DA PESQUISA-AÇÃO: ...A partir da palestra assistida e da discussão realizada com as palestrantes, compreendemos que a Avaliação é um processo complexo, envolve várias instâncias da escola e deve ser fruto da coletividade. Entretando, a escola ainda não aprendeu a por em prática. Não sabíamos nem como é íntima a relação currículo e avaliação. É preciso aprender muito sobre isso se quisermos avaliar melhor nossos alunos e avançar na prática (...).” (Professora 2, professora de Artes de 6º ao 9º anos)....a avaliação da aprendizagem é algo que deve ser contínuo e sempre reflexivo, é precisosabermos se as metas de aprendizagem estão sendo alcançadas, se habilidades estão sedesenvolvendo. Por isso a importância do professor está sempre se questionando se suametodologia de avaliação é adequada; ou seja, sempre fazendo diagnósticos de suas avaliações.(Professora 1, professora de Língua Portuguesa – trecho de seu relato reflexivo sobre a palestra eos cnteúdos discutidos acerca da avaliação escolar da aprendizagem) ”
  10. 10. REFERÊNCIASBALLESTER, Margarita. Avaliação como apoio à aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2003.CHUERI. Mary Stela Ferreira. Concepções sobre avaliação. Estudos em Avaliação Educacional, v. 19, n.39, jan./abr. 2008.DEMO, Pedro. Mitologias da Avaliação. Campinas- SP: Autores Associados, 2002.FERNANDES, Cláudia de Oliveira. FREITAS, Luiz Carlos. Indagações sobre currículo: currículo e avaliação. Brasília: Ministério da Educação,Secretaria da Educação Básica, 2007. 44 p. il.HOFFMANN, Jussara. Avaliação. Entrevista cedida ao site www.dn.senai.br. Disponível emhttp://www.dn.senai.br/competencia/src/contextualizacao/Célia-avaliacao-Jussara-Hoffmam.pdf. acesso em (28/08/2011)_______, J. ; ESTEBAN, M. T. (orgs.) Práticas avaliativas e aprendizagens significativas: em diferentes áreas do currículo. 3.ed. Porto Alegre:Mediação, 2004. p. 81-92.________, Jussara. Avaliação Mediadora. 20ª ed. Porto Alegre: Mediação, 2003.________, Jussara Maria Lerch. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 1993LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. 18. ed. – São Paulo: Cortez, 2006. 38_______, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. 17. ed. – São Paulo: Cortez, 2005.________, Cipriano C. Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação eEventos, 2003.NUNES. Célia Maria Fernandes. Saberes Docentes e formação de professores: um breve panorama da pesquisa brasileira. In:Educação&Sociedade, ano XXII, nº 74, Abril/2001. P. 27 - 42.SOBREIRA, Regina C. de F. Efeitos da Pedagogia do Exame. 2008. Disponível em<http://www.webartigos.com/articles/6590/1/OsEfeitosPedagogiaDoExame/pagina1.html#ixzz1WGMC9en6 > acesso em (27-08-2011)SOUSA, Clariza Prado de. AVALIAÇÃO ESCOLAR® LIMITES E POSSIBILIDADES. In. < http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_22_p089-090_c.pdf> acesso em (27/08/2011)SOUSA, Sandra Záquia L.. Avaliação da Aprendizagem: teoria, legislação e prática no cotidiano das escolas de 1º grau. Texto extraído dadissertação de mestrado da autora intitulada Avaliação da aprendizagem na escola de 1o. grau: legislação, teoria e prática. São Paulo, PUC,1986. pp. 106 – 114. In. http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_08_p106-114_c.pdf acesso em (27/08/2011)SOUSA, Sandra Záquia L.. Avaliação Institucional: elementos para discussão. Palestra realizada no Seminário “O Ensino Municipal e a EducaçãoBrasileira”. SEMED, São Paulo, 1999.TARDIFF, Maurice. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: TARDIFF, Maurice. Saberes docentes eformação profissional. São PAULO: Vozes, 2002VILLAS-BOAS. Benigna M. de Freitas. Planejamento avaliação escolar. Pró-posições, v.9, nº3, p.19 – 27, nov. 1998.

×