SlideShare uma empresa Scribd logo
Tipos ou sistemas de memória




               Memória Excepcional – Exemplo de
                        Amnésia Anterógrada.

                                                No filme americano Amnésia
                                                (“Memento”) , dirigido por
                                                Cristopher Nolan, Leonard, o
                                                personagem     principal,   se
                                                recorda    de     tudo     que
                                                aconteceu em sua vida até a
                                                noite do ataque no qual sua
                                                mulher foi morta e ele sofreu
                                                golpes na cabeça que o
                                                deixaram      com        danos
                                                cerebrais. Desde então, ele
                                                não consegue reter suas
                                                memórias.

                              MEMÓRIA E REPRESENTAÇÃO DO
                                    CONHECIMENTO




Ainda não sabemos exactamente quantos sistemas de memória existem e como
devem ser designados. No entanto, algumas ideias gerais parecem estar assentes.
Sabemos que a memória depende de alterações nos neurónios e nas suas ligações.
Sabemos, também, que os sistemas de memória já identificados dependem de
estruturas específicas do cérebro, de mecanismos próprios de codificação, de
estratégias e de regras internas.

Um número de telefone pode apagar-se facilmente da nossa mente, mas uma
recordação da infância pode manter-se para sempre. Assim se manifestam dois
grandes tipos de memória, a breve, designada por memória de curto prazo, e a
duradoura, designada por memória de longo prazo.

A memória de curto prazo envolve os processos que retêm a informação
temporariamente até ser esquecida ou guardada num armazém de longo prazo
tornando-se potencialmente permanente.

Apresenta duas componentes, a memória imediata e a de trabalho. A memória
imediata retém a informação quando é recebida, tornando-se o centro da nossa
atenção em determinado momento. Ocupa o pensamento durante mais ou menos 30


                                                                                 1
segundos e tem capacidade para mais ou menos sete ou oito itens. Mas este tempo
pode alargar-se se o conteúdo for repetido. Lembremo-nos de quando éramos
pequenos e a nossa mãe nos pedia que fôssemos comprar alguma coisa. Íamos pela
rua fora a repetir mentalmente ou a cantarolar «cinco pães, um pacote de leite, um
quilo de limões e o jornal». Esta é a memória de trabalho.

A memória de trabalho é uma espécie de lista de compras que é esquecida mal
acabamos de a utilizar. Da mesma forma, um número de telefone é passível de ser
mantido na memória durante um pequeno período de tempo, utilizando a mesma
estratégia. E para isso até o decompomos em conjunto de dois ou três elementos. Em
vez de repetirmos tudo de seguida 214295637, utilizamos três grupos de algarismos
214 295 637. Agora imagine-se alguém que tinha no seu atendedor de chamadas a
seguinte mensagem: «Acabou de ligar para o duzentos e vinte e oito milhões, cento e
cinquenta e três mil, novecentos e quarenta e dois. Deixe a sua mensagem após o
sinal ou, no caso de ter urgência, ligue para o novecentos e trinta e três milhões,
setecentos e vinte e um mil, e sessenta». Seria extremamente difícil não só
compreender o número como retê-lo.

A memória imediata e de trabalho operam em paralelo e são os dois componentes
principais da memória de curto prazo. Mas existem outros que se manifestam
posteriormente até ao estabelecimento de uma memória estável. Permitem manter a
informação de minutos a uma hora ou mesmo mais, bem para além do momento em
que ela está a ser activamente retida. Por exemplo, "amanhã não me posso esquecer
de levar o livro para emprestar à Ana". Após a tarefa cumprida, no dia seguinte, a
memória desaparece.

A memória de longo prazo envolve os processos que retêm recordações como
episódios da nossa vida, rostos de pessoas conhecidas ou conceitos.

Tanto a memória de curto prazo como a de longo prazo provocam alterações na
estrutura e nas ligações das células nervosas. As mesmas ligações entre neurónios
podem participar nos dois tipos de armazenamento. Existe um mecanismo semelhante
a um "transformador molecular" que converte a memória de curto prazo em memória
de longo prazo.

Na memória de longo prazo podemos identificar dois subsistemas diferentes, a
memória declarativa e a memória não declarativa. Elas dependem de sistemas
cerebrais diferentes.

A memória não declarativa, também chamada implícita ou "sem registo», é uma
memória automática e reflexa, que guarda as Informações de "saber como fazer as
coisas". As experiências são convertidas em processos que alteram a natureza do
organismo e as suas competências.

Não é uma recordação, mas uma alteração de comportamento, tal como esquiar, ler
um mapa ou andar de bicicleta. É inconsciente embora possa ser acompanhada de
algumas recordações, «espera lá, como é que costumo fazer isto?». Podemos
aprender a fazer qualquer coisa e a seguir lembrarmo-nos de alguns elementos da
mesma como, por exemplo, imaginarmo-nos a executá-Ia. No entanto, a capacidade
de desempenhar a competência parece ser independente de recordações conscientes.

A memória não declarativa envolve processos de aprendizagem simples e reflexos
como hábitos e condicionamentos. Por exemplo, quando aprendemos a andar de
bicicleta é provável prestarmos muita atenção às manobras da roda da frente, à
posição do guiador e ao acto de pedalar, primeiro com o pé esquerdo e depois com o


                                                                                 2
direito. Mas quando adquirimos prática, o acto de andar de bicicleta é guardado como
memória não declarativa, conduzimos e pedalamos automaticamente. Não é
necessário evocar conscientemente que é preciso pressionar os pedais com o pé
direito e depois com o esquerdo. Estas memórias mantêm-se intactas durante anos ou
décadas.

A memória não declarativa permite-nos conservar procedimentos para actuarmos no
mundo. À medida que vamos crescendo, aprendemos a dizer «por favor» e
«obrigado», a lavar os dentes antes de irmos para a cama e a executar uma série de
outros comportamentos que resultam da prática. Adquirimos muitos desses hábitos
nos primeiros anos de vida sem qualquer esforço óbvio e quase sem repararmos que
a aprendizagem está a decorrer. Por exemplo, quando aprendemos a ler, passamos
com hesitação de palavra para palavra mas, depois de alguma prática, conseguimos
ler rapidamente, movimentando os olhos para um ponto diferente quatro vezes por
segundo, compreendendo mais de trezentas palavras por minuto.

A memória declarativa, também chamada explícita ou «com registo», é uma memória
consciente do passado, um conjunto de Informações sobre pessoas, lugares,
situações, acontecimentos ou factos, que guarda informações do «saber que». É a ela
que habitualmente nos referimos quando usamos o termo «memória». É uma memória
consciente do nome da nossa avó, do primeiro rei de Portugal, dos planetas do
sistema solar, da conversa desta manhã.

Lembremo-nos do nome de um dos nossos amigos. Lembremo-nos do rosto dessa
pessoa, do som da sua voz e da maneira de falar. Depois, lembremo-nos de um
acontecimento particular em que tenha participado, uma conversa importante, uma
viagem ou uma festa especial. Estamos a recriar o episódio, na nossa imaginação,
deslocando-nos para o contexto, espacial e temporal, em que aconteceu. Parece
surpreendente a facilidade com que evocamos a cena e o que se passou.
Curiosamente, ao realizarmos um exercício deste tipo não precisamos de treino nem
de instruções. Recordar de forma vivida o passado é algo que todos fazemos
diariamente, sem grande esforço. A memória declarativa é a memória de todos os
conhecimentos que podem ser «declarados» sob a forma de proposições verbais ou
de imagens mentais. Ela é imperfeita, passível de inexactidões e de distorções, mas
também pode ser fiel, especialmente quando guarda conhecimentos gerais sobre o
mundo. Podemos confundir o nome de uma pessoa ou uma data de aniversário, mas
não confundimos um elefante com uma baleia.

Muitas actividades requerem os três tipos de memória. Vejamos o jogo do ténis.
Conhecer as regras ou quantos sets são precisos para ganhar uma partida envolve a
memória semântica. Lembrar o lado que foi o último a servir, requer a memória
episódica. Saber lançar a bola ou fazer um serviço envolve a memória não declarativa.


Processos básicos de memória (Momentos essenciais)

   •   Recepção e codificação da informação
   •   Armazenamento da informação
   •   Recuperação da informação
   •   Esquecimento da informação


O matemático John Griffith estimou que, num tempo médio de vida, uma pessoa
armazena o equivalente a quinhentas vezes mais informação do que aquela que se



                                                                                   3
pode encontrar em todos os volumes da Enciclopédia Britânica. John von Newmann,
um dos pais dos computadores, calculou que, em média, as recordações
memorizadas durante toda a vida humana deveriam atingir 2,8 x 1020 unidades
elementares de informação. Correspondentes a vinte e oito milhares de milhão de bits
e cerca de trezentos milhões de gigabites. Haverá espaço no nosso cérebro para este
incrível volume de recordações? Em termos teóricos, o nosso cérebro não está mal
equipado, cem mil milhões de neurónios, cada um dos quais com centenas ou
milhares de possíveis contactos nervosos com outros neurónios, constitui uma rede
nervosa de notável potência. A capacidade da memória humana depende de
operações muito complexas.


A primeira operação de tratamento da informação é a recepção e codificação.
À medida que chega, a informação sensorial é codificada de forma a poder ser
comunicada ao cérebro.




Podem ser utilizados vários códigos. Por exemplo, pensemos na frase "Hoje está sol".
Se codificarmos o som das palavras, tal como foram ditas, estamos a usar um código
acústico e a informação é representada na memória como uma sequência de sons. Se
codificarmos a imagem das letras, tal como estão organizadas em signos, estamos a
usar um código visual e a informação é representada na memória como uma imagem.
Finalmente, se codificarmos o facto "estar sol", estamos a usar um código semântico,
e a informação é representada na nossa memória pelo seu significado. O tipo de
código usado pode influenciar o que é lembrado.

Quando a codificação envolve bastante trabalho, ou seja, quando a informação é
processada a um nível profundo, lembramo-nos dela mais facilmente.

Quando estamos a estudar um assunto, quanto mais gostarmos dele, quanto mais
necessidade, desejo ou curiosidade tivermos, quanto mais nos implicarmos nessa
tarefa, melhor será a sua aprendizagem. Mesmo quando a memória de qualquer facto
pareceu não exigir esforço, o processo não é assim automático. Determinadas
situações ou factos são recordados porque nos interessam realmente, mesmo sem
termos consciência disso. Lembramo-nos porque desencadeamos espontaneamente
operações de codificação profundas e elaboradas. Se não estivermos a fazer um
esforço deliberado, são os nossos interesses e preferências que direccionam a
atenção e influenciam a quantidade e a qualidade da codificação.


O segundo processo é o armazenamento. Trata-se da manutenção da
informação ao longo do tempo, muitas vezes durante muito tempo.




                                                                                  4
Recordar umas férias da infância depende da capacidade de armazenamento da
nossa memória. De que forma é que a informação codificada se mantém na memória?
Não existe um sítio específico no cérebro onde se arrumam as recordações. No
entanto, a informação não está espalhada por todo o lado. Ainda não é possível
localizar os pontos onde a representação de um determinado objecto está
armazenada. Mas as novas técnicas de recolha de imagens cerebrais têm mostrado
que várias regiões cerebrais estão envolvidas no registo de um único acontecimento, e
que cada região contribui de forma diferente para o todo. As alterações no cérebro,
resultado da codificação e do registo da experiência, produzem traços mnésicos
também chamados engramas.

A informação nova vai modificar um conjunto complexo de processos bioquímicos e
cada informação, engrama, é representada por uma configuração particular da
actividade nervosa. Num primeiro momento, o engrama é dinâmico e produzem-se
mudanças nas ligações neuronais. Depois, torna-se estrutural, permanente, e capaz
de reproduzir a actividade nervosa necessária à actualização da informação. Por isso,
a memória não se estabelece num momento. Pelo contrário, leva um tempo
considerável a desenvolver a sua forma permanente. O processo de fixação requer
várias etapas e até estar completo, a memória mantém-se vulnerável a perturbações.
Grande parte deste processo completa-se durante as primeiras horas de
aprendizagem. Mas a estabilização estende-se muito para além deste ponto e envolve
alterações contínuas na organização da memória de longo prazo.


O terceiro processo é a recuperação. Ocorre quando localizamos a informação
na memória e a trazemos à consciência.




Recuperar informações armazenadas, como um endereço ou um número de telefone,
é normalmente tão rápido e fácil que parece automático. Só quando tentamos recordar
outros tipos de informação, tal como a resposta a uma pergunta que conhecemos mas
que não conseguimos evocar, tomamos consciência do processo de busca. O
processo de recuperação inclui a evocação e o reconhecimento. Quando não somos
capazes de nos lembrar do nome de alguém, mas sabemos que conhecemos aquela
cara, está em jogo este processo. Analisamos o estímulo, a cara, e procuramos na
memória o nome que lhe está associado. Primeiro temos que saber se conhecemos a
cara ou não, reconhecimento, e depois procuramos o tal nome, evocação. Quando
estamos a responder a itens de escolha múltipla, estamos perante informação que
identificamos e comparamos com a que temos guardada. É uma tarefa de
reconhecimento.

A recuperação é ajudada por pistas, as alternativas. Quando estamos a responder a
itens de resposta aberta, temos que procurar a informação necessária, a partir de
estímulos gerais. É uma tarefa de evocação. Temos de recuperar a informação sem
muita ajuda. O reconhecimento tende a ser mais fácil do que a evocação.




                                                                                   5
E como a nossa memória não é um gravador de som nem de imagem, os erros podem
introduzir-se em qualquer momento, durante a codificação, o armazenamento ou a
recuperação. Não sabemos ainda se o cérebro tem limites para armazenar
informação. Mas sabemos que algumas situações, como a fadiga ou o aborrecimento,
podem dificultar todo este processo. A última operação que falta neste esquema é o
esquecimento e dele nos ocuparemos a seguir.


Memória e esquecimento




                                 Esquecimento

                                Florbela Espanca


                         Esse de quem eu era e era meu,
                         Que foi um sonho e foi realidade,
                        Que me vestiu a alma de saudade,
                        Para sempre de mim desapareceu.

                        Tudo em redor então escureceu,
                         E foi longínqua toda a claridade!
                    Ceguei... tacteio sombras... que ansiedade!
                        Apalpo cinzas porque tudo ardeu!

                     Descem em mim poentes de Novembro...
                     A sombra dos meus olhos, a escurecer...
                      Veste de roxo e negro os crisântemos...

                    E desse que era eu meu já me não lembro...
                          Ah! a doce agonia de esquecer
                    A lembrar doidamente o que esquecemos...!




Texto extraído do livro "Sonetos", Bertrand Brasil - Rio de Janeiro, 2002, pág. 181.




                                                                                   6
O esquecimento é uma condição da memória

Os mais velhos têm frequentemente a sensação de que a sua memória está a
abarrotar de recordações e que às vezes é difícil lembrarem-se daquilo que é útil e
deixar de lado aquilo que, pelo contrário, parece "inútil". Mas independentemente da
idade, a maior parte das pessoas considera que a sua memória não funciona tal como
gostariam.

O esquecimento é normalmente sentido como uma espécie de "patologia" da
memória. Porém, todas as pessoas, dia após dia, sabem o seu nome, fazem o jantar,
lêem, entram no seu carro e conduzem no meio do trânsito travando, acelerando,
accionando as mudanças, sem acusarem qualquer problema de memória.

O esquecimento é a incapacidade, provisória ou definitiva, de aceder
conscientemente a uma informação adquirida ou a uma experiência vivida no
passado mais imediato ou mais longínquo.




No dia seguinte a vermos um filme conseguimos contar o argumento e a acção de
forma detalhada. No entanto, um ano mais tarde, não nos lembramos senão de um
esboço do filme e talvez de fragmentos de algumas cenas.

À primeira vista, o esquecimento parece ser uma desvantagem. Não seria melhor
recordar tudo o que lemos, nunca nos esquecermos de onde deixámos as chaves ou
os óculos, guardarmos todas as situações que consideramos importantes? Esta
questão não tem ainda uma resposta clara, mas parece que, sem esquecimento, a
nossa capacidade de adaptação estaria seriamente ameaçada. O esquecimento é
consequência do funcionamento da memória e, longe de ser uma limitação, é uma
necessidade. Os sistemas cognitivos artificiais não esquecem nada, o que significa
que não são capazes de modificar significativamente a informação em função da sua
experiência do mundo. Podemos compreender este facto se analisarmos o que se
passa com pessoas que não conseguem esquecer.


Uma pergunta que parece importante é «Esquecemos realmente a informação,
ela desaparece do nosso cérebro, ou perdemos a capacidade de nos lembrar
dela?»

O esquecimento repressivo (motivação inconsciente)

As amnésias psicopatológicas foram identificadas no fim do século XIX, tendo sido
Freud um dos investigadores que se interessaram por este assunto. Elas



                                                                                  7
manifestam--se como um esquecimento defensivo. A pessoa evita a recordação
consciente de um acontecimento doloroso do passado, exercendo, inconscientemente,
uma repressão sobre memórias penosas. Freud considerava que situações, por
exemplo da infância,
que nos tenham perturbado e produzido angústia podem ser «recalcadas», guardadas
de forma a dificilmente termos acesso a elas. O esquecimento destas situações seria
psicologicamente motivado. Existe um mecanismo de defesa, o recalcamento, que nos
protege de recordar factos que podem ser emocionalmente muito perturbadores. Estas
memórias seriam guardadas no inconsciente por serem demasiado ameaçadoras se
lembradas.

O esquecimento provocado

Este tipo de esquecimento pode ser consequência da ingestão de medicação, de
drogas ou de álcool. Uma das personagens de Shakespeare, Lady Macbeth, que
precisa de agir em segredo, decide recorrer às bem conhecidas propriedades do
álcool, e afirma: «De tal forma hei-de embrutecer os camareiros no vinho, que neles, a
memória guardiã do cérebro, será fumo, e a sede da razão, um simples alambique». O
álcool, como é sabido, não reduz apenas o tempo de reacção, o sentido crítico, a
ansiedade, mas age também sobre a memória. E Shakespeare que, ao que parece, se
embriagava frequentemente, observa que o vinho pode alterar a memória por um
breve período de tempo. Uma ingestão continuada de álcool em grandes quantidades
tem consequências bem conhecidas de perda de concentração, problemas de
equilíbrio e deficiente sentido de coordenação. Começa por destruir células do fígado
e de partes do cérebro e pode conduzir a uma forma de amnésia grave e irreversível,
conhecida como Síndrome de Korsakoff, devida à falta de tiamina, uma vitamina do
complexo B, que no alcoólico não é suficientemente absorvida.

Depressão

Alzheimer

Intoxicações

AVC




O efeito de drogas que criam
dependência é complexo e, em geral,
prejudicial para a memória. Existem
fármacos que penetram nas células do
cérebro para tratar várias doenças como                                       a
epilepsia, a doença de Parkinson ou
estados depressivos. Tomados nas doses
recomendadas, não afectam a memória
de modo grave. A excepção são os
chamados «tranquilizantes», que podem
provocar esquecimento ou mesmo
amnésia quando tomados sem vigilância médica ou em doses excessivas. Toda a
medicação eficaz tem inevitavelmente efeitos colaterais. As vantagens têm de ser
confrontadas com os riscos e isso só o médico pode avaliar.




                                                                                    8
O esquecimento provocado também pode ser consequência de doenças e lesões
cerebrais. Traumatismos, doenças do foro neurológico, acidentes vasculares
cerebrais, tumores ou intervenções cirúrgicas, podem produzir lesões directas no
suporte material da memória, quer dizer, no cérebro. Por exemplo, a doença de
Alzheimer é uma degradação mental progressiva, que ocorre normalmente em
pessoas de idade avançada. Os primeiros sintomas são distúrbios da memória que se
tornam progressivamente mais graves até à incapacidade de se reconhecer a si
próprio. Nestes doentes, a memória autobiográfica parece ser a mais afectada. Os
estados de stress e de depressão, ou os choques emocionais fortes também podem
causar amnésias.

O esquecimento regressivo

Com a idade, muitas pessoas podem manifestar dificuldades de memória quer ao nível
de aprendizagens novas, que na evocação de nomes de pessoas conhecidas ou de
acontecimentos recentes. Estas perturbações são muito diferentes das referidas
anteriormente, mesmo se resultarem da degenerescência progressiva dos tecidos
celulares cerebrais devida à idade. No entanto, com o aumento da esperança de vida,
os progressos da medicina, a vontade das pessoas mais velhas de continuarem a
trabalhar e a assumir responsabilidades sociais, os efeitos negativos da senescência
são diminuídos. As investigações mostram que a capacidade da memória imediata
muda relativamente pouco com a idade, mas as tarefas de atenção partilhada ou a
memória de trabalho são mais afectadas. É importante salientar que isto depende da
ocupação da pessoa e das capacidades cognitivas que continua ou não a exercer.


O esquecimento vulgar (interferência de novas aprendizagens)

   •   Inibição proactiva – Deterioração dos conteúdos mnésicos provocada pela
       interferência de recordações passadas.
   •   Inibição rectroactiva – Deterioração dos conteúdos mnésicos provocada pela
       interferência de novas informações.

Pode acontecer que a memória esteja lá e nós não a consigamos evocar por falta de
pistas. Mas também pode acontecer que os traços mnésicos não passem para a
memória de longo prazo pela capacidade limitada desta memória ou porque não foram
transferidos. O carácter sucessivo de actividades mais ou menos similares efectuadas
pela pessoa pode ser responsável pelo esquecimento. Mas, hoje em dia, aquilo que a
investigação demonstra como sendo mais provável é que, como as experiências
novas implicam sempre a reorganização das representações da memória, ou seja, dos
circuitos da informação nas redes de neurónios, os nossos registos da experiência
vão-se alterando, enfraquecendo e modificando, produzindo-se neste processo o
esquecimento. As memórias não declarativas tendem a ser mais estáveis do que as
declarativas.




                                                                                  9
Memória, memórias

                                A memória permite-nos saber quem somos


                         Somos quem somos porque conseguimos lembrar-nos
daquilo em que pensamos. Cada pensamento que temos, cada palavra que dizemos,
cada acção que levamos a cabo, na verdade, o sentido de nós mesmos e o sentido de
ligação com outros, deve-se à nossa memória, à capacidade de o nosso cérebro
registar e armazenar as nossas experiências. A memória é a cola que aglutina a
nossa vida mental, a base que sustenta a nossa história pessoal e que possibilita o
crescimento e a mudança ao longo da vida. Quando se perde a memória perde-se a
capacidade de recriar o nosso passado e, em consequência, perde-se a nossa ligação
connosco próprios e com os outros.

                       Adaptado de L. Squire e E. Kandel, Memória. Da mente às moléculas, 2002


A identidade pessoal

Já sabemos que à medida que vamos adquirindo informação o nosso cérebro se
modifica. Uma vez que todos somos educados em ambientes de certo modo diferentes
e temos experiências também diferentes, a arquitectura do cérebro de cada um de nós
é alterada de forma única. Mesmo os gémeos idênticos, que partilham os mesmos
genes, não têm cérebros iguais, pois também eles têm experiências de vida algo
diferentes. É evidente que cada um de nós tem um conjunto de estruturas cerebrais e
um padrão comum de ligações entre os neurónios baseados no esquema da nossa
espécie. Este esquema básico do cérebro humano é igual para todos os indivíduos.
Mas os pormenores do esquema variam de pessoa para pessoa. Por isso, cada um
de nós é único, como única é a experiência de vida registada na memória.

A maior parte daquilo que sabemos sobre o mundo não existe na nossa mente à
nascença, sendo adquirido através da experiência e guardado na memória. Somos
quem somos, em grande parte, devido ao que aprendemos e lembramos. Quando
recordamos, utilizamos uma representação de nós próprios para nós próprios e para
aqueles que nos rodeiam.


Somos a forma como nos representamos nas nossas memórias, a forma como
nos definimos como pessoas e como membros de grupos através das nossas
memórias, a forma como ordenamos e estruturamos as ideias nas nossas
memórias e a forma como transmitimos essas memórias a outros. Somos
aquilo de que nos lembramos. A perda da memória conduz à perda do
sentimento de si, à perda da nossa história de vida e à perda de vínculos com
outros seres humanos.




                                                                                           10
Assim, a memória permite ordenar e dar sentido às recordações significativas de uma
vida. A memória organiza o processo contínuo de construção da nossa identidade,
através do qual nos tornámos únicos, do ponto de vista biológico e cultural. O nosso
processo de construção não tem fim. É sempre um processo de reconstrução.

Quando somos crianças, esperamos que os pais e os avós nos falem de como éramos
em bebés, nos contem histórias acerca de nós, nos digam quem somos. As histórias
contadas às crianças contribuem para lhes dizer quem são elas e quem são os outros,
o que é o mundo, de onde vem e para onde poderá ir. A criança, quando pede ao avô
para lhe contar uma história, procura não só a dimensão fantástica que o conto
encerra, como também a sua própria identidade.

Fotografar as crianças é fazer-se historiador da sua infância e preparar-lhes um legado
de imagens e de memórias do que foram. O álbum de retratos de uma família exprime
uma recordação social. As imagens do passado, dispostas por ordem cronológica,
evocam os acontecimentos importantes. São também factores de relação porque vão
buscar ao passado a confirmação da sua unidade presente. É por isso que não há
nada que estabeleça mais a confiança do que um álbum de família. Todas as
aventuras singulares da recordação individual se esbatem e o passado comum
emerge. A memória é um mosaico em que se alternam imagens e interpretações da
realidade, factos e opiniões, significados e valores, sentido do passado e antecipação
do futuro. Nesta perspectiva, a memória dos mais velhos serve de ponte entre o
passado e o futuro, assegura a continuidade histórica e, não menos importante, leva-
nos a reflectir acerca do significado individual e colectivo das recordações.


A memória social

A capacidade de evocação e de reconstrução de episódios do passado é importante
não apenas para cada um de nós como para a colectividade. Histórias e memórias
individuais e colectivas estão intimamente relacionadas.

Por isso, a memória não é apenas um registo da experiência pessoal. Os seres
humanos têm capacidade para comunicar aos outros o que aprenderam. Ao fazê-lo,
criam culturas que podem ser transmitidas de geração em geração. A memória é
estruturada pela linguagem, pela observação, por ideias assumidas colectivamente e
por experiências partilhadas com os outros. Tudo isto constrói a memória social.


A memória social guarda acontecimentos e experiências passadas, reais ou
imaginárias. Com efeito, a experiência passada, recordada, e as imagens
partilhadas do passado histórico são recordações importantes para a
constituição dos grupos sociais no presente.



A memória não se divide em dois compartimentos um pessoal e outro social. Algumas
das nossas recordações parecem na verdade ser mais privadas e pessoais do que
outras. No entanto, esta distinção entre memória pessoal e memória social é relativa.
As nossas recordações estão misturadas e têm ao mesmo tempo um aspecto
social e outro pessoal.

A nossa memória estrutura-se em identidades de grupo.




                                                                                    11
Recordamos a nossa infância como membros da família, o nosso bairro como
membros da comunidade local, a nossa vida profissional em função da organização
em que estamos inseridos, e assim por diante. Estas recordações são essencialmente
memórias de grupo e a memória de uma pessoa só existe na medida em que essa
pessoa é um produto único de determinada relação de grupos.

As recordações que partilhamos com outros são aquelas que são relevantes no
contexto de um certo grupo social, quer seja estruturado e duradouro (família, por
exemplo) ou informal e temporário (um grupo de amigos que frequenta a mesma
escola). Os grupos sociais constroem as suas próprias imagens do mundo criando
uma versão própria do passado. Na verdade, as nossas recordações pessoais e até a
forma como as recordamos são na sua origem, sociais. A memória é um processo
complexo que inclui tudo, desde uma sensação mental altamente privada e
espontânea, até uma solene cerimónia pública.

A memória colectiva é o que fica da vivência dos grupos, ou o que estes fazem do
passado. Nas sociedades sem escrita há especialistas da memória, «homens
-memória», narradores e contadores de histórias. Também antigamente se veneravam
os velhos porque eles eram guardiães da memória, com prestígio e úteis à
comunidade. A memória traduz-se num «comportamento narrativo» com uma função
social, porque é uma comunicação ao outro na ausência desse acontecimento.
(Sugestão de leitura: “Cão velho entre flores” de Baptista-Bastos)


A memória, paradoxalmente, tem um carácter transitório. Podemos imaginá-Ia como
um lugar onde se guardam objectos de valor, adquiridos durante uma vida de árduo
trabalho. Mas tratam-se de objectos que não sobrevivem à morte da pessoa e que não
podem ser deixados em herança. Para nos defendermos deste carácter transitório
inerente à mortalidade da memória, desenvolvemos memórias artificiais. A prótese
mais antiga é a escrita, na Antiguidade, sobre tábuas de argila ou de cera e sobre
papiro, na Idade Média sobre pergaminho e pele e, mais tarde, sobre papel. Sobre
estas superfícies podiam traçar-se desenhos de todo o tipo, caracteres, planos,
retratos, mapas. O aparecimento da fotografia, em 1839, proporcionou uma memória
artificial que se aperfeiçoou rapidamente e que oferecia a possibilidade de registar
imagens em movimento. A conservação do som" um sonho durante séculos, tornou-se
realidade graças ao fonógrafo de Edison patenteado em 1877. Hoje em dia, dispomos
de numerosas memórias externas para gravar o que registam a vista e o ouvido,
cassetes, vídeos, CD, memórias de computador, hologramas. Agora, a imagem e o
som podem deslocar-se no tempo, são repetíveis, reproduzíveis, numa escala que
parecia impensável há 50 anos.


A amnésia não é só uma perturbação individual. A falta ou perda de memória colectiva
dos povos e das nações, voluntária ou involuntária, pode produzir perturbações graves
na identidade colectiva. As recordações podem ser manipuladas, consciente ou
inconscientemente, pelos interesses, desejos ou censura. Na história da humanidade,
a memória colectiva várias vezes foi posta em causa em lutas pelo poder. Apoderar-se
da memória e do esquecimento é uma das grandes preocupações dos grupos ou dos
indivíduos que dominaram e dominam as sociedades. Os esquecimentos e os
silêncios da história são reveladores desses mecanismos de manipulação da memória
colectiva. Por isso a memória colectiva é também um instrumento e um objectivo de
poder. Em determinados momentos, a memória social foi alterada, falsificando-se
arquivos, textos de História e até material fotográfico.




                                                                                  12
Há um slogan que diz «Quem controla o passado, controla o futuro; quem
controla o presente, controla o futuro». (Sugestão de leitura: 1984, G. Orwell)

As recordações familiares, as histórias de um determinado lugar, de uma família, de
conhecimentos não oficiais, não institucionalizados, representam a consciência
colectiva não só de uma pessoa, através da sua experiência pessoal como de grupos
inteiros, de famílias, de comunidades. Esta memória pode contrapor-se a um
conhecimento privatizado e monopolizado por grupos que desejam defender
interesses próprios. A memória procura salvar o passado apenas para dar sentido ao
presente e construir o futuro. Por isso, a memória colectiva de servir para libertar e não
para escravizar os homens.




                                                                                       13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
psicologiaazambuja
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
Jorge Machado
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
A memória
A  memóriaA  memória
Mente Humana 5
Mente Humana 5 Mente Humana 5
Mente Humana 5
Jorge Barbosa
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
aritovi
 
A memória
A memóriaA memória
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
Pedro Alcario
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
psicologiaazambuja
 
Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimento
Pedro Alves
 
Memoria armazenagem
Memoria armazenagemMemoria armazenagem
Memoria armazenagem
Beatriz Ligabue
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
Edgar Rendeiro
 
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOSMEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
LIMA, Alan Lucas de
 
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMOMEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
LIMA, Alan Lucas de
 
Fisiologia da Memória
Fisiologia da MemóriaFisiologia da Memória
Fisiologia da Memória
juliivaz
 
Cérebro e Memória
Cérebro e MemóriaCérebro e Memória
Cérebro e Memória
Rafael Bernardo de Castro
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
Luis De Sousa Rodrigues
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
PatriciaPereira240
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 

Mais procurados (20)

Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
 
A memória
A  memóriaA  memória
A memória
 
Mente Humana 5
Mente Humana 5 Mente Humana 5
Mente Humana 5
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Memoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimentoMemoria e o esquecimento
Memoria e o esquecimento
 
Memoria armazenagem
Memoria armazenagemMemoria armazenagem
Memoria armazenagem
 
A memória
A  memória A  memória
A memória
 
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOSMEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
MEMÓRIA: TIPOS E MECANISMOS
 
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMOMEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
MEMÓRIA: TIPO E MECANISMO
 
Fisiologia da Memória
Fisiologia da MemóriaFisiologia da Memória
Fisiologia da Memória
 
Cérebro e Memória
Cérebro e MemóriaCérebro e Memória
Cérebro e Memória
 
Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
 
A memória a curto prazo
A memória a curto prazoA memória a curto prazo
A memória a curto prazo
 

Destaque

Ilusao de optica
Ilusao de opticaIlusao de optica
Ilusao de optica
Marcelo Anjos
 
Imagem e percepcao de marcas de moda
Imagem e percepcao de marcas de modaImagem e percepcao de marcas de moda
Imagem e percepcao de marcas de moda
Marcelo Anjos
 
O modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectamO modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectam
Marcelo Anjos
 
Definicao de inteligencia
Definicao de inteligenciaDefinicao de inteligencia
Definicao de inteligencia
Marcelo Anjos
 
O processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principaisO processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principais
Marcelo Anjos
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
Marcelo Anjos
 
Ficha de trabalho [afectos, emocoes e sentimentos]
  Ficha de trabalho  [afectos, emocoes e sentimentos]  Ficha de trabalho  [afectos, emocoes e sentimentos]
Ficha de trabalho [afectos, emocoes e sentimentos]
Marcelo Anjos
 
Inteligência sintese do essencial
Inteligência   sintese do essencialInteligência   sintese do essencial
Inteligência sintese do essencial
Marcelo Anjos
 
Frustraçao e conflito
Frustraçao e conflitoFrustraçao e conflito
Frustraçao e conflito
Marcelo Anjos
 
Inteligência emocional
Inteligência emocionalInteligência emocional
Inteligência emocional
Marcelo Anjos
 
Percepção e auto estima
Percepção e auto estimaPercepção e auto estima
Percepção e auto estima
Marcelo Anjos
 
Inteligencia varias concepcoes
Inteligencia   varias concepcoesInteligencia   varias concepcoes
Inteligencia varias concepcoes
Marcelo Anjos
 
Teste perceptivo
Teste perceptivoTeste perceptivo
Teste perceptivo
Marcelo Anjos
 
Conceito motivaçao
Conceito motivaçaoConceito motivaçao
Conceito motivaçao
Marcelo Anjos
 
O processo preceptivo e cognitivo esquema
O processo preceptivo e cognitivo   esquemaO processo preceptivo e cognitivo   esquema
O processo preceptivo e cognitivo esquema
Marcelo Anjos
 
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionaisInteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
CatarinaNeivas
 
Estrutura familiar e dinamica social módulo 3 - psicologia e sociologia
Estrutura familiar e dinamica social   módulo 3 - psicologia e sociologiaEstrutura familiar e dinamica social   módulo 3 - psicologia e sociologia
Estrutura familiar e dinamica social módulo 3 - psicologia e sociologia
Arnaldo Parente
 
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacionalConceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
Lorredana Pereira
 
Ciclo motivacional
Ciclo motivacionalCiclo motivacional
Ciclo motivacional
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos cognitivos a inteligência
Processos cognitivos  a inteligênciaProcessos cognitivos  a inteligência
Processos cognitivos a inteligência
psicologiaazambuja
 

Destaque (20)

Ilusao de optica
Ilusao de opticaIlusao de optica
Ilusao de optica
 
Imagem e percepcao de marcas de moda
Imagem e percepcao de marcas de modaImagem e percepcao de marcas de moda
Imagem e percepcao de marcas de moda
 
O modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectamO modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectam
 
Definicao de inteligencia
Definicao de inteligenciaDefinicao de inteligencia
Definicao de inteligencia
 
O processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principaisO processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principais
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Ficha de trabalho [afectos, emocoes e sentimentos]
  Ficha de trabalho  [afectos, emocoes e sentimentos]  Ficha de trabalho  [afectos, emocoes e sentimentos]
Ficha de trabalho [afectos, emocoes e sentimentos]
 
Inteligência sintese do essencial
Inteligência   sintese do essencialInteligência   sintese do essencial
Inteligência sintese do essencial
 
Frustraçao e conflito
Frustraçao e conflitoFrustraçao e conflito
Frustraçao e conflito
 
Inteligência emocional
Inteligência emocionalInteligência emocional
Inteligência emocional
 
Percepção e auto estima
Percepção e auto estimaPercepção e auto estima
Percepção e auto estima
 
Inteligencia varias concepcoes
Inteligencia   varias concepcoesInteligencia   varias concepcoes
Inteligencia varias concepcoes
 
Teste perceptivo
Teste perceptivoTeste perceptivo
Teste perceptivo
 
Conceito motivaçao
Conceito motivaçaoConceito motivaçao
Conceito motivaçao
 
O processo preceptivo e cognitivo esquema
O processo preceptivo e cognitivo   esquemaO processo preceptivo e cognitivo   esquema
O processo preceptivo e cognitivo esquema
 
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionaisInteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
Inteligência - Processos cognitivos, emocionais e motivacionais
 
Estrutura familiar e dinamica social módulo 3 - psicologia e sociologia
Estrutura familiar e dinamica social   módulo 3 - psicologia e sociologiaEstrutura familiar e dinamica social   módulo 3 - psicologia e sociologia
Estrutura familiar e dinamica social módulo 3 - psicologia e sociologia
 
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacionalConceito motivacional e_ciclo_motivacional
Conceito motivacional e_ciclo_motivacional
 
Ciclo motivacional
Ciclo motivacionalCiclo motivacional
Ciclo motivacional
 
Processos cognitivos a inteligência
Processos cognitivos  a inteligênciaProcessos cognitivos  a inteligência
Processos cognitivos a inteligência
 

Semelhante a Tipos e momentos de memoria

PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
vilcielepazebem
 
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaapsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
RafaelaQueiros
 
Faça seu cérebro trabalhar para você
Faça seu cérebro trabalhar para você  Faça seu cérebro trabalhar para você
Faça seu cérebro trabalhar para você
Tanea Maria Mota Rios e Rios
 
Curso de memorizacao
Curso de memorizacaoCurso de memorizacao
Curso de memorizacao
Raphael Nascimento
 
Neuroanatomia e neurofisiologia da memória
Neuroanatomia e neurofisiologia  da memóriaNeuroanatomia e neurofisiologia  da memória
Neuroanatomia e neurofisiologia da memória
PaulaGabriele13
 
Curso Memória - Parte 01
Curso Memória - Parte 01Curso Memória - Parte 01
Curso Memória - Parte 01
Espaço da Mente
 
Exercite seu cerebro
Exercite seu cerebroExercite seu cerebro
Exercite seu cerebro
Adinei Omais
 
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Espaço da Mente
 
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraEstimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Mara Silvia Fonseca Fonseca
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Nucleo Nacional
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
Amyris Fernandez
 
MENTE
MENTEMENTE
AULA_4_Memória.pptx
AULA_4_Memória.pptxAULA_4_Memória.pptx
AULA_4_Memória.pptx
EleonoraVaccarezza
 
Leitura dinâmica e memorização técnicas e aplicação
Leitura dinâmica e memorização técnicas e aplicaçãoLeitura dinâmica e memorização técnicas e aplicação
Leitura dinâmica e memorização técnicas e aplicação
Rodrigo Cisco
 
Pilates para Cérebro
Pilates para CérebroPilates para Cérebro
Pilates para Cérebro
Antônio Alexandre Fortuna
 
Pilates Pro Cerebro
Pilates Pro CerebroPilates Pro Cerebro
Pilates Pro Cerebro
Arnaldo Carvalho
 
Pilates para o cerebro
Pilates para o cerebroPilates para o cerebro
Pilates para o cerebro
Armin Caldas
 
Pilates para o cérebro
Pilates para o cérebroPilates para o cérebro
Pilates para o cérebro
Nuno Costa
 
Pilates para o cérebro. tradução hn
Pilates para o cérebro. tradução hnPilates para o cérebro. tradução hn
Pilates para o cérebro. tradução hn
Denise Andrews
 
Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01
Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01
Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01
idelazir
 

Semelhante a Tipos e momentos de memoria (20)

PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
 
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaapsicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
psicologiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
Faça seu cérebro trabalhar para você
Faça seu cérebro trabalhar para você  Faça seu cérebro trabalhar para você
Faça seu cérebro trabalhar para você
 
Curso de memorizacao
Curso de memorizacaoCurso de memorizacao
Curso de memorizacao
 
Neuroanatomia e neurofisiologia da memória
Neuroanatomia e neurofisiologia  da memóriaNeuroanatomia e neurofisiologia  da memória
Neuroanatomia e neurofisiologia da memória
 
Curso Memória - Parte 01
Curso Memória - Parte 01Curso Memória - Parte 01
Curso Memória - Parte 01
 
Exercite seu cerebro
Exercite seu cerebroExercite seu cerebro
Exercite seu cerebro
 
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
Curso Memoria e Trauma Psíquico - Parte 01
 
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leituraEstimulando as competências para o aprendizado de leitura
Estimulando as competências para o aprendizado de leitura
 
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemindQuinta e-sexta-ferramentas-freemind
Quinta e-sexta-ferramentas-freemind
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
AULA_4_Memória.pptx
AULA_4_Memória.pptxAULA_4_Memória.pptx
AULA_4_Memória.pptx
 
Leitura dinâmica e memorização técnicas e aplicação
Leitura dinâmica e memorização técnicas e aplicaçãoLeitura dinâmica e memorização técnicas e aplicação
Leitura dinâmica e memorização técnicas e aplicação
 
Pilates para Cérebro
Pilates para CérebroPilates para Cérebro
Pilates para Cérebro
 
Pilates Pro Cerebro
Pilates Pro CerebroPilates Pro Cerebro
Pilates Pro Cerebro
 
Pilates para o cerebro
Pilates para o cerebroPilates para o cerebro
Pilates para o cerebro
 
Pilates para o cérebro
Pilates para o cérebroPilates para o cérebro
Pilates para o cérebro
 
Pilates para o cérebro. tradução hn
Pilates para o cérebro. tradução hnPilates para o cérebro. tradução hn
Pilates para o cérebro. tradução hn
 
Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01
Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01
Pilatesparaocrebro traduohn-100527102052-phpapp01
 

Mais de Marcelo Anjos

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Marcelo Anjos
 
Processos relacionais e grupais roteiro
Processos relacionais e grupais   roteiroProcessos relacionais e grupais   roteiro
Processos relacionais e grupais roteiro
Marcelo Anjos
 
Qualidades pessoais
Qualidades pessoaisQualidades pessoais
Qualidades pessoais
Marcelo Anjos
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição social
Marcelo Anjos
 
O que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalO que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocional
Marcelo Anjos
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
Marcelo Anjos
 
Formação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudesFormação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudes
Marcelo Anjos
 
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacionalDossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Marcelo Anjos
 
Competências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissionalCompetências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissional
Marcelo Anjos
 
Como se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade socialComo se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade social
Marcelo Anjos
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
Marcelo Anjos
 
Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)
Marcelo Anjos
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
Marcelo Anjos
 
Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)
Marcelo Anjos
 
A comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalA comunicação interpessoal
A comunicação interpessoal
Marcelo Anjos
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
Marcelo Anjos
 
1.assertividade
1.assertividade1.assertividade
1.assertividade
Marcelo Anjos
 
Maslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realizaçãoMaslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realização
Marcelo Anjos
 

Mais de Marcelo Anjos (18)

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Processos relacionais e grupais roteiro
Processos relacionais e grupais   roteiroProcessos relacionais e grupais   roteiro
Processos relacionais e grupais roteiro
 
Qualidades pessoais
Qualidades pessoaisQualidades pessoais
Qualidades pessoais
 
Os processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição socialOs processos fundamentais de cognição social
Os processos fundamentais de cognição social
 
O que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalO que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocional
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
 
Formação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudesFormação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudes
 
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacionalDossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
 
Competências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissionalCompetências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissional
 
Como se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade socialComo se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade social
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
 
Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)
 
A comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalA comunicação interpessoal
A comunicação interpessoal
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
 
1.assertividade
1.assertividade1.assertividade
1.assertividade
 
Maslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realizaçãoMaslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realização
 

Tipos e momentos de memoria

  • 1. Tipos ou sistemas de memória Memória Excepcional – Exemplo de Amnésia Anterógrada. No filme americano Amnésia (“Memento”) , dirigido por Cristopher Nolan, Leonard, o personagem principal, se recorda de tudo que aconteceu em sua vida até a noite do ataque no qual sua mulher foi morta e ele sofreu golpes na cabeça que o deixaram com danos cerebrais. Desde então, ele não consegue reter suas memórias. MEMÓRIA E REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO Ainda não sabemos exactamente quantos sistemas de memória existem e como devem ser designados. No entanto, algumas ideias gerais parecem estar assentes. Sabemos que a memória depende de alterações nos neurónios e nas suas ligações. Sabemos, também, que os sistemas de memória já identificados dependem de estruturas específicas do cérebro, de mecanismos próprios de codificação, de estratégias e de regras internas. Um número de telefone pode apagar-se facilmente da nossa mente, mas uma recordação da infância pode manter-se para sempre. Assim se manifestam dois grandes tipos de memória, a breve, designada por memória de curto prazo, e a duradoura, designada por memória de longo prazo. A memória de curto prazo envolve os processos que retêm a informação temporariamente até ser esquecida ou guardada num armazém de longo prazo tornando-se potencialmente permanente. Apresenta duas componentes, a memória imediata e a de trabalho. A memória imediata retém a informação quando é recebida, tornando-se o centro da nossa atenção em determinado momento. Ocupa o pensamento durante mais ou menos 30 1
  • 2. segundos e tem capacidade para mais ou menos sete ou oito itens. Mas este tempo pode alargar-se se o conteúdo for repetido. Lembremo-nos de quando éramos pequenos e a nossa mãe nos pedia que fôssemos comprar alguma coisa. Íamos pela rua fora a repetir mentalmente ou a cantarolar «cinco pães, um pacote de leite, um quilo de limões e o jornal». Esta é a memória de trabalho. A memória de trabalho é uma espécie de lista de compras que é esquecida mal acabamos de a utilizar. Da mesma forma, um número de telefone é passível de ser mantido na memória durante um pequeno período de tempo, utilizando a mesma estratégia. E para isso até o decompomos em conjunto de dois ou três elementos. Em vez de repetirmos tudo de seguida 214295637, utilizamos três grupos de algarismos 214 295 637. Agora imagine-se alguém que tinha no seu atendedor de chamadas a seguinte mensagem: «Acabou de ligar para o duzentos e vinte e oito milhões, cento e cinquenta e três mil, novecentos e quarenta e dois. Deixe a sua mensagem após o sinal ou, no caso de ter urgência, ligue para o novecentos e trinta e três milhões, setecentos e vinte e um mil, e sessenta». Seria extremamente difícil não só compreender o número como retê-lo. A memória imediata e de trabalho operam em paralelo e são os dois componentes principais da memória de curto prazo. Mas existem outros que se manifestam posteriormente até ao estabelecimento de uma memória estável. Permitem manter a informação de minutos a uma hora ou mesmo mais, bem para além do momento em que ela está a ser activamente retida. Por exemplo, "amanhã não me posso esquecer de levar o livro para emprestar à Ana". Após a tarefa cumprida, no dia seguinte, a memória desaparece. A memória de longo prazo envolve os processos que retêm recordações como episódios da nossa vida, rostos de pessoas conhecidas ou conceitos. Tanto a memória de curto prazo como a de longo prazo provocam alterações na estrutura e nas ligações das células nervosas. As mesmas ligações entre neurónios podem participar nos dois tipos de armazenamento. Existe um mecanismo semelhante a um "transformador molecular" que converte a memória de curto prazo em memória de longo prazo. Na memória de longo prazo podemos identificar dois subsistemas diferentes, a memória declarativa e a memória não declarativa. Elas dependem de sistemas cerebrais diferentes. A memória não declarativa, também chamada implícita ou "sem registo», é uma memória automática e reflexa, que guarda as Informações de "saber como fazer as coisas". As experiências são convertidas em processos que alteram a natureza do organismo e as suas competências. Não é uma recordação, mas uma alteração de comportamento, tal como esquiar, ler um mapa ou andar de bicicleta. É inconsciente embora possa ser acompanhada de algumas recordações, «espera lá, como é que costumo fazer isto?». Podemos aprender a fazer qualquer coisa e a seguir lembrarmo-nos de alguns elementos da mesma como, por exemplo, imaginarmo-nos a executá-Ia. No entanto, a capacidade de desempenhar a competência parece ser independente de recordações conscientes. A memória não declarativa envolve processos de aprendizagem simples e reflexos como hábitos e condicionamentos. Por exemplo, quando aprendemos a andar de bicicleta é provável prestarmos muita atenção às manobras da roda da frente, à posição do guiador e ao acto de pedalar, primeiro com o pé esquerdo e depois com o 2
  • 3. direito. Mas quando adquirimos prática, o acto de andar de bicicleta é guardado como memória não declarativa, conduzimos e pedalamos automaticamente. Não é necessário evocar conscientemente que é preciso pressionar os pedais com o pé direito e depois com o esquerdo. Estas memórias mantêm-se intactas durante anos ou décadas. A memória não declarativa permite-nos conservar procedimentos para actuarmos no mundo. À medida que vamos crescendo, aprendemos a dizer «por favor» e «obrigado», a lavar os dentes antes de irmos para a cama e a executar uma série de outros comportamentos que resultam da prática. Adquirimos muitos desses hábitos nos primeiros anos de vida sem qualquer esforço óbvio e quase sem repararmos que a aprendizagem está a decorrer. Por exemplo, quando aprendemos a ler, passamos com hesitação de palavra para palavra mas, depois de alguma prática, conseguimos ler rapidamente, movimentando os olhos para um ponto diferente quatro vezes por segundo, compreendendo mais de trezentas palavras por minuto. A memória declarativa, também chamada explícita ou «com registo», é uma memória consciente do passado, um conjunto de Informações sobre pessoas, lugares, situações, acontecimentos ou factos, que guarda informações do «saber que». É a ela que habitualmente nos referimos quando usamos o termo «memória». É uma memória consciente do nome da nossa avó, do primeiro rei de Portugal, dos planetas do sistema solar, da conversa desta manhã. Lembremo-nos do nome de um dos nossos amigos. Lembremo-nos do rosto dessa pessoa, do som da sua voz e da maneira de falar. Depois, lembremo-nos de um acontecimento particular em que tenha participado, uma conversa importante, uma viagem ou uma festa especial. Estamos a recriar o episódio, na nossa imaginação, deslocando-nos para o contexto, espacial e temporal, em que aconteceu. Parece surpreendente a facilidade com que evocamos a cena e o que se passou. Curiosamente, ao realizarmos um exercício deste tipo não precisamos de treino nem de instruções. Recordar de forma vivida o passado é algo que todos fazemos diariamente, sem grande esforço. A memória declarativa é a memória de todos os conhecimentos que podem ser «declarados» sob a forma de proposições verbais ou de imagens mentais. Ela é imperfeita, passível de inexactidões e de distorções, mas também pode ser fiel, especialmente quando guarda conhecimentos gerais sobre o mundo. Podemos confundir o nome de uma pessoa ou uma data de aniversário, mas não confundimos um elefante com uma baleia. Muitas actividades requerem os três tipos de memória. Vejamos o jogo do ténis. Conhecer as regras ou quantos sets são precisos para ganhar uma partida envolve a memória semântica. Lembrar o lado que foi o último a servir, requer a memória episódica. Saber lançar a bola ou fazer um serviço envolve a memória não declarativa. Processos básicos de memória (Momentos essenciais) • Recepção e codificação da informação • Armazenamento da informação • Recuperação da informação • Esquecimento da informação O matemático John Griffith estimou que, num tempo médio de vida, uma pessoa armazena o equivalente a quinhentas vezes mais informação do que aquela que se 3
  • 4. pode encontrar em todos os volumes da Enciclopédia Britânica. John von Newmann, um dos pais dos computadores, calculou que, em média, as recordações memorizadas durante toda a vida humana deveriam atingir 2,8 x 1020 unidades elementares de informação. Correspondentes a vinte e oito milhares de milhão de bits e cerca de trezentos milhões de gigabites. Haverá espaço no nosso cérebro para este incrível volume de recordações? Em termos teóricos, o nosso cérebro não está mal equipado, cem mil milhões de neurónios, cada um dos quais com centenas ou milhares de possíveis contactos nervosos com outros neurónios, constitui uma rede nervosa de notável potência. A capacidade da memória humana depende de operações muito complexas. A primeira operação de tratamento da informação é a recepção e codificação. À medida que chega, a informação sensorial é codificada de forma a poder ser comunicada ao cérebro. Podem ser utilizados vários códigos. Por exemplo, pensemos na frase "Hoje está sol". Se codificarmos o som das palavras, tal como foram ditas, estamos a usar um código acústico e a informação é representada na memória como uma sequência de sons. Se codificarmos a imagem das letras, tal como estão organizadas em signos, estamos a usar um código visual e a informação é representada na memória como uma imagem. Finalmente, se codificarmos o facto "estar sol", estamos a usar um código semântico, e a informação é representada na nossa memória pelo seu significado. O tipo de código usado pode influenciar o que é lembrado. Quando a codificação envolve bastante trabalho, ou seja, quando a informação é processada a um nível profundo, lembramo-nos dela mais facilmente. Quando estamos a estudar um assunto, quanto mais gostarmos dele, quanto mais necessidade, desejo ou curiosidade tivermos, quanto mais nos implicarmos nessa tarefa, melhor será a sua aprendizagem. Mesmo quando a memória de qualquer facto pareceu não exigir esforço, o processo não é assim automático. Determinadas situações ou factos são recordados porque nos interessam realmente, mesmo sem termos consciência disso. Lembramo-nos porque desencadeamos espontaneamente operações de codificação profundas e elaboradas. Se não estivermos a fazer um esforço deliberado, são os nossos interesses e preferências que direccionam a atenção e influenciam a quantidade e a qualidade da codificação. O segundo processo é o armazenamento. Trata-se da manutenção da informação ao longo do tempo, muitas vezes durante muito tempo. 4
  • 5. Recordar umas férias da infância depende da capacidade de armazenamento da nossa memória. De que forma é que a informação codificada se mantém na memória? Não existe um sítio específico no cérebro onde se arrumam as recordações. No entanto, a informação não está espalhada por todo o lado. Ainda não é possível localizar os pontos onde a representação de um determinado objecto está armazenada. Mas as novas técnicas de recolha de imagens cerebrais têm mostrado que várias regiões cerebrais estão envolvidas no registo de um único acontecimento, e que cada região contribui de forma diferente para o todo. As alterações no cérebro, resultado da codificação e do registo da experiência, produzem traços mnésicos também chamados engramas. A informação nova vai modificar um conjunto complexo de processos bioquímicos e cada informação, engrama, é representada por uma configuração particular da actividade nervosa. Num primeiro momento, o engrama é dinâmico e produzem-se mudanças nas ligações neuronais. Depois, torna-se estrutural, permanente, e capaz de reproduzir a actividade nervosa necessária à actualização da informação. Por isso, a memória não se estabelece num momento. Pelo contrário, leva um tempo considerável a desenvolver a sua forma permanente. O processo de fixação requer várias etapas e até estar completo, a memória mantém-se vulnerável a perturbações. Grande parte deste processo completa-se durante as primeiras horas de aprendizagem. Mas a estabilização estende-se muito para além deste ponto e envolve alterações contínuas na organização da memória de longo prazo. O terceiro processo é a recuperação. Ocorre quando localizamos a informação na memória e a trazemos à consciência. Recuperar informações armazenadas, como um endereço ou um número de telefone, é normalmente tão rápido e fácil que parece automático. Só quando tentamos recordar outros tipos de informação, tal como a resposta a uma pergunta que conhecemos mas que não conseguimos evocar, tomamos consciência do processo de busca. O processo de recuperação inclui a evocação e o reconhecimento. Quando não somos capazes de nos lembrar do nome de alguém, mas sabemos que conhecemos aquela cara, está em jogo este processo. Analisamos o estímulo, a cara, e procuramos na memória o nome que lhe está associado. Primeiro temos que saber se conhecemos a cara ou não, reconhecimento, e depois procuramos o tal nome, evocação. Quando estamos a responder a itens de escolha múltipla, estamos perante informação que identificamos e comparamos com a que temos guardada. É uma tarefa de reconhecimento. A recuperação é ajudada por pistas, as alternativas. Quando estamos a responder a itens de resposta aberta, temos que procurar a informação necessária, a partir de estímulos gerais. É uma tarefa de evocação. Temos de recuperar a informação sem muita ajuda. O reconhecimento tende a ser mais fácil do que a evocação. 5
  • 6. E como a nossa memória não é um gravador de som nem de imagem, os erros podem introduzir-se em qualquer momento, durante a codificação, o armazenamento ou a recuperação. Não sabemos ainda se o cérebro tem limites para armazenar informação. Mas sabemos que algumas situações, como a fadiga ou o aborrecimento, podem dificultar todo este processo. A última operação que falta neste esquema é o esquecimento e dele nos ocuparemos a seguir. Memória e esquecimento Esquecimento Florbela Espanca Esse de quem eu era e era meu, Que foi um sonho e foi realidade, Que me vestiu a alma de saudade, Para sempre de mim desapareceu. Tudo em redor então escureceu, E foi longínqua toda a claridade! Ceguei... tacteio sombras... que ansiedade! Apalpo cinzas porque tudo ardeu! Descem em mim poentes de Novembro... A sombra dos meus olhos, a escurecer... Veste de roxo e negro os crisântemos... E desse que era eu meu já me não lembro... Ah! a doce agonia de esquecer A lembrar doidamente o que esquecemos...! Texto extraído do livro "Sonetos", Bertrand Brasil - Rio de Janeiro, 2002, pág. 181. 6
  • 7. O esquecimento é uma condição da memória Os mais velhos têm frequentemente a sensação de que a sua memória está a abarrotar de recordações e que às vezes é difícil lembrarem-se daquilo que é útil e deixar de lado aquilo que, pelo contrário, parece "inútil". Mas independentemente da idade, a maior parte das pessoas considera que a sua memória não funciona tal como gostariam. O esquecimento é normalmente sentido como uma espécie de "patologia" da memória. Porém, todas as pessoas, dia após dia, sabem o seu nome, fazem o jantar, lêem, entram no seu carro e conduzem no meio do trânsito travando, acelerando, accionando as mudanças, sem acusarem qualquer problema de memória. O esquecimento é a incapacidade, provisória ou definitiva, de aceder conscientemente a uma informação adquirida ou a uma experiência vivida no passado mais imediato ou mais longínquo. No dia seguinte a vermos um filme conseguimos contar o argumento e a acção de forma detalhada. No entanto, um ano mais tarde, não nos lembramos senão de um esboço do filme e talvez de fragmentos de algumas cenas. À primeira vista, o esquecimento parece ser uma desvantagem. Não seria melhor recordar tudo o que lemos, nunca nos esquecermos de onde deixámos as chaves ou os óculos, guardarmos todas as situações que consideramos importantes? Esta questão não tem ainda uma resposta clara, mas parece que, sem esquecimento, a nossa capacidade de adaptação estaria seriamente ameaçada. O esquecimento é consequência do funcionamento da memória e, longe de ser uma limitação, é uma necessidade. Os sistemas cognitivos artificiais não esquecem nada, o que significa que não são capazes de modificar significativamente a informação em função da sua experiência do mundo. Podemos compreender este facto se analisarmos o que se passa com pessoas que não conseguem esquecer. Uma pergunta que parece importante é «Esquecemos realmente a informação, ela desaparece do nosso cérebro, ou perdemos a capacidade de nos lembrar dela?» O esquecimento repressivo (motivação inconsciente) As amnésias psicopatológicas foram identificadas no fim do século XIX, tendo sido Freud um dos investigadores que se interessaram por este assunto. Elas 7
  • 8. manifestam--se como um esquecimento defensivo. A pessoa evita a recordação consciente de um acontecimento doloroso do passado, exercendo, inconscientemente, uma repressão sobre memórias penosas. Freud considerava que situações, por exemplo da infância, que nos tenham perturbado e produzido angústia podem ser «recalcadas», guardadas de forma a dificilmente termos acesso a elas. O esquecimento destas situações seria psicologicamente motivado. Existe um mecanismo de defesa, o recalcamento, que nos protege de recordar factos que podem ser emocionalmente muito perturbadores. Estas memórias seriam guardadas no inconsciente por serem demasiado ameaçadoras se lembradas. O esquecimento provocado Este tipo de esquecimento pode ser consequência da ingestão de medicação, de drogas ou de álcool. Uma das personagens de Shakespeare, Lady Macbeth, que precisa de agir em segredo, decide recorrer às bem conhecidas propriedades do álcool, e afirma: «De tal forma hei-de embrutecer os camareiros no vinho, que neles, a memória guardiã do cérebro, será fumo, e a sede da razão, um simples alambique». O álcool, como é sabido, não reduz apenas o tempo de reacção, o sentido crítico, a ansiedade, mas age também sobre a memória. E Shakespeare que, ao que parece, se embriagava frequentemente, observa que o vinho pode alterar a memória por um breve período de tempo. Uma ingestão continuada de álcool em grandes quantidades tem consequências bem conhecidas de perda de concentração, problemas de equilíbrio e deficiente sentido de coordenação. Começa por destruir células do fígado e de partes do cérebro e pode conduzir a uma forma de amnésia grave e irreversível, conhecida como Síndrome de Korsakoff, devida à falta de tiamina, uma vitamina do complexo B, que no alcoólico não é suficientemente absorvida. Depressão Alzheimer Intoxicações AVC O efeito de drogas que criam dependência é complexo e, em geral, prejudicial para a memória. Existem fármacos que penetram nas células do cérebro para tratar várias doenças como a epilepsia, a doença de Parkinson ou estados depressivos. Tomados nas doses recomendadas, não afectam a memória de modo grave. A excepção são os chamados «tranquilizantes», que podem provocar esquecimento ou mesmo amnésia quando tomados sem vigilância médica ou em doses excessivas. Toda a medicação eficaz tem inevitavelmente efeitos colaterais. As vantagens têm de ser confrontadas com os riscos e isso só o médico pode avaliar. 8
  • 9. O esquecimento provocado também pode ser consequência de doenças e lesões cerebrais. Traumatismos, doenças do foro neurológico, acidentes vasculares cerebrais, tumores ou intervenções cirúrgicas, podem produzir lesões directas no suporte material da memória, quer dizer, no cérebro. Por exemplo, a doença de Alzheimer é uma degradação mental progressiva, que ocorre normalmente em pessoas de idade avançada. Os primeiros sintomas são distúrbios da memória que se tornam progressivamente mais graves até à incapacidade de se reconhecer a si próprio. Nestes doentes, a memória autobiográfica parece ser a mais afectada. Os estados de stress e de depressão, ou os choques emocionais fortes também podem causar amnésias. O esquecimento regressivo Com a idade, muitas pessoas podem manifestar dificuldades de memória quer ao nível de aprendizagens novas, que na evocação de nomes de pessoas conhecidas ou de acontecimentos recentes. Estas perturbações são muito diferentes das referidas anteriormente, mesmo se resultarem da degenerescência progressiva dos tecidos celulares cerebrais devida à idade. No entanto, com o aumento da esperança de vida, os progressos da medicina, a vontade das pessoas mais velhas de continuarem a trabalhar e a assumir responsabilidades sociais, os efeitos negativos da senescência são diminuídos. As investigações mostram que a capacidade da memória imediata muda relativamente pouco com a idade, mas as tarefas de atenção partilhada ou a memória de trabalho são mais afectadas. É importante salientar que isto depende da ocupação da pessoa e das capacidades cognitivas que continua ou não a exercer. O esquecimento vulgar (interferência de novas aprendizagens) • Inibição proactiva – Deterioração dos conteúdos mnésicos provocada pela interferência de recordações passadas. • Inibição rectroactiva – Deterioração dos conteúdos mnésicos provocada pela interferência de novas informações. Pode acontecer que a memória esteja lá e nós não a consigamos evocar por falta de pistas. Mas também pode acontecer que os traços mnésicos não passem para a memória de longo prazo pela capacidade limitada desta memória ou porque não foram transferidos. O carácter sucessivo de actividades mais ou menos similares efectuadas pela pessoa pode ser responsável pelo esquecimento. Mas, hoje em dia, aquilo que a investigação demonstra como sendo mais provável é que, como as experiências novas implicam sempre a reorganização das representações da memória, ou seja, dos circuitos da informação nas redes de neurónios, os nossos registos da experiência vão-se alterando, enfraquecendo e modificando, produzindo-se neste processo o esquecimento. As memórias não declarativas tendem a ser mais estáveis do que as declarativas. 9
  • 10. Memória, memórias A memória permite-nos saber quem somos Somos quem somos porque conseguimos lembrar-nos daquilo em que pensamos. Cada pensamento que temos, cada palavra que dizemos, cada acção que levamos a cabo, na verdade, o sentido de nós mesmos e o sentido de ligação com outros, deve-se à nossa memória, à capacidade de o nosso cérebro registar e armazenar as nossas experiências. A memória é a cola que aglutina a nossa vida mental, a base que sustenta a nossa história pessoal e que possibilita o crescimento e a mudança ao longo da vida. Quando se perde a memória perde-se a capacidade de recriar o nosso passado e, em consequência, perde-se a nossa ligação connosco próprios e com os outros. Adaptado de L. Squire e E. Kandel, Memória. Da mente às moléculas, 2002 A identidade pessoal Já sabemos que à medida que vamos adquirindo informação o nosso cérebro se modifica. Uma vez que todos somos educados em ambientes de certo modo diferentes e temos experiências também diferentes, a arquitectura do cérebro de cada um de nós é alterada de forma única. Mesmo os gémeos idênticos, que partilham os mesmos genes, não têm cérebros iguais, pois também eles têm experiências de vida algo diferentes. É evidente que cada um de nós tem um conjunto de estruturas cerebrais e um padrão comum de ligações entre os neurónios baseados no esquema da nossa espécie. Este esquema básico do cérebro humano é igual para todos os indivíduos. Mas os pormenores do esquema variam de pessoa para pessoa. Por isso, cada um de nós é único, como única é a experiência de vida registada na memória. A maior parte daquilo que sabemos sobre o mundo não existe na nossa mente à nascença, sendo adquirido através da experiência e guardado na memória. Somos quem somos, em grande parte, devido ao que aprendemos e lembramos. Quando recordamos, utilizamos uma representação de nós próprios para nós próprios e para aqueles que nos rodeiam. Somos a forma como nos representamos nas nossas memórias, a forma como nos definimos como pessoas e como membros de grupos através das nossas memórias, a forma como ordenamos e estruturamos as ideias nas nossas memórias e a forma como transmitimos essas memórias a outros. Somos aquilo de que nos lembramos. A perda da memória conduz à perda do sentimento de si, à perda da nossa história de vida e à perda de vínculos com outros seres humanos. 10
  • 11. Assim, a memória permite ordenar e dar sentido às recordações significativas de uma vida. A memória organiza o processo contínuo de construção da nossa identidade, através do qual nos tornámos únicos, do ponto de vista biológico e cultural. O nosso processo de construção não tem fim. É sempre um processo de reconstrução. Quando somos crianças, esperamos que os pais e os avós nos falem de como éramos em bebés, nos contem histórias acerca de nós, nos digam quem somos. As histórias contadas às crianças contribuem para lhes dizer quem são elas e quem são os outros, o que é o mundo, de onde vem e para onde poderá ir. A criança, quando pede ao avô para lhe contar uma história, procura não só a dimensão fantástica que o conto encerra, como também a sua própria identidade. Fotografar as crianças é fazer-se historiador da sua infância e preparar-lhes um legado de imagens e de memórias do que foram. O álbum de retratos de uma família exprime uma recordação social. As imagens do passado, dispostas por ordem cronológica, evocam os acontecimentos importantes. São também factores de relação porque vão buscar ao passado a confirmação da sua unidade presente. É por isso que não há nada que estabeleça mais a confiança do que um álbum de família. Todas as aventuras singulares da recordação individual se esbatem e o passado comum emerge. A memória é um mosaico em que se alternam imagens e interpretações da realidade, factos e opiniões, significados e valores, sentido do passado e antecipação do futuro. Nesta perspectiva, a memória dos mais velhos serve de ponte entre o passado e o futuro, assegura a continuidade histórica e, não menos importante, leva- nos a reflectir acerca do significado individual e colectivo das recordações. A memória social A capacidade de evocação e de reconstrução de episódios do passado é importante não apenas para cada um de nós como para a colectividade. Histórias e memórias individuais e colectivas estão intimamente relacionadas. Por isso, a memória não é apenas um registo da experiência pessoal. Os seres humanos têm capacidade para comunicar aos outros o que aprenderam. Ao fazê-lo, criam culturas que podem ser transmitidas de geração em geração. A memória é estruturada pela linguagem, pela observação, por ideias assumidas colectivamente e por experiências partilhadas com os outros. Tudo isto constrói a memória social. A memória social guarda acontecimentos e experiências passadas, reais ou imaginárias. Com efeito, a experiência passada, recordada, e as imagens partilhadas do passado histórico são recordações importantes para a constituição dos grupos sociais no presente. A memória não se divide em dois compartimentos um pessoal e outro social. Algumas das nossas recordações parecem na verdade ser mais privadas e pessoais do que outras. No entanto, esta distinção entre memória pessoal e memória social é relativa. As nossas recordações estão misturadas e têm ao mesmo tempo um aspecto social e outro pessoal. A nossa memória estrutura-se em identidades de grupo. 11
  • 12. Recordamos a nossa infância como membros da família, o nosso bairro como membros da comunidade local, a nossa vida profissional em função da organização em que estamos inseridos, e assim por diante. Estas recordações são essencialmente memórias de grupo e a memória de uma pessoa só existe na medida em que essa pessoa é um produto único de determinada relação de grupos. As recordações que partilhamos com outros são aquelas que são relevantes no contexto de um certo grupo social, quer seja estruturado e duradouro (família, por exemplo) ou informal e temporário (um grupo de amigos que frequenta a mesma escola). Os grupos sociais constroem as suas próprias imagens do mundo criando uma versão própria do passado. Na verdade, as nossas recordações pessoais e até a forma como as recordamos são na sua origem, sociais. A memória é um processo complexo que inclui tudo, desde uma sensação mental altamente privada e espontânea, até uma solene cerimónia pública. A memória colectiva é o que fica da vivência dos grupos, ou o que estes fazem do passado. Nas sociedades sem escrita há especialistas da memória, «homens -memória», narradores e contadores de histórias. Também antigamente se veneravam os velhos porque eles eram guardiães da memória, com prestígio e úteis à comunidade. A memória traduz-se num «comportamento narrativo» com uma função social, porque é uma comunicação ao outro na ausência desse acontecimento. (Sugestão de leitura: “Cão velho entre flores” de Baptista-Bastos) A memória, paradoxalmente, tem um carácter transitório. Podemos imaginá-Ia como um lugar onde se guardam objectos de valor, adquiridos durante uma vida de árduo trabalho. Mas tratam-se de objectos que não sobrevivem à morte da pessoa e que não podem ser deixados em herança. Para nos defendermos deste carácter transitório inerente à mortalidade da memória, desenvolvemos memórias artificiais. A prótese mais antiga é a escrita, na Antiguidade, sobre tábuas de argila ou de cera e sobre papiro, na Idade Média sobre pergaminho e pele e, mais tarde, sobre papel. Sobre estas superfícies podiam traçar-se desenhos de todo o tipo, caracteres, planos, retratos, mapas. O aparecimento da fotografia, em 1839, proporcionou uma memória artificial que se aperfeiçoou rapidamente e que oferecia a possibilidade de registar imagens em movimento. A conservação do som" um sonho durante séculos, tornou-se realidade graças ao fonógrafo de Edison patenteado em 1877. Hoje em dia, dispomos de numerosas memórias externas para gravar o que registam a vista e o ouvido, cassetes, vídeos, CD, memórias de computador, hologramas. Agora, a imagem e o som podem deslocar-se no tempo, são repetíveis, reproduzíveis, numa escala que parecia impensável há 50 anos. A amnésia não é só uma perturbação individual. A falta ou perda de memória colectiva dos povos e das nações, voluntária ou involuntária, pode produzir perturbações graves na identidade colectiva. As recordações podem ser manipuladas, consciente ou inconscientemente, pelos interesses, desejos ou censura. Na história da humanidade, a memória colectiva várias vezes foi posta em causa em lutas pelo poder. Apoderar-se da memória e do esquecimento é uma das grandes preocupações dos grupos ou dos indivíduos que dominaram e dominam as sociedades. Os esquecimentos e os silêncios da história são reveladores desses mecanismos de manipulação da memória colectiva. Por isso a memória colectiva é também um instrumento e um objectivo de poder. Em determinados momentos, a memória social foi alterada, falsificando-se arquivos, textos de História e até material fotográfico. 12
  • 13. Há um slogan que diz «Quem controla o passado, controla o futuro; quem controla o presente, controla o futuro». (Sugestão de leitura: 1984, G. Orwell) As recordações familiares, as histórias de um determinado lugar, de uma família, de conhecimentos não oficiais, não institucionalizados, representam a consciência colectiva não só de uma pessoa, através da sua experiência pessoal como de grupos inteiros, de famílias, de comunidades. Esta memória pode contrapor-se a um conhecimento privatizado e monopolizado por grupos que desejam defender interesses próprios. A memória procura salvar o passado apenas para dar sentido ao presente e construir o futuro. Por isso, a memória colectiva de servir para libertar e não para escravizar os homens. 13