SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 38
Marcelo Madureira Montroni – A1
Drª Carolina B. M. Salazar – Preceptora
2013
Uretra Masculina:
Uretra anterior e posterior
Anterior:
- Peniana
- Bulbar
(A porção anterior da uretra vai do meato externo até a porção inferior
do diafragma urogenital, através do corpo esponjoso)
Posterior:
- Membranosa (termina no diafragma urogenital)
- Prostática (utrículo, lateral ductos ejaculatórios)
Imaging of Urethral Disease: A Pictorial Review
Akira Kawashima, MD ● Carl M. Sandler, MD2 ● Neil F. Wasserman,
MD ● Andrew J. LeRoy, MD ● Bernard F. King, Jr, MD ● Stanford M.
Goldman, MD
Uretra Feminina
4 cm de comprimento
Meato interno e meato externo
Imaging of Urethral Disease: A Pictorial Review
Akira Kawashima, MD ● Carl M. Sandler, MD2 ● Neil F. Wasserman,
MD ● Andrew J. LeRoy, MD ● Bernard F. King, Jr, MD ● Stanford M.
Goldman, MD
Material necessário:
Pinça de Brodney – dispositivo fixado à glande
Contraste iodado
Seringa de 20 ml
Soro Fisiológico
Sonda uretral
Contraste (protocolo UMDI) Homem:
Oblíqua direita 20 ml contraste
Oblíqua esquerda 20 ml contraste
S.F 0,9% 250 ml + 60 ml contraste = 350 ml
total
Sequência do exame
Radiografia simples AP - filme 24x30
Radiografia oblíqua D e E - filme 35x35
Radiografia de pequeno enchimento vesical – filme 24x30
Radiografia de médio enchimento vesical – filme 24x30
Radiografia de grande enchimento vesical – filme 24x30
Pesquisa de refluxo vesicoureteral - 35x43
Radiografia durante micção AP – filme 35x35
Radiografia durante micção oblíqua D – filme 35x35
Radiografia pós-micção – filme 24x30.
Contraste (protocolo UMDI) Mulher:
Sonda vesical
Não realiza incidências oblíquas iniciais
S.F 0,9% 250 ml + 60 ml contraste = 310 ml
total
Contraste (protocolo UMDI) Criança:
Até 10 anos não é necessário pinça
Sonda vesical
100 ml S.F + 60 ml contraste = 160 ml
Sequência do exame:
 Posição em AP
 Passar a sonda vesical;
 Injeção do meio de contraste;
 Radiografia de pequeno enchimento vesical – filme 24x30;
 Radiografia de médio enchimento vesical – filme 24x30;
 Radiografia de grande enchimento vesical – filme 24x30;
 Pesquisa de refluxo vesicoureteral - 35x43
 Radiografia miccional AP - 35x35
 Radiografia miccional Oblíqua -35x35
 Radiografia pós- micional -24x30
Primeiro exame indicado nas causas abaixo:
Refluxo vesicoureteral
Ureterocele
Válvula de uretra posterior
Estenose de uretra
Trauma de uretra
Fístulas
Outras: Tuberculose uretral, condiloma acuminado,
estenose actínica
Refluxo da bexiga para trato urinário superior
Anormalidade de maturação da junção vesicoureteral
Pode estar associada a outras anomalias, como válvula de
uretra posterior ou duplicação completa do trato urinário
Mecanismo valvular
UCG: graduação do refluxo
Vesicoureteral Reflux and Reflux Nephropathy
Willian Carlos Nahas, Anuar Ibrahim Mitre, Sami Arap, Gilberto Menezes de Góes
Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168.
Refluxo 1º: O retorno de urina da bexiga para o uréter, conseqüência de uma
anomalia congênita da junção ureterovesical.
Hipoplasia de musculatura trigonal associada à diminuição do comprimento
do ureter submucoso
Refluxo 2º: é conseqüente à patologia obstrutiva intravesical, à disfunção
neuromuscular da bexiga ou outras anomalias, como válvula da uretra
posterior e ITU
Refluxo Ativo:o refluxo durante a micção
Refluxo Passivo: presente na fase de enchimento vesical
Vesicoureteral Reflux and Reflux Nephropathy
Willian Carlos Nahas, Anuar Ibrahim Mitre, Sami Arap, Gilberto Menezes de Góes
Refluxo vesicoureteral, Projeto Diretrizes, 2006.
Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168
Berrocal et al. RadioGraphics 2002; 22:1139–1164.
Berrocal et al. RadioGraphics 2002; 22:1139–1164.
Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168.
-Cicatriz fibrosa
-Uretrografia miccional é o principal método de imagem
-A avaliação radiológica ajuda a definir a estenose
-Causas:
inflamatórias
infecciosas
traumáticas
congênita.
-Estenoses iatrogênicas ocorrem geralmente na região
bulbomembranosa.
-Lesões iatrogênicas na uretra prostática por manipulação cirurgica
na próstata
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
Dilatação cística do
segmento intravesical
do ureter
Intravesical ou ectópica
(no colo vesical ou na
uretra)
Mais do lado esquerdo
Anomalies of the Distal Ureter, Bladder, and
Urethra in Children:Embryologic,
Radiologic,and Pathologic Features.
Teresa Berrocal, MD, PhD ● PedroLopez-Pereira, MD
● AntoniaArjonilla, MD ● Julia Gutierrez, MD
Lesão obstrutiva congênita da
uretra mais frequente
Estrutura membranosa,
localizada na mucosa do
assoalho da porção
prostática da uretra
masculina
A válvula obstrui o fluxo
urinário provocando
dilatação e alongamento da
uretra prostática
Refluxo vesicoureteral
secundário está presente
em 40% a 66%
Posterior urethral valves
Dr Abhilash Sandhvala and Radwiski et al
Estreitamento congênito
por fechamento parcial
ou total da junção
ureteropiélica
Frequentemente cursa
com hidronefrose
antenatal
1:1500 recém-nascidos
2 vezes mais meninos
5 a 15% bilateral
Ureteropelvic Junction Obstruction
Author: Michael Grasso III, MD; Chief Editor: Bradley Fields
Schwartz, DO, FACS
Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168
Uretra anterior
Sangramento meatal, cerca de 50% dos traumas
Uretra posterior
Força compressiva extrínseca (trauma automobilístico)
4 a 14% fraturas pélvicas
20% laceração da bexiga
Colapinto e McCallum 1977
I: ruptura dos ligamentos puboprostáticos
II: uretra membranosa lesada acima do diafragma
urogenital
III: lesão uretra membranosa com extensão a uretra
bulbar proximal, com laceração do diafragma
urogenital
Mais comum
Laceração uretra membranosa II e III, deslocamento da
bexiga para fora da cavidade pélvica
Goldman 1997
IV: laceração uretral verdadeira (Cirúrgico)
 4,6% mulheres fratura pélvica por acidente
automobilístico
IVa: lesão não estende para o colo vesical (Não
cirúrgico )
V: lesão por compressão na uretra bulbar e corpo
esponjoso comprimidos pelo ossos púbicos
Ruptura dos ligamentos puboprostáticos com
estiramento da uretra posterior
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
Uretra membranosa lesada acima do diafragma urogenital
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
Lesão de uretra membranosa e bulbar proximal, com laceração do diafragma urogenital
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
Lesão do colo vesical
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
Lesão diafragma pélvico
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
Lesão proximal da uretra bulbar
Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaPrincípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaIared
 
Ultrassonografia da lesão renal focal
Ultrassonografia da lesão renal focalUltrassonografia da lesão renal focal
Ultrassonografia da lesão renal focalIared
 
Urografia excretora e seus cuidados
Urografia excretora e seus cuidadosUrografia excretora e seus cuidados
Urografia excretora e seus cuidadosLuis Barcellos
 
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveAlex Eduardo Ribeiro
 
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância MagnéticaTipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância MagnéticaAlex Eduardo Ribeiro
 
Meios de contraste 2
Meios de contraste 2Meios de contraste 2
Meios de contraste 2Edna Souza
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introduçãocelais0814
 
Contrastado sialografia ,fistulografia, flebografia
Contrastado sialografia ,fistulografia, flebografiaContrastado sialografia ,fistulografia, flebografia
Contrastado sialografia ,fistulografia, flebografialucianooliveira306
 
Aula sobre Histerossalpingografia
Aula sobre HisterossalpingografiaAula sobre Histerossalpingografia
Aula sobre HisterossalpingografiaRobson Rocha
 
Pelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e FemininaPelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e FemininaNorberto Werle
 
Aula sobre Transito Intestinal
Aula sobre Transito IntestinalAula sobre Transito Intestinal
Aula sobre Transito IntestinalRobson Rocha
 
Exames contrastados
Exames contrastadosExames contrastados
Exames contrastadosArlei Lima
 

Mais procurados (20)

Ultrassom do rim
Ultrassom do rimUltrassom do rim
Ultrassom do rim
 
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografiaPrincípios de física aplicada à ultrassonografia
Princípios de física aplicada à ultrassonografia
 
Ultrassonografia da lesão renal focal
Ultrassonografia da lesão renal focalUltrassonografia da lesão renal focal
Ultrassonografia da lesão renal focal
 
Urografia excretora e seus cuidados
Urografia excretora e seus cuidadosUrografia excretora e seus cuidados
Urografia excretora e seus cuidados
 
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da PelveProtocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
Protocolo Exame de Ressonancia Magnética da Pelve
 
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância MagnéticaTipos De Bobinas De Ressonância Magnética
Tipos De Bobinas De Ressonância Magnética
 
Meios de contraste 2
Meios de contraste 2Meios de contraste 2
Meios de contraste 2
 
Tomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - IntroduçãoTomografia Computadorizada - Introdução
Tomografia Computadorizada - Introdução
 
Esofagografia
EsofagografiaEsofagografia
Esofagografia
 
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e PeritônioUltrassom do Retroperitônio e Peritônio
Ultrassom do Retroperitônio e Peritônio
 
Contrastado sialografia ,fistulografia, flebografia
Contrastado sialografia ,fistulografia, flebografiaContrastado sialografia ,fistulografia, flebografia
Contrastado sialografia ,fistulografia, flebografia
 
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na OncologiaTomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
Tomografia Computadorizada Aplicada na Oncologia
 
Aula sobre Histerossalpingografia
Aula sobre HisterossalpingografiaAula sobre Histerossalpingografia
Aula sobre Histerossalpingografia
 
Aula de contrastado reed
Aula de contrastado  reedAula de contrastado  reed
Aula de contrastado reed
 
Densitometriaossea
DensitometriaosseaDensitometriaossea
Densitometriaossea
 
Pelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e FemininaPelve Masculina e Feminina
Pelve Masculina e Feminina
 
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICAEXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA
 
Anatomia Radiológica
Anatomia RadiológicaAnatomia Radiológica
Anatomia Radiológica
 
Aula sobre Transito Intestinal
Aula sobre Transito IntestinalAula sobre Transito Intestinal
Aula sobre Transito Intestinal
 
Exames contrastados
Exames contrastadosExames contrastados
Exames contrastados
 

Destaque (11)

Cáncer pancreático
Cáncer pancreáticoCáncer pancreático
Cáncer pancreático
 
Pâncreas
Pâncreas Pâncreas
Pâncreas
 
CANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACION
CANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACIONCANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACION
CANCER DE PANCREAS, COLANGIOCARCINOMA PRESENTACION
 
Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de Pâncreas
 
Pâncreas
PâncreasPâncreas
Pâncreas
 
Cancer de pancreas
Cancer de pancreasCancer de pancreas
Cancer de pancreas
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
CáNcer De PáNcreas
CáNcer De PáNcreasCáNcer De PáNcreas
CáNcer De PáNcreas
 
Cancer de pancreas
Cancer de pancreasCancer de pancreas
Cancer de pancreas
 
Cancer De Pancreas
Cancer De PancreasCancer De Pancreas
Cancer De Pancreas
 
URETROCISTOGRAFIA
URETROCISTOGRAFIAURETROCISTOGRAFIA
URETROCISTOGRAFIA
 

Semelhante a Uretra Masculina e Feminina

Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical Ketinlly
 
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdfAula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdfFranciscoFlorencio6
 
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia ChirleiDiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirleichirlei ferreira
 
Hidronefrose antenatal Aula para Alunos 4o Ano FMUSP
Hidronefrose antenatal  Aula para Alunos 4o Ano FMUSPHidronefrose antenatal  Aula para Alunos 4o Ano FMUSP
Hidronefrose antenatal Aula para Alunos 4o Ano FMUSPBruno Cezarino
 
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxSESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxAndrMarinho41
 
Aula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeAula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeVictorAndrade121
 
cepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptx
cepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptxcepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptx
cepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptxruanelucelia20gmailc
 
Estenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptx
Estenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptxEstenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptx
Estenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptxDanielRaulCastellonG
 
Anomalias anorretais
Anomalias anorretaisAnomalias anorretais
Anomalias anorretaisVanessa Paiva
 
05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecaoruiricardobg
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da ProstataMarcelo Barros
 

Semelhante a Uretra Masculina e Feminina (20)

Hidronefrose na Criança
Hidronefrose na CriançaHidronefrose na Criança
Hidronefrose na Criança
 
Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical
 
Válvula de uretra posterior
Válvula de uretra posteriorVálvula de uretra posterior
Válvula de uretra posterior
 
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdfAula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
Aula propedeutica em Urologia - 2013.pdf
 
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia ChirleiDiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
DiagnóStico E Tratamento Da IncontinêNcia UrináRia Chirlei
 
Hidronefrose antenatal Aula para Alunos 4o Ano FMUSP
Hidronefrose antenatal  Aula para Alunos 4o Ano FMUSPHidronefrose antenatal  Aula para Alunos 4o Ano FMUSP
Hidronefrose antenatal Aula para Alunos 4o Ano FMUSP
 
Hidronefrose fetal.
Hidronefrose fetal.Hidronefrose fetal.
Hidronefrose fetal.
 
Anatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesicalAnatomia e fisiologia vesical
Anatomia e fisiologia vesical
 
Malformações genitais
Malformações genitaisMalformações genitais
Malformações genitais
 
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxSESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
 
Aula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - AtualidadeAula endoscopia - Atualidade
Aula endoscopia - Atualidade
 
cepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptx
cepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptxcepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptx
cepeti-trauma-abdominal-1f208408.pptx
 
Abordagem terapeutica no_leiomioma_uterino
Abordagem terapeutica no_leiomioma_uterinoAbordagem terapeutica no_leiomioma_uterino
Abordagem terapeutica no_leiomioma_uterino
 
Infertilidade masculina
Infertilidade masculinaInfertilidade masculina
Infertilidade masculina
 
Estenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptx
Estenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptxEstenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptx
Estenosis Ureteral.Resumen Bibliográfico pptx.pptx
 
Anomalias anorretais
Anomalias anorretaisAnomalias anorretais
Anomalias anorretais
 
05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao05 saude sit rep e contracecao
05 saude sit rep e contracecao
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da Prostata
 
Patologiasda Prostata
Patologiasda ProstataPatologiasda Prostata
Patologiasda Prostata
 
Patologias da Prostata
Patologias da ProstataPatologias da Prostata
Patologias da Prostata
 

Mais de Marcelo Madureira Montroni

Doenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassom
Doenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassomDoenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassom
Doenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassomMarcelo Madureira Montroni
 
Tuberculose em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidos
Tuberculose  em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidosTuberculose  em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidos
Tuberculose em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidosMarcelo Madureira Montroni
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoMarcelo Madureira Montroni
 
Meniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesões
Meniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesõesMeniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesões
Meniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesõesMarcelo Madureira Montroni
 
Tuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicos
Tuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicosTuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicos
Tuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicosMarcelo Madureira Montroni
 
Anatomia e ultrassom da coluna vertebral fetal
Anatomia e ultrassom da coluna vertebral fetalAnatomia e ultrassom da coluna vertebral fetal
Anatomia e ultrassom da coluna vertebral fetalMarcelo Madureira Montroni
 
Doenças Benignas da Próstata e Vesículas Seminais
Doenças Benignas da Próstata e Vesículas SeminaisDoenças Benignas da Próstata e Vesículas Seminais
Doenças Benignas da Próstata e Vesículas SeminaisMarcelo Madureira Montroni
 

Mais de Marcelo Madureira Montroni (20)

Doenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassom
Doenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassomDoenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassom
Doenças pancreáticas avaliadas pelo ultrassom
 
Tuberculose em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidos
Tuberculose  em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidosTuberculose  em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidos
Tuberculose em pacientes imunocompetentes e imunocomprometidos
 
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esqueléticoAvaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
Avaliação radiológica do trauma no sistema músculo esquelético
 
Cisto ovariano funcional
Cisto ovariano funcionalCisto ovariano funcional
Cisto ovariano funcional
 
Meniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesões
Meniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesõesMeniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesões
Meniscos - Aspectos radiológicos das rupturas e outras lesões
 
Anatomia do joelho
Anatomia do joelhoAnatomia do joelho
Anatomia do joelho
 
Doenças ósseas metabólicas
Doenças ósseas metabólicasDoenças ósseas metabólicas
Doenças ósseas metabólicas
 
Incindentalomas nas tc de tórax
Incindentalomas nas tc de tóraxIncindentalomas nas tc de tórax
Incindentalomas nas tc de tórax
 
Redução da dose de radiação na tomografia
Redução da dose de radiação na tomografiaRedução da dose de radiação na tomografia
Redução da dose de radiação na tomografia
 
Doppler venoso membros inferiores
Doppler venoso membros inferioresDoppler venoso membros inferiores
Doppler venoso membros inferiores
 
Tuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicos
Tuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicosTuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicos
Tuberculose pulmonar e extrapulmonar- Aspectos radiológicos
 
Anatomia e ultrassom da coluna vertebral fetal
Anatomia e ultrassom da coluna vertebral fetalAnatomia e ultrassom da coluna vertebral fetal
Anatomia e ultrassom da coluna vertebral fetal
 
Pâncreas inflamatório
Pâncreas inflamatórioPâncreas inflamatório
Pâncreas inflamatório
 
Trauma abdominal i
Trauma abdominal iTrauma abdominal i
Trauma abdominal i
 
Tu cordao sexual e estroma
Tu cordao sexual e estromaTu cordao sexual e estroma
Tu cordao sexual e estroma
 
Tumores ósseos benignos
Tumores ósseos benignosTumores ósseos benignos
Tumores ósseos benignos
 
Sialografia
SialografiaSialografia
Sialografia
 
Doenças Benignas da Próstata e Vesículas Seminais
Doenças Benignas da Próstata e Vesículas SeminaisDoenças Benignas da Próstata e Vesículas Seminais
Doenças Benignas da Próstata e Vesículas Seminais
 
Nervo vestíbulococlear
Nervo vestíbulococlearNervo vestíbulococlear
Nervo vestíbulococlear
 
Nervo facial
Nervo facialNervo facial
Nervo facial
 

Último

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 

Último (10)

AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 

Uretra Masculina e Feminina

  • 1. Marcelo Madureira Montroni – A1 Drª Carolina B. M. Salazar – Preceptora 2013
  • 2. Uretra Masculina: Uretra anterior e posterior Anterior: - Peniana - Bulbar (A porção anterior da uretra vai do meato externo até a porção inferior do diafragma urogenital, através do corpo esponjoso) Posterior: - Membranosa (termina no diafragma urogenital) - Prostática (utrículo, lateral ductos ejaculatórios) Imaging of Urethral Disease: A Pictorial Review Akira Kawashima, MD ● Carl M. Sandler, MD2 ● Neil F. Wasserman, MD ● Andrew J. LeRoy, MD ● Bernard F. King, Jr, MD ● Stanford M. Goldman, MD
  • 3. Uretra Feminina 4 cm de comprimento Meato interno e meato externo Imaging of Urethral Disease: A Pictorial Review Akira Kawashima, MD ● Carl M. Sandler, MD2 ● Neil F. Wasserman, MD ● Andrew J. LeRoy, MD ● Bernard F. King, Jr, MD ● Stanford M. Goldman, MD
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Material necessário: Pinça de Brodney – dispositivo fixado à glande Contraste iodado Seringa de 20 ml Soro Fisiológico Sonda uretral
  • 8. Contraste (protocolo UMDI) Homem: Oblíqua direita 20 ml contraste Oblíqua esquerda 20 ml contraste S.F 0,9% 250 ml + 60 ml contraste = 350 ml total
  • 9. Sequência do exame Radiografia simples AP - filme 24x30 Radiografia oblíqua D e E - filme 35x35 Radiografia de pequeno enchimento vesical – filme 24x30 Radiografia de médio enchimento vesical – filme 24x30 Radiografia de grande enchimento vesical – filme 24x30 Pesquisa de refluxo vesicoureteral - 35x43 Radiografia durante micção AP – filme 35x35 Radiografia durante micção oblíqua D – filme 35x35 Radiografia pós-micção – filme 24x30.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Contraste (protocolo UMDI) Mulher: Sonda vesical Não realiza incidências oblíquas iniciais S.F 0,9% 250 ml + 60 ml contraste = 310 ml total
  • 15. Contraste (protocolo UMDI) Criança: Até 10 anos não é necessário pinça Sonda vesical 100 ml S.F + 60 ml contraste = 160 ml
  • 16. Sequência do exame:  Posição em AP  Passar a sonda vesical;  Injeção do meio de contraste;  Radiografia de pequeno enchimento vesical – filme 24x30;  Radiografia de médio enchimento vesical – filme 24x30;  Radiografia de grande enchimento vesical – filme 24x30;  Pesquisa de refluxo vesicoureteral - 35x43  Radiografia miccional AP - 35x35  Radiografia miccional Oblíqua -35x35  Radiografia pós- micional -24x30
  • 17. Primeiro exame indicado nas causas abaixo: Refluxo vesicoureteral Ureterocele Válvula de uretra posterior Estenose de uretra Trauma de uretra Fístulas Outras: Tuberculose uretral, condiloma acuminado, estenose actínica
  • 18. Refluxo da bexiga para trato urinário superior Anormalidade de maturação da junção vesicoureteral Pode estar associada a outras anomalias, como válvula de uretra posterior ou duplicação completa do trato urinário Mecanismo valvular UCG: graduação do refluxo Vesicoureteral Reflux and Reflux Nephropathy Willian Carlos Nahas, Anuar Ibrahim Mitre, Sami Arap, Gilberto Menezes de Góes Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168.
  • 19. Refluxo 1º: O retorno de urina da bexiga para o uréter, conseqüência de uma anomalia congênita da junção ureterovesical. Hipoplasia de musculatura trigonal associada à diminuição do comprimento do ureter submucoso Refluxo 2º: é conseqüente à patologia obstrutiva intravesical, à disfunção neuromuscular da bexiga ou outras anomalias, como válvula da uretra posterior e ITU Refluxo Ativo:o refluxo durante a micção Refluxo Passivo: presente na fase de enchimento vesical Vesicoureteral Reflux and Reflux Nephropathy Willian Carlos Nahas, Anuar Ibrahim Mitre, Sami Arap, Gilberto Menezes de Góes
  • 20. Refluxo vesicoureteral, Projeto Diretrizes, 2006.
  • 21.
  • 22. Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168
  • 23. Berrocal et al. RadioGraphics 2002; 22:1139–1164.
  • 24. Berrocal et al. RadioGraphics 2002; 22:1139–1164. Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168.
  • 25. -Cicatriz fibrosa -Uretrografia miccional é o principal método de imagem -A avaliação radiológica ajuda a definir a estenose -Causas: inflamatórias infecciosas traumáticas congênita. -Estenoses iatrogênicas ocorrem geralmente na região bulbomembranosa. -Lesões iatrogênicas na uretra prostática por manipulação cirurgica na próstata
  • 26. Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
  • 27. Dilatação cística do segmento intravesical do ureter Intravesical ou ectópica (no colo vesical ou na uretra) Mais do lado esquerdo Anomalies of the Distal Ureter, Bladder, and Urethra in Children:Embryologic, Radiologic,and Pathologic Features. Teresa Berrocal, MD, PhD ● PedroLopez-Pereira, MD ● AntoniaArjonilla, MD ● Julia Gutierrez, MD
  • 28. Lesão obstrutiva congênita da uretra mais frequente Estrutura membranosa, localizada na mucosa do assoalho da porção prostática da uretra masculina A válvula obstrui o fluxo urinário provocando dilatação e alongamento da uretra prostática Refluxo vesicoureteral secundário está presente em 40% a 66% Posterior urethral valves Dr Abhilash Sandhvala and Radwiski et al
  • 29. Estreitamento congênito por fechamento parcial ou total da junção ureteropiélica Frequentemente cursa com hidronefrose antenatal 1:1500 recém-nascidos 2 vezes mais meninos 5 a 15% bilateral Ureteropelvic Junction Obstruction Author: Michael Grasso III, MD; Chief Editor: Bradley Fields Schwartz, DO, FACS Fernbach et al. RadioGraphics 2000; 20:155–168
  • 30. Uretra anterior Sangramento meatal, cerca de 50% dos traumas Uretra posterior Força compressiva extrínseca (trauma automobilístico) 4 a 14% fraturas pélvicas 20% laceração da bexiga
  • 31. Colapinto e McCallum 1977 I: ruptura dos ligamentos puboprostáticos II: uretra membranosa lesada acima do diafragma urogenital III: lesão uretra membranosa com extensão a uretra bulbar proximal, com laceração do diafragma urogenital Mais comum Laceração uretra membranosa II e III, deslocamento da bexiga para fora da cavidade pélvica
  • 32. Goldman 1997 IV: laceração uretral verdadeira (Cirúrgico)  4,6% mulheres fratura pélvica por acidente automobilístico IVa: lesão não estende para o colo vesical (Não cirúrgico ) V: lesão por compressão na uretra bulbar e corpo esponjoso comprimidos pelo ossos púbicos
  • 33. Ruptura dos ligamentos puboprostáticos com estiramento da uretra posterior Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
  • 34. Uretra membranosa lesada acima do diafragma urogenital Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
  • 35. Lesão de uretra membranosa e bulbar proximal, com laceração do diafragma urogenital Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
  • 36. Lesão do colo vesical Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
  • 37. Lesão diafragma pélvico Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.
  • 38. Lesão proximal da uretra bulbar Kawashima et al. RadioGraphics 2004; 24:S195–S216.

Notas do Editor

  1. A uretra masculina tem cerca de 18 cm de comprimento e consiste em porção anterior e porção posterior, cada uma dessas porções subdividas em duas partes. A porção anterior da uretra é dividida em uretra peniana e uretra bulbar. A porção anterior da uretra vai do meato externo até a porção inferior do diafragma urogenital, através do corpo esponjoso. Termina na fossa do bulbo da uretra , assumindo uma forma cônica na junção bulbomenbranosa. A porção peniana começa na glande peniana formando a fossa navicular. A uretra posterior é dividida na porção menbranosa e prostática. A uretra menbranosa tem de 1-1,5 cm de comprimento e termina no diafragma urogenital. A porção prostática tem 3,5 cm de comprimento. O utrículo fica no centro do verumontanum na uretra prostática. Lateralmente ao utrículo ficam os ductos ejaculatórios.
  2. A uretra feminina tem 4 cm de comprimento e vai do colo vesical até o vestibulo, aonde forma o meato externo entre os lábios menores. A parte proximal da parede da uretra é formada por músculo liso. A porção mais distal da uretra é composta de músculo estriado e penetra no colo vesical. A porção mais baixa da uretra está em intima relação com a parede anterior da vagina e envolvida pela mesma musculatura.
  3. Figure 18. Gonococcal urethral stricture. Retrograde urethrogram reveals a segment of irregular, beaded narrowing in the distal bulbous urethra with opacification of the left Cowper duct (arrow).
  4. Suspeita de trauma uretral: Contra-indicação para cateterização da uretra, realizar uretrografia retrógrada primeiro Trauma uretral confirmado: Punção suprapúbica
  5. Tipo I: alongamento uretra prostática. Tipo II: (extravasamento não se extende para o peritônio) Tipo III: extravasamento se extende para o peritônio pela laceração do diafragma urogenital, seuela incontinência devido ao dano do esfincter
  6. Difícil distinguir entre IV e IVa
  7. Figure 7. Type IV urethral injury from blunt trauma. (a) Retrograde urethrogram reveals extraperitoneal periurethral contrast material extravasation at the bladder neck (arrow). The bladder is pear shaped, indicative of perivesical hematoma. Diastasis of the pubic symphysis was diagnosed. (b) Drawing illustrates type IV urethral injury.
  8. Figure 9. Bladder neck urethral injury (type IV) in a 23-year-old woman. (a) Cystogram shows extraperitoneal contrast material extravasation (arrow) that extends from the bladder neck to the left underneath the balloon of a Foley catheter. (b) Cystogram obtained 2 minutes later shows progressive extraperitoneal contrast material extravasation.
  9. Figure 10. Anterior urethral injury following blunt trauma (type V urethral injury). (a) Retrograde urethrogram demonstrates complete disruption of the proximal bulbous urethra with extensive venous intravasation. (b) Drawing illustrates type V urethral injury.