SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 44
Estatística II
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS
FACULDADE DE ECONOMIA
Prof. Dr. Ricardo Bruno Nascimento dos Santos
TESTES DE
HIPÓTESES
COM DUAS
AMOSTRAS
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
A questão agora se baseia em verificarmos se duas amostras distintas
possuem ou não as mesmas características. Ou seja, podemos inferir para
comparar duas populações distintas. Vamos partir do exemplo sobre dois grupos
que fazem exercícios físicos e outro que não realiza temos as seguintes
informações:
Praticantes de Atividades Físicas (n=1.593)
Característica Frequência Proporção
40 a 49 anos 367 0,2304
Renda de R$ 5,000 a
10,000
239 0,1500
Não fumam 1.322 0,8299
Não Praticantes de Atividades Físicas (n=29.948)
Característica Frequência Proporção
40 a 49 anos 6.290 0,2104
Renda de R$ 5,000 a
10,000
5.990 0,2000
Não fumam 23.360 0,7800
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
A pergunta que fica é: Podemos concluir que existe uma proporção
significativamente maior de pessoas que praticam ou não atividades
físicas entre 40 e 49 anos, com renda entre 5 a 10 mil e que não fumam?
Deve-se, diante desses elementos fazer alguns questionamentos com
relação a amostra que será observado a seguir.
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Antes devemos verificar se as amostras são ou não independentes.
Duas amostras serão consideradas independentes se a amostra
selecionada de uma das populações não é relacionada à amostra da
segunda população.
Elas podem ser consideradas dependentes se cada informação de uma
amostra corresponde a um membro da outra amostra. Amostras
dependentes também são chamadas de amostras emparelhadas ou
amostras relacionadas.
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Já foi frisado que trabalhar com a população é algo trabalhoso,
cansativo e demorado, por esse motivo inferimos sobre amostras. Teste
de médias visa identificar se amostras diferentes possuem
comportamentos ou características semelhantes.
Para visualizar essa diferença podemos assumir que não há diferenças
na médias das duas populações, ou seja 𝜇1 − 𝜇2 = 0, evidentemente que
expressando isso para amostras teríamos 𝑥1 − 𝑥2. Imagine que tenhamos
os seguintes resultados:
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
A situação anterior pode ser representada no gráfico da normal a
seguir. A situação a que se segue tem a característica de mostrar 𝜇1 −
𝜇2 = 0. Pelo gráfico verifica-se que seja bem improvável obter médias
amostrais que se difiram por 4 minutos se a diferença real é zero. A
diferença amostral entre médias seria de mais de 2,5 desvios padrões da
diferença hipotética de 0! Então podemos concluir que existe uma
diferença significativa na quantidade de tempo que estudantes
universitários do sexo masculino e do sexo feminino passam conectados
no dia.
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostrasDiferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Já sabemos como são formadas as hipóteses nulas e alternativas.
Lembrando sempre que as alternativas de hipóteses abrangem:
TESTE Z DE DUAS AMOSTRAS PARA A DIFERENÇA ENTRE
MÉDIAS
O que devemos verificar então seria:
1. As amostras devem ser selecionadas aleatoriamente
2. As amostras devem ser INDEPENDENTES
3. Cada tamanho de amostra deve ser pelo menos 30 ou, se não, cada
população deve ter uma distribuição normal com o  conhecido.
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostrasDiferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Então podemos proceder com o teste da seguinte forma:
𝑧 =
𝐷𝑖𝑓𝑒𝑟𝑒𝑛ç𝑎 𝑜𝑏𝑠𝑒𝑟𝑣𝑎𝑑𝑎 − 𝑑𝑖𝑓𝑒𝑟𝑒𝑛ç𝑎 ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡é𝑡𝑖𝑐𝑎
𝐸𝑟𝑟𝑜 𝑝𝑎𝑑𝑟ã𝑜
Assim formalmente o teste z para duas amostras para grandes
amostras (n>30), e considerando que as amostras são independentes será
dado por:
𝑧 =
𝑥1 − 𝑥2 − 𝜇1 − 𝜇2
𝜎𝑥1− 𝑥2
Com
𝜎𝑥1− 𝑥2
=
𝜎1
𝑛1
+
𝜎2
𝑛2
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostrasDiferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Exemplo: Teste z de duas amostras para diferenças de médias.
Um grupo de cartão de crédito quer testar se a diferença entre a média
de cartões de débito das famílias do Rio de Janeiro e de São Paulo. O
resultado da amostra aleatória de 250 famílias para cada estado são
mostradas na tabela abaixo:
As duas amostras são independentes. Assuma que 𝜎1 = 𝑅$ 1.045 para
Rio de Janeiro e 𝜎2 = 𝑅$ 1.350 para São Paulo. Os resultados suportam
a afirmação do grupo? Teste a 𝛼 = 0,05
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
As hipóteses nula e alternativa são:
Pelo fato de o teste de bicaudal e o nível de significância ser de 5%,
os valores críticos serão −𝑧0 = −1,96 𝑒 𝑧0 = 1,96 . A região de
rejeição será 𝑧 < −1,96 𝑒 𝑧 > 1,96. A estatística de teste padronizada
será:
Diferença entre médias (amostras grandes e
independentes)
Intepretação: Não há evidência a 5% de significância sobre
a afirmação do grupo que exista diferença entre o uso do
cartão de débito das famílias do Rio e São Paulo.
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Se o pressuposto de que as duas distribuições sã normais, então
podemos usar o teste de diferença de médias para populações menores
que 30 observações. Porém o que será retratado agora é de que ambas
devem ser independentes. Dessa forma:
1. Os desvios padrões populacionais são desconhecidos;
2. As amostras devem ser selecionadas aleatoriamente;
3. As amostras são independentes.
4. As populações são normalmente distribuídas ou cada tamanho da
amostra é de pelo menos 30.
Diferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Assim os requisitos para o teste t serão:
Diferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Exemplo: Teste t de duas amostras para diferença entre médias
O resultado de um teste matemático para amostras aleatórias simples
de estudantes para dois professores diferentes na mesma escola é
mostrado abaixo:
Podemos concluir que existe uma diferença na média das notas de
matemática dos estudantes para os dois professores? Use 𝛼 = 10%.
Assuma que as populações são normalmente distribuídas para os dois
professores.
Diferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostrasDiferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
No nível de significância de 10% não existe evidências que de suporte para a
afirmação de que a média das notas de matemática dos estudantes sejam
diferentes para os dois professores
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Exemplo: teste t para duas amostras para a diferença entre médias
A Renaut supõe o custo médio operacional por Km de um sedã é
menor que o custo de seu principal concorrente. Você é contratado para
conduzir um estudo usando uma amostra aleatória de 30 sedãs da
empresa Renaut e 32 amostras (aleatórias) do concorrente. Os resultados
podem ser observados na tabela abaixo:
A 𝛼 = 0,05, podemos afirmar a hipótese da Renaut? Assuma que as
variâncias das populações são iguais.
Diferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostrasDiferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
A 5% de significância, podemos afirmar estatisticamente que existe
evidência de que a afirmação da Renaut está correta que o custo
operacional do sedã deles é menor que o concorrente.
Diferença entre médias (amostras pequenas
e independentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Quando as amostras são dependentes
Nessa situação devemos utilizar um procedimento diferente e
encontrar uma diferença entre médias para dados emparelhados dado por
𝑑 = 𝑥1 − 𝑥2
A estatística do teste é a média 𝑑 dessas diferenças:
𝑑 =
𝑑
𝑛
As seguinte condições devem ser satisfeitas:
1. As amostras devem ser selecionadas aleatoriamente
2. As amostras devem ser dependentes
3. Ambas populações devem ser normalmente distribuídas.
Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Graficamente o teste se baseará na condição que:
Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
O teste t para diferença de médias então será dado por:
Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Exemplo:
A fabricante de calçados afirma que os atletas podem aumentar suas
alturas de salto vertical usando sapatos de treinamento do fabricante. As
alturas de salto vertical de oito atletas selecionados aleatoriamente foram
medidos. Depois que os atletas usaram os sapatos por 8 meses, suas
alturas de salto vertical foram medidas novamente. As alturas de
impulsão vertical (em polegadas) para cada atleta são mostrados na
tabela abaixo.
Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
A um α = 0,10, há evidência suficiente para apoiar a afirmação do
fabricante? Assuma as alturas de salto vertical são normalmente
distribuídas.
Diferença entre médias (amostras
dependentes)
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras Diferença entre médias (amostras
dependentes)
Podemos afirmar que a nível
10% de significância, que existe
evidências que dão suporte a
afirmação do fabricante.
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS
amostras
Lembrando que as hipóteses serão:
Considerando que:
1. As amostras são aleatoriamente selecionadas
2. As amostras são independentes
3. As amostras são grandes ou normalmente distribuídas, lembrando
que a regra 𝑛𝑝 ≥ 5 e 𝑛𝑞 ≥ 5 ainda deve ser observada.
Caso a hipótese indique 𝒑 𝟏 = 𝒑 𝟐, 𝒑 𝟏 ≤ 𝒑 𝟐 𝒐𝒖 𝒑 𝟏 ≥ 𝒑 𝟐, então 𝒑 𝟏 =
𝒑 𝟐 é assumida a expressão 𝒑 𝟏 − 𝒑 𝟐 = 𝟎
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Então as possibilidades serão:
A hipótese pautando-se em 𝜇 𝑝1− 𝑝2
= 𝑝1 − 𝑝2
O desvio padrão para proporção de duas amostras será:
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Repare que precisamos conhecer a variância da proporção da
população calculada. Podemos calcular o peso da estimativa de 𝑝1 𝑒 𝑝2
usando:
Onde 𝑥1 = 𝑛1 𝑝1 e 𝑥2 = 𝑛2 𝑝2. Com o peso da estimativa 𝑝, o desvio
padrão amostral da distribuição para 𝑝1 − 𝑝2 será
Assim o teste z será dado por
𝑧 =
𝑝1 − 𝑝2 − 𝑝1 − 𝑝2
𝑝 𝑞
1
𝑛1
+
1
𝑛2
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Exemplo: Um estudo de 150 ocupantes selecionados aleatoriamente
em carros de passageiros e 200 ocupantes selecionados aleatoriamente
em picapes mostra que 86% dos ocupantes de veículos de passageiros e
74% dos ocupantes em picapes usam cintos de segurança. A um nível de
significância de 10%, podemos rejeitar a alegação de que a proporção de
ocupantes que usam cintos de segurança é o mesmo para carros de
passeio e picapes? Ver dados na tabela abaixo:
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Diferença entre proporções
TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
Diferença entre proporções
Há evidência suficiente a nível de 10% de significância para rejeitar a alegação de que
a proporção de ocupantes que usam cintos de segurança é a mesma para carros de
passeio e caminhonetes.
APLICAÇÃO NO R
(Clique na Figura para ir ao vídeo Prático do R)
PRÓXIMA AULA
REGRESSÃO LINEAR
SIMPLES

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Distribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da MédiaDistribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da Média
Anderson Pinho
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
aldaalves
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
Rosario Cação
 
Distribuição normal
Distribuição normalDistribuição normal
Distribuição normal
joseagrosa
 
Unidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.ppt
Unidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.pptUnidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.ppt
Unidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.ppt
CrobelEtiquetas
 

Mais procurados (20)

Exercicio de Regressao Linear Simples
Exercicio de Regressao Linear SimplesExercicio de Regressao Linear Simples
Exercicio de Regressao Linear Simples
 
Desvios médios, variância e desvios padrões
Desvios médios, variância e desvios padrõesDesvios médios, variância e desvios padrões
Desvios médios, variância e desvios padrões
 
Regressão Linear Simples
Regressão Linear SimplesRegressão Linear Simples
Regressão Linear Simples
 
Modulo 2 nocoes de estatistica
Modulo 2   nocoes de estatisticaModulo 2   nocoes de estatistica
Modulo 2 nocoes de estatistica
 
Distribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística I
Distribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística IDistribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística I
Distribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística I
 
Distribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da MédiaDistribuição Amostral da Média
Distribuição Amostral da Média
 
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de EstatísticaAula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
 
Aula 12 medidas de dispersão
Aula 12   medidas de dispersãoAula 12   medidas de dispersão
Aula 12 medidas de dispersão
 
Estatística
EstatísticaEstatística
Estatística
 
Bioestatística
 Bioestatística Bioestatística
Bioestatística
 
Correlação Estatística
Correlação EstatísticaCorrelação Estatística
Correlação Estatística
 
Testes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricosTestes parametricos e nao parametricos
Testes parametricos e nao parametricos
 
Estatistica descritiva
Estatistica descritiva Estatistica descritiva
Estatistica descritiva
 
Bioestatística
BioestatísticaBioestatística
Bioestatística
 
Distribuição normal
Distribuição normalDistribuição normal
Distribuição normal
 
Princípios de Estatística Inferencial - II
Princípios de Estatística Inferencial - IIPrincípios de Estatística Inferencial - II
Princípios de Estatística Inferencial - II
 
Moda, Média e Mediana
Moda, Média e MedianaModa, Média e Mediana
Moda, Média e Mediana
 
Teste t student
Teste t studentTeste t student
Teste t student
 
Teste de hipóteses - paramétricos
Teste de hipóteses - paramétricosTeste de hipóteses - paramétricos
Teste de hipóteses - paramétricos
 
Unidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.ppt
Unidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.pptUnidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.ppt
Unidade 04 - Estatística - Medidas de dispersão.ppt
 

Destaque

Destaque (11)

Distribuição normal
Distribuição normalDistribuição normal
Distribuição normal
 
Tópico 2 Intervalo de Confiança
Tópico 2   Intervalo de ConfiançaTópico 2   Intervalo de Confiança
Tópico 2 Intervalo de Confiança
 
Tópico 07 - Limite de uma função
Tópico 07 - Limite de uma funçãoTópico 07 - Limite de uma função
Tópico 07 - Limite de uma função
 
Variáveis aleatórias discretas - Estatística II
Variáveis aleatórias discretas - Estatística IIVariáveis aleatórias discretas - Estatística II
Variáveis aleatórias discretas - Estatística II
 
Tópico 4 regressão linear simples 01
Tópico 4   regressão linear simples 01Tópico 4   regressão linear simples 01
Tópico 4 regressão linear simples 01
 
Variáveis Aleatórias Multidimensionais
Variáveis Aleatórias MultidimensionaisVariáveis Aleatórias Multidimensionais
Variáveis Aleatórias Multidimensionais
 
Tópico 09 - Integral
Tópico 09 - IntegralTópico 09 - Integral
Tópico 09 - Integral
 
Tópico 4 regressão linear simples 02
Tópico 4   regressão linear simples 02Tópico 4   regressão linear simples 02
Tópico 4 regressão linear simples 02
 
Aplicação derivada e integral
Aplicação derivada e integralAplicação derivada e integral
Aplicação derivada e integral
 
Probabilidade - Estatística I
Probabilidade - Estatística IProbabilidade - Estatística I
Probabilidade - Estatística I
 
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística IIVariáveis aleatórias contínuas - Estatística II
Variáveis aleatórias contínuas - Estatística II
 

Semelhante a Tópico 3 Testes de Hipóteses - 2 amostras

Aula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostralAula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostral
igorjlc
 
estatística é uma disciplina ampla e fundamental
estatística é uma disciplina ampla e fundamentalestatística é uma disciplina ampla e fundamental
estatística é uma disciplina ampla e fundamental
ssuser98ac96
 
Cap7 - Parte 4 - Teste De Duas Média
Cap7 - Parte 4 - Teste De Duas MédiaCap7 - Parte 4 - Teste De Duas Média
Cap7 - Parte 4 - Teste De Duas Média
Regis Andrade
 
7 distribição t e comparação de medias
7   distribição t e comparação de medias7   distribição t e comparação de medias
7 distribição t e comparação de medias
Fernando Lucas
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
guest8af68839
 
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptCurso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
ssuser2b53fe
 
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptCurso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
ssuser2b53fe
 

Semelhante a Tópico 3 Testes de Hipóteses - 2 amostras (20)

08 testes hipoteses_anova
08 testes hipoteses_anova08 testes hipoteses_anova
08 testes hipoteses_anova
 
Apresentação Testes parametricos para aplicação cientifica.pptx
Apresentação Testes parametricos para aplicação cientifica.pptxApresentação Testes parametricos para aplicação cientifica.pptx
Apresentação Testes parametricos para aplicação cientifica.pptx
 
Aula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostralAula parte6 distribuicao_amostral
Aula parte6 distribuicao_amostral
 
estatística é uma disciplina ampla e fundamental
estatística é uma disciplina ampla e fundamentalestatística é uma disciplina ampla e fundamental
estatística é uma disciplina ampla e fundamental
 
Hduudjudmmhdkkdjdyjyhyuyduusyjyusujjsuus
HduudjudmmhdkkdjdyjyhyuyduusyjyusujjsuusHduudjudmmhdkkdjdyjyhyuyduusyjyusujjsuus
Hduudjudmmhdkkdjdyjyhyuyduusyjyusujjsuus
 
Cap7 - Parte 4 - Teste De Duas Média
Cap7 - Parte 4 - Teste De Duas MédiaCap7 - Parte 4 - Teste De Duas Média
Cap7 - Parte 4 - Teste De Duas Média
 
Estatística descritiva e inferencial Cozby Revisão
Estatística descritiva e inferencial Cozby RevisãoEstatística descritiva e inferencial Cozby Revisão
Estatística descritiva e inferencial Cozby Revisão
 
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
Hipóteses e Estimativa do tamanho da amostra (aula 6)
 
Anova
AnovaAnova
Anova
 
7 distribição t e comparação de medias
7   distribição t e comparação de medias7   distribição t e comparação de medias
7 distribição t e comparação de medias
 
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem DanielAula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
Aula 2 Teoria Da Amostragem Daniel
 
Cálculo do tamanho de uma Amostra
Cálculo do tamanho de uma AmostraCálculo do tamanho de uma Amostra
Cálculo do tamanho de uma Amostra
 
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptCurso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
 
TESTE T STUDENT.pptx
TESTE T STUDENT.pptxTESTE T STUDENT.pptx
TESTE T STUDENT.pptx
 
Cálculo Amostral
Cálculo AmostralCálculo Amostral
Cálculo Amostral
 
Anova 2__fatores_prof._ivan (2)
Anova  2__fatores_prof._ivan (2)Anova  2__fatores_prof._ivan (2)
Anova 2__fatores_prof._ivan (2)
 
Fundamentos da bioestatística
Fundamentos da bioestatísticaFundamentos da bioestatística
Fundamentos da bioestatística
 
Curso #H4A - Módulo 5
Curso #H4A - Módulo 5Curso #H4A - Módulo 5
Curso #H4A - Módulo 5
 
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.pptCurso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
Curso_de_Estatística_Aplicada_Usando_o_R.ppt
 
Aula19
Aula19Aula19
Aula19
 

Mais de Ricardo Bruno - Universidade Federal do Pará

Mais de Ricardo Bruno - Universidade Federal do Pará (14)

Estatística Descritiva
Estatística DescritivaEstatística Descritiva
Estatística Descritiva
 
Tópico 08 - Derivadas
Tópico 08 - DerivadasTópico 08 - Derivadas
Tópico 08 - Derivadas
 
Tópico 06 - Funções Compostas e Irracionas
Tópico 06 - Funções Compostas e IrracionasTópico 06 - Funções Compostas e Irracionas
Tópico 06 - Funções Compostas e Irracionas
 
Tópico 05 - Funções Exponenciais e Logarítmicas
Tópico 05 - Funções Exponenciais e LogarítmicasTópico 05 - Funções Exponenciais e Logarítmicas
Tópico 05 - Funções Exponenciais e Logarítmicas
 
Matemática I - Tópico 04: Equações do 1º e 2º graus e Inequações
Matemática I - Tópico 04: Equações do 1º e 2º graus e InequaçõesMatemática I - Tópico 04: Equações do 1º e 2º graus e Inequações
Matemática I - Tópico 04: Equações do 1º e 2º graus e Inequações
 
Matemática I - Tópico 02 e 03
Matemática I - Tópico 02 e 03Matemática I - Tópico 02 e 03
Matemática I - Tópico 02 e 03
 
Matemática I - Tópico 01
Matemática I - Tópico 01 Matemática I - Tópico 01
Matemática I - Tópico 01
 
07 tópico 6 - autocorrelação
07   tópico 6 - autocorrelação07   tópico 6 - autocorrelação
07 tópico 6 - autocorrelação
 
06 tópico 5 - heterocedasticidade
06   tópico 5 - heterocedasticidade06   tópico 5 - heterocedasticidade
06 tópico 5 - heterocedasticidade
 
05 tópico 4 - multicolinearidade
05   tópico 4 - multicolinearidade05   tópico 4 - multicolinearidade
05 tópico 4 - multicolinearidade
 
04 tópico 3 - regressão multipla
04   tópico 3 - regressão multipla04   tópico 3 - regressão multipla
04 tópico 3 - regressão multipla
 
03 tópico 2 - regressão multipla
03   tópico 2 - regressão multipla03   tópico 2 - regressão multipla
03 tópico 2 - regressão multipla
 
02 tópico 1 - regressão linear simples 02 - Econometria - Graduação - UFPA
02   tópico 1 - regressão linear simples 02 - Econometria - Graduação - UFPA02   tópico 1 - regressão linear simples 02 - Econometria - Graduação - UFPA
02 tópico 1 - regressão linear simples 02 - Econometria - Graduação - UFPA
 
02 tópico 1 - regressão linear simples 01 - Econometria - Graduação - UFPA
02   tópico 1 - regressão linear simples 01 - Econometria - Graduação - UFPA02   tópico 1 - regressão linear simples 01 - Econometria - Graduação - UFPA
02 tópico 1 - regressão linear simples 01 - Econometria - Graduação - UFPA
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 

Tópico 3 Testes de Hipóteses - 2 amostras

  • 1. Estatística II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ECONOMIA Prof. Dr. Ricardo Bruno Nascimento dos Santos
  • 3. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras A questão agora se baseia em verificarmos se duas amostras distintas possuem ou não as mesmas características. Ou seja, podemos inferir para comparar duas populações distintas. Vamos partir do exemplo sobre dois grupos que fazem exercícios físicos e outro que não realiza temos as seguintes informações: Praticantes de Atividades Físicas (n=1.593) Característica Frequência Proporção 40 a 49 anos 367 0,2304 Renda de R$ 5,000 a 10,000 239 0,1500 Não fumam 1.322 0,8299 Não Praticantes de Atividades Físicas (n=29.948) Característica Frequência Proporção 40 a 49 anos 6.290 0,2104 Renda de R$ 5,000 a 10,000 5.990 0,2000 Não fumam 23.360 0,7800
  • 4. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras A pergunta que fica é: Podemos concluir que existe uma proporção significativamente maior de pessoas que praticam ou não atividades físicas entre 40 e 49 anos, com renda entre 5 a 10 mil e que não fumam? Deve-se, diante desses elementos fazer alguns questionamentos com relação a amostra que será observado a seguir.
  • 5. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Antes devemos verificar se as amostras são ou não independentes. Duas amostras serão consideradas independentes se a amostra selecionada de uma das populações não é relacionada à amostra da segunda população. Elas podem ser consideradas dependentes se cada informação de uma amostra corresponde a um membro da outra amostra. Amostras dependentes também são chamadas de amostras emparelhadas ou amostras relacionadas. Diferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 6. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Já foi frisado que trabalhar com a população é algo trabalhoso, cansativo e demorado, por esse motivo inferimos sobre amostras. Teste de médias visa identificar se amostras diferentes possuem comportamentos ou características semelhantes. Para visualizar essa diferença podemos assumir que não há diferenças na médias das duas populações, ou seja 𝜇1 − 𝜇2 = 0, evidentemente que expressando isso para amostras teríamos 𝑥1 − 𝑥2. Imagine que tenhamos os seguintes resultados: Diferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 7. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras A situação anterior pode ser representada no gráfico da normal a seguir. A situação a que se segue tem a característica de mostrar 𝜇1 − 𝜇2 = 0. Pelo gráfico verifica-se que seja bem improvável obter médias amostrais que se difiram por 4 minutos se a diferença real é zero. A diferença amostral entre médias seria de mais de 2,5 desvios padrões da diferença hipotética de 0! Então podemos concluir que existe uma diferença significativa na quantidade de tempo que estudantes universitários do sexo masculino e do sexo feminino passam conectados no dia. Diferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 8. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostrasDiferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 9. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Já sabemos como são formadas as hipóteses nulas e alternativas. Lembrando sempre que as alternativas de hipóteses abrangem: TESTE Z DE DUAS AMOSTRAS PARA A DIFERENÇA ENTRE MÉDIAS O que devemos verificar então seria: 1. As amostras devem ser selecionadas aleatoriamente 2. As amostras devem ser INDEPENDENTES 3. Cada tamanho de amostra deve ser pelo menos 30 ou, se não, cada população deve ter uma distribuição normal com o  conhecido. Diferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 10. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostrasDiferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 11. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Então podemos proceder com o teste da seguinte forma: 𝑧 = 𝐷𝑖𝑓𝑒𝑟𝑒𝑛ç𝑎 𝑜𝑏𝑠𝑒𝑟𝑣𝑎𝑑𝑎 − 𝑑𝑖𝑓𝑒𝑟𝑒𝑛ç𝑎 ℎ𝑖𝑝𝑜𝑡é𝑡𝑖𝑐𝑎 𝐸𝑟𝑟𝑜 𝑝𝑎𝑑𝑟ã𝑜 Assim formalmente o teste z para duas amostras para grandes amostras (n>30), e considerando que as amostras são independentes será dado por: 𝑧 = 𝑥1 − 𝑥2 − 𝜇1 − 𝜇2 𝜎𝑥1− 𝑥2 Com 𝜎𝑥1− 𝑥2 = 𝜎1 𝑛1 + 𝜎2 𝑛2 Diferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 12. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostrasDiferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 13. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Exemplo: Teste z de duas amostras para diferenças de médias. Um grupo de cartão de crédito quer testar se a diferença entre a média de cartões de débito das famílias do Rio de Janeiro e de São Paulo. O resultado da amostra aleatória de 250 famílias para cada estado são mostradas na tabela abaixo: As duas amostras são independentes. Assuma que 𝜎1 = 𝑅$ 1.045 para Rio de Janeiro e 𝜎2 = 𝑅$ 1.350 para São Paulo. Os resultados suportam a afirmação do grupo? Teste a 𝛼 = 0,05 Diferença entre médias (amostras grandes e independentes)
  • 14. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras As hipóteses nula e alternativa são: Pelo fato de o teste de bicaudal e o nível de significância ser de 5%, os valores críticos serão −𝑧0 = −1,96 𝑒 𝑧0 = 1,96 . A região de rejeição será 𝑧 < −1,96 𝑒 𝑧 > 1,96. A estatística de teste padronizada será: Diferença entre médias (amostras grandes e independentes) Intepretação: Não há evidência a 5% de significância sobre a afirmação do grupo que exista diferença entre o uso do cartão de débito das famílias do Rio e São Paulo.
  • 15. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Se o pressuposto de que as duas distribuições sã normais, então podemos usar o teste de diferença de médias para populações menores que 30 observações. Porém o que será retratado agora é de que ambas devem ser independentes. Dessa forma: 1. Os desvios padrões populacionais são desconhecidos; 2. As amostras devem ser selecionadas aleatoriamente; 3. As amostras são independentes. 4. As populações são normalmente distribuídas ou cada tamanho da amostra é de pelo menos 30. Diferença entre médias (amostras pequenas e independentes)
  • 16. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
  • 17.
  • 18. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Assim os requisitos para o teste t serão: Diferença entre médias (amostras pequenas e independentes)
  • 19. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras
  • 20.
  • 21. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Exemplo: Teste t de duas amostras para diferença entre médias O resultado de um teste matemático para amostras aleatórias simples de estudantes para dois professores diferentes na mesma escola é mostrado abaixo: Podemos concluir que existe uma diferença na média das notas de matemática dos estudantes para os dois professores? Use 𝛼 = 10%. Assuma que as populações são normalmente distribuídas para os dois professores. Diferença entre médias (amostras pequenas e independentes)
  • 22. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostrasDiferença entre médias (amostras pequenas e independentes) No nível de significância de 10% não existe evidências que de suporte para a afirmação de que a média das notas de matemática dos estudantes sejam diferentes para os dois professores
  • 23. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Exemplo: teste t para duas amostras para a diferença entre médias A Renaut supõe o custo médio operacional por Km de um sedã é menor que o custo de seu principal concorrente. Você é contratado para conduzir um estudo usando uma amostra aleatória de 30 sedãs da empresa Renaut e 32 amostras (aleatórias) do concorrente. Os resultados podem ser observados na tabela abaixo: A 𝛼 = 0,05, podemos afirmar a hipótese da Renaut? Assuma que as variâncias das populações são iguais. Diferença entre médias (amostras pequenas e independentes)
  • 24. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostrasDiferença entre médias (amostras pequenas e independentes)
  • 25. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras A 5% de significância, podemos afirmar estatisticamente que existe evidência de que a afirmação da Renaut está correta que o custo operacional do sedã deles é menor que o concorrente. Diferença entre médias (amostras pequenas e independentes)
  • 26. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Quando as amostras são dependentes Nessa situação devemos utilizar um procedimento diferente e encontrar uma diferença entre médias para dados emparelhados dado por 𝑑 = 𝑥1 − 𝑥2 A estatística do teste é a média 𝑑 dessas diferenças: 𝑑 = 𝑑 𝑛 As seguinte condições devem ser satisfeitas: 1. As amostras devem ser selecionadas aleatoriamente 2. As amostras devem ser dependentes 3. Ambas populações devem ser normalmente distribuídas. Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 27. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Graficamente o teste se baseará na condição que: Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 28. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 29. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 30. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras O teste t para diferença de médias então será dado por: Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 31. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 32. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Exemplo: A fabricante de calçados afirma que os atletas podem aumentar suas alturas de salto vertical usando sapatos de treinamento do fabricante. As alturas de salto vertical de oito atletas selecionados aleatoriamente foram medidos. Depois que os atletas usaram os sapatos por 8 meses, suas alturas de salto vertical foram medidas novamente. As alturas de impulsão vertical (em polegadas) para cada atleta são mostrados na tabela abaixo. Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 33. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras A um α = 0,10, há evidência suficiente para apoiar a afirmação do fabricante? Assuma as alturas de salto vertical são normalmente distribuídas. Diferença entre médias (amostras dependentes)
  • 34. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre médias (amostras dependentes) Podemos afirmar que a nível 10% de significância, que existe evidências que dão suporte a afirmação do fabricante.
  • 35. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Lembrando que as hipóteses serão: Considerando que: 1. As amostras são aleatoriamente selecionadas 2. As amostras são independentes 3. As amostras são grandes ou normalmente distribuídas, lembrando que a regra 𝑛𝑝 ≥ 5 e 𝑛𝑞 ≥ 5 ainda deve ser observada. Caso a hipótese indique 𝒑 𝟏 = 𝒑 𝟐, 𝒑 𝟏 ≤ 𝒑 𝟐 𝒐𝒖 𝒑 𝟏 ≥ 𝒑 𝟐, então 𝒑 𝟏 = 𝒑 𝟐 é assumida a expressão 𝒑 𝟏 − 𝒑 𝟐 = 𝟎 Diferença entre proporções
  • 36. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Então as possibilidades serão: A hipótese pautando-se em 𝜇 𝑝1− 𝑝2 = 𝑝1 − 𝑝2 O desvio padrão para proporção de duas amostras será: Diferença entre proporções
  • 37. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Repare que precisamos conhecer a variância da proporção da população calculada. Podemos calcular o peso da estimativa de 𝑝1 𝑒 𝑝2 usando: Onde 𝑥1 = 𝑛1 𝑝1 e 𝑥2 = 𝑛2 𝑝2. Com o peso da estimativa 𝑝, o desvio padrão amostral da distribuição para 𝑝1 − 𝑝2 será Assim o teste z será dado por 𝑧 = 𝑝1 − 𝑝2 − 𝑝1 − 𝑝2 𝑝 𝑞 1 𝑛1 + 1 𝑛2 Diferença entre proporções
  • 38. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre proporções
  • 39. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre proporções
  • 40. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Exemplo: Um estudo de 150 ocupantes selecionados aleatoriamente em carros de passageiros e 200 ocupantes selecionados aleatoriamente em picapes mostra que 86% dos ocupantes de veículos de passageiros e 74% dos ocupantes em picapes usam cintos de segurança. A um nível de significância de 10%, podemos rejeitar a alegação de que a proporção de ocupantes que usam cintos de segurança é o mesmo para carros de passeio e picapes? Ver dados na tabela abaixo: Diferença entre proporções
  • 41. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre proporções
  • 42. TESTES DE HIPÓTESES para DUAS amostras Diferença entre proporções Há evidência suficiente a nível de 10% de significância para rejeitar a alegação de que a proporção de ocupantes que usam cintos de segurança é a mesma para carros de passeio e caminhonetes.
  • 43. APLICAÇÃO NO R (Clique na Figura para ir ao vídeo Prático do R)