SlideShare uma empresa Scribd logo
Foucault e Deleuze
SOCIEDADE DISCIPLINAR
E SOCIEDADE DE
CONTROLE
Modernidade - saberes e práticas
diciplinadoras:
•Medicina clínica:
•A Escola:
•O Poder Judiciário
•A Fábrica
Sociedades disciplinares
maneiras de produzir e os lugares da produção :
especialização e controle
• A medicina clínica passou a ter como foco o corpo do doente e
como objetivo trazer esse corpo “de volta ao normal”. Esse padrão
de normalidade passou a ser um parâmetro para toda a sociedade e
a medicina ganhou uma dimensão política de controle.
• escola tem o poder de ensinar porque tem o poder de saber quais
são os comportamentos desejáveis, quais são os conteúdos
imprescindíveis e qual é a didática adequada.
• instituições de justiça e punição, que encontra nas prisões seu
espaço de realização. A reclusão por tempo determinado no
presidio substituiu, na maior parte dos países do Ocidente, a morte
punitiva.
• As fábricas, por exemplo, reproduzem a estrutura da prisão, no
sentido de que colocam os indivíduos, separados segundo suas
diferentes funções, sob um rígido sistema de vigilância.
Sociedades disciplinares
Pintura Nau dos Insensatos (Bosch)
Loucura na Idade Media
• A nau dos insensatos é uma alegoria persistente no imaginário. Aqui
aparece segundo a versão de Bosch/ Hieronymus Bosch ('s-
Hertogenbosch, c. 1450 — 9 de Agosto de 1516), um dos mais instigantes
mestres da pintura. A insensatez como sinônimo de loucura, alienação,
coisas que, no cenário medieval, eram associadas ao pecado e, por isso,
demonizadas. O louco medieval não pertencia ainda à categoria dos
doentes, mas integrava a sociedade como uma espécie de pária, muitas
vezes profeta, outras vezes, possesso. Era preciso normalizá-lo,
adequando-o à linha de conduta vigente. Não existe loucura, apenas
loucos, e neste amplo quadro cabiam e cabem ainda as mais vastas
concepções de desajuste, desde os extáticos, passando pelos mansos e
indo até os furiosos. A loucura tem uma história, e ela não é, de modo
algum, a história dos loucos. Loucos não tem voz. São fundo, não forma.
Bodes expiatórios que carregam em suas sacolas todas as negações que
afligem aos normais, purificando-os de suas culpas. Loucos e criminosos
devidamente isolados, seja pelo hospício, pelo cárcere ou pela medicação
silenciam a inconsciência de todos nós.
A Prisão
Sociedades disciplinares
Sociedade de controle
Mundo das marcas
Jaspion
Sociedade de controle
(MICHEL FOUCAULT. Microfísica do poder.)
•"... uma das primeiras coisas a compreender é
que o poder não está localizado no Estado e
que nada mudará na sociedade se os
mecanismo de poder que funcionam fora, ao
lado dos aparelhos de Estado a um nível muito
mais elementar, não forem modificados".
(Vigiar e Punir, Terceira parte, Disciplina, p. 176-177).
• Em sua obra Vigiar e Punir, Michel Foucault trata do poder disciplinar, ao
escrever: “A ‘disciplina’ não pode se identificar com uma instituição nem com
um aparelho; ela é um tipo de poder, uma modalidade para exercê-lo, que
comporta todo um conjunto de instrumentos, de técnicas, de procedimentos,
de níveis de aplicação, de alvos; ela é uma ‘física’ ou uma ‘anatomia’ do poder,
uma tecnologia. E pode ficar a cargo seja de instituições ‘especializadas’ (as
penitenciárias, ou as casas de correção do século XIX), seja de instituições que
dela se servem como instrumento essencial para um fim determinado (as
casas de educação, os hospitais), seja de instâncias preexistentes que nela
encontram maneira de reforçar ou de reorganizar seus mecanismos internos
de poder (um dia se precisará mostrar como as relações intrafamiliares,
essencialmente na célula pais-filhos, se ‘disciplinaram’, absorvendo desde a
era clássica esquemas externos, escolares, militares, depois médicos,
psiquiátricos, psicológicos, que fizeram da família o local de surgimento
privilegiado para a questão disciplinar do normal e do anormal), seja de
aparelhos que fizeram da disciplina seu princípio de funcionamento interior
(disciplinação do aparelho administrativo a partir da época napoleônica), seja
enfim de aparelhos estatais que têm por função não exclusiva mas
principalmente fazer reinar a disciplina na escala de uma sociedade (a
polícia)”.
Deleuze:
• No ano de 1990, o filósofo francês Gilles Deleuze criou o conceito
de “sociedade do controle” para explicar a configuração totalitária
das sociedades atuais. Na sociedade de controle as pessoas têm a
ilusão de desfrutarem de maior autonomia, pois podem, por
exemplo, acessar contas correntes e fazer compras pela Internet.
Mas, por outro lado, seus comportamentos e hábitos de consumo
podem ser conhecidos pelo governo, pelos bancos e grandes
empresas. Sem suspeitarem disso, os indivíduos podem ser
controlados à distância, como se cada um fosse dotado de uma
“coleira eletrônica”.
(Folha Online, 03.03.2010.)
• Pesquisa feita pela Associação Alemã das Empresas de Informação,
Telecomunicação e Novas Mídias (Bitkom) revela que 23% dos
moradores do país topam ter um microchip inserido no próprio
corpo, contanto que isso traga benefícios concretos a eles. O
levantamento, realizado com cerca de mil pessoas de várias
cidades, foi divulgado na feira de tecnologia Cebit, que vai até o
próximo sábado (7), em Hannover.
MICHEL FOUCAULT. (Microfísica do poder.)
• "... uma das primeiras coisas a compreender é que o poder não está
localizado no Estado e que nada mudará na sociedade se os
mecanismo de poder que funcionam fora, ao lado dos aparelhos de
Estado a um nível muito mais elementar, não forem modificados".
(Vigiar e Punir, Terceira parte, Disciplina, p. 176-177).
• “A ‘disciplina’ não pode se identificar com uma instituição nem com um
aparelho; ela é um tipo de poder, uma modalidade para exercê-lo, que
comporta todo um conjunto de instrumentos, de técnicas, de procedimentos,
de níveis de aplicação, de alvos; ela é uma ‘física’ ou uma ‘anatomia’ do poder,
uma tecnologia. E pode ficar a cargo seja de instituições ‘especializadas’ (as
penitenciárias, ou as casas de correção do século XIX), seja de instituições que
dela se servem como instrumento essencial para um fim determinado (as
casas de educação, os hospitais), seja de instâncias preexistentes que nela
encontram maneira de reforçar ou de reorganizar seus mecanismos internos
de poder (um dia se precisará mostrar como as relações intrafamiliares,
essencialmente na célula pais-filhos, se ‘disciplinaram’, absorvendo desde a
era clássica esquemas externos, escolares, militares, depois médicos,
psiquiátricos, psicológicos, que fizeram da família o local de surgimento
privilegiado para a questão disciplinar do normal e do anormal), seja de
aparelhos que fizeram da disciplina seu princípio de funcionamento interior
(disciplinação do aparelho administrativo a partir da época napoleônica), seja
enfim de aparelhos estatais que têm por função não exclusiva mas
principalmente fazer reinar a disciplina na escala de uma sociedade (a
polícia)”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Aula 3 - Durkheim
Aula 3 - DurkheimAula 3 - Durkheim
Aula 3 - Durkheim
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
 
Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)Karl marx (materialismo histórico)
Karl marx (materialismo histórico)
 
Fatos sociais
Fatos sociaisFatos sociais
Fatos sociais
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 
Poder, política e estado
Poder, política e estadoPoder, política e estado
Poder, política e estado
 

Destaque

Vigiar e punir análise
Vigiar e punir análiseVigiar e punir análise
Vigiar e punir análiseRick Wesley
 
Vigiar e Punir - Resumo
Vigiar e Punir - ResumoVigiar e Punir - Resumo
Vigiar e Punir - ResumoCalaf Prince
 
Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1Karla Saraiva
 
Filosofia trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)
Filosofia   trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)Filosofia   trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)
Filosofia trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)Edson Zampieri
 
3ºAno - Soc disciplinar & soc controle
3ºAno - Soc disciplinar & soc controle 3ºAno - Soc disciplinar & soc controle
3ºAno - Soc disciplinar & soc controle Luis Felipe Carvalho
 
O nascimento das disciplinas
O nascimento das disciplinasO nascimento das disciplinas
O nascimento das disciplinasMarília Silva
 
Reflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De FoucaultReflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De FoucaultJaciara Souza
 
Deleuze post scriptum sobre sociedades de controle
Deleuze   post scriptum sobre sociedades de controleDeleuze   post scriptum sobre sociedades de controle
Deleuze post scriptum sobre sociedades de controleSandra Gorni Benedetti
 
Reflexões interdisciplinares sobre a educação
Reflexões interdisciplinares sobre a educaçãoReflexões interdisciplinares sobre a educação
Reflexões interdisciplinares sobre a educaçãorichard_romancini
 
Declaração dos Direitos Humanos
Declaração dos Direitos HumanosDeclaração dos Direitos Humanos
Declaração dos Direitos HumanosNeeetty
 
Autoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAutoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAlice Silva
 
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday LifeIdeologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday LifeLídia Pavan
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanosemrcool
 
Partidos Politicos de Brasil
Partidos Politicos de BrasilPartidos Politicos de Brasil
Partidos Politicos de BrasilGeronimo Paez
 
Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01homago
 
Cidadania no brasil juli
Cidadania no brasil   juliCidadania no brasil   juli
Cidadania no brasil juliJuli Rossi
 

Destaque (20)

Vigiar e punir análise
Vigiar e punir análiseVigiar e punir análise
Vigiar e punir análise
 
Vigiar e Punir - Resumo
Vigiar e Punir - ResumoVigiar e Punir - Resumo
Vigiar e Punir - Resumo
 
Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1Os três domínios na obra de michel foucault 1
Os três domínios na obra de michel foucault 1
 
Filosofia trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)
Filosofia   trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)Filosofia   trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)
Filosofia trabalho (vigiar e punir - michel foucalt)
 
Foucault
FoucaultFoucault
Foucault
 
3ºAno - Soc disciplinar & soc controle
3ºAno - Soc disciplinar & soc controle 3ºAno - Soc disciplinar & soc controle
3ºAno - Soc disciplinar & soc controle
 
O nascimento das disciplinas
O nascimento das disciplinasO nascimento das disciplinas
O nascimento das disciplinas
 
Reflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De FoucaultReflexao=O Poder De Foucault
Reflexao=O Poder De Foucault
 
Deleuze post scriptum sobre sociedades de controle
Deleuze   post scriptum sobre sociedades de controleDeleuze   post scriptum sobre sociedades de controle
Deleuze post scriptum sobre sociedades de controle
 
Reflexões interdisciplinares sobre a educação
Reflexões interdisciplinares sobre a educaçãoReflexões interdisciplinares sobre a educação
Reflexões interdisciplinares sobre a educação
 
Sociedade do Controle
Sociedade do ControleSociedade do Controle
Sociedade do Controle
 
Declaração dos Direitos Humanos
Declaração dos Direitos HumanosDeclaração dos Direitos Humanos
Declaração dos Direitos Humanos
 
Autoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasilAutoritarismo e democracia no brasil
Autoritarismo e democracia no brasil
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday LifeIdeologia no Cotidiano  -  Ideology in Everyday Life
Ideologia no Cotidiano - Ideology in Everyday Life
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Partidos Politicos de Brasil
Partidos Politicos de BrasilPartidos Politicos de Brasil
Partidos Politicos de Brasil
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01Captulo12 130404220207-phpapp01
Captulo12 130404220207-phpapp01
 
Cidadania no brasil juli
Cidadania no brasil   juliCidadania no brasil   juli
Cidadania no brasil juli
 

Semelhante a Vigiar e punir

Semelhante a Vigiar e punir (20)

vigiarepunir-COERÇÃO SOCIAL 1 ANO.pptx
vigiarepunir-COERÇÃO SOCIAL 1 ANO.pptxvigiarepunir-COERÇÃO SOCIAL 1 ANO.pptx
vigiarepunir-COERÇÃO SOCIAL 1 ANO.pptx
 
Foucault & deleuze
Foucault & deleuzeFoucault & deleuze
Foucault & deleuze
 
Michel foucault
Michel foucaultMichel foucault
Michel foucault
 
Relações de poder
Relações de poderRelações de poder
Relações de poder
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
 
PRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptx
PRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptxPRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptx
PRINCIPAIS CORRENTES GRUPALISTAS 02.pptx
 
Bloco de atividade iii 2ºano
Bloco de atividade iii 2ºanoBloco de atividade iii 2ºano
Bloco de atividade iii 2ºano
 
Foucault e a escola
Foucault e a escolaFoucault e a escola
Foucault e a escola
 
Power Point 02 alunos.ppt
Power Point 02 alunos.pptPower Point 02 alunos.ppt
Power Point 02 alunos.ppt
 
Poder e Anarquia - Edson Passetti
Poder e Anarquia - Edson PassettiPoder e Anarquia - Edson Passetti
Poder e Anarquia - Edson Passetti
 
Biografia de autores [SOCIOLOGIA]
Biografia de autores [SOCIOLOGIA]Biografia de autores [SOCIOLOGIA]
Biografia de autores [SOCIOLOGIA]
 
Aula 3.ppt
Aula 3.pptAula 3.ppt
Aula 3.ppt
 
717 rocha
717 rocha717 rocha
717 rocha
 
SOCIOLOGIA 1 ANO.pptx
SOCIOLOGIA 1 ANO.pptxSOCIOLOGIA 1 ANO.pptx
SOCIOLOGIA 1 ANO.pptx
 
Filosofia apostila segundo ano
Filosofia apostila segundo anoFilosofia apostila segundo ano
Filosofia apostila segundo ano
 
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumentalA Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
A Ciência, o ideal científico e a razão instrumental
 
Capítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência Política
Capítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência PolíticaCapítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência Política
Capítulo 15 - Temas Contemporâneos da Ciência Política
 
Sobre a reprodução - Althusser
Sobre a reprodução - AlthusserSobre a reprodução - Althusser
Sobre a reprodução - Althusser
 
Vigiar e punir
Vigiar e punirVigiar e punir
Vigiar e punir
 
Resumodesocio5
Resumodesocio5Resumodesocio5
Resumodesocio5
 

Mais de roberto mosca junior

Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade   fordismo e toyotismoTrabalho e sociedade   fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade fordismo e toyotismoroberto mosca junior
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalroberto mosca junior
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)roberto mosca junior
 
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoAula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoroberto mosca junior
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoroberto mosca junior
 
Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.roberto mosca junior
 
Aula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminaçãoAula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminaçãoroberto mosca junior
 
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisMosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisroberto mosca junior
 
Constituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilConstituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilroberto mosca junior
 
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDtexto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDroberto mosca junior
 

Mais de roberto mosca junior (20)

Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade   fordismo e toyotismoTrabalho e sociedade   fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria cultural
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)
 
Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01
 
Antropologia alteridade
Antropologia alteridadeAntropologia alteridade
Antropologia alteridade
 
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoAula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 
RASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICORASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICO
 
Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.
 
Aula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminaçãoAula preconceito e discriminação
Aula preconceito e discriminação
 
Revisão 3º tri
Revisão 3º triRevisão 3º tri
Revisão 3º tri
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Discussão doc. "Atrásdaporta"
Discussão doc. "Atrásdaporta"Discussão doc. "Atrásdaporta"
Discussão doc. "Atrásdaporta"
 
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisMosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Constituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilConstituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasil
 
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDtexto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Aula 25 09_14
Aula 25 09_14Aula 25 09_14
Aula 25 09_14
 

Último

Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaComando Resgatai
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 

Vigiar e punir

  • 1. Foucault e Deleuze SOCIEDADE DISCIPLINAR E SOCIEDADE DE CONTROLE
  • 2.
  • 3. Modernidade - saberes e práticas diciplinadoras: •Medicina clínica: •A Escola: •O Poder Judiciário •A Fábrica
  • 5. maneiras de produzir e os lugares da produção : especialização e controle • A medicina clínica passou a ter como foco o corpo do doente e como objetivo trazer esse corpo “de volta ao normal”. Esse padrão de normalidade passou a ser um parâmetro para toda a sociedade e a medicina ganhou uma dimensão política de controle. • escola tem o poder de ensinar porque tem o poder de saber quais são os comportamentos desejáveis, quais são os conteúdos imprescindíveis e qual é a didática adequada. • instituições de justiça e punição, que encontra nas prisões seu espaço de realização. A reclusão por tempo determinado no presidio substituiu, na maior parte dos países do Ocidente, a morte punitiva. • As fábricas, por exemplo, reproduzem a estrutura da prisão, no sentido de que colocam os indivíduos, separados segundo suas diferentes funções, sob um rígido sistema de vigilância.
  • 7. Pintura Nau dos Insensatos (Bosch)
  • 8. Loucura na Idade Media • A nau dos insensatos é uma alegoria persistente no imaginário. Aqui aparece segundo a versão de Bosch/ Hieronymus Bosch ('s- Hertogenbosch, c. 1450 — 9 de Agosto de 1516), um dos mais instigantes mestres da pintura. A insensatez como sinônimo de loucura, alienação, coisas que, no cenário medieval, eram associadas ao pecado e, por isso, demonizadas. O louco medieval não pertencia ainda à categoria dos doentes, mas integrava a sociedade como uma espécie de pária, muitas vezes profeta, outras vezes, possesso. Era preciso normalizá-lo, adequando-o à linha de conduta vigente. Não existe loucura, apenas loucos, e neste amplo quadro cabiam e cabem ainda as mais vastas concepções de desajuste, desde os extáticos, passando pelos mansos e indo até os furiosos. A loucura tem uma história, e ela não é, de modo algum, a história dos loucos. Loucos não tem voz. São fundo, não forma. Bodes expiatórios que carregam em suas sacolas todas as negações que afligem aos normais, purificando-os de suas culpas. Loucos e criminosos devidamente isolados, seja pelo hospício, pelo cárcere ou pela medicação silenciam a inconsciência de todos nós.
  • 15. (MICHEL FOUCAULT. Microfísica do poder.) •"... uma das primeiras coisas a compreender é que o poder não está localizado no Estado e que nada mudará na sociedade se os mecanismo de poder que funcionam fora, ao lado dos aparelhos de Estado a um nível muito mais elementar, não forem modificados".
  • 16. (Vigiar e Punir, Terceira parte, Disciplina, p. 176-177). • Em sua obra Vigiar e Punir, Michel Foucault trata do poder disciplinar, ao escrever: “A ‘disciplina’ não pode se identificar com uma instituição nem com um aparelho; ela é um tipo de poder, uma modalidade para exercê-lo, que comporta todo um conjunto de instrumentos, de técnicas, de procedimentos, de níveis de aplicação, de alvos; ela é uma ‘física’ ou uma ‘anatomia’ do poder, uma tecnologia. E pode ficar a cargo seja de instituições ‘especializadas’ (as penitenciárias, ou as casas de correção do século XIX), seja de instituições que dela se servem como instrumento essencial para um fim determinado (as casas de educação, os hospitais), seja de instâncias preexistentes que nela encontram maneira de reforçar ou de reorganizar seus mecanismos internos de poder (um dia se precisará mostrar como as relações intrafamiliares, essencialmente na célula pais-filhos, se ‘disciplinaram’, absorvendo desde a era clássica esquemas externos, escolares, militares, depois médicos, psiquiátricos, psicológicos, que fizeram da família o local de surgimento privilegiado para a questão disciplinar do normal e do anormal), seja de aparelhos que fizeram da disciplina seu princípio de funcionamento interior (disciplinação do aparelho administrativo a partir da época napoleônica), seja enfim de aparelhos estatais que têm por função não exclusiva mas principalmente fazer reinar a disciplina na escala de uma sociedade (a polícia)”.
  • 17. Deleuze: • No ano de 1990, o filósofo francês Gilles Deleuze criou o conceito de “sociedade do controle” para explicar a configuração totalitária das sociedades atuais. Na sociedade de controle as pessoas têm a ilusão de desfrutarem de maior autonomia, pois podem, por exemplo, acessar contas correntes e fazer compras pela Internet. Mas, por outro lado, seus comportamentos e hábitos de consumo podem ser conhecidos pelo governo, pelos bancos e grandes empresas. Sem suspeitarem disso, os indivíduos podem ser controlados à distância, como se cada um fosse dotado de uma “coleira eletrônica”.
  • 18. (Folha Online, 03.03.2010.) • Pesquisa feita pela Associação Alemã das Empresas de Informação, Telecomunicação e Novas Mídias (Bitkom) revela que 23% dos moradores do país topam ter um microchip inserido no próprio corpo, contanto que isso traga benefícios concretos a eles. O levantamento, realizado com cerca de mil pessoas de várias cidades, foi divulgado na feira de tecnologia Cebit, que vai até o próximo sábado (7), em Hannover.
  • 19. MICHEL FOUCAULT. (Microfísica do poder.) • "... uma das primeiras coisas a compreender é que o poder não está localizado no Estado e que nada mudará na sociedade se os mecanismo de poder que funcionam fora, ao lado dos aparelhos de Estado a um nível muito mais elementar, não forem modificados".
  • 20. (Vigiar e Punir, Terceira parte, Disciplina, p. 176-177). • “A ‘disciplina’ não pode se identificar com uma instituição nem com um aparelho; ela é um tipo de poder, uma modalidade para exercê-lo, que comporta todo um conjunto de instrumentos, de técnicas, de procedimentos, de níveis de aplicação, de alvos; ela é uma ‘física’ ou uma ‘anatomia’ do poder, uma tecnologia. E pode ficar a cargo seja de instituições ‘especializadas’ (as penitenciárias, ou as casas de correção do século XIX), seja de instituições que dela se servem como instrumento essencial para um fim determinado (as casas de educação, os hospitais), seja de instâncias preexistentes que nela encontram maneira de reforçar ou de reorganizar seus mecanismos internos de poder (um dia se precisará mostrar como as relações intrafamiliares, essencialmente na célula pais-filhos, se ‘disciplinaram’, absorvendo desde a era clássica esquemas externos, escolares, militares, depois médicos, psiquiátricos, psicológicos, que fizeram da família o local de surgimento privilegiado para a questão disciplinar do normal e do anormal), seja de aparelhos que fizeram da disciplina seu princípio de funcionamento interior (disciplinação do aparelho administrativo a partir da época napoleônica), seja enfim de aparelhos estatais que têm por função não exclusiva mas principalmente fazer reinar a disciplina na escala de uma sociedade (a polícia)”.