SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 1
Caderno de Exercícios Resolvidos
Estatística Descritiva
Exercício 1.
A figura seguinte representa, através de um polígono integral, a distribuição do
rendimento nas famílias dos alunos de duas turmas.
Distribuição do rendimento
Frequências relativas acumuladas
0,00
0,06
0,34
0,72
0,00
0,26
0,60
0,84
1,00
0,00
0,25
0,50
0,75
1,00
0 100 200 300 400 500 600
Contos/mês
Turma B
Turma A
Calcule o índice de Gini correspondente à turma A.
Classes Pmi fi fi*Pmi Fi ti Ti Fi - Ti
0-100 50 0,0600 3 0,0600 0,0113 0,0113 0,0487
100 - 200 150 0,2800 42 0,3400 0,1579 0,1692 0,1708
200 - 300 250 0,3800 95 0,7200 0,3571 0,5263 0,1937
300 - 600 450 0,2800 126 1,0000 0,4737 1,0000 0,0000
Total (média aritm.) 266
1,1200 0,4132
0,3690
1
1
n
i
i
F
−
=
=∑
1
1
( )
n
i i
i
F T
−
=
− =∑
1
1
1
1
( )
n
i i
i
n
i
i
F T
F
−
=
−
=
−
=
∑
∑
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 2
Exercício 2.
Considere o quadro seguinte com as frequências relativas simples associadas às
distribuições A, B e C.
Classe A B C
0-50 0 0 0
50-100 30 25 20
100-150 50 40 60
150-200 20 35 20
200-250 0 0 0
a) Represente as distribuições A, B, e C utilizando um histograma. Através da análise das
figuras, considera possível indicar qual a que tem uma moda mais baixa? Em caso
afirmativo, faça-o. Em caso negativo, explicite que elemento(s) lhe falta(m).
0
0,1
0,2
0,3
0,4
0,5
0,6
0 50 100 150 200 250
0
0,1
0,2
0,3
0,4
0,5
0,6
0 50 100 150 200 250
0
0,1
0,2
0,3
0,4
0,5
0,6
0 50 100 150 200 250
Em rigor quando temos dados classificados não sabemos qual é, ou se existe a moda. A
convenção que se faz é a de admitir que a moda se encontra na classe modal e que a sua
localização dentro desta é proporcional à diferença entre a respectiva frequência e as
frequências das classes adjacentes, estando a moda mais perto da classe que tem maior
frequência.
No caso deste exercício, verifica-se que a classe modal é a mesma nas três distribuições
consideradas. Mas é na distribuição A que a classe anterior apresenta a maior frequência
relativamente à classe que se segue à classe modal. Desta forma é claro que é essa
distribuição A que apresenta a moda mais baixa.
b) Considerando os valores apresentados qual a distribuição cujo valor para a mediana é o
mais baixo. Justifique utilizando o polígono integral de frequências.
0,00
0,25
0,50
0,75
1,00
0 50 100 150 200
A
B
C
Mediana A =
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 3
A partir da análise do polígono integral é evidente que é a distribuição A que tem a mediana
mais baixa. Quando as distribuições não são muito assimétricas a moda, a mediana e a
média estão relativamente próximas. Quando são simétricas as três medidas coincidem: é
esse o caso da distribuição C onde a média está no centro do intervalo de variação e no
centro da classe modal (125). Por outro lado a média é o centro de gravidade da distribuição
e a simples observação dos histogramas representados na alínea anterior permitiria dizer (i)
que B tem uma média mais alta do que C (porque o peso da classe com valores mais
elevados é muito superior) e que (ii) a média de C é necessariamente mais alta do que a
média de A. Em distribuições regulares como estas a mediana está sempre entre a média e
a moda. Isso permitiria dizer que também no caso da mediana é a distribuição A que
apresenta o valor mais baixo.
Nota: Com base nos elementos fornecidos seria possível calcular analiticamente o valor da mediana
das diversas distribuições mas não era isso que se pedia no enunciado.
c) Compare, apresentando e justificando todos os cálculos, a dispersão associada às três
distribuições. Na primeira (Distribuição A), a média é de 120 e o desvio padrão de 41,13;
na segunda (Distribuição B), a média é de 130 e o desvio padrão de 39,52.
A comparação da dispersão das diversas distribuições deve fazer-se com base no
coeficiente de variação. Para isso torna-se necessário calcular a média e o desvio padrão da
distribuição C:
Classes iPM if .i if PM
2
( )i if PM x−
50 - 100 75 0,20 15 500
100 - 150 125 0,60 75 0
150 - 200 175 0,20 35 500
Total (média aritm.) 125
Total (variância) 1000
Desvio padrão 31,6228
A B C
Desvio-padrão 41,13 39,52 36,62
Média 120 130 125
Coef. Variação 34,3% 30,4% 29,3%
Vê-se assim que a é a distribuição C que apresenta a menor dispersão tanto em termos
absolutos (desvio padrão) como relativos (coeficiente de variação).
Exercício 3.
Considere o quadro seguinte onde se resume a estrutura etária da população de uma
região de acordo com os censos de 1960 e 2001
Escalão de idade 1960 2001
0 – 10 19,7 12
10 – 25 25,7 24,3
25 – 40 21,5 21,1
40 – 60 21,3 23,6
60 – 80 11,8 19
Total 100 100
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 4
a) Compare as duas distribuições no que respeita à média e mediana, e discuta até que
ponto há sinais de envelhecimento da população.
1960
Classes iPM if .i if PM ( )iX PM− ( )
2
iX PM− ( )
2
.i iX PMf − iF
0 - 10 5 0,197 0,9850 26,38 695,9044 137,0932 0,197
10 - 25 17,5 0,257 4,4975 13,88 192,6544 49,5122 0,454
25 - 40 32,5 0,215 6,9875 -1,12 1,2544 0,2697 0,669
40 - 60 50 0,213 10,6500 -18,62 346,7044 73,8480 0,882
60 - 80 70 0,118 8,2600 -38,62 1491,5044 175,9975 1,000
Σ 1 31,3800 436,7206
Média Aritm. 31,38 Variância 436,7206
Desvio padrão 20,90
Coef. Variação 66,6%
2001
Classes iPM if .i if PM ( )iX PM− ( )
2
iX PM− ( )
2
.i iX PMf − iF
0 - 10 5 0,120 0,6000 31,81 1011,8761 121,4251 0,120
10 - 25 17,5 0,243 4,2525 19,31 372,8761 90,6089 0,363
25 - 40 32,5 0,211 6,8575 4,31 18,5761 3,9196 0,574
40 - 60 50 0,236 11,8000 -13,19 173,9761 41,0584 0,810
60 - 80 70 0,190 13,3000 -33,19 1101,5761 209,2995 1,000
Total 1 36,8100 9,05 2678,8805 466,3114
Média Aritm. 36,81 Variância 466,3114
Desvio padrão 21,59
Coef. Variação 58,7%
Cálculo da mediana
1
1 1
1
0,5
.( )g
me g g g
g
F
X L L L
f
−
− −
−
−
= + −
1960 0,5 0,456
25 .(40 25)
0,215me
X
−
= + − = 28,07 2001 0,5 0,363
25 .(40 25)
0,211me
X
−
= + − = 34,74
A média e a mediana são medidas de localização de tendência central, que descrevem a
distribuição de frequências. O facto de ambas aumentarem de valor de forma significativa
representa uma deslocação para a direita da distribuição de frequências que traduz um claro
envelhecimento da população.
b) Compare a dispersão das duas distribuições com base num indicador de dispersão
relativo.
A medida de dispersão relativa mais habitual é o coeficiente de variação que relaciona o
desvio padrão com a média. A importância da distinção entre dispersão absoluta e relativa
está bem ilustrada neste exemplo. De facto entre 1960 e 2001 o desvio padrão das idades
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 5
passa de 20,9 anos para 22,6 anos (NB: é importante notar que o desvio padrão se
expressa nas mesmas unidades da variável original). Mas o aumento da dispersão absoluta
não é acompanhado pelo aumento da dispersão relativa, porque a média aritmética (que
está no denominador do coeficiente de variação) aumenta mais do que o desvio padrão. Isto
é, relativamente, (ao valor da média) verifica-se uma diminuição da dispersão das idades: o
C.V passa de 67% para 59% .
Uma medida alternativa de dispersão relativa é o quociente entre a amplitude do intervalo
interquartil (AIQ) — que é, em si, uma medida de dispersão absoluta — e a mediana. Os
cálculos que a seguir se apresentam confirmam as conclusões anteriores: aumenta a
dispersão absoluta e diminui a dispersão relativa.
1960
1
0,25 0,197
10 .(25 10) 13,09
0,257
Q
−
= + − = 1960
3
0,75 0,669
40 .(60 40) 47,61
0,213
Q
−
= + − =
2001
1
0,25 0,120
10 .(25 10) 18,02
0,243
Q
−
= + − = 2001
3
0,75 0,574
40 .(60 40) 54,92
0,236
Q
−
= + − =
Medida de dispersão absoluta: Amplitude do intervalo interquartil (AIQ)
1960 1960 1960
3 1
2001 2001 2001
3 1
AIQ 47,61 13,09 34,52
AIQ 54,92 18,02 36,02
Q Q
Q Q
= − = − =
= − = − =
Medida de dispersão relativa:
AIQ
Mediana
1960
2001
34,52
1,23
28,07
36,02
1,06
34,74
me
me
AIQ
X
AIQ
X
 
= = 
 
 
= = 
 
c) Elabore um polígono integral de frequências para as duas distribuições e compare a
situação a nível de primeiro, segundo e terceiro quartil, deduzidos graficamente.
O polígono integral de frequências é construído com base nas frequências acumuladas, que
estão na última coluna dos quadros onde se apresentam os cálculos. A sua grande
vantagem é permitir uma estimativa rápida dos quartis (incluindo a mediana que é o segundo
quartil). Note-se igualmente como a deslocação do polígono para a direita traduz o
envelhecimento da população. Admitindo que a população era colocada por ordem de idades
a uma dada percentagem da população em 1960 corresponde em 2001, uma idade mais
avançada. E isto acontece qualquer que seja a percentagem escolhida como referência: as
duas curvas nunca se cruzam.
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 6
0
0,25
0,5
0,75
1
0 10 20 30 40 50 60 70 80
1960
2001
Q1
1960
Q1
2001 Q3
2001
Q3
1960Mediana
2001
Mediana
1960
d) Elabore o diagrama de extremos e quartis para as duas distribuições e comente.
Exercício 4.
O quadro seguinte apresenta as frequências relativas acumuladas das idades de três
grupos de pessoas: A, B e C.
A B C
30 – 40 20 20 30
40 – 50 70 80 80
50 – 60 100 100 100
a) Das afirmações seguintes, indique, justificando, quais as que são falsas ou verdadeiras:
i. A distribuição que tem a média mais baixa é a mesma que tem a moda mais
elevada.
ii. A distribuição que tem a moda mais elevada é a que tem a mediana mais elevada.
Comecemos por calcular as frequências simples e a média por distribuição.
Limites A B C
Inferior Superior
Pmi
Fi f1 Pmi * fi Fi f1 Pmi * fi Fi f1 Pmi*fi
30 40 35 0,2 0,2 7 0,2 0,2 7 0,3 0,3 10,5
40 50 45 0,7 0,5 22,5 0,8 0,6 27 0,8 0,5 22,5
50 60 55 1 0,3 16,5 1 0,2 11 1 0,2 11
Média 46 Média 45 Média 44
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 7
Representemos graficamente as frequências simples.
0
0,1
0,2
0,3
0,4
0,5
0,6
0,7
30-40 40-50 50-60 30-40 40-50 50-60 30-40 40-50 50-60
Intervalos de Idade
fi
Series1
A afirmação i é falsa. A distribuição que tem a média mais baixa é a C (44). A partir do
gráfico de frequências relativas constata-se que a distribuição que tem a moda mais elevada
é a A (40-50 é a classe modal, na A a moda é puxada pela frequência relativa para a
vizinhança do 50).
Representemos agora graficamente as frequências acumuladas.
0
0,25
0,5
0,75
1
30 40 50 60
Idades
Fi
A
B
C
Constata-se que é a distribuição A que tem a mediana mais elevada. Portanto, a afirmação II é
verdadeira.
relações
b) Será correcto dizer que em qualquer dos casos, há pelo menos 50% das pessoas com
idade entre 40 e 50 anos? Justifique.
É correcto, como se pode ver consultando o quadro com as frequências relativas simples na linha
relativa a 40-50.
c) Compare a dispersão relativa das três distribuições, sabendo que o desvio padrão é de 7
anos em A e em C.
Sendo as médias diferentes, a medida de dispersão a utilizar é o coeficiente de variação. Comecemos
por calcular o desvio padrão de B.
A B C
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 8
Pmi Fi f1 Pmi*fi Desvios
Quadrado
dos desvio
30 40 35 0,2 0,2 7 -10 100 20
40 50 45 0,8 0,6 27 0 0 0
50 60 55 1 0,2 11 10 100 20
Média 45 Var 40
Desvio
Padrão 6,324555
Virá CVA = 7/46 = 0,152; CVB = 6,32/45 = 0,1405; CVC = 7/44=0,159 maior dispersão em C, menor dispersão
em B.
Exercício 5.
No quadro seguinte apresentam-se o número de transacções efectuadas em cada uma das
lojas dos Supermercados XXX, classificadas por níveis de despesa, e o número de
empregados existentes em cada uma delas.
Número de transacções
Escalão de despesas
Loja 1 Loja 2
0 – 10 u.m. 29 74
10 - 20 u.m. 44 78
20 - 30 u.m. 26 30
30 - 40 u.m. 9 18
Nºde empregados 20 30
Tratamento:
Loja 1
Classes Pmi ni fi fi*PMi Fi ( )
2
i i
f PM x− ti Ti
0 - 10 5 29 0,269 1,343 0,269 34,829 0,082 0,082
10 - 20 15 44 0,407 6,111 0,676 0,786 0,373 0,455
20 - 30 25 26 0,241 6,019 0,917 17,851 0,367 0,822
20 - 40 35 9 0,083 2,917 1,000 28,864 0,178 1,000
∑ 108 1,000
16,4
(média)
82,3
(variância)
Loja 2
Classes Pmi ni fi fi*PMi Fi ( )
2
i i
f PM x− ti Ti
0 - 10 5 74 0,370 0,370 1,850 34,099 0,127 0,127
10 - 20 15 78 0,390 0,760 5,850 0,062 0,401 0,527
20 - 30 25 30 0,150 0,910 3,750 16,224 0,257 0,784
20 - 40 35 18 0,090 1,000 3,150 37,454 0,216 1,000
∑ 200 1,000
14,6
(média)
87,8
(variância)
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 9
Nota: ti representa a proporção da despesa total feita pelos clientes da classe de despesa i . Ti
representa o total da despesa acumulada até à classe i.
a) Será possível afirmar que “em ambos as lojas, mais de 70% das transacções têm um
valor inferior a 20 u.m.”?
A análise das frequências relativas acumuladas mostra que só há 67,6% de transacções
abaixo de 20 u.m. na loja 1: A afirmação não é verdadeira.
b) Represente graficamente o polígono integral de frequências de cada uma das
distribuições e, com base no mesmo, explicite a localização dos quartis.
0
0,269
0,676
0,917
1,000
0
0,370
0,760
0,910
1,000
0
0,25
0,5
0,75
1
0 10 20 30 40
Loja 2
Loja 1
Q1(Loja 2) Q1(Loja 1)Q1(Loja 1) Q3 (Loja 1)Q3 (Loja 2)
c) Determine o valor médio por transacção e o valor médio das transacções por
empregado, em cada uma das lojas.
Valor médio por transacção por loja (ver quadro):
Loja 1: 16,38 um.
Loja 2: 14,6 um.
Valor médio das transacções por empregado
Loja 1:
1770
88,5
20
um=
Loja 2:
2920
97,3
30
um=
d) Calcule o desvio padrão da distribuição das transacções na loja 2 sabendo que o valor
correspondente para a outra loja é de 9,1 u.m.. Em qual das duas distribuições é mais
elevada a dispersão? Justifique.
( )
( )
2
2i i
i i
n PM x
s f PM x
N
−
= = −
Pmi ni fi Fi fi*(PMi-xbarra)^2
0
5 74 0,370 0,370 34,099
15 78 0,390 0,760 0,062
25 30 0,150 0,910 16,224
35 18 0,090 1,000 37,454
Total 200 1,0 s2
=87,84
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 10
S = 87,84 9,37 um=
A dispersão em termos absolutos é mais elevada na loja 2.
Como a média das transacções é mais baixa na loja 2 é também aqui que a dispersão relativa é
maior (o respectivo coeficiente de variação é maior na loja 2).
e) Represente graficamente a concentração das transacções na loja 2, utilizando uma
curva de Lorenz.
Classes ti Ti Fi
0 – 10 0.1267 0.1267 0.37
10 – 20 0.4007 0.5274 0.76
20 – 30 0.2568 0.7842 0.91
30 - 40 0.2158 1.0000 1.00
0
0,1
0,2
0,3
0,4
0,5
0,6
0,7
0,8
0,9
1
0 0,2 0,4 0,6 0,8 1
Fi
Ti
(0,37; 0,13)
(0.53, 0.76)
(0.78 , 0.91)
Exercício 6.
A empresa Lanipor procedeu a um estudo sobre a distribuição etária da sua população
feminina e masculina do qual resultou o seguinte quadro resumo:
Grupo Etário 25-30 30-35 35-40 40-45 45-50 50-55 55-60 > 60
Mulheres (%) 15 18 20 20 10 10 7 0
Homens (%) 10 15 12 13 25 15 10 0
a) Represente o polígono integral de frequências de cada uma das distribuições. Com
base nesta representação gráfica calcule aproximadamente as medidas de localização e
dispersão que lhe permitem comparar as populações feminina e masculina. Comente
sucintamente os resultados que obteve.
Para representar o polígono integral de frequências precisamos de uma tabela de frequências para
homens e mulheres com acumulação.
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 11
QUADRO DE FREQUÊNCIAS
Mulheres Homens
Classes
fi Fi fi Fi
25 - 30 0,15 0,15 0,1 0,1
30 - 35 0,18 0,33 0,15 0,25
35 - 40 0,20 0,53 0,12 0,37
40 - 45 0,20 0,73 0,13 0,5
45 - 50 0,10 0,83 0,25 0,75
50 - 55 0,10 0,93 0,15 0,9
55 - 60 0,07 1 0,1 1
1 1
Utilizando os limites dos intervalos de classe e os valores para a frequência acumulada, chegamos
ao polígono integral de frequências.
Polígono Integral de Frequências
0
0,25
0,5
0,75
1
0 20 40 60 80
Idade
FrequênciaRelativa
Acumulada
Mulheres
Homens
Com base neste polígono, as medidas de localização e dispersão que podem ser aproximadamente
calculadas são as relacionadas com os quartis.
Mulheres:
Como se pode deduzir a partir do quadro de frequências, a classe mediana (primeira classe
com frequência acumulada maior ou igual a 50%) é a classe 35-40 com 53% de frequência
acumulada. Utilizando a expressão para a mediana constante do formulário, virá:
25,3925,435)3540(
20
3350
35 =+=−
−
+=Mediana
Idênticas expressões podem ser utilizadas para os quartis com a necessária adaptação
relativamente à classe em que os mesmos se situam.
7,32)3035(
18
1525
301 =−
−
+=Q e 46)4550(
10
7375
453 =−
−
+=Q
A partir destes valores é possível determinar uma medida de dispersão que leva em conta
50% das observações: a amplitude interquartil.
AIQ = Q3-Q1=46-32,7=13,3
Homens:
Os valores constantes no quadro de frequências relativamente aos homens permitem a
determinação das medidas anteriores com mais facilidade, pois não necessitam de
interpolação. Virá imediatamente
Mediana = 45, Q1= 35, Q3= 50 e AIQ = 15
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 12
Quer o quadro apresentado, quer o gráfico relativo às frequências acumuladas permitem
constatar que a população feminina é sensivelmente mais jovem que a masculina. O
polígono integral de frequências permite ainda visualizar que essa diferença cresce até à
zona da mediana começando a partir daí a reduzir-se. Tal significa que, em todos os escalões
de idade até sensivelmente os 40 anos, a frequência relativa de mulheres é superior à de
homens.
É possível ainda constatar uma maior dispersão (medida pelo AIQ) na população masculina.
Tal é visível no polígono integral de frequências onde o crescimento da população feminina
entre o 1º e o 3º quartil é praticamente linear ao passo que o da população masculina
descreve uma curva que atinge um máximo sensivelmente junto à mediana.
b) Justifique e comente a seguinte afirmação: “Metade da população feminina da empresa
tem uma idade inferior à média de idades dessa população”.
Há que determinar a mediana (metade da população feminina) e a média da mesma população. A
mediana já é conhecida da alínea anterior: 39,25.
A média de idades da população feminina pode ser determinada a partir das frequências simples.
Para tal é preciso determinar o ponto médio de cada intervalo (Pmi) e multiplicá-lo pelo valor da
frequência relativa simples. A expressão utilizada é a que consta do formulário.
DETERMINAÇÃO DA MÉDIA DA POPULAÇÃO FEMININA
Classes fi
PM
i
PMi*f
i
25 - 30 0,15 27,5 4,125
30 - 35 0,18 32,5 5,850
35 - 40 0,20 37,5 7,500
40 - 45 0,20 42,5 8,500
45 - 50 0,10 47,5 4,750
50 - 55 0,10 52,5 5,250
55 - 60 0,07 57,5 4,025
1 40,000
Assim a afirmação é verdadeira, pois o valor da mediana é inferior ao da média de idades na
população feminina. Mais uma vez isso chama a atenção para o peso que, nessa população (e no
total da empresa, se levarmos em conta o que se constatou na alínea anterior), assumem os escalões
mais jovens. O valor da média mais elevado revela entretanto a possibilidade de algumas pessoas
existirem com uma idade bastante avançada o que puxa a média para a direita da mediana
sugerindo um enviezamento da distribuição à direita. Tal é visível no polígono de frequências
seguinte.
Polígono de Frequências
0
0,1
0,2
0,3
0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70
Idade
Frequênciarelativa
simples
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 13
Exercício 7.
No âmbito de um estudo sobre o rendimento disponível mensal de duas populações, A e B,
foram extraídas amostras de 10 elementos de cada uma delas. Os resultados em milhares
de euros foram os seguintes.
Rendimento disponível mensal
(milhares de euros)
A 12 40 24 45 68 32 68 23 34 45
B 14 61 24 68 41 62 14 67 51 70
Fonte: Sistemas de Informação Estatística dos países A e B
a) Crie uma tabela de frequências relativamente a cada um dos casos, depois de classificar
os dados utilizando os intervalos 10-30, 30-50 e 50-70.
b) Considerando a média aritmética como indicador explicite qual a população com maior
rendimento.
Para determinar a Média, basta multiplicar o ponto médio de cada intervalo pela
respectiva frequência relativa simples e somar. Virá:
A Média aritmética permite-nos concluir que a população B tem maior Rendimento
Disponível que a população A.
c) Represente graficamente a determinação da Moda e da Mediana e diga, exclusivamente
pelo exame das figuras, se as conclusões tomadas a partir das mesmas corroboram a
que pode tirar da alínea anterior.
Determinação gráfica da Moda. Utiliza a representação das frequências relativas e a
proximidade entre estas a nível da da classe modal para as adjacentes. Os dois gráficos
que se seguem mostram que a Moda em A está perto de 40 e em B está perto de 60.
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 14
Representação gráfica da Mediana. Utiliza a representação das frequências acumuladas.
Nos gráficos seguintes podemos constatar que também aqui o valor é superior para B,
sensivelmente 53, enquanto o de A não atinge 40. Assim qualquer das medidas de
localização permite concluir sobre a existÊncia de um menor nível de rendimento disponível
em A.
d) Tendo em consideração que a variância de B é de 324, utilize uma medida adequada
para comparar a dispersão das duas distribuições.
Sendo as médias diferentes, o coeficiente de variação ( =Desvio Padrão / Média) é a
medida de dispersão adequada. O quadro seguinte resume o cálculo do Coeficiente de
variação para A a partir dos resultados anteriores e para B a partir da Variância dada e
da média já calculada.
É possível concluir que a dispersão é superior em B
e) Verifique se a conclusão a que chegou na alínea anterior é corroborada pela análise
comparada dos diagramas de extremos e quartis (“caixa de bigodes”) destas
distribuições.
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 15
Para apresentarmos o diagrama de extremos e quartis precisamos de determinar os
quartis. Vamos considerar o mínimo 10 e o máximo 70. A determinação dos quartis é
operada através da respectiva expressão do glossário. Vindo:
A partir dos valores encontrados é possível determinar o diagrama de extremos e quartis
o qual nos permite concluir que, tal como na alínea anterior, a dispersão, agora
visualizada na amplitude inter-quartil, é superior em B.
f) Compare a concentração do rendimento nas duas amostras através da respectiva
representação gráfica.
A representação gráfica da concentração faz-se através da Curva de Lorenz que carece
dos valores dos Fi e dos Ti.
O gráfico permite ver que a concentração é diferente nos dois países. Assim, ao nível
dos 40% mais pobres, o rendimento disponível de A é superior, o que se inverte para os
40% mais ricos. Isto sugere uma concentração em B muito mais elevada o que poderia
ser determinada pelo índice de Gini.
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 16
g) Se todos os elementos deste grupo tiveram um acréscimo no rendimento disponível
mensal de 2000 euros, quais serão as consequências sobre a medida da concentração
do rendimento no grupo B?
A concentração diminuiria pois um acréscimo igual para todos em termos absolutos alteraria a
proporção da distribuição do rendimento no total da população, favorecendo os que detêm
menores rendimentos.
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 17
Índices Simples
Exercício 1
Suponha que lhe é dada a seguinte informação sobre a evolução da quantidade vendida do
produto X por um estabelecimento comercial nos primeiros dez meses do ano de 2006,
medida em toneladas do produto X.
ton X
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
2245,3 2358,0 2827,0 2753,2 3179,1 3561,0 4094,6 4586,2 4591,0 4659,4
a) Calcule, para cada mês desta série, a taxa de variação, relativamente ao mês anterior, da
quantidade vendida do bem X por este estabelecimento.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
Taxa anual (%) 5,0 19,9 -2,6 15,5 12,0 15,0 12,0 0,1 1,5
b) Tomando por base os valores calculados na alínea anterior, construa uma série de índices
de base móvel relativamente a esta variável para o período em análise.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
Índice base
móvel 105,0 119,9 97,4 115,5 112,0 115,0 112,0 100,1 101,5
c) Construa, com base nos valores do quadro, uma série de índices de base fixa em Janeiro
de 2006.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
índice base fixa
(Jan=100) 100,0 105,0 125,9 122,6 141,6 158,6 182,4 204,3 204,5 207,5
d) Acha que poderia ter obtido as taxas de variação calculadas na alínea a) e obtido a série
de base móvel calculada em b) com base na série calculada em c)? Justifique e enuncie
uma propriedade que respeite ao resultado obtido.
Sim. Calculando o índice de base móvel a partir dos índices de base fixa – a circularidade
dos índices
e) Tomando por base a série calculada em c), calcule uma nova série de índices de base fixa
em Março de 2006. Diga o que entende por mudança de base de um índice e enuncie,
em termos sintéticos e de modo formalizado, a regra que descreve essa mudança.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
índice base fixa
(Mar=100) 79,4 83,4 100,0 97,4 112,5 126,0 144,8 162,2 162,4 164,8
A mudança de base:
,0
,
,0
t
t b
b
i
i
i
=
f) Tomando por base a série calculada em b), calcule a série de índices de base fixa em
Março de 2006. Porque é que obtém os mesmos valores que obteve em e)? Diga o que
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 18
entende por circularidade dos índices e represente, de modo formalizado, esta
propriedade.
Sim encadeando os índices. 1,0 2,1 2,0i i i∗ =
Exercício 2
Considere a evolução das vendas do produto X do exercício 1. e admita que sabe que o
preço deste bem, em Janeiro de 2006, era de 1200 €/ton. X.
a) Calcule uma série do valor das vendas deste produto admitindo que o seu preço se
manteve inalterado ao longo do ano de 2006.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
Valor vendas 2694360 2829600 3392400 3303840 3814920 4273200 4913520 5503440 5509200 5591280
b) Construa uma série de índices de base fixa em Janeiro de 2006 relativa ao valor das
vendas deste produto.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
Índice de valor 100,0 105,0 125,9 122,6 141,6 158,6 182,4 204,3 204,5 207,5
c) Compare a série construída em c) com a que obteve na alínea c) do exercício anterior.
Interprete o resultado dessa comparação à luz das propriedades conhecidas dos índices.
É igual pois como os preços são sempre iguais, a única alteração que ocorreu nos valores
das vendas foi a variação das quantidades.
Admita agora que conhece a evolução dos preços deste produto ao longo do ano, que pode
ser bem descrita pela seguinte série, de base fixa em Janeiro de 2006:
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
100,0 101,2 102,2 105,1 107,4 110,2 112,6 118,4 110,4 112,5
d) Construa uma nova série do valor das vendas deste produto.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
Valor vendas 2694360,0 2863555,2 3467032,8 3472335,8 4097224,1 4709066,4 5532623,5 6516073,0 6082156,8 6290190,0
e) Construa uma nova série de índices, de base fixa em Janeiro de 2006, relativa ao valor
das vendas deste produto tendo em conta a evolução verificada dos preços.
jan fev mar abr mai jun jul ago set out
Índice de valor 100,0 106,3 128,7 128,9 152,1 174,8 205,3 241,8 225,7 233,5
f) Acha que pode obter a série do índice do valor das vendas obtida em e) a partir da série
do índice do volume de vendas calculado no exercício 2.c) e da série dos índices de
preços apresentada acima?
Sim. Multiplicando ambos
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 19
Índices Agregativos
Exercício 1.
Em 2002, a empresa Sol da Eira atingiu o valor de vendas 271.364 em milhares de euros.
Sabe-se que o índice de preços com base fixa em 2002 e o crescimento das vendas a
preços constantes tiveram os valores seguintes:
2002 2003 2004 2005
Índice de preços
Base: 2002= 100
100,0 104,4 108,3 111,8
Crescimento das vendas
a preços constantes
-- 0,57% -0,67% 0,68%
a) Determine o crescimento dos preços em 2003, 2004 e 2005.
O crescimento dos preços em cada um dos anos pode ser obtido a partir do índice de base móvel:
2002 2003 2004 2005
Índice 1,000 1,044 1,083
1,037
1,044
=
1,118
=1,0323
1,083
Variação % 4,4% 3,7% 3,2%
b) Determine o valor das vendas a preços constantes de 2005.
Alternativa 1: Para se obter a série a preços constantes de 2005 é preciso:
1º - Calcular as quantidades vendidas em cada ano, se os preços se mantivessem constantes,
i.e., a série a preços constantes de 2002.
2º - Inflacionar cada uma das quantidades vendidas em cada ano para obter o valor que teriam
se os preços praticados fossem os que vigoraram em 2005.
2002 2003 2004 2005
[1] Valores das vendas a
preços constantes de
2002
271 364
271364*1.0057=
272910,77
272910,77*(1-0,0067)
=271082,27
271 082,27*1,0068=
=272925.63
[2] Índice de preços de
2005 (base 2002)
1,118 1,118 1,118 1,118
[3]=[1]*[2] Valores das
vendas a preços
constantes de 2005
303 384,95 305 114,24 303 069,98 305 130,85
c) Determine o valor das vendas em 2003, 2004 e 2005 a preços correntes.
As vendas a preços correntes obtém-se multiplicando cada valor a preços constantes de 2002 (linha 1
do quadro anterior) pelo índice de preços com base fixa nesse ano.
2002 2003 2004 2005
Valores das vendas a
preços correntes
271 364 272910,77*1.044=
284 919
271082,27*1,083=
=293 582
272925,63*1,118=
=305 130,85
Nota: o valor de 2005 é igual pois os preços de referência são os mesmos.
d) Determine a taxa média de crescimento dos preços entre 2002 e 2005.
Taxa média de crescimento dos preços: 3
2005,2002 1,118 1 0,03788 3,8%r = − = ;
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 20
Exercício 2.
O quadro seguinte apresenta as estruturas de consumo de dois tipos de famílias e os índices
de preços, com base em 2000, dos grandes grupos de produtos que integram o índice de
preços no consumidor.
Estruturas de consumo
Índices de preços
(2000 = 100)
Família A Família B Dez 2004 Dez 2005
Alimentação 0,25 0,35 105,0 106,9
Transportes 0,10 0,20 110,3 115,2
Outros 0,65 0,45 107,1 109,6
a) Diga, quantificando, qual dos tipos de famílias suportou um maior aumento do respectivo
custo de vida durante o ano de 2005.
Cálculo do índice de variação dos preços em 2005:
Alimentação
1,069
1,018
1,05
= ; Transportes:
1,152
1,044
1,103
= Outros:
1,096
1,023
1,071
=
Sendo estes os índices elementares de preços de cada um dos grupos de produtos o índice
sintético para cada tipo de famílias é uma média ponderada em que os ponderadores são os
respectivos coeficientes orçamentais. Assim :
Índice de custo de vida para as Famílias A:
(0,25*1,018)+(0,1*1,04)+(0,65*1,023) = 1,0241=102,41
Índice de custo de vida para as Famílias B:
(0,35*1,018)+(0,2*1,04)+(0,45*1,023) = 1,0257=102,57
Conclusão: As Famílias B tiveram um aumento maior no respectivo custo de vida.
b) Admitindo que 40% das famílias do país são famílias A, sendo as restantes famílias B,
qual foi o valor da inflação em 2005?
O índice geral de inflação nestas condições é uma média ponderada dos dois grupos de famílias:
0,4 * 1,0241 + 0,6 * 1,0257 = 1,0251=102,51
c) Qual deverá ser o índice de preços da alimentação em Dezembro de 2006 se o ritmo de
crescimento dos respectivos preços for o que se verificou em média desde 2000?
Taxa média de crescimento dos preços da alimentação desde 2000:
5
1,069 1 0,0134− = (1,34%)
Se o índice de preços da alimentação crescer à mesma taxa durante 2006 deverá ser, em
Dezembro de 2006:
1,069 * 1,0134 = 1,0833=108,33
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 21
Exercício 3.
Considere o seguinte quadro relativo ao comportamento das exportações da empresa no
período 1995-2004
Ano 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
Índice dos preços
implícitos nas
exportações
(1995=100)
100,0 99,4 102,6 103,8 104,0 109,4 110,7 111,0 108,1 109,4
Exportações a
preços constantes
de 2000
(Milhares euros)
26476,6 27990,2 29687,3 32228,5 33192,9 35951,4 36716,5 37284,6 38952 40735,7
a) Determine as taxas anuais de crescimentos dos preços implícitos nas exportações
Obtém-se pelo cálculo da taxa de variação do índice dos preços
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
Taxa -0,6 3,2 1,2 0,2 5,2 1,2 0,3 -2,6 1,2
b) Determine a taxa média de crescimento entre 1995 e 2004 dos preços implícitos das
exportações. Verifique e explicite razões para a taxa média de crescimento ser diferente
relativamente à média das taxas.
9
1,094 1 0,01 1%− = = . É igual à média geométrica das taxas mas não à média aritmética.
c) Determine a taxa média de crescimento das exportações a preços constantes no
período.
9
40735,7
1 0,049 4,9%
26476,6
− = =
d) Faça uma breve reflexão sobre o crescimento do valor a preços correntes das
exportações no período, apresentando todos os cálculos que julgue necessários.
e) Determine para todos os anos o valor das exportações a preços constantes de 2004.
Obtém-se inflacionando os valores a preços de 2000 pelo índice de preços entre 2000 e
2004. Neste caso os valores são iguais dado que a os preços das exportações em 2000 são
iguais aos de 2004 (mesmo valor do índice).
Ano 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004
Exportações a
preços constantes
de 2004
(Milhares euros)
26476,6 27990,2 29687,3 32228,5 33192,9 35951,4 36716,5 37284,6 38952 40735,7
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 22
Exercício 4.
Considere a informação apresentada no Quadro seguinte relativa à economia Portuguesa.
Quadro1. Evolução da FBCF em Portugal
Unidade 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
FBCF
(Preços
correntes)
Milhões
de euros
19159 20841 24692 28244 30617 33103 34218 33841 30951 31933 31766
FBCF (taxa
de variação
anual dos
preços)
% 3,0 3,7 2,4 2,1 4,5 1,9 2,1 1,8 2,3 2,5
Fonte: INE
a) Construa o índice de base fixa em 1995 da FBCF a preços correntes.
O índice de base fixa em 1995 da FBCF a preços correntes obtém-se dividindo todos os
valores da FBCF a preços correntes pelo valor de 1995. Para 1996, o valor é dado por
20841/19159=108,78
1995 1996 1996 1998 1997 2000 1998 2002 1999 2004 2005
Índice de base fixa
FBCF a preços
correntes
(1995=100)
100,00 108,8 128,9 147,4 159,8 172,8 178,6 176,6 161,5 166,7 165,8
b) Construa o índice de base fixa em 2000 da evolução dos preços da FBCF.
Para obter o índice de base fixa em 2000 da evolução dos preços podemos, por exemplo,
seguir os três seguintes passos:
1) construir o índice de base móvel – igual a 1+a taxa de variação anual
2) construir o índice de base fixa em 1995 – utilizar a propriedade da circularidade
( 2,0 1,0 2,1*i i i= )
3) mudar a base do índice para 2000, dividindo todos os valores obtidos em 2 pelo valor de
2000.
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
índice de base móvel 103 103,7 102,4 102,1 104,5 101,9 102,1 101,8 102,3 102,5
índice de base fixa em
1995
100,00 103,00 106,81 109,37 111,67 116,70 118,91 121,41 123,60 126,44 129,60
índice de base fixa
2000
85,69 88,26 91,53 93,73 95,69 100,00 101,90 104,04 105,91 108,35 111,05
c) Calcule a taxa anual média de crescimento dos preços da FBCF entre 1995 e 2005.
A taxa média de crescimento dos preços pode ser obtida como a média geométrica das
taxas anuais de crescimento dos preços dadas no enunciado.
10
1995,2005 ( (1 0,03)*(1 0,037)*(1 0,024)*(1 0,021)*(1 0,045)*(1 0,019)*(1 0,021)*(1 0,018)*(1 0,023)*(1 0,025) 1)*100r = + + + + + + + + + + −
=2,63%
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 23
d) Calcule os valores da FBCF entre 1995 e 2005 a preços de 2000.
Os valores da FBCF a preços de 2000 podem ser obtidos dividindo os valores a preços
correntes pelo índice de preços base fixa em 2000 calculado na alínea b).
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
FBCF a preços
2000
22357,89 23612,35 26977,29 30134,79 31994,77 33103,00 33579,98 32526,94 29223,15 29472,46 28605,13
e) Calcule a taxa de crescimento anual em volume da FBCF.
A partir dos valores calculados na alínea anterior, é preciso calcular a taxa de variação ente
dois anos consecutivos utilizando a fórmula da taxa de variação.
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005
Taxa de variação
anual em volume
5,6 14,3 11,7 6,2 3,5 1,4 -3,1 -10,2 0,9 -2,9
f) Admitindo que em 2006 a FBCF registará uma diminuição em volume de 1% e que os
respectivos preços crescerão 2,3%, calcule o valor da FBCF a preços de 2000 e a
preços correntes em 2006.
Para calcular o valor estimado para 2006 a preços correntes temos que considerar a
variação em valor. Para calcular a FBCF a preços de 2000 temos que considerar só a
variação em volume.
Assim, o valor estimado da FBCF em 2006 a preços correntes é igual à FBCF em 2005 a
preços correntes multiplicado pelo índice em valor. O índice em valor é igual, por sua vez, ao
produto dos índices de preços e de volume:
FBCF 2006 a preços correntes=31766*0,99*1,025=32234,55
O valor estimado da FBCF a preços de 2000 é igual ao valor de 2005 a preços de 2000
calculado na alínea d) multiplicado pelo índice em volume.
FBCF 2006 a preços 2000=28605,13*0,99=28319,08
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 24
Exercício 5.
O consumo das famílias Silva e Antunes em “Bens” e “Serviços”, nos anos de 2001 e 2005, é
apresentado no quadro seguinte (valores em milhares de euros).
2001 2005
“Bens” 18,0 18,6Família
Antunes
“Serviços” 18,0 19,2
“Bens” 36,0 41,4Família
Silva
“Serviços” 48,0 56,0
Admitindo que são conhecidos os seguintes índices de preços para “Bens” e “Serviços”.
(Base: 1997=100) 2001 2005
“Bens” 108 102
“Serviços” 105 110
a) Calcule o coeficiente orçamental dos “Bens” e dos “Serviços” para o conjunto formado
pelas duas famílias, em 2001.
18 36
0.45
120
18 48
0.55
120
Bens
Serviços
Despesa em Bens
Total da Despesa
Despesa em Serviços
Total da Despesa
α
α
+
= = =
+
= = =
b) Admitindo que a economia era constituída por estas duas famílias calcule o Índice de
Preços no Consumidor (Índice de Preços de Laspeyres) tomando como base o ano de
2001.
O índice de preços de Laspeyres pode escrever-se como uma média ponderada dos índices simples de
preços, respectivamente dos “Bens” e dos “Serviços”, em que os ponderadores são os coeficientes
orçamentais no ano base (2001) de cada uma destas categorias. Como os índices de preços
apresentados são índices de base fixa em 1997, a variação entre 2001 e 2005 obtém-se operando uma
mudança de base do índice para 2001. Assim têm-se os índices simples:
2005,2001 2005,2001
102 110
0.9444 e 1.0476
108 105
Bens Serviços
p p= = = =
... e o índice sintético de preços (Índice Laspeyres de preços)
2004,2001 2004,2001
0.45 0.9444 0.55 1.0476
1.00116 100,116
P Bens Serviços
Bens ServiçosL p pα α= × + × =
= × + × =
= =
Alternativamente podia aplicar-se directamente a fórmula, considerando os índices no ano base (2001)
iguais a 1:
,
1 0
,
0 0
.
0.9444 54 1.0476 66
1,00116 100,116
1 54 1 66
.
Bens Serviços
i i
P i
Bens Serviços
i i
i
p q
L
p q
× + ×
= = = =
× + ×
∑
∑
Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 25
c) Em termos reais onde é que a família Antunes aumentou mais o seu consumo: em
“Bens” ou em “Serviços”?
Considerando os valores dos índices de preços, correspondentes à variação entre 2001 e 2005,
calculados na alínea anterior é fácil calcular o valor do consumo de “Bens” e de “Serviços” a preços
constantes. Vem para a família Antunes:
Consumos de “Bens” a preços de 2001:
18.6
19.7
0.9444
=
Consumos de “Serviços” a preços de 2001:
19.2
16.7
1.0476
=
Verifica-se assim que, dado o efeito dos preços relativos, a família Antunes aumentou (em termos reais
ou “em volume”) o consumo de “Bens” (passando de 18 para 19,7 Mil €) enquanto reduziu, em termos
reais, o consumo de “Serviços” (de 18 para 16,7 Mil €).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resolução comentada matemática 002
Resolução comentada matemática  002Resolução comentada matemática  002
Resolução comentada matemática 002
comentada
 
Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1
Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1
Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1
Maxlenon Gonçalves Costa
 

Mais procurados (20)

Moda, Média e Mediana
Moda, Média e MedianaModa, Média e Mediana
Moda, Média e Mediana
 
Exercícios Resolvidos: Frequência relativa, absoluta, acumulada
Exercícios Resolvidos: Frequência relativa, absoluta, acumuladaExercícios Resolvidos: Frequência relativa, absoluta, acumulada
Exercícios Resolvidos: Frequência relativa, absoluta, acumulada
 
Distribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística I
Distribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística IDistribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística I
Distribuição binomial, poisson e hipergeométrica - Estatística I
 
5127 apostila-de-estatistica
5127 apostila-de-estatistica5127 apostila-de-estatistica
5127 apostila-de-estatistica
 
Sucessões: Exercícios Resolvidos
Sucessões: Exercícios ResolvidosSucessões: Exercícios Resolvidos
Sucessões: Exercícios Resolvidos
 
Exercicio resolvidos
Exercicio resolvidosExercicio resolvidos
Exercicio resolvidos
 
(63 alíneas) Exercicios resolvidos sobre logaritmos e equações logaritmicas
(63 alíneas) Exercicios resolvidos sobre logaritmos e equações logaritmicas (63 alíneas) Exercicios resolvidos sobre logaritmos e equações logaritmicas
(63 alíneas) Exercicios resolvidos sobre logaritmos e equações logaritmicas
 
Exercicios de estatistica resolvido
Exercicios de estatistica resolvidoExercicios de estatistica resolvido
Exercicios de estatistica resolvido
 
Medidas de tendencia central
Medidas de tendencia centralMedidas de tendencia central
Medidas de tendencia central
 
1ª lista de exercícios 9º ano(potências)ilton bruno
1ª lista de exercícios 9º ano(potências)ilton bruno1ª lista de exercícios 9º ano(potências)ilton bruno
1ª lista de exercícios 9º ano(potências)ilton bruno
 
Combinação simples
Combinação simplesCombinação simples
Combinação simples
 
Resolução comentada matemática 002
Resolução comentada matemática  002Resolução comentada matemática  002
Resolução comentada matemática 002
 
Estatistica resumo
Estatistica   resumoEstatistica   resumo
Estatistica resumo
 
Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1
Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1
Lista de exercicios de mat financeira juros compostos resolvidos 1
 
9ano sug atividades_unid_3
9ano sug atividades_unid_39ano sug atividades_unid_3
9ano sug atividades_unid_3
 
Estatística, Medidas de dispersão e medidas de posição
Estatística, Medidas de dispersão e medidas de posiçãoEstatística, Medidas de dispersão e medidas de posição
Estatística, Medidas de dispersão e medidas de posição
 
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de EstatísticaAula 01: Conceitos básicos de Estatística
Aula 01: Conceitos básicos de Estatística
 
Lista de exercicios fracoes ii
Lista de exercicios fracoes iiLista de exercicios fracoes ii
Lista de exercicios fracoes ii
 
Aula 09 Medidas de Tendencia Central de Dados Agrupados
Aula 09   Medidas de Tendencia Central de Dados AgrupadosAula 09   Medidas de Tendencia Central de Dados Agrupados
Aula 09 Medidas de Tendencia Central de Dados Agrupados
 
Distribuição de frequencia lista
Distribuição de frequencia listaDistribuição de frequencia lista
Distribuição de frequencia lista
 

Destaque

Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008
Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008
Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008
Jerônimo Medina Madruga
 
O caixeiro viajante é np completo
O caixeiro viajante é np completoO caixeiro viajante é np completo
O caixeiro viajante é np completo
Marcelo Carvalho
 
Problema do caixeiro viajante
Problema do caixeiro viajanteProblema do caixeiro viajante
Problema do caixeiro viajante
Douglas Cerqueira
 
Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....
Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....
Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....
Alberto Tchivinda
 
Cap 8 2ª vinda de cristo
Cap 8   2ª vinda de cristoCap 8   2ª vinda de cristo
Cap 8 2ª vinda de cristo
E. M. Silva
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
queenbianca
 
Estatística completa
Estatística completaEstatística completa
Estatística completa
Ronne Seles
 
1 estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua
1   estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua1   estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua
1 estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua
Nilson Costa
 
Pré história- Os primeros povoadores da terra
Pré história- Os primeros povoadores da terraPré história- Os primeros povoadores da terra
Pré história- Os primeros povoadores da terra
Geronimo barbosa Costa
 
Exercicios resolv estatistica
Exercicios resolv estatisticaExercicios resolv estatistica
Exercicios resolv estatistica
Josi2010
 
Redes de computadores II - 3.Roteamento
Redes de computadores II - 3.RoteamentoRedes de computadores II - 3.Roteamento
Redes de computadores II - 3.Roteamento
Mauro Tapajós
 

Destaque (20)

Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008
Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008
Análise do problema do caixeiro viajante - Versão artigo - ERAD 2008
 
Capitulo ii
Capitulo iiCapitulo ii
Capitulo ii
 
Exercicios de estatistica resolvido.4
Exercicios de estatistica resolvido.4Exercicios de estatistica resolvido.4
Exercicios de estatistica resolvido.4
 
Exercicio proposto de_controle_de_estoque
Exercicio proposto de_controle_de_estoqueExercicio proposto de_controle_de_estoque
Exercicio proposto de_controle_de_estoque
 
O caixeiro viajante é np completo
O caixeiro viajante é np completoO caixeiro viajante é np completo
O caixeiro viajante é np completo
 
Estatística descritiva 3º ano. Inclui exercícios não resovidos e exemplos ao ...
Estatística descritiva 3º ano. Inclui exercícios não resovidos e exemplos ao ...Estatística descritiva 3º ano. Inclui exercícios não resovidos e exemplos ao ...
Estatística descritiva 3º ano. Inclui exercícios não resovidos e exemplos ao ...
 
Problema do caixeiro viajante
Problema do caixeiro viajanteProblema do caixeiro viajante
Problema do caixeiro viajante
 
Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....
Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....
Tabela de distribuição de frequências para variáveis quantitativas contínuas....
 
Cap 8 2ª vinda de cristo
Cap 8   2ª vinda de cristoCap 8   2ª vinda de cristo
Cap 8 2ª vinda de cristo
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
Geografia a 10_11
Geografia a 10_11Geografia a 10_11
Geografia a 10_11
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
 
Avaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º anoAvaliação de história 6º ano
Avaliação de história 6º ano
 
Cálculo do tamanho de uma Amostra
Cálculo do tamanho de uma AmostraCálculo do tamanho de uma Amostra
Cálculo do tamanho de uma Amostra
 
Estatística completa
Estatística completaEstatística completa
Estatística completa
 
1 estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua
1   estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua1   estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua
1 estatística descritiva, distribuição de frequência v discreta e continua
 
Caderno do professor geografia vol 01 2as séries 2014
Caderno do professor geografia vol 01 2as séries 2014Caderno do professor geografia vol 01 2as séries 2014
Caderno do professor geografia vol 01 2as séries 2014
 
Pré história- Os primeros povoadores da terra
Pré história- Os primeros povoadores da terraPré história- Os primeros povoadores da terra
Pré história- Os primeros povoadores da terra
 
Exercicios resolv estatistica
Exercicios resolv estatisticaExercicios resolv estatistica
Exercicios resolv estatistica
 
Redes de computadores II - 3.Roteamento
Redes de computadores II - 3.RoteamentoRedes de computadores II - 3.Roteamento
Redes de computadores II - 3.Roteamento
 

Semelhante a Exercicio resolvidos de estatistica 2

Estatistica Atualiz
Estatistica AtualizEstatistica Atualiz
Estatistica Atualiz
guest61a270
 
2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito
2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito
2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito
profzwipp
 
Estatistica regular 7
Estatistica regular 7Estatistica regular 7
Estatistica regular 7
J M
 
Atps estatística pedro
Atps estatística pedroAtps estatística pedro
Atps estatística pedro
Peter San
 

Semelhante a Exercicio resolvidos de estatistica 2 (20)

56176429 estatistica-distribuicao-de-frequencias-exercicios-resolvidos (1)
56176429 estatistica-distribuicao-de-frequencias-exercicios-resolvidos (1)56176429 estatistica-distribuicao-de-frequencias-exercicios-resolvidos (1)
56176429 estatistica-distribuicao-de-frequencias-exercicios-resolvidos (1)
 
Estatistica Atualiz
Estatistica AtualizEstatistica Atualiz
Estatistica Atualiz
 
C7 exercicios
C7 exerciciosC7 exercicios
C7 exercicios
 
2ª+lista+..
2ª+lista+..2ª+lista+..
2ª+lista+..
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
econometria
 econometria econometria
econometria
 
Operacoes numeros decimais
Operacoes numeros decimaisOperacoes numeros decimais
Operacoes numeros decimais
 
MEDIDAS DE Tendência CENTRAL estatística
MEDIDAS DE Tendência CENTRAL estatísticaMEDIDAS DE Tendência CENTRAL estatística
MEDIDAS DE Tendência CENTRAL estatística
 
Aula 2 mat em
Aula 2   mat emAula 2   mat em
Aula 2 mat em
 
2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito
2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito
2010 volume4 cadernodoaluno_matematica_ensinomedio_3aserie_gabarito
 
Estatistica regular 7
Estatistica regular 7Estatistica regular 7
Estatistica regular 7
 
Exercicios resolv. estatistica
Exercicios resolv. estatisticaExercicios resolv. estatistica
Exercicios resolv. estatistica
 
ColectneadeExercciosResolvidosdeEstatstica.pdf
ColectneadeExercciosResolvidosdeEstatstica.pdfColectneadeExercciosResolvidosdeEstatstica.pdf
ColectneadeExercciosResolvidosdeEstatstica.pdf
 
samuel zefanias
samuel zefaniassamuel zefanias
samuel zefanias
 
Bioestatística
 Bioestatística Bioestatística
Bioestatística
 
Serie aula03 estatistica
Serie aula03 estatisticaSerie aula03 estatistica
Serie aula03 estatistica
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 
Atps estatística pedro
Atps estatística pedroAtps estatística pedro
Atps estatística pedro
 
Detetor Geiger-Müller
Detetor Geiger-MüllerDetetor Geiger-Müller
Detetor Geiger-Müller
 
Estatística Descritiva - parte 2 (ISMT)
Estatística Descritiva - parte 2 (ISMT)Estatística Descritiva - parte 2 (ISMT)
Estatística Descritiva - parte 2 (ISMT)
 

Mais de Antonio Mankumbani Chora (6)

Exercicios de estatistica resolvido.5
Exercicios de estatistica resolvido.5Exercicios de estatistica resolvido.5
Exercicios de estatistica resolvido.5
 
Exercicios de estatistica resolvido.3
Exercicios de estatistica resolvido.3Exercicios de estatistica resolvido.3
Exercicios de estatistica resolvido.3
 
Doc2
Doc2Doc2
Doc2
 
Unidade
UnidadeUnidade
Unidade
 
1 ativo
1 ativo1 ativo
1 ativo
 
1 ativo
1 ativo1 ativo
1 ativo
 

Exercicio resolvidos de estatistica 2

  • 1. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 1 Caderno de Exercícios Resolvidos Estatística Descritiva Exercício 1. A figura seguinte representa, através de um polígono integral, a distribuição do rendimento nas famílias dos alunos de duas turmas. Distribuição do rendimento Frequências relativas acumuladas 0,00 0,06 0,34 0,72 0,00 0,26 0,60 0,84 1,00 0,00 0,25 0,50 0,75 1,00 0 100 200 300 400 500 600 Contos/mês Turma B Turma A Calcule o índice de Gini correspondente à turma A. Classes Pmi fi fi*Pmi Fi ti Ti Fi - Ti 0-100 50 0,0600 3 0,0600 0,0113 0,0113 0,0487 100 - 200 150 0,2800 42 0,3400 0,1579 0,1692 0,1708 200 - 300 250 0,3800 95 0,7200 0,3571 0,5263 0,1937 300 - 600 450 0,2800 126 1,0000 0,4737 1,0000 0,0000 Total (média aritm.) 266 1,1200 0,4132 0,3690 1 1 n i i F − = =∑ 1 1 ( ) n i i i F T − = − =∑ 1 1 1 1 ( ) n i i i n i i F T F − = − = − = ∑ ∑
  • 2. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 2 Exercício 2. Considere o quadro seguinte com as frequências relativas simples associadas às distribuições A, B e C. Classe A B C 0-50 0 0 0 50-100 30 25 20 100-150 50 40 60 150-200 20 35 20 200-250 0 0 0 a) Represente as distribuições A, B, e C utilizando um histograma. Através da análise das figuras, considera possível indicar qual a que tem uma moda mais baixa? Em caso afirmativo, faça-o. Em caso negativo, explicite que elemento(s) lhe falta(m). 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0 50 100 150 200 250 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0 50 100 150 200 250 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0 50 100 150 200 250 Em rigor quando temos dados classificados não sabemos qual é, ou se existe a moda. A convenção que se faz é a de admitir que a moda se encontra na classe modal e que a sua localização dentro desta é proporcional à diferença entre a respectiva frequência e as frequências das classes adjacentes, estando a moda mais perto da classe que tem maior frequência. No caso deste exercício, verifica-se que a classe modal é a mesma nas três distribuições consideradas. Mas é na distribuição A que a classe anterior apresenta a maior frequência relativamente à classe que se segue à classe modal. Desta forma é claro que é essa distribuição A que apresenta a moda mais baixa. b) Considerando os valores apresentados qual a distribuição cujo valor para a mediana é o mais baixo. Justifique utilizando o polígono integral de frequências. 0,00 0,25 0,50 0,75 1,00 0 50 100 150 200 A B C Mediana A =
  • 3. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 3 A partir da análise do polígono integral é evidente que é a distribuição A que tem a mediana mais baixa. Quando as distribuições não são muito assimétricas a moda, a mediana e a média estão relativamente próximas. Quando são simétricas as três medidas coincidem: é esse o caso da distribuição C onde a média está no centro do intervalo de variação e no centro da classe modal (125). Por outro lado a média é o centro de gravidade da distribuição e a simples observação dos histogramas representados na alínea anterior permitiria dizer (i) que B tem uma média mais alta do que C (porque o peso da classe com valores mais elevados é muito superior) e que (ii) a média de C é necessariamente mais alta do que a média de A. Em distribuições regulares como estas a mediana está sempre entre a média e a moda. Isso permitiria dizer que também no caso da mediana é a distribuição A que apresenta o valor mais baixo. Nota: Com base nos elementos fornecidos seria possível calcular analiticamente o valor da mediana das diversas distribuições mas não era isso que se pedia no enunciado. c) Compare, apresentando e justificando todos os cálculos, a dispersão associada às três distribuições. Na primeira (Distribuição A), a média é de 120 e o desvio padrão de 41,13; na segunda (Distribuição B), a média é de 130 e o desvio padrão de 39,52. A comparação da dispersão das diversas distribuições deve fazer-se com base no coeficiente de variação. Para isso torna-se necessário calcular a média e o desvio padrão da distribuição C: Classes iPM if .i if PM 2 ( )i if PM x− 50 - 100 75 0,20 15 500 100 - 150 125 0,60 75 0 150 - 200 175 0,20 35 500 Total (média aritm.) 125 Total (variância) 1000 Desvio padrão 31,6228 A B C Desvio-padrão 41,13 39,52 36,62 Média 120 130 125 Coef. Variação 34,3% 30,4% 29,3% Vê-se assim que a é a distribuição C que apresenta a menor dispersão tanto em termos absolutos (desvio padrão) como relativos (coeficiente de variação). Exercício 3. Considere o quadro seguinte onde se resume a estrutura etária da população de uma região de acordo com os censos de 1960 e 2001 Escalão de idade 1960 2001 0 – 10 19,7 12 10 – 25 25,7 24,3 25 – 40 21,5 21,1 40 – 60 21,3 23,6 60 – 80 11,8 19 Total 100 100
  • 4. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 4 a) Compare as duas distribuições no que respeita à média e mediana, e discuta até que ponto há sinais de envelhecimento da população. 1960 Classes iPM if .i if PM ( )iX PM− ( ) 2 iX PM− ( ) 2 .i iX PMf − iF 0 - 10 5 0,197 0,9850 26,38 695,9044 137,0932 0,197 10 - 25 17,5 0,257 4,4975 13,88 192,6544 49,5122 0,454 25 - 40 32,5 0,215 6,9875 -1,12 1,2544 0,2697 0,669 40 - 60 50 0,213 10,6500 -18,62 346,7044 73,8480 0,882 60 - 80 70 0,118 8,2600 -38,62 1491,5044 175,9975 1,000 Σ 1 31,3800 436,7206 Média Aritm. 31,38 Variância 436,7206 Desvio padrão 20,90 Coef. Variação 66,6% 2001 Classes iPM if .i if PM ( )iX PM− ( ) 2 iX PM− ( ) 2 .i iX PMf − iF 0 - 10 5 0,120 0,6000 31,81 1011,8761 121,4251 0,120 10 - 25 17,5 0,243 4,2525 19,31 372,8761 90,6089 0,363 25 - 40 32,5 0,211 6,8575 4,31 18,5761 3,9196 0,574 40 - 60 50 0,236 11,8000 -13,19 173,9761 41,0584 0,810 60 - 80 70 0,190 13,3000 -33,19 1101,5761 209,2995 1,000 Total 1 36,8100 9,05 2678,8805 466,3114 Média Aritm. 36,81 Variância 466,3114 Desvio padrão 21,59 Coef. Variação 58,7% Cálculo da mediana 1 1 1 1 0,5 .( )g me g g g g F X L L L f − − − − − = + − 1960 0,5 0,456 25 .(40 25) 0,215me X − = + − = 28,07 2001 0,5 0,363 25 .(40 25) 0,211me X − = + − = 34,74 A média e a mediana são medidas de localização de tendência central, que descrevem a distribuição de frequências. O facto de ambas aumentarem de valor de forma significativa representa uma deslocação para a direita da distribuição de frequências que traduz um claro envelhecimento da população. b) Compare a dispersão das duas distribuições com base num indicador de dispersão relativo. A medida de dispersão relativa mais habitual é o coeficiente de variação que relaciona o desvio padrão com a média. A importância da distinção entre dispersão absoluta e relativa está bem ilustrada neste exemplo. De facto entre 1960 e 2001 o desvio padrão das idades
  • 5. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 5 passa de 20,9 anos para 22,6 anos (NB: é importante notar que o desvio padrão se expressa nas mesmas unidades da variável original). Mas o aumento da dispersão absoluta não é acompanhado pelo aumento da dispersão relativa, porque a média aritmética (que está no denominador do coeficiente de variação) aumenta mais do que o desvio padrão. Isto é, relativamente, (ao valor da média) verifica-se uma diminuição da dispersão das idades: o C.V passa de 67% para 59% . Uma medida alternativa de dispersão relativa é o quociente entre a amplitude do intervalo interquartil (AIQ) — que é, em si, uma medida de dispersão absoluta — e a mediana. Os cálculos que a seguir se apresentam confirmam as conclusões anteriores: aumenta a dispersão absoluta e diminui a dispersão relativa. 1960 1 0,25 0,197 10 .(25 10) 13,09 0,257 Q − = + − = 1960 3 0,75 0,669 40 .(60 40) 47,61 0,213 Q − = + − = 2001 1 0,25 0,120 10 .(25 10) 18,02 0,243 Q − = + − = 2001 3 0,75 0,574 40 .(60 40) 54,92 0,236 Q − = + − = Medida de dispersão absoluta: Amplitude do intervalo interquartil (AIQ) 1960 1960 1960 3 1 2001 2001 2001 3 1 AIQ 47,61 13,09 34,52 AIQ 54,92 18,02 36,02 Q Q Q Q = − = − = = − = − = Medida de dispersão relativa: AIQ Mediana 1960 2001 34,52 1,23 28,07 36,02 1,06 34,74 me me AIQ X AIQ X   = =      = =    c) Elabore um polígono integral de frequências para as duas distribuições e compare a situação a nível de primeiro, segundo e terceiro quartil, deduzidos graficamente. O polígono integral de frequências é construído com base nas frequências acumuladas, que estão na última coluna dos quadros onde se apresentam os cálculos. A sua grande vantagem é permitir uma estimativa rápida dos quartis (incluindo a mediana que é o segundo quartil). Note-se igualmente como a deslocação do polígono para a direita traduz o envelhecimento da população. Admitindo que a população era colocada por ordem de idades a uma dada percentagem da população em 1960 corresponde em 2001, uma idade mais avançada. E isto acontece qualquer que seja a percentagem escolhida como referência: as duas curvas nunca se cruzam.
  • 6. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 6 0 0,25 0,5 0,75 1 0 10 20 30 40 50 60 70 80 1960 2001 Q1 1960 Q1 2001 Q3 2001 Q3 1960Mediana 2001 Mediana 1960 d) Elabore o diagrama de extremos e quartis para as duas distribuições e comente. Exercício 4. O quadro seguinte apresenta as frequências relativas acumuladas das idades de três grupos de pessoas: A, B e C. A B C 30 – 40 20 20 30 40 – 50 70 80 80 50 – 60 100 100 100 a) Das afirmações seguintes, indique, justificando, quais as que são falsas ou verdadeiras: i. A distribuição que tem a média mais baixa é a mesma que tem a moda mais elevada. ii. A distribuição que tem a moda mais elevada é a que tem a mediana mais elevada. Comecemos por calcular as frequências simples e a média por distribuição. Limites A B C Inferior Superior Pmi Fi f1 Pmi * fi Fi f1 Pmi * fi Fi f1 Pmi*fi 30 40 35 0,2 0,2 7 0,2 0,2 7 0,3 0,3 10,5 40 50 45 0,7 0,5 22,5 0,8 0,6 27 0,8 0,5 22,5 50 60 55 1 0,3 16,5 1 0,2 11 1 0,2 11 Média 46 Média 45 Média 44
  • 7. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 7 Representemos graficamente as frequências simples. 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 30-40 40-50 50-60 30-40 40-50 50-60 30-40 40-50 50-60 Intervalos de Idade fi Series1 A afirmação i é falsa. A distribuição que tem a média mais baixa é a C (44). A partir do gráfico de frequências relativas constata-se que a distribuição que tem a moda mais elevada é a A (40-50 é a classe modal, na A a moda é puxada pela frequência relativa para a vizinhança do 50). Representemos agora graficamente as frequências acumuladas. 0 0,25 0,5 0,75 1 30 40 50 60 Idades Fi A B C Constata-se que é a distribuição A que tem a mediana mais elevada. Portanto, a afirmação II é verdadeira. relações b) Será correcto dizer que em qualquer dos casos, há pelo menos 50% das pessoas com idade entre 40 e 50 anos? Justifique. É correcto, como se pode ver consultando o quadro com as frequências relativas simples na linha relativa a 40-50. c) Compare a dispersão relativa das três distribuições, sabendo que o desvio padrão é de 7 anos em A e em C. Sendo as médias diferentes, a medida de dispersão a utilizar é o coeficiente de variação. Comecemos por calcular o desvio padrão de B. A B C
  • 8. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 8 Pmi Fi f1 Pmi*fi Desvios Quadrado dos desvio 30 40 35 0,2 0,2 7 -10 100 20 40 50 45 0,8 0,6 27 0 0 0 50 60 55 1 0,2 11 10 100 20 Média 45 Var 40 Desvio Padrão 6,324555 Virá CVA = 7/46 = 0,152; CVB = 6,32/45 = 0,1405; CVC = 7/44=0,159 maior dispersão em C, menor dispersão em B. Exercício 5. No quadro seguinte apresentam-se o número de transacções efectuadas em cada uma das lojas dos Supermercados XXX, classificadas por níveis de despesa, e o número de empregados existentes em cada uma delas. Número de transacções Escalão de despesas Loja 1 Loja 2 0 – 10 u.m. 29 74 10 - 20 u.m. 44 78 20 - 30 u.m. 26 30 30 - 40 u.m. 9 18 Nºde empregados 20 30 Tratamento: Loja 1 Classes Pmi ni fi fi*PMi Fi ( ) 2 i i f PM x− ti Ti 0 - 10 5 29 0,269 1,343 0,269 34,829 0,082 0,082 10 - 20 15 44 0,407 6,111 0,676 0,786 0,373 0,455 20 - 30 25 26 0,241 6,019 0,917 17,851 0,367 0,822 20 - 40 35 9 0,083 2,917 1,000 28,864 0,178 1,000 ∑ 108 1,000 16,4 (média) 82,3 (variância) Loja 2 Classes Pmi ni fi fi*PMi Fi ( ) 2 i i f PM x− ti Ti 0 - 10 5 74 0,370 0,370 1,850 34,099 0,127 0,127 10 - 20 15 78 0,390 0,760 5,850 0,062 0,401 0,527 20 - 30 25 30 0,150 0,910 3,750 16,224 0,257 0,784 20 - 40 35 18 0,090 1,000 3,150 37,454 0,216 1,000 ∑ 200 1,000 14,6 (média) 87,8 (variância)
  • 9. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 9 Nota: ti representa a proporção da despesa total feita pelos clientes da classe de despesa i . Ti representa o total da despesa acumulada até à classe i. a) Será possível afirmar que “em ambos as lojas, mais de 70% das transacções têm um valor inferior a 20 u.m.”? A análise das frequências relativas acumuladas mostra que só há 67,6% de transacções abaixo de 20 u.m. na loja 1: A afirmação não é verdadeira. b) Represente graficamente o polígono integral de frequências de cada uma das distribuições e, com base no mesmo, explicite a localização dos quartis. 0 0,269 0,676 0,917 1,000 0 0,370 0,760 0,910 1,000 0 0,25 0,5 0,75 1 0 10 20 30 40 Loja 2 Loja 1 Q1(Loja 2) Q1(Loja 1)Q1(Loja 1) Q3 (Loja 1)Q3 (Loja 2) c) Determine o valor médio por transacção e o valor médio das transacções por empregado, em cada uma das lojas. Valor médio por transacção por loja (ver quadro): Loja 1: 16,38 um. Loja 2: 14,6 um. Valor médio das transacções por empregado Loja 1: 1770 88,5 20 um= Loja 2: 2920 97,3 30 um= d) Calcule o desvio padrão da distribuição das transacções na loja 2 sabendo que o valor correspondente para a outra loja é de 9,1 u.m.. Em qual das duas distribuições é mais elevada a dispersão? Justifique. ( ) ( ) 2 2i i i i n PM x s f PM x N − = = − Pmi ni fi Fi fi*(PMi-xbarra)^2 0 5 74 0,370 0,370 34,099 15 78 0,390 0,760 0,062 25 30 0,150 0,910 16,224 35 18 0,090 1,000 37,454 Total 200 1,0 s2 =87,84
  • 10. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 10 S = 87,84 9,37 um= A dispersão em termos absolutos é mais elevada na loja 2. Como a média das transacções é mais baixa na loja 2 é também aqui que a dispersão relativa é maior (o respectivo coeficiente de variação é maior na loja 2). e) Represente graficamente a concentração das transacções na loja 2, utilizando uma curva de Lorenz. Classes ti Ti Fi 0 – 10 0.1267 0.1267 0.37 10 – 20 0.4007 0.5274 0.76 20 – 30 0.2568 0.7842 0.91 30 - 40 0.2158 1.0000 1.00 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 1 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 Fi Ti (0,37; 0,13) (0.53, 0.76) (0.78 , 0.91) Exercício 6. A empresa Lanipor procedeu a um estudo sobre a distribuição etária da sua população feminina e masculina do qual resultou o seguinte quadro resumo: Grupo Etário 25-30 30-35 35-40 40-45 45-50 50-55 55-60 > 60 Mulheres (%) 15 18 20 20 10 10 7 0 Homens (%) 10 15 12 13 25 15 10 0 a) Represente o polígono integral de frequências de cada uma das distribuições. Com base nesta representação gráfica calcule aproximadamente as medidas de localização e dispersão que lhe permitem comparar as populações feminina e masculina. Comente sucintamente os resultados que obteve. Para representar o polígono integral de frequências precisamos de uma tabela de frequências para homens e mulheres com acumulação.
  • 11. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 11 QUADRO DE FREQUÊNCIAS Mulheres Homens Classes fi Fi fi Fi 25 - 30 0,15 0,15 0,1 0,1 30 - 35 0,18 0,33 0,15 0,25 35 - 40 0,20 0,53 0,12 0,37 40 - 45 0,20 0,73 0,13 0,5 45 - 50 0,10 0,83 0,25 0,75 50 - 55 0,10 0,93 0,15 0,9 55 - 60 0,07 1 0,1 1 1 1 Utilizando os limites dos intervalos de classe e os valores para a frequência acumulada, chegamos ao polígono integral de frequências. Polígono Integral de Frequências 0 0,25 0,5 0,75 1 0 20 40 60 80 Idade FrequênciaRelativa Acumulada Mulheres Homens Com base neste polígono, as medidas de localização e dispersão que podem ser aproximadamente calculadas são as relacionadas com os quartis. Mulheres: Como se pode deduzir a partir do quadro de frequências, a classe mediana (primeira classe com frequência acumulada maior ou igual a 50%) é a classe 35-40 com 53% de frequência acumulada. Utilizando a expressão para a mediana constante do formulário, virá: 25,3925,435)3540( 20 3350 35 =+=− − +=Mediana Idênticas expressões podem ser utilizadas para os quartis com a necessária adaptação relativamente à classe em que os mesmos se situam. 7,32)3035( 18 1525 301 =− − +=Q e 46)4550( 10 7375 453 =− − +=Q A partir destes valores é possível determinar uma medida de dispersão que leva em conta 50% das observações: a amplitude interquartil. AIQ = Q3-Q1=46-32,7=13,3 Homens: Os valores constantes no quadro de frequências relativamente aos homens permitem a determinação das medidas anteriores com mais facilidade, pois não necessitam de interpolação. Virá imediatamente Mediana = 45, Q1= 35, Q3= 50 e AIQ = 15
  • 12. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 12 Quer o quadro apresentado, quer o gráfico relativo às frequências acumuladas permitem constatar que a população feminina é sensivelmente mais jovem que a masculina. O polígono integral de frequências permite ainda visualizar que essa diferença cresce até à zona da mediana começando a partir daí a reduzir-se. Tal significa que, em todos os escalões de idade até sensivelmente os 40 anos, a frequência relativa de mulheres é superior à de homens. É possível ainda constatar uma maior dispersão (medida pelo AIQ) na população masculina. Tal é visível no polígono integral de frequências onde o crescimento da população feminina entre o 1º e o 3º quartil é praticamente linear ao passo que o da população masculina descreve uma curva que atinge um máximo sensivelmente junto à mediana. b) Justifique e comente a seguinte afirmação: “Metade da população feminina da empresa tem uma idade inferior à média de idades dessa população”. Há que determinar a mediana (metade da população feminina) e a média da mesma população. A mediana já é conhecida da alínea anterior: 39,25. A média de idades da população feminina pode ser determinada a partir das frequências simples. Para tal é preciso determinar o ponto médio de cada intervalo (Pmi) e multiplicá-lo pelo valor da frequência relativa simples. A expressão utilizada é a que consta do formulário. DETERMINAÇÃO DA MÉDIA DA POPULAÇÃO FEMININA Classes fi PM i PMi*f i 25 - 30 0,15 27,5 4,125 30 - 35 0,18 32,5 5,850 35 - 40 0,20 37,5 7,500 40 - 45 0,20 42,5 8,500 45 - 50 0,10 47,5 4,750 50 - 55 0,10 52,5 5,250 55 - 60 0,07 57,5 4,025 1 40,000 Assim a afirmação é verdadeira, pois o valor da mediana é inferior ao da média de idades na população feminina. Mais uma vez isso chama a atenção para o peso que, nessa população (e no total da empresa, se levarmos em conta o que se constatou na alínea anterior), assumem os escalões mais jovens. O valor da média mais elevado revela entretanto a possibilidade de algumas pessoas existirem com uma idade bastante avançada o que puxa a média para a direita da mediana sugerindo um enviezamento da distribuição à direita. Tal é visível no polígono de frequências seguinte. Polígono de Frequências 0 0,1 0,2 0,3 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60 65 70 Idade Frequênciarelativa simples
  • 13. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 13 Exercício 7. No âmbito de um estudo sobre o rendimento disponível mensal de duas populações, A e B, foram extraídas amostras de 10 elementos de cada uma delas. Os resultados em milhares de euros foram os seguintes. Rendimento disponível mensal (milhares de euros) A 12 40 24 45 68 32 68 23 34 45 B 14 61 24 68 41 62 14 67 51 70 Fonte: Sistemas de Informação Estatística dos países A e B a) Crie uma tabela de frequências relativamente a cada um dos casos, depois de classificar os dados utilizando os intervalos 10-30, 30-50 e 50-70. b) Considerando a média aritmética como indicador explicite qual a população com maior rendimento. Para determinar a Média, basta multiplicar o ponto médio de cada intervalo pela respectiva frequência relativa simples e somar. Virá: A Média aritmética permite-nos concluir que a população B tem maior Rendimento Disponível que a população A. c) Represente graficamente a determinação da Moda e da Mediana e diga, exclusivamente pelo exame das figuras, se as conclusões tomadas a partir das mesmas corroboram a que pode tirar da alínea anterior. Determinação gráfica da Moda. Utiliza a representação das frequências relativas e a proximidade entre estas a nível da da classe modal para as adjacentes. Os dois gráficos que se seguem mostram que a Moda em A está perto de 40 e em B está perto de 60.
  • 14. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 14 Representação gráfica da Mediana. Utiliza a representação das frequências acumuladas. Nos gráficos seguintes podemos constatar que também aqui o valor é superior para B, sensivelmente 53, enquanto o de A não atinge 40. Assim qualquer das medidas de localização permite concluir sobre a existÊncia de um menor nível de rendimento disponível em A. d) Tendo em consideração que a variância de B é de 324, utilize uma medida adequada para comparar a dispersão das duas distribuições. Sendo as médias diferentes, o coeficiente de variação ( =Desvio Padrão / Média) é a medida de dispersão adequada. O quadro seguinte resume o cálculo do Coeficiente de variação para A a partir dos resultados anteriores e para B a partir da Variância dada e da média já calculada. É possível concluir que a dispersão é superior em B e) Verifique se a conclusão a que chegou na alínea anterior é corroborada pela análise comparada dos diagramas de extremos e quartis (“caixa de bigodes”) destas distribuições.
  • 15. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 15 Para apresentarmos o diagrama de extremos e quartis precisamos de determinar os quartis. Vamos considerar o mínimo 10 e o máximo 70. A determinação dos quartis é operada através da respectiva expressão do glossário. Vindo: A partir dos valores encontrados é possível determinar o diagrama de extremos e quartis o qual nos permite concluir que, tal como na alínea anterior, a dispersão, agora visualizada na amplitude inter-quartil, é superior em B. f) Compare a concentração do rendimento nas duas amostras através da respectiva representação gráfica. A representação gráfica da concentração faz-se através da Curva de Lorenz que carece dos valores dos Fi e dos Ti. O gráfico permite ver que a concentração é diferente nos dois países. Assim, ao nível dos 40% mais pobres, o rendimento disponível de A é superior, o que se inverte para os 40% mais ricos. Isto sugere uma concentração em B muito mais elevada o que poderia ser determinada pelo índice de Gini.
  • 16. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 16 g) Se todos os elementos deste grupo tiveram um acréscimo no rendimento disponível mensal de 2000 euros, quais serão as consequências sobre a medida da concentração do rendimento no grupo B? A concentração diminuiria pois um acréscimo igual para todos em termos absolutos alteraria a proporção da distribuição do rendimento no total da população, favorecendo os que detêm menores rendimentos.
  • 17. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 17 Índices Simples Exercício 1 Suponha que lhe é dada a seguinte informação sobre a evolução da quantidade vendida do produto X por um estabelecimento comercial nos primeiros dez meses do ano de 2006, medida em toneladas do produto X. ton X jan fev mar abr mai jun jul ago set out 2245,3 2358,0 2827,0 2753,2 3179,1 3561,0 4094,6 4586,2 4591,0 4659,4 a) Calcule, para cada mês desta série, a taxa de variação, relativamente ao mês anterior, da quantidade vendida do bem X por este estabelecimento. jan fev mar abr mai jun jul ago set out Taxa anual (%) 5,0 19,9 -2,6 15,5 12,0 15,0 12,0 0,1 1,5 b) Tomando por base os valores calculados na alínea anterior, construa uma série de índices de base móvel relativamente a esta variável para o período em análise. jan fev mar abr mai jun jul ago set out Índice base móvel 105,0 119,9 97,4 115,5 112,0 115,0 112,0 100,1 101,5 c) Construa, com base nos valores do quadro, uma série de índices de base fixa em Janeiro de 2006. jan fev mar abr mai jun jul ago set out índice base fixa (Jan=100) 100,0 105,0 125,9 122,6 141,6 158,6 182,4 204,3 204,5 207,5 d) Acha que poderia ter obtido as taxas de variação calculadas na alínea a) e obtido a série de base móvel calculada em b) com base na série calculada em c)? Justifique e enuncie uma propriedade que respeite ao resultado obtido. Sim. Calculando o índice de base móvel a partir dos índices de base fixa – a circularidade dos índices e) Tomando por base a série calculada em c), calcule uma nova série de índices de base fixa em Março de 2006. Diga o que entende por mudança de base de um índice e enuncie, em termos sintéticos e de modo formalizado, a regra que descreve essa mudança. jan fev mar abr mai jun jul ago set out índice base fixa (Mar=100) 79,4 83,4 100,0 97,4 112,5 126,0 144,8 162,2 162,4 164,8 A mudança de base: ,0 , ,0 t t b b i i i = f) Tomando por base a série calculada em b), calcule a série de índices de base fixa em Março de 2006. Porque é que obtém os mesmos valores que obteve em e)? Diga o que
  • 18. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 18 entende por circularidade dos índices e represente, de modo formalizado, esta propriedade. Sim encadeando os índices. 1,0 2,1 2,0i i i∗ = Exercício 2 Considere a evolução das vendas do produto X do exercício 1. e admita que sabe que o preço deste bem, em Janeiro de 2006, era de 1200 €/ton. X. a) Calcule uma série do valor das vendas deste produto admitindo que o seu preço se manteve inalterado ao longo do ano de 2006. jan fev mar abr mai jun jul ago set out Valor vendas 2694360 2829600 3392400 3303840 3814920 4273200 4913520 5503440 5509200 5591280 b) Construa uma série de índices de base fixa em Janeiro de 2006 relativa ao valor das vendas deste produto. jan fev mar abr mai jun jul ago set out Índice de valor 100,0 105,0 125,9 122,6 141,6 158,6 182,4 204,3 204,5 207,5 c) Compare a série construída em c) com a que obteve na alínea c) do exercício anterior. Interprete o resultado dessa comparação à luz das propriedades conhecidas dos índices. É igual pois como os preços são sempre iguais, a única alteração que ocorreu nos valores das vendas foi a variação das quantidades. Admita agora que conhece a evolução dos preços deste produto ao longo do ano, que pode ser bem descrita pela seguinte série, de base fixa em Janeiro de 2006: jan fev mar abr mai jun jul ago set out 100,0 101,2 102,2 105,1 107,4 110,2 112,6 118,4 110,4 112,5 d) Construa uma nova série do valor das vendas deste produto. jan fev mar abr mai jun jul ago set out Valor vendas 2694360,0 2863555,2 3467032,8 3472335,8 4097224,1 4709066,4 5532623,5 6516073,0 6082156,8 6290190,0 e) Construa uma nova série de índices, de base fixa em Janeiro de 2006, relativa ao valor das vendas deste produto tendo em conta a evolução verificada dos preços. jan fev mar abr mai jun jul ago set out Índice de valor 100,0 106,3 128,7 128,9 152,1 174,8 205,3 241,8 225,7 233,5 f) Acha que pode obter a série do índice do valor das vendas obtida em e) a partir da série do índice do volume de vendas calculado no exercício 2.c) e da série dos índices de preços apresentada acima? Sim. Multiplicando ambos
  • 19. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 19 Índices Agregativos Exercício 1. Em 2002, a empresa Sol da Eira atingiu o valor de vendas 271.364 em milhares de euros. Sabe-se que o índice de preços com base fixa em 2002 e o crescimento das vendas a preços constantes tiveram os valores seguintes: 2002 2003 2004 2005 Índice de preços Base: 2002= 100 100,0 104,4 108,3 111,8 Crescimento das vendas a preços constantes -- 0,57% -0,67% 0,68% a) Determine o crescimento dos preços em 2003, 2004 e 2005. O crescimento dos preços em cada um dos anos pode ser obtido a partir do índice de base móvel: 2002 2003 2004 2005 Índice 1,000 1,044 1,083 1,037 1,044 = 1,118 =1,0323 1,083 Variação % 4,4% 3,7% 3,2% b) Determine o valor das vendas a preços constantes de 2005. Alternativa 1: Para se obter a série a preços constantes de 2005 é preciso: 1º - Calcular as quantidades vendidas em cada ano, se os preços se mantivessem constantes, i.e., a série a preços constantes de 2002. 2º - Inflacionar cada uma das quantidades vendidas em cada ano para obter o valor que teriam se os preços praticados fossem os que vigoraram em 2005. 2002 2003 2004 2005 [1] Valores das vendas a preços constantes de 2002 271 364 271364*1.0057= 272910,77 272910,77*(1-0,0067) =271082,27 271 082,27*1,0068= =272925.63 [2] Índice de preços de 2005 (base 2002) 1,118 1,118 1,118 1,118 [3]=[1]*[2] Valores das vendas a preços constantes de 2005 303 384,95 305 114,24 303 069,98 305 130,85 c) Determine o valor das vendas em 2003, 2004 e 2005 a preços correntes. As vendas a preços correntes obtém-se multiplicando cada valor a preços constantes de 2002 (linha 1 do quadro anterior) pelo índice de preços com base fixa nesse ano. 2002 2003 2004 2005 Valores das vendas a preços correntes 271 364 272910,77*1.044= 284 919 271082,27*1,083= =293 582 272925,63*1,118= =305 130,85 Nota: o valor de 2005 é igual pois os preços de referência são os mesmos. d) Determine a taxa média de crescimento dos preços entre 2002 e 2005. Taxa média de crescimento dos preços: 3 2005,2002 1,118 1 0,03788 3,8%r = − = ;
  • 20. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 20 Exercício 2. O quadro seguinte apresenta as estruturas de consumo de dois tipos de famílias e os índices de preços, com base em 2000, dos grandes grupos de produtos que integram o índice de preços no consumidor. Estruturas de consumo Índices de preços (2000 = 100) Família A Família B Dez 2004 Dez 2005 Alimentação 0,25 0,35 105,0 106,9 Transportes 0,10 0,20 110,3 115,2 Outros 0,65 0,45 107,1 109,6 a) Diga, quantificando, qual dos tipos de famílias suportou um maior aumento do respectivo custo de vida durante o ano de 2005. Cálculo do índice de variação dos preços em 2005: Alimentação 1,069 1,018 1,05 = ; Transportes: 1,152 1,044 1,103 = Outros: 1,096 1,023 1,071 = Sendo estes os índices elementares de preços de cada um dos grupos de produtos o índice sintético para cada tipo de famílias é uma média ponderada em que os ponderadores são os respectivos coeficientes orçamentais. Assim : Índice de custo de vida para as Famílias A: (0,25*1,018)+(0,1*1,04)+(0,65*1,023) = 1,0241=102,41 Índice de custo de vida para as Famílias B: (0,35*1,018)+(0,2*1,04)+(0,45*1,023) = 1,0257=102,57 Conclusão: As Famílias B tiveram um aumento maior no respectivo custo de vida. b) Admitindo que 40% das famílias do país são famílias A, sendo as restantes famílias B, qual foi o valor da inflação em 2005? O índice geral de inflação nestas condições é uma média ponderada dos dois grupos de famílias: 0,4 * 1,0241 + 0,6 * 1,0257 = 1,0251=102,51 c) Qual deverá ser o índice de preços da alimentação em Dezembro de 2006 se o ritmo de crescimento dos respectivos preços for o que se verificou em média desde 2000? Taxa média de crescimento dos preços da alimentação desde 2000: 5 1,069 1 0,0134− = (1,34%) Se o índice de preços da alimentação crescer à mesma taxa durante 2006 deverá ser, em Dezembro de 2006: 1,069 * 1,0134 = 1,0833=108,33
  • 21. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 21 Exercício 3. Considere o seguinte quadro relativo ao comportamento das exportações da empresa no período 1995-2004 Ano 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Índice dos preços implícitos nas exportações (1995=100) 100,0 99,4 102,6 103,8 104,0 109,4 110,7 111,0 108,1 109,4 Exportações a preços constantes de 2000 (Milhares euros) 26476,6 27990,2 29687,3 32228,5 33192,9 35951,4 36716,5 37284,6 38952 40735,7 a) Determine as taxas anuais de crescimentos dos preços implícitos nas exportações Obtém-se pelo cálculo da taxa de variação do índice dos preços 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Taxa -0,6 3,2 1,2 0,2 5,2 1,2 0,3 -2,6 1,2 b) Determine a taxa média de crescimento entre 1995 e 2004 dos preços implícitos das exportações. Verifique e explicite razões para a taxa média de crescimento ser diferente relativamente à média das taxas. 9 1,094 1 0,01 1%− = = . É igual à média geométrica das taxas mas não à média aritmética. c) Determine a taxa média de crescimento das exportações a preços constantes no período. 9 40735,7 1 0,049 4,9% 26476,6 − = = d) Faça uma breve reflexão sobre o crescimento do valor a preços correntes das exportações no período, apresentando todos os cálculos que julgue necessários. e) Determine para todos os anos o valor das exportações a preços constantes de 2004. Obtém-se inflacionando os valores a preços de 2000 pelo índice de preços entre 2000 e 2004. Neste caso os valores são iguais dado que a os preços das exportações em 2000 são iguais aos de 2004 (mesmo valor do índice). Ano 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 Exportações a preços constantes de 2004 (Milhares euros) 26476,6 27990,2 29687,3 32228,5 33192,9 35951,4 36716,5 37284,6 38952 40735,7
  • 22. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 22 Exercício 4. Considere a informação apresentada no Quadro seguinte relativa à economia Portuguesa. Quadro1. Evolução da FBCF em Portugal Unidade 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 FBCF (Preços correntes) Milhões de euros 19159 20841 24692 28244 30617 33103 34218 33841 30951 31933 31766 FBCF (taxa de variação anual dos preços) % 3,0 3,7 2,4 2,1 4,5 1,9 2,1 1,8 2,3 2,5 Fonte: INE a) Construa o índice de base fixa em 1995 da FBCF a preços correntes. O índice de base fixa em 1995 da FBCF a preços correntes obtém-se dividindo todos os valores da FBCF a preços correntes pelo valor de 1995. Para 1996, o valor é dado por 20841/19159=108,78 1995 1996 1996 1998 1997 2000 1998 2002 1999 2004 2005 Índice de base fixa FBCF a preços correntes (1995=100) 100,00 108,8 128,9 147,4 159,8 172,8 178,6 176,6 161,5 166,7 165,8 b) Construa o índice de base fixa em 2000 da evolução dos preços da FBCF. Para obter o índice de base fixa em 2000 da evolução dos preços podemos, por exemplo, seguir os três seguintes passos: 1) construir o índice de base móvel – igual a 1+a taxa de variação anual 2) construir o índice de base fixa em 1995 – utilizar a propriedade da circularidade ( 2,0 1,0 2,1*i i i= ) 3) mudar a base do índice para 2000, dividindo todos os valores obtidos em 2 pelo valor de 2000. 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 índice de base móvel 103 103,7 102,4 102,1 104,5 101,9 102,1 101,8 102,3 102,5 índice de base fixa em 1995 100,00 103,00 106,81 109,37 111,67 116,70 118,91 121,41 123,60 126,44 129,60 índice de base fixa 2000 85,69 88,26 91,53 93,73 95,69 100,00 101,90 104,04 105,91 108,35 111,05 c) Calcule a taxa anual média de crescimento dos preços da FBCF entre 1995 e 2005. A taxa média de crescimento dos preços pode ser obtida como a média geométrica das taxas anuais de crescimento dos preços dadas no enunciado. 10 1995,2005 ( (1 0,03)*(1 0,037)*(1 0,024)*(1 0,021)*(1 0,045)*(1 0,019)*(1 0,021)*(1 0,018)*(1 0,023)*(1 0,025) 1)*100r = + + + + + + + + + + − =2,63%
  • 23. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 23 d) Calcule os valores da FBCF entre 1995 e 2005 a preços de 2000. Os valores da FBCF a preços de 2000 podem ser obtidos dividindo os valores a preços correntes pelo índice de preços base fixa em 2000 calculado na alínea b). 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 FBCF a preços 2000 22357,89 23612,35 26977,29 30134,79 31994,77 33103,00 33579,98 32526,94 29223,15 29472,46 28605,13 e) Calcule a taxa de crescimento anual em volume da FBCF. A partir dos valores calculados na alínea anterior, é preciso calcular a taxa de variação ente dois anos consecutivos utilizando a fórmula da taxa de variação. 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 Taxa de variação anual em volume 5,6 14,3 11,7 6,2 3,5 1,4 -3,1 -10,2 0,9 -2,9 f) Admitindo que em 2006 a FBCF registará uma diminuição em volume de 1% e que os respectivos preços crescerão 2,3%, calcule o valor da FBCF a preços de 2000 e a preços correntes em 2006. Para calcular o valor estimado para 2006 a preços correntes temos que considerar a variação em valor. Para calcular a FBCF a preços de 2000 temos que considerar só a variação em volume. Assim, o valor estimado da FBCF em 2006 a preços correntes é igual à FBCF em 2005 a preços correntes multiplicado pelo índice em valor. O índice em valor é igual, por sua vez, ao produto dos índices de preços e de volume: FBCF 2006 a preços correntes=31766*0,99*1,025=32234,55 O valor estimado da FBCF a preços de 2000 é igual ao valor de 2005 a preços de 2000 calculado na alínea d) multiplicado pelo índice em volume. FBCF 2006 a preços 2000=28605,13*0,99=28319,08
  • 24. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 24 Exercício 5. O consumo das famílias Silva e Antunes em “Bens” e “Serviços”, nos anos de 2001 e 2005, é apresentado no quadro seguinte (valores em milhares de euros). 2001 2005 “Bens” 18,0 18,6Família Antunes “Serviços” 18,0 19,2 “Bens” 36,0 41,4Família Silva “Serviços” 48,0 56,0 Admitindo que são conhecidos os seguintes índices de preços para “Bens” e “Serviços”. (Base: 1997=100) 2001 2005 “Bens” 108 102 “Serviços” 105 110 a) Calcule o coeficiente orçamental dos “Bens” e dos “Serviços” para o conjunto formado pelas duas famílias, em 2001. 18 36 0.45 120 18 48 0.55 120 Bens Serviços Despesa em Bens Total da Despesa Despesa em Serviços Total da Despesa α α + = = = + = = = b) Admitindo que a economia era constituída por estas duas famílias calcule o Índice de Preços no Consumidor (Índice de Preços de Laspeyres) tomando como base o ano de 2001. O índice de preços de Laspeyres pode escrever-se como uma média ponderada dos índices simples de preços, respectivamente dos “Bens” e dos “Serviços”, em que os ponderadores são os coeficientes orçamentais no ano base (2001) de cada uma destas categorias. Como os índices de preços apresentados são índices de base fixa em 1997, a variação entre 2001 e 2005 obtém-se operando uma mudança de base do índice para 2001. Assim têm-se os índices simples: 2005,2001 2005,2001 102 110 0.9444 e 1.0476 108 105 Bens Serviços p p= = = = ... e o índice sintético de preços (Índice Laspeyres de preços) 2004,2001 2004,2001 0.45 0.9444 0.55 1.0476 1.00116 100,116 P Bens Serviços Bens ServiçosL p pα α= × + × = = × + × = = = Alternativamente podia aplicar-se directamente a fórmula, considerando os índices no ano base (2001) iguais a 1: , 1 0 , 0 0 . 0.9444 54 1.0476 66 1,00116 100,116 1 54 1 66 . Bens Serviços i i P i Bens Serviços i i i p q L p q × + × = = = = × + × ∑ ∑
  • 25. Análise da Informação Económica e Empresarial Pág. 25 c) Em termos reais onde é que a família Antunes aumentou mais o seu consumo: em “Bens” ou em “Serviços”? Considerando os valores dos índices de preços, correspondentes à variação entre 2001 e 2005, calculados na alínea anterior é fácil calcular o valor do consumo de “Bens” e de “Serviços” a preços constantes. Vem para a família Antunes: Consumos de “Bens” a preços de 2001: 18.6 19.7 0.9444 = Consumos de “Serviços” a preços de 2001: 19.2 16.7 1.0476 = Verifica-se assim que, dado o efeito dos preços relativos, a família Antunes aumentou (em termos reais ou “em volume”) o consumo de “Bens” (passando de 18 para 19,7 Mil €) enquanto reduziu, em termos reais, o consumo de “Serviços” (de 18 para 16,7 Mil €).