SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia


                            Os Processos Fundamentais da Cognição Social


Que processos medeiam a nossa relação com o mundo social? Como se organizam?
Quais as suas funções?

Existem diferentes processos de cognição social. As mil e uma faces do rosto dos outros




Que processos estão implicados na cognição social? Como é que cada um desses processos contribui
para aquilo que pensamos, sentimos e agimos? De que forma influenciam as nossas relações com o
Mundo e com os outros?

Já vimos que a cognição social é o conjunto de processos que utilizamos no quotidiano que torna possível
o entendimento dos comportamentos, das relações e das situações.

Construímos impressões acerca das pessoas que encontramos pela primeira vez

Atribuímos causas aos nossos comportamentos e aos dos outros

Esperamos que os outros se comportem de certa forma, em certas situações

Os estereótipos simplificam as características dos outros reduzindo a sua complexidade

Temos atitudes favoráveis ou desfavoráveis perante situações e pessoas específicas

Os preconceitos podem conduzira comportamentos de discriminação

As representações sociais orientam e servem de modelo aos nossos comportamentos




                                                                                                      1
Formação de impressões, atribuições, expectativas, estereótipos, atitudes, preconceitos e representações
sociais são os processos da cognição social.



                        AS ATITUDES: As tomadas de posição face ao mundo


O que são atitudes? Que relação existe entre atitudes e comportamentos?

Como se constroem as atitudes? Por que é que mudamos de atitudes? Que processos estão
implicados nestas mudanças?


Em praticamente todos os aspectos da nossa vida social estamos continuamente à procura das atitudes
dos outros, a manifestar os nossos pontos de vista e a tentar mudar a opinião de alguém. Campanhas de
sensibilização tentam provocar-nos uma atitude positiva face a um produto particular com o objectivo que
compremos o que há para vender. Outras campanhas tentam persuadir-nos a mudar o nosso
comportamento, mudando as nossas opiniões. Discordamos dos outros, sobre as atitudes mais
apropriadas face a qualquer questão. As atitudes são importantes para compreendermos os estereótipos,
os preconceitos, as intenções de voto, o comportamento dos consumidores ou a atracção interpessoal. As
atitudes também são importantes porque estão presentes naquilo que pensamos, sentimos e na forma
como agimos face a objectos, pessoas, face a nós próprios.

Se virmos uma pessoa a requisitar sistematicamente filmes de artes marciais, um comportamento,
podemos deduzir que essa pessoa gosta de artes marciais, uma atitude. Existe uma diferença entre
atitudes e características pessoais. Da atitude "gostar de artes marciais", podíamos inferir um traço de
personalidade, "é uma pessoa agressiva e violenta". As atitudes são tendências para pensarmos,
sentirmos e nos comportarmos que se distinguem dos traços de personalidade, que são mais estáveis, e
dos estados emocionais, que são mais passageiros.

São as nossas crenças que suportam as atitudes. As crenças são aquilo que acreditamos ser verdade
acerca do mundo. Por exemplo, se acreditamos em Deus, esta verdade é central nas nossas vidas e
influencia o nosso comportamento. As crenças são muito resistentes à mudança.

Os valores também influenciam as atitudes. Os valores são os nossos códigos éticos e morais,
dependentes das normas e dos grupos a que pertencemos. Influenciam o modo como conduzimos a
nossa vida, o que valorizamos numa relação, o que devemos fazer numa situação. Também os valores
são muito resistentes à mudança.

É muito difícil não termos atitudes face às pessoas, às coisas e aos acontecimentos. Por exemplo,
abordar a despenalização do consumo de drogas leves sem manifestar atitudes, se é certo ou se é
errado, é quase impossível.

As atitudes têm um papel importante na nossa vida porque orientam a forma como nos relacionamos com
os outros, as causas políticas que apoiamos, as posições que tomamos face a questões sociais, os
produtos que compramos ou quaisquer outras decisões do quotidiano.

As atitudes são formas relativamente estáveis de avaliar ideias, objectos, pessoas ou situações. Ter uma
atitude significa ser a favor ou contra. O objecto social é avaliado como verdadeiro ou falso, bom ou mau,
desejável ou indesejável. Temos atitudes face ao armamento nuclear, à despenalização de drogas leves,
à homossexualidade, à adopção, ao aborto. Porque temos atitudes diferentes, também interpretamos o
mundo social de formas diferentes.


As atitudes não surgem no vazio, elas estão sempre ligadas a objectos, pessoas ou acontecimentos. Se
alguém nos diz que tem uma "atitude positiva", imediatamente nos ocorre a pergunta, "atitude positiva em
relação a quê?". O objecto da atitude pode ser uma pessoa particular, o professor, a namorada, ou um
grupo de pessoas, os nazis, os políticos, os negros, uma instituição social, a escola, o governo, a religião,
ou acontecimentos como a guerra, a poluição, a moda.
Quer isto dizer que as atitudes se referem sempre a objectos específicos.

Também podemos agrupá-Ias em áreas consoante o seu objecto. Assim, temos atitudes sociais,
como as relativas às minorias étnicas e políticas, como as relativas aos impostos, ou atitudes
organizacionais, como as relativas à satisfação com a escola que frequentamos, atitudes relativas a
pessoas específicas, como gostar ou não gostar de alguém, e atitudes relativas a nós próprios, a auto-
estima.



                                                                                                           2
As atitudes têm as seguintes características:

1. Dirigem-se sempre a um objecto específico; estes objectos podem ser concretos, "não gosto
daquelas calças", pessoas, "o professor de Português é excelente", grupos, "os psiquiatras são malucos",
ideias abstractas, "a tolerância é importante na relação entre as pessoas", ou comportamentos, "beber em
excesso é condenável,,;

2. São aprendidas; é através da nossa experiência e daqueles que estão à nossa volta, especialmente
as pessoas que são importantes para nós, que construímos as atitudes;

3. São inferidas do comportamento; não sabemos qual é a atitude de uma pessoa até a vermos
expressar-se ou comportar-se de determinada forma;

4. Influenciam o comportamento; a atitude face a um objecto é a razão pela qual nos comportamos face
a ele de determinada forma.


 Uma atitude é uma predisposição aprendida para responder de forma favorável ou desfavorável a um
 objecto, pessoa, instituição ou acontecimento. No âmago de cada atitude existem três componentes
 que actuam conjuntamente e a determinam, são as componentes afectiva, cognitiva e comporta mental.




As atitudes vão senda construídas ao longo da nossa vida por processos de aprendizagem, resultantes
da interacção social e modificam-se conforme temos acesso a novas informações ou experiências. Por
isso, diferentes pessoas podem ter diferentes atitudes e a mesma pessoa pode ir mudando as suas
atitudes ao longo da tempo.


Ninguém põe em causa que as atitudes são aprendidas na relação com os outros. Por isso, aqueles com
quem temos relações afectivas mais fortes, as que mais gostamos e os que não gostamos de todo, são
as que têm mais influência em nós e servem-nos de referência positiva ou negativa. Em diferentes
momentos da nossa vida temas relações privilegiadas com pessoas diferentes. Se durante a infância os
pais são essas figuras, durante a adolescência ou a idade adulta as nossas referências são certamente
outras, embora inscritas no pano de fundo constituído pelas relações significativas da infância.

Os pais e as familiares mais próximas são a primeira fonte de construção das nossas atitudes. Mas
conforme vamos crescendo e desenvolvendo surgem outras fontes de influência.




                                                                                                      3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho das expectativas psicologia
Trabalho das expectativas   psicologiaTrabalho das expectativas   psicologia
Trabalho das expectativas psicologia
CatarinaJusto
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
RaQuel Oliveira
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepção
Mariana Rezende
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
Sara Afonso
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
Luis De Sousa Rodrigues
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
Rolando Almeida
 
Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4
Niraldo Nascimento
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
Alexandre Cavalcanti
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
Jorge Barbosa
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
Jorge Barbosa
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Marcelo Anjos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Vitor Manuel de Carvalho
 
Aula 3 social ii
Aula 3 social iiAula 3 social ii
Aula 3 social ii
Luciene Neves
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e Atitude
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e AtitudePSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e Atitude
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e Atitude
Fábio Nogueira, PhD
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
ProcessosConativos
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
Marcelo Anjos
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
HelioSoares5
 

Mais procurados (20)

Trabalho das expectativas psicologia
Trabalho das expectativas   psicologiaTrabalho das expectativas   psicologia
Trabalho das expectativas psicologia
 
Impressões e Expectativas
Impressões e ExpectativasImpressões e Expectativas
Impressões e Expectativas
 
Apresentação percepção
Apresentação percepçãoApresentação percepção
Apresentação percepção
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
A CONAÇÃO
A CONAÇÃOA CONAÇÃO
A CONAÇÃO
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
 
RelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs InterpessoaisRelaçõEs Interpessoais
RelaçõEs Interpessoais
 
Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4Comportamento organizacional aula4
Comportamento organizacional aula4
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Resumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º PResumo Psicologia 2º P
Resumo Psicologia 2º P
 
Resumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoaisResumo relações interpessoais
Resumo relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Aula 3 social ii
Aula 3 social iiAula 3 social ii
Aula 3 social ii
 
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e Atitude
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e AtitudePSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e Atitude
PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL _ Aula 9 - Percepção e Atitude
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Cognição social
Cognição socialCognição social
Cognição social
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 

Semelhante a Os processos fundamentais de cognição social

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
jorge2_santos
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
Silvia Revez
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
Psicologia_2015
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
matheuschagas71
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
Marcelo Anjos
 
Comportamento humano e moral
Comportamento humano e moralComportamento humano e moral
Comportamento humano e moral
pedrotitos mungoi
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
Thayane Victoriano
 
Atitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de AtitudesAtitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de Atitudes
alicecanuto
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
Liberty Ensino
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
Homero Alves de Lima
 
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional  (1ª e 2ª aula) turma gbaÉtica profissional  (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Gis Viana de Brito
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
Anderson Cássio Oliveira
 
Atitudes, estereótipos e preconceitos psi
Atitudes, estereótipos e preconceitos  psiAtitudes, estereótipos e preconceitos  psi
Atitudes, estereótipos e preconceitos psi
Fernando Nunes
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
Pedro Oliveira
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
Marcelo Anjos
 
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptxINDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
angelacezarioborges
 
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptxINDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
angelacezarioborges
 
Papel das decisões.
Papel das decisões.Papel das decisões.
Papel das decisões.
Rik Viana
 
aula 8 identidade.pptx
aula 8 identidade.pptxaula 8 identidade.pptx
aula 8 identidade.pptx
LeijaCristina
 

Semelhante a Os processos fundamentais de cognição social (20)

Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7Ficha de trabalho nâº7
Ficha de trabalho nâº7
 
Relações interpessoais
Relações interpessoaisRelações interpessoais
Relações interpessoais
 
Atitude Social
Atitude SocialAtitude Social
Atitude Social
 
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptxaula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
aula-psicologiasocial-140317210229-phpapp02-convertido.pptx
 
As relações interpessoais questões chave
As relações interpessoais   questões chaveAs relações interpessoais   questões chave
As relações interpessoais questões chave
 
Comportamento humano e moral
Comportamento humano e moralComportamento humano e moral
Comportamento humano e moral
 
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
2020 07 -_arley_perfis_comportamentais
 
Atitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de AtitudesAtitudes e Mudança de Atitudes
Atitudes e Mudança de Atitudes
 
Assistente Administrativo
Assistente AdministrativoAssistente Administrativo
Assistente Administrativo
 
Aula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritórioAula 02 auxiliar de escritório
Aula 02 auxiliar de escritório
 
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional  (1ª e 2ª aula) turma gbaÉtica profissional  (1ª e 2ª aula) turma gba
Ética profissional (1ª e 2ª aula) turma gba
 
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivoA organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
A organização como contexto social e desenvolvimento cognitivo
 
Atitudes, estereótipos e preconceitos psi
Atitudes, estereótipos e preconceitos  psiAtitudes, estereótipos e preconceitos  psi
Atitudes, estereótipos e preconceitos psi
 
Relações Interpessoais
Relações InterpessoaisRelações Interpessoais
Relações Interpessoais
 
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
A  categorização   impressões, expectativas, estereótiposA  categorização   impressões, expectativas, estereótipos
A categorização impressões, expectativas, estereótipos
 
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptxINDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
 
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptxINDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
INDIVÍDUO, FENÔMENO SOCIAL, IDEOLOGIA E SUBJETIVIDADE.pptx
 
Papel das decisões.
Papel das decisões.Papel das decisões.
Papel das decisões.
 
aula 8 identidade.pptx
aula 8 identidade.pptxaula 8 identidade.pptx
aula 8 identidade.pptx
 

Mais de Marcelo Anjos

Processos relacionais e grupais roteiro
Processos relacionais e grupais   roteiroProcessos relacionais e grupais   roteiro
Processos relacionais e grupais roteiro
Marcelo Anjos
 
Qualidades pessoais
Qualidades pessoaisQualidades pessoais
Qualidades pessoais
Marcelo Anjos
 
O que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalO que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocional
Marcelo Anjos
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
Marcelo Anjos
 
Formação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudesFormação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudes
Marcelo Anjos
 
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacionalDossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Marcelo Anjos
 
Competências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissionalCompetências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissional
Marcelo Anjos
 
Como se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade socialComo se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade social
Marcelo Anjos
 
Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)
Marcelo Anjos
 
Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)
Marcelo Anjos
 
A comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalA comunicação interpessoal
A comunicação interpessoal
Marcelo Anjos
 
1.assertividade
1.assertividade1.assertividade
1.assertividade
Marcelo Anjos
 
Maslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realizaçãoMaslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realização
Marcelo Anjos
 
Tipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoriaTipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoria
Marcelo Anjos
 
Teste perceptivo
Teste perceptivoTeste perceptivo
Teste perceptivo
Marcelo Anjos
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
Marcelo Anjos
 
Percepção e auto estima
Percepção e auto estimaPercepção e auto estima
Percepção e auto estima
Marcelo Anjos
 
O processo preceptivo e cognitivo esquema
O processo preceptivo e cognitivo   esquemaO processo preceptivo e cognitivo   esquema
O processo preceptivo e cognitivo esquema
Marcelo Anjos
 
O processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principaisO processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principais
Marcelo Anjos
 
O modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectamO modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectam
Marcelo Anjos
 

Mais de Marcelo Anjos (20)

Processos relacionais e grupais roteiro
Processos relacionais e grupais   roteiroProcessos relacionais e grupais   roteiro
Processos relacionais e grupais roteiro
 
Qualidades pessoais
Qualidades pessoaisQualidades pessoais
Qualidades pessoais
 
O que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocionalO que é a inteligência emocional
O que é a inteligência emocional
 
Influência social
Influência socialInfluência social
Influência social
 
Formação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudesFormação e mudança de atitudes
Formação e mudança de atitudes
 
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacionalDossier interactivo   inovação e desenvolvimento organizacional
Dossier interactivo inovação e desenvolvimento organizacional
 
Competências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissionalCompetências e princípios de desempenho profissional
Competências e princípios de desempenho profissional
 
Como se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade socialComo se constrói e desenvolve a identidade social
Como se constrói e desenvolve a identidade social
 
Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)Atitudes e comportamentos (ficha)
Atitudes e comportamentos (ficha)
 
Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)Aptidões e capaciades (ficha)
Aptidões e capaciades (ficha)
 
A comunicação interpessoal
A comunicação interpessoalA comunicação interpessoal
A comunicação interpessoal
 
1.assertividade
1.assertividade1.assertividade
1.assertividade
 
Maslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realizaçãoMaslow e teoria da auto realização
Maslow e teoria da auto realização
 
Tipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoriaTipos e momentos de memoria
Tipos e momentos de memoria
 
Teste perceptivo
Teste perceptivoTeste perceptivo
Teste perceptivo
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Percepção e auto estima
Percepção e auto estimaPercepção e auto estima
Percepção e auto estima
 
O processo preceptivo e cognitivo esquema
O processo preceptivo e cognitivo   esquemaO processo preceptivo e cognitivo   esquema
O processo preceptivo e cognitivo esquema
 
O processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principaisO processo perceptivo caracteristicas principais
O processo perceptivo caracteristicas principais
 
O modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectamO modo com as palavras nos afectam
O modo com as palavras nos afectam
 

Os processos fundamentais de cognição social

  • 1. Psicologia Os Processos Fundamentais da Cognição Social Que processos medeiam a nossa relação com o mundo social? Como se organizam? Quais as suas funções? Existem diferentes processos de cognição social. As mil e uma faces do rosto dos outros Que processos estão implicados na cognição social? Como é que cada um desses processos contribui para aquilo que pensamos, sentimos e agimos? De que forma influenciam as nossas relações com o Mundo e com os outros? Já vimos que a cognição social é o conjunto de processos que utilizamos no quotidiano que torna possível o entendimento dos comportamentos, das relações e das situações. Construímos impressões acerca das pessoas que encontramos pela primeira vez Atribuímos causas aos nossos comportamentos e aos dos outros Esperamos que os outros se comportem de certa forma, em certas situações Os estereótipos simplificam as características dos outros reduzindo a sua complexidade Temos atitudes favoráveis ou desfavoráveis perante situações e pessoas específicas Os preconceitos podem conduzira comportamentos de discriminação As representações sociais orientam e servem de modelo aos nossos comportamentos 1
  • 2. Formação de impressões, atribuições, expectativas, estereótipos, atitudes, preconceitos e representações sociais são os processos da cognição social. AS ATITUDES: As tomadas de posição face ao mundo O que são atitudes? Que relação existe entre atitudes e comportamentos? Como se constroem as atitudes? Por que é que mudamos de atitudes? Que processos estão implicados nestas mudanças? Em praticamente todos os aspectos da nossa vida social estamos continuamente à procura das atitudes dos outros, a manifestar os nossos pontos de vista e a tentar mudar a opinião de alguém. Campanhas de sensibilização tentam provocar-nos uma atitude positiva face a um produto particular com o objectivo que compremos o que há para vender. Outras campanhas tentam persuadir-nos a mudar o nosso comportamento, mudando as nossas opiniões. Discordamos dos outros, sobre as atitudes mais apropriadas face a qualquer questão. As atitudes são importantes para compreendermos os estereótipos, os preconceitos, as intenções de voto, o comportamento dos consumidores ou a atracção interpessoal. As atitudes também são importantes porque estão presentes naquilo que pensamos, sentimos e na forma como agimos face a objectos, pessoas, face a nós próprios. Se virmos uma pessoa a requisitar sistematicamente filmes de artes marciais, um comportamento, podemos deduzir que essa pessoa gosta de artes marciais, uma atitude. Existe uma diferença entre atitudes e características pessoais. Da atitude "gostar de artes marciais", podíamos inferir um traço de personalidade, "é uma pessoa agressiva e violenta". As atitudes são tendências para pensarmos, sentirmos e nos comportarmos que se distinguem dos traços de personalidade, que são mais estáveis, e dos estados emocionais, que são mais passageiros. São as nossas crenças que suportam as atitudes. As crenças são aquilo que acreditamos ser verdade acerca do mundo. Por exemplo, se acreditamos em Deus, esta verdade é central nas nossas vidas e influencia o nosso comportamento. As crenças são muito resistentes à mudança. Os valores também influenciam as atitudes. Os valores são os nossos códigos éticos e morais, dependentes das normas e dos grupos a que pertencemos. Influenciam o modo como conduzimos a nossa vida, o que valorizamos numa relação, o que devemos fazer numa situação. Também os valores são muito resistentes à mudança. É muito difícil não termos atitudes face às pessoas, às coisas e aos acontecimentos. Por exemplo, abordar a despenalização do consumo de drogas leves sem manifestar atitudes, se é certo ou se é errado, é quase impossível. As atitudes têm um papel importante na nossa vida porque orientam a forma como nos relacionamos com os outros, as causas políticas que apoiamos, as posições que tomamos face a questões sociais, os produtos que compramos ou quaisquer outras decisões do quotidiano. As atitudes são formas relativamente estáveis de avaliar ideias, objectos, pessoas ou situações. Ter uma atitude significa ser a favor ou contra. O objecto social é avaliado como verdadeiro ou falso, bom ou mau, desejável ou indesejável. Temos atitudes face ao armamento nuclear, à despenalização de drogas leves, à homossexualidade, à adopção, ao aborto. Porque temos atitudes diferentes, também interpretamos o mundo social de formas diferentes. As atitudes não surgem no vazio, elas estão sempre ligadas a objectos, pessoas ou acontecimentos. Se alguém nos diz que tem uma "atitude positiva", imediatamente nos ocorre a pergunta, "atitude positiva em relação a quê?". O objecto da atitude pode ser uma pessoa particular, o professor, a namorada, ou um grupo de pessoas, os nazis, os políticos, os negros, uma instituição social, a escola, o governo, a religião, ou acontecimentos como a guerra, a poluição, a moda. Quer isto dizer que as atitudes se referem sempre a objectos específicos. Também podemos agrupá-Ias em áreas consoante o seu objecto. Assim, temos atitudes sociais, como as relativas às minorias étnicas e políticas, como as relativas aos impostos, ou atitudes organizacionais, como as relativas à satisfação com a escola que frequentamos, atitudes relativas a pessoas específicas, como gostar ou não gostar de alguém, e atitudes relativas a nós próprios, a auto- estima. 2
  • 3. As atitudes têm as seguintes características: 1. Dirigem-se sempre a um objecto específico; estes objectos podem ser concretos, "não gosto daquelas calças", pessoas, "o professor de Português é excelente", grupos, "os psiquiatras são malucos", ideias abstractas, "a tolerância é importante na relação entre as pessoas", ou comportamentos, "beber em excesso é condenável,,; 2. São aprendidas; é através da nossa experiência e daqueles que estão à nossa volta, especialmente as pessoas que são importantes para nós, que construímos as atitudes; 3. São inferidas do comportamento; não sabemos qual é a atitude de uma pessoa até a vermos expressar-se ou comportar-se de determinada forma; 4. Influenciam o comportamento; a atitude face a um objecto é a razão pela qual nos comportamos face a ele de determinada forma. Uma atitude é uma predisposição aprendida para responder de forma favorável ou desfavorável a um objecto, pessoa, instituição ou acontecimento. No âmago de cada atitude existem três componentes que actuam conjuntamente e a determinam, são as componentes afectiva, cognitiva e comporta mental. As atitudes vão senda construídas ao longo da nossa vida por processos de aprendizagem, resultantes da interacção social e modificam-se conforme temos acesso a novas informações ou experiências. Por isso, diferentes pessoas podem ter diferentes atitudes e a mesma pessoa pode ir mudando as suas atitudes ao longo da tempo. Ninguém põe em causa que as atitudes são aprendidas na relação com os outros. Por isso, aqueles com quem temos relações afectivas mais fortes, as que mais gostamos e os que não gostamos de todo, são as que têm mais influência em nós e servem-nos de referência positiva ou negativa. Em diferentes momentos da nossa vida temas relações privilegiadas com pessoas diferentes. Se durante a infância os pais são essas figuras, durante a adolescência ou a idade adulta as nossas referências são certamente outras, embora inscritas no pano de fundo constituído pelas relações significativas da infância. Os pais e as familiares mais próximas são a primeira fonte de construção das nossas atitudes. Mas conforme vamos crescendo e desenvolvendo surgem outras fontes de influência. 3