SlideShare uma empresa Scribd logo
TERMOQUÍMICA
Profª Especialista Thaiza
Montine
Colégio da Polícia Militar de
Goiás Unidade Ayrton Senna
TERMOQUÍMICA
• A energia liberada nas reações químicas está
presente em várias atividades da nossa vida
diária. Por exemplo, o calor liberado na queima
do gás butano que cozinha os nossos alimentos, o
calor liberado na combustão do álcool ou da
gasolina que movimenta nossos veículos e
através das reações químicas dos alimentos no
nosso organismo que obtemos a energia
necessária para manutenção da vida.
• A maioria das reações químicas ocorre
produzindo variações de energia, que
freqüentemente se manifestam na forma de
variações de calor. A termoquímica ocupa-se do
estudo quantitativo das variações térmicas que
acompanham as reações químicas.
• A termoquímica estuda a transferência de calor
associada a reações químicas ou a mudanças no
estado físico de uma substância.
Para podermos falar de termoquímica, temos
primeiro de falar sobre uma transformação
química. Exatamente o que é uma reação
química? Sabe-se que em uma reação química
os reagentes são transformados em produtos,
e que os produtos têm composição química e
propriedades químicas e físicas diferentes
daquelas dos reagentes. Sabe-se também que
durante uma reação química, massa não é
perdida e nem ganha.
• Os calorímetros são aparelhos capazes de
medir o calor de uma reação química.
• Calor de reação é o nome dado a quantidade de
calor liberado ou absorvido em uma reação
química.
• Diante de uma reação química ou mudança de
estado físico, podemos ter processos que
fornecem ou liberam calor.
Essas reações são de dois tipos:
• Reações exotérmicas: as que liberam calor para o
meio ambiente.
• Exemplos:
• combustão (queima) do gás butano, C4H10
C4H10(g) + 13/2 O2(g) => 4 CO2(g) + 5H20(g) + calor
• combustão do etanol, C2H60:
C2H60(l) + 3 O2(g) => 2 CO2(g) + 3 H2O(g) + calor
• Na equação química, o calor é representado junto
aos produtos para significar que foi produzido,
isto é, liberado para o ambiente durante a reação.
• Reações endotérmicas: as que para ocorrerem
retiram calor do meio ambiente.
• Exemplos
• decomposição da água em seus elementos:
H20(l) + calor => H2(g) + 1/2 O2(g)
• fotossíntese:
6 CO2(g) + 6 H20(l) + calor => C6H12O6(aq) + 6 O2(g)
• Na equação química, a energia absorvida é
representada junto aos reagentes, significando
que foi fornecida pelo ambiente aos reagentes.
Ora, o calor está associado a uma variação de
energia, e nós podemos generalizar, sem medo
de errar, que toda a reação química é
acompanhada por uma variação de energia.
• A Termodinâmica é o ramo das ciências que estuda
as transformações de energia, e portanto, é muito
importante para a Química.
• Veja bem: os átomos ou íons de um composto se
mantém unidos por ligações químicas, e essas
ligações devem ser quebradas quando os reagentes
passam por uma transformação química, e formadas
quando da formação dos produtos da reação. Em
geral, podemos dizer que para quebrarmos uma
ligação química nós precisamos fornecer energia
para o sistema, enquanto que energia é liberada do
sistema quando ligações químicas são formadas.
• Se uma determinada reação requer ou não energia
para acontecer, vai ser o resultado do balanço entre
a energia total requerida para quebrar umas ligações
e a energia total liberada pela formação de outras.
Essa discussão nos leva a um parênteses:
• Uma determinada reação química pode causar
variações de energia por necessitar de, ou
fornecer, corrente elétrica, ou necessitar de, ou
fornecer, luz.
• Entretanto, o que se encontra quase sempre é o de
uma transformação química causar uma variação
de energia na forma de calor, assim, a
Termoquímica estuda as variações de energia
térmica que acompanha as transformações
químicas, bem como em mudanças físicas como por
exemplo, mudanças de estado como fusão,
ebulição, etc.
• Mas afinal, o que é o calor?
• O calor é a energia que é transferida entre dois
corpos de temperaturas diferentes.
• Note que a energia é uma propriedade do corpo,
enquanto que o calor não é. O calor é a energia em
movimento entre os objetos ou sistemas que estão
a diferentes temperaturas e estão em contato um
com o outro.
• O sentido do movimento do calor é sempre do
sistema mais quente para o mais frio, e isso é
intuitivo: tome um objeto metálico que tenha sido
guardado na gaveta, digamos um prego, ou uma
chave de fenda; você vai sentir uma sensação de
frio, pos o metal,bom condutor de calor, vai
receber o calor de sua mão – a energia calórica do
seu corpo vai fluir para o objeto metálico, deixando
para traz aquela sensação de que o objeto é frio.
Por outro lado, tenha bastante cuidado ao tocar
num objeto metálico que tenha sido exposto ao sol,
pois a energia calórica ali armazenada pode fluir
com tanta intensidade que pode queimar seus
dedos.
Mas, diria você, e a energia de um sistema
químico?
E eu responderia AH! Boa pergunta!
• Vamos aclarar a idéia de “sistema”. Eu chamo de
sistema somente aquilo que eu estou estudando,
tudo o mais é o resto do universo, os “arredores”.
Assim sendo, eu posso dizer que toda a energia
contida num sistema químico é chamada de
energia interna.
• Essa energia interna acontece devido ao movimento
das moléculas no espaço (movimento de translação),
às rotações das partículas (movimento rotacional) e
às atrações e repulsões que as partículas sentem
umas pelas outras, e ainda por vibrações que as
partículas desenvolvem. Podemos dizer então que a
energia interna de um sistema é a soma de todas
essas energias dos átomos, moléculas ou íons do
nosso sistema. Ficou confuso? Vamos melhorar isso.
Quando você aumenta a energia interna de um
sistema químico, três coisas podem ocorrer:
• a temperatura do sistema aumenta.
• pode ocorrer a fusão ou a ebulição do sistema. Por
exemplo, as moléculas de um líquido são unidas por
forças que chamamos de intermoleculares (a atração
entre átomos numa mesma molécula são atrações
intramoleculares). O calor adicionado a um líquido pode
aumentar tanto a energia interna, que ela pode causar a
que as moléculas do líquido possam sobrepujar as forças
de atração intermoleculares, e daí que possam escapar
do líquido na forma de vapor – é o princípio da ebulição.
De maneira similar, um sólido pode fundir.
• pode ocorrer uma reação química. Quando o aumento
de energia interna do sistema é o suficiente para causar
a quebra de ligações químicas, e levar à formação de
outras, então teremos uma reação química. As reações
químicas que necessitam de calor externo para
acontecerem, são chamadas de endotérmicas.
• Um decréscimo de energia interna, pelo contrário,
pode causar um abaixamento de temperatura do
sistema ou uma mudança de estado líquido para sólido,
por exemplo, muito raramente pode provocar uma
reação química.
• Mesmo assim, em uma reação química exotérmica, a
quantidade de energia interna dos produtos ao final da
reação, quando já se atingiu o equilíbrio térmico com o
meio ambiente, a quantidade de energia interna dos
produtos pode ser menor que aquela dos reagentes.
• A energia interna total de um sistema é claro que não
pode ser determinada, mas a sua variação, ∆E, sim. ∆E
é definido por:
∆E = E final – E inicial
• E essa energia pode ser tanto medida quanto
calculada à partir de dados teóricos.
• Podemos afirmar portanto que é a mudança de
energia interna, ∆E, que é a quantidade de energia
trocada pelo sistema e seus arredores quando
ocorre uma reação química ou em uma mudança em
um processo físico.
• O calor liberado ou absorvido por um sistema que
sofre uma reação química á determinado em
aparelhos chamados calorímetros. Estes variam em
detalhes e são adaptados para cada tipo de reação
que se quer medir o calor.
A determinação do calor liberado ou absorvido numa
reação química á efetuada através da expressão:
onde:
Q é a quantidade de calor liberada ou absorvida pela reação.
Esta grandeza pode ser expressa em calorias (cal) ou em Joules
(J). O Sistema Internacional de Medidas (SI) recomenda a
utilização do Joule, no entanto, a caloria ainda é muito utilizada.
Uma caloria (1 cal) é a quantidade de calor necessária para
fazer com que 1,0 g de água tenha sua temperatura aumentada
de 1,0ºC. Cada caloria corresponde a 4,18 J;
m é a massa, em gramas, de água presente no calorímetro;
c é o calor especifico do liquido presente no calorímetro. Para a
água seu valor é 1 cal/g . ºC;
∆t é a variação de temperatura sofrida pela massa de água
devido a ocorrência da reação. É medida em graus
Celsius.
• A variação de energia determinada a
volume constante é chamada de
variação de energia interna,
representada por ∆E, e a variação de
energia determinada à pressão
constante é chamada de variação de
entalpia, representada por ∆H.
ENTALPIA E VARIAÇÃO DE
ENTALPIA
O calor, como sabemos, é uma forma de energia e,
segundo a Lei da Conservação da Energia, ela não
pode ser criada e nem destruída, pode apenas ser
transformada de uma forma para outra. Em vista
disso, somos levados a concluir que a energia:
• liberada por uma reação química não foi criada, ela
já existia antes, armazenada nos reagentes, sob
uma outra forma;
• absorvida por uma reação química não se perdeu,
ela permanece no sistema, armazenada nos
produtos, sob uma outra forma.
• Cada substância, portanto, armazena um
certo conteúdo de calor, que será alterado
quando a substância sofrer uma
transformação. A liberação de calor pela
reação exotérmica significa que o conteúdo
total de calor dos produtos á menor que o
dos reagentes. Inversamente, a absorção
de calor por uma reação endotérmica
significa que o conteúdo total de calor
armazenado nos produtos é maior que o dos
reagentes.
• A energia armazenada nas substâncias
(reagentes ou produtos) dá-se o nome de
conteúdo de calor ou entalpia. Esta é
usualmente representada pela letra H.
Numa reação, a diferença entre as
entalpias dos produtos e dos reagentes
corresponde à variação de entalpia
∆H = Hp – Hr
onde:
• Hp = entalpia dos produtos;
• Hr = entalpia dos reagentes.
• Numa reação exotérmica temos que Hp <
Hr e, portanto, < O (negativo).
• Numa reação endotérmica temos que Hp >
Hr e, portanto, > O (positivo).
Equações termoquímicas e gráficos de
entalpia
• As reações, como sabemos, são representadas
através de equações químicas. No caso da
representação de uma reação que ocorre com
variação de calor, é importante representar,
além da quantidade de calor envolvida, as
condições experimentais em que a
determinação dessa quantidade de calor foi
efetuada. Isso porque o valor do calor de
reação é afetado por fatores como a
temperatura e a pressão em que se processa a
reação, o estado físico e as variedades
alotrópicas das substâncias participantes
dessa reação. A equação que traz todas essas
informações chama-se equação termoquímica.
Exemplos de equações termoquímicas:
1º Exemplo:
H2(g) + Cl2(g) => 2 HCl(g) + 184,9 kJ (25ºC, 1 atm)
Segundo a equação, 1 mol de hidrogênio
gasoso reage com 1 mol de cloro gasoso
formando 2 mols de cloreto de hidrogênio
gasoso, liberando 184,9 kJ de calor. Tal
reação foi realizada à temperatura de 25ºC e
à pressão de 1 atm.
Podemos também escrever essa equação
termoquímica utilizando a notação ∆H.
Neste caso temos:
H2(g) + Cl2(g) => 2 HCl(g) ∆H =-184,9 kJ (25ºC,1 atm)
O valor numérico de ∆H é precedido do
sinal negativo pois a reação é exotérmica.
Graficamente, a variação de entalpia
que acompanha a reação é representada
por:
H H2(g) + Cl2(g)
∆H = - 184,9 KJ
2 HCl(g)
2º Exemplo:
H2(g) + I2(g) + 51,8 kJ => 2 HI (g) (25ºC, 1 atm)
• Segundo a equação, quando, a 25ºC e 1 atm, 1 mol
de hidrogênio gasoso reage com 1 mol de iodo
gasoso, formando 2 mols de iodeto de hidrogênio
gasoso, são absorvidos 51,8 kJ de calor.
• A equação também pode ser escrita utilizando a
notação ∆H:
H2(g) + I2(g) => 2 HI (g) ∆H = + 51,8 kJ (25ºC,1 atm)
O valor numérico de ∆H é positivo, pois a reação é
endotérmica.
Graficamente a variação de entalpia dessa
reação pode ser representada por:
H
2 HI(g)
∆H = + 51,8 KJ
H2(g) + I2(g)
RESUMINDO:
Processo exotérmico: o calor é cedido
pela reação (reagentes) para o
ambiente.
RESUMINDO:
Processo endotérmico: os reagentes
absorvem calor do ambiente.
DETERMINAÇÃO INDIRETA DO
CALOR DE REAÇAO
• Vimos anteriormente que a variação
de entalpia de uma reação á
determinada experimentalmente no
calorímetro.
• Existem, no entanto, maneiras
indiretas de determinação da
variação de entalpia de uma reação. A
seguir, discutiremos as mais
importantes.
Determinação através da
definição de ∆H
• Já vimos que a variação de entalpia ∆H de uma
reação é a diferença entre as entalpias dos
produtos e reagentes de uma reação.
∆H = Hp – Hr
• Portanto, se conhecêssemos as entalpias
absolutas das substâncias, poderíamos calcular,
facilmente, a variação de entalpia associada a
qualquer reação. Como isto á impossível, pois
apenas a diferença das entalpias dos produtos e
reagentes pode ser medida, os químicos
resolveram atribuir, arbitrariamente, a um grupo
de substâncias um determinado valor de entalpia
e, a partir disso, construir uma escala relativa de
entalpias das demais substâncias.
• Assim, atribuiu-se às variedades alotrópicas mais
estáveis das substâncias simples, a 25ºC e 1 atm,
entalpias iguais a zero. Essas condições
experimentais são chamadas de condições
padrão ou estado padrão, e a entalpia,
determinada nessas condições, á a entalpia
padrão. A entalpia padrão á representada por Hº.
• Por exemplo, têm entalpias padrão zero as
substâncias: 02 gasoso, H2 gasoso, I2 sólido, C
grafite, S8 rômbico etc., e têm entalpias padrão
diferentes de zero as substâncias: 02 liquido, 03
gasoso, H2 liquido, I2 gasoso, C diamante, S8
monoclínico etc.
• A entalpia padrão de uma substância qualquer
pode ser calculada tomando-se como referência a
variação de entalpia da reação de formação,
também chamada de entalpia de formação, dessa
substância a partir de seus elementos, no estado
padrão.
• Calor de formação ou entalpia de formação é o
nome dado à variação de entalpia associada à
formação de um mol de uma substância a partir de
seus elementos constituintes, na forma de
substâncias simples mais estável e no estado
padrão.
• A entalpia de formação é representada por ∆Hºf.
Exemplo
Acompanhe a seguir a determinação da entalpia padrão do
dióxido de carbono gasoso:
Reação de formação do C02(g):
Conhecendo-se as entalpias padrão das
substâncias, a variação de entalpia de uma
reação pode ser determinada com facilidade.
• Essa Entalpia Padrão é dada em Kcal/mol e,
previamente determinada, não sendo necessária
sua memorização.
• Alguns exemplos:
H20 (l) = - 68,3
HCl (g) = - 22,0
CO2 (g) = - 94,1
NH3 (g) = - 11,0
Determinação através da Lei de
Hess
• Em 1849, o químico Germain Henri Hess,
efetuando inúmeras medidas dos calores de
reação, verificou que:
• O calor liberado ou absorvido numa reação
química depende apenas dos estados
intermediários pelos quais a reação passa.
• Esta é a lei da atividade dos calores de reação ou
lei de Hess.
• De acordo com essa lei é possível calcular a
variação de entalpia de uma reação através da
soma algébrica de equações químicas que possuam
conhecidos.
Por exemplo, a partir das equações:
é possível determinar a variação de entalpia da reação
de formação do metano, CH4, reação essa que não
permite medidas calorimétricas precisas de seu calor
de reação por ser lenta e apresentar reações
secundárias.
A soma algébrica das reações dadas deve,
portanto, resultar na reação de formação do
metano, cujo queremos determinar:
No entanto, para obtermos essa equação devemos
efetuar as seguintes operações:
• multiplicar a reação II por 2, para que o número
de mols de H2(g) seja igual a 2, consequentemente
o também será multiplicado por 2;
• inverter a reação III, para que CH4(g) passe para
o segundo membro da equação. Em vista disso, o
∆H também terá seu sinal invertido, isto é, se a
reação é exotérmica, invertendo-se o seu sentido,
passará a ser endotérmica e vice-versa;
• somar algebricamente as equações e os ∆H.
Assim temos:
Energia de ligação
• É a energia fornecida
para romper 1 mol de
ligações entre dois
átomos e um sistema
gasoso, a 25ºC e 1 atm.
• A energia de ligação
pode ser determinada
experimentalmente.
Na tabela ao
lado estão
relacionadas as
energias de algumas
ligações.
Ligação
Energia de ligação
kcal/mol de ligações
H - H 104,2
Cl - Cl 57,8
H - Cl 103,0
O = O 118,3
Br - Br 46,1
H - Br 87,5
C - C 83,1
C - H 99,5
C - Cl 78,5
Observe que os valores tabelados são todos
positivos, isto porque o rompimento de
ligações é um processo que consome energia,
ou seja, é um processo endodérmico. A
formação de ligações, ao contrário, é um
processo que libera energia, processo
exotérmico.
Para se determinar o ∆H de uma reação a partir
dos valores devemos considerar:
• que todas as ligações dos reagentes são rompidas e
determinar a quantidade de energia consumida
nesse processo;
• que as ligações existentes nos produtos foram
todas formadas a partir de átomos isolados e
determinar a quantidade de energia liberada nesse
processo.
TIPOS DE CALORES E
ESPONTANEIDADE DAS REAÇÕES
A variação da entalpia recebe uma denominação
particular da natureza da reação:
• Calor de combustão ou entalpia de combustão: É
∆H associado à reação de combustão, no estado
padrão, de um mol de uma substância.
• Calor de dissolução ou entalpia de dissolução: É
o associado a 1 mol de uma substância em água
suficiente para preparar um solução diluída.
• Calor de neutralização ou entalpia de
neutralização: É o da reação de neutralização de 1
equivalente-grama de um ácido por 1 equivalente
de uma base, ambos na forma de soluções aquosas
diluídas
Espontaneidade das reações
• Muito dos processos que ocorrem à sua volta são
espontâneos, isto é, uma vez iniciados prosseguem sem
a necessidade de ajuda externa. A dissolução do sal em
água, a queima de carvão são exemplos de processos
espontâneos.
• Os processos espontâneos são aqueles que apenas são
possíveis através do fornecimento contínuo de energia
do meio ambiente. O cozimento de alimentos, a
obtenção de metais, são exemplos de processos não
espontâneos.
• A constatação de que a maioria dos processos
espontâneos ocorrem com liberação de energia, levou à
idéia de que apenas processos exotérmicos, que
ocorriam com diminuição de energia do sistema, eram
espontâneos. De fato, isto é verdade para muitas
reações; existem, no entanto, processos espontâneos
que absorvem calor. Portanto, além do fator energia,
existe um outro que influencia a espontaneidade de um
processo. Este fator chama-se entropia, e é
representado pela letra S.
A entropia está associada à ordem ou à desordem de
um sistema. Quanto mais desorganizado o sistema,
maior será sua entropia.
Exemplos de processos que ocorrem com aumento de
entropia:
• a evaporação de um líquido: no estado gasoso as
moléculas movimentam-se com mais liberdade do que
no estado líquido, estão, portanto, mais
desorganizadas;
• a dissolução de qualquer substância em um liquido
também produz um sistema em que a desorganização é
maior.
Da mesma forma que para a entalpia, para a
determinação da entropia das substâncias foi
necessário estabelecer, arbitrariamente, a entropia de
algumas substâncias e, a partir disso, construir uma
escala relativa de entropias. Estabeleceu-se que uma
substância, na forma de um cristal perfeito, a zero
Kelvin, tem entropia zero.
• A espontaneidade de um processo é determinada
pelos fatores entalpia e entropia.
• São espontâneos os processos que ocorrem com
diminuição de entalpia e aumento de entropia.
• Não são espontâneos os processos que ocorrem
com aumento de entalpia e diminuição de entropia.
• Quando um processo ocorre com aumento ou
diminuição simultânea de entalpia e entropia, para
se prever a espontaneidade ou não da reação é
necessário lançar mão de uma grandeza que
relaciona a entropia e a entalpia.
• Esta grandeza é a energia livre de Gibbs (G) e é
dada pela equação:
• ∆G é a variação de energia livre do sistema, dada
em kcal/mol;
• ∆H é a variação de entalpia, dada em kcal/mol;
• T é a temperatura absoluta (K);
• ∆S é a variação de entropia, dada em cal/K . mol.
A energia livre de Gibbs mede a capacidade que
um sistema possui de realizar trabalho. São
espontâneos os processos onde a capacidade de
realizar trabalho do sistema diminui, ou seja,
∆G < 0. Processos não espontâneos são aqueles
onde a capacidade do sistema realizar trabalho
aumenta, ou seja, ∆G > 0.
FONTE BIBLIOGRÁFICA:
• http://inorgan221.iq.unesp.br/quimgeral/r
espostas/termodina.html
• http://educar.sc.usp.br/quimapoio/termoq
ui.html
• http://netopedia.tripod.com/quimic/termo
quimica.htm
• http://mundoeducacao.uol.com.br/quimica/
termoquimica.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
Layanne Caetano
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
crisbassanimedeiros
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
Ajudar Pessoas
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ronaldo Santana
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
bradok157
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
João Paulo Luna
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
Luiz Lázaro Leal de Albuquerque
 
Formas de energia e transformação de energia
Formas de energia e transformação de energiaFormas de energia e transformação de energia
Formas de energia e transformação de energia
Raquel Alves
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
Estude Mais
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
UERGS
 
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
Silvana Sanches
 
2. a constituição da matéria átomo
2. a constituição da matéria   átomo2. a constituição da matéria   átomo
2. a constituição da matéria átomo
karlinha soares
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
Turma Olímpica
 
A célula
A célulaA célula
A célula
Gabriela Bruno
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Ronaldo Santana
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
Cláudio Santos
 
Slide de termoquímica
Slide de termoquímicaSlide de termoquímica
Slide de termoquímica
Fábio Garcia Ferreira
 
Segurança no Laboratório de Química
Segurança no Laboratório de QuímicaSegurança no Laboratório de Química
Segurança no Laboratório de Química
Fabiano Araujo
 
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específicoCalor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Paulo Alexandre
 
9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico
Jane Jeiza
 

Mais procurados (20)

Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
Aula 1 introdução à química orgânica.
Aula 1    introdução à química orgânica.Aula 1    introdução à química orgânica.
Aula 1 introdução à química orgânica.
 
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de CinemáticaCiências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
Ciências 9º Ano (Física): estudo dos movimentos: Conceitos Básicos de Cinemática
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 
Formas de energia e transformação de energia
Formas de energia e transformação de energiaFormas de energia e transformação de energia
Formas de energia e transformação de energia
 
Termoquimica
TermoquimicaTermoquimica
Termoquimica
 
Introdução a genetica
Introdução a geneticaIntrodução a genetica
Introdução a genetica
 
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
_ciclos biogeoquímicos ppt.pptx
 
2. a constituição da matéria átomo
2. a constituição da matéria   átomo2. a constituição da matéria   átomo
2. a constituição da matéria átomo
 
Fluxo de Energia
Fluxo de EnergiaFluxo de Energia
Fluxo de Energia
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
Aula de Física - Calor e energia térmica (Ciências 9º Ano)
 
Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Slide de termoquímica
Slide de termoquímicaSlide de termoquímica
Slide de termoquímica
 
Segurança no Laboratório de Química
Segurança no Laboratório de QuímicaSegurança no Laboratório de Química
Segurança no Laboratório de Química
 
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específicoCalor sensível, capacidade térmica e calor específico
Calor sensível, capacidade térmica e calor específico
 
9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico9 ano método ciêntífico
9 ano método ciêntífico
 

Destaque

Termoquímica2
Termoquímica2Termoquímica2
Termoquímica2
jorgehenriqueangelim
 
Reações fotoquímicas
Reações fotoquímicasReações fotoquímicas
Reações fotoquímicas
Paulo Correia
 
Energia e Reaccoes Quimicas
Energia e Reaccoes QuimicasEnergia e Reaccoes Quimicas
Energia e Reaccoes Quimicas
positrao
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
Antonio Carneiro
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
Adrianne Mendonça
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Karol Maia
 
"Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге...
"Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге..."Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге...
"Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге...
Julia Lebedeva
 
concrete5.7のご紹介
concrete5.7のご紹介concrete5.7のご紹介
concrete5.7のご紹介
Hishikawa Takuro
 
Mikel lasaga
Mikel lasagaMikel lasaga
Mikel lasaga
holepuncherpamplona
 
Weisskopf1983 cycle
Weisskopf1983 cycleWeisskopf1983 cycle
Weisskopf1983 cycle
economicgrowthcucea
 
Sergio martinez
Sergio martinezSergio martinez
Sergio martinez
holepuncherpamplona
 
Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014
Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014
Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014
Toto Wirjosoemarto
 
Gist open data
Gist open dataGist open data
Gist open data
Saul Cozens
 
2nd six weeks test review
2nd six weeks test review2nd six weeks test review
2nd six weeks test review
lmielke
 
Resources and Lessons on Open Data from the World Bank
Resources and Lessons on Open Data from the World BankResources and Lessons on Open Data from the World Bank
Resources and Lessons on Open Data from the World Bank
tariqkhokhar
 
Pan Pan's Tea Shop Photo Essay
Pan Pan's Tea Shop Photo EssayPan Pan's Tea Shop Photo Essay
Pan Pan's Tea Shop Photo Essay
ISYGrade6
 
David pulido
David pulidoDavid pulido
David pulido
holepuncherpamplona
 

Destaque (20)

Termoquímica2
Termoquímica2Termoquímica2
Termoquímica2
 
Reações fotoquímicas
Reações fotoquímicasReações fotoquímicas
Reações fotoquímicas
 
Energia e Reaccoes Quimicas
Energia e Reaccoes QuimicasEnergia e Reaccoes Quimicas
Energia e Reaccoes Quimicas
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
Entalpia de formação e energia de ligação (2 ano)
 
"Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге...
"Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге..."Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге...
"Российские разработчики мобильных игр: рынок и стратегии", Кирилл Петров, ге...
 
CSRF
CSRFCSRF
CSRF
 
concrete5.7のご紹介
concrete5.7のご紹介concrete5.7のご紹介
concrete5.7のご紹介
 
Mikel lasaga
Mikel lasagaMikel lasaga
Mikel lasaga
 
Weisskopf1983 cycle
Weisskopf1983 cycleWeisskopf1983 cycle
Weisskopf1983 cycle
 
Patrick Malan
Patrick MalanPatrick Malan
Patrick Malan
 
Watchmen
WatchmenWatchmen
Watchmen
 
Sergio martinez
Sergio martinezSergio martinez
Sergio martinez
 
Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014
Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014
Mr. Tatsuya Yanagi presentation on OVOP - Yogyakarta Workshop 2014
 
Gist open data
Gist open dataGist open data
Gist open data
 
2nd six weeks test review
2nd six weeks test review2nd six weeks test review
2nd six weeks test review
 
Resources and Lessons on Open Data from the World Bank
Resources and Lessons on Open Data from the World BankResources and Lessons on Open Data from the World Bank
Resources and Lessons on Open Data from the World Bank
 
Pan Pan's Tea Shop Photo Essay
Pan Pan's Tea Shop Photo EssayPan Pan's Tea Shop Photo Essay
Pan Pan's Tea Shop Photo Essay
 
David pulido
David pulidoDavid pulido
David pulido
 

Semelhante a Termoquimica

Termoquimica by professora thaiza montine
Termoquimica by professora thaiza montineTermoquimica by professora thaiza montine
Termoquimica by professora thaiza montine
Yana Sofia
 
TermoquíMica
TermoquíMicaTermoquíMica
TermoquíMica
ProfªThaiza Montine
 
Termoquímica parte 01
Termoquímica parte 01Termoquímica parte 01
Termoquímica parte 01
Escola Pública/Particular
 
Termoquímica.pptx
Termoquímica.pptxTermoquímica.pptx
Termoquímica.pptx
GuilhermeRodriguesFi
 
"Somos Físicos" Calorimetria
"Somos Físicos" Calorimetria"Somos Físicos" Calorimetria
"Somos Físicos" Calorimetria
Vania Lima "Somos Físicos"
 
FQE1_EXP1_Termoquimica.pdf
FQE1_EXP1_Termoquimica.pdfFQE1_EXP1_Termoquimica.pdf
FQE1_EXP1_Termoquimica.pdf
Santos Raimundo
 
APRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptx
APRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptxAPRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptx
APRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptx
ssuser36044d
 
TERMOQUÍMICA.pptx
TERMOQUÍMICA.pptxTERMOQUÍMICA.pptx
TERMOQUÍMICA.pptx
PelotaMECXII
 
Apostila de temorquimica
Apostila de temorquimicaApostila de temorquimica
Apostila de temorquimica
Felipe Silva Ribeiro
 
Apostila físico química e analítica - teoria e exercícios
Apostila   físico química e analítica - teoria e exercíciosApostila   físico química e analítica - teoria e exercícios
Apostila físico química e analítica - teoria e exercícios
João Valdir Miranda
 
Fisica
FisicaFisica
Relatório ii calor de neutralização
Relatório ii calor de neutralizaçãoRelatório ii calor de neutralização
Relatório ii calor de neutralização
Rosa Maria Santini Prado
 
Termoquímica introdução.pptx
Termoquímica introdução.pptxTermoquímica introdução.pptx
Termoquímica introdução.pptx
JooDocilio1
 
Fisica
FisicaFisica
Pdf fisica
Pdf fisicaPdf fisica
Pdf fisica
EMSNEWS
 
Apostila de Física
Apostila de FísicaApostila de Física
Apostila de Física
Maurício Vieira
 
Fisica
FisicaFisica
Fisica
sergiocarlos
 
Termoquímica 2o ano
Termoquímica  2o anoTermoquímica  2o ano
Termoquímica 2o ano
Karol Maia
 
Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1
Pedro Lula Mota, CEA
 
Entalpia
EntalpiaEntalpia
Entalpia
Layssa Ferreira
 

Semelhante a Termoquimica (20)

Termoquimica by professora thaiza montine
Termoquimica by professora thaiza montineTermoquimica by professora thaiza montine
Termoquimica by professora thaiza montine
 
TermoquíMica
TermoquíMicaTermoquíMica
TermoquíMica
 
Termoquímica parte 01
Termoquímica parte 01Termoquímica parte 01
Termoquímica parte 01
 
Termoquímica.pptx
Termoquímica.pptxTermoquímica.pptx
Termoquímica.pptx
 
"Somos Físicos" Calorimetria
"Somos Físicos" Calorimetria"Somos Físicos" Calorimetria
"Somos Físicos" Calorimetria
 
FQE1_EXP1_Termoquimica.pdf
FQE1_EXP1_Termoquimica.pdfFQE1_EXP1_Termoquimica.pdf
FQE1_EXP1_Termoquimica.pdf
 
APRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptx
APRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptxAPRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptx
APRESENTAÇÃO TERMOQUÍMICA -SEGUNDO ANO.pptx
 
TERMOQUÍMICA.pptx
TERMOQUÍMICA.pptxTERMOQUÍMICA.pptx
TERMOQUÍMICA.pptx
 
Apostila de temorquimica
Apostila de temorquimicaApostila de temorquimica
Apostila de temorquimica
 
Apostila físico química e analítica - teoria e exercícios
Apostila   físico química e analítica - teoria e exercíciosApostila   físico química e analítica - teoria e exercícios
Apostila físico química e analítica - teoria e exercícios
 
Fisica
FisicaFisica
Fisica
 
Relatório ii calor de neutralização
Relatório ii calor de neutralizaçãoRelatório ii calor de neutralização
Relatório ii calor de neutralização
 
Termoquímica introdução.pptx
Termoquímica introdução.pptxTermoquímica introdução.pptx
Termoquímica introdução.pptx
 
Fisica
FisicaFisica
Fisica
 
Pdf fisica
Pdf fisicaPdf fisica
Pdf fisica
 
Apostila de Física
Apostila de FísicaApostila de Física
Apostila de Física
 
Fisica
FisicaFisica
Fisica
 
Termoquímica 2o ano
Termoquímica  2o anoTermoquímica  2o ano
Termoquímica 2o ano
 
Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1Pedro Fisica 1
Pedro Fisica 1
 
Entalpia
EntalpiaEntalpia
Entalpia
 

Mais de Aninha Felix Vieira Dias

Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodicaLista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
Aninha Felix Vieira Dias
 
Tabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicosTabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicos
Aninha Felix Vieira Dias
 
cálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluçõescálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluções
Aninha Felix Vieira Dias
 
Gases e transformações
Gases  e transformaçõesGases  e transformações
Gases e transformações
Aninha Felix Vieira Dias
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
Aninha Felix Vieira Dias
 
Ligações químicas e Arranjos atômicos
Ligações químicas e Arranjos atômicosLigações químicas e Arranjos atômicos
Ligações químicas e Arranjos atômicos
Aninha Felix Vieira Dias
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
Aninha Felix Vieira Dias
 
1. introdução ao estudo da química
1. introdução ao estudo da química1. introdução ao estudo da química
1. introdução ao estudo da química
Aninha Felix Vieira Dias
 
2.introdução ao estudo da quimica 2017
2.introdução ao estudo da quimica 20172.introdução ao estudo da quimica 2017
2.introdução ao estudo da quimica 2017
Aninha Felix Vieira Dias
 
1. aula inaugural 2017
1. aula inaugural 20171. aula inaugural 2017
1. aula inaugural 2017
Aninha Felix Vieira Dias
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Cálculos quimicos de termoquimica
Cálculos quimicos de  termoquimicaCálculos quimicos de  termoquimica
Cálculos quimicos de termoquimica
Aninha Felix Vieira Dias
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
Aninha Felix Vieira Dias
 
Funçoes oxigenadas
Funçoes oxigenadasFunçoes oxigenadas
Funçoes oxigenadas
Aninha Felix Vieira Dias
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
Aninha Felix Vieira Dias
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
Aninha Felix Vieira Dias
 
Gases aula 01
Gases aula 01Gases aula 01
Introdução a organica aula 01
Introdução a organica aula 01Introdução a organica aula 01
Introdução a organica aula 01
Aninha Felix Vieira Dias
 
A história de Cel Drake
A história de Cel DrakeA história de Cel Drake
A história de Cel Drake
Aninha Felix Vieira Dias
 

Mais de Aninha Felix Vieira Dias (20)

Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodicaLista de atividades  distribuição eletronica e tabela periodica
Lista de atividades distribuição eletronica e tabela periodica
 
Tabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicosTabela periódica dos elementos químicos
Tabela periódica dos elementos químicos
 
cálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluçõescálculos químicos e soluções
cálculos químicos e soluções
 
Gases e transformações
Gases  e transformaçõesGases  e transformações
Gases e transformações
 
Forças intermoleculares
Forças intermolecularesForças intermoleculares
Forças intermoleculares
 
Ligações químicas e Arranjos atômicos
Ligações químicas e Arranjos atômicosLigações químicas e Arranjos atômicos
Ligações químicas e Arranjos atômicos
 
Ligações químicas
Ligações químicasLigações químicas
Ligações químicas
 
1. introdução ao estudo da química
1. introdução ao estudo da química1. introdução ao estudo da química
1. introdução ao estudo da química
 
2.introdução ao estudo da quimica 2017
2.introdução ao estudo da quimica 20172.introdução ao estudo da quimica 2017
2.introdução ao estudo da quimica 2017
 
1. aula inaugural 2017
1. aula inaugural 20171. aula inaugural 2017
1. aula inaugural 2017
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Isomeria
IsomeriaIsomeria
Isomeria
 
Cálculos quimicos de termoquimica
Cálculos quimicos de  termoquimicaCálculos quimicos de  termoquimica
Cálculos quimicos de termoquimica
 
Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Funçoes oxigenadas
Funçoes oxigenadasFunçoes oxigenadas
Funçoes oxigenadas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Propriedades coligativas
Propriedades coligativasPropriedades coligativas
Propriedades coligativas
 
Gases aula 01
Gases aula 01Gases aula 01
Gases aula 01
 
Introdução a organica aula 01
Introdução a organica aula 01Introdução a organica aula 01
Introdução a organica aula 01
 
A história de Cel Drake
A história de Cel DrakeA história de Cel Drake
A história de Cel Drake
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 

Termoquimica

  • 1. TERMOQUÍMICA Profª Especialista Thaiza Montine Colégio da Polícia Militar de Goiás Unidade Ayrton Senna
  • 2. TERMOQUÍMICA • A energia liberada nas reações químicas está presente em várias atividades da nossa vida diária. Por exemplo, o calor liberado na queima do gás butano que cozinha os nossos alimentos, o calor liberado na combustão do álcool ou da gasolina que movimenta nossos veículos e através das reações químicas dos alimentos no nosso organismo que obtemos a energia necessária para manutenção da vida. • A maioria das reações químicas ocorre produzindo variações de energia, que freqüentemente se manifestam na forma de variações de calor. A termoquímica ocupa-se do estudo quantitativo das variações térmicas que acompanham as reações químicas. • A termoquímica estuda a transferência de calor associada a reações químicas ou a mudanças no estado físico de uma substância.
  • 3. Para podermos falar de termoquímica, temos primeiro de falar sobre uma transformação química. Exatamente o que é uma reação química? Sabe-se que em uma reação química os reagentes são transformados em produtos, e que os produtos têm composição química e propriedades químicas e físicas diferentes daquelas dos reagentes. Sabe-se também que durante uma reação química, massa não é perdida e nem ganha. • Os calorímetros são aparelhos capazes de medir o calor de uma reação química. • Calor de reação é o nome dado a quantidade de calor liberado ou absorvido em uma reação química. • Diante de uma reação química ou mudança de estado físico, podemos ter processos que fornecem ou liberam calor.
  • 4. Essas reações são de dois tipos: • Reações exotérmicas: as que liberam calor para o meio ambiente. • Exemplos: • combustão (queima) do gás butano, C4H10 C4H10(g) + 13/2 O2(g) => 4 CO2(g) + 5H20(g) + calor • combustão do etanol, C2H60: C2H60(l) + 3 O2(g) => 2 CO2(g) + 3 H2O(g) + calor • Na equação química, o calor é representado junto aos produtos para significar que foi produzido, isto é, liberado para o ambiente durante a reação.
  • 5. • Reações endotérmicas: as que para ocorrerem retiram calor do meio ambiente. • Exemplos • decomposição da água em seus elementos: H20(l) + calor => H2(g) + 1/2 O2(g) • fotossíntese: 6 CO2(g) + 6 H20(l) + calor => C6H12O6(aq) + 6 O2(g) • Na equação química, a energia absorvida é representada junto aos reagentes, significando que foi fornecida pelo ambiente aos reagentes.
  • 6. Ora, o calor está associado a uma variação de energia, e nós podemos generalizar, sem medo de errar, que toda a reação química é acompanhada por uma variação de energia. • A Termodinâmica é o ramo das ciências que estuda as transformações de energia, e portanto, é muito importante para a Química. • Veja bem: os átomos ou íons de um composto se mantém unidos por ligações químicas, e essas ligações devem ser quebradas quando os reagentes passam por uma transformação química, e formadas quando da formação dos produtos da reação. Em geral, podemos dizer que para quebrarmos uma ligação química nós precisamos fornecer energia para o sistema, enquanto que energia é liberada do sistema quando ligações químicas são formadas. • Se uma determinada reação requer ou não energia para acontecer, vai ser o resultado do balanço entre a energia total requerida para quebrar umas ligações e a energia total liberada pela formação de outras.
  • 7. Essa discussão nos leva a um parênteses: • Uma determinada reação química pode causar variações de energia por necessitar de, ou fornecer, corrente elétrica, ou necessitar de, ou fornecer, luz. • Entretanto, o que se encontra quase sempre é o de uma transformação química causar uma variação de energia na forma de calor, assim, a Termoquímica estuda as variações de energia térmica que acompanha as transformações químicas, bem como em mudanças físicas como por exemplo, mudanças de estado como fusão, ebulição, etc. • Mas afinal, o que é o calor?
  • 8. • O calor é a energia que é transferida entre dois corpos de temperaturas diferentes. • Note que a energia é uma propriedade do corpo, enquanto que o calor não é. O calor é a energia em movimento entre os objetos ou sistemas que estão a diferentes temperaturas e estão em contato um com o outro. • O sentido do movimento do calor é sempre do sistema mais quente para o mais frio, e isso é intuitivo: tome um objeto metálico que tenha sido guardado na gaveta, digamos um prego, ou uma chave de fenda; você vai sentir uma sensação de frio, pos o metal,bom condutor de calor, vai receber o calor de sua mão – a energia calórica do seu corpo vai fluir para o objeto metálico, deixando para traz aquela sensação de que o objeto é frio. Por outro lado, tenha bastante cuidado ao tocar num objeto metálico que tenha sido exposto ao sol, pois a energia calórica ali armazenada pode fluir com tanta intensidade que pode queimar seus dedos.
  • 9. Mas, diria você, e a energia de um sistema químico? E eu responderia AH! Boa pergunta! • Vamos aclarar a idéia de “sistema”. Eu chamo de sistema somente aquilo que eu estou estudando, tudo o mais é o resto do universo, os “arredores”. Assim sendo, eu posso dizer que toda a energia contida num sistema químico é chamada de energia interna. • Essa energia interna acontece devido ao movimento das moléculas no espaço (movimento de translação), às rotações das partículas (movimento rotacional) e às atrações e repulsões que as partículas sentem umas pelas outras, e ainda por vibrações que as partículas desenvolvem. Podemos dizer então que a energia interna de um sistema é a soma de todas essas energias dos átomos, moléculas ou íons do nosso sistema. Ficou confuso? Vamos melhorar isso.
  • 10. Quando você aumenta a energia interna de um sistema químico, três coisas podem ocorrer: • a temperatura do sistema aumenta. • pode ocorrer a fusão ou a ebulição do sistema. Por exemplo, as moléculas de um líquido são unidas por forças que chamamos de intermoleculares (a atração entre átomos numa mesma molécula são atrações intramoleculares). O calor adicionado a um líquido pode aumentar tanto a energia interna, que ela pode causar a que as moléculas do líquido possam sobrepujar as forças de atração intermoleculares, e daí que possam escapar do líquido na forma de vapor – é o princípio da ebulição. De maneira similar, um sólido pode fundir. • pode ocorrer uma reação química. Quando o aumento de energia interna do sistema é o suficiente para causar a quebra de ligações químicas, e levar à formação de outras, então teremos uma reação química. As reações químicas que necessitam de calor externo para acontecerem, são chamadas de endotérmicas.
  • 11. • Um decréscimo de energia interna, pelo contrário, pode causar um abaixamento de temperatura do sistema ou uma mudança de estado líquido para sólido, por exemplo, muito raramente pode provocar uma reação química. • Mesmo assim, em uma reação química exotérmica, a quantidade de energia interna dos produtos ao final da reação, quando já se atingiu o equilíbrio térmico com o meio ambiente, a quantidade de energia interna dos produtos pode ser menor que aquela dos reagentes. • A energia interna total de um sistema é claro que não pode ser determinada, mas a sua variação, ∆E, sim. ∆E é definido por: ∆E = E final – E inicial
  • 12. • E essa energia pode ser tanto medida quanto calculada à partir de dados teóricos. • Podemos afirmar portanto que é a mudança de energia interna, ∆E, que é a quantidade de energia trocada pelo sistema e seus arredores quando ocorre uma reação química ou em uma mudança em um processo físico. • O calor liberado ou absorvido por um sistema que sofre uma reação química á determinado em aparelhos chamados calorímetros. Estes variam em detalhes e são adaptados para cada tipo de reação que se quer medir o calor.
  • 13. A determinação do calor liberado ou absorvido numa reação química á efetuada através da expressão: onde: Q é a quantidade de calor liberada ou absorvida pela reação. Esta grandeza pode ser expressa em calorias (cal) ou em Joules (J). O Sistema Internacional de Medidas (SI) recomenda a utilização do Joule, no entanto, a caloria ainda é muito utilizada. Uma caloria (1 cal) é a quantidade de calor necessária para fazer com que 1,0 g de água tenha sua temperatura aumentada de 1,0ºC. Cada caloria corresponde a 4,18 J; m é a massa, em gramas, de água presente no calorímetro; c é o calor especifico do liquido presente no calorímetro. Para a água seu valor é 1 cal/g . ºC; ∆t é a variação de temperatura sofrida pela massa de água devido a ocorrência da reação. É medida em graus Celsius.
  • 14. • A variação de energia determinada a volume constante é chamada de variação de energia interna, representada por ∆E, e a variação de energia determinada à pressão constante é chamada de variação de entalpia, representada por ∆H.
  • 15. ENTALPIA E VARIAÇÃO DE ENTALPIA O calor, como sabemos, é uma forma de energia e, segundo a Lei da Conservação da Energia, ela não pode ser criada e nem destruída, pode apenas ser transformada de uma forma para outra. Em vista disso, somos levados a concluir que a energia: • liberada por uma reação química não foi criada, ela já existia antes, armazenada nos reagentes, sob uma outra forma; • absorvida por uma reação química não se perdeu, ela permanece no sistema, armazenada nos produtos, sob uma outra forma.
  • 16. • Cada substância, portanto, armazena um certo conteúdo de calor, que será alterado quando a substância sofrer uma transformação. A liberação de calor pela reação exotérmica significa que o conteúdo total de calor dos produtos á menor que o dos reagentes. Inversamente, a absorção de calor por uma reação endotérmica significa que o conteúdo total de calor armazenado nos produtos é maior que o dos reagentes. • A energia armazenada nas substâncias (reagentes ou produtos) dá-se o nome de conteúdo de calor ou entalpia. Esta é usualmente representada pela letra H.
  • 17. Numa reação, a diferença entre as entalpias dos produtos e dos reagentes corresponde à variação de entalpia ∆H = Hp – Hr onde: • Hp = entalpia dos produtos; • Hr = entalpia dos reagentes. • Numa reação exotérmica temos que Hp < Hr e, portanto, < O (negativo). • Numa reação endotérmica temos que Hp > Hr e, portanto, > O (positivo).
  • 18. Equações termoquímicas e gráficos de entalpia • As reações, como sabemos, são representadas através de equações químicas. No caso da representação de uma reação que ocorre com variação de calor, é importante representar, além da quantidade de calor envolvida, as condições experimentais em que a determinação dessa quantidade de calor foi efetuada. Isso porque o valor do calor de reação é afetado por fatores como a temperatura e a pressão em que se processa a reação, o estado físico e as variedades alotrópicas das substâncias participantes dessa reação. A equação que traz todas essas informações chama-se equação termoquímica.
  • 19. Exemplos de equações termoquímicas: 1º Exemplo: H2(g) + Cl2(g) => 2 HCl(g) + 184,9 kJ (25ºC, 1 atm) Segundo a equação, 1 mol de hidrogênio gasoso reage com 1 mol de cloro gasoso formando 2 mols de cloreto de hidrogênio gasoso, liberando 184,9 kJ de calor. Tal reação foi realizada à temperatura de 25ºC e à pressão de 1 atm.
  • 20. Podemos também escrever essa equação termoquímica utilizando a notação ∆H. Neste caso temos: H2(g) + Cl2(g) => 2 HCl(g) ∆H =-184,9 kJ (25ºC,1 atm) O valor numérico de ∆H é precedido do sinal negativo pois a reação é exotérmica.
  • 21. Graficamente, a variação de entalpia que acompanha a reação é representada por: H H2(g) + Cl2(g) ∆H = - 184,9 KJ 2 HCl(g)
  • 22. 2º Exemplo: H2(g) + I2(g) + 51,8 kJ => 2 HI (g) (25ºC, 1 atm) • Segundo a equação, quando, a 25ºC e 1 atm, 1 mol de hidrogênio gasoso reage com 1 mol de iodo gasoso, formando 2 mols de iodeto de hidrogênio gasoso, são absorvidos 51,8 kJ de calor. • A equação também pode ser escrita utilizando a notação ∆H: H2(g) + I2(g) => 2 HI (g) ∆H = + 51,8 kJ (25ºC,1 atm) O valor numérico de ∆H é positivo, pois a reação é endotérmica.
  • 23. Graficamente a variação de entalpia dessa reação pode ser representada por: H 2 HI(g) ∆H = + 51,8 KJ H2(g) + I2(g)
  • 24. RESUMINDO: Processo exotérmico: o calor é cedido pela reação (reagentes) para o ambiente.
  • 25. RESUMINDO: Processo endotérmico: os reagentes absorvem calor do ambiente.
  • 26. DETERMINAÇÃO INDIRETA DO CALOR DE REAÇAO • Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação á determinada experimentalmente no calorímetro. • Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação da variação de entalpia de uma reação. A seguir, discutiremos as mais importantes.
  • 27. Determinação através da definição de ∆H • Já vimos que a variação de entalpia ∆H de uma reação é a diferença entre as entalpias dos produtos e reagentes de uma reação. ∆H = Hp – Hr • Portanto, se conhecêssemos as entalpias absolutas das substâncias, poderíamos calcular, facilmente, a variação de entalpia associada a qualquer reação. Como isto á impossível, pois apenas a diferença das entalpias dos produtos e reagentes pode ser medida, os químicos resolveram atribuir, arbitrariamente, a um grupo de substâncias um determinado valor de entalpia e, a partir disso, construir uma escala relativa de entalpias das demais substâncias.
  • 28. • Assim, atribuiu-se às variedades alotrópicas mais estáveis das substâncias simples, a 25ºC e 1 atm, entalpias iguais a zero. Essas condições experimentais são chamadas de condições padrão ou estado padrão, e a entalpia, determinada nessas condições, á a entalpia padrão. A entalpia padrão á representada por Hº. • Por exemplo, têm entalpias padrão zero as substâncias: 02 gasoso, H2 gasoso, I2 sólido, C grafite, S8 rômbico etc., e têm entalpias padrão diferentes de zero as substâncias: 02 liquido, 03 gasoso, H2 liquido, I2 gasoso, C diamante, S8 monoclínico etc.
  • 29. • A entalpia padrão de uma substância qualquer pode ser calculada tomando-se como referência a variação de entalpia da reação de formação, também chamada de entalpia de formação, dessa substância a partir de seus elementos, no estado padrão. • Calor de formação ou entalpia de formação é o nome dado à variação de entalpia associada à formação de um mol de uma substância a partir de seus elementos constituintes, na forma de substâncias simples mais estável e no estado padrão. • A entalpia de formação é representada por ∆Hºf.
  • 30. Exemplo Acompanhe a seguir a determinação da entalpia padrão do dióxido de carbono gasoso: Reação de formação do C02(g):
  • 31. Conhecendo-se as entalpias padrão das substâncias, a variação de entalpia de uma reação pode ser determinada com facilidade. • Essa Entalpia Padrão é dada em Kcal/mol e, previamente determinada, não sendo necessária sua memorização. • Alguns exemplos: H20 (l) = - 68,3 HCl (g) = - 22,0 CO2 (g) = - 94,1 NH3 (g) = - 11,0
  • 32. Determinação através da Lei de Hess • Em 1849, o químico Germain Henri Hess, efetuando inúmeras medidas dos calores de reação, verificou que: • O calor liberado ou absorvido numa reação química depende apenas dos estados intermediários pelos quais a reação passa. • Esta é a lei da atividade dos calores de reação ou lei de Hess. • De acordo com essa lei é possível calcular a variação de entalpia de uma reação através da soma algébrica de equações químicas que possuam conhecidos.
  • 33. Por exemplo, a partir das equações: é possível determinar a variação de entalpia da reação de formação do metano, CH4, reação essa que não permite medidas calorimétricas precisas de seu calor de reação por ser lenta e apresentar reações secundárias. A soma algébrica das reações dadas deve, portanto, resultar na reação de formação do metano, cujo queremos determinar:
  • 34. No entanto, para obtermos essa equação devemos efetuar as seguintes operações: • multiplicar a reação II por 2, para que o número de mols de H2(g) seja igual a 2, consequentemente o também será multiplicado por 2; • inverter a reação III, para que CH4(g) passe para o segundo membro da equação. Em vista disso, o ∆H também terá seu sinal invertido, isto é, se a reação é exotérmica, invertendo-se o seu sentido, passará a ser endotérmica e vice-versa; • somar algebricamente as equações e os ∆H.
  • 36. Energia de ligação • É a energia fornecida para romper 1 mol de ligações entre dois átomos e um sistema gasoso, a 25ºC e 1 atm. • A energia de ligação pode ser determinada experimentalmente. Na tabela ao lado estão relacionadas as energias de algumas ligações. Ligação Energia de ligação kcal/mol de ligações H - H 104,2 Cl - Cl 57,8 H - Cl 103,0 O = O 118,3 Br - Br 46,1 H - Br 87,5 C - C 83,1 C - H 99,5 C - Cl 78,5
  • 37. Observe que os valores tabelados são todos positivos, isto porque o rompimento de ligações é um processo que consome energia, ou seja, é um processo endodérmico. A formação de ligações, ao contrário, é um processo que libera energia, processo exotérmico. Para se determinar o ∆H de uma reação a partir dos valores devemos considerar: • que todas as ligações dos reagentes são rompidas e determinar a quantidade de energia consumida nesse processo; • que as ligações existentes nos produtos foram todas formadas a partir de átomos isolados e determinar a quantidade de energia liberada nesse processo.
  • 38. TIPOS DE CALORES E ESPONTANEIDADE DAS REAÇÕES A variação da entalpia recebe uma denominação particular da natureza da reação: • Calor de combustão ou entalpia de combustão: É ∆H associado à reação de combustão, no estado padrão, de um mol de uma substância. • Calor de dissolução ou entalpia de dissolução: É o associado a 1 mol de uma substância em água suficiente para preparar um solução diluída. • Calor de neutralização ou entalpia de neutralização: É o da reação de neutralização de 1 equivalente-grama de um ácido por 1 equivalente de uma base, ambos na forma de soluções aquosas diluídas
  • 39. Espontaneidade das reações • Muito dos processos que ocorrem à sua volta são espontâneos, isto é, uma vez iniciados prosseguem sem a necessidade de ajuda externa. A dissolução do sal em água, a queima de carvão são exemplos de processos espontâneos. • Os processos espontâneos são aqueles que apenas são possíveis através do fornecimento contínuo de energia do meio ambiente. O cozimento de alimentos, a obtenção de metais, são exemplos de processos não espontâneos. • A constatação de que a maioria dos processos espontâneos ocorrem com liberação de energia, levou à idéia de que apenas processos exotérmicos, que ocorriam com diminuição de energia do sistema, eram espontâneos. De fato, isto é verdade para muitas reações; existem, no entanto, processos espontâneos que absorvem calor. Portanto, além do fator energia, existe um outro que influencia a espontaneidade de um processo. Este fator chama-se entropia, e é representado pela letra S.
  • 40. A entropia está associada à ordem ou à desordem de um sistema. Quanto mais desorganizado o sistema, maior será sua entropia. Exemplos de processos que ocorrem com aumento de entropia: • a evaporação de um líquido: no estado gasoso as moléculas movimentam-se com mais liberdade do que no estado líquido, estão, portanto, mais desorganizadas; • a dissolução de qualquer substância em um liquido também produz um sistema em que a desorganização é maior. Da mesma forma que para a entalpia, para a determinação da entropia das substâncias foi necessário estabelecer, arbitrariamente, a entropia de algumas substâncias e, a partir disso, construir uma escala relativa de entropias. Estabeleceu-se que uma substância, na forma de um cristal perfeito, a zero Kelvin, tem entropia zero.
  • 41. • A espontaneidade de um processo é determinada pelos fatores entalpia e entropia. • São espontâneos os processos que ocorrem com diminuição de entalpia e aumento de entropia. • Não são espontâneos os processos que ocorrem com aumento de entalpia e diminuição de entropia. • Quando um processo ocorre com aumento ou diminuição simultânea de entalpia e entropia, para se prever a espontaneidade ou não da reação é necessário lançar mão de uma grandeza que relaciona a entropia e a entalpia. • Esta grandeza é a energia livre de Gibbs (G) e é dada pela equação:
  • 42. • ∆G é a variação de energia livre do sistema, dada em kcal/mol; • ∆H é a variação de entalpia, dada em kcal/mol; • T é a temperatura absoluta (K); • ∆S é a variação de entropia, dada em cal/K . mol. A energia livre de Gibbs mede a capacidade que um sistema possui de realizar trabalho. São espontâneos os processos onde a capacidade de realizar trabalho do sistema diminui, ou seja, ∆G < 0. Processos não espontâneos são aqueles onde a capacidade do sistema realizar trabalho aumenta, ou seja, ∆G > 0.
  • 43. FONTE BIBLIOGRÁFICA: • http://inorgan221.iq.unesp.br/quimgeral/r espostas/termodina.html • http://educar.sc.usp.br/quimapoio/termoq ui.html • http://netopedia.tripod.com/quimic/termo quimica.htm • http://mundoeducacao.uol.com.br/quimica/ termoquimica.htm