SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Universidade Federal da Bahia
                           Faculdade de Medicina
                         Departamento de Cirurgia
                     Disciplina de Cirurgia Abdominal MED B47




Thais Marques
Vanessa Lys Boeira
Virginia Moraes
FMB-UFBa 2008.2
   Lubarsch, 1988: primeira descrição
     Oberndofer : “karzinoide tumoren”
     Tumor semlhante ao adenocarcinoma, porem de
     comportamento menos agressivo
   Incidência de ~0,7 casos por 100.000
   Aumento da incidência
     1994: 0,75%    2004: 1,25%
     Sexo feminino (52%): pulmão, estômago, apêndice ou
      ceco
     Sexo masculino (48%): timo, duodeno, pâncreas,
      jejuno/ileo e reto.
   Neoplasias do sistema celular neuroendócrino
    difuso.
   Etiologia

                       descontrole do   distorção do
      Deleção do gen
                       crescimento de   processo de    NEOPLASIA
     supressor PLCβ3
                           céls NE       apoptose
   Faixa etária ~50 anos
   TGI 73,7%
   Aparelho respiratório 25,1%
   Principais órgãos do TGI:
     Intestino delgado, apêndice cecal e reto
   Aumento da incidência relacionado ao
    aperfeiçoamento das técnicas de diagnóstico
   Aspecto Macroscópico do Tumor:

     Ocorrerem na parede gástrica ou intestinal

     Nódulos branco, amarelo ou cinza

     Massas intramurais ou pode se projetar para o
      lúmen como
    nódulos polipóides

     A mucosa sobrejacente gástrica Ou intestinal pode estar
      intacta Ou ter ulceração focal
   São classificados de acordo com sua formação embriológica
    originários do intestino anterior, médio ou posterior.
   Intestino anterior:
       trato respiratório e o timo.
   Intestino médio
     jejuno, íleo e cólon direito e sendo os
     maiores produtores de serotonina.
     Mais freqüentes
   Intestino posterior
     cólon esquerdo e o reto,
     Raramente originam síndrome carcinóide: produzem pouca serotonina


     Outros sites de origem: vesícula biliar, rins, fígado, pâncreas,
        ovário e testículo
    De acordo com o potencial
a.    Tumor endócrino bem diferenciado; proliferação <2%
b.    Carcinoma endócrino bem diferenciado; proliferação
      >2% e < 15%
c.    Carcinoma endócrino pobremente diferenciado;
      proliferação >15%
d.    Tumores endócrinos-mistos
e.    Lesões tumor-like

     Índices de proliferação baseados no Ki-67 (marcador
      de proliferação celular e atividade mitótica)
 Diferentes perfis de produção hormonal de acordo com o
  sítio de origem
 Podem produzir:
       Serotonina : ondas de calor
        ACTH: rubor facial
       Calicreína: diarréia
       Histamina
       Catecolaminas
       Prostaglandinas
       Gastrina
       Insulina

   Diversas reações orgânicas e diferentes quadros clínicos
   Baixa velocidade de crescimento e metastatização
   É uma constelação de sintomas mediados por
    fatores humorais diversos produzidos por
    tumores carcinóides
   Flushing cutâneo
   85% dos pacientes
   Intestino delgado
   Pele violácea com sensação de queimação
   Outras manifestações:
   Telangectasias
   Diarréia
   Broncoespasmo
   Lesão cardíaca valvar
   É bastante raro
   0,04% dos casos de TNE
   Devido a raridade não há relatos de
    sintomatologia específica assim como
    protocolos para diagnóstico tratamento
   5,4%
   Diagnóstico acidental através de endoscopia
   Incidência
   Sintomatologia inespecífica
   Pode ocorrer dispepsia
   Tipo I
     Associado a gastrite atrófica crônica
     70-80%; maior incidência em mulheres
     pH neutro secreção de gastrina hipergastrinemia
        estimula céls ECL
       Pequenos, benignos, raramente sintomáticos
       Múltiplos pólipos <1cm no fundo gástrico
       Pode apresentar qualquer sintoma hormonal
       Bom prognóstico, sobrevida 5 anos em 96%
       Raramente metastatizam
       Metástases ocorrem em tumores > 2cm e com infiltração
        da parede do estômago
   Tipo II
     Associados a MEN-1 e Síndrome de Zollinger-
        Ellison (ZES)
       Origem relacionada as céls ECL secretoras de
        histamina
       Relacionadas a hipergastrinemia
       Mutação do gene MEN1
       Comportamento maligno de baixo grau
       Metástase em 30% dos casos
   Tipo III
     Esporádicos, 15 -25% dos casos
     Não se relacionam com GAC e MEN1
     Sexo masculino
     Solitários e sem localização preferencial
     Em 30% dos casos são >2cm ao diagnóstico
     Invasão profunda, angioinvasão e metástase
     São bem diferenciados e formados por céls ECL
 45% dos TNE do TGI
 Sítio mais comum do tumor carcinóide
 Surgimento das células endócrino epiteliais e disseminação
  no intestino
 Mais freqüentes no íleo distal a 60 cm da válvula ileocecal
 60-70 anos
 Sintomas relacionados a obstrução intestinal



     Infiltração     reação         Isquemia       Obstrução
    mesentérica     fibrótica       intestinal     intestinal
   Sintomas
     Icterícia: tumor em região periampolar
     Dor abdominal
     Diarréia
     Náuseas
     Vômito
     Hemorragia de úlceras pépticas múltiplas e
      recorrentes
     Refluxo gastroesofágico relacionado ao excesso de
      ácido
   Múltiplos: multicentricidade em 30% dos
    casos
   39% metástase para linfonodos
   31% metástase para fígado
   Síndrome carcinóide em apenas 7% dos casos
   Pior prognóstico
   Sobrevida de 5 anos
     64,1%
     40% se metástase hepática
 4,7% de todos TNE
 Pequenos, descobertos acidentalmente em cirurgia
 É o que possui melhor prognóstico
 Curso benigno relacionado ao sítio anatômico e ao
  diagnóstico precoce
 Sobrevida em 5 anos
     Localizada (94%); localmente avançada (84%); metástase a distância
       (26%)
    Tumores >2cm,                       Alto risco de extensão
    invasão vascular,                   metasática
    invasão mesoapendiceal,
    presença de elementos não
    neuroendócrinos (mucina)
                                           Hemicolectomia
    alta atividade mitótica
 8,8% de todos os TNE, 53% no ceco
 60-70 anos
 Anorexia, dor abdominal, alteração do hábito
  intestinal, sangramento
 Prognóstico ruim
 Sobrevida em 5 anos
       52% cecal
       38% cólon ascendente
       33% cólon transverso
       48% cólon descendente
   16,3% de todos os TNE
   50% são assintomáticos, descobertos em
    investigação de sangramento
   Geralmente não metastatizam
   Diagnóstico no início da doença por
    procedimento endoscópico
   Sobrevida de 5 anos em 85,4% dos casos
   Raros
    A sintomatologia é variável
   Diagnóstico pode ser feito com métodos de
    imagem (USG abdominal, TC e RM),
    cintilografia com análogos de somatostatina
    ecoendoscopia
   Tratamento com excisão cirúrgica
   A evolução é lenta
   Tumores neuroendócrinos comumente
    metastatizam para o fígado
   Pacientes com metástases restritas ao fígado
    é possível a realização de ressecções
    hepáticas curativas
   A sintomatologia é diversas vezes inespecífica,
    variando de acordo com o perfil de produção
    endócrina e com a localização.

   A característica síndrome carcinóide, com fogachos,
    rubor facial e diarréia, é de rara ocorrência,
    incidindo em 3% a 5% dos pacientes, geralmente já
    possuidores de neoplasias em estágio avançado de
    desenvolvimento e de disseminação.
Marcadores Bioquímicos
•   Vários marcadores séricos e urinários podem ser
    usados para diagnóstico e seguimento.

•   A elevação urinária do ácido 5-
    hidroxiindolacético (5-HIAA).     Especificidade
                Sensibilidade

•   Medição no plasma de cromogranina A (CgA)
     sensibilidade
       especificidade
Imagem
•   Radiografia de abdome
•   Ultra-sonografia abdominal (US)
•   Tomografia computadorizada (CT)
•   Ressonância nuclear magnética (RNM)
•   Tomografia por emissão de pósitrons (PET-
    TC)
US
•   A US tem acesso limitado na avaliação do
    tumor primário
•   Visualização prejudicada.
•   Ultra-sonografia endoscópica:
    – Método sensível para a detecção
      de carcinóides gástricos e duodenais
    – Detecção de tumores pequenos (2 mm-3 mm) que são
      localizados no lúmen intestinal
    – Precisão de 90% para a localização e estadiamento de
      carcinóides colorretal.
   Cápsula endoscópica (CE):
     Útil na detecção de carcinóides do intestino delgado.
   Consiste na ingestão de uma cápsula composta por
    uma microcâmera capaz de tirar 2 fotos por segundo,
    que passará naturalmente pelo tubo digestivo.
   Essas imagens são enviadas através de sensores
    acoplados ao abdome do paciente para um receptor,
    dessa forma é registrado um filme com as imagens
    captadas pela microcâmera de aproximadamente 6-12h
    (cerca de 120.000 imagens).
TC
•   A TC é o exame de escolha para diagnóstico e
    acompanhamento.
•   Para apreciar a característica hipervascular é
    necessário realizar o estudo dinâmico, que
    consiste em se obter de rotina as fases
    arterial, portal e tardia, com aquisição
    realizada segundos após a administração de
    contraste venoso
RNM
• É um método diagnóstico de alta resolução .
• Porém de custo elevado e com acesso mais restrito
  em comparação a TC.
• Como a RM apresenta excelente resolução espacial
  e resultados superiores à TC e à US na avaliação da
  pelve, ela tem seu uso indicado na avaliação do
  GIST localizado nessa região (principalmente em
  reto e canal anal).
• RM também tem grande contribuição na avaliação
  e no esclarecimento de lesões focais hepáticas
  duvidosas.
PET-TC
 Permite o mapeamento de diferenetes subst
  químicas no organismo.
 Hipercaptação.
 A diferença é que tem capacidade de medir o
  metabolismo das lesões.
 Permite o diagnóstico precoce: antes até de
  uma alteração anatômica.
PET-TC
 Indicações:
 Detecção precoce
 Estadiamento tumoral- real extensão do tumor.
 Monitoramento da terapia- medir o
  metabolismo dos tumores.
 Avaliação de recorrência- diferença entre
  recorrência e alterações pós-terapia.
 Grande utilidade no planejamento da
  radioterapia
   Avaliação da localização e possibilidade de
    metástases.
   Ressecção do tumor na ausência de
    metástase.
   Controle dos sintomas carcinóides (se
    presentes)
     ▪ 90% apresentam metástases
     ▪ Exceção: ovariano e bronquial.
   Tratamento Debulking quando irresecáveis
   Tumores Localizados

     Tratamento de escolha: ressecção cirúrgica.
     Avaliar tamanho e localização do tumor primário
     para definir a extensão da ressecção.
   TNE de Esôfago
     ▪ 0,04% dos casos de tumor carcinóide.
     ▪ Diretrizes gerais para neoplasias malignas nesse órgão.
   TNEs gástricos tipos I e II
    tumores < 1 cm =
    Acompanhamento.

   Ressecção endoscópica
    em lesões > 1 cm(até 6
    pólipos).

   Gastrectomia +
    linfadenectomia regional
     Tipo III.
   TNE de Intestino Delgado
     Mais frequentes no íleo terminal.
     Tem maior potencial pra metastizar menos
      relacionado ao tamanho.
     São removidos por ressecção segmentar e excisão
      de linfonodos mesentéricos.
     Deve ser avaliada toda extensão intestinal
      durante a cirurgia devido ao maior risco de
      multicentricidade. (US intra-operatória)
   TNE Apendicular
     Grande parte é diagnosticada após excisão
      cirúrgica.
     Prognóstico diretamente relacionado a extensão
      do tumor:
     Tumores menores que 2cm: apendicectomia.
     Maiores que 2cm: hemicolectomia direita devido
      alto risco de recidiva.
   TNE de Cólon
     > encontrados no cólon
      direito.

     até 2cm: Polipectomia
      Colonoscópica.

     > 2cm: ressecção do
      segmento +
      linfadenectomia
      regional
   TNE Retal
     Muitas vezes interpretadas como Pólipo de
      natureza benigna.
     Excisão radical esta recomendada para os
      tumores entre 1 e 2cm que envolvem a camada
      muscular própria e para os maiores que 2cm.
      [Amputação abdominoperineal]

     Excisão local (endoscópica) nos menores que 1cm.
   TNE Hepático
     Contexto de neoplasias secundárias.

     A exérese de metástases hepáticas ↑ índice de
     sobrevida em 5 anos de 29-73%
   Utilizado em casos de doença disseminada,
    múltiplas metástases em diversos sítios do
    organismo ou a remissão de sintomas que
    comprometam a qualidade de vida do paciente.

   Diversos Modelos terapêuticos: QT, Radioterápicos,
    Interferon-a = Relativa melhora sintomatológica.

   Análogos da Somatostatina : Tratamento da S.
    Carcinóide + Regressão tumoral
   Octreotide = 0,05 a 0,5 mg SC 3xdia

   Lanreotide = 1 - 5 mg SC 3xdia

   Metástases hepáticas irressecáveis: Desarterialização;
    embolização arterial; crioablação.
   Tumores Neuroendócrinos(Carcinóides): Aspéctos Gerais, Dr Riad
    Youne e Dra Cristina Brada, 2009
   DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE TUMORES CARCINÓIDES DO
    TRATO DIGESTIVO LUIS CÉSAR FERNANDES*, LUIZ PUCCA, DELCIO
    MATOS, UNIFESP-EPM, 2oo2
   Clinical features of the carcinoid syndrome, UpToDate
   http://www.capview.com.br/home
Tne tgi

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013Graciela Luongo
 
Câncer de Bexiga
Câncer de BexigaCâncer de Bexiga
Câncer de BexigaOncoguia
 
Tumor Carcinoide Gastrointestinal
Tumor Carcinoide GastrointestinalTumor Carcinoide Gastrointestinal
Tumor Carcinoide GastrointestinalOncoguia
 
Câncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoCâncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoOncoguia
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosFernanda Clara
 
Cancer de figado- liga oncologia
Cancer de  figado- liga oncologiaCancer de  figado- liga oncologia
Cancer de figado- liga oncologiaGabriel Valente
 
Saiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de FígadoSaiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de FígadoOncoguia
 
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológicoAula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológicoJaqueline Almeida
 
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...REBRATSoficial
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânusElís Souza
 
Tumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e retoTumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e retoJacqueline Menezes
 

Mais procurados (19)

Câncer colorretal
Câncer colorretalCâncer colorretal
Câncer colorretal
 
Importância dos marcadores tumorais em ginecologia1
Importância dos marcadores tumorais em ginecologia1Importância dos marcadores tumorais em ginecologia1
Importância dos marcadores tumorais em ginecologia1
 
Tumores
TumoresTumores
Tumores
 
Câncer de Pâncreas
Câncer de PâncreasCâncer de Pâncreas
Câncer de Pâncreas
 
Tumores renais
Tumores renaisTumores renais
Tumores renais
 
Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013Cancer colorretal 18022013
Cancer colorretal 18022013
 
Câncer de Bexiga
Câncer de BexigaCâncer de Bexiga
Câncer de Bexiga
 
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovárioQuimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
 
Tumor Carcinoide Gastrointestinal
Tumor Carcinoide GastrointestinalTumor Carcinoide Gastrointestinal
Tumor Carcinoide Gastrointestinal
 
Câncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino DelgadoCâncer de Intestino Delgado
Câncer de Intestino Delgado
 
Tumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos HepáticosTumores Benignos Hepáticos
Tumores Benignos Hepáticos
 
Cancer de figado- liga oncologia
Cancer de  figado- liga oncologiaCancer de  figado- liga oncologia
Cancer de figado- liga oncologia
 
Saiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de FígadoSaiba tudo sobre Câncer de Fígado
Saiba tudo sobre Câncer de Fígado
 
Câncer de fígado
Câncer de fígadoCâncer de fígado
Câncer de fígado
 
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológicoAula sobre adenocarcinoma  aspecto clínico e citológico
Aula sobre adenocarcinoma aspecto clínico e citológico
 
Carcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexigaCarcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexiga
 
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
Perfil de expressão diferencial de microRNAs plasmáticos como ferramenta para...
 
Câncer de ânus
Câncer de ânusCâncer de ânus
Câncer de ânus
 
Tumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e retoTumores malignos de cólon e reto
Tumores malignos de cólon e reto
 

Semelhante a Tne tgi

Semelhante a Tne tgi (20)

Tumores hepáticos
Tumores hepáticosTumores hepáticos
Tumores hepáticos
 
Tumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizadoTumores do pâncreas atualizado
Tumores do pâncreas atualizado
 
Patologia da Prostatta
Patologia da ProstattaPatologia da Prostatta
Patologia da Prostatta
 
Neoplasia de Estômago
Neoplasia de EstômagoNeoplasia de Estômago
Neoplasia de Estômago
 
Aula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de OvárioAula de Câncer de Ovário
Aula de Câncer de Ovário
 
Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide Aula de Câncer de Tireoide
Aula de Câncer de Tireoide
 
Neoplasias fígado
Neoplasias fígadoNeoplasias fígado
Neoplasias fígado
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Câncer gástrico
Câncer gástrico Câncer gástrico
Câncer gástrico
 
Câncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboralCâncer de mama e incapacidade laboral
Câncer de mama e incapacidade laboral
 
6542111 neoplasias-de-tireoide
6542111 neoplasias-de-tireoide6542111 neoplasias-de-tireoide
6542111 neoplasias-de-tireoide
 
Neoplasias em Transplante Renal: uma atualização
Neoplasias em Transplante Renal: uma atualizaçãoNeoplasias em Transplante Renal: uma atualização
Neoplasias em Transplante Renal: uma atualização
 
Tumores da bexiga
Tumores da bexigaTumores da bexiga
Tumores da bexiga
 
Câncer Renal
Câncer Renal Câncer Renal
Câncer Renal
 
Aula cagastrico
Aula cagastricoAula cagastrico
Aula cagastrico
 
Seminário câncer de mama
Seminário câncer de mamaSeminário câncer de mama
Seminário câncer de mama
 
PET em mastologia
PET em mastologiaPET em mastologia
PET em mastologia
 
Cancer de próstata
Cancer de próstata Cancer de próstata
Cancer de próstata
 
Megacolon ufba.
Megacolon ufba.Megacolon ufba.
Megacolon ufba.
 
Cancer de ovario
Cancer de ovarioCancer de ovario
Cancer de ovario
 

Mais de Vanessa Boeira

Doenças exantemáticas nessa
Doenças exantemáticas  nessaDoenças exantemáticas  nessa
Doenças exantemáticas nessaVanessa Boeira
 
Caso clínico urologia
Caso clínico  urologiaCaso clínico  urologia
Caso clínico urologiaVanessa Boeira
 
Seminario de geriatria(3)
Seminario de geriatria(3)Seminario de geriatria(3)
Seminario de geriatria(3)Vanessa Boeira
 
Propedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementaresPropedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementaresVanessa Boeira
 
Propedêutica dermatológica
Propedêutica dermatológicaPropedêutica dermatológica
Propedêutica dermatológicaVanessa Boeira
 
Fisiologia do crescimento
Fisiologia  do crescimentoFisiologia  do crescimento
Fisiologia do crescimentoVanessa Boeira
 
Sensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinhaSensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinhaVanessa Boeira
 
Cardiopatias congênitas cianóticas2
Cardiopatias congênitas cianóticas2Cardiopatias congênitas cianóticas2
Cardiopatias congênitas cianóticas2Vanessa Boeira
 
Vulvovaginite atrófica
Vulvovaginite atróficaVulvovaginite atrófica
Vulvovaginite atróficaVanessa Boeira
 

Mais de Vanessa Boeira (13)

Caderno de coco ped
Caderno de coco pedCaderno de coco ped
Caderno de coco ped
 
Doenças exantemáticas nessa
Doenças exantemáticas  nessaDoenças exantemáticas  nessa
Doenças exantemáticas nessa
 
Caso clínico urologia
Caso clínico  urologiaCaso clínico  urologia
Caso clínico urologia
 
Seminario de geriatria(3)
Seminario de geriatria(3)Seminario de geriatria(3)
Seminario de geriatria(3)
 
Patologia
PatologiaPatologia
Patologia
 
Propedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementaresPropedêutica dermatológica e lesões elementares
Propedêutica dermatológica e lesões elementares
 
Propedêutica dermatológica
Propedêutica dermatológicaPropedêutica dermatológica
Propedêutica dermatológica
 
Fisiologia do crescimento
Fisiologia  do crescimentoFisiologia  do crescimento
Fisiologia do crescimento
 
Sensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinhaSensopercepção vanessinha
Sensopercepção vanessinha
 
Cardiopatias congênitas cianóticas2
Cardiopatias congênitas cianóticas2Cardiopatias congênitas cianóticas2
Cardiopatias congênitas cianóticas2
 
Vulvovaginite atrófica
Vulvovaginite atróficaVulvovaginite atrófica
Vulvovaginite atrófica
 
Imuno+ct vanessinha
Imuno+ct vanessinhaImuno+ct vanessinha
Imuno+ct vanessinha
 
Hanseníase laderm
Hanseníase ladermHanseníase laderm
Hanseníase laderm
 

Tne tgi

  • 1. Universidade Federal da Bahia Faculdade de Medicina Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia Abdominal MED B47 Thais Marques Vanessa Lys Boeira Virginia Moraes FMB-UFBa 2008.2
  • 2. Lubarsch, 1988: primeira descrição  Oberndofer : “karzinoide tumoren”  Tumor semlhante ao adenocarcinoma, porem de comportamento menos agressivo  Incidência de ~0,7 casos por 100.000  Aumento da incidência  1994: 0,75% 2004: 1,25%  Sexo feminino (52%): pulmão, estômago, apêndice ou ceco  Sexo masculino (48%): timo, duodeno, pâncreas, jejuno/ileo e reto.
  • 3. Neoplasias do sistema celular neuroendócrino difuso.  Etiologia descontrole do distorção do Deleção do gen crescimento de processo de NEOPLASIA supressor PLCβ3 céls NE apoptose
  • 4. Faixa etária ~50 anos  TGI 73,7%  Aparelho respiratório 25,1%  Principais órgãos do TGI:  Intestino delgado, apêndice cecal e reto  Aumento da incidência relacionado ao aperfeiçoamento das técnicas de diagnóstico
  • 5. Aspecto Macroscópico do Tumor:  Ocorrerem na parede gástrica ou intestinal  Nódulos branco, amarelo ou cinza  Massas intramurais ou pode se projetar para o lúmen como nódulos polipóides  A mucosa sobrejacente gástrica Ou intestinal pode estar intacta Ou ter ulceração focal
  • 6.
  • 7. São classificados de acordo com sua formação embriológica originários do intestino anterior, médio ou posterior.  Intestino anterior:  trato respiratório e o timo.  Intestino médio  jejuno, íleo e cólon direito e sendo os  maiores produtores de serotonina.  Mais freqüentes  Intestino posterior  cólon esquerdo e o reto,  Raramente originam síndrome carcinóide: produzem pouca serotonina  Outros sites de origem: vesícula biliar, rins, fígado, pâncreas, ovário e testículo
  • 8. De acordo com o potencial a. Tumor endócrino bem diferenciado; proliferação <2% b. Carcinoma endócrino bem diferenciado; proliferação >2% e < 15% c. Carcinoma endócrino pobremente diferenciado; proliferação >15% d. Tumores endócrinos-mistos e. Lesões tumor-like  Índices de proliferação baseados no Ki-67 (marcador de proliferação celular e atividade mitótica)
  • 9.  Diferentes perfis de produção hormonal de acordo com o sítio de origem  Podem produzir:  Serotonina : ondas de calor  ACTH: rubor facial  Calicreína: diarréia  Histamina  Catecolaminas  Prostaglandinas  Gastrina  Insulina  Diversas reações orgânicas e diferentes quadros clínicos  Baixa velocidade de crescimento e metastatização
  • 10. É uma constelação de sintomas mediados por fatores humorais diversos produzidos por tumores carcinóides
  • 11. Flushing cutâneo  85% dos pacientes  Intestino delgado  Pele violácea com sensação de queimação
  • 12. Outras manifestações:  Telangectasias  Diarréia  Broncoespasmo  Lesão cardíaca valvar
  • 13.
  • 14. É bastante raro  0,04% dos casos de TNE  Devido a raridade não há relatos de sintomatologia específica assim como protocolos para diagnóstico tratamento
  • 15. 5,4%  Diagnóstico acidental através de endoscopia  Incidência  Sintomatologia inespecífica  Pode ocorrer dispepsia
  • 16. Tipo I  Associado a gastrite atrófica crônica  70-80%; maior incidência em mulheres  pH neutro secreção de gastrina hipergastrinemia estimula céls ECL  Pequenos, benignos, raramente sintomáticos  Múltiplos pólipos <1cm no fundo gástrico  Pode apresentar qualquer sintoma hormonal  Bom prognóstico, sobrevida 5 anos em 96%  Raramente metastatizam  Metástases ocorrem em tumores > 2cm e com infiltração da parede do estômago
  • 17. Tipo II  Associados a MEN-1 e Síndrome de Zollinger- Ellison (ZES)  Origem relacionada as céls ECL secretoras de histamina  Relacionadas a hipergastrinemia  Mutação do gene MEN1  Comportamento maligno de baixo grau  Metástase em 30% dos casos
  • 18. Tipo III  Esporádicos, 15 -25% dos casos  Não se relacionam com GAC e MEN1  Sexo masculino  Solitários e sem localização preferencial  Em 30% dos casos são >2cm ao diagnóstico  Invasão profunda, angioinvasão e metástase  São bem diferenciados e formados por céls ECL
  • 19.  45% dos TNE do TGI  Sítio mais comum do tumor carcinóide  Surgimento das células endócrino epiteliais e disseminação no intestino  Mais freqüentes no íleo distal a 60 cm da válvula ileocecal  60-70 anos  Sintomas relacionados a obstrução intestinal Infiltração reação Isquemia Obstrução mesentérica fibrótica intestinal intestinal
  • 20. Sintomas  Icterícia: tumor em região periampolar  Dor abdominal  Diarréia  Náuseas  Vômito  Hemorragia de úlceras pépticas múltiplas e recorrentes  Refluxo gastroesofágico relacionado ao excesso de ácido
  • 21. Múltiplos: multicentricidade em 30% dos casos  39% metástase para linfonodos  31% metástase para fígado  Síndrome carcinóide em apenas 7% dos casos  Pior prognóstico  Sobrevida de 5 anos  64,1%  40% se metástase hepática
  • 22.  4,7% de todos TNE  Pequenos, descobertos acidentalmente em cirurgia  É o que possui melhor prognóstico  Curso benigno relacionado ao sítio anatômico e ao diagnóstico precoce  Sobrevida em 5 anos  Localizada (94%); localmente avançada (84%); metástase a distância (26%) Tumores >2cm, Alto risco de extensão invasão vascular, metasática invasão mesoapendiceal, presença de elementos não neuroendócrinos (mucina) Hemicolectomia alta atividade mitótica
  • 23.  8,8% de todos os TNE, 53% no ceco  60-70 anos  Anorexia, dor abdominal, alteração do hábito intestinal, sangramento  Prognóstico ruim  Sobrevida em 5 anos  52% cecal  38% cólon ascendente  33% cólon transverso  48% cólon descendente
  • 24. 16,3% de todos os TNE  50% são assintomáticos, descobertos em investigação de sangramento  Geralmente não metastatizam  Diagnóstico no início da doença por procedimento endoscópico  Sobrevida de 5 anos em 85,4% dos casos
  • 25. Raros  A sintomatologia é variável  Diagnóstico pode ser feito com métodos de imagem (USG abdominal, TC e RM), cintilografia com análogos de somatostatina ecoendoscopia  Tratamento com excisão cirúrgica  A evolução é lenta
  • 26. Tumores neuroendócrinos comumente metastatizam para o fígado  Pacientes com metástases restritas ao fígado é possível a realização de ressecções hepáticas curativas
  • 27. A sintomatologia é diversas vezes inespecífica, variando de acordo com o perfil de produção endócrina e com a localização.  A característica síndrome carcinóide, com fogachos, rubor facial e diarréia, é de rara ocorrência, incidindo em 3% a 5% dos pacientes, geralmente já possuidores de neoplasias em estágio avançado de desenvolvimento e de disseminação.
  • 28. Marcadores Bioquímicos • Vários marcadores séricos e urinários podem ser usados para diagnóstico e seguimento. • A elevação urinária do ácido 5- hidroxiindolacético (5-HIAA). Especificidade Sensibilidade • Medição no plasma de cromogranina A (CgA) sensibilidade especificidade
  • 29. Imagem • Radiografia de abdome • Ultra-sonografia abdominal (US) • Tomografia computadorizada (CT) • Ressonância nuclear magnética (RNM) • Tomografia por emissão de pósitrons (PET- TC)
  • 30. US • A US tem acesso limitado na avaliação do tumor primário • Visualização prejudicada. • Ultra-sonografia endoscópica: – Método sensível para a detecção de carcinóides gástricos e duodenais – Detecção de tumores pequenos (2 mm-3 mm) que são localizados no lúmen intestinal – Precisão de 90% para a localização e estadiamento de carcinóides colorretal.
  • 31. Cápsula endoscópica (CE):  Útil na detecção de carcinóides do intestino delgado.  Consiste na ingestão de uma cápsula composta por uma microcâmera capaz de tirar 2 fotos por segundo, que passará naturalmente pelo tubo digestivo.  Essas imagens são enviadas através de sensores acoplados ao abdome do paciente para um receptor, dessa forma é registrado um filme com as imagens captadas pela microcâmera de aproximadamente 6-12h (cerca de 120.000 imagens).
  • 32.
  • 33. TC • A TC é o exame de escolha para diagnóstico e acompanhamento. • Para apreciar a característica hipervascular é necessário realizar o estudo dinâmico, que consiste em se obter de rotina as fases arterial, portal e tardia, com aquisição realizada segundos após a administração de contraste venoso
  • 34. RNM • É um método diagnóstico de alta resolução . • Porém de custo elevado e com acesso mais restrito em comparação a TC. • Como a RM apresenta excelente resolução espacial e resultados superiores à TC e à US na avaliação da pelve, ela tem seu uso indicado na avaliação do GIST localizado nessa região (principalmente em reto e canal anal). • RM também tem grande contribuição na avaliação e no esclarecimento de lesões focais hepáticas duvidosas.
  • 35. PET-TC  Permite o mapeamento de diferenetes subst químicas no organismo.  Hipercaptação.  A diferença é que tem capacidade de medir o metabolismo das lesões.  Permite o diagnóstico precoce: antes até de uma alteração anatômica.
  • 36. PET-TC  Indicações:  Detecção precoce  Estadiamento tumoral- real extensão do tumor.  Monitoramento da terapia- medir o metabolismo dos tumores.  Avaliação de recorrência- diferença entre recorrência e alterações pós-terapia.  Grande utilidade no planejamento da radioterapia
  • 37. Avaliação da localização e possibilidade de metástases.  Ressecção do tumor na ausência de metástase.  Controle dos sintomas carcinóides (se presentes) ▪ 90% apresentam metástases ▪ Exceção: ovariano e bronquial.  Tratamento Debulking quando irresecáveis
  • 38. Tumores Localizados  Tratamento de escolha: ressecção cirúrgica.  Avaliar tamanho e localização do tumor primário para definir a extensão da ressecção.
  • 39. TNE de Esôfago ▪ 0,04% dos casos de tumor carcinóide. ▪ Diretrizes gerais para neoplasias malignas nesse órgão.
  • 40. TNEs gástricos tipos I e II tumores < 1 cm = Acompanhamento.  Ressecção endoscópica em lesões > 1 cm(até 6 pólipos).  Gastrectomia + linfadenectomia regional  Tipo III.
  • 41. TNE de Intestino Delgado  Mais frequentes no íleo terminal.  Tem maior potencial pra metastizar menos relacionado ao tamanho.  São removidos por ressecção segmentar e excisão de linfonodos mesentéricos.  Deve ser avaliada toda extensão intestinal durante a cirurgia devido ao maior risco de multicentricidade. (US intra-operatória)
  • 42. TNE Apendicular  Grande parte é diagnosticada após excisão cirúrgica.  Prognóstico diretamente relacionado a extensão do tumor:  Tumores menores que 2cm: apendicectomia.  Maiores que 2cm: hemicolectomia direita devido alto risco de recidiva.
  • 43. TNE de Cólon  > encontrados no cólon direito.  até 2cm: Polipectomia Colonoscópica.  > 2cm: ressecção do segmento + linfadenectomia regional
  • 44. TNE Retal  Muitas vezes interpretadas como Pólipo de natureza benigna.  Excisão radical esta recomendada para os tumores entre 1 e 2cm que envolvem a camada muscular própria e para os maiores que 2cm. [Amputação abdominoperineal]  Excisão local (endoscópica) nos menores que 1cm.
  • 45. TNE Hepático  Contexto de neoplasias secundárias.  A exérese de metástases hepáticas ↑ índice de sobrevida em 5 anos de 29-73%
  • 46. Utilizado em casos de doença disseminada, múltiplas metástases em diversos sítios do organismo ou a remissão de sintomas que comprometam a qualidade de vida do paciente.  Diversos Modelos terapêuticos: QT, Radioterápicos, Interferon-a = Relativa melhora sintomatológica.  Análogos da Somatostatina : Tratamento da S. Carcinóide + Regressão tumoral
  • 47. Octreotide = 0,05 a 0,5 mg SC 3xdia  Lanreotide = 1 - 5 mg SC 3xdia  Metástases hepáticas irressecáveis: Desarterialização; embolização arterial; crioablação.
  • 48. Tumores Neuroendócrinos(Carcinóides): Aspéctos Gerais, Dr Riad Youne e Dra Cristina Brada, 2009  DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE TUMORES CARCINÓIDES DO TRATO DIGESTIVO LUIS CÉSAR FERNANDES*, LUIZ PUCCA, DELCIO MATOS, UNIFESP-EPM, 2oo2  Clinical features of the carcinoid syndrome, UpToDate  http://www.capview.com.br/home