SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Universidade Federal de Sergipe
Departamento de Morfologia
Docente: Flávio Henrique

MICOTOXINAS
Introdução (Micotoxinas e
micotoxicoses)
Micotoxinas
 Metabolitos fúngicos secundários que causam

doenças coletivamente conhecidas como
micotoxicoses. ( Não são transmissíveis).
 Após a ingestão, inalação ou contato direto com
a toxina.
 Fungos filamentosos.
 Há mais de 100 fungos
• Toxinogenicos e mais de 300
• Micotoxicoses.
 Manifestação: Aguda ou
• Crônica ( tumor ou óbito).
Micotoxinas resultam:

 Devido a contaminação do

• material, na pré-colheita, por
• Fungos toxinogêicos que são
• Patógenos de plantas.
 Insetos ou umidade, proporciona
• uma porta de entrada aos
• fungos toxigênicos.
• Capacidade de provocas intoxicação em animais
e seres humanos.
Sintomas dependem:
 Tipo de micotoxina.
Quantidade e duração e da exposição.
 Da via de exposição.
 Idade, sexo e saúde do indivíduo exposto.
 Má nutrição, abuso de álcool, condição de
doença infeciosa.
 Sinergismo.
 Mais comum em países subdesenvolvidos
(métodos de estocagem e manuseio são
inadequados, má nutrição ou poucos
regulamentos que protejam a população).
 Tratamento: Terapia de suporte.
 Propriedades imunossupressoras Potentes.
 Biossíntese: em temperaturas inferiores a 20°C a
30°C.
Aflatoxina
O que são Aflatoxinas?
Histórico
Alimentos
encontrados(amedoim,milho,feijão,arroz,trigo...)
Importância na Saúde
Pública(mutagênicas,carcinogênicas,teratogênicas,
ALTAMENTE TÓXICA para grande números de
animais)
Pesquisas por todo o mundo
GÊNERO
Aspergillus
Aspergillus
parasiticus

Aspergillus
nomius

Aspergillus
flavus
Principais
Aflatoxina
s

B1
B2
G1
G2

M1* E
M2

Obs:AFB1 é considerada pela IARC como agente causador de
câncer!
Pontos importantes:
Altamente hepatóxicas

Hepatocarcinomas em ratos(15g/kg)
Lesgislação
Importância econômica
Citrinina
• Penicillium e Aspergillus
▫ Penicillium camemberti
▫ Aspergillus oryzae

• Trigo, cevada, aveia, centeio,
milho e arroz
• Nefrotoxina
▫ Nefropatia suína – cevada mofada
▫ Síndrome do arroz amarelo – Japão

• Ocratoxina A
Alcaloide do esporão do centeio
Alcaloide do Esporão do Centeio
Alcaloides
• Alcaloides possuem origem vegetal e são
aplicados principalmente na produção de
fármacos naturais.
• Em 1806, Friedrich W. Serturner, isolou do ópio
a morfina.
Alcaloide do Esporão do Centeio
 Ergotina tetracíclico
Esclerócios de um patógeno comum de grama.
Gênero: Claviceps
Hifas fúngicas
Ergotismo
 Insuficiência arterial crônica e aguda
Formas da doença
Gangrenosa (Claviceps purpurea)
Vasoconstrição periférica e necrose das
extremidades distais
Convulsiva ou neurológica (C. fusiformis)
 Espasmos musculares, convulsões e alucinações
Painço
• Auxiliar na saúde cardiovascular ↑ [Mg]
• Mg: redução da pressão arterial e do risco de
infartos.
• Benefícios para os ossos
• Previne doenças como o diabetes, cálculos e até
o câncer.
Alcaloide do Esporão do Centeio
Limpeza dos grãos X Doença humana
Problema veterinário importante
 Gangrena, aborto, convulsões e ataxia.
Fumonisinas
Fumonisinas
Fumonisinas
• São produzidas por fungos do gênero Fusarium
• Espécie de maior relevância econômica:
Fusarium
moniliforme,
em
especiel
a
Fumonisina B1
Patógeno do milho
Fumonisina B1
• Interfere no metabolismo de esfingolipídios.
o Leucoencéfalomalácia no cavalo
o Endema pulmonar e hidrotórax no porco
o Efeitos hepatotóxicos e carcinórgênicos no fígado
de ratos

• Tem sido relacionada com maior incidência de
câncer de esôfago na África do Sul, China e Itália
• Altas concentrações em farinha de milho e milho
moído
Fumonisina B1
• Consumo de pão sem fermento a partir de milho
envelhecido na Índia
• Alterações no tubo neural de animais
• Classificação pela Agência Internacional em
Pesquisas com Câncer.
Ocratoxina
OCRATOXINA
• Grupo dos metabólitos secundários
• Aspergillus e Penicillium
OCRATOXINA
•
•
•
•

Nefrotóxica
Teratogênica
Carcinogênica
Respostas colinérgicas
Tricotecenos
Tricotecenos
▫ Produzidos por Fusarium, Thrichoderma, Myrothecium e
Trichothecium;
 Existem mais de 190 tipos. Ex.: Toxina T-2,
diacetoxiscirpenol (DAS), desoxinivalenol (DON) e
Zearalenona;
 Encontrados em plantações. Ex.: arroz, trigo, milho,
cevada.
 Efeitos no organismo:
• Inibição de enzimas da síntese proteica;
• Interferência na divisão celular;
• São imunossupressores;
• Reduzem a coagulação sanguínea
 Toxina T-2
 Produzidas pelo gênero Fusarium;
 Usada como arma biológica;
 Aleucia Tóxica Alimentar (ATA)
 Sintomas:
• Sintomas semelhantes aos da gripe;
• Sintomas gastrointestinais, dermatológicos e
neurológicos;
• Imunossupressão

 Diacetoxiscirpenol (DAS)
 Características semelhantes às da Toxina T-2
DON
• Desoxinivalenol é tricoteceno de fungo Fusarium
graminearum e F. culmorum.
• Não é de risco à indução a câncer.
• Doses altas: desordem intestinal
• Doses baixas: perca de peso e recusa de
alimentos.
ZON
• A zearalenona vem do F. graminearum e F.
culmorum.
• Análogo do estrógeno.
• Inchação e avermelhamento da vulva;
• Super desenvolvimento do útero e glândulas
mamárias;
• Prolapsos da vagina e reto.
• O potencial risco à saúde para o homem induzido
por essa micotoxina, que é ingerida com alimentos
de origem animal ou vegetal, é extensamente
debatido.
Estachibotriotoxicose
• Causada pelo Stachybotrys.
• Sinais neurológicos agudos.
• Humanos:
Dermatite de contato
Inflamação da mucosa
Febre
Dor torácica
• Crescem bem em materiais de construção
úmidos.
• As toxinas são suspeitas de doenças em
humanos que vivem ou trabalham em edifícios
contaminados.
Irritação pulmonar
Hemorragia
Dores de cabeça
pulmonar idiopática
Fadiga
dos lactentes
Mal-estar
Diarreia
Outras micotoxinas e
micotoxicoses supostas
OUTRAS MICOTOXINAS E MICOTOXICOSES
SUPOSTAS
• # Ampla variedade de fungos filamentoso
produção de
micotoxinas
agente causador de doenças humanas e
animais.
• # Ácido ciclopiazônico
no transporte de íons
(Penicillium)
•

ATPase
através das membranas

alteração
celulares.

O consumo de altos níveis de ácido ciclopiazônico:
Envenenamento por Kodua.

• # Beribéri cardíaco (Japão)
Toxina do arroz amarelo
(palpitações, náusea, vômitos, desconforto respiratório)
OUTRAS MICOTOXINAS E MICOTOXICOSES
SUPOSTAS
# Há suposições de que muitas doenças raras sejam micotoxicoses. Ex:
Doença da cana-de-açúcar embolorada da China.
# Conclui-se que é difícil provar que uma doença seja uma
micotoxicose. Mesmo fungos filamentosos conhecidos podem estar
presentes no alimento ou no ambiente e não produzam toxinas.
# O simples isolamento do fungo filamentoso da cultura de um
determinado substrato não é o mesmo que a detecção de uma toxina
específica. Mesmo quando as micotoxinas são detectadas, é difícil
provar conclusivamente que são a causa dos estados patológicos
agudos e crônicos específicos.
Referências
• Microbiologia Médica: Patrick R. Murray, Ken S
Rosenthal e Michael A. Pfaller. 6° edição
• http://www.ansci.cornell.edu/.../aflatoxin/aflat
oxin.html
• http://www.micotoxinas.com.br/
• http://centrodeartigos.com/dieta-eperda.../artigo-848.html
• http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstrea
m/item/47815/1/18-Revisao-03.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Analise sensorial de alimentos apostil
Analise sensorial de alimentos   apostilAnalise sensorial de alimentos   apostil
Analise sensorial de alimentos apostil
Mário Kichese Kichese
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
GabsSerra
 
Intoxicação por chumbo
Intoxicação por chumboIntoxicação por chumbo
Intoxicação por chumbo
Pedro Augusto
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Ana Paula Alves
 

Mais procurados (20)

Micotoxinas
MicotoxinasMicotoxinas
Micotoxinas
 
Complexo teníase cisticercose
Complexo teníase cisticercoseComplexo teníase cisticercose
Complexo teníase cisticercose
 
Programa Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das avesPrograma Nacional de sanidade das aves
Programa Nacional de sanidade das aves
 
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POASegurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
Segurança Alimentar de Produtos de Origem Animal – POA
 
TOXICOLOGIA ALIMENTAR
TOXICOLOGIA ALIMENTARTOXICOLOGIA ALIMENTAR
TOXICOLOGIA ALIMENTAR
 
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
 
Analise sensorial de alimentos apostil
Analise sensorial de alimentos   apostilAnalise sensorial de alimentos   apostil
Analise sensorial de alimentos apostil
 
Aula defumacao
Aula defumacaoAula defumacao
Aula defumacao
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 2 2012
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Tecnologia de carnes
Tecnologia de carnesTecnologia de carnes
Tecnologia de carnes
 
Ergot do centeio
Ergot do centeioErgot do centeio
Ergot do centeio
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Aula 1 introdução tpoa
Aula 1   introdução tpoaAula 1   introdução tpoa
Aula 1 introdução tpoa
 
Alterações em alimentos
Alterações em alimentosAlterações em alimentos
Alterações em alimentos
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Intoxicação por chumbo
Intoxicação por chumboIntoxicação por chumbo
Intoxicação por chumbo
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Aula 1 introdução à toxicologia
Aula 1 introdução à toxicologiaAula 1 introdução à toxicologia
Aula 1 introdução à toxicologia
 

Semelhante a MICOTOXINAS

Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
Raquel Freiry
 
Resumo sobre seres microscópicos
Resumo sobre seres microscópicosResumo sobre seres microscópicos
Resumo sobre seres microscópicos
ladyacp
 
Seminário zoob bruna
Seminário zoob brunaSeminário zoob bruna
Seminário zoob bruna
Rayssa Lima
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
ISJ
 

Semelhante a MICOTOXINAS (20)

Slide microbio
Slide microbioSlide microbio
Slide microbio
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
Resumo sobre seres microscópicos
Resumo sobre seres microscópicosResumo sobre seres microscópicos
Resumo sobre seres microscópicos
 
Seminatio micro geral_micotoxinas
Seminatio micro geral_micotoxinasSeminatio micro geral_micotoxinas
Seminatio micro geral_micotoxinas
 
Seminário zoob bruna
Seminário zoob brunaSeminário zoob bruna
Seminário zoob bruna
 
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptxPeste Suína Classica -  Doenças Infecciosas.pptx
Peste Suína Classica - Doenças Infecciosas.pptx
 
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai9. antifúngicos   turma  - 13 e 14 mai
9. antifúngicos turma - 13 e 14 mai
 
Antiparasitarios
AntiparasitariosAntiparasitarios
Antiparasitarios
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificaçõesControle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
Controle biológico de pragas e doenças, organismos de controle e especificações
 
Apresentação 2
Apresentação 2Apresentação 2
Apresentação 2
 
Teníase e malária
Teníase e maláriaTeníase e malária
Teníase e malária
 
435
435435
435
 
Amebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmoseAmebíase e toxoplasmose
Amebíase e toxoplasmose
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Antifúngicos
Antifúngicos Antifúngicos
Antifúngicos
 
Reino monera, protista
Reino monera, protistaReino monera, protista
Reino monera, protista
 

Mais de Vanessa Paiva

DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glútenDOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
Vanessa Paiva
 
Apresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivoApresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivo
Vanessa Paiva
 
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúdeAspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Vanessa Paiva
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
Vanessa Paiva
 
Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos
Vanessa Paiva
 

Mais de Vanessa Paiva (8)

Anomalias anorretais
Anomalias anorretaisAnomalias anorretais
Anomalias anorretais
 
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glútenDOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
DOENÇA CELÍACA, Intolerância ao glúten
 
Apresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivoApresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivo
 
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúdeAspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
Aspectos emocionais, condições de vida e de trabalho dos trabalhadores da saúde
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
 
Picornavírus
PicornavírusPicornavírus
Picornavírus
 
Sistema límbico
Sistema límbicoSistema límbico
Sistema límbico
 
Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos Física dos Radionuclídeos
Física dos Radionuclídeos
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

MICOTOXINAS

  • 1. Universidade Federal de Sergipe Departamento de Morfologia Docente: Flávio Henrique MICOTOXINAS
  • 3. Micotoxinas  Metabolitos fúngicos secundários que causam doenças coletivamente conhecidas como micotoxicoses. ( Não são transmissíveis).  Após a ingestão, inalação ou contato direto com a toxina.  Fungos filamentosos.  Há mais de 100 fungos • Toxinogenicos e mais de 300 • Micotoxicoses.  Manifestação: Aguda ou • Crônica ( tumor ou óbito).
  • 4. Micotoxinas resultam:  Devido a contaminação do • material, na pré-colheita, por • Fungos toxinogêicos que são • Patógenos de plantas.  Insetos ou umidade, proporciona • uma porta de entrada aos • fungos toxigênicos.
  • 5. • Capacidade de provocas intoxicação em animais e seres humanos.
  • 6. Sintomas dependem:  Tipo de micotoxina. Quantidade e duração e da exposição.  Da via de exposição.  Idade, sexo e saúde do indivíduo exposto.  Má nutrição, abuso de álcool, condição de doença infeciosa.  Sinergismo.
  • 7.  Mais comum em países subdesenvolvidos (métodos de estocagem e manuseio são inadequados, má nutrição ou poucos regulamentos que protejam a população).  Tratamento: Terapia de suporte.  Propriedades imunossupressoras Potentes.  Biossíntese: em temperaturas inferiores a 20°C a 30°C.
  • 9. O que são Aflatoxinas? Histórico Alimentos encontrados(amedoim,milho,feijão,arroz,trigo...) Importância na Saúde Pública(mutagênicas,carcinogênicas,teratogênicas, ALTAMENTE TÓXICA para grande números de animais) Pesquisas por todo o mundo
  • 11. Principais Aflatoxina s B1 B2 G1 G2 M1* E M2 Obs:AFB1 é considerada pela IARC como agente causador de câncer!
  • 12. Pontos importantes: Altamente hepatóxicas Hepatocarcinomas em ratos(15g/kg) Lesgislação Importância econômica
  • 14. • Penicillium e Aspergillus ▫ Penicillium camemberti ▫ Aspergillus oryzae • Trigo, cevada, aveia, centeio, milho e arroz
  • 15. • Nefrotoxina ▫ Nefropatia suína – cevada mofada ▫ Síndrome do arroz amarelo – Japão • Ocratoxina A
  • 16. Alcaloide do esporão do centeio
  • 17. Alcaloide do Esporão do Centeio
  • 18. Alcaloides • Alcaloides possuem origem vegetal e são aplicados principalmente na produção de fármacos naturais. • Em 1806, Friedrich W. Serturner, isolou do ópio a morfina.
  • 19. Alcaloide do Esporão do Centeio  Ergotina tetracíclico
  • 20. Esclerócios de um patógeno comum de grama. Gênero: Claviceps Hifas fúngicas
  • 21. Ergotismo  Insuficiência arterial crônica e aguda Formas da doença Gangrenosa (Claviceps purpurea) Vasoconstrição periférica e necrose das extremidades distais Convulsiva ou neurológica (C. fusiformis)  Espasmos musculares, convulsões e alucinações
  • 22. Painço • Auxiliar na saúde cardiovascular ↑ [Mg] • Mg: redução da pressão arterial e do risco de infartos. • Benefícios para os ossos • Previne doenças como o diabetes, cálculos e até o câncer.
  • 23. Alcaloide do Esporão do Centeio Limpeza dos grãos X Doença humana Problema veterinário importante  Gangrena, aborto, convulsões e ataxia.
  • 26. Fumonisinas • São produzidas por fungos do gênero Fusarium • Espécie de maior relevância econômica: Fusarium moniliforme, em especiel a Fumonisina B1
  • 28. Fumonisina B1 • Interfere no metabolismo de esfingolipídios. o Leucoencéfalomalácia no cavalo o Endema pulmonar e hidrotórax no porco o Efeitos hepatotóxicos e carcinórgênicos no fígado de ratos • Tem sido relacionada com maior incidência de câncer de esôfago na África do Sul, China e Itália • Altas concentrações em farinha de milho e milho moído
  • 29. Fumonisina B1 • Consumo de pão sem fermento a partir de milho envelhecido na Índia • Alterações no tubo neural de animais • Classificação pela Agência Internacional em Pesquisas com Câncer.
  • 31. OCRATOXINA • Grupo dos metabólitos secundários • Aspergillus e Penicillium
  • 34. Tricotecenos ▫ Produzidos por Fusarium, Thrichoderma, Myrothecium e Trichothecium;  Existem mais de 190 tipos. Ex.: Toxina T-2, diacetoxiscirpenol (DAS), desoxinivalenol (DON) e Zearalenona;  Encontrados em plantações. Ex.: arroz, trigo, milho, cevada.  Efeitos no organismo: • Inibição de enzimas da síntese proteica; • Interferência na divisão celular; • São imunossupressores; • Reduzem a coagulação sanguínea
  • 35.  Toxina T-2  Produzidas pelo gênero Fusarium;  Usada como arma biológica;  Aleucia Tóxica Alimentar (ATA)  Sintomas: • Sintomas semelhantes aos da gripe; • Sintomas gastrointestinais, dermatológicos e neurológicos; • Imunossupressão  Diacetoxiscirpenol (DAS)  Características semelhantes às da Toxina T-2
  • 36. DON • Desoxinivalenol é tricoteceno de fungo Fusarium graminearum e F. culmorum. • Não é de risco à indução a câncer. • Doses altas: desordem intestinal • Doses baixas: perca de peso e recusa de alimentos.
  • 37. ZON • A zearalenona vem do F. graminearum e F. culmorum. • Análogo do estrógeno. • Inchação e avermelhamento da vulva; • Super desenvolvimento do útero e glândulas mamárias; • Prolapsos da vagina e reto. • O potencial risco à saúde para o homem induzido por essa micotoxina, que é ingerida com alimentos de origem animal ou vegetal, é extensamente debatido.
  • 38. Estachibotriotoxicose • Causada pelo Stachybotrys. • Sinais neurológicos agudos. • Humanos: Dermatite de contato Inflamação da mucosa Febre Dor torácica
  • 39. • Crescem bem em materiais de construção úmidos. • As toxinas são suspeitas de doenças em humanos que vivem ou trabalham em edifícios contaminados. Irritação pulmonar Hemorragia Dores de cabeça pulmonar idiopática Fadiga dos lactentes Mal-estar Diarreia
  • 41. OUTRAS MICOTOXINAS E MICOTOXICOSES SUPOSTAS • # Ampla variedade de fungos filamentoso produção de micotoxinas agente causador de doenças humanas e animais. • # Ácido ciclopiazônico no transporte de íons (Penicillium) • ATPase através das membranas alteração celulares. O consumo de altos níveis de ácido ciclopiazônico: Envenenamento por Kodua. • # Beribéri cardíaco (Japão) Toxina do arroz amarelo (palpitações, náusea, vômitos, desconforto respiratório)
  • 42. OUTRAS MICOTOXINAS E MICOTOXICOSES SUPOSTAS # Há suposições de que muitas doenças raras sejam micotoxicoses. Ex: Doença da cana-de-açúcar embolorada da China. # Conclui-se que é difícil provar que uma doença seja uma micotoxicose. Mesmo fungos filamentosos conhecidos podem estar presentes no alimento ou no ambiente e não produzam toxinas. # O simples isolamento do fungo filamentoso da cultura de um determinado substrato não é o mesmo que a detecção de uma toxina específica. Mesmo quando as micotoxinas são detectadas, é difícil provar conclusivamente que são a causa dos estados patológicos agudos e crônicos específicos.
  • 43. Referências • Microbiologia Médica: Patrick R. Murray, Ken S Rosenthal e Michael A. Pfaller. 6° edição • http://www.ansci.cornell.edu/.../aflatoxin/aflat oxin.html • http://www.micotoxinas.com.br/ • http://centrodeartigos.com/dieta-eperda.../artigo-848.html • http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstrea m/item/47815/1/18-Revisao-03.pdf