SlideShare uma empresa Scribd logo
MEMÓRIA: ARMAZENAGEM 
OU RETENÇÃO 
EQUIPE: 
ANA BEATRIZ 
FELIPE MELO 
PRISCILA BÉLENS 
RENATO GUIMARÃES
Processos de memorização: 
A codificação: Como um dado físico, sensorial, 
recebido em um tipo de representação que pode ser 
colocado na memória. 
A armazenagem: Diz respeito a como retém a 
informação codificada na memória 
A recuperação: Como a informação é acessada na 
memória. ( Mark T. Keane; Michael W. Eysenck. 
Manual de Psicologia Cognitiva).
Retenção: 
“A codificação ou armazenagem 
representam um conjunto de processos 
que conduzem à conservação dos traços 
mnésicos”(Antônio Carlos Corrêa, 
2008).
Tipos de armazenagem: 
Armazenamentos sensoriais: Retenção 
extremamente breve das informações e limitação a 
uma modalidade sensorial. 
Armazenamento de curto prazo: Capacidade muito 
limitada 
Armazenamento de longo prazo: Capacidade 
essencialmente ilimitada ( Mark T. Keane; Michael 
W. Eysenck. Manual de Psicologia Cognitiva).
Armazenagem: 
Tipos de armazenagem: 
A distinção entre armazenamentos de curto prazo e de longo 
prazo é a mesma proposta por Willian James(1890) entre a 
memória primária e a secundária. 
A memória primária: Formada por informações que 
permanecem na consciência depois de percebidas . Fazem 
parte do presente psicológico. 
Memória Secundária: Contém informações sobre eventos que 
deixaram a consciência e são, por isso, parte do passado 
psicológico. ( Mark T. Keane; Michael W. Eysenck. Manual de 
Psicologia Cognitiva).
Retenção: Armazenagem de curto prazo 
Armazenagem de curto prazo: 
- Lembrar um número de telefone. 
Características: 
Capacidade muito limitada; 
Fragilidade de armazenamento.
Retenção: Armazenagem de curto prazo 
Efeito da recência: 
Últimos itens são lembrados com mais facilidade 
Memória de trabalho: Baddeley e Hitch substituíram o 
conceito de armazenamento de curto prazo para 
memória de trabalho.
Retenção: Armazenagem de curto prazo 
A memória de trabalho: 
Executivo central: Semelhante à atenção; 
Alça fonológica: Baseada na fala; 
Esboço visuoespacial: Especializado em codificação 
espacial e visual; 
Um buffer episódico: Retém e integra as informações.
Armazenagem de longo prazo: 
“É praticamente certo que se perca alguma informação no 
armazenamento.” (Loftus e Loftus, 1980) 
De acordo com dados neurobiológicos, parece que as estruturas 
cerebrais críticas envolvidas no armazenamento são o 
hipocampo e a região circunjacente (entorrinal, perirrinal e 
para-hipocampal).
Armazenagem de longo prazo: 
Existem dois tipos: memórias implícitas e memórias 
explícitas. 
Memórias explícitas precisam ser processadas por 
mais tempo no hipocampo para serem “retidas” – e 
dependem de organização e contexto. 
Memórias implícitas, como habilidades linguísticas e 
manuais, não precisam de contexto específico. São 
estatisticamente mais resistentes a amnésia 
retrógrada.
Neuroanatomia da memória:
Neuroanatomia da memória: 
MEMÓRIA: 
Explícita 
Fatos e eventos 
Lobo temporal medial : Diencéfalo 
Implícita 
Habilidades e hábitos: Estriado 
Condicionamento clássico: 
Respostas emocionais: Amígdala 
Respostas motoras: Cerebelo 
A taxonomia da memória de longo prazo. Adaptado de Squire 
e Knowlton, 1995.
Neuroanatomia da memória:
Transferência:Memória de curto prazo para a de 
médio prazo 
Informação (memória declarativa ou não 
declarativa?) 
Memória de operação:Estação intermediária 
enquanto a informação é codificada. 
Memória declarativa de longo prazo: 
Dois métodos: Atenção deliberada ouAssociações 
ou conexões : 
(Inf.Nova + Inf. Existente )= Consolidação
Transferência:Memória de curto prazo para a de médio 
prazo 
Consolidação: Processo de integração entre a 
informação nova as que já estão armazenadas 
Interrupção, Distorção 
Recursos: Estratégias de Metamemória 
Metamemória:Consciência dos prórios processos 
de memória,frequentemente envolvendo uma 
tentativa consciente de dirigir ou controla-lo
Repetição 
É uma técnica que as pessoas utilizam para manter a 
informação ativa 
Visível ou encoberta 
Repetição Elaborativa: Essa repetição torna os itens 
mais significativamente integrados àquilo que a 
pessoa já sabe, sendo assim, conectados uns aos 
outros. 
Repetição de Manutenção: Sem elaboração, as 
informações não são transferidas para a memória de 
longo prazo.
Atenção Seletiva 
A atenção seletiva procura explicar como podemos 
realizar mais de uma tarefa que demande atenção ao 
mesmo tempo. 
Auditiva e Verbal: Tarefas distintas 
Para a realização de duas tarefas ao mesmo tempo, é 
necessário também que pelo menos uma seja 
automática, pois, vai requerer menos recursos de 
atenção.
Atenção seletiva
Referências bibliográficas: 
 ATKISON,Rita L; ATHIKSON ,Richard C; SMITH,Edward E; BEM 
Dary J; NOLEN – HOEKSEMA, Susan.Introdução à psicologia de 
Hilgard.Artmed.13ª.Ed. 
 STENBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva.Artmed,2010 
 VANDENBOS,G. Dicionário de Psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2010. 
 STENBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva . Artmed . 4a edição. 
2008.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
Luis De Sousa Rodrigues
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
psicologiaazambuja
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
Olena Kolodiy
 
Memória2011
Memória2011Memória2011
Memória2011
Nuno Pereira
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
Instituto Consciência GO
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
Faculdade Metropolitanas Unidas - FMU
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
norberto faria
 
Avaliação neuropsicológica
Avaliação neuropsicológicaAvaliação neuropsicológica
Avaliação neuropsicológica
Rute da Conceição Machado
 
Funções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alteraçõesFunções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alterações
Caio Maximino
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
Gisele Cortoni Calia
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
norberto faria
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
psicologiaazambuja
 
Princípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologiaPrincípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologia
Gisele Cortoni Calia
 
Fisiologia da Memória
Fisiologia da MemóriaFisiologia da Memória
Fisiologia da Memória
juliivaz
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
Pedro Alcario
 
Atenção
AtençãoAtenção
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
DNAses
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
Marisa Almeida
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
Aroldo Gavioli
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Esquecimento e memoria
Esquecimento e memoriaEsquecimento e memoria
Esquecimento e memoria
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Memória2011
Memória2011Memória2011
Memória2011
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 
Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem  Bases neurais da memória e aprendizagem
Bases neurais da memória e aprendizagem
 
Cérebro
CérebroCérebro
Cérebro
 
Avaliação neuropsicológica
Avaliação neuropsicológicaAvaliação neuropsicológica
Avaliação neuropsicológica
 
Funções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alteraçõesFunções psicológicas superiores e suas alterações
Funções psicológicas superiores e suas alterações
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
 
Percepção
PercepçãoPercepção
Percepção
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Princípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologiaPrincípios da neuropsicologia
Princípios da neuropsicologia
 
Fisiologia da Memória
Fisiologia da MemóriaFisiologia da Memória
Fisiologia da Memória
 
Memória 2014
Memória 2014Memória 2014
Memória 2014
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Exame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde MentalExame Físico em Saúde Mental
Exame Físico em Saúde Mental
 
Processos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A PercepçãoProcessos Mentais 1 - A Percepção
Processos Mentais 1 - A Percepção
 

Semelhante a Memoria armazenagem

A memória
A memóriaA memória
A memória
Ana Vilardouro
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
vilcielepazebem
 
Memoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdfMemoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdf
RabeloRaquel
 
Memória & Memorização
Memória & Memorização Memória & Memorização
Memória & Memorização
Sergio Manjate
 
Mente Humana 5
Mente Humana 5 Mente Humana 5
Mente Humana 5
Jorge Barbosa
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
PatriciaPereira240
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
Jorge Machado
 
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
Liliam Da Paixão
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
Dilza Amaral
 
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto MultimídiaFatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
Wanderley Pavão Junior
 
MENTE
MENTEMENTE
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Joana Filipa Rodrigues
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
Amyris Fernandez
 
Percepcao e processamento de informacoes
Percepcao e processamento de informacoesPercepcao e processamento de informacoes
Percepcao e processamento de informacoes
marioedsonminillo
 
Design instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivasDesign instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivas
LurdesViana
 
Como aprende o cerebro
Como aprende o cerebroComo aprende o cerebro
Como aprende o cerebro
Leonardo Faria
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
IFRS - Campus Sertão
 
Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
Rafael Savi
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Juazeiro do Norte e Região do Cariri
 
Funcoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superioresFuncoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superiores
Rafael Fonoaudiologia
 

Semelhante a Memoria armazenagem (20)

A memória
A memóriaA memória
A memória
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
 
Memoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdfMemoria de trabalho 4.pdf
Memoria de trabalho 4.pdf
 
Memória & Memorização
Memória & Memorização Memória & Memorização
Memória & Memorização
 
Mente Humana 5
Mente Humana 5 Mente Humana 5
Mente Humana 5
 
Psicologia tema 2
Psicologia tema 2Psicologia tema 2
Psicologia tema 2
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
 
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
 
Memória
MemóriaMemória
Memória
 
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto MultimídiaFatores Humanos no Projeto Multimídia
Fatores Humanos no Projeto Multimídia
 
MENTE
MENTEMENTE
MENTE
 
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conaçãoPsicologia - a mente, as emoções e a conação
Psicologia - a mente, as emoções e a conação
 
Cognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aulaCognicao humana para sala de aula
Cognicao humana para sala de aula
 
Percepcao e processamento de informacoes
Percepcao e processamento de informacoesPercepcao e processamento de informacoes
Percepcao e processamento de informacoes
 
Design instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivasDesign instructional e arquitecturas cognitivas
Design instructional e arquitecturas cognitivas
 
Como aprende o cerebro
Como aprende o cerebroComo aprende o cerebro
Como aprende o cerebro
 
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el CerebroCOMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
COMO O CÉREBRO APRENDE - Cómo Aprende el Cerebro
 
Cognição
CogniçãoCognição
Cognição
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
 
Funcoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superioresFuncoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superiores
 

Memoria armazenagem

  • 1. MEMÓRIA: ARMAZENAGEM OU RETENÇÃO EQUIPE: ANA BEATRIZ FELIPE MELO PRISCILA BÉLENS RENATO GUIMARÃES
  • 2. Processos de memorização: A codificação: Como um dado físico, sensorial, recebido em um tipo de representação que pode ser colocado na memória. A armazenagem: Diz respeito a como retém a informação codificada na memória A recuperação: Como a informação é acessada na memória. ( Mark T. Keane; Michael W. Eysenck. Manual de Psicologia Cognitiva).
  • 3. Retenção: “A codificação ou armazenagem representam um conjunto de processos que conduzem à conservação dos traços mnésicos”(Antônio Carlos Corrêa, 2008).
  • 4. Tipos de armazenagem: Armazenamentos sensoriais: Retenção extremamente breve das informações e limitação a uma modalidade sensorial. Armazenamento de curto prazo: Capacidade muito limitada Armazenamento de longo prazo: Capacidade essencialmente ilimitada ( Mark T. Keane; Michael W. Eysenck. Manual de Psicologia Cognitiva).
  • 5. Armazenagem: Tipos de armazenagem: A distinção entre armazenamentos de curto prazo e de longo prazo é a mesma proposta por Willian James(1890) entre a memória primária e a secundária. A memória primária: Formada por informações que permanecem na consciência depois de percebidas . Fazem parte do presente psicológico. Memória Secundária: Contém informações sobre eventos que deixaram a consciência e são, por isso, parte do passado psicológico. ( Mark T. Keane; Michael W. Eysenck. Manual de Psicologia Cognitiva).
  • 6. Retenção: Armazenagem de curto prazo Armazenagem de curto prazo: - Lembrar um número de telefone. Características: Capacidade muito limitada; Fragilidade de armazenamento.
  • 7. Retenção: Armazenagem de curto prazo Efeito da recência: Últimos itens são lembrados com mais facilidade Memória de trabalho: Baddeley e Hitch substituíram o conceito de armazenamento de curto prazo para memória de trabalho.
  • 8. Retenção: Armazenagem de curto prazo A memória de trabalho: Executivo central: Semelhante à atenção; Alça fonológica: Baseada na fala; Esboço visuoespacial: Especializado em codificação espacial e visual; Um buffer episódico: Retém e integra as informações.
  • 9. Armazenagem de longo prazo: “É praticamente certo que se perca alguma informação no armazenamento.” (Loftus e Loftus, 1980) De acordo com dados neurobiológicos, parece que as estruturas cerebrais críticas envolvidas no armazenamento são o hipocampo e a região circunjacente (entorrinal, perirrinal e para-hipocampal).
  • 10. Armazenagem de longo prazo: Existem dois tipos: memórias implícitas e memórias explícitas. Memórias explícitas precisam ser processadas por mais tempo no hipocampo para serem “retidas” – e dependem de organização e contexto. Memórias implícitas, como habilidades linguísticas e manuais, não precisam de contexto específico. São estatisticamente mais resistentes a amnésia retrógrada.
  • 12. Neuroanatomia da memória: MEMÓRIA: Explícita Fatos e eventos Lobo temporal medial : Diencéfalo Implícita Habilidades e hábitos: Estriado Condicionamento clássico: Respostas emocionais: Amígdala Respostas motoras: Cerebelo A taxonomia da memória de longo prazo. Adaptado de Squire e Knowlton, 1995.
  • 14. Transferência:Memória de curto prazo para a de médio prazo Informação (memória declarativa ou não declarativa?) Memória de operação:Estação intermediária enquanto a informação é codificada. Memória declarativa de longo prazo: Dois métodos: Atenção deliberada ouAssociações ou conexões : (Inf.Nova + Inf. Existente )= Consolidação
  • 15. Transferência:Memória de curto prazo para a de médio prazo Consolidação: Processo de integração entre a informação nova as que já estão armazenadas Interrupção, Distorção Recursos: Estratégias de Metamemória Metamemória:Consciência dos prórios processos de memória,frequentemente envolvendo uma tentativa consciente de dirigir ou controla-lo
  • 16. Repetição É uma técnica que as pessoas utilizam para manter a informação ativa Visível ou encoberta Repetição Elaborativa: Essa repetição torna os itens mais significativamente integrados àquilo que a pessoa já sabe, sendo assim, conectados uns aos outros. Repetição de Manutenção: Sem elaboração, as informações não são transferidas para a memória de longo prazo.
  • 17. Atenção Seletiva A atenção seletiva procura explicar como podemos realizar mais de uma tarefa que demande atenção ao mesmo tempo. Auditiva e Verbal: Tarefas distintas Para a realização de duas tarefas ao mesmo tempo, é necessário também que pelo menos uma seja automática, pois, vai requerer menos recursos de atenção.
  • 19. Referências bibliográficas:  ATKISON,Rita L; ATHIKSON ,Richard C; SMITH,Edward E; BEM Dary J; NOLEN – HOEKSEMA, Susan.Introdução à psicologia de Hilgard.Artmed.13ª.Ed.  STENBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva.Artmed,2010  VANDENBOS,G. Dicionário de Psicologia. Porto Alegre: Artmed, 2010.  STENBERG, Robert J. Psicologia Cognitiva . Artmed . 4a edição. 2008.