Visão TIC 2020 na AP - Contributos de Luís Vidigal

823 visualizações

Publicada em

Visão tic 2020 na AP - Contributos de Luís Vidigal

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Visão TIC 2020 na AP - Contributos de Luís Vidigal

  1. 1. Visão  TIC  2020  na  AP   Alguns  contributos  para  melhorar   o  e-­‐Gov  em  Portugal   Luís  Vidigal   21  de  Julho  de  2015  
  2. 2. Situação  atual     (Análise  SWOT)   “As  is”  
  3. 3. SWOT  dos  SI/TI  do  Estado   (S)  Forças   1.  Vontade  de  mudar  e  inovar   2.  Controlo  financeiro  e  legal   3.  Infraestrutura  tecnológica   4.  Plataforma  de  Interoperabilidade   5.  AutenTcação   6.  Serviços  ParTlhados   (W)  Fraquezas   1.  Falta  de  Competências  técnicas   2.  Falta  de  Visão  e  Gestão   estratégica   3.  Falta  de  Arquitetura  e  Qualidade   de  Dados   4.  Falta  de  Segurança   5.  Pessimismo  e  desconfiança     6.  Concorrência  pelo  protagonismo   (O)  Oportunidades   1.  Crise  (Fazer  as  coisas  certas)   2.  Agenda  Digital  (Europa  2020)l   3.  “Only  Once”  e  “Digital  by  default”   4.  Inovação  Tecnológica   5.  Mudança  de  legislatura   6.  Enquadramento  europeu  para  a   interoperabilidade  (EIF)   (T)  Ameaços   1.  Desgaste  do  papel  do  Estado   2.  Constrangimentos  financeiros   3.  “Canibalização”  dos  RH  (regimes   estatutários  diferentes)   4.  Depreciação  Tecnológica   5.  Mudança  de  legislatura   6.  Captura  do  Estado  pelos   fornecedores  privados  
  4. 4. Situação  futura      “To  be”  
  5. 5. Estado  2020   •  ProduTvo   •  Rápido   •  Económico   •  Amigo  e  próximo  do  Cidadão   •  Amigo  e  próximo  das  Empresas   •  Sem  comprovantes  inúteis  (“only  once”)   •  Transparente   •  Com  autonomia  e  accountability   •  Promotor  da  Coesão  Social  
  6. 6. Princípios  Estratégicos   •  Centrados  na  Informação   “Informa0on-­‐Centric”   •  Plataforma  Par?lhada   “Shared  Pla:orm”   •  Centrados  no  Cidadão   “Customer-­‐Centric”   •   Segurança  e  Privacidade   “Security  and  Privacy”   DIGITAL  GOVERNMENT:  Building  a  21ST  Century  PlaOorm  to  BePer  Serve  the  American  People  -­‐  23  de  Maio,  2012     6  
  7. 7. Novos  focos  mobilizadores   para  a  Colaboração  e  Interoperabilidade   Evento   de  Vida   Repositórios  Comuns  
  8. 8. Competências  e  Soberania   Público  /  Privado  
  9. 9. Funções  de  SI/TI  na  AP   (Competências  e  Soberania)   Coordenação  SI/TI  (CIO)   Gestão  de  SI/TI  (CTO)   Realização  e  Exploração  de  SI/TI   •  Alinhamento  com  a   estratégia  políTca   •  PolíTcas  estratégicas  de  SI/TI   •  Arquiteturas  de  SI/TI   •  de  negócio   •  de  dados   •  de  aplicações   •  tecnológicas   •  Normalização  de  SI/TI   •  InvesTmentos  de  SI/TI   •  Inovação  organizacional   •  Inovação  tecnológica   •  Portefólio  de  produtos   •  Gestão  do  risco   •  Providenciar  auditorias   independentes   •  Gestão  de  projetos   •  Gestão  de  contratos   •  Planeamento  operacional   •  Controlo  de  qualidade  e   desempenho   •  Gestão  de  alterações  e   versões  de  produtos   •  Gestão  da  mudança   •  Gestão  de  relação  com   clientes  e  de  nível  de  serviço   •  Gestão  de  conhecimento  e  de   competências   •  Gestão  da  segurança   •  CerTficação  de  aplicações  de   terceiros     •  Concepção    e   desenvolvimento  de   aplicações   •  Análise   •  Desenvolvimento  e  testes   •  Implantação   •  Administração  de  produtos   •  Instalação  de  produtos   •  Configuração  de  produtos   •  Gestão  de  uTlizadores   •  Exploração  e  comunicações   •  Exploração   •  Comunicações   •  Administração  de  sistemas   e  bases  de  dados   •  Administração  de  sistemas   locais   Alta  Soberania   Média  Soberania   Baixa  Soberania   “Arquitetura”   “Gestão”   “Engenharia”   Vidigal,  Luís  (2007).  “Governação  para  um  Estado  na  Hora:  A  esperança  ainda  está  dentro  da  Caixa  de  Pandora,  In:  Coelho,  J.  Dias  (Coord.),   Sociedade  da  Informação:  O  Percurso  Português,  Lisboa,  APDSI  e  Edições  Sílabo.  
  10. 10. Coordenação  e  execução   na  cadeia  de  valor  de  SI/TI   Governo  e  AP   Estratégia  de  Negócio   Mercado   Tecnologias   Coordenação  -­‐  CIO   Parceria   Prestação  de  Serviços   Cliente  -­‐  Fornecedor   Público   Privado  Vidigal,  Luís  (2007).  “Governação  para  um  Estado  na  Hora:  A  esperança  ainda  está  dentro  da  Caixa  de  Pandora,  In:  Coelho,  J.  Dias  (Coord.),   Sociedade  da  Informação:  O  Percurso  Portugês,  Lisboa,  APDSI  e  Edições  Sílabo.  
  11. 11. Recomendações   com  base  na  análise  SWOT   “Roadmap”  
  12. 12. Potenciar  as  Forças  (S)   •  S1  W5  –  Realizar  Workshops  interdepartamentais  de  reflexão  e   parTlha  de  estratégias  e  boas  práTcas  (restaurar  os  ERSI)   •  S2  –  Exigir  o  cumprimento  de  normas  de  fornecimento  de  serviços   SI/TI  (ISO  20000,  CMMI,  ITIL,  etc.)   •  S2  –  Criar  orçamentos-­‐programa  plurianuais  e  efetuar  a  análise   custo  /  benencio  dos  invesTmentos  em  SI/TI   •  S2  –  Adoptar  o  paradigma  “LZ”  na  Medida  6   •  S4  –  Criar  estratégias  mobilizadoras  para  a  interoperabilidade   (organizacional,  semânTca  e  Tecnológica):  Eventos  de  Vida   •  S5  –  Generalização  do  CC  e  da  CMD  para  autenTcação  de  serviços   electrónicos   •  S6  -­‐  Caracterizar  e  afetar  organicamente  os  serviços  parTlhados  de   SI/TI  na  AP  (Interoperabilidade,  autenTcação,  clouds,  redes,  CPD   help  desk,  etc)   •  S6  –  Classificar  a  informação  do  sector  público,  conducente  a  uma   estratégia  de  parTlha  de  repositórios  e  de  segmentação  de   “clouds”  publicas  e  privadas  
  13. 13. Minimizar  as  Fraquezas  (W)   •  W1  -­‐  Formar  recursos  humanos  em  Gestão  Estratégica  de  SI/TI,  Arquitetura   de  SI/TI,  Gestão  de  Contratos  e  Projetos   •  W1  –  Criar  laboratórios  de  excelência  em  áreas  de  competência  técnica   •  W1  –  Criar  um  sistema  de  recompensas  e  incenTvos  que  esTmule  a   eficiência,  a  eficácia  e  a  interoperabilidade.   •  W2  –  Fundir  a  RIMA  com  o  GPTIC   •  W2  –  Autonomizar  as  funções  de  Regulação  e  Normalização  dos  SI/TI  (Adm   Direta)   •  W2  -­‐  Desencadear  um  Plano  de  Comunicação  cooptado  com  todos  os   ministérios   •  W3  –  Elaborar  a  Arquitetura  Informacional  do  Estado  (CRUD)  conducente   ao  “Only  Once”  (pessoas,  empresas,  território,  veículos,  etc.)   •  W3  -­‐  Criação  do  Cadastro  mulTfuncional  do  Território   •  W4  -­‐  Adoção  interna  da  ISO  27001  (Segurança  de  SI/TI)   •  W5  –  Realização  de  Workshops  interdepartamentais  de  reflexão  e  parTlha   de  estratégias  e  boas  práTcas  (ERSI)   •  W6  -­‐  Apropriação  por  parte  de  toda  a  AP  dos  canais  G2C,  G2B,  G2G  e  G2E  
  14. 14. Aproveitar  as  Oportunidades  (O)   •  O1  –  Promover  uma  cultura  de  aumento  da  produTvidade   através  da  boa  uTlização  das  TIC  e  de  eficiência  parTlhada   de  recursos,  na  concepção  e  implementação  de  projetos   •  O2  -­‐  Reforçar  a  ligação  das  estratégias  nacionais  às   estratégias  da  UE  de  SI/TI  “(Only  once”,  “Digital  by  Default”,   etc)   •  O3  –  Promover  uma  cultura  de  desmaterialização  através  da   uTlização  de  sistemas  de  Gestão  Documental  e  Workflow   •  O4  -­‐  Aproveitar  adequadamente  as  grandes  tendências   tecnológicas  (Mobilidade,  Big  Data,  Clouds  e  Redes  Sociais)   •  O5  –  Promover  mensagens  de  inovação  e  alinhamento  com   as  tendências  internacionais  de  e-­‐Government,  conducentes   à  melhoria  do  funcionamento  do  Estado  ao  serviço  da   sociedade   •  O6  –  Adoção  os  referenciais  de  interoperabilidade  europeus   (EIF)  adotados  pela  Comissão  Europeia  em  Maio  de  2015  
  15. 15. Evitar  as  Ameaças  (T)   •  T1  -­‐  Reforçar  a  mensagem  dos  Valores  do  Serviço  Público   •  T2  -­‐  Orçamentar  projetos  compromeTdos  com  eventos  de   vida   •  T3  –  Harmonizar  os  regimes  de  Recursos  Humanos  de  SI/TI   nos  vários  ministérios   •  T4  –  ReuTlizar  e  parTlhar  tecnologias  inovadoras   •  T5  –  Trabalhar  com  organizações  da  sociedade  civil,  para   uma  estratégia  de  “causas”,  de  médio  e  longo  prazo,   capazes  de  resisTr  à  mudança  de  legislaturas   •  T6  -­‐  Adotar  e  adaptar  estratégias  e  boas  práTcas   internacionais  de  e-­‐Government   •  T6  –  Criar  e  promover  uma  estratégia  de  outsourcing,  capaz   de  proteger  as  áreas  estratégicas  e  de  soberania   •  T6  –  Diversificar  a  aquisição  de    produtos  de  oferta  elevada   e  gerir  a  parceria  com  fornecedores  de  produtos  exclusivos  

×