SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
DIREITO
PENAL III
Professor Dr. Urbano Félix Pugliese
CRIMES CONTRA
O PATRIMÔNIO
Patrimônio:
 O bem jurídico, principal, tutelado nos
tipos é o patrimônio dos seres humanos:
Universalidade de bens, obrigações e
direitos de uma pessoa (amealhados
durante a vida ou herdados).
Divisão do título II:
 Capítulo I: do
furto;
 Capítulo II: do
roubo e da
extorsão;
 Capítulo III: da
usurpação;
 Capítulo IV: do
dano;
 Capítulo V: da
apropriação indébita;
 Capítulo VI: do
estelionato e outras
fraudes;
 Capítulo VII: da
receptação; e
 Capítulo VIII:
Disposições gerais.
Estelionato:
Art. 171 - Obter, para si ou para outrem,
vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo
ou mantendo alguém em erro, mediante
artifício, ardil, ou qualquer outro meio
fraudulento: Pena - reclusão, de um a cinco
anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez
contos de réis. § 1º - Se o criminoso é primário,
e é de pequeno valor o prejuízo, o juiz pode
aplicar a pena conforme o disposto no art. 155,
§ 2º.
Estelionato:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre
quem: Disposição de coisa alheia como
própria I - vende, permuta, dá em pagamento,
em locação ou em garantia coisa alheia como
própria; Alienação ou oneração fraudulenta
de coisa própria II - vende, permuta, dá em
pagamento ou em garantia coisa própria
inalienável, gravada de ônus ou litigiosa, ou
imóvel que prometeu vender a terceiro,
mediante pagamento em prestações, silenciando
sobre qualquer dessas circunstâncias;
Estelionato:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre
quem: Defraudação de penhor III - defrauda,
mediante alienação não consentida pelo credor
ou por outro modo, a garantia pignoratícia,
quando tem a posse do objeto empenhado;
Fraude na entrega de coisa IV - defrauda
substância, qualidade ou quantidade de coisa
que deve entregar a alguém;
Estelionato:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre
quem: Fraude para recebimento de
indenização ou valor de seguro V - destrói,
total ou parcialmente, ou oculta coisa própria,
ou lesa o próprio corpo ou a saúde, ou agrava as
conseqüências da lesão ou doença, com o
intuito de haver indenização ou valor de seguro;
Fraude no pagamento por meio de cheque VI
- emite cheque, sem suficiente provisão de
fundos em poder do sacado, ou lhe frustra o
pagamento.
Estelionato:
Art. 171 - § 3º - A pena aumenta-se de um
terço, se o crime é cometido em detrimento de
entidade de direito público ou de instituto de
economia popular, assistência social ou
beneficência. Estelionato contra idoso § 4o
Aplica-se a pena em dobro se o crime for
cometido contra idoso.
Bem jurídico tutelado:
 Tutela-se o patrimônio das pessoas
(universalidade de bens, obrigações e direitos
de uma pessoa);
 Sujeito ativo = Comum (qualquer pessoa); e
 Sujeito passivo = Comum (qualquer pessoa).
 A marca do crime de estelionato é a não
utilização da violência ou grave ameaça para
conseguir o patrimônio:
 Fraude do agente: Engodo, engano,
ludibriação;
 Erro da vítima: Dar o que é errado como
certo; e
 Vantagem ilícita: A vantagem precisa ser
patrimonial (caso seja lícita poderá ser o art.
345 do CP). [...]
Tipo objetivo:
 A marca do crime de estelionato é a não
utilização da violência ou grave ameaça para
conseguir o patrimônio:
 Prejuízo alheio: Há de existir algum prejuízo
patrimonial para a vítima, não pode ser
meramente moral;
 Ardil: Meio intelectual de enganação (papo);
 Artifícío: Aparato material de enganação
(disfarce); e
 Qualquer outro meio fraudulento: Fórmula
genérica (interpretação analógica)
Tipo objetivo:
Elemento subjetivo do tipo penal:
 Dolo com especial fim de agir: “para si ou para
outrem”;
 Não há forma culposa;
Consumação e tentativa:
 Consuma-se com a obtenção da vantagem
ilícita em prejuízo alheio; e
 A tentativa é possível.
Casuística:
 Cola eletrônica: Não é estelionato – art. 311-
A do CP;
 “Pindura”: três opções: 1) Fato atípico (mera
chalaça); 2) Estelionato; ou 3) Art. 176;
 Torpeza bilateral (golpe do bilhete
premiado; golpe do pacote) não descaracteriza
o delito;
 Súmula 73/STJ: “A utilização de papel
moeda grosseiramente falsificado configura,
em tese, o crime de estelionato de competência
Casuística:
 Súmula 17/STJ: “Quando o falso se exaure
no estelionato, sem mais potencialidade lesiva,
é por este absorvido”; e
 Utiliza-se a regra da consunção [norma meio x
norma fim] do conflito aparente de normas
(não é especialidade [norma geral x norma
específica] nem tampouco subsidiariedade
[norma mais grave x norma menos grave]).
Estelionato privilegiado:
 Art. 171, § 1º - Se o criminoso é primário, e é
de pequeno valor (um salário mínimo) o
prejuízo, o juiz pode aplicar a pena conforme o
disposto no art. 155, § 2º;
 Art. 155, § 2º - Se o criminoso é primário, e é
de pequeno valor a coisa furtada, o juiz pode
substituir a pena de reclusão pela de detenção,
diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar
somente a pena de multa; e
 Perceba que há de haver o efetivo prejuízo no
estelionato.
Formas especiais de estelionato:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre
quem: Disposição de coisa alheia como
própria I - vende, permuta, dá em pagamento,
em locação ou em garantia coisa alheia como
própria; Alienação ou oneração fraudulenta de
coisa própria II - vende, permuta, dá em
pagamento ou em garantia coisa própria
inalienável, gravada de ônus ou litigiosa, ou
imóvel que prometeu vender a terceiro, mediante
pagamento em prestações, silenciando sobre
qualquer dessas circunstâncias;
Formas especiais de estelionato:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre
quem: Defraudação de penhor III - defrauda,
mediante alienação não consentida pelo credor
ou por outro modo, a garantia pignoratícia,
quando tem a posse do objeto empenhado;
Fraude na entrega de coisa IV - defrauda
substância, qualidade ou quantidade de coisa que
deve entregar a alguém;
Formas especiais de estelionato:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre
quem: Fraude para recebimento de
indenização ou valor de seguro V - destrói,
total ou parcialmente, ou oculta coisa própria, ou
lesa o próprio corpo ou a saúde, ou agrava as
conseqüências da lesão ou doença, com o intuito
de haver indenização ou valor de seguro;
[...]
Fraude no pagamento por meio de
cheque:
Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem:
Fraude no pagamento por meio de cheque VI -
emite cheque, sem suficiente provisão de fundos em
poder do sacado, ou lhe frustra o pagamento; Será
estelionato na forma simples: 1) Pagamento com
cheque roubado; 2) Emissão de cheque de conta
cancelada; 3) Emissão de cheque sem fundos com
nome falso ou assinatura falsa; 4) Emissão de cheque
de conta aberta com características pessoais falsas do
correntista; e
 A emissão de cheque sem fundos para pagamento de
dívida não caracteriza o delito no § 2º, VI.
Fraude no pagamento por meio de
cheque:
 A emissão de cheque pré ou pós datado não
caracteriza o delito no § 2º, VI;
 Súmula 554/STF: “O pagamento de cheque
emitido sem provisão de fundos, após o
recebimento da denúncia, não obsta ao
prosseguimento da ação penal” (art. 16 do CP);
 Logo (a contrario sensu): O pagamento de
cheque emitido sem provisão de fundos, antes
do recebimento da denúncia, obsta ao
prosseguimento da ação penal
Fraude no pagamento por meio de
cheque:
 O Endossante é partícipe do delito de estelionato,
mas não autor;
 A competência é diversa:
 Súmula 244/STJ “Compete ao foro do local da
recusa processar e julgar o crime de estelionato
mediante cheque sem provisão de fundos.”; e
 Súmula 521/STF: “O foro competente para o
processo e julgamento dos crimes de estelionato, sob
a modalidade da emissão dolosa de cheque sem
provisão de fundos, é o do local onde se deu a recusa
do pagamento pelo sacado. ”
Fraude no pagamento por meio de
cheque:
 Súmula 48/STJ: “Compete ao juízo do local da
obtenção da vantagem ilícita processar e julgar crime
de estelionato cometido mediante falsificação de
cheque” (não é o § 2º, VI);
 Súmula 246/STF: “Comprovado não ter havido
fraude, não se configura o crime de emissão de
cheque sem fundos”;
Formas majoradas:
Art. 171 - § 3º - A pena aumenta-se de um terço, se o crime é
cometido em detrimento de entidade de direito público ou de
instituto de economia popular, assistência social ou
beneficência (crime permanente, consuma-se com a cessação
do beneficio indevido, quando se inicia o prazo prescricional);
Súmula 24/STJ: “Aplica-se ao crime de estelionato, em que
figure como vítima entidade autárquica da previdência social, a
qualificadora do § 3º, do art. 171 do CP”; e
Súmula 107/STJ: “Compete a justiça comum estadual
processar e julgar crime de estelionato praticado mediante
falsificação das guias de recolhimento das contribuições
previdenciárias, quando não ocorrente lesão a autarquia
federal” (ao inverso: Quando houver lesão à autarquia federal
será competência da justiça comum federal).
Formas majoradas (estelionato
contra pessoa idosa):
Art. 171, § 4o
Aplica-se a pena em dobro se o
crime for cometido contra idoso; e
 Novidade de 2015; e
 Pessoa vulnerada pela sociedade e pela própria
vida sendo protegida (caso comuns de parentela
enganando os idosos)
Ação penal:
 Ação penal pública incondicionada (precisa
estudar as escusas absolutórias); e
Penas:
Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa, de
quinhentos mil réis a dez contos de réis (leia-se
multa somente).
Duplicata simulada:
Art. 172 - Emitir fatura, duplicata ou nota de
venda que não corresponda à mercadoria
vendida, em quantidade ou qualidade, ou ao
serviço prestado. Pena - detenção, de 2 (dois) a
4 (quatro) anos, e multa. Parágrafo único.
Nas mesmas penas incorrerá aquele que
falsificar ou adulterar a escrituração do Livro de
Registro de Duplicatas.
Abuso de incapazes:
Art. 173 - Abusar, em proveito próprio ou
alheio, de necessidade, paixão ou inexperiência
de menor, ou da alienação ou debilidade mental
de outrem, induzindo qualquer deles à prática
de ato suscetível de produzir efeito jurídico, em
prejuízo próprio ou de terceiro: Pena - reclusão,
de dois a seis anos, e multa.
Induzimento à especulação:
Art. 174 - Abusar, em proveito próprio ou
alheio, da inexperiência ou da simplicidade ou
inferioridade mental de outrem, induzindo-o à
prática de jogo ou aposta, ou à especulação com
títulos ou mercadorias, sabendo ou devendo
saber que a operação é ruinosa: Pena - reclusão,
de um a três anos, e multa.
Fraude no comércio:
Art. 175 - Enganar, no exercício de atividade
comercial, o adquirente ou consumidor: I - vendendo,
como verdadeira ou perfeita, mercadoria falsificada
ou deteriorada; II - entregando uma mercadoria por
outra: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou
multa. § 1º - Alterar em obra que lhe é encomendada a
qualidade ou o peso de metal ou substituir, no mesmo
caso, pedra verdadeira por falsa ou por outra de menor
valor; vender pedra falsa por verdadeira; vender,
como precioso, metal de ou outra qualidade: Pena -
reclusão, de um a cinco anos, e multa. § 2º - É
aplicável o disposto no art. 155, § 2º.
       
Outras fraudes:
Art. 176 - Tomar refeição em restaurante,
alojar-se em hotel ou utilizar-se de meio de
transporte sem dispor de recursos para efetuar o
pagamento: Pena - detenção, de quinze dias a
dois meses, ou multa. Parágrafo único -
Somente se procede mediante representação, e
o juiz pode, conforme as circunstâncias, deixar
de aplicar a pena.
Fraudes e abusos na fundação ou
administração de sociedade por
ações:
Art. 177 - Promover a fundação de sociedade
por ações, fazendo, em prospecto ou em
comunicação ao público ou à assembleia,
afirmação falsa sobre a constituição da
sociedade, ou ocultando fraudulentamente fato
a ela relativo: Pena - reclusão, de um a quatro
anos, e multa, se o fato não constitui crime
contra a economia popular. [...]
Fraudes e abusos na fundação ou
administração de sociedade por
ações:    
Art. 177 - § 1º - Incorrem na mesma pena, se o fato não
constitui crime contra a economia popular: I - o diretor,
o gerente ou o fiscal de sociedade por ações, que, em
prospecto, relatório, parecer, balanço ou comunicação
ao público ou à assembléia, faz afirmação falsa sobre as
condições econômicas da sociedade, ou oculta
fraudulentamente, no todo ou em parte, fato a elas
relativo; II - o diretor, o gerente ou o fiscal que
promove, por qualquer artifício, falsa cotação das ações
ou de outros títulos da sociedade;
Fraudes e abusos na fundação ou
administração de sociedade por
ações:    
Art. 177 - III - o diretor ou o gerente que toma
empréstimo à sociedade ou usa, em proveito próprio ou
de terceiro, dos bens ou haveres sociais, sem prévia
autorização da assembléia geral; IV - o diretor ou o
gerente que compra ou vende, por conta da sociedade,
ações por ela emitidas, salvo quando a lei o permite; V -
o diretor ou o gerente que, como garantia de crédito
social, aceita em penhor ou em caução ações da própria
sociedade; VI - o diretor ou o gerente que, na falta de
balanço, em desacordo com este, ou mediante balanço
falso, distribui lucros ou dividendos fictícios;
Fraudes e abusos na fundação ou
administração de sociedade por
ações:    
Art. 177 - VII - o diretor, o gerente ou o fiscal que, por
interposta pessoa, ou conluiado com acionista, consegue
a aprovação de conta ou parecer; VIII - o liquidante,
nos casos dos ns. I, II, III, IV, V e VII; IX - o
representante da sociedade anônima estrangeira,
autorizada a funcionar no País, que pratica os atos
mencionados nos ns. I e II, ou dá falsa informação ao
Governo. § 2º - Incorre na pena de detenção, de seis
meses a dois anos, e multa, o acionista que, a fim de
obter vantagem para si ou para outrem, negocia o voto
nas deliberações de assembleia geral.
Emissão irregular de conhecimento
ou depósito ou “warrant”:
Art. 178 - Emitir conhecimento de depósito ou
warrant, em desacordo com disposição legal:
Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.
Fraude à execução:
Art. 179 - Fraudar execução, alienando,
desviando, destruindo ou danificando bens, ou
simulando dívidas: Pena - detenção, de seis
meses a dois anos, ou multa. Parágrafo único -
Somente se procede mediante queixa.
Escusas absolutórias (Capítulo VIII:
Disposições gerais):
Art. 181 - É isento de pena quem comete
qualquer dos crimes previstos neste título, em
prejuízo: I - do cônjuge, na constância da
sociedade conjugal; II - de ascendente ou
descendente, seja o parentesco legítimo ou
ilegítimo, seja civil ou natural;
 Companheiros (união estável) terão
imunidade absoluta por analogia in bonam
partem; e
 Há exclusão da tipicidade (absolutamente).
Imunidades relativas:
Art. 182 - Somente se procede mediante
representação, se o crime previsto neste título é
cometido em prejuízo: I - do cônjuge
desquitado ou judicialmente separado; II - de
irmão, legítimo ou ilegítimo; III - de tio ou
sobrinho, com quem o agente coabita; e
 Muda-se a ação penal de pública
incondicionada para pública condicionada à
representação (em que couber).
Não haverá imunidade:
Art. 183 - Não se aplica o disposto nos dois artigos
anteriores: I - se o crime é de roubo ou de extorsão,
ou, em geral, quando haja emprego de grave
ameaça ou violência à pessoa; II - ao estranho que
participa do crime. III – se o crime é praticado
contra pessoa com idade igual ou superior a 60
(sessenta) anos; e
Resumindo:
1)Quando há violência ou grave ameaça à pessoa;
2) Estranho do concurso de pessoas; e
3) Vitima igual ou mais de 60 (sessenta) anos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power pointedgardrey
 
Código penal comentado slides - parte especial
Código penal comentado   slides - parte especialCódigo penal comentado   slides - parte especial
Código penal comentado slides - parte especialedgardrey
 
Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualcrisdupret
 
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonioDos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonioWpcon
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaIgor Porto
 
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04   direito penal iii - restante dos crimesAula 04   direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimesUrbano Felix Pugliese
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesYara Souto Maior
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurançaUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal i consumação e tentativa
Direito penal i   consumação e tentativaDireito penal i   consumação e tentativa
Direito penal i consumação e tentativaUrbano Felix Pugliese
 
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisóriaMedidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisóriaOzéas Lopes
 
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)crisdupret
 
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
Direito penal iv   incolumidade - perigo comumDireito penal iv   incolumidade - perigo comum
Direito penal iv incolumidade - perigo comumUrbano Felix Pugliese
 

Mais procurados (20)

Direito penal slides - power point
Direito penal   slides - power pointDireito penal   slides - power point
Direito penal slides - power point
 
Código penal comentado slides - parte especial
Código penal comentado   slides - parte especialCódigo penal comentado   slides - parte especial
Código penal comentado slides - parte especial
 
Direito penal iii dano
Direito penal iii   danoDireito penal iii   dano
Direito penal iii dano
 
Direito penal iii furto
Direito penal iii   furtoDireito penal iii   furto
Direito penal iii furto
 
Direito penal iii usurpação
Direito penal iii   usurpaçãoDireito penal iii   usurpação
Direito penal iii usurpação
 
Crimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individualCrimes contra a Liberdade individual
Crimes contra a Liberdade individual
 
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonioDos.crimes.contra.o.patrimonio
Dos.crimes.contra.o.patrimonio
 
Crimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vidaCrimes.contra.a.vida
Crimes.contra.a.vida
 
Inquérito Policial
Inquérito PolicialInquérito Policial
Inquérito Policial
 
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04   direito penal iii - restante dos crimesAula 04   direito penal iii - restante dos crimes
Aula 04 direito penal iii - restante dos crimes
 
Classificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimesClassificação doutrinária dos crimes
Classificação doutrinária dos crimes
 
Direito penal iv incolumidade - segurança
Direito penal iv   incolumidade - segurançaDireito penal iv   incolumidade - segurança
Direito penal iv incolumidade - segurança
 
Direito penal i consumação e tentativa
Direito penal i   consumação e tentativaDireito penal i   consumação e tentativa
Direito penal i consumação e tentativa
 
Acao penal
Acao penalAcao penal
Acao penal
 
Noções de direito processual penal pronta
Noções de direito processual penal prontaNoções de direito processual penal pronta
Noções de direito processual penal pronta
 
Direito penal ii prescrição
Direito penal ii   prescriçãoDireito penal ii   prescrição
Direito penal ii prescrição
 
Espécies de Pena
Espécies de PenaEspécies de Pena
Espécies de Pena
 
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisóriaMedidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
Medidas cautelares, prisão cautelar e liberdade provisória
 
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
Furto (Art. 155, caput, parágrafos 1o. a 3o.)
 
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
Direito penal iv   incolumidade - perigo comumDireito penal iv   incolumidade - perigo comum
Direito penal iv incolumidade - perigo comum
 

Semelhante a Direito penal iii estelionato e outras fraudes

Estelionato, receptação e imunidades
Estelionato, receptação e imunidadesEstelionato, receptação e imunidades
Estelionato, receptação e imunidadescrisdupret
 
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
Direito penal  especial parte ii 14 03-2013Direito penal  especial parte ii 14 03-2013
Direito penal especial parte ii 14 03-2013PrismaTocantins
 
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
Direito Penal  especial parte II 14 03-2013Direito Penal  especial parte II 14 03-2013
Direito Penal especial parte II 14 03-2013Portal Vitrine
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade de correspondência
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade de correspondênciaDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade de correspondência
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade de correspondênciaUrbano Felix Pugliese
 
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoUrbano Felix Pugliese
 
Homicidio
HomicidioHomicidio
HomicidioLucas
 
Crimes de abuso de autoridade
Crimes de abuso de autoridadeCrimes de abuso de autoridade
Crimes de abuso de autoridadeNeto Melkiades
 
Quadro explicativo defeitos do n j
Quadro explicativo defeitos do n jQuadro explicativo defeitos do n j
Quadro explicativo defeitos do n jvolemar
 
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iUrbano Felix Pugliese
 
Ação civil ex delicto1
Ação civil ex  delicto1Ação civil ex  delicto1
Ação civil ex delicto1maria1a2s3d4f5g
 
Capítulo 6 dos excluídos da sucessão
Capítulo 6   dos excluídos da sucessãoCapítulo 6   dos excluídos da sucessão
Capítulo 6 dos excluídos da sucessãoDimensson Costa Santos
 
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 Do outro lado da barricada
 
Vetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridade
Vetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridadeVetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridade
Vetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridadeJornal do Commercio
 
Direito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte EspecialDireito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte EspecialCleide Marinho
 
Aato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridicoAato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridicoAlzira Dias
 

Semelhante a Direito penal iii estelionato e outras fraudes (20)

Estelionato, receptação e imunidades
Estelionato, receptação e imunidadesEstelionato, receptação e imunidades
Estelionato, receptação e imunidades
 
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
Direito penal  especial parte ii 14 03-2013Direito penal  especial parte ii 14 03-2013
Direito penal especial parte ii 14 03-2013
 
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
Direito Penal  especial parte II 14 03-2013Direito Penal  especial parte II 14 03-2013
Direito Penal especial parte II 14 03-2013
 
Direito penal uneb - ação penal
Direito penal   uneb - ação penalDireito penal   uneb - ação penal
Direito penal uneb - ação penal
 
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade de correspondência
Direito penal iii   crimes contra a inviolabilidade de correspondênciaDireito penal iii   crimes contra a inviolabilidade de correspondência
Direito penal iii crimes contra a inviolabilidade de correspondência
 
po
popo
po
 
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiaçãoDireito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
Direito penal IV - Crimes contra o estado de filiação
 
Fraudes contra credores
Fraudes contra credoresFraudes contra credores
Fraudes contra credores
 
Homicidio
HomicidioHomicidio
Homicidio
 
Crimes de abuso de autoridade
Crimes de abuso de autoridadeCrimes de abuso de autoridade
Crimes de abuso de autoridade
 
Quadro explicativo defeitos do n j
Quadro explicativo defeitos do n jQuadro explicativo defeitos do n j
Quadro explicativo defeitos do n j
 
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iAula 02   direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
Aula 02 direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo i
 
Direito penal III - Usurpação
Direito penal III   - UsurpaçãoDireito penal III   - Usurpação
Direito penal III - Usurpação
 
Ação civil ex delicto1
Ação civil ex  delicto1Ação civil ex  delicto1
Ação civil ex delicto1
 
Capítulo 6 dos excluídos da sucessão
Capítulo 6   dos excluídos da sucessãoCapítulo 6   dos excluídos da sucessão
Capítulo 6 dos excluídos da sucessão
 
Direito penal ii ação penal
Direito penal ii   ação penalDireito penal ii   ação penal
Direito penal ii ação penal
 
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016 PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
PLS 280/2016 PROJETO DE LEI DO SENADO nº 280 de 2016
 
Vetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridade
Vetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridadeVetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridade
Vetos de Bolsonaro ao PL de abuso de autoridade
 
Direito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte EspecialDireito Penal - Parte Especial
Direito Penal - Parte Especial
 
Aato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridicoAato fato, negocio juridico
Aato fato, negocio juridico
 

Mais de Urbano Felix Pugliese

Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeAula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeUrbano Felix Pugliese
 
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delitoAula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delitoUrbano Felix Pugliese
 
Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academiaUrbano Felix Pugliese
 
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiAula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiUrbano Felix Pugliese
 
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03   direito penal i - fontes do direito penalAula 03   direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penalUrbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02   direito penal iii - introdução a parte especialAula 02   direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especialUrbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Aula 02   direito penal iii - homicídioAula 02   direito penal iii - homicídio
Aula 02 direito penal iii - homicídioUrbano Felix Pugliese
 
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penalUrbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1Urbano Felix Pugliese
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Urbano Felix Pugliese
 
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016Urbano Felix Pugliese
 

Mais de Urbano Felix Pugliese (20)

Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidadeAula 12  direito penal i -  o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
Aula 12 direito penal i - o nexo de causalidade, resultado e tipicidade
 
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delitoAula 11   direito penal i - a conduta na teoria do delito
Aula 11 direito penal i - a conduta na teoria do delito
 
Facemp 2017 - estudar e escrever
Facemp   2017 - estudar e escreverFacemp   2017 - estudar e escrever
Facemp 2017 - estudar e escrever
 
Facemp 2017 - introdução à academia
Facemp   2017 - introdução à academiaFacemp   2017 - introdução à academia
Facemp 2017 - introdução à academia
 
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo iiAula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
Aula 03 04 - direito penal iv - crimes contra a dignidade sexual - capítulo ii
 
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03   direito penal i - fontes do direito penalAula 03   direito penal i - fontes do direito penal
Aula 03 direito penal i - fontes do direito penal
 
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02   direito penal iii - introdução a parte especialAula 02   direito penal iii - introdução a parte especial
Aula 02 direito penal iii - introdução a parte especial
 
Aula 02 direito penal iii - homicídio
Aula 02   direito penal iii - homicídioAula 02   direito penal iii - homicídio
Aula 02 direito penal iii - homicídio
 
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penalAula 02   direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
Aula 02 direito penal i - histórico e introdução ao direito penal
 
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iv - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iv - 2017 1
 
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1Plano da disciplina   direito penal iii - 2017 1
Plano da disciplina direito penal iii - 2017 1
 
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1Plano da disciplina   direito penal i - 2017 1
Plano da disciplina direito penal i - 2017 1
 
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1Introdução à academia   ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
Introdução à academia ensino, pesquisa e extensão - 2017 1
 
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1Direito penal   uneb - por quem estudar - 2017 1
Direito penal uneb - por quem estudar - 2017 1
 
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...Direito penal  - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
Direito penal - Campus XV - U uadjkfwehilfneb - como estudar direito penal -...
 
Espiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidadeEspiritualidade e sexualidade
Espiritualidade e sexualidade
 
Semana juridica algemas e inocencia
Semana juridica   algemas e inocenciaSemana juridica   algemas e inocencia
Semana juridica algemas e inocencia
 
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
O status sexual dos seres humanos no mundo pós humano - 2016
 
Algemas
AlgemasAlgemas
Algemas
 
Garantismo penal
Garantismo penalGarantismo penal
Garantismo penal
 

Último

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 

Direito penal iii estelionato e outras fraudes

  • 1. DIREITO PENAL III Professor Dr. Urbano Félix Pugliese CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO
  • 2. Patrimônio:  O bem jurídico, principal, tutelado nos tipos é o patrimônio dos seres humanos: Universalidade de bens, obrigações e direitos de uma pessoa (amealhados durante a vida ou herdados).
  • 3. Divisão do título II:  Capítulo I: do furto;  Capítulo II: do roubo e da extorsão;  Capítulo III: da usurpação;  Capítulo IV: do dano;  Capítulo V: da apropriação indébita;  Capítulo VI: do estelionato e outras fraudes;  Capítulo VII: da receptação; e  Capítulo VIII: Disposições gerais.
  • 4. Estelionato: Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento: Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis. § 1º - Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor o prejuízo, o juiz pode aplicar a pena conforme o disposto no art. 155, § 2º.
  • 5. Estelionato: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Disposição de coisa alheia como própria I - vende, permuta, dá em pagamento, em locação ou em garantia coisa alheia como própria; Alienação ou oneração fraudulenta de coisa própria II - vende, permuta, dá em pagamento ou em garantia coisa própria inalienável, gravada de ônus ou litigiosa, ou imóvel que prometeu vender a terceiro, mediante pagamento em prestações, silenciando sobre qualquer dessas circunstâncias;
  • 6. Estelionato: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Defraudação de penhor III - defrauda, mediante alienação não consentida pelo credor ou por outro modo, a garantia pignoratícia, quando tem a posse do objeto empenhado; Fraude na entrega de coisa IV - defrauda substância, qualidade ou quantidade de coisa que deve entregar a alguém;
  • 7. Estelionato: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Fraude para recebimento de indenização ou valor de seguro V - destrói, total ou parcialmente, ou oculta coisa própria, ou lesa o próprio corpo ou a saúde, ou agrava as conseqüências da lesão ou doença, com o intuito de haver indenização ou valor de seguro; Fraude no pagamento por meio de cheque VI - emite cheque, sem suficiente provisão de fundos em poder do sacado, ou lhe frustra o pagamento.
  • 8. Estelionato: Art. 171 - § 3º - A pena aumenta-se de um terço, se o crime é cometido em detrimento de entidade de direito público ou de instituto de economia popular, assistência social ou beneficência. Estelionato contra idoso § 4o Aplica-se a pena em dobro se o crime for cometido contra idoso.
  • 9. Bem jurídico tutelado:  Tutela-se o patrimônio das pessoas (universalidade de bens, obrigações e direitos de uma pessoa);  Sujeito ativo = Comum (qualquer pessoa); e  Sujeito passivo = Comum (qualquer pessoa).
  • 10.  A marca do crime de estelionato é a não utilização da violência ou grave ameaça para conseguir o patrimônio:  Fraude do agente: Engodo, engano, ludibriação;  Erro da vítima: Dar o que é errado como certo; e  Vantagem ilícita: A vantagem precisa ser patrimonial (caso seja lícita poderá ser o art. 345 do CP). [...] Tipo objetivo:
  • 11.  A marca do crime de estelionato é a não utilização da violência ou grave ameaça para conseguir o patrimônio:  Prejuízo alheio: Há de existir algum prejuízo patrimonial para a vítima, não pode ser meramente moral;  Ardil: Meio intelectual de enganação (papo);  Artifícío: Aparato material de enganação (disfarce); e  Qualquer outro meio fraudulento: Fórmula genérica (interpretação analógica) Tipo objetivo:
  • 12. Elemento subjetivo do tipo penal:  Dolo com especial fim de agir: “para si ou para outrem”;  Não há forma culposa; Consumação e tentativa:  Consuma-se com a obtenção da vantagem ilícita em prejuízo alheio; e  A tentativa é possível.
  • 13. Casuística:  Cola eletrônica: Não é estelionato – art. 311- A do CP;  “Pindura”: três opções: 1) Fato atípico (mera chalaça); 2) Estelionato; ou 3) Art. 176;  Torpeza bilateral (golpe do bilhete premiado; golpe do pacote) não descaracteriza o delito;  Súmula 73/STJ: “A utilização de papel moeda grosseiramente falsificado configura, em tese, o crime de estelionato de competência
  • 14. Casuística:  Súmula 17/STJ: “Quando o falso se exaure no estelionato, sem mais potencialidade lesiva, é por este absorvido”; e  Utiliza-se a regra da consunção [norma meio x norma fim] do conflito aparente de normas (não é especialidade [norma geral x norma específica] nem tampouco subsidiariedade [norma mais grave x norma menos grave]).
  • 15. Estelionato privilegiado:  Art. 171, § 1º - Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor (um salário mínimo) o prejuízo, o juiz pode aplicar a pena conforme o disposto no art. 155, § 2º;  Art. 155, § 2º - Se o criminoso é primário, e é de pequeno valor a coisa furtada, o juiz pode substituir a pena de reclusão pela de detenção, diminuí-la de um a dois terços, ou aplicar somente a pena de multa; e  Perceba que há de haver o efetivo prejuízo no estelionato.
  • 16. Formas especiais de estelionato: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Disposição de coisa alheia como própria I - vende, permuta, dá em pagamento, em locação ou em garantia coisa alheia como própria; Alienação ou oneração fraudulenta de coisa própria II - vende, permuta, dá em pagamento ou em garantia coisa própria inalienável, gravada de ônus ou litigiosa, ou imóvel que prometeu vender a terceiro, mediante pagamento em prestações, silenciando sobre qualquer dessas circunstâncias;
  • 17. Formas especiais de estelionato: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Defraudação de penhor III - defrauda, mediante alienação não consentida pelo credor ou por outro modo, a garantia pignoratícia, quando tem a posse do objeto empenhado; Fraude na entrega de coisa IV - defrauda substância, qualidade ou quantidade de coisa que deve entregar a alguém;
  • 18. Formas especiais de estelionato: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Fraude para recebimento de indenização ou valor de seguro V - destrói, total ou parcialmente, ou oculta coisa própria, ou lesa o próprio corpo ou a saúde, ou agrava as conseqüências da lesão ou doença, com o intuito de haver indenização ou valor de seguro; [...]
  • 19. Fraude no pagamento por meio de cheque: Art. 171 - § 2º - Nas mesmas penas incorre quem: Fraude no pagamento por meio de cheque VI - emite cheque, sem suficiente provisão de fundos em poder do sacado, ou lhe frustra o pagamento; Será estelionato na forma simples: 1) Pagamento com cheque roubado; 2) Emissão de cheque de conta cancelada; 3) Emissão de cheque sem fundos com nome falso ou assinatura falsa; 4) Emissão de cheque de conta aberta com características pessoais falsas do correntista; e  A emissão de cheque sem fundos para pagamento de dívida não caracteriza o delito no § 2º, VI.
  • 20. Fraude no pagamento por meio de cheque:  A emissão de cheque pré ou pós datado não caracteriza o delito no § 2º, VI;  Súmula 554/STF: “O pagamento de cheque emitido sem provisão de fundos, após o recebimento da denúncia, não obsta ao prosseguimento da ação penal” (art. 16 do CP);  Logo (a contrario sensu): O pagamento de cheque emitido sem provisão de fundos, antes do recebimento da denúncia, obsta ao prosseguimento da ação penal
  • 21. Fraude no pagamento por meio de cheque:  O Endossante é partícipe do delito de estelionato, mas não autor;  A competência é diversa:  Súmula 244/STJ “Compete ao foro do local da recusa processar e julgar o crime de estelionato mediante cheque sem provisão de fundos.”; e  Súmula 521/STF: “O foro competente para o processo e julgamento dos crimes de estelionato, sob a modalidade da emissão dolosa de cheque sem provisão de fundos, é o do local onde se deu a recusa do pagamento pelo sacado. ”
  • 22. Fraude no pagamento por meio de cheque:  Súmula 48/STJ: “Compete ao juízo do local da obtenção da vantagem ilícita processar e julgar crime de estelionato cometido mediante falsificação de cheque” (não é o § 2º, VI);  Súmula 246/STF: “Comprovado não ter havido fraude, não se configura o crime de emissão de cheque sem fundos”;
  • 23. Formas majoradas: Art. 171 - § 3º - A pena aumenta-se de um terço, se o crime é cometido em detrimento de entidade de direito público ou de instituto de economia popular, assistência social ou beneficência (crime permanente, consuma-se com a cessação do beneficio indevido, quando se inicia o prazo prescricional); Súmula 24/STJ: “Aplica-se ao crime de estelionato, em que figure como vítima entidade autárquica da previdência social, a qualificadora do § 3º, do art. 171 do CP”; e Súmula 107/STJ: “Compete a justiça comum estadual processar e julgar crime de estelionato praticado mediante falsificação das guias de recolhimento das contribuições previdenciárias, quando não ocorrente lesão a autarquia federal” (ao inverso: Quando houver lesão à autarquia federal será competência da justiça comum federal).
  • 24. Formas majoradas (estelionato contra pessoa idosa): Art. 171, § 4o Aplica-se a pena em dobro se o crime for cometido contra idoso; e  Novidade de 2015; e  Pessoa vulnerada pela sociedade e pela própria vida sendo protegida (caso comuns de parentela enganando os idosos)
  • 25. Ação penal:  Ação penal pública incondicionada (precisa estudar as escusas absolutórias); e Penas: Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa, de quinhentos mil réis a dez contos de réis (leia-se multa somente).
  • 26. Duplicata simulada: Art. 172 - Emitir fatura, duplicata ou nota de venda que não corresponda à mercadoria vendida, em quantidade ou qualidade, ou ao serviço prestado. Pena - detenção, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa. Parágrafo único. Nas mesmas penas incorrerá aquele que falsificar ou adulterar a escrituração do Livro de Registro de Duplicatas.
  • 27. Abuso de incapazes: Art. 173 - Abusar, em proveito próprio ou alheio, de necessidade, paixão ou inexperiência de menor, ou da alienação ou debilidade mental de outrem, induzindo qualquer deles à prática de ato suscetível de produzir efeito jurídico, em prejuízo próprio ou de terceiro: Pena - reclusão, de dois a seis anos, e multa.
  • 28. Induzimento à especulação: Art. 174 - Abusar, em proveito próprio ou alheio, da inexperiência ou da simplicidade ou inferioridade mental de outrem, induzindo-o à prática de jogo ou aposta, ou à especulação com títulos ou mercadorias, sabendo ou devendo saber que a operação é ruinosa: Pena - reclusão, de um a três anos, e multa.
  • 29. Fraude no comércio: Art. 175 - Enganar, no exercício de atividade comercial, o adquirente ou consumidor: I - vendendo, como verdadeira ou perfeita, mercadoria falsificada ou deteriorada; II - entregando uma mercadoria por outra: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa. § 1º - Alterar em obra que lhe é encomendada a qualidade ou o peso de metal ou substituir, no mesmo caso, pedra verdadeira por falsa ou por outra de menor valor; vender pedra falsa por verdadeira; vender, como precioso, metal de ou outra qualidade: Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa. § 2º - É aplicável o disposto no art. 155, § 2º.        
  • 30. Outras fraudes: Art. 176 - Tomar refeição em restaurante, alojar-se em hotel ou utilizar-se de meio de transporte sem dispor de recursos para efetuar o pagamento: Pena - detenção, de quinze dias a dois meses, ou multa. Parágrafo único - Somente se procede mediante representação, e o juiz pode, conforme as circunstâncias, deixar de aplicar a pena.
  • 31. Fraudes e abusos na fundação ou administração de sociedade por ações: Art. 177 - Promover a fundação de sociedade por ações, fazendo, em prospecto ou em comunicação ao público ou à assembleia, afirmação falsa sobre a constituição da sociedade, ou ocultando fraudulentamente fato a ela relativo: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa, se o fato não constitui crime contra a economia popular. [...]
  • 32. Fraudes e abusos na fundação ou administração de sociedade por ações:     Art. 177 - § 1º - Incorrem na mesma pena, se o fato não constitui crime contra a economia popular: I - o diretor, o gerente ou o fiscal de sociedade por ações, que, em prospecto, relatório, parecer, balanço ou comunicação ao público ou à assembléia, faz afirmação falsa sobre as condições econômicas da sociedade, ou oculta fraudulentamente, no todo ou em parte, fato a elas relativo; II - o diretor, o gerente ou o fiscal que promove, por qualquer artifício, falsa cotação das ações ou de outros títulos da sociedade;
  • 33. Fraudes e abusos na fundação ou administração de sociedade por ações:     Art. 177 - III - o diretor ou o gerente que toma empréstimo à sociedade ou usa, em proveito próprio ou de terceiro, dos bens ou haveres sociais, sem prévia autorização da assembléia geral; IV - o diretor ou o gerente que compra ou vende, por conta da sociedade, ações por ela emitidas, salvo quando a lei o permite; V - o diretor ou o gerente que, como garantia de crédito social, aceita em penhor ou em caução ações da própria sociedade; VI - o diretor ou o gerente que, na falta de balanço, em desacordo com este, ou mediante balanço falso, distribui lucros ou dividendos fictícios;
  • 34. Fraudes e abusos na fundação ou administração de sociedade por ações:     Art. 177 - VII - o diretor, o gerente ou o fiscal que, por interposta pessoa, ou conluiado com acionista, consegue a aprovação de conta ou parecer; VIII - o liquidante, nos casos dos ns. I, II, III, IV, V e VII; IX - o representante da sociedade anônima estrangeira, autorizada a funcionar no País, que pratica os atos mencionados nos ns. I e II, ou dá falsa informação ao Governo. § 2º - Incorre na pena de detenção, de seis meses a dois anos, e multa, o acionista que, a fim de obter vantagem para si ou para outrem, negocia o voto nas deliberações de assembleia geral.
  • 35. Emissão irregular de conhecimento ou depósito ou “warrant”: Art. 178 - Emitir conhecimento de depósito ou warrant, em desacordo com disposição legal: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.
  • 36. Fraude à execução: Art. 179 - Fraudar execução, alienando, desviando, destruindo ou danificando bens, ou simulando dívidas: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, ou multa. Parágrafo único - Somente se procede mediante queixa.
  • 37. Escusas absolutórias (Capítulo VIII: Disposições gerais): Art. 181 - É isento de pena quem comete qualquer dos crimes previstos neste título, em prejuízo: I - do cônjuge, na constância da sociedade conjugal; II - de ascendente ou descendente, seja o parentesco legítimo ou ilegítimo, seja civil ou natural;  Companheiros (união estável) terão imunidade absoluta por analogia in bonam partem; e  Há exclusão da tipicidade (absolutamente).
  • 38. Imunidades relativas: Art. 182 - Somente se procede mediante representação, se o crime previsto neste título é cometido em prejuízo: I - do cônjuge desquitado ou judicialmente separado; II - de irmão, legítimo ou ilegítimo; III - de tio ou sobrinho, com quem o agente coabita; e  Muda-se a ação penal de pública incondicionada para pública condicionada à representação (em que couber).
  • 39. Não haverá imunidade: Art. 183 - Não se aplica o disposto nos dois artigos anteriores: I - se o crime é de roubo ou de extorsão, ou, em geral, quando haja emprego de grave ameaça ou violência à pessoa; II - ao estranho que participa do crime. III – se o crime é praticado contra pessoa com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos; e Resumindo: 1)Quando há violência ou grave ameaça à pessoa; 2) Estranho do concurso de pessoas; e 3) Vitima igual ou mais de 60 (sessenta) anos.